Carlos Augusto Cacá: Eu faria o seu poema. Não o que você...

Eu faria o seu poema.
Não o que você merece,
que não é fácil fazer tanto.
Mas, um poema sincero,
pra gravar dentro de mim
as linhas do seu encanto.

Ele seria incompleto,
que nem tudo a gente vê.
E mesmo que eu pudesse
percebê-la como é,
não saberia explicá-la.
É que a poesia é falha
e o poeta, mais ainda.

Mas faria com vontade,
que a vontade me sobra
de te traduzir em traços,
rabiscos e embaraços
que eu pudesse entender.

Eu faria seu sorriso
de quem gosta de sorrir.
Suas pernas pelo mundo
abrindo trilhas de vida
e os pés firmes no chão.
Faria as suas mãos,
o seu abraço, os seios,
seus sonhos e devaneios,
e seu cansaço ocultado.

Eu faria seu rosto,
cabelo, boca e olhos.
Até sentir o seu cheiro
Perfumando meu papel.

E te gravaria em mim,
no escuro do meu dentro
pra cintilar como estrela.
Mesmo te fazendo errada,
incompleta, inacabada,
Sempre poderia vê-la,
mostrando o rumo da estrada.
Eu faria a caminhada
se eu pudesse fazê-la.

Inserida por moringa