Dedicatórias a Professora

Cerca de 188 dedicatórias a Professora

Professora só procuro uma, que ao me ensinar a viver também me ensine a morrer.

Marco Filho
Inserida por maanolfi
1 compartilhamento

Sou professora da minha vida...escrevo a minha própria história... viajo nos meus sonhos...respeito meus limites...amo quem me ama...não sou escrava da beleza e nem de nada...sou apenas uma mulher com ideias que...além ver que nada é perfeito...gosta da vida e nela vive para amar...meu caminho eu tracei...dele eu fiz o meu lazer...viverei sempre como se fosse o último dia...pois a vida é isso...ela também quer ser vivida.

Rosângela Aparecida Ribeiro
Inserida por beladonilo
1 compartilhamento

No Dia do Professor e da Professora, uma paráfrase de 1 Coríntios 13 (*)

Ainda que eu falasse a língua de meus alunos e não tivesse amor, seria como o giz que range ou um professor que grita.
E ainda que eu tivesse o dom de ensinar muito bem a minha matéria, e ainda que eu tivesse o dom de administrar com maestria a minha Escola, e ainda que eu dominasse todos os métodos criativos, e ainda que eu fosse capaz de falar das Escrituras todos os dias para os meus alunos, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que eu planejasse reuniões sociais e visitasse a casa de cada aluno, e mesmo que eu fosse a simpatia em pessoa, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é paciente com os alunos que são lentos, o amor é gentil com os alunos que irritam; o amor não tem inveja de Escolas que vão melhor; o amor não tem orgulho das boas ideias.
O amor não grita com os alunos indisciplinados, não é egoísta com classes ou equipamentos, não se irrita com longas reuniões. O educador que ama tem uma vida pura e exemplar. Não exulta com o erro na vida de outros professores e alunos, mas fica feliz quando eles e os alunos agem corretamente.
O amor permanece quando ensinar se torna difícil, pois acredita que Deus opera através dos professores; o amor tem confiança na capacidade de seus alunos.
Existem recursos fantásticos, como o power point e telões; mas o impacto deles dura pouco. Há enciclopédias, dicionários e comentários, mas o conhecimento também acabará.
Porque em parte conheço meus alunos e em parte conheço didáticas, métodos e jeitos diferentes de ensinar. Em parte conheço maneiras de administrar. Mas, quando vier O que é Perfeito, então o meu ensino em parte será aniquilado.
Quando eu era professor sem amor, repreendia constantemente, desconhecia o processo de aprendizagem, desconhecia meus alunos. Mas, logo que me tornei um educador cristão adventista, mais experiente, e aprendi aos pés de Cristo, acabei com os métodos ineficazes.
Porque, agora, vejo meus alunos por espelho em enigmas; mas, então, os verei como realmente são; agora, os conheço em parte, mas, então, os conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé de que Deus trabalha na minha vida e na vida dos meus alunos, a esperança de que cresçam como cristãos maduros, e o amor que eu sinto por eles, assim como Cristo. No entanto, o maior destes três é o amor que eu sinto por eles. E por isso, quero a cada dia ser um professor e uma professora segundo o coração de Deus.

Colegas professores e professoras: Parabéns em nosso dia!

Adaptado de Lia Johnson. Como Ensinar Adolescentes: Descubra a Alegria de Trabalhar com Eles. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003, p. 70 e 71.
Inserida por amandamada
1 compartilhamento

Sou professora de sociologia em uma escola da rede pública
E minha formação é em artes cênicas (teatro)
Os alunos do ensino médio "me pediram"
para montar uma peça de teatro com eles
Com o maior prazer aceitei
Selecionei alguns textos e escolhemos
E o ensaio seria no meu intervalo
Pois dou aula até as 11:45 e volto as 13:00hr
Tudo bem, gosto do que faço, estou feliz!!
E os alunos concordaram
E os pais também
E... detalhe: Eu não receberia por isso!
Isso se chama "amor a arte"
A diretora só permitiu que essas aulas aconteçam em horário de aula
-Espere aí?
E o conteúdo dos meninos? Questionei.
- Eu converso com os professores pra "darem" nota.
Prejudicados eles não ficarão.
Engraçado,
que eu saiba projetos extra pedagógicos devam ser ministrados no contra turno
Por que as aulas tem que ocorrer no mesmo horário de aula,
prejudicando o decorrer das aulas
e automaticamente o aprendizado dos alunos?
SENHORAS E SENHORES
Essa é a educação do nosso país.
O descaso com que são tratados nossos alunos
que querem estudar
e ao mesmo tempo participar de um projeto
Mas tem que escolher....
E a culpa do ensino estar ruim é dos alunos?
Tem certeza?!!!!!

