Juscelino Corrêa: O Poema Revelador do Homem Fazendo uma...

O Poema Revelador do Homem

Fazendo uma brincadeira com o poema de Carlos Drummond de Andrade “ Um Boi Vê os Homens”. A analogia do ser vista na visão de um cachorro e outra na visão de uma árvore.

Um Cão Vê os Homens

Muito deles iguais a mim, servos de um sentimento,
Iguais a mim escravos de amigos incompreendidos.
Tão quietos, quando percebem a diferença em nossos signos lingüísticos,
Às vezes, muito compreendidos ao vê-los olhando no fundo dos meus olhos.
Vê-los assim, entendo que, em alguns tempos são alegres,
Irreverentes, em outros instantes, são tristes, desiludidos e mal compreendidos.
Pobre eles são,
Por não saber ter paz em seu habitat normal.
Quantos deles já se sacrificaram, por não entender a língua dos homens
E quantos exaltaram, chegando a flutuar no êxtase de suas vitórias.
Êxtase das realizações de seus objetivos,
Amor e compreensão.
Às vezes tolos eles são, sabem de suas capacidades,
Fingem não vê-las passando por despercebidos,
Esquecendo que são racionais,
Mas, sempre bons,
Dividem as migalhas com seus amigos irracionais,
E com os seus semelhantes também.
Assim são eles, nem bons e nem ruins,
O que predomina é o individualismo entre eles.
Assim são todos.

Uma Árvore vê os Homens

Às vezes milhares de mim uma só paisagem enche os olhos deles.
Os transcendentais nos cuidam muito bem, entre outros absolutos,
Destroem-nos, sem a consciência do que somos para eles, os homens.
Absolutos ao sentarem em minha sombra respirando o ar puro,
Para purificar suas idéias brilhantes.
Aqueles que meditam sobre minha sombra,
Saboreando no que há mais doce em mim,
Estes são os transcendentais amigos desta madeira.
Outros se finalizam em ter a terra tombada,
Por fins queimados, sem objetivo e razão.
Estes são apenas capitalistas,
Com a inteligência mais dura que minha armadura, que é a madeira.
Mas tudo bem,
Eles são esses seres ambulantes,
Que correm de Um lado para o outro,
Eu sou uma matéria fixa,
Mas que de mim se aprende muitas lições.
Eles de alguma forma plantam para colher,
Eu tenho o trabalho de produzir o fruto, a sombra, ar puro,
Para que todos os homens consomem.
Esta é a lição que dentro de si mesmo,
No seu silêncio interior,
Poderá aprender com o meu silêncio inquebrantável.

Inserida por correajussa