Naeno Rocha

1 - 25 do total de 424 pensamentos de Naeno Rocha

Pelo pisado do pé
Ninguém diz:
É negro é branco
A pele dista
Mas é só um manto.

O branco tem no olho um preto
No do preto tem um branco
A pele dista
Mas é só um manto.

Naeno Rocha
2 compartilhamentos

PAUTA

Eu queria fazer um poema
Assim, métrico
Tenso como um fio elétrico
Para que todos os dias
Os pássaros venham
Pousar, cantar.

Eu queria fazer uma música
Na pauta tensa da rua
Para que todos as noites
A lua venha
Tocar, rebrilhar.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

QUINTANA

Escrevo olhando para o céu
O papel é da mesma cor azul
Verde, a caneta, da esperança escrita
E também desenho um pássaro ao léu.

Estou curioso por ver a paisagem enfeite
Misturo tons que me arregalam a visão
Buscando sempre as mesmas descobertas
O céu, é inútil querer dar-lhe outros efeitos.

Brinco com a luz incidente na folhagem
Que pinto e bordo, da cor e do cortado
E que propunha, a poesia, enfeita-se
Desses desmandos de nova linhagem.

Ando volátil como o ar rompido
Que acolho e beijo em minhas mãos aos poucos
E me permito voar com ele aos pedacinhos
Aí nessa folha como tenho sido.
_________________
naeno*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

CANTADOR

Às vezes os olhos se entregam
Lembrando momentos de plena dor.
Enquanto o coração segreda
Lindas palavras de amor.
Distante a paisagem dorme
Parada sem nem um brilho
A dizer que o tempo passa
E tudo fica pequeno
É quando a luz
Revela a campina bela
Numa aquarela sem cor.
E as vezes nada toma importância
E do nada se vê uma tela
Preenchida de vazio
Do que veio a não ser falado
Um estio esvaziando a claridade.
Adiante um sabiá
Canta, enchendo o tempo real
De verde tingido o chão
Que anseia pingos de frio
Prefere dormir lá fora
Solando pelas narinas
Em grosso e moderado tom
Cantigas que retoquem a vida.

Naeno* com reserva de domínio

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

É MESMO ASSIM


Quando tentamos entender a vida
Arriscamos-nos ao precipício de uma estrela cadente
Que perde o seu rumo
E caminha no escuro
Perdida a luz das outras.
Quem ao deslembrar saber de si
Indica a persuasão do alheio
Da vida de outros, quem?
Mergulhado em seu mar longo
Encontra o sentido que os outros navegam?
Sabemos ainda de nós, mas não sabemos do nada
E é ausência o que somos
Quando convictos disto
Conseguimos avistar uma fresta
Ainda incapaz de caber nossa visão
Somos esses passageiros sem rumo
Ciganos do cosmos estrelas desgarradas
Ora estamos em nosso perfeito sentido
Quando nos julgamos errantes
Momentos depois dentro da vida
Convencemos-nos que ela engana.
__________________
Naeno*com reservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

EU COM O MEU AMOR

Eu, com o meu amor
Serei muito mais.
Eu serei a estrela
E ele brilhará.
Eu serei a nuvem
E ele choverá.

Eu, com o meu amor
Seremos um.
E se um for nada
Seremos nenhum.

E se de tristeza
Eu precisar chorar
São seus olhos, meus
Que lhe vão molhar.

