Crônicas para Crianças

Cerca de 567 crônicas para Crianças

O DIA DAS CRIANÇAS E O MARTIM PESCADOR



Naquela manhã de doze de outubro, André, um menino de apenas seis anos de idade acordara cedo na esperança de receber logo o presente do Dia das Crianças. Ao passar pela pequena varanda, observa no alpendre a gaiola dependurada com o pássaro Martim Pescador, cujo brilho colorido e esverdeado nas asas, suspendendo em todos instantes a fina película que revestem o globo ocular com a presença do guri ao seu lado.

Inerte, o pássaro apenas acompanha os olhares do pequeno, transmitindo a tristeza no canto das talas do engradado. Logo, inquieto e curioso indaga:

- Hei! Amiguinho. Por qual motivo você está triste? Eu ainda não ouvir você cantar. Sabe. Hoje é um dia especial, é o dia das Crianças.

O passarinho levemente e sem pressa, mergulhado na melancolia suspende a sua plumagem verde-azulada, responde:

-Vejas! Eu estou aprisionado neste cubículo. Não posso viver, não posso cantar, não posso voar e muito menos pescar no riacho.

As palavras ditas com comoção invadem a alma de André, residente na localidade ruralista do segundo Distrito da cidade de Caxias, Estado do Maranhão, denominada de Sambaída. Instantes em que fala com um tom abreviado e candente.

-Amiguinho! Não fique triste. Aqui é seu lar. Nada, nada mesmo há de faltar pra você. Agora, abras as suas asas bonitas e solte o belo canto.

O Martim Pescador desanimado exclama:

-Como eu posso voar! Eu não me adaptei olhando o vazio nestas grades. Não enxergas que estou preso, e sem a minha liberdade? Eu nasci pra voar entre os vales dos rios e riachos.

Ininterrupto, o menino afirma tentando aviventar o passarinho.

-Mas o meu pai lhe trata muito bem. Aqui não falta nada pra você, além de está protegido dos predadores.

Com razão, o Martim Pescador induz com interrogação:

-Amiguinho! Você gostaria de ficar num cárcere, e depois, ficar olhando todos os dias o reflexo do sol pelas fendas de uma grade? Inclusive, sem poder passear pelos parques, bosques, ruas e não desfrutar das brincadeiras com os amigos? Vejas como eu me encontro tão isolado do meu mundo.

O garotinho ficou calado. E, várias gotículas escorregaram das pupilas castanhas na face, neutralizando a alma inocente do miúdo que não se conteve. A expressão caótica fizera a pequena criança compreender a razão e a luz enviada pelo pássaro no sentido da melancolia atravessada entre as talas da gaiola.

Momentos, André pressente a chegada do pai, surpreendendo com uma enorme caixa envolvida com papel de presente, perguntando:

-Pai! É o meu presente?

-Sim. Aqui está o seu presente pelo Dia das Crianças. É o presente que você sonhou. Qual é a razão de você está deprimido? O que aconteceu? Fale. Você não gostou do presente?

-Gostei pai. Só que eu quero fazer uma troca. O senhor aceita a minha proposta?

- Que proposta meu filho! O que você quer realmente trocar? Que troca é essa? Na verdade, eu não estou lhe entendendo, comprei o que você mais queria ganhar no dia de hoje.

-Pai. Dê esse presente para o Zezinho da tia Mundica. Ele não tem pai e nem mãe, e o dinheiro do coco da tia não dá pra compra um presente.

Insatisfeito com a indicação ofertada, o pai reclama.

-Isso não dá pra fazer. É um presente caro e me custou mais de seis diárias de serviço aos olhos do sol.

-Eu sei que custou caro. Mais o senhor pode fazer e cumprir o meu pedido. Trocando o presente pela liberdade do Martim Pescador. Tenho certeza que não vai custar nada abrir a gaiola. Retrucou o apucado guri tentando esclarecer.

Indignado ao ouvir a proposta, afirma:

-Isso eu não posso fazer. Você pede pra dá o presente pro Zezinho, e depois me pede pra soltar o Martin Pescador. Impossível.

-Solte papai! Solte o Martim Pescador! Ele é tão jovem pra ficar preso nesta gaiola. Que malfazejo ele fez pra não ter a sua liberdade. Solte! Insiste o menino.

