Adolfo: Tão de repente perto de mim E essa...

Tão de repente perto de mim

E essa solidão que me dói
E dói demais
Faz perecer o meu corpo
E vislumbra minha paz
Eu sou assim
Tão de repente perto de mim
E reconheço o meu fracasso
Eu sei o preço
Que pago
Mas quando dói
Eu sinto o fim em um acaso
Reconheço o meu pesar
Eu sei que não tenho culpa
Mas vou esperar
Mais uma vez a sua desculpa
Por desprezar
Essa dor
Que foi demais para mim

Eu sei que não tenho perdão
E eu entrego
Corpo, alma e coração
Pois não deixo de alimentar
Essa distração
Que por medo e receio
Foi criado pela emoção
De se desesperar

A minha porta está aberta
E eu sou todo teu
E o que me resta?
O que é meu?

E essa solidão que me dói
Não tem mais porque
Deixei de pensar, existir e fazer dessa emoção
Um jogo de brincadeira, sonho e ilusão

Agora peço a Deus para você voltar...

Inserida por aline.vilvert