Paulo Master: A chuva e o telhado, eu sem você! Estou...

A chuva e o telhado, eu sem você!

Estou ouvindo a chuva bater no telhado, sentindo o telhado, a chuva bater, a chuva cair, a lágrima rolar, tristeza, a tristeza chegar, veio mais uma vez, veio outra vez.
Veio me roubar, veio me conturbar, vem como um ladrão vem me roubar, mas você, você nunca vem, como a chuva que sempre volta, eu nunca vejo você voltar!
Feliz é o telhado que sempre espera a chuva, e a chuva é a sua única alegria, a alegria que o telhado vem a sentir, mas eu não consigo sentir você, sem você não tenho ninguém.
Vem ser minha chuva, ser minha única esperança, vem, deixa eu te sentir não seja ruim, seja como a chuva que sempre volta e sempre dá á esperança voltar.
Tempestade de saudade, nem sei mais como seu rosto está, meu desgosto é que vem te mostrar, entra fica dentro de mim, tira sim o meu medo, ser o seu tanto de pena de mim.
Já perdi o medo, perdi a noção do perigo, sem você já até consigo viver por viver, só vivo por você, meu coração bate sem te ter.
Acabou a chuva, vou esperar outra chuva, mas você eu não devo esperar, você não vai voltar, mas a chuva vai o telhado alegrar, ela vai o telhado alegrar!
Ela não vai mais voltar, você não vai me chamar, mas eu vou chorar e ela vai voltar, a chuva vai voltar, o telhado vai se alegrar, eu vou ter minha lágrima rolar.
O romance entre você e eu já terminou, já acabou nosso amor, eu vou embora, pois acabou nosso amor, você me deixou, eu já me vou.
Como devo acreditar, como vou suportar, você tem que me ajudar, eu preciso me aceitar, preciso te deixar, tenho que acreditar.
Feliz é o telhado que espera a chuva voltar, ela vai voltar, ela sempre volta, você nunca volta, ela deixa esperança, você nunca deixa nada.
Não sei, só sei falar de nós dois, só sei que depois que você se foi, não sei mais o que foi, que eu acreditei, eu acreditei na sua volta e na volta da chuva, mas a chuva voltou, você não.
Essa tortura, ela dura, pendura e não tem cura se você não vem, se você voltar, vou curar.
O coração tristonho, cheio de sonho, vai sorrir e se encontrar, não vai mais a lágrima rolar.
Sinto saudades de você, meu fim ainda não teve fim, todo dia meu sofrimento começa de novo, toda vez você vem me atormentar com a lembrança de quando eu sabia pensar.
Não sei mais pois, só penso em nós dois, me lembra de seu cheiro, sua voz e a suave brisa da chuva fina á molhar nosso rosto ao luar, sim nós dois ao luar.
Eu pensei que nunca ia te perder, esperei o amanhecer, só depois percebi que tava sem o meu querer, não tinha como segurar, você deslizou como chuva desliza no telhado.
Se o telhado fica feliz de ver ela, a chuva deslizar e fugir, estou triste de não ter você aqui, e não sei onde está você, mas a chuva está pra cair.
As lembranças de nós dois, recordações de um tempo que se foi, saudade do amor que esteve comigo, e agora não espero porque não vem.
Sem medo, mas com receio me acordei, me deparei com a ausência de você, saudade sabor de desejo, sentido do meu meio ficar só, sem sua metade, mas com saudade.
Não vou mais falar de você, me deixou aqui, se soltou de mim, resvalou minha vida no abismo, que sem saber por um trisco, consegui me salvar, mas voltei á arriscar.
Feliz ta o telhado que sem ter risco, nem arisco precisa ficar, já que a chuva quando vem se divide com a sua metade, e o coitado sempre pensa, com a melhor parte ficar.

Inserida por Paulo-Santana