-Ah filho! Depois resolveremos esse problema. Hoje é o seu dia e vamos deixar isso de lado. Passarinho é passarinho, aí fora já tem demais, e não fará falta um na gaiola.

O meninote ainda persiste, suplicando:

-Solte papai! Por favor! Pelo menos me faça hoje feliz já que é o meu dia. Deixe ele voar pelos céus e banhar no Riacho dos Cocos. É lá que ele mora.

-Não filho. Se eu soltar nunca mais eu vou ter um Martim Pescador. Eu adoro esse pássaro.

As lágrimas pela segunda vez se arrastam naquele semblante envolvido pela soltura do pássaro. E André esfrega os olhos com a mão direita lastimando.

-Pai! Veja como ele está triste. Não canta e não se alimenta. Olha! Eu prefiro vê a sua liberdade do que assistir todos os dias da minha vida a sua tristeza na gaiola. Solte! Ele vai viver mais feliz na natureza. Eu sei que outros presentes eu posso ganhar. Mas por favor, me dê este presente pelo o dia das Crianças.

Retraído, o pai do menino se afasta e vai ao encontro do Martim Pescador, abrindo a porta da gaiola. Momento, em que o passarinho voa pela casa, abrindo o seu belo canto e agradecendo o gesto humilde do pequeno amado.

Naquele mesmo dia, à tarde com o sol brilhante e o céu todo azulado. André se dirige ao Riacho dos Cocos. Em pé, observa a descida da correnteza quando surge o Martim Pescador fazendo lindas acrobacias no ar. Com a beleza das plumas esverdeadas, desce velozmente na direção do riacho na posição em que dorme o sol até desaparecer dos olhos do guri.

Inesperadamente, aponta o pássaro percorrendo o contorno do riacho com o mágico bico, e num único vôo rasante, mergulha e sobe com maestria carregando uma enorme traíra. Cujo feito, rebate e atordoa o peixe nas galhas secas tentando acalmar, e traçando com elogio, arremessa aos pés do garotinho. E diz:

-Boa tarde meu André! Eis o seu presente pela passagem do Dia das Crianças. É uma grande traíra. Pois, é tudo o que posso ofertar como um presente pelo bom menino que você é.

André ficou deslumbrado com tamanha gratidão do pássaro realizando transposições e sobrevoando com magníficas acrobacias. Em seguida, voou e pousou num galho de árvore seco ao lado do barranco do riacho e cantou.

Sorrindo, André acenou com a mão direita enquanto o Martim Pescador, o guardião do Riacho dos Cocos afirmava com felicidade o seguinte:

-Que a liberdade do pássaro é voar e a do homem é manter a boa relação e o equilíbrio com tudo o que há natureza.
fim
www.shallkytton.com

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton

Sonho e Ilusão


Sonho com um mundo melhor, onde crianças brinquem como crianças,
Que as pessoas trabalhem, lutem, vivam com esperança.
Sem roubos, violência, desastres e ganância.

Sonho em ver os pássaros livres, cantarolando suas melodias,
Em saber que todos têm comida para por na mesa ao meio-dia.
Que os jovens desfrutem da vida com grande sabedoria

Vejo alguns planejando suas viagens para Caribe, Itália e Japão.
Enquanto milhares tentam ir ao mercado comprar leite e pão.
Vivemos neste mundo desigual esquecendo que somos irmãos.

Um mendigo bate a nossa porta, pede comida e dizemos não.
Na manhã seguinte a comida que sobrou vai alimentar o cão.
Nosso semelhante é abandonado ficando sem casa e sem chão.

Vivo nesta utopia de achar que um dia teremos a emoção
De olha para o lado abraçar alguém e dizer “você é uma benção”
Isto tudo é um sonho, que mais parece uma grande ilusão

Nivaldo Joaquim
Inserida por nivajoaquim

SAUDADES
Tenho saudades de tudo das reuniões de família, dos almoços de domingo com crianças
brincando, sorrisos largados
Tenho saudades de andar de mãos, trocando olhares sem me preocupar com amanhã
Tenho saudades da alegria de viver, da vontade de crescer com ânsia de vencer
Tenho saudades das brincadeiras de infância, as inconsequências da adolescência,
das buscas da juventude.
Tenho saudades dos filhos, dos pais, dos amigos tenho saudade de tudo e muito mais de você.

