Paulo Master: O dente do ciso! Queira eu ser útil ao...

O dente do ciso!

Queira eu ser útil ao meu semelhante e á mim mesmo, enquanto vida eu tiver, se ao menos chance tiver de agir e as oportunidades de me mostrar perfeitamente apto em servir.
Embora o desejo da solidariedade esteja se tornando um sonho distante hoje em dia, mas sinto que devo fazer minha parte, quem sabe se não é assim que o mundo possa mudar.
Sem ter como evitar ou virar o rosto diante dos menos favorecidos e ou excluídos pela sociedade, que nada mais é do que a única culpada por tantas desgraças.
Se for falar em "sociedade" o que quer dizer sociedade se não uma associação de pessoas à prestar-se em favor de seus mesmos interesses, coisa que sempre foi o contrário.
Evitando assim que pessoas dentro de um contestam de necessidade extra ordináriamente fora das cláusulas deles mesmos, e sendo assim os mais necessitados se tornam ainda mais necessários ao sucesso da sociedade.
Pois como um dente do ciso que sempre vem fora de época causando dor e nunca servindo para nada, encontramos alguns incapazes de pelo menos sentir compaixão pelo seu semelhante, como se faria presente seu demente dente!
Se for para evitar à mão amiga, que seja para tirar da lama da sociedade os que se julgam sobre saltados em relação a pessoas que avistam de seus andares sempre elevados.
Ou pensamento de grandeza em conseqüência de sua vasta ignorância, conseqüência da falta de caráter ou seria personalidade acompanhada do distúrbio sendo um crápula disfarçado de cidadão.
Como encontramos pessoas com a maior satisfação em ser cordiais exemplos de honestidade e humildade encontram-se os "cisos" que carregam consigo a fama do "novo", mas elevam ainda mais para o alto a desgraça acompanhada de miséria aos que sem saber vem a sociedade enriquecer.
E como uma órbita que dá várias voltas em seu próprio eixo, nem seria necessário dizer que quando o novo se fez velho já deixou uma cratera gigantesca e saiu sem ao menos uma pá de areia em tentar fechar, ou omitiu o seu feito.
O interessante é que as pessoas estão tentando ser felizes de um modo tão desesperador que deixam passar despercebida a sua grande chance de ser feliz ou lutar por seu verdadeiro direito.
E de pensar que a visão que se tem da vida, vem do passado onde todos fomos estimulados à viver dessa maneira, como se em tempos atrás tivesse a sociedade se combinado em prol de si mesma.
A grande verdade é que se tentar lutar se perde um tempo precioso, se nem preciosidade é palavra para se usar, ou tentativas seriam em vão já que as leis são feitas por eles mesmos.
Coitado do pobre, ou pobre coitado, que sem ter terra para morar e às vezes mora na terra de ninguém, pois enriqueceu essa terra para tirar as dores dos cisos que nem são seus!

Inserida por Paulo-Santana