Trânsito

Cerca de 136 frases e pensamentos: Trânsito

Sempre almejamos a paz até que o trânsito nos atinge.

Borges C.

0635 | Aqueles apitos estridentes e contínuos, no trânsito, é para fazer os carros seguirem? Sem os apitos os carros não seguiriam? Quem apita está ali para agilizar o tráfego? E por que eles somem em dias de chuvas, por exemplo, ou em dias de grandes engarrafamentos, outro exemplo? Por quê? | horlandohalergia.net

Horlando Halergia

O trânsito urbano é formado por dois tipos de condutores: Os monstros adormecidos e aqueles que despertam os monstros adormecidos, uma hora estamos de um lado, outra hora estamos do outro.

Washington Pepe

A maior tragédia não é morrer no trânsito, mas a de viver sem Cristo.

Helgir Girodo

Em nosso semáforo interior quando acende a luz verde, indica que o trânsito da vida está fluindo e é o momento de aproveitar para ser feliz. No amarelo, o cuidado que devemos ter com a nossa vigilância e no vermelho, o sinal que perdemos completamente nosso próprio controle

Jader Amadi

“Tal qual você é no trânsito, esta é a sua religião, ainda que ela difira da que publicamente professe”. Resolvi grafar entre aspas essa minha nova máxima, para a maior solenidade do momento. Ela me veio enquanto dirigia pela cidade. Parece absurda, mas verás que não é.

Tudo começa pela própria origem e sentido de ser de cada um: o Trânsito e a Religião. Ambos são sistemas não naturais - criados pelo ser humano; o primeiro composto das pessoas, das vias, dos veículos, das regras e dos animais, visando permitir que nos transportemos de onde estamos para onde pretendemos chegar, juntamente com nossos bens ou na busca destes. A segunda, a religião, composta pelas mesmas pessoas do primeiro, de seus dogmas, das preces e dos seres d'além, já em sua etimológica nascença, a latina religare, destina-se a fazer ligar novamente o homem a Deus, apenas outra forma de dizer o termo inicialmente definido.

As semelhanças não param por ai: é comum notar-se a invocação divina quando um 'barbeiro' passa com seu frágil veículo à frente de um gigantesco ônibus, e assutado e impotente, esquece-se do volante; posta as mãos sobre a cabeça e clama “Ai meu Deus!!!”. Invocação contrária ainda se nota quando o 'todo poderoso bom motorista', irritado questiona a esfera inferior: “que diabos esse barbeiro está fazendo na minha frente?!”.

Há os tipos, que mesmo andando pelo trânsito, ignoram a existência de uma “mente organizadora” de tudo, entendendo-o como mero produto de uma evolução natural das coisas que se auto organizaram, embora não saibam explicar o caos quando da ausência da força nos semáforos. Há outros ainda, muito afeitos aos videogames, que entendem poder apenas pressionar o restart, e o 'joguinho' voltará ao início: carro novinho, pessoas ilesas..., mesmo após fatídico acidente, que nem se preocuparam em evitar, pela crença na inexistência do game over. Há outros tantos, que mesmo cometendo gravíssima infração, entendem que por pararem para as velhinhas passarem ou ceder a vez ao impaciente carro do socorro, poderão aplacar sua grave falta, sem se ater que o cumprimento das regras de trânsito é o mínimo a se fazer, e que em nada abona o condutor que as pratica, apenas o livra de novas multas. Há os super justos Fariseus, impecáveis em sua conduta (visível), exímios motoristas, e por isso mesmo impacientes, buzinadores – expressão máxima de sua autojustiça e isenção de falhas. Há tantos outros tipos: os que ignoram as potestades superiores do trânsito, e por isso se expõem a desobediência ao agente de trânsito, aos 'pardais', ignoram as lombadas..., ou pior, colocam-se sob o risco dos poderosos malignos malfeitores que espreitam desavisados condutores, pelas curvas das noites da vida; os super esotéricos, que esperam provisão sobrenatural de combustível e reparos, e por isso sequer se preocupam com o posto de combustíveis ou a assistência técnica. Como são infindáveis as crenças, assim são os tipos no trânsito; percebi.

Quanto a mim, sou um tipo motorista-crença, que a começar pela carteira de habilitação, não a considero tê-la recebido por mérito: quase bombei! Pela minha inabilidade com a localização, prefiro confiar em tudo o que me diz o GPS, pois ainda que sem estrada, ele me dá a linha reta, elemento de ótimo auxílio. Creio no amor e na cooperação para um trânsito melhor. Conheço e confio no Grande Advogado que me defenderá da assumida grande infração que cometi. Procuro dizer isso a todos os motoristas. Quem sabe um dia o trânsito mude..., faça mais sentido!

Você, o trânsito e a sua religião
Confira o que creio lendo: Romanos 3:23, I João 2:1, Hebreus 9:27, Salmos 19:7-14
Por Samuel Amorim Oliveira
Em 18/10/2013

Samuel Amorim Oliveira

Norma Internacional é o Trânsito, seja onde for qualquer cidadão de qual origem Pátria venha é preciso RESPEITAR Conhecendo as Normas que REGULAMENTA A VIDA EM SOCIEDADE-BRASIL.