Claudenir Reis
Inserida por klawdenyr

Eu abrir mão dos meus sábados por eles! Crianças hospitalizadas carentes de um sorriso, mães que se vêem aflitas em ver seu filho naquele ambiente. Mais nós entramos lá para tentar solucionar esse quadro, mudar essa realidade, da falta de humanização nos hospitais e nos profissionais.
E eu digo que se Deus um dia achar que eu mereço algum pagamento por isso, que distribua em forma de felicidades e alivie a dor daqueles que sofrem para que possam viver dias tranquilos. Enquanto vida eu tiver e foças Deus me der, estarei sempre lá, botando em prática uma frase que diz 'VIVER REALMENTE É VIVER PARA OS OUTROS...!'. O PAI FEZ ISSO PELA SUA CRIAÇÃO NO FILHO...!!!! E NÓS, O QUE TEMOS FEITO?' #reflexão (Cabe a cada um, uma reflexão individual)

Dr. Cowboy
Inserida por italobrunosouza

SAUDADES DE MIM
Hoje quando acordei me deu uma forte saudade de mim. Quando crianças nós éramos muito mais originais. Nós vamos crescendo e deixando de ser nós mesmos,
insistimos em "tunar" nossas vidas com tantos equipamentos sofisticados que , aos poucos, o original vai sendo encoberto. Somos uma profissão, somos um cargo, somos cópias de outros, somos sonhos da sociedade, somos tudo que nos torna iguais aos outros. Saudade de sentar no quintal e ouvir a bagunça dos pardais, poxa vida, eu gosto disso e não é perda de tempo. Saudade de andar descalço na terra. Saudade daqueles 2 ou 3 amigos que nós sempre temos, mesmo que não os vejamos por anos. São eles que valem mesmo a pena, pois essas relações onde temos que fingir ser outros, para pessoas que também não são o que são, não tem nada de divertido. Ando meio sem paciência para ser falso. Bom mesmo é jogar conversa fora com amigo de verdade. Amigo de verdade não liga mesmo que a conversa seja cortada por um looooongo silencio , silêncio de amigo não incomoda. Saudade de colo de mãe, de ouvir conselho de pai e contos longos que só os avôs sabem contar. Saudade de quando os primos sentavam todos no chão pra comer qualquer coisa, de cheiro e gosto bom, que só tem na casa da avó. Saudade de conversa de irmão, de jogar bola na rua, de ralar o joelho, de comer manga no pé. Como mineiro é feliz e não sabe. Onde será que está aquela vasilha cheia de bolinhas de gude?

Davi Costa
Inserida por DaviCosta

E vejam só essas crianças
Que ainda brincam de cirandas
Pedindo esmolas em sinais, ou vendendo alguns jornais
Crianças, futuro da nação!
Crianças, partindo pra enganação
Crianças, que ainda não sabem o que fazer
Crianças, pegam o seu corpo para vender
Partindo para indignação
Se vendendo pra aumentar o ganha pão.