Laila Cristina
Inserida por lailatrizcris
1 compartilhamento

Minha ex professora disse que eu estava bonita e sorri sinceramente, bom começo não é? Mas passando em frente a uma loja de roupas de cama começou a tocar Same Mistake e ontem, chorei tanto ouvindo essa música. Perguntando porque diabos os meus sorrisos, os meus sentimentos, os meus textos não eram valorizados.

LaylaPeres
Inserida por LaylaPeres
1 compartilhamento

Alguém Tem Dúvida?...

Professora...
Me ensina a viver
E a te amar...

Francismar Prestes Leal
Inserida por FrancismarPLeal
1 compartilhamento

Tenhu uma professora muito doidxinha e parcerinha,o nome dela e sandrinha!

Guto Loki
Inserida por AugustoPensador
1 compartilhamento

A minha pior professora foi a VIDA, pois ela me ensinou como o homem é intolerável.

Hélton Souza
Inserida por heltonsouza
1 compartilhamento

Sou Professora portanto uma Poetiza, cuja Pena é o Conhecimento que compartilho com meus Alunos, resultando na Obra Prima da minha Vida!

Adriana Boattini
Inserida por adriboa
1 compartilhamento

Nossa Terra

Em uma sala de aula, a professora Natureza deu a seus alunos um desenho para pintar. Cada desenho tinha uma forma estranha, e as crianças deveriam colorir.
O menino Estados Unidos pintou seu desenho de amarelo. Os meninos Cuba, China e Japão pintaram seus desenhos de vermelho. A menina Inglaterra pintou seu desenho de azul-claro. A menina Alemanha pintou seu desenho de roxo. O menino Iraque pintou seu desenho de amarelo-queimado. O menino Brasil pintou seu desenho de verde... E assim todos pintaram seus desenhos.
Ao final da lição a professora juntou todos os desenhos como um quebra-cabeça. E foi surpreendente como as formas dos desenhos se encaixaram perfeitamente. – “Ah! Professora Natureza, sempre tão inteligente”. – O desenho do Brasil era um dos mais bonitos, por ser um menino quieto, fraco e um tanto quanto malandro – os outros se aproveitaram disto. Brasil, tinha feito vários tons de verde em seu desenho – o que deixou a Professora Natureza muito feliz.
Estados Unidos, um menino muito inteligente, amava sua professora, muitas vezes ele repetia: “Amo a Professora Natureza mais de que tudo...” – um tanto quanto falso, mas devemos considerar a inocência de uma criança – ele ficou com ciúmes da atenção que Natureza deu para o desenho de Brasil, e quando os desenhos já estavam todos agrupados, pintou uma parte do desenho de Brasil de amarelo – a parte mais verde do desenho de Brasil .
Quando a Professora viu aquilo, lhe perguntou por que ele fez isso, então ele disse: “O Brasil não estava cuidando de seu desenho, por isso consegui pintar o dele – acho então, que o desenho é meu – pelo menos, eu cuido”.

Nesse mundo de cores capitalistas e socialistas, esquecemos o verde da nossa Amazônia. – O governo cobra tanto que cuidemos da nossa natureza que esquece que os outros países andam se apropriando de algo que é nosso. – Quero a Amazônia preservada, quero eu – brasileira – poder usar dela.
Nosso governo tão educado, simbólico e que se diz certo. Comprova cada vez mais seus objetivos e fraquezas.
Talvez o menino Brasil não seja tão fraco e humilde, e sim inteligente para ganhar algo em troca do menino Estados Unidos. – É que eu não terminei a história. – “No intervalo, o menino Estados Unidos ofereceu um lanche para o Brasil para que ele não contasse ao diretor População o que aconteceu com seu desenho – para que Brasil falasse a Professora Natureza que havia deixado Estados Unidos fazer aquilo com seu desenho. Pena que Estados Unidos só ofereceu um lanche para o Brasil, porque se fosse mais ele teria conseguido o que queria”. – Brasil! Molequinho malandro... quieto, mas sempre pensando em crescer na vida. Estados Unidos, menino inteligente e determinado, não desiste nunca... espera só a próxima história, aposto que na próxima ele consegue ter a professora só para ele... Essas crianças de hoje em dia!!!

