Valter da Rosa Borges: Na infância, os olhos límpidos vêem o...

Na infância, os olhos límpidos
vêem o mundo claramente
sem a catarata do tempo.

A fé no visto e no sonho.

A vida maior que a morte.

O corpo livre do peso
do vivido e não vivido,
do perdido e do não gasto.

Na velhice, os olhos turvos,
a opacidade do mundo,
a fé no que não se vê,
a morte maior que a vida,
recordações (e não sonhos),
algumas já desbotadas
ou outras reinventadas,
e as sensações prazerosas,
que o corpo já esqueceu.

Inserida por rosaborges