Versos e poesias

Cerca de 4173 versos poesias Versos e poesias

Vinte e Um

Teus cabelos soltos ao vento
Seus olhos de um brilho encantador
Assim te encontrei
Na noite mais linda
que por mim passou
Teu sorriso carinhoso
Tua voz suave como a brisa do mar
Tuas mãos de menino
(menino-homem que tanto amei)
me acariciavam
Levando-me ao céu
Amor...
Amor como foi bom...
E mais um
Vinte e Um

Marilda dos Santos

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

VIOLÃO DE TAÇAS
de: Eduardo Pinter

O ventos sombrios da mente calada
Acorda com vontade de se esconder
Inspira a morte numa angústia abafada
Mais puro que o frio não há como morrer
Mais impuro e divino também não há como viver

As questões se vão como se vão as questões
Pr’algum lugar onde desvendas a incompreensão
Pode-se fugir do inverno mas, não das estações
Pode-se ignorar a alma mas, não o coração
Não me é estranha esta sensação

Acordar num silêncio vazio entre esta multidão
Me faz pensar no que penso noturnamente
Afogar-se num violão com taças e uma canção
E se trancar na noite em meu próprio refúgio
Talvez convidar amigos e descobrir que não sou o único

23 Ago 2013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

A IMENSIDÃO DA RAZÃO INSENSATA

Eu estou assim:
Me sentindo leve por um copo agradável.
Sentindo pena de mim mesmo,
Já que é a única coisa que me resta.

Como a noite já se foi
E nunca houve esta coisa de pena,
Vou chorar porque a fonte está se esgotando.
Vou sair pra ver se alguma coisa acontece!

Talvez, eu mereça esta saudade e,
Que a imensidão do desejo amenize
A razão deste frio insensato
Enquanto a pólvora queima o abstrato
Desta sombra que me faz perseguir
Pelos sombrios pensamentos do sentimento.

Falo das sombras porque as vejo me perseguir.
Talvez eu as persiga para ter companhia.
Talvez, como tolo que sou,
Quero mais do que me permite a vida…
Ao final me sinto só de qualquer jeito.

19092013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Letras perdidas de um poema esquecido...
Frases longínquas num amanhecer qualquer.
Sou eu,
rabisco desordenado do inusitado,
rubrica do querer aflorado,
singulto de um coração que chora e sente...
Como se desvencilhar da solidão, Algoz que me condena?
Como retratar o belo, qdo teu rosto na lembrança encena?
Como orvalhar a flor,
pétala por pétala,
adubando/nutrindo o sentimento?
Nutrir,
querer,
desejar e ter,
verbos que se misturam/entrelaçam com os adjetivos que a ti são destinados:
bela,
linda,
diva de meu mundo,
sacerdotisa de meu sentimento...
22.09.13
JRicardo de Matos Pereira

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

O sol bate na solteira de minha porta,
iluminam-se os meus passos...
Caminho na relva, tropeço nos sonhos...
Vago sem rumo e o que encontro é teu olhar a me fitar, sorrateiramente...
De pés descalços,
solto nas nuvens...
Me perco ao te procurar,
te rubricando com meu desejo,
meu alento.
Perdido no imaginário,
transeunte da solidão...
Poema desnudo em versos,
verbo que me simplifica e te descobre...
O querer que aflora e te desmistifica, apenas!!!
20.09.2013

JRicardo de Matos Pereira

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Este silêncio
Ah, este silêncio!
Aflora minha solidão.
Mas, confesso
Que há um gosto de sol da tarde:
Perto do amanhecer noturno
Que me agrada a alma
Que me ilumina à luz ao ser renascente
Do que leve se torna opaca
Ao que foi instaneamente
Meu.
E de instante e distante,
Neste exato momento, nada me importa;
Talvez a saudade me consola num violão
Em tons de lágrimas de notas ausentes.
27092013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

ODEIO A MENTE QUE MENTE FACE A FACE

As muralhas desabam pela ignorância que a bondade cristaliza ao ser.
Muitas vezes, explodir na decadência dos rumos se faz presente a leveza
E a desordem persiste vingar o justo pois a falência da bondade é démodé.
E ao lado mora o carrasco que lhe alisa com a adaga na ferida da ingenuidade.
É decadente a decadência do ser quando a felicidade não lhe é permitido;
Fazendo deste amargo um ódio pleno à felicidade alheia
Como se um sorriso à sua sombra refletisse o que realmente lhe passa à mente.
Mente que mente e desmente quando face a face se penetra ao olhar.
E da dúvida somente há uma certeza: não tenho mais certeza de nada.
Não sei mais em quem confiar!

