Coleção pessoal de thalitab

1 - 20 do total de 178 pensamentos na coleção de thalitab

Quando amo, amo do meio-dia ao meio-dia. O amanhã não merece amor.

Thalita B.

O que eu busco é alguém que tenha um radinho de pilha que esteja na mesma sintonia do meu.

Thalita B.

Quando amo, amo por partes, amo por dia.
Amo o sorriso, amo o olhar, amo a risada, amo o sono e o despertar. Amo as mentiras saudáveis, as verdades incompletas, as saídas escandalosas e as chegadas silenciosas. Quando amo, amo do meio-dia ao meio-dia. O amanhã não merece amor. O futuro é consequência do sentimento que canto hoje.

Thalita B.

É muita intensidade aqui amorzinho, não se assuste. Perder já é costume e ninguém consegue acompanhar essa loucura aqui.

Thalita B.

Eu poderia viver de carne, desejos e ausência de sentimentos, mas o sentimento está na minha carne e, sentir, é o que mais desejo.

Thalita B.

Eu sou artista! Me invento sem saber. Crio e me dedico a arte de estragar tudo sempre. Essa habilidade perfeita de danificar tudo o que está próximo é bem elaborada por mim.

Thalita B.

Talvez tenha faltado emoção. Talvez o amor tenha escapado como água corrente entre os dedos que lava o corpo, mas não purifica o fiasco da alma. Tantas coisas escorregaram de minhas mãos e olha só, desta vez, was not my fault, baby.

Thalita B.

Mas se você soubesse que não taparia o buraco da sua ferida, ou se eu soubesse que não seria incrível, mesmo aceitando você como a-salvação-dos-meus-dias-crises-solidão-medos-e-receios só para ser eterno enquanto fosse possível, será que estaríamos presos nessa maré de azar hoje?

Thalita B.

"Ta confuso, eu sei, mas é porque ta doendo. Talvez se você estivesse aqui, eu teria facilidade para colocar a fala em ordem e dizer que te amo e sinto sua falta..."

Thalita B.

"Não sei, mas minha vontade é de te falar tudo o que foi pra mim sem pausa sem ponto final exclamação virgulas nada. Tô com vontade de te atropelar com palavras confusas que não saem, mas o que eu sinto agora você também sente e sabe."

Thalita B.

(...) Mas é que bate uma saudade. Uma falta de acenar do portão, sabe?

Thalita B.

Parou pra sentir? Então pare e sinta que amores estão sempre ao seu lado, como o vento.

Thalita B.

Não é mais como aquele receio patológico persistente de amar, ter medo e se esquivar de todos os sorrisos que tentam esbarrar em mim pelo caminho. Agora é saída. É a soma de desejos e escolhas com vontade de ser tudo. É encontrar alguém que não me aceite como metade ou parte de um sentimento, mas sim, como algo indispensável, me dando aquela sensação de ser essencial para toda a sua causa.

Thalita B.

Quero viver e de todas as possibilidades que o vento me sugerir vou tirar proveito de cada uma sem me perder completamente.

Thalita B.

Disserto sobre desejos e ilusões sem fim que parecem mesmo não querer parar.

Thalita B.

Não sei mais ser real. Me roubaram de mim e o que deixaram no lugar foram descasos com umas pontinhas de alienações e doses insensatas.

Thalita B.

É assim que meu tempo funciona. É assim que minha mente reage. Aqui está meu coração, não diga palavras incertas. Aqui está meu tempo, sua sorte é quem irá definir o modo como ele estará para você, seja pressa ou cautela.

Thalita B.

Me assusto fácil, mas não me importo com o modo que vai chegar. Mesmo que cause ruídos escandalosos e gestos ásperos, não me interessa. Percebi que não sou dona do meu tempo então ele que administre as coisas por mim.

Thalita B.

Todas as coisas que odeio giram em torno de mim. Sou correta com a honestidade e fiel a minha essência, mas aceito me perder de vez naquela loucura de sábado à noite.

Thalita B.

Todas as ressacas e palavras não ditas, todos os sonhos esquecidos que não saem do papel. É uma tempestade de ilusões e muitas razões para não querer parar. Tudo me acompanha e me empurra pra um lugar desconhecido.

Thalita B.