Paulo Master: Doce loucura Quando for falar de amor,...

Doce loucura

Quando for falar de amor, retire de sí tudo o que te prende á realidade, pois no amor quanto mais mágico, mais real, quanto mais insano, melhor se adapta á realidade do amor.
O amor é um sentimento um tanto adrupto, nos força á tomar decisões em que na mais pura sanidade jamais viria-mos tomar, dessa forma se torna ele dono de nós.
Como uma força envolvente, do tipo se tem noção, sem ter do que pode vir depois, é como se esperássemos o mais improvável das ações e, ainda assim, nos surpreendessem..
Repentino é o coração que forçado nunca se deixa levar por outra influencia se não a do amor, e mais uma vez como louco de desejo vem provar da loucura sem cura.
Como se nunca quisesse se curar, o amor rejeita qualquer tipo de remédio, se tomar alguma coisa é o mais puro veneno no qual deixa ainda mais louco de amor o coração apaixonado.
Como criança teimosa insiste em ficar, sem se importar com os perigos que podem vir e levar como vítima de seu desejo infantil, ou sentimento duentil.
Se doença de amor tiver cura que tome o antídoto quem quiser, eu vou é cair de frente nessa loucura delicosa, queria eu que nunca tivesse cura, viver da mais doce das loucuras.
Jogar pro alto a verdade, fugir da castidade e viver um amor de verdade, cúmplice do desejo, amigo da paixão, distante do abismo fugindo da solidão.
Se na vida sonhamos com o amor direitinho, como podemos evitá-lo? coração não se vende e nem se compra um amor programado, amar alguém de verdade, pode até ser um recalcado.
Entre linhas os sentimentos se perdem, ora, se no amor a loucura vem sem direção, como segurar uma vontade que nem por sí se segue então.
Ou fazer valer a saga de uma vaga semelhança que se opõe os sentimentos ao optar por jogar com toda força uma coisa que as vezes nem podemos suportar.
Sem direcionar, mas como se apontando para frente e lançando a semente do amor no coração, deixando-se envolver pela mais doce das loucuras, a loucura do amor.
Como chuva fina as emoções nos envolvem e se deixa pensar que é uma leve brisa ao vento, mas amor de verdade vem como um temporal derrubando tudo.
Desfalecendo qualquer opinião á respeito de sanidade, respeito ou vontade, amor que se preze tem que valer, tem que doer de saudade, somos felizes com essa realidade.
A paixão está diretamente ligada ao extremo do do existir, tão somente nos sentimos vivos quando amando de verdade, seriam loucos os que por amor se vem á perder.
Como a delícia dessa vida é o encanto de uma pessoa em que depositamos todo nosso mais bem querer, assim esperamos poder depositar sem sentimentos de rejeição.
Mas o que mata no amor é o sabor da indiferença, que se faz como uma onda de proporções gigantescas, tornando assim tão pequeno o que enorme parecia ser.
Em seu lugar somente ficaria os restos do amontoado de amor que outrora seria para ser eterno, amar é estar no paraíso olhando pro deserto.
Não tem diferença nas coisas que se compara com um simples olhar, se o próprio coração é quem toma as rédias e consegue enxergar somente o seu par.
Fora de controle a situação faz ficar, e a paixão como sempre vem á ganhar, não podemos lutar por uma coisa que pedimos para continuar, ficar a loucura, mesmo sem ter cura!.

Inserida por Paulo-Santana