Velhas Amizades

Cerca de 159 frases e pensamentos: Velhas Amizades

Eles disseram que me chamariam. Eu ainda espero vocês aqui, meus velhos amigos...

Sabrina Niehues

Em tudo há um zero,
um sorriso a um desconhecido,
um abraço ao velho amigo,
um carinho aos pais,
uma palavra de ordem ao seus filhos,
então comecemos do zero a cada dia,
a cada instante.
Esqueças dos erros do passado e
viva seu presente pensando no subsequente segundo.

altairtico

Depois de errar tanto
de tantas retratações, tanto perigo
é assim que ressurge meu velho amigo
jamais perdido, e sempre reencontrado
È bom senti-lo novamente ao meu lado
com seu olhos verdes, da cor de esmeralda
sempre comigo e um pouco atrapalhado
e sempre me consolando
Um selvagem igual a mim, simples humano
sabendo se mover e conter suas emoções
e disfarçar seu próprio engano
Um amigo, que quero para toda vida
que só se vai para o outro nasce
e que o espelho de nossa alma se multiplica.

Raul G. Martinez

Queria escrever algo positivo, como um novo amor, um reencontro com um velho amigo, uma frase que me caísse como uma luva, um sorvete de pistache, um beijo quente, uma música que me fizesse embalar mais uma vez ou uma grande viagem dentro de mim mesmo, mas, nada disso foi real, tudo passa tão igual e repetitivo. Odeio minhas rotinas e as circunstâncias pelas quais recorro, porém, o que mais me deixa irritado é essa minha insistência em querer mudança sem nada fazer para atingí-la.

Pietro Kallef

Aos amigos velhos ou novos, agradeço a todos, por me apoiarem, mesmo quando eu estava certa ou muitas vezes errada. Que sobre minha certeza me fizeram prosseguir, e em meus muitos erros me fizeram enxergar onde eu errei e me ajudaram a corrigi-los. E quando eu cai, realmente descobrir quem são meus verdadeiros amigos, esses por sua vez em grade maioria graças ao meu bom Deus, me ajudaram e me reerguer, fazendo com que eu me sentisse confiante e capaz. Agradeço, cada palavra de carinho, de amor, de afeto, de compaixão, os concelhos, o companheirismo, a sinceridade, a serenidade, a humildade, o abrigo e em especial as orações desse verdeiro amigo.

Dayseana Queiroz

Tempo. Tempo velho amigo. Tempo menino, dê-nos a chave do teu segredo. Diga-nos por que você sempre é criança

Onaldo Queiroga

MANICÔMIO

Sentimentos, sensações, histórias
Podem ser velhos amigos
Fantasmas, pesadelos, maus
Um amontoado de vidas num corpo
Assim me movo lento, falo alto, sozinho
Não há quem volte a este lugar
Quando uma alma se torna obscura
A imagem nítida, uma desilusão perpétua
Alguém se atreveria a romper a escuridão?
Neste quarto todo branco, receio que não
Neste quarto sem janelas, não existiriam
Neste quarto vazio, não resistirão
E no fundo sei que há lucidez
Ainda posso empalavrar formas
Só que é esta condição à qual me rendi
Que sempre fez os outros temerem
No âmago existe algo que os atrai
Ainda posso empalavrar tudo o que o encantou
Que estranho é isso, não, doutor?
Ouvir que estaria aqui, mesmo ante a insanidade
Dizer juras tão familiares para quem as ouvira pela surdez
Para com o hálito tão quente, tão perto, render-se à covardia
Todos temos medo. Eu o tenho mais
Porque aqui faz frio
Não vejo o amarelado do sol por entre as folhas secas
Dizem que é outono, lá fora
Mas, agora abraço a loucura tentando entender
Doutor, como ele pode?
Nos desunira como se fôssemos apenas carnes
Desnudou a nós e abruptamente nos fez dois
Assim, sem mais nem menos
Ao nos fazer em mais, nos fez parecer menos
Como se tivéssemos apenas corpos a nos unir
Por isso que já não sou o que era
Sendo que aqui sou uma afirmação perpétua de uma incógnita
Parecendo que sempre fui isto
Tampouco sendo o que de fato sou
Agora, sou o que é
Se é que sou eu, agora

Gabriel Moreira de Santana

Não devemos fazer novos amigos, devemos reconhecê-los e adaptá-los, mas quanto aos velhos amigos, esses sim devem ser valorizados e jamais substituídos.