Eduardo Pinter
18 Out 2013

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Muitos caminhos turvos racionalizam a inquietude distante
Da solidão persistente em tempos de baixa estima.
Remotamente haviam disfarces em máscaras de sorrisos
Porém, a sobriedade da embriaguês aglutina perdidos olhos
Que se escurecem sem aviso prévio desabando qualquer fortaleza
Na imensidão de um vazio que corroe e se faz entristecer.
Não queria que fosse assim!
Mas a persistência da doença cultivada em velhas existências
Se faz melhor se a distância for feita sem contaminação
Àqueles que almejamos na torre do respeito.
Não é algo que se faz entender com presença.
Talvez, nem mesmo com palavras.
Mas ao fundo do poço é sabido que só há um caminho:
Adiante - há possibilidades;
Estacionado - as mesmas probabilidades.
Em estações assim é difícil definir qual caminho seguir.

Eduardo Pinter
16 nov. 13

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Explicação

Jamais interrompa um poeta.
Seria um crime sem perdão.
Nem mesmo numa urgência,
Não o incomodes,
Em sua alta inspiração.

Jamais lhe peça um minuto,
Nem queira ter sua atenção.
Pode ser fatal esse momento,
E assim como o vento,
O poema lhe fugir da mão...

E se isso acontecer, amigo,
De uma tristeza infinda,
O poeta terás ferido.
Seria assim, como lhe cortar
Um pedaço do seu coração...
(Dinho Kamers)

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

uma das antigas : DESABAFO (1994) renatonova
A cada dia e a toda hora
Sentimentos vazios me dominam
Trazendo dor, angústia, medo, solidão
Momentos esquecidos de um passado tão presente
Que relutam em ficar ausentes
Causando uma profunda depressão

Um sorriso no meu rosto não reflete o que sinto
Minha vida inteira eu minto
Nunca revelo quem sou
Porém você surgiu e me mostrou a vida que eu queria
Só que agora é muito tarde Já não posso mais voltar
nem consertar no meu passado todos os erros que fazia
sem você não há alegria; e eu não posso ficar sem você.

Renato Nova

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

PARA REFLETIR:

A Vida é um livro.
E cada página virada é mais um dia que se foi!!!!!....

Viver,
É saber aproveitar a mensagem contida
Em cada página,
Em cada palavra,
Em cada letra dessas páginas.

(autor desconhecido)

- amo esse pensamento...tanto que li à muitos anos atrás e nunca mais esqueci-

Edna Mendes de Souza

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Ilusões partidas
de: José Ricardo de Matos Pereira

Cessar ilusões,
Reter significados,
Depurar sentimentos...!
Sou eu,
Rascunho de meu querer,
Alfarrabo da virtude emblemada no verbo que cintila,
Que impactua no desejo que deseja a tua pele,
o teu lindo sonho...,

Restringir rancores,
Perpetuar emoções,
Colecionar felicidade...
Sou eu,
Vestígios do querer que urge,
Retrato do sentir que aflora...,
Orvalho que banha o norte de meu desejo e,
que ao sul,
transborda de emoção o sentir,
O querer,
O frasear do amor...

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

SE VOCÊ QUISER
de: Hilton Custódio Alves Júnior/
(José Ricardo de Matos Pereira)

Vou virar mais uma noite em claro
Vou tentar juntar os meus pedaços
Vou ficar te relembrando a toa
Esquecendo que o tempo voa

Vou tentar rasgar o teu retrato,
Teu perfume ainda esta no quarto
Vou negar teu nome quantas vezes
Minha solidão e magoa permitir

Vou tentar pintar um novo quadro
Sem as cores que você levou
Sobre o nada rabiscar teu nome
Com o pranto desbotar a dor

Viajar perdido em outro corpo
Procurando algum resquício teu
Vou achar teus beijos em quantas bocas
Tua indecisão e arrogância permitir

Mas se você quiser, podemos se encontrar
Mas se você quiser, estou te esperando lá
Mas se você quiser...