Naeno

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

SINAIS DE BELEZA

Solitário, meu modo,
No meio das multidões de faroleiros
Afasta-me, andando para qualquer canto
Que ali marcava o limite entre o que ouço
E o que não mais posso ver.
Um lugar ermo, uma parte da terra coberta
De gramíneas novas
Meus sonhos, minhas fantasias de qualquer dia.
Daí a vista dela por vezes incontáveis.
Ela estranha o povaréu
Fora como todos,
Largada à parte pelo mutirão.
Estava de pé recostada a um tronco morto
E olhava-me.
Era de uma beleza incomum
De olhos negros e um cabelo solto
Fino, puro negrume
O que facilitava a minha visão
Assentar-se sobre o brilho
Ponto feito pelo sol.
Eu era um animal de raça
Que a mirava intensas vezes
Como se figurasse uma bela
Mas perigosa efígie da beleza
Quente alentada, mas, ao mesmo tempo
Sublime e intensamente mulher.
Olhava-a como se a mim
Ela tivesse dado algum sinal
Comunicado algo de seu fulgor.
Já a reconhecera
Já a olhava por toda a minha vida.
Vi naquilo um sinal do meu destino.
______________________
naenorocha*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

MEU AMOR ME CURA

O meu amor não se limita
No seu alimento derramado em mim
Quando regurgita palavras e sussurros
Que me deixam quieto
A não depender de nenhum calmante.
Assim dilatadas todas as drogas prescritas
Nas suas doses diárias
Como indica o terapeuta.
Ele me trás a lucidez, na paciência.
E na força como age
Quando se verte-se em meu sangue
E vai, mais hábil, e limpa mais
As lembranças dos meus transtornos
E chega mais rápido e facilmente
Ao meu sistema nervoso central.

Meu cérebro já se acostumou
Às doses do tratamento
E a elas dá a devida passividade
De nem notar-lhes quando engolidos
E se alvoroça, no tempo em que relaxa
Quando vê meu amor chegar.

E as demoras do meu amor
Já se tornaram maiores
Que do vinho que tomo de infracionário gesto
Do médico condena a mista das afentaminas,
Dos antidepressivos, dos papéis de seda
Colocados diante aos meus olhos
Que mudam a visão do mundo.
Que me melhoram e eu aceito o degredo
O meu sumiço em terra estranha.
Cada cor é uma estampa colada ao lado de outra
Mas a cada presente de cada presença sua
O meu amor me conforta com a força que tem
E eu sei, com a visão mais clara
O meu amor, só ele basta
Para eu me sentir muito, mais, bem.
__________________
naenorocha*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

EU E ELA

Lá fora o luar continua
Sinal de que as nuvens
Amanhã ganharão um dia.
Mas só amanhã.
Hoje ainda correm frescos
Esses faróis perfurantes.
E o dia e a noite
São de nós.
Eu aproveito a presença da lua
Para ser romântico e lunático.
Uivo como lobo,
Um lobo estático
Sobre um cume quieto
Um cupinzeiro deserto.
Eu aproveito o dia
Para por em dia
A noite indormida,
Dos sonhos com crocodilos
Uma ameaça distante,
Que é só do inverno.
Mas eu antecipo as chuvas,
Para não fazer de dia
O que se mais detesta,
Tomar café,
Sentar no alpendre,
Ir para o almoço
Fazer a cesta.
E quando eu olho
Para o relógio incerto,
Vejo que ainda há tanto tempo
Pra que a noite venha,
E eu me junte a ela,
Amaciando ela,
________________
naeno*com reservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

TEIA

Escolho ao acaso uma folha branca
Mas que podia ser verde, ou de outra cor.
A intenção é escrever o poema
E que ele saia nítido como esta cor oportuna.
E escrevo, faço intercalações,
Faço a palavra que mais se adequou, distante,
E ponho um risco ligando-a ao nome.
Comecei por chamar saudade
Mas vi que o sentimento era outro,
E o nome obrigado teria
Que não se chamar saudade.
No meio da página a poesia quase enfeite,
Derramo café e espero secarem as idéias.
Ponho um preposto, entre o sentido e o fim,
E pra quem vem lendo de lá,
A alfândega perde o pedágio
E a poesia ganha outro ditame.