Amendon

AO SAUDOSO AMIGO RAIMUNDO DO GALETO:



O ano era 1964, na comunidade denominada Sitio Velho município de Esperança-PB, nascia Raimundo Fernandes dos Santos, sexto filho de uma família de dez, dos inesquecíveis, Paulo de Duda e sua esposa dona Luzia, aquele menino ainda franzino logo se destacara dos demais, como sendo um exímio comerciante, ao coordenar as vendas de leite da família, quase sempre entregues de bicicleta, incentivadas por seus pais, que percebendo o dom do garoto para lidar com aquela atividade, logo tratou de deixar a vida bucólica do campo, para fixar residência na sede do município, onde a principio, o inseriu na escola com o intuito de lhe oferecer uma melhor educação e, dotar- lhe de conhecimento que mais tarde viria lhe auxiliar na condução dos negócios da família.

Contudo, o menino já na pré- adolescência, não externava muita familiarização com as letras, seu forte, claro, rapidamente se evidenciou na habilidade patente com a manipulação comercial, ainda muito jovem, abortou as relações de negócios com seu genitor, pois almejava alçar voos com suas próprias asas, o qual havia lhe inserido na lida do mercado financeiro, pessoa agraciada com o carisma que tinha como peculiaridade, inicia uma saudável amizade com o senhor Romeu Eloy, gerente do banco do Brasil agencia local, responsável por sua ascensão comercial, com a cooperação oferecida pelo amigo mais recente à época, que na qualidade de gerente oferecera-lhe acesso a bons empréstimos, o que lhe proporcionou a criação do Aviário Bruna numa alusão a sua única filha à época, uma das maiores revendedoras de aves vivas da região, Raimundo, data vênia aos seus familiares, poderia eu chama-lo de um inveterado boêmio, porém, sempre externou ser um pai carinhoso e presente. Aviário Bruna crescia em escala estonteante era década de 1980, e o jovem empreendedor expandia seus negócios para outros estados como – Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Nesse mesmo ano, preconizava uma nova amizade com o ilustre Teixeirinha, que vinha de uma celebre campanha eleitoral, na qual foi o deputado estadual mais votado da historia do município em termos proporcionais, daquela amizade, iniciava-se seu interesse pela vida pública, em seguida, apresentou e financiou a campanha de seu irmão Ronaldo do Galeto ao cargo de vereador, infelizmente, sem lograr êxito, mesmo assim, o simpático comerciante, não perdia seu apreço pelos movimentos políticos partidários, herdada de seus pais as boas amizades com políticos de renome no estado e sua inserção na vida politica, tinha sua casa visitada por varias autoridades publicas tais como – Gilbran Asfora, Robson Dutra, Ronaldo Cunha Lima, e o próprio ex vice governador, o saudoso Raimunda Asfora, que alimentava grande simpatia por nosso protagonista.

Todavia, a vida nos reserva não só boas como ruins surpresas, e o nosso dileto amigo Raimundo, não fugiu à regra, depois da bonança, o grande guerreiro amargava momentos de aflição, não só de cunho financeiro, como no plano emocional ao perder seu pai acometido de um CA, ainda relativamente moço , diante de toda essa provação, decide migrar para o estado de Rondônia onde permaneceu por uma década e também construiu um grande patrimônio. Ora! Não sei se por ironia do destino, ou acometido de saudade do seu torrão, retorna ao nosso convívio e de maneira abrupta, deixa esse plano terreno, e muita, muita, saudade a seus familiares e amigos.

Porém, deixa também um legado de boas amizades, simplicidade e humanidade, quando da adoção de um de seus três filhos que ficaram para dar seguimento a sua trajetória prematuramente interrompida. Quiçá, lá onde esteja, tenha convicção de nossa admiração.

Carlos Egberto Vital Pereira

“Sei lá. Sinto falta dos velhos e bons amigos.”

Eminem

Velhas amizades sempre no coração

A emoção de deixar para trás
A pessoa que a gente sempre via na frete
Comigo nada muda
Mas você e sua vida continua

Tento te alcançar
Cada passo parece que faz distanciar
Você foi meu exemplo, meu ponto de partida
Eu queria mesmo que você estivesse aqui
Junto comigo fazendo parte da minha vida

Continuo aqui
Na esperança e na fé
Esperando você surgir

Gil Ferrara

Nós somos jovens loucos em busca do amor. Somos velhos amigos tentando espantar a dor.

Sabrina Niehues

Já dizia o velho sábio: amigo é igual a seios, uns tem grandes, outros tem projetos e alguns tem somente imitações.