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

DISTANTE
de: Hilton Custódio Alves Júnior/
(José Ricardo de Matos Pereira)

Hoje distante de tudo
O sol procura meu rosto
Tentando achar um sorriso
Há muito tempo esquecido

Meu pensamento então voa
Ele é um pássaro triste
Cansado já sem força
Tentando encontrar um abrigo

Chora quando canta,
Voa para esquecer
Do passado sempre presente
Que insiste em atormentar

Voa, se perde no espaço
Tentando se encontrar
Soldado esquecido e sem guerra
Sem forças pra lutar

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

(sem título)
de: José Ricardo de Matos Pereira

Tudo fica
Nada vai dissipar o sonho
Meu querer e teu desejo reunido
Nada vai saciar o vento
Folhas,
Galhos e empecilhos...
Nada vai estancar a dor
Tua ausência é frasco sem perfume...
Nada vai derrubar a flor,
Que envolta em espinho te versificam e
Me resume...
Nada vai apagar meu desejo
Fruto do querer que me arrebata
Nada vai decifrar o que sinto...
Poeira, sol
Mar e poesia,
Amor e solidão,
O luar que me extasia

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

(sem título)
de: José Ricardo de Matos Pereira


No sonho inusitado que floresce... em meio a fronte que te circunda em flores...
lampejos de um amanhecer que até então desconheço...!!
Resquícios de um não saber...
Constatações de tudo que se afloram, mesmo que em soluços que me prendem...,
que me fazem relutar ao inevitável...,
Teu, meu,
nosso indecifrável e repentino desejo....!!!!

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Só (lidão)
de: José Ricardo de Matos Pereira

Eu sei,
Que mesmo sentindo calado,
Na noite eterna e singular,
No frio que agasalha a solidão...,
Insólita e
Indesejada.

Eu sei,
Que mesmo sonhando acordado,
Virá o vulto...!
A faísca que me integra,
E, ao mesmo tempo
me parte,
Inconsequentemente...

Eu sei,
Que não deveria viver sem você...
Que o albergue que procurava estava em teus olhos, e,
Que teu sorriso simplificava até minhas palavras tortas...,
Desconexas...!

Eu sei,
Que você nunca existiu.
Você foi um sonho que passou.
Você foi à luz que um dia raiou
E,
No entanto,
Se dissipou...!

Você foi o arrepio de meu desejo,
A verdade de meu sentimento.
A tristeza de meu lampejo,
E,
a tortura de meu esquecimento...!

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

ELA
de: José Ricardo de Matos Pereira

E ela surge em meio à multidão...
O ambiente se transforma em
apenas três,
Ela...
Eu...
E o desejo soletrado,
Ritmado pelo nuance de seu
quadril envolto nos meus...
Sonhos e contemplações,
Virtudes e desabafos.

E ela urge...
Capciosa e repentina,
No reverbo do amor ensandecida.
Ela aparece feito fada em meus sonhos...
E tudo se renova!
As lágrimas já não são gotejadas,
A lâmina da solidão já não me corta,
E já não se reprisam os desafetos e
rancores que me torturavam...!

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

(sem título)
de: José Ricardo de Matos Pereira

o sonho é o bálsamo que escorre dos lábios...
que verte da imaginação de nossos desejos...
almagrando a poesia rubricada pelo sentir que aflora e entorpece....que te simplifica

Kithaaran - 12.09.2006

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Incógnita
de: José Ricardo de Matos Pereira

Sempre quando o vulto do desejo paralisa alguns sentidos,
quando a seiva afoga na face a pretensão, e,
o, sentir escorrer pela pele saberás que ainda penso em ti,
que sua voz açoita, a solidão e
teu sorriso me faz abrir os olhos para um novo dia...
Te amo em devaneios...
Te amo acordado...
Te amo apenas por existir:
fagulhas de meu sentimento...
O verbo amar me consumir...!

Poemas e Poesias Catarinenses - Face