Alberto Saliba
Inserida por AlbertoSaliba

Adultos inventaram passado, presente e futuro, já diria um amigo meu. As crianças são vida, hoje, criatividade. Sem se preocupar com compromissos, carreira, amanhã. Mas o tempo passa e a gente carrega a gente mesmo de dentro pra fora, numa tarefa quase impossível de ser feliz, apesar de ser triste. Somos tristes porque somos condicionados, moldados, esteriotipados e até nossa felicidade é falsa. Não é nossa, é como alguém nos disse que deveríamos ser felizes. Aprendemos com os erros do passado? Acho que fim de ano nos desperta um senso de recomeço inevitável. Pra mim esse ano foi muito bom em todos os aspectos da minha vida, descobri muitas coisas sobre mim. Descobri coisas que não quero mais pra minha vida, descobri quem sou, do que sou capaz e do que não sou e não quer ser capaz. Descobri o amor em mim novamente e por isso, especialmente estou grata à vida. Entendemos num momento da vida o quão é bom pra gente mesmo em primeiro lugar, amar. Amar beneficia antes do outro, à nós mesmos. Quando somos amados, isso é multiplicado imensamente. Pois acho que não há felicidade maior e mais genuína no ser humano do que se aceitar, se amar, amar o outro e ser amado.
Mas amar não é simples, é pior que báscara, pior que algoritmos de programação, pior que decorar o DSM. Tá, exagerei, decorar o DSM é impossível mesmo, e inútil também. Mas enfim... Porque é tão dificíl amar? Porque temos medo, e o medo é da aprendizagem. Aprendemos com nossos erros a ter medo de errar. Como eu não tive medo na primeira vez que amei? Porque eu estava inaugurando tudo em mim, e cometi erros pra dedéu, e não tava nem aí. Criança feliz, se sujando no parquinho. Mas agora que sei que errar custa caro, e é do dinheiro mais caro que estamos falando, do emocional. Nossa conta bancária emocional faz de cada centavo de real valer por euro. E nem tô falando do medo clichê de não ser amado de verdade de volta ou do medo de se magoar no final, do abandono. Tô falando dos pequenos traumas e aprendizados e marcas que adquirimos com a vida. Cada frase que te remeta ao passado te faz tremer. E então entramos num dilema, somos quem fomos antes como se fosse a primeira vez ou mudamos pra não cometermos os mesmos pequenos erros? Não diga que é fácil escolher a primeira opção. É difícil, muito difícil se isentar do sentimento de culpa de por ser quem é, acabar com uma chance de ser feliz.
Não dá pra simplesmente dar um F5 nos traumas e atualizar para o aqui e agora e correr pro parquinho. Esse F5 é exatamente o contrário ás vezes, atualizar nosso sentimento talvez seja exatamente mudar. Mudar relações, hábitos e certezas. Pra que a gente não seja repetição e sim criação.

Kelly Maia
Inserida por KellyMaia

Como tornar-se inesquecível
Nós todos, sem excluir ninguém somos crianças grandes. Às vezes excluímos uma pessoa de nosso convívio, ou não queremos mais conversar ou vê-la. Quem já não passou por isso em quaisquer dos lados? Já parou para pensar por que aquela pessoa estava tão chata? Será que ela falou algo que feriu talvez até sem querer o nosso ego? Será que aquela pessoa estava passando por algum problema sério que ninguém percebeu? Pode até ser que aquela pessoa esteja sofrendo achando na ilusão dela, que ela seja a pessoa mais importante do mundo. Pois é acontece! Mas não importa, o que importa realmente é que todos precisam de carinho, que alguém escute-os sem julgamentos, que dê um abraço.
Se você fizer isso vai tornar-se inesquecível para muita gente!

Paulo Schafer Junior
Inserida por Shakil

Quando o assunto é família, no fundo ainda somos crianças não importa o quão velho ficamos sempre precisamos de um lar para chamar de lar, um tio para chamar de tio, um primo para chamar de primo, uma mãe para chamar de mãe e uma família para chamar de minha, por isso eu agradeço a DEUS pela minha família que me ajuda nas horas que mais preciso. Pelos meus amigos, Fiéis, que mesmo com todos os meus defeitos, me escolheram para dividir as suas vidas.
Agradeço o pouco que eu tenho, pois compartilhar do pouco com quem ta comigo é tudo o que eu preciso!
Família não troco por nada, e nem por ninguém, são partes de mim, partes do meu ser. São Pedaços importantes que formam minha historia

iran mnr
Inserida por iranmnr

CRIANÇAS...

Crianças seres misteriosos curiosos.
Arrepio só de pensar já fui um curioso.
Crianças quando brincam correm como se o folego nunca lhes faltasse,
a como eu queria novamente correr e não me cansar.
Crianças com seus olhares de quem o mundo as pertencesse,
a como eu já fui dono do mundo.
Crianças do medo a esperteza destreza,
a como já fugi com destreza.
A criança em mim se foi,
restou o medo do mistério de buscar o ar pela última vez.