O lápis por descontrole pára.
E a poesia silenciou, quando afluíam
As falas, as almas, os encostos.
Aí me deito delgado, de cara pra cima,
E do teto a aranha tece sua nova roupagem,
O acabamento impecável
Que, se lembrasse, usaria na poesia.
____________________
naeno* com reservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

AMOR, A MORTE

Águas de enxurradas, quem se arrisca,
A segurar garranchos e se assentar em lodo,
Rio sem futuro, que depois da chuva, a vista,
Não terá mais rumo, o que se ver de novo.

Bate o vento trazendo a chuva que tudo traz,
Uma esperança, o amor, lembrança de se agarrar,
Uma vontade espessa, algo que nos faz,
Pensar eterno, desejar os restos que se assentarem.

Águas corredias, no sentido contrário,
O amor nos conduzindo pra de novo se largar,
E tomar o leito revertendo, o horário,
Quando mergulhamos loucos por lhe abraçar.

Uma cuspideira, sujeira do mar,
O amor assim quase sempre nos traz,
Já perdido o fôlego, a visão, o ar,
Dá-nos sua boca como um salva vida, só isso faz.
_______________
naeno*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

TEAR

Enquanto eu faço um poema eu te descrevo
Como se não te conhecesse
E meus olhos prego em ti.
Tudo eu lamento na minha poesia
E tudo sai na alegria de tua boca rindo.
Queres uma prova de amor?
Eu ando sobre as brasas.
A caneta dança uma interminável valsa,
E de nós quem rodopia,
Quem tem a autonomia nos pés
És tu. tutora de tudo o que aprendi.
Enquanto sonho tu acordas
Para fazer de mim teu mimo
Teu cãozinho novo, tua maquiagem.
E eu aprendi o que me ensinastes,
Nunca olvidar aprendi também.
Graças a ti, poesia feita agora,
Minhas verdades de outrora
A vida contigo, pode dizer-se eterna.
Sem ti é tudo um desmantelo.
Enquanto eu teço o verso
Tu urdes em minha cabeça
Um templo de bombardeios,
Das tantas guerras,
Que comemoramos o seu final.
_______________
naeno*com reservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

EU COM O MEU AMOR

Eu, com o meu amor
Serei muito mais.
Eu serei a estrela
E ele brilhará.
Eu serei a nuvem
E ele choverá.

Eu, com o meu amor
Seremos um
E se um for nada
Seremos nenhum.

E se de tristeza
Eu precisar chorar
São seus olhos, meus
Que lhe vão molhar.
__________________
naeno*com reservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

A BOCA DA LOBA (09)
O que a boca fala
Com a cumplicidade dos dentes
Porteiras de saídas e de entradas,
O coração se atemoriza.
E rebate na palavra, esgrima.
A boca não tem a contensão
Do coração.
De ficar calada,
Quando sente o gosto bom
E ácido que leva o fermento dentro.
Bocas que eu beijei,
E as que só sonhei beijando,
Pintaram-me dentro e fora,
Na alma e na gola.
Com marcas de ferros,
Quando dobraram a minha vida.
Sonho com cada uma
E sofro por todas elas,
Sinto os sabores dessas bocas
Em minha língua provadora.
Ah, tua boca, a minha boca agora.
Puxo pela memória,
Mas eu nunca senti nenhuma
Doce como a tua,
Dos formatos da lua,
Quando está cheia,
Quando declina minguando,
E quando vai se levantando
Pros meus olhos escurecerem.
_______________
NAENO*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

"Choro de flauta, de bandolim, choro de olho, dentro de mim.
A lua brilha tão distante, meu amor. A lua toca o coração de um tocador"

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

" Se você não quer ter saudades, não saúde o tempo"

_____________
naeno*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

Tuas mãos, minhas mãos, minhas mãos tua luva.Entranha os teus dedos dos meujs, me leva daqui, vamos embora