"Brasil, mostre a tua cara" - Defenda o que é meu, o que é nosso. preserve não por eles, mas sim por nós; não por dinheiro, mas pelo meio ambiente. A política é fascinante, eu sei. Mas a nossa terra, a nossa água, o nosso trabalho... é tão mais perfeito.

Gabriella Beth Invitti
Inserida por gabiiinvittti
1 compartilhamento

Luana professora linda de olhos verdes!!!

Queria te dar um pedaço de mim, para que só você pudesse me ver sorrir e feliz ao seu lado,Quanto tempo eu te amo e te quero, gostaria que você ficasse comigo 24 horas por dia, porque a vida sem você amor é triste, apesar de ter minha familia bem, eu sinto que falta algo, você!!!!!!! do meu lado me chamando de Môr,eu te quero tanto Lu, mais tanto !!!!!!! EU TE AMO muito lindinha, Todos beijos a mãe dos meus futuros filhos! Otima segunda a você tambem, te amo, te amo, te amo, eu te amo!!! Rick....

01-09-08
Inserida por rickejoe
1 compartilhamento

Arita Damasceno Pettená (28 de junho de 1932) é uma poetisa, professora e política brasileira natural de Florianópolis e radicada na cidade de Campinas (São Paulo).

Arita Damasceno Pettená
Inserida por suallinda
1 compartilhamento

Simples assim...
A vida é uma grande professora e o tempo quase sempre o senhor da razão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar muito tempo exposto a ele. Aceitará inclusive que as pessoas boas podem te ferir alguma vez e precisará perdoá-las. Aprenderá que falar pode aliviar as dores da alma. Descobrirá que leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la e que você também poderá fazer coisas que se arrependerá por resto da vida. William Shakespeare
Mas de tudo que a vida nos ensina, de um jeito ou de outro aprendemos que dela não levamos nada, e o que fica é nossa história, construída ao longo desse ensinamento.

MGT
Inserida por Tcheco
1 compartilhamento

nao sou professora mas irei ti dar uma aula de quanto eu ti amo Mamy,nao sou carsonete mas irei ti dar um cardapio do amor que sinto por voçe

eu mesma
Inserida por ShelciaMuthemba07
1 compartilhamento

Claro que eu gosto dela, e esse é o problema, também já gostei da minha professora na 1º série, já gostei até da Xuxa.

Ney Mombach
Inserida por NeyMombach
1 compartilhamento

Quando eu era criança eu queria muitas coisas, queria ser professora, cantora, engenheira. Queria me casar, ter uma família, eu queria uma vida normal como a de todo mundo. Eu não pensava em fugir, eu tinha medo de arriscar. Eu tinha medo das pessoas e do que elas iriam falar. Eu achava que era bom ser adulto e queria crescer. E hoje? Hoje eu vi o quanto eu era inocente. Hoje eu só quero viver.

Rafaela Corrêa
Inserida por rafaelacorrea
1 compartilhamento

"Gente da gente, professora Glaucy Abdon Amadei!
mostrou que a educação faz valer a pena.
Ofereceu-me seus ombros e no seu abraço a certeza da vitória conquistada.
OBRIGADA! Deus abençoe nossa caminhada!"
Rita de Cássia Francelino Souza

Rita de Cássia Francelino Souza
Inserida por ritadecassiafsouza
1 compartilhamento

Essa mulher linda e exuberante, simpática e ativa como sempre, será a eterna e doce professora de piano de todos nós seus ex-alunos castelenses. Parabéns professora. Você continua jovem e atraente como antigamente. Beijos de seu ex-aluno.

