Crise de Casal

Cerca de 3 frases e pensamentos: Crise de Casal

'No amor o perigo é quando o casal está em crise sentimental e aparece a terceira pessoa.
É feito o facebook...está terceira pessoa veio pra mostrar que se a segunda pessoa não sabe curtir a primeira, ele veio para compartilhar.'

—By Coelhinha

(Abnizia) By Coelhinha

"Questionário para encerrar o tema "Crise do Casal" - Texto 81


"Esse questionário não é de minha autoria - desconheço o autor - mas uso muito com os casais. Façam separadamente e depois discutam a relação sem mostrar as respostas um para o outro, ou, se não for possível, faça somente você e reflita sobre as suas respostas.


1. Vocês costumam desvalorizar um ao outro? Com que frequência?2. Há partilha de informações, de sentimentos, de pensamentos importantes? Sabem controlar as palavras, as atitudes que magoam?


3. Se mostram amargos, irreconciliáveis?4. Até que ponto permanecem tranquilos enquanto discordam?5. Procuram controlar as emoções negativas, ou seja, um de vocês alivia o clima quando as coisas se tornam tensas ou há descontrole total?


6. Em que medida um escuta o outro? A incompreensão é evidente? Há sinais verbais e não verbais de que não estão escutando?7. Gastam mais tempo discutindo o problema do que tentando resolvê-lo?


8. Há um mais racional e o outro mais emocional? Os estilos para solucionar problemas são compatíveis ou incompatíveis?9. Em que medida cada um é capaz de expressar suas emoções de forma destrutiva ou não?


10. Quem fala mais? Quem sempre dá a última palavra?11. Um interrompe o outro quando discutem a relação? Há desconversas? Há recusas em considerar pontos de vista diferentes?12. Que efeitos um exerce sobre o outro?


13. Ambos querem ganhar o jogo devido aos egos inflamados?14. Há uma forte luta de poder entre vocês dois? Costumam discutir pelo problema em si ou pelo ganho do poder?15. O amor está na relação ou fora de questão?


** Se a resposta da questão 15 for negativa, é de se pensar numa solução adequada para que ambos sejam felizes.

MGT

SOMOS FUMAÇA
Estávamos discutindo. Eu acho. Ela me olhava com uma expressão magoada e eu não expressei nada, não queria que ela soubesse como eu me sentia. Era melhor assim. Eu acho. A parte mais confusa é que eu não me lembro muito bem sobre o que estávamos discutindo. Alguma atitude minha ou dela que fora errada? Não... Creio que foi sobre o que acontecia entre nós dois. Ah, desisto. Não lembro. Só sei que estávamos discutindo. Sim, tenho certeza disso.
"SOMOS FUMAÇA!" ela disse.
Eu não entendi. Não fazia muito sentido dizer isso. Ela se virou e foi embora, eu nunca mais a vi. No dia seguinte eu pensei que ela voltaria, como sempre voltou quando brigávamos, mas algo havia mudado nela.
Ela não aturava mais minhas besteiras e passou a criticar meus erros sem medo. Ficou destemida, de repente. Mudou. Porque será? Eu fiz algo errado? Perdi minha melhor amiga, minha companheira, por causa de alguma ação mal pensada?
Levei dois anos para entender. Somos fumaça. Não somos fogo. Somos passageiros, bipolares sem perceber, depressivos e simpáticos. Sempre fomos instáveis. Nunca soubemos o que tínhamos e assim ela desistiu e eu também. Errei. Eu a amava. Juro que amava. Me preocupei tanto em ser enigmático que não percebi o quão difícil era para ela lidar comigo. Acho que ela se tocou que fazia papel de trouxa, mesmo eu não achando isso. Mesmo eu a amando de coração sem demonstrar direito.
Nunca tive jeito com relacionamentos. Eu tentei com ela. Tentei uma, duas, três vezes... sempre acabava. Sempre eu a magoava. No entanto, ela voltava. Sempre. Sempre. Não dessa vez.
Cinco anos passaram e eu me vi a beira do precipício. Somos fumaça. A voz dela ecoava em minha mente toda vez que eu acordava e toda vez que eu ia dormir. Eu pensava nela todas as manhãs e chorava por ela todas as noites. Meus pais começaram a se preocupar, sai de casa, arrumei emprego. Cresci. Amadureci. Não superei.
Eu queria mais um instante com ela.
Queria dizer que a amava e que ia demonstrar direito.
Perdi essa oportunidade.
Oh felicidade... porque tão temporária?
Eu sorri essa manhã quando tirei do correio uma carta com o nome e a letra dela.
Sorri.
Sorri como nunca.
Ela vai voltar. Pensei que ela voltaria depois de dez anos, mas a carta me quebrou por dentro. Ela não voltaria.
Eu li a carta devagar, incrédulo.

Querido Adam,
Se essa carta chegou até você é porque realmente o câncer me levou. Eu nunca tive a coragem de te dizer tudo o que eu queria naquele dia. Vou ser breve...
Eu te amo. Sempre amei e sempre vou amar. Não estou sendo romântica ou exagerada, como você insistia em me chamar, estou sendo realista. Não posso te esquecer e não quero. Eu queria mais um instante contigo.
Só um instantinho.
Uma eternidade pequena...
Prometo que iria ser suficiente. Um momento seria ótimo.
Ainda somos fumaça, meu amor, mas onde tem fumaça, sempre há fogo.
Amo você. Viva.

Doeu. Saber que ela estava morta, doeu.
Eu morri dois dias depois.
Acidente de carro.

Cinco minutos depois de minha morte eu encontrei Luana.
Ela estava linda. Perfeita. Usando um vestido branco e com os cachos loiros marcando seu rosto angelical. Enfim unidos.
Ela estava ali.
“Somos fumaça”, ela disse.
Eu sorri.
Me aproximei.
Tomei ela em meus braços e suspirei.
“Nós fomos fumaça, hoje somos só nos dois mesmo, sem analogias ou metáforas... Só nos dois.”
Beijamo-nos.

Letícia Muniz de Oliveira