Lúcio Ernesto Caixeta
Inserida por LUCIOCAIXETA

Sinto falta da inocência de antigamente, onde crianças acreditavam em Papai Noel ou a velha história da Cegonha. Lembro do tempo em que passava horas no karaokê ou brincando descalço na rua, onde empinava pipa ou brincava de pega se esconder e outros jogos que faziam passar o dia mais rápido. Era como se o amanhã não fosse tão importante. Aproveitava o dia de hoje, não tinha muita preocupação em saber se o dia de amanhã iria chover ou não, porque com ou sem chuva iria aproveitá-lo da mesma maneira.
Sinto falta de ver a inocência das crianças, das músicas bestas que me divertiam por horas em uma festa, de saber que as festas sempre acabariam cedo. Hoje em dia vejo barbaridades que muitos que realmente deveriam estar mais preocupados por serem mais velhos, simplesmente se acostumaram. Como sempre, se acostumam com tudo o que acontece. Crianças que hoje em dia cantam e dançam aquilo que eu na idade que tenho não tenho nem a coragem de dizer ou fazer. Crianças com a inocência perdida é o que eu vejo andando pelas ruas de adultos.

Adalberto Rodrigues
Inserida por adallbs

Sempre em algum lugar eu estarei de volta

Crianças não faça o que eu fiz
Eu não conseguia andar
E eu quis correr
E agora o fim está próximo
Então eu encaro o desafio final
Minha amiga, eu vou falar claro
Eu irei expor meu caso do qual tenho certeza
Eu vivi uma vida que foi cheia
Eu viajei cada estrada
E mais, muito mais do que isso
Eu fiz do seu jeito
Arrependimentos, eu tive alguns
Mas, novamente, muito
poucos para mencionar
Eu fiz o que tinha que fazer
E eu vivi tudo, sem exceção
Eu vivi cada caminho do nosso relacionamento
Cada passo, cuidadosamente, sem correr riscos
Ah, e mais, muito mais do que isso
Eu fiz do seu jeito

Sim, houve vezes, eu tenho certeza e você sabe
O quanto eu mordi mais que eu podia mastigar
Mas, entretanto, quando havia dúvidas
Eu engoli sem cuspi-la
Eu enfrentei tudo e eu fiquei a sua altura
E fiz do seu jeito
Eu amei, eu ri e chorei
Eu tive minhas falhas, minha parte de derrotas
E agora com as lágrimas
Agora eu acho tudo em paz
Ao pensar que eu fiz tudo o que podia
E eu posso dizer, não de uma maneira tímida
Eu fiz do seu jeito
Os registros revelam que os golpes foram fortes
Pois o que é um homem se ele pensa que tem
O que jamais foi dele
Sempre em algum lugar eu estarei de volta
Mas jamais do mesma forma
Com a mesma intensidade
Você me deixou de lado
Mas eu nunca deixei você
Sim eu fiz do seu jeito
Então, eu só tenho que te dizer
Adeus, adeus.

Wellber Oliver
Inserida por Wellber

Senhor.
Mais um dia que amanhece....
Sinto-me triste tu sabes que eu amo as crianças,
e cada vez sinto menos respeito pelos teus filhos,
o ser humano...Como podem matar estes seres inocentes...
Eles não sabem que são anjos que tu mandas...
Porquê???
Quantas crianças ficaram por nascer hoje?
Porque as pessoas acham...
que seriam maltratadas,
mal-educadas,mal alimentadas..
Que seriam desnecessárias ao mundo!
Protege estes seres inocentes da maldade..
de todo o ser humano que somos todos nós.
Da-mos o teu perdão....
Acolhe-as no teu leito como anjos..
daqueles que não as deixaram nascer.
rezemos por todos estes anjos um Pai Nosso.

Isabel Ribeiro Fonseca

Presentes diários

Lembro na casa de minha avó, que existia uma sala de visitas. Nós, crianças, não podíamos brincar lá. Aliás, não fazíamos refeições lá também apesar da grande mesa. Quando em família nem os adultos lá comiam. Era um espaço reservado para as visitas. Que sinceramente, nunca vi sendo usado, porque as tais visitas nunca apareceram enquanto eu estava por lá. E no ambiente havia enfeites, sofás, cristaleira, tudo muito bonito, preparado para receber as tais pessoas, mas nada realmente funcional ou, na minha opinião, agradável. Era uma fachada de coisas bonitas mas inúteis, que estavam ali acho apenas para impressionar os outros.
Interessante como muitos de nós têm essa mania de reservar em nossas casas e em nossas vidas aquilo que só será usado com as tais visitas. São louças, talheres, salas inteiras, reservadas para os outros.