Luiz Maria Borges dos Reis
Inserida por luizborgesdosreis
1 compartilhamento

A vida é a minha melhor professora, pois ela me ensina melhor amar você

Desconhecido
Inserida por AfonsoCambilo
1 compartilhamento

A Previdência e as viúvas

DEBORA DINIZ
Antropóloga, professora da Universidade de Brasília e pesquisadora da Anis - Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero.
Artigo publicado em 6/1/2015 no jornal

Cara presidente Dilma Rousseff, estou indignada: nós, mulheres, não somos as responsáveis pelo “rombo das contas públicas”. O ano suspirava seu final quando o então ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, anunciou medidas provisórias que alteraram as formas de proteção às famílias trabalhadoras. Tempo de conjugalidade, período de contribuição, idade dos beneficiários foram modificados e sem regras de transição. Trabalhadores jovens e velhos serão igualmente afetados por medidas econômicas que ignoram características fundamentais não só do mercado de trabalho, mas do modo como as famílias se reproduzem no Brasil. Tenho vontade de gritar minha surpresa — o tema não foi discutido, sequer anunciado durante a campanha presidencial —, mas guardarei minha indignação para os fatos. Entre as medidas de contenção, está o corte de 50% da aposentadoria para o cônjuge do trabalhador falecido. As medidas provisórias se protegem nesse falso universal neutro da língua portuguesa, pois o correto seria dizer “haverá corte de 50% na aposentadoria das viúvas idosas”.

Sou de uma geração em que as mulheres trabalham na casa e na rua — cuidam dos filhos e recebem salários. Muitas enfrentaram a difícil decisão sobre como cuidar dos filhos e se ordenar no mercado do trabalho, esse ambiente que ignora que as crianças vão à escola, adoecem, reclamam cuidados. Conheço mulheres mais jovens do que eu — e uma multidão de velhas — que optaram por cuidar dos filhos, pois consideraram que o salário de seus companheiros seria uma garantia de aposentadoria integral a ser compartilhada. Algumas delas escolheram empregos com menor remuneração, como forma de ajustes domésticos para os deveres de cuidado.

Uma divisão do trabalho doméstico e da rua foi acordada no passado com projeção para o futuro: cuidariam dos filhos — ela na casa e ele na rua —, mas casa e rua teriam a mesma proteção na velhice. Fizeram escolhas de longa data, pois acreditaram na estabilidade democrática. As medidas provisórias ignoram como as famílias se organizam no Brasil, mas principalmente ignoram a vida das mulheres que nos antecederam. Pergunto-me se essas mulheres não seriam também mães dos senhores que anunciaram as medidas provisórias — talvez uma amnésia os tenha feito esquecer quem os amamentou, limpou suas fraldas ou revisou seu dever de casa de matemática.

Em nome de uma economia que se anuncia como de bilhões, as medidas provisórias dizem a cada uma das senhoras idosas perto da viuvez que, além do luto, experimentarão empobrecimento. O Estado brasileiro passou a entender que o direito à aposentadoria é como patrimônio — a esposa teria direito a 50% dos bens. Por que falo em mulheres velhas? Porque é para elas que as medidas provisórias de “reforma da previdência” apontam o dedo como as responsáveis pelo rombo: elas seriam como sanguessugas do dinheiro público, mulheres que não trabalharam na rua, mas herdaram o direito conquistado pelo suor de seus companheiros. Há muito erro e injustiça nessa análise rasa das formas de conjugalidade e reprodução social. A aposentadoria não é apenas um direito do trabalhador, mas uma forma de proteção às famílias.

Na velhice, senhora presidente, a família se reduz à viúva. As mulheres morrem mais tardiamente do que os homens. Há explicações epidemiológicas e demográficas para a longevidade das mulheres que alcançam a velhice: cuidam melhor da saúde, e são mais jovens que seus velhos maridos. Nem perco tempo com a nova fantasia da previdência social sobre as mulheres — homens velhos que se casam com meninas jovens, eles oferecem segurança, e elas, juventude. Até mesmo para esse roteiro amoroso, as medidas provisórias lançaram a rede: o direito à aposentadoria não é mais vitalício para mulheres com menos de 44 anos e é preciso, ao menos, dois anos de conjugalidade para o direito. Sim, o alvo são as mulheres.

Se minha indignação por cada mulher idosa não for suficiente para fazer este governo envergonhar-se das medidas provisórias, apelo à estabilidade democrática. Essa é uma matéria da mais absoluta centralidade para o justo: não pode ser decidida por medidas provisórias e em período de recesso da atenção pública. Por isso, repito, não estamos falando de reformas, senhora presidente, mas da seguridade social, de desrespeito à boa democracia e, mais ainda, de fragilização da velhice.

DEBORA DINIZ
Inserida por ADELMANFILHO
1 compartilhamento