DUTRA Michelly Cristina dos Santos: (suspiro...) Quando sinto o perfume de...

(suspiro...) Quando sinto o perfume de ervas, fecho os olhos e sinto a umidade, vejo um flamboyant que contrasta com os verdes ...
O que isso significa? NADA, saudosismo, talvez?!
Mas e quando ouço palavras de ordem e gritos de indignação...E se folheio paginas de um livro de capa vermelha, meu coração quase pula pela boca,... Ele perde o ritmo, por um instante sinto como se parasse, mas não, ele não parou de bater! Eu apenas confundi a disritmia com o vazio.Um vazio dolorido, que é como se um verme houvesse corroído esse meu singular músculo pulsante que parece kamikaze nesta luta de convencimento como outro músculo, músculo esse que é estático e que ocupa minha caixa cefálica.
Ah ! Porque perco meu tempo escrevendo? Para que este serve se não produz pó de pirlim pim pim, para levar-me a ele?
Tudo isso que escrevo serve apenas para... NADA, nada !
Para chegar a conclusão de que direcionar meu libido a ele não serviu para nada, alias serviu sim, serviu para que fosse servil à ele, adiantou para que conseguisse provar d’água, mas não saciar minha sede. Sede de ter mais uma vez, uma não varias e incansáveis vezes seu calor, seu peso sem pejo sob meu corpo.
Por que não perdemos a cabeça?
Porque nos controlamos?
Porque seu corpo quer ser meu mas o coração não?
Porque meu corpo detecta elevado aumento desse hormônio que reflete no meu intramuscular que chamo de sublime coração?
Sublime?Sublime ou ordinário que deixa ser roído por vermes e bicado por corvos?
Ah como explicar a dor?
Nem tento explicar essa paixão que arde e fere e me faz sentir-me como madame Sade!
Seria eu pobre discípula do Marques que ensinou tirar prazer de dor?
Será que tanta dor tem me causado prazer?
Minhas lamurias não o comoverão, e ainda insisto por quê?
Falei dos meus medos,até brinquei com Dumond, me apropriei do congresso internacional do medo, me ensinaste a levantar a cabeça e tentar a lutar pelos meus ideais,me ensinou que as utopias fazem parte da vida.E que sonhar com um mundo melhor tem outro nome.Ainda me mostrou que eu “sei o que devo defender”. Nunca pensei que fosse superar a bruxa que voava sobre a vassoura,e as quimeras que enterrei, mas superei,então não será porque foi lascivo que me perderei.
Em breve outro será digno de sentir meu aroma de barregã!
E concupiscência e Luxuria não serão mais redundantes na mesma frase serão apenas a grafias complementares um d’outras acompanhadas de doces palavras que nunca foram proferidas de seus lábios por isso ainda não as conheço.

Inserida por cristinana