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

Ai, como eu gosto de ser poeta. E ser homem, andar reto, ter um caminho limpo à frente e atrás. Poder dizer o que sinto, como verdades, sem ferir, fazendo valer o lirismo como didática a que todos aprendam que a vida é boa, que a vida é um ofício, que a vida é para viver não para matar.
Ai, se meus filhos fossem como eu, sonhadores, que perdem ou acham tempo, brincando com as nuvens, contando estrelas, se arrepiando ao ver uma rosa, valorizando os espinhos que a protegem.
Ai, como doeria ser outra coisa, ter outra vida que não esta... Ter a vida em festa quando um velório passa, porque se assenta em minha cara que aquela alma não está perdida. Encontrou-se afinal, lá no édem, nos confins dos céus, ao lado de Deus, onde ferve a verve do cantador, do inventor dos sonhos, do sonho, do sono acordado, da vida pesada leve.
Amo a poesia como amo o melhor de tudo... o que se expõe aos nossos ouvidos quando, duvidosa, ela nos agasalha em seu regaço.Ai vida bela assim, ai ventura sem fim! Ai, agora uma mulher dentro de mim.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

SERÃO TEUS OLHOS

Quando me dou frente a frente
Com os teus olhos de louca
Fica a impressão de que vi,
Algo de extremo e pouco
E vou ao delírio, perto
Já da minha loucura
Fico gritando o teu nome
Em aflita amargura.
Se quando olho os teus olhos
E não vejo os meus refletidos
Fixo-me no chão só pra ver
Se os meus não caíram
E de pura dolência
Caio por terra e vejo
Já no fio do precipício
Enxergo e não creio.
Que tu não veja em meus olhos
Esta claridade
aveludada, mas plenas
O que faz a idade
São os teus olhos meus
São só minhas verdades
As tuas eu busco e não conto
Se tenho encontrado.
______________
Naeno* comreserva

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

VIDA

Depois que a vida chorou pelos meus olhos
E soprou a minha boca pela boca dela
Temos sido assim amantes barulhentos
Quando em nossas encruzas
Mostramo-nos os dentes.
Depois de fincada no chão uma semente,
Pelas mãos dela, e eu era um silente
Pequeno grão suado em sua mão fechada.
E ali já germinava, eu florava.
Aflora agora uma vida em dormência
Sob os caprichos dos seus pés, fui
Calcado, e transplantado tantas vezes
Por não ser o enfeite pra sua janela aberta.
E eu não pergunto de mim a ela
Não incomodo a dona dos arados,
E o que quer de mim, nessa lavoura úmida?
Que eu chore, que me decline.
Serão meus frutos de sabor ruim,
Que ela não arreda o seu olhar,
E quando eu digo gosto desse canto,
Ela me espanta apontando um outro igual
Faz-se arrendatária, também de mim.
Eu me iludo que com os outros
É mesmo assim:
Por ela transplantados, fustigados,
Enxertados, lavrados.
E que não têm sentido
Os seus caprichos arcaicos.
E terá acertado, e sabe o que faz.
______________
naeno*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

O que há só com o meu coração?
Será só de mim toda dor
Incessante, este amor
Viverá só em mim.

Eu terei de chorar
Quando eu quero sorrir
Eu terei de morrer
Quando quero viver
Só pelo meu coração?.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

GINA

Amo, que sinto, desando
Gosto de ter em meus braços
Sempre minha flor dormindo.
Ela é uma obstinação minha
E da roseira ainda pra rachar-se.
Vejo a mulher e me provoca a rosa
Acochado o meu coração.
Primeiro veio o botãozinho,
Logo se abriu num soninho
Minha delicada, tão mínima
Todo diamante é assim.
Porque não haveria de ser
O amor, todo de estimação
E Ela além de ser muito mais que gente
Por aí, chamo meu amor, coração
Só do batente pra dentro
Meu coração a tem nos braços
Pra onde ela pousa subindo,
Amo esta mulher pequenina,
Como já a botei em minha sina,
Amo esse anjo encantado
Amo essa força de cima,
E para que todos sabem
Desse amor que a mim anima
O nome dela confesso,
Eu mesmo não sei qual daria
Mas quando a viram no galho
O mais alto da rosa-mimo,
Já foram logo chamando,
O meu amor, de GINA.
_____________
naeno*comrervas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DESAFIO

O cordão rompeu antes
Que a bolsa desse sinal de tempo
E formou-se um temporal
Um nascimento
De uma nuvem espessa
No quintal.
E caíram mangas maduras
E ficaram marcas nos joelhos
De quem ajoelhado rezou.
E foi um berro enchedor
De alguém que se segurava
E não emergia no poço,
E passaram-se horas,
Passaram-se séculos
Até se decidir,
Se vê depois....

