Coleção pessoal de itarcio

161 - 180 do total de 240 pensamentos na coleção de itarcio

Prossigo a passos curtos para lugar nenhum
Por tantas vezes me entristeci em ser só mais um
Perdi a noção do que se faz segundos sem ti
E por mais que tente desses pensamentos não consigo fugir

Poderá o sol que aquece e clareia me dar razão pra esse dia?
Ou as nuvens ao céu, nunca paradas, dissipadas, inconstantes
Como a vida que se passa e nunca pára, dissonante
Eu só queria voltar e viver todos os anos em um segundo

Mesmo que todo o resto não se movesse
Te olharia e te tocaria, sem retribuição
E não seria tudo novo te querer sem reação
Me serviria como fuga desse meu mundo de aflição

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: passos caminho

Falam de amor e amizade como se existisse sinceridade
A fraqueza que me busca me enforca e maltrata
Do que foram tantos bons momentos e agora nada
Se muitas palavras não valem uma atitude
Pensei ser nossa amizade uma virtude

Mais do que as dores do coração por romances
A decepção foi ainda maior por não esperar
Como pode de tantos abraços não lembrar
As várias histórias de cumplicidade, não enxergava falsidade
A vida afasta as pessoas ou somos nós que nos afastamos

Cansei de te avisar por palavras ditas e escritas
O que eu me tornava não queria pra tua vida
Mas teu caminho foi mais curto e eu me culpo por te deixar
Distante fazia questão de me aproximar
Mas te perdia para presenças e emoções constantes

Me conhecia tão bem mas não se importou
Teu egoísmo te transformou, me machucou
Hoje o lamento e comodismo toma conta
Só posso seguir, sem lembrar, nunca esquecer
Tuas desculpas nunca vão me convencer

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: amor amizade

Hoje, eu escrevi uma carta. Sem destinatário, seu destino seria somente ir, a lugar nenhum, a todos os lugares. Se espalharia pelo mundo, entre o invisível impalpável, o sobrenatural, e depois, ao divino, e o infernal, em mundos diferentes, inimagináveis, ilocalizáveis e impenetráveis, que em qualquer fraqueza nossa somos proibidos de enxergar um pouco, e ver-se tudo do nada, a calma que nos mantém por tempo indeterminado aqui e lá não-sei-onde no lugar que demos alguns nomes.

Ao tempo que me conta consta tão profundas decepções diminuídas ao nada em comparações, o que passa e o que vem não é real faz parte da lembrança e do desejo, o presente é ilusão, só tentativa de motivação. É êxtase ao meu coração, indescritível a sensação quando os olhos se cansam e são tons de cinza o céu, o sol. Cores, do horror, do amor, a dor, ardor que incomoda meus sentidos aos segundos sincronizados ouço a batida do relógio, só ele ao me torturar na memória de um tempo futuro onde talvez seja tudo mais escuro, e me incomoda não poder andar nem enxergar. Anseio desolado que a morte seja maior agrado, quem nunca sentiu e ignorou pensamentos considerados loucos abafados pelas palavras imediatas de repreensão do desgosto de não ter que escolher somente o fim, e só o fim.

Passos curtos, cabeça baixa, somente sombras sem cadência, indiferença, ninguém vê, só números e as vezes nem isso...

Que essa luz no fim de alguma coisa possa ser o alívio, ou o precipício, que dê fim ao imperfeito físico e ao espírito, se decompõe em processo lento quase que em pesar fúnebre e lágrimas de vento soprando aos pedaços engolidos ou levados, dissipados ao nada até não poderem mais se recompor, projetando o que sou na representação mais fiel da insignificância dessa minha existência tão confusa.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: carta lugares

Em tons de solidão pinto esse quarto,
Seis paredes sem saída, e é branco, vermelho, preto.
Simultâneo rabisco as marcas do infeto
Desprovidas de sentido aos que acaso pudessem ver,
A profundidade que uma vida dita bela pode se arrefecer.

Hoje eu prefiro minhas palavras do que você.
Equívoco pensar ao ler que por isso quero voltar,
Mesmo não julgando tudo tua culpa,
Tudo se fez posterior a esses momentos descompassados
A se formar medos e receios que fogem do passado.

É só meu fim quando acabar a tinta,
E tudo de ti de mim expulsar também poderei ir
A lugares impossíveis de se aludir
Por dentro de mim e nunca voltar,
Subscrever o que me faz retorcer, e corroer.

O talvez me abraça forte de incerteza,
Aos futuros passados enquanto escrevo palavras vagas,
Ao desalento da inexistência de possibilidades
Tudo se repete e o que importa a idade, a cidade?
Eu sou meus erros sob a visão do fracasso.

