Andy More: Entre o sonho e o real... Estacionei,...

Entre o sonho e o real...

Estacionei, por escassos momentos em memórias descaídas no tempo, onde rasgo palavras perdidas entre silêncios eremíticos... E apercebo-mo da importância que as palavras vão formando como um vínculo a sensações inimagináveis que transformam os sonhos em emoções, como se as estivéssemos vivendo no preciso momento.
A emoção não é mais do que a perturbação das sensações transmitidas pelo sistema nervoso, que, nos chegam ao cérebro e as descodificam para as sentir e definir os nossos sentimentos.

A escrita, consegue transmitir sensações a uma velocidade muito superior do que a própria oralidade da palavra; ela consegue fazer-nos imaginar cheiros, sons e paladar através dos nossos sentidos muito mais apurados numa sintonia perfeita da compreensão que transportamos da realidade para o nosso imaginário.
Servimo-nos de todos os componentes que conhecemos e alteramo-los nos sonhos para satisfazer um prazer que ainda não tivemos e aspiramos a todo o momento para que ele se torne real. Por tal motivo, e não é por um mero acaso que, os sonhos são um dos maiores enigmas do homem.
Numa conversação, focalizamos muito mais a audição na oralidade e dispersamo-nos mais dos nossos restantes sentidos. Ao invés dos sonhos que nunca nos servimos da audição, mas cujos restantes sentidos estão todos activados, e até, muito mais alertados e apurados, por não haver interferências exteriores. Logo não existe a desilusão. A desilusão só faz parte do real, nunca no imaginário do sonho, estejamos nos a dormir ou a sonhar acordado. O homem sonha e a obra nasce... Ou seja, hoje vivemos numa realidade que passou pelo sonho de alguém, os quais, já não nos é permitido sonhar, mas pensar e vive-los. E o pensamento requer silêncio absoluto para a meditação ou reflexão, para nos facilitar a tarefa de fazermos chegar o sonho à nossa realidade.

A vida é precisamente isso, um sonho constante. Sonhamos com o amor que ainda não se teve, regra geral todos sonhamos em querer paz e ser felizes, e transportamo-los para objectivos que queremos atingir.
Sentir paixão em tudo aquilo que fazemos é essencial para o nosso equilíbrio e sentirmos satisfação. Em suma, vivemos em cima de sonhos para justificar a nossa própria vida no desejo de querermos alcançá-los realiza-los e sobretudo vive-los.
É precisamente, nestas circunstâncias, que eventualmente se sentirá surgir angustia o desânimo e o dolorosamente insuportável pelo fracasso. Os quais, nos deixam infeliz e sem objectivos.
A coragem é fundamental, para avançarmos em direcção àquilo que desconhecemos e retirarmos daí as elações da vida que consigamos absorver e construir outros objectivos com satisfatória elevação.

Inserida por AndyMore