Mas isso não é só em coisas da casa. Tenho amigas que compram jóias caras para usar só em festas, só para os outros verem. E são apaixonadas por suas jóias, mas as deixam guardadas na caixa, para os dias “especiais”.

Bem, eu nunca entendi muito isso.

Penso que seríamos muito mais felizes se aprendêssemos a agradar à nós mesmos e àqueles mais próximos de nós, e a fazermos coisas pelo simples prazer de as vivenciarmos. Essa idéia de termos que aparentar mais do que curtir o nosso dia a dia me parece receita para o insucesso pessoal e familiar.

Uso os cristais sempre que me dá vontade, organizo minha casa para que todas as salas sejam de estar, não de visitas. Voto que devemos dividir com quem amamos o melhor de nós, não com estranhos.

Não é realmente proveitoso reservarmos espaços apenas para aparências. Compro jóias se pretendo usá-las no dia a dia. Não as compro para guardá-las no armário. Organizo minha casa para que meu filho possa nela brincar com segurança, mas para que tenha a liberdade de usá-la da maneira que mais lhe fará feliz.

O cuidado excessivo com coisas nos tira de foco o que realmente importa: as pessoas.
Os sofás, os enfeites, isso tudo pode ser reposto. Se gastar, compra-se outro. Pior seria terminar os dias com os objetos novos em folha, jogos completos de tudo, mas sem ter aproveitado. Sem ter dividido momentos de felicidade com a família e com os amigos. Ricos em contas bancárias, mas pobres em experiências e oportunidades aproveitadas.

Aprendi com meus pais a viver e não apenas acumular coisas. À gastar com aquilo que nos dá prazer, ainda que para os outros pareça besteira. Viagens, carros, brinquedos de crianças e de adultos... Aprendi à guardar para ter segurança financeira mas não me tornar vítima do trabalho e do dinheiro.

Porque no final, o que resta se tornará herança para alguém. E quem sabe essa outra pessoa lhe dê algum valor. Quem sabe jogue fora. Por isso, não fique guardando o melhor de você para os outros verem só nas festas. Aproveite a vida e as coisas. Todos os dias. Aprenda a ser feliz com o que você tem. E lembre-se: Não existe aparência mais bonita do que a da felicidade!

Gisele Lemos Kravchychyn
Inserida por gisekrav

Na África crianças e adultos morrem de inanição, enquanto isso a NASA gasta milhões brincando com robozinhos que tiram fotos de Marte em 360° e colorido, mas para quê?
Não se tocam que são incapazes de manter este mundo e ainda querem explorar outros? O que Marte, Vênus ou Plutão podem trazer a Terra?
Somos tão arrogantes e deliberadamente egoístas que não cuidamos nem do que é nosso e queremos bisbilhotar o que não nos pertence, deixem Marte em paz e gastem seus bilhões em cada criança da África que morre de fome, da Etiópia que são incapazes de se sustentar em cima das próprias pernas de tão desnutridos ou do Haiti com seu alto índice de soros positivo (contaminados com a AIDS), não penso apenas no Brasil, nós ainda somos privilegiados, perto de outros países.

Camila Bill
Inserida por camilabill

Tenho saudade de quando possuía uma virtude que Deus concede às crianças para que não cresçam tão rápido: A inocência.
Pensando apenas no presente, esquecendo para o passado, e o futuro? o que é isso?
A tristeza é apenas uma nuvem que vai rapidamente embora, permitindo os raios da felicidade (que não é utopia, mas realidade, desta vez) esquentarem novamente.
Envelhecemos e nossa podridão começa a vir a tona, perdemos a inocência e nos preocupamos demais com a vida, que é simples, basta apenas olhar por esta ótica. Não nos tornamos felizes, mas conformados com a ideia de ter a felicidade como horizonte, um horizonte visível, porém distante, tão distante...

Aleff Ribeiro
Inserida por AleffRibeiro

O TEMPO

O que é o tempo?
Navalha na carne.
O que são as horas?
Inimigas das crianças...