Itarcio A. L.
2 compartilhamentos
Tags: solidão vida

A vida é mesmo estranha. Pior do que o comentário previsível da maioria sobre essa frase ser óbvia, é a constatação de que ela faz sentido na realidade mais limpa de imposições.

Você já quis algo que não sabia o que era? As vezes saudades de uma pessoa que se foi, ou de um sonho que se perdeu. Essas duas podem ser igualmente tristes, se o sonho for a única coisa que você tiver na vida.

Eu me reverso entre variados e excêntricos gostos e vontades, com pouco sentido ou sentido nenhum, milhões de sensações em doses curtas e longas, superficiais e profundas, - em uma explicação excessivamente limitada. Me incomoda o sentir demais, como se qualquer arranhadura fosse uma hemorragia que necessitasse de cirurgia, cada vento frio congelasse o corpo todo e me cremasse a qualquer fraco aquecer.

Mas o sentir demais não me intriga tanto quando a variação com que alterno entre os estados de espírito. Posso amar em demasia ou não expressar sequer reação de sentimento, e isso pode sim ser sincero. Quando já definimos, mesmo que confusos, escolhas que nos levam a diferentes caminhos, a pior decepção provavelmente acompanhe o primeiro amor, o inocente e a posterior perda mental da inocência. Se caso der sorte, tu pode fazer parte do percentual mínimo, aquele das pessoas que se casaram por algo maior que decisão inteligente.

Eu posso ser de direita e esquerda, conservador ou rebelde, encarar as tecnologias facilitadoras como evolução humana ou como razão de todos os problemas. As vezes quero abraçar todas as pessoas, em outras explodir o mundo inteiro. A louca sensação de querer resolver coisas que fogem de minhas capacidades em soluções drásticas e me mantenho apático aos meus verdadeiros problemas. Confio e desconfio em milésimos do tempo. Posso ser alegre e triste, ser taxado de termos modinhas, (aqueles que usam pra nos limitar); viajar entre os extremos e não demonstrar nenhum deles, ou mesmo expressar o que por dentro não existe, desenhar sobre o rosto formas que escondam o que não quero que vejam. As vezes gostaria de ser mais específico, é esquisito não poder me definir. Todas essas possibilidades que juntas formam milhares de outras me cansa o pensamento. Amo e odeio em simultâneo, e as vezes não encontro palavras pra descrever o que sinto. Me irrita explicar a raiva quando esta domina, ou mesmo a tristeza quando conceituá-la só a faz crescer. Talvez por isso correr do mundo em momentos assim continua sendo a melhor opção.

As pessoas nos perguntam, e não significa que queiram mesmo saber sua situação ou vai sentar de teu lado e ouvir teus problemas. A pergunta é algo incrível. Mesmo que não falemos nada, o silêncio é uma resposta livre de interpretações. Não se esconde tantos mistérios e segredos quanto em um ou mais segundos de silêncio em momentos ditos decisivos. Nossa aptidão em dar importância a palavras, sons, imagens, voz. A subjetividade do silêncio em suas reações parece parar o tempo, e só importa um sentido, todos os outros param ao seu momento.

Por aí já encontrei vários possíveis amores, muitos 'quases esquecidos' entre as poucas chances de deixarem o virtual. A distância é cruel em sua essência, torna possível a aproximação parcial, que resiste por algum tempo a ausência física até o encantamento do explorar o desconhecido diminui e torna tudo talvez tão igual antes, talvez ainda mais vazio, ou talvez até melhor, - parafraseando Exupéry.

Eu prossigo só, e ainda sem entender nada. Companhia é ilusão. Somos corpos solitários e sempre seremos, companhia é um estado, não uma condição. Se sujeita as mudanças do tempo, dependendo de outras pessoas pra sensações além do comum. Quanto dura esses momentos é o que define quanta motivação temos na vida. E tem gente que não tem nada, sozinho só. Esses sim viram de perto a face do abandono.

Me falta o ar, desaparecem as palavras, pensar consome, cansa, e pensar demais entristece. Sempre voltamos do caminho dos questionamentos com mais dúvidas do que fomos. Uma coisa aqui e ali resgata resquícios de forças, sorrisos, e eu posso não sorrir hoje, mas nenhum momento tem controle do tempo. Acontecem quando e quanto deveria. São tantos momentos vagando no ar, momentos bons tu procura, momentos ruins te acham.

