Hélio Pereira Banhos: O rei e o mendigo Num bairro na zona sul...

O rei e o mendigo

Num bairro na zona sul de uma cidade onde moravam as pessoas mais ricas e poderosas do país.
Morava também um homem muito respeitado no país pela sua legendaria historia no poder público. Este homem se deslocou de sua cidade para outra cidade, onde já estava tudo arrumado para o seu glorioso discurso da sua nova conquista. Antes de chegar ao movimento fértil o todo poderoso, “rei” viu um mendigo todo sujo e fedendo na praça, que chamou a sua atenção, apesar de tudo este mendigo pulava e cantava de alegria.
Ele aproximou do mendigo e disse:
- Porque você esta feliz, com esta ida tão miserável que o condenou?
- Eu sou sempre feliz, não sou condenado, eu sou é livre por isso que sou feliz!
- Você é um mendigo, é que eu saiba mendigo são pessoas revoltadas e miseráveis muitas vezes chega ate ser violento.
- O senhor não sabe nada, eu sou um mendigo mais não sou revoltado nem revoltado e tão pouco violento. Eu sou feliz por poder apreciar a natureza e seus encantos. Veja a que Le pássaro como canta é lindo!
- Você mora a onde?
- Você não tem família?
- Moro na cidade, nas vielas, nos bairros em qualquer lugar.
Minha família é a natureza os pássaros, eu sou um Pelegrino não tenho lugar certo.
- Mesmo assim é feliz?
- Sim, sou muito. Não tenho nada a reclamar.
- Pois a minha felicidade é o dinheiro. O que seria de mim sem ele! Acho que eu morreria.
- O dinheiro não é tudo.
- Para mim é, moro numa luxuosa mansão com muitos empregados para mi servi,sou um homem muito ocupado. Agora mesmo eu estou indo para uns discursos, onde eu sou esperado como rei. Mais o senhor não tem nada de bom para dar em troca, porque você pensa só em você mesmo, tudo que fala é demagogia.
- Porque você pensa muito mal de mim?
- Veja bem!
- O que?
- Vive muito bem! Mais não seria capaz de sobreviver quando estiver mal.
- Mendigo! Procura alguma coisa para você fazer, você pode ficar bem e deixa de ser mendigo.
- Talvez, mais sou feliz assim!
- Estou perdendo tempo com um mendigo! Mais você é diferente deles. Já estou atrasado para o meu discurso...
Anos passaram, e os dois novamente se encontrarão.
Para o carro me deixa da uma esmola para aquele mendigo. Moço, moço!
- O que você quer comigo? Deixe me dormi.
- Pega esta esmola para você compra alguma coisa para você comer.
- Obrigado! O que eu quero mesmo é morre!
- Morre! Morre por quê?
- isso é problema...
- Espera! Agente já não se conhece?
- De onde? É impossível! Eu sou novo nesta cidade.
- Você não é aquele homem que em outra oura nos encontramos numa praça?
- Não me lembro do senhor! Há... Estou me lembrando sim do senhor, você era o mendigo e eu o “rei”.
- O que aconteceu com o senhor, que veio para nesta situação? Você é um mendigo triste e miserável agora.
- Eu tive uma grande oportunidade para triplicar a minha fortuna na bolsa de valores, a minha ganância falou mais alto, e perdi tudo, tudo que eu tinha. Perdi dinheiro, família, amigos e o poder.
- Lamento muito, mais a vida continua.
- Para mim a vida acabou não tenho mais força e vontade para reverter este quadro, só tenho revolta e ódio de lembrar que um dia eu estava por cima.
- E você como esta mudada! Você é rico!
- Sim não como você era no passado, fixo como você sugeriu, trabalhei e apostando na minha foca e vontade e venci.
Hoje eu tenho família, esta vendo aquela mulher e aquela criança? É a minha família.
- Eu não tenho mais a minha família eu o perdi, não tenho nem mais vontade de viver.
- Não fale bobagem moço, não fica assim tão arrasado, você pode da à volta por cima, e conquista tudo novamente.
- Como! Já te disse:
- Acabou tudo.
- É uma pena para quem já foi muito orgulhoso, que só pensava em si próprio.
Deixe me ir a minha família me espera.
Hélio Pereira Banhos

Inserida por leik