Mas... O que é o tempo?
Se o tempo sempre corre
Logo, não existe presente.
Existe apenas o passado e o futuro

Futuro...
Palavrinha cheia de incógnitas...
Às vezes lâmina, às vezes pluma.
Tempo...
Linha sem começo e sem fim.
Sem fim? Sem começo?

Horas...
Pra que horas?
Não marca o sol o nascer do dia
E a lua o nascer da noite?

Momentos...
Às vezes festa, às vezes vazio...
Horas...
Pra que horas?
Se elas são nossas grandes e impiedosas inimigas?

Estou quase 10 minutos mais velho...
Desde que iniciei estes meus pensamentos
Logo, o tempo é meu inimigo...
Quer ver-me enterrado na matéria impura, decompondo-me...
Gradualmente, perenemente, implacavelmente, sem sentidos...
Servindo de adubo para outras vidas que reclamam
Em brados, o direito de também existirem.

Somos apenas uma nuvem que passa...
Apenas um instante, na infinitude do tempo, apenas um piscar de olhos...
Trimmmmmmmmmm!
O telefone toca. Levanto apressado, corro. É o amor da minha vida:
— Alô! — Atendo.
— Tô com saudades de você, mor. Vamos sair hoje à noite? – ouço sua petição em melodiosa e cândida voz.


E toda a minha vã filosofia acorda
Avisando que amar é mais importante que envelhecer.

Erisvaldo Vieira
Inserida por evsvieira

Senhor
quantas crianças ficaram por nascer hoje?
porque as pessoas acham
que seriam maltratadas,
mal-educadas,mal alimentadas..
que seriam desnecessárias ao mundo!
Protege estes seres inocentes da maldade..
de todo o ser humano que somos todos nós.
Acolhe-as no teu leito como anjos..
da queles que não as deixaram nascer.
rezemos um Pai Nosso.

Isabel Ribeiro Fonseca

O QUE VOCÊ QUER DA VIDA?

Na minha infância tinha uma brincadeira chamada: Que mês?
Duas crianças combinavam um mês em segredo, as outras tinham que tentar adivinhar qual era. O sabidão que chutava certo tinha que responder: O QUE VOCÊ QUER DA VIDA?
E surgia um:
- Eu quero um carro.
Aquelas duas do começo soltavam a imaginação e descreviam qual seria o carro que elas entregariam para o sortudo. Cada uma inventava um sonho de carro.
Eu sempre tive dificuldade para escolher. E escolhia pelo encanto.
Quando cresci, percebi que o mau de ser sonhadora é sempre se encantar e quando o encanto acabava a gente percebe que o motor não era bem aquele, que a lataria estava riscada, que o outro carro talvez fosse melhor e que escolheu errado.
Daí você ouve: "É errando que se aprende". E aprende mesmo. Mas a vida é feita de escolhas e sabendo escolher você tem mais chances de acertar. E eu me perguntei por anos: E como saber escolher? Como saber se a escolha vai dar certo? Ninguém vai dizer.
Vão dizer: tem que arriscar! Pagar pra ver! E de repente está você mais uma vez escolhendo o carro errado, a casa errada, o trabalho errado, amigos e parceiros errados. Uma vida errando para aprender.
Aprender que a vida vai sempre te dar opções e se você não souber o que quer dela, deverá saber o que você não quer. Não tem problema nenhum em não saber o que se quer.
Saber o que você NÃO quer, também é princípio de escolha e sabedoria.

Natalie Carvalho de Luiz
Inserida por Nataliecarvalho

Estou muito indignada, a educação pública é uma piada. A escola é um depósito de crianças, as salas são super lotadas e as crianças super mal educadas.
Não existe profissionais qualificados trabalhando nas escolas tais como psicólogos e inspetores, é tudo feito de qualquer jeito, enquanto tiver essa hipocrisia de "educação", nós todos seremos marionetes nas mãos de governos que só querem o poder.
Pais omissos que não querem impor limites aos filhos, professores que não têm compromisso e crianças mal educadas que só vão para a escola pois seus pais recebem o bolsa miséria e também não conseguem ficar o dia todo com seu filho.
Enquanto tiver esse tipo de "EDUCAÇÃO", seremos vítimas do SISTEMA.
Mas quem é esse tal de sistema? Somos nós, todos nós... Como podemos aceitar isso

Simone Catusso
Inserida por SimoneCatusso