Itarcio A. L.
2 compartilhamentos
Tags: vida realidade

Já é quase dia, se aproxima o último amanhecer... Susurro baixo em teu ouvido declarações de uma jornada obscura, e de todas essa foi minha maior certeza, na indecisão vaguei por aí e em tanta confusão era só isso que eu tinha.
[...]
"Te levei comigo onde andei, fragmentos de meu coração ferido, que ainda vivo, se decompõe lentamente, até que a terra consuma por inteiro, e em cada parte um pouco do que era você em mim. O orgulho nos levou pra longe, nem sei como, mas sempre lembro do teu olhar e teu sorriso pra saber que foi feliz".
[...]
Chega mais perto, pensamentos se embaralham e a lucidez se afasta, mas me esforço em puxar o último fôlego... Dispense o entender, só preciso que saibas que por detrás da raiva sempre guardei seguro o seu amor, distante de todos os sentimentos inferiores, mas que juntos nos afastaram pra tão longe.

Adeus, meu amor.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento

Solidão é conversar em silêncio, não perguntar por não ter ninguém pra responder, já decorar essa resposta...

A melancolia da madrugada em versos simetricamente tristes, misteriosamente subsiste em ecoar nos meus ouvidos. Não há como correr do que vem de dentro. Qualquer canto não faz cessar o pranto se o choro é interior. Quem vai me dizer que o passado passou? Eu fiquei parado no tempo, disperso num instante, me perdi da vida.

Onde fica o lugar que posso voltar? E seria o futuro como se nunca te conhecesse ou fosse apenas mais uma. Destilo a agonia, insurreto, não sei se são rimas ou só um amontoado de palavras vazias. Posso descrever todos os problemas como posteriores a esse, e mais uma vez teu silêncio me ensurdece. Daria tudo pra adivinhar um pouco dos teus pensamentos agora ou nos momentos de solidão. Dentro de você eu não fui tanto assim, mas sei que tua vida impassível não fez esquecer-se de mim. Todos vagamos por aí à procura de um alguém, invejando os que podem falar e ouvir 'meu bem', é isso...

Desperdiçamos o amor, se esvaziou dos nossos corações e evaporou. Um vazio impreenchível, só o que restou. Quem pode me levar daqui? Me diz, se não for você, se não eu, eu vou fugir para o invisível além de mim. Parece inevitável...

Faz algum tempo que tudo é escuro por dentro e por fora.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: solidão silêncio

Me perdi em um sonho de amor.
E entre olhares e sorrisos quis chorar,
mais uma tentativa e vi tudo acabar,
quando me sinto sozinho é inevitável não lembrar.

Os dias de sol secaram meu coração,
as noites em que vontades só formam saudades,
e eu não sabia onde estava você.
Te esperei ansioso mas não te vi chegar.

Essa agonia atormenta e eu não sei
se tu é solução pra todas das feridas que doem.
Aqui dentro não são tuas medidas exatas.
Esse teu jeito nunca me completou.

Eu seria ao menos consolo pra tuas tristezas,
momentos tranquilos de minha aflição,
mas preferiu tornar tudo só decepção.
O teu vazio sou eu.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: amor lágrimas

As pessoas deixam de escolher por imaginar não suportar a culpa de errar, mas a omissão a uma decisão já é estar errado.

Itarcio A. L.
3 compartilhamentos

Não há nada a fazer por uma mente que se limita.

Itarcio A. L.
3 compartilhamentos
Tags: mediocridade caráter

Por mais forte que seja o sol, a noite sempre vem, escurecendo tudo que podemos ver e tocar. Até o conhecido se torna perigoso um segundo antes do alívio que antedece a certeza de que era desnecessário o receio - (mascaramos o medo de diversas formas e em palavras como essa). Na escuridão a visão se limita e compromete outros sentidos, que se aguçam na tentativa de ir mais longe. Tocar o impalpável, o fisicamente distante, o mentalmente inimaginável, mas que está lá, involuntariamente, e confunde, consequentemente entristece. Permanece a melancolia quando esses dois sentimentos se cansam de questionar, e não vem nenhuma resposta sequer.

É tentar explicar o inexplicável, ao risco grande de incoerências. No tempo curto indefinido é possível sentir em oposição amor, ódio, alegria, felicidade, mas a dor é somente a dor... não se engana, não se expulsa e nem se conceitua em racionalidade o que somente se sente. Variando a intensidade, mas sempre lá, imperceptível as vezes, acostumamos... Mas machuca quando nem esperamos, em datas que trazem lembranças, lugares que fazem reviver histórias, sons, gestos, olhares, palavras, o vento, céu cinza, a calçada molhada, chuva, poças... e até em detalhes banais estará o que acorda a dor presa dentro de nós.