Renan Peres Ferro

Eu disse adeus a muitas coisas: aos meus velhos amigos, à minha infância, ao meu dom de fazer piadas boas, ao meu ânimo (…). Agora eu quero dizer adeus ao agora. Aos novos tempos. Ao sofrimento. Ao passado. À uma brincadeira esquecida, a um sorriso mal feito. Ao que não teve graça e mesmo assim eu ri. Eu não preciso mais forçar meu interior a gostar dessas coisas. Eu cresci, e agora eu sei o que é verdadeiro pra mim. O que eu quero de verdade. E sei que não faz parte de nada do que passou. É o que estou construindo e a forma como ele está agora. A forma que ele vai ficar. Ou quando ele estiver pronto. Eu vou dizer adeus a muitas coisas, sim, e eu pretendo começar dizendo adeus a mania de achar que sonhar uma aventura é o mesmo que vive-la.

Carol Gray

Vou ver um velho companheiro
um amigo fiel de verdade sempre,
Cachorro não conhece dinheiro.

amauri valim

Velhos amigos são mensageiros do passado, que nos fazem ver quanta estrada já percorremos... Novos amigos são mensageiros do futuro que vêm para nos avisar o quanto ainda temos pela frente.

Hermes Fernandes

Às vezes te tenho como um velho amigo sabe? Daqueles de dar bons conselhos, e inspirar bons pensamentos e ações. Enchendo-me de vida, saúde e bem estar. Você que por vezes me ajudou nas mais importantes tomadas de decisão. Sábio, justo, humilde e solidário. Mas ultimamente não estou entendendo muito bem o que espera de mim. Parece que vive me deixando em cima do muro, dividida entre aquilo penso ser o certo, e o que de fato desejo pra mim. Escrevo lhe porque preciso te deter de alguma forma. Você se tornou influente demais na minha vida, numa proporção que já não tenho mais controle. Eu sei que sua intenção é a melhor. É ajudar a abrir meus olhos, para que eu possa seguir o melhor caminho. Aquele que me trará a tão almejada “paz interior”. Mas você acaba sendo inocente demais, ingênuo e até meio bobo. As coisas não são assim, como você pensa. Você precisa colocar os pés no chão e deixar de viver de fantasias. Eu também já acreditei em contos de fadas, mais vivi o bastante para ver, entender, e principalmente sentir que eles não existem. O fato é que preciso entender porque diabos você insiste em me trair quando eu mais preciso que você seja forte, que esteja ao meu lado. Você precisa entender que talvez eu já saiba qual é meu caminho, e o que é melhor pra mim. E não me venha dizer que quero apenas o caminho mais fácil e sem dor, porque não é isso. Não estou sendo covarde apenas realista. Não é fácil pra mim também essa decisão, mais do jeito que esta, não tem como continuar. Eu quero ser feliz, entende? Será que isso é pedir muito? Seguir em frente pode ser a melhor opção agora, só você não consegue enxergar isso. Fica ai, parado, com essa cara de quem comeu e não gostou. Gritando aos quatro cantos coisas do passado, e me fazendo lembrar momentos especiais em que fui muito feliz. Mostrando-me fotos, músicas, presentes. Fazendo com que eu alimente, mesmo sem querer esperanças que tenho lutado para dissipar. E você faz isso de propósito, porque sabe que enquanto houver 1% de chance, haverá também 99% de esperança. Você faz questão de deixar em mim esse sentimento de culpa, de saudade, esse apego que não consigo me livrar. Apego aos planos, aos sonhos, e principalmente a certeza de que daria certo. Como se eu estivesse fazendo a escolha errada. Mas porque parte de mim deseja tanto seguir? Deseja ardentemente, não a liberdade, mais algo ainda por ser descoberto, inventado. Mas por sua causa eu continuo aqui. Presa num tempo que não me pertence mais. Ouvindo músicas românticas e revendo, revivendo momentos. Sorriso bobo, amarelo, e lagrimas manchando meu rosto. Por favor, tenta se concentrar, procure o equilíbrio, eu não quero mais me zangar com você, CORAÇÃO!

Letícia Piva

Os amigos falsos são como roupas velhas. A princípio podem até enganar, mas depois de um tempo cedem, rasgam.

Humberto Queiroz

Ter amigos 'mais velhos' é uma alegria, pois, você sempre se sente o mais jovem!

Carolina Roma

Ler novamente um bom livro é como abraçar um velho amigo.
(Lorenzo Li)

Lorenzo Li