Paulo Master: Quantas vezes chorei A vida nos...

Quantas vezes chorei

A vida nos proporciona momentos muito lindos em que sentimos ferver o sangue de felicidade, mas tem horas que o choro é a mais dura realidade.
Eu já chorei de felicidade e também de tristeza, já chorei por saudade, já me senti na metade e muitas vezes eu menti pra não chorar.
Eu fingi um sorriso para não te magoar e senti um vazio à te ver chorar, fugi de mansinho pra não te ver chorar depois, eu abracei muitas dores por nós dois.
Muitas vezes eu passei momentos de puro desespero com vontade de chorar e outras fui até em baixo, pra te fazer me amar.
Me desapeguei do meu orgulho, me calei com um sussurro bem baixinho pra não te perturbar, eu já me fiz escudo pra não te machucar e sendo assim, saí à soluçar.
Quantas vezes te chamei, quantas vezes chorei, muitas vezes imaginei o seu corpo sobre mim, muito tenho pra viver, pra sorrir e pra chorar, pra te sentir e pra te amar.
Eu vou dizer que te amo quantas vezes forem necessárias para não chorar e vou chorar por você quantas vezes forem necessárias para te amar.
Se eu mereço tudo de você eu acredito que você merece tudo de mim, e eu te entrego tudo e absolutamente tudo o que você quiser.
Te dou minha vida, te entrego minha lida e coloco em suas mão a minha felicidade sem necessidade de você me pedir, pois eu sou todo de você, vivo por você e existo por te ter.
As pessoas em geral se enganam com o amor, se embriagam com a dor e imploram por favor, sem saber que o espinho está na flor e o espinho vai trazer a dor do amor.
Está tudo certo, nessa roleta em que o amor se encontra estamos propensos ao bem e o mal e à qualquer hora venha ser fatal, a fatalidade torna-se normal.
Se eu choro por amor é um sentimento banal, outrora chorasse pelo seu desprezo e fugindo do seu chamego ainda te faço especial.
O coração se engana, se deixa levar pelo disfarce que o amor inventa e quando chega já é tarde, a carne queima e a chama já se arde.
O amor se iguala à uma estrela e com brilho forte ofusca a visão da razão fazendo mesclar emoção e coração, uma junção para conter o vazio que proporciona a solidão.
Se um choro vem por dor, então o amor é o castigo disfarçado do desejo, sentido equivocado da razão, esquiva do coração com a culpa da emoção.
Não consigo dizer não à quem está no coração, sentimento traiçoeiro anda junto com a razão, me tentando deixar frio mesmo com o fogo da paixão.
Essa paixão que me pega sem dó e faz chorar, deixando minha face com aparência de choro intenso, cada vez mais tenso fica nosso amor, e lamento minha dor.
Eu lamento minha dor, lamento meu amor e choro sem sabor, pois já chorei por você, eu já chorei por mim, já chorei por nós dois e chorei por seu amor.

Inserida por Paulo-Santana