O que pode ser além disso talvez não faça sentido depois. Bom seria poder repetir sabendo o errado, mas sem lembrar que errou. Um amor depois da dor não é igual ao primeiro amor. Algumas coisas na vida tem impacto tão grande sobre nós, que mesmo depois de tanto tempo só sabemos que nunca vai ser como antes. Minha chance passou, agora eu sou amor e dor.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento

Nunca diga a outro coração o que não vêm de dentro do seu.

Itarcio A. L.
3 compartilhamentos

Ligo o som, e aumento. Já faz algum tempo, não me recordo quanto, me perdi entre números que não faziam nenhum sentido. O que importa contar quando há uma voz de dentro que grita tão alto e, posso ouvi-la em qualquer lugar, mesmo com os dedos nos ouvidos e a música muito mais alta?

Confuso, andei em lugares estranhos e as pessoas me falavam de desejos que eu não tinha, e faziam coisas sem saber porque, diziam que eu deveria tentar, que perco tempo demais em descrições. Imaginei quantas histórias escondidas em todas aquelas marcas no rosto e no resto do corpo, diziam mais do que sua boca fechada, olhar devagar, apático, insinuando cansaço, entregue em rotinas que mandam pro inferno todo o mundo. Poderia por horas observar, reproduzir no papel o real sob a minha visão, e seria expulsar tantas lembranças que não se cansam de repetir e se juntar até formar tantos pensamentos desconexos, ou ligados de maneira que raramente entendo.

Decepção e solidão fazem parte de meus passos; e pra onde vai esse caminho? Eu queria anos atrás saber, antes de começar a caminhar, mas agora nem há como parar, já não consigo descansar, não sinto o ar. Já posso dizer que não importa tanto o passado, nem o que me fez chorar aqueles dias por dizer adeus. Eu tô deixando de ser eu pra ser alguém melhor, e talvez assim te reencontre.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: tempo música

Hoje eu não vi o sol. Se escondeu antes que eu pudesse observá-lo, e na janela, entre o cinza dos prédios e as árvores, só poucos raios clareando o que eu chamo de mundo, inexistente na ausência da luz. Não somos nada, nem há como tentar ser, se inventamos luz artificial pelo medo que é permanecer no escuro. Há quem diga ser isso perturbação infantil, e erra. Queria saber como seria alguns dias se não houvesse o sol nem a lua, e as estrelas se escondessem de nossa presença de tal maneira que não houvesse distinção de espaço, cores. A energia humana falhasse e todos os esforços de produzi-la dessem em nada, tudo escuridão, escuro. Não voltaríamos a ser crianças, somente nós mesmos perdidos ao desespero e inutilidade, abraçando a incerteza do que nos reserva o próximo passo, a dúvida em redescobrir caminhos já gastados, mas nunca antes trilhados de olhos fechados.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento

Eu não sabia ao certo o que fazia as lágrimas, lentas, escorregarem entre meu rosto. Faz tempo não sentia, relembrei o gosto. Foi como se meu corpo continuasse somente, mas meu coração houvesse parado em um momento do tempo, impossível de se retornar, mas tão igual difícil de esquecer.

Chorarei pra sempre quando estiver sozinho, por dentro, ao ouvir tua voz, nas letras das músicas, ao ver tuas fotos e te rever, pensar em tudo não vivido, pelos meus sonhos perdidos e o que foi vencido por entendermos tão pouco.

Uma máscara impede que todos percebam, e será sempre mero detalhe dramático aos olhos. Estou bem, respondo com um sorriso. Tudo se distorce no tempo, que com força devasta nossas tentativas, e o que resta.

Eu sou o resto.
(...)
Como tu está?
(...)
Começa a chover, já estou quase indo embora. É só mais uma noite estranha que tudo que eu mais quero é você.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: lágrimas chorar

Há sensações tão tristes e desesperadoras quanto ter palavras engasgadas sem poder falar, declarações ignoradas por quem é a razão, ou versos belos e sinceros que recitados ao vento não encontram platéia. É tão igual, e ao mesmo tempo diferente não pensar em nada, não ter nada a dizer, sequer escrever.

É estranho, o ar estranho, a luz, o escuro, tudo fica estranho. Querer ter o que pensar e falar, mas simplesmente não encontrar início, nada relevante ou emocionalmente forte pra querer demonstrar. Daí nasce a melancolia, tão paciente em atormentar, ela acontece naqueles dias que tudo tá tão normal que chegamos a querer que desse tudo errado só pra sair do tédio.

