Keidy Lee Jones: Rígida Justiça Passeando por...

Rígida Justiça

Passeando por entrelinhas
Hoje estão rígidas,
Quando as vi pareciam mais fracas.

Ontem quando te vi
Tentei consertar suas roupas rasgadas
Meus nervos e minhas mãos
Tremiam em plena harmonia,
Não é crime chorar
Estava me matando para agradar.

Escorreguei com a agulha
Até lhe furar
Não foi por querer
Por isso não foi crime.

Palavrinhas destroçadas
Assim como suas feridas
Expostas sem expectativas
De um dia curarem.

Rodeando toda a lua
Não há como se refrescar
A agonia da agulha
Até agora dilacera
Seus errinhos que acabei de perdoar.

Não, não foi por querer
E, também não foi crime
As paredes ameaçam desabar,
Por sobre nossas enevoadas barracas de papel
Não, não é crime.

Inserida por lee