Ana Beatriz Figueiredo Mota: “Ainda que eu segure nós de...

“Ainda que eu segure nós de lágrimas,
cálidas, errantes...
Caos da tua figura,
alheio ao que no meu íntimo ser penetra.
Mordaz são meus desejos,
que de pouco a pouco em tí se faz segredo,
mais do que em mim habita...
Segredo de sangue, gravado, ardente, inebriante,
quando com teus luzeiros, clarão me fitas...
momentos de torpor, delírio, fulgaz meus pensamentos...
Vão ao longe entrelaçar-te, amarrar-me com vãos desejos...
Que aos meus sonhos dão contorno,
no calor e ardor dos teus beijos.
Calo-me, poucos instantes, tão imersos em medos...
Falo-te com mil audácias, tão claro e não vês...
Quem sabe buscar-me-á quando for hora, para que te alente ao cair do soro.
Soro este que já choro...Junto á tua pseudo ausência!
Cravado aos instantes que me ignoras."

Inserida por annaresena