Paulo Master: Eu vivo das lembranças dos seus beijos!...

Eu vivo das lembranças dos seus beijos!


O doce da vida se tornou um fel, mais que de repente eu tinha tudo, hoje estou sem nada, estou sem você e sem o amor, sem o seu amor.
Sem meu sol, sem minha noite sem o meu dia, queria saber onde foi que errei e cadê aquela mulher que me envolveu, me seduziu e me abandonou.
Me deixou no frio do inverno, me deixou no fio do inferno onde uma lágrima se faz a morte e a sorte que tinha antes, se afastou de mim.
Sentir-se pois solitário agora é o único meio de viver sozinho o que antes era vivido por nós dois e a saudade do seu corpo me deixou pela metade.
E quando me beijavas, sentia que o paraíso estava em você, no seu toque, na sua boca, na saliva que se transformava em nèctar do amor mais forte que minha vida agora se vê desabilitada, como sem você eu nem existisse.
Não quero existir se você não pegar na minha mão e me trazer para dentro de ti, pois eu jamais me deixaria entregar á outro amor que não seja o seu.
Amo você!!
Sei que para sempre vou te amar, para todo sempre vou morar em meu mundo sozinho e solitário à espera que um dia você venha voltar e me resgatar dessa solidão.
Solidão bandida, escuridão perdida nas curvas do seu corpo que de tão afastado estou, já nem consigo senti-lo em meus pensamentos, vivendo de sonhos e fantasias nem sei mais o que é a realidade se na verdade você não está comigo mais.
E selando minha vida no encalço da solidão vou vivendo um pesadelo e em cada esquina encontro um motivo para desistir de continuar, porque suas lembranças vem como fantasma me atormentar.
A paixão carrega consigo a sombra do desespero de sentir-se só, e como apelo ao meu ego vou seguindo os caminhos do amor, sem saber que naquela esquina seria a próxima vítima.
Me sinto a vítima do amor e o senhor do desamor, como era antes de saber se o amor existia, sem saber o que seria o amor, e a sua boca continua me atormentando.
Só queria saber se eu vou cantar essa canção à vida toda, a canção da solidão, do sofrer sem você, a canção dos que vivem à sofrer sem ter de volta quem á esperar estiveram.
Não nasci para viver sem teu amor, nunca á esqueci totalmente, se na minha mente você está vivendo eternamente eu vou te amar para eternidade.
Sem ter você eu já nem sinto nada, Sinto-me como ave ferida machucada e sem ter onde pousar, minha viagem acabou se deu fim o meu desejo, eu vivo das lembranças dos seus beijos!

Inserida por Paulo-Santana