Talvez o silêncio caracterize esse estado, mas se a agonia for insuportável abro mão da lucidez e grito... eles ecoam, já não estou tão sozinho. Se for longe demais, minha solidão vai ser a melhor companhia, e pode ser que eu me acostume a isso.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: tristeza desespero

Por vezes tenho me recolocado em lugares imaginários, com um pouco de esforço e muito de lembranças. De olhos fechados é embassado, incerto como a imagem de uma TV falhando e as vezes não consigo ver nada ou o que vejo é tão pouco detalhado que assisto tanto até que minha mente preencha os espaços vazios entre uma cena e outra. Costuma ficar o som mesmo depois da imagem sumir, mas então inventar o visível é apenas questão de concentração.

O tempo passa, e isso chega a ser assustador, não poder impedi-lo, na imensidão do espaço não senti-lo, invisível que ainda assim leva milhões de momentos que eu agarraria se pudesse tocá-los. Procuro o consolo no físico evidente como um porto seguro. Mesmo mera representação psicológica de projeções, é o que acalma quando o interior é tão escuro e confuso, ter o que segurar ou a quem abraçar.

Não é difícil te achar em meio as palavras, mesmo quando quase não fazem muito sentido.

Recentemente imaginei um futuro construído sobre nossas maiores fragilidades, cercado de um orgulho próximo ao irracional. As feridas pararam de doer, mas nunca se cicatrizaram. Poderia ignorá-las como fazem, mas o incômodo de estarem abertas faz ser sensível a cada insignificância de detalhes, mas que juntos doem como se fossem idênticas às primeiras vezes.

Parece que vai ser sempre assim. A dor é consequência das memórias, e a tortura é quando posso estar mais perto de você. Voltei a estar perdido no mar e a vagar sem objetivo. Meu barco nunca se afunda prolongando essa história que comparo a um livro com trechos riscados e algumas páginas rasgadas.

Agora mais do que nunca duvido das razões pelas quais me levaram para longe, e tenho medo que essas perguntas sejam minhas companhias para todo os dias. Se eu me afogar nessa imensidão vou desejar mais ainda que tu esteja aqui, mesmo que seja apenas pra segurar minha mão.

Fazer trocas com o acaso, brincar de esconde-esconde com a sorte, pintar o céu com pincel sem tinta...

Pedimos tanto por um sentido e simplesmente o pisamos e o jogamos fora. Valeu a pena pra tu?

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: lembranças memórias

E foi a espontaneidade do teu jeito, não a maneira como falou. Não foram as palavras e seus significados, mas o olhares que se fitavam insubordinadamente. Foi o inevitável, não a consequência de esforços para não demonstrar.

O desconhecido faz brilhar os olhos quando a fixação da surpresa ignora detalhes tão óbvios. O apaixonar-se acontece somente ao acaso, mas sua força se repete na posteridade dos desencontros.

Itarcio A. L.
2 compartilhamentos

Quando tudo faz o possível pra nos manter inertes, mudar significa a quebra do destino.

Encarar o que nos machuca há muito tempo pode se tornar o fim da dor. E tragicamente ou finalmente isso marca o início de um novo processo: a readaptação.

Não há garantias em ousar, mas qual o sentido de reviver todos os dias a decepção de um momento? Há mais de 7 bilhões de pessoas no mundo, e possa ser realmente que apenas uma te complete, mas isso só significa que tu procurou menos que deveria.

Fantasiar os pensamentos de quem ocupa o nosso é inevitável no começo, mas repeti-los todas as noites é tortura. Quase sempre não tem valor porque não passam de acomodar-se a dor. O que se ganha com isso que valha a perda da razão?

Perder o que se deseja pode ser desesperador. Decidir-se sair à procura novamente é agarrar-se a necessários sentidos de existência.

Se o amor é grande... Digo, se ele for a coisa mais pura que você tiver, não o fará algemado a um quarto ou uma lembrança de realidade passada, mas te motivará a buscar doses de felicidade. E elas estão por aí, esperando que as encontremos.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: mudar mudança

E o que é a distância, senão o que fisicamente nos mantém tão longes, como se tantos outros invisíveis motivos já não fizesse isso tão bem?

Submeter-se a profundas sensações não é fácil quando tudo parece conspirar contra. Por isso muitos "quase amor" se perdem no passado antes mesmo de se enraizar e tornar-se suficientemente fortes.

Porque tantas provas a quem se deixa sentir?
Aos que alcançaram singulares expressões do amor, foram além das limitações que a sociedade se esforça em criar como justificativa de seus medos e decepções.

Tudo vai parecer querer dar errado depois que se passa a fascinação pelo novo; a luta mais sublime é nos desvincularmos de nossas próprias paranóias e preconceitos, e assim, quem sabe nem a distância fará diferença.

Itarcio A. L.
1 compartilhamento
Tags: distância saudade