Agostinho Neto

Cerca de 14 frases e pensamentos: Agostinho Neto

Os musseques são bairros humildes
de gente humilde

Dr Antonio Agostinho Neto

NÃO ME PEÇAS SORRISOS

Não me exijas glórias
que ainda transpiro
os ais
dos feridos nas batalhas

Não me exijas glórias
que sou eu o soldado desconhecido
da humanidade

As honras cabem aos generais

A minha glória
é tudo o que padeço
e que sofri
Os meus sorrisos
tudo o que chorei

Nem sorrisos nem glória

Apenas um rosto duro
de quem constrói a estrada
pedra após pedra
em terreno difícil

Um rosto triste
pelo tanto esforço perdido
- o esforço dos tenazes que se cansam
á tarde
depois do trabalho

Uma cabeça sem louros
porque não me encontro por ora
no catálogo das glórias humanas

Não me descobri na vida
e selvas desbravadas
escondem os caminhos
por que hei-de passar

Mas hei-de encontrá-los
e segui-los
seja qual for o preço

Então
num novo catálogo
mostrar-te-ei o meu rosto
coroado de ramos de palmeira

E terei para ti
os sorrisos que me pedes.

Dr Antonio Agostinho Neto

De certo modo nós somos europeus, de certo modo os europeus são africanos. Não podemos esquecer os latinos-americanos, que de certo são africanos e nós tambem somos de certo modo latino-americanos. não podemos esquecer os asiáticos porque de certo modo são tambem africanos e de certo modo nós tambem somos asiáticos. Nós somos uma ecruzilhada de civilizações

Antonio Agostinho Neto
Inserida por Josefernando

PARTIDA PARA O CONTRATO
O rosto retrata a alma
amarfanhada pelo sofrimento

Nesta hora de pranto
vespertina e ensanguentada
Manuel
o seu amor
partiu para S. Tomé
para lá do mar


Até quando?


Além no horizonte repentinos
o sol e o barco
se afogam
no mar
escurecendo a terra
e a alma da mulher

Não há luz
não há estrelas no céu escuro
Tudo na terra é sombra

Não há luz
não há norte na alma da mulher

Negrura
Só negrura…

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por Josefernando

Na minha história
existe o paradoxo do homem disperso

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por Josefernando

Eu vivo
nos bairros escuros do mundo
sem luz nem vida.

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por Josefernando

NOITE
Eu vivo
nos bairros escuros do mundo
sem luz nem vida.

Vou pelas ruas
às apalpadelas
encostado aos meus informes sonhos
tropeçando na escravidão
ao meu desejo de ser.

São bairros de escravos
mundos de miséria
bairros escuros.

Onde as vontades se diluíram
e os homens se confundiram
com as coisas.

Ando aos trambulhoes
pelas ruas sem luz
desconhecidas
pejadas de mística e terror
de braço dado com fantasmas.

Também a noite é escura.

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por Josefernando

CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL

Latas pregadas em paus
fixados na terra
fazem a casa

Os farrapos completam
a paisagem íntima

O sol atravessando as frestas
acorda o seu habitante

Depois as doze horas de trabalho escravo

Britar pedra
acarretar pedra
britar pedra
acarretar pedra
ao sol
à chuva
britar pedra
acarretar pedra

A velhice vem cedo

Uma esteira nas noites escuras
basta para ele morrer
grato
e de fome.

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por Josefernando

A menos que o sol brilhe não pode haver a luz do dia

Agostinho neto
Inserida por Caractere

O mais importante e resolver o problema do povo

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por wna

Adeus a hora da largada

Antonio Agostinho Neto
Inserida por Nanga

O choro durante séculos
nos seus olhos traidores pela servidão dos
homens
no desejo alimentado entre ambições de
lufadas românticas
nos batuques choro de África
nos sorrisos choro de África
nos sarcasmos no trabalho choro de África
Sempre o choro mesmo na vossa alegria
imortal
meu irmão Nguxi e amigo Mussunda
no círculo das violências
mesmo na magia poderosa da terra
e da vida jorrante das fontes e de toda a
parte e de todas as almas
e das hemorragias dos ritmos das feridas
de África
e mesmo na morte do sangue ao contato
com o chão
mesmo no florir aromatizado da floresta
mesmo na folha
no fruto
na agilidade da zebra
na secura do deserto
na harmonia das correntes ou no sossego
dos lagos
mesmo na beleza do trabalho construtivo
dos homens
o choro de séculos
inventado na servidão
em historias de dramas negros almas
brancas preguiças
e espíritos infantis de África
as mentiras choros verdadeiros nas suas
bocas
o choro de séculos
onde a verdade violentada se estiola no
circulo de ferro
da desonesta forca
sacrificadora dos corpos cadaverizados
inimiga da vida
fechada em estreitos cérebros de maquinas
de contar
na violência
na violência
na violência
O choro de África e' um sintoma
Nos temos em nossas mãos outras vidas e
alegrias
desmentidas nos lamentos falsos de suas
bocas - por nós!
E amor
e os olhos secos.

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por ErneuLaraLazaro

Angola é e sempre será por vontade própria, a trincheira firme da revolução em África.

Dr Antonio Agostinho Neto
Inserida por UrinelDaCosta