Mas depois era muito depois
Do tempo marcado.
E as marcas em suas mãos
De gladiador,
Já faziam sangue pelo quarto
E nada de querer,
Nada de amar,
Só pelo que via
Debaixo, um buraco.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

COMPANHIA

Tudo chega ao mesmo tempo
À mesma hora.
Lembranças repetidas
Nas suas ordens de chegada.
Quando me quieto,
Depois do ritual de preparar-me
Para deitar.
Quando ponho a cabeça
E aqueço os panos por entre o corpo
Tudo chega,
Lembranças tuas, lembranças.
Que vêm como pássaros buscando ninho
Aquecer os filhotes
Que ao dia receberam visitas rápidas,
De borboletas, restos de insetos,
Que só receberam ao bico,
Mas nenhum beijo.
E tudo chega e todos se deitam.
A cama é estreita,
Faltam lençóis pra nós.
E eu vou pegar.
Se pelo menos eles dormissem
E me deixassem solto em sonhos
Ou pesadelos de os machucar,
Rolar por cima,
E sob o meu peso,
Deles quebrarem-se
De desistirem e não mais voltarem.
E eles vem, instintivamente rindo,
Em todas as noites,
Quando da minha investida
De deitar sem ti.
De contar-me só
Num espaço hostil.
__________________
naeno*comreservas

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DEUS

Deus o ser invisível que se põe entre nós e os nossos olhos
Uma nascente borbulhante que levanta a areia da profundidade
Um silêncio que se ouve com a quietude do coração
Olhos atentos que nos conta um a um na escuridão
Que a todos se revela pela bonificação de acréscimo do seu amor
Um rebento que chora ao ver-Se sair de suas próprias entranhas
E que em nós se acomoda calmamente, comendo e dormindo
Dos mesmos hábitos dos quais já somos costumeiros fazer.
Deus que se perpetua a cada momento, desses momentos começos,
E que não se finda, mas que se renova todos os dias, nas manhãs
Que ele mesmo traz com o zelo por haver criado.
Deus que na sua magnitude, infinitude, criou um fim imprevisível,
Que a nenhum cabe conhecer. Só o começo, só o meio.
Porque o fim, disto de Deus, foi criar-nos uma perfeita obra
Na complexidade de seres humanos. Amados por Ele incondicional.
Deus, que torna-nos infinitos, porque, em viver e morrer
Somos cativos dos seus olhos,
Que viver não é morrer, mas consubstanciar-se Nele,
E de uma entrega, quase sempre dificultosa, por não sermos
De sua mesma matéria. Relutamos às vezes acreditar Nele
Que vemos, sem precisar dormir para sonhar. Porque Deus
Não é sonho que se conte. E se alguém pensou assim.
Verdadeiramente O viu, e em vendo-O, voltou confuso
Da procura. Que pode ser longa, demorada e curta,
Porque Ele depende de nossa fé, de nosso acreditar dormindo.
E enquanto dormimos Deus, vela nosso sonho
Com o zelo do artista que aprecia as minúcias agora percebidas,
Na obra que criou. E que quanto mais olha mais fica orgulhoso.
Deus é assim, um presente que se abre todo dia e não se amontoa
Sobre nossa cama, porque a cada dia só temos um, o mesmo,
Deus inigualável, Deus inavaliável, Deus que se dá mais!..
Muito mais, distando consideravelmente, do que recebe de nós.
________________
naeno*comreserva

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento