Uma carta de Esperança

Cerca de 2 carta Uma de Esperança

CARTA AO PRÍNCIPE

"Afasto as dores do corpo, na esperança de que as da alma sigam o mesmo destino
À minha volta, um palácio de pedras tenta me proteger dos maus cavaleiros
Em contrapartida, passam pela minha porta, sem chances de entrar, os nobres e honrosos senhores, possíveis candidatos a me proporcionar a tão desejada felicidade
Por entre as fortes e inquebráveis paredes, escorrem lágrimas de solidão e desamor, vencendo o chão frio e as escadas de incontáveis degraus
De tão protegida, acabei me tornando frágil e vulnerável
Sem defesas para as minhas próprias indagações, questiono a minha história, tão diferente dos contos protagonizados por belas e doces princesas
Onde estarão o príncipe e o seu cavalo nevado?
Quando, da janela, ouvirei as suas declarações de amor sem fim?
Enquanto a contemplação não vem, vou me conformando em sonhar, noites a fio, com os beijos e afagos daquele que, um dia, será o dono do meu reino".

Mais em lavinialins.blogspot.com

Lavínia Lins

Dia de faxina

Havia tempos eu precisava fazer uma faxina em mim.
Me desfazer daquelas coisas que vamos acumulando nas gavetas e prateleiras, tralhas socadas numa caixa jogada no chão.

Jogar na lata do lixo pensamentos, mágoas, tristezas e falsas esperanças. Tirar o pó do sorriso, a ferrugem de sonhos adormecidos e limpar as vidraças da alma, para ver o mundo com clareza.
No fundo de uma gaveta, achei a carta de amor que nunca enviei, aquele adeus que nunca esqueci e algumas lembranças que não quero lembrar.
Na prateleira superior no meio de um livro que nunca li, as pétalas da rosa murcha pelo rancor, lembretes de dividas de amor – e uma foto – que lembrou um tempo de sorrisos largos e tardes de sol.
Na fotografia encontrei o sorriso que virá, e numa caixinha no fundo do armário, meus sonhos esquecidos e alegrias pretendidas.
Fui tirando tudo que não prestava e colocando num saco de lixo, desejos contidos, palavras rudes, gestos fúteis, solidão, desamores, arrependimentos, ódio e um amontoado de mágoas. Um a um, prontos para partir rumo ao nada.

No meio de tantas coisas encontrei preciosidades, um por de sol a beira mar, aquela música que faz chorar, um afago do pai, um colo de mãe, o primeiro beijo. Olhando e lembrando de cada um daqueles momentos, fui selecionando e fazendo minhas escolhas. Abri a gaveta especial, aquela onde se guarda o que se tem de melhor.
Comecei a arrumar e limpar, com cuidado acomodei o amor, dei um brilho no olhar, e arejei a fé, os desejos foram passados a limpo e alojados junto com a pasta das metas. E antes de fechar apliquei algumas gotas de esperança.

Algumas lembranças, medos, ansiedades e sofrimentos, coloquei em uma caixa pra avaliar melhor, mas acho que amanhã o destino dela. Será o lixo também.

Aquelas preciosidades deixei bem a mostra, com as lembranças de infância, bem ao lado da minha capacidade de amar e recomeçar.

Oliver Crusinski