Bindes Fá - Transeunte

A gente não se encontrou. A gente se colidiu. Somos um trágico e monumental acidente de trânsito onde tudo faz sentido. Cada barra de aço retorcido que me cutuca por dentro os pulmões quando estou apenas tentando respirar parece ter lá sido colocada por divina providência. O fogo, que encontra uma nova poça de combustível a todo momento, exibe aos transeuntes e curiosos fagulhas de todas as cores, em explosões na forma de cogumelos.
Somos o choque. Somos a tragédia, mas sabemos que sem o outro somos meras ruas vazias. Vazias e paralelas

Beeshop Johannes

A partir de hoje, se alguém quiser me ofender ou me irritar no trânsito, não mostre mais o dedo do meio. faça um coraçãozinho com as mãos

Fernanda Magalhães

À você que critíca o político do seu País, pondo a prova seu caratér e suborna o guarda de trânsito para não ganhar uma multa, a minhã indgnação. Se você se corrompe por pouco, quem dirá sobre o muito, antes de criticar ponha se no lugar e mude, falando assim por sua atitude, pois a mesma, conta mais do que mil palavras.

Vitor Hugo Lemes

Será muito bom o dia em que a gentileza no trânsito crescer na mesma proporção que o número de veículos. Motoristas as ruas, são de todos!

Cassal brum

Tu queres sono: despe-te dos ruídos, e
dos restos do dia, tira da tua boca
o punhal e o trânsito, sombras de
teus gritos, e roupas, choros, cordas e
também as faces que assomam sobre a
tua sonora forma de dar, e os outros corpos
que se deitam e se pisam, e as moscas
que sobrevoam o cadáver do teu pai, e a dor (não ouças)
que se prepara para carpir tua vigília, e os cantos que
esqueceram teus braços e tantos movimentos
que perdem teus silêncios, e os ventos altos
que não dormem, que te olham da janela
e em tua porta penetram como loucos
pois nada te abandona nem tu ao sono.

Ana Cristina Cesar

Visto a roupa de sempre. Não tenho problema de alguém ver meu figurino repetido pois transito como passageiro sem ticket de volta.

Diva 30 Anos

Diante da chuva que molha o quintal, suja a casa e piora trânsito, abençoa sempre: a água que cai, o calor amenizado, o abrigo que te espera.

Érica Marina

Velho Rancho

Transito por entre as estreitas ruas de Benturi. Longo trecho tenho que percorrer para alcançar o próximo trem. Sigo solitária com uma pequena mala na mão, pesa-me seu conteúdo. Apesar de levar o necessário para usar em um mês, ainda tenho a impressão de que falta algo, mas já a confisquei várias vezes. Meu relógio anuncia em um tic tac sorrateiro que está quase na hora da partida. O que me deixa angustiada é o barulho da estação, tantas bocas em movimentos rápidos, um abre e fecha descontrolado. São vozes de lamento, de pressentimento, de covardia. Ah, não vejo à hora de chegar naqueles verdes campos. Não vejo à hora de deitar na velha cama, que deve estar cheia de poeira, pois há muito tempo que não volto lá. Será que meus lírios sobreviveram depois de um abandono. Será que meu piso de madeira ainda está reluzente, ou será que o cupim já o devorou. Estive tão ocupada nesses últimos meses quem tive tempo para pensar no meu rancho. Avisto o trem. Pego minha mala e nem espero os passageiros desembarcarem e entro velozmente para me acomodar. Toda essa euforia é causada pela vontade imensa que estou de chegar a meu rancho, de ficar só em casa, de poder ler e escrever tranquilamente. Ah, esse trem que não anda! Perco-me no tilintar das rodas passando pelo trilho. Última parada, já me sinto mais confortável. Uma senhora entra meio desconfiada e se senta ao meu lado, cumprimento-a para não ser mal-educada e volto as minhas reminiscências. Porém, a senhora insiste em puxar assunto. Fala de assuntos pessoais nos quais não tenho a menor pretensão de escutar, apenas resmungo e respondo com um balançar de cabeça, gostaria apenas de viajar em silêncio. Pronto, fim da jornada. Entretanto, tenho que alugar uma charrete para chegar a minha casa. Agora, faltam apenas 46 quilômetros, percorridos por estrada de terra. Pelo menos, não tenho que aturar pessoa alguma ao meu lado resmungando da vida. Quanta saudade desse aroma de terra e folhas verdes, que entram pela narina. Ao entardecer, chego a meu velho rancho. Parece que fiquei anos sem vim aqui. Está com uma aparência de abandono total. Faço uma limpeza, tiro os lençóis, limpo a poeira. Meu velho piso ainda está intacto, só falta lhe dar um lustre. Sento-me na minha poltrona, espero a água ferver para passar o café. Ponho a escutar um velho vinil, que nem se usa mais, mesmo assim, adoro esse clima rústico e antiquado. Creio que nasci em época errada, meus gostos são totalmente provincianos. O café já está pronto! Ao lado de minha poltrona, encontro minha relíquia, uma maquina de escrever Corona de 1910. Bem, ela está meio capenga, mas consigo datilografar alguns caracteres que juntos formam os meus ousados e solitários versos. São esses versos que ainda me instigam a continuar. É minha voz, meu pulso, meu miocárdio. Sem meus versos, talvez eu não me fosse. Viveria com um vazio, apenas eles me preenchem. Em movimentos bruscos me ponho a compor mais um poema.

...

Por que me provoca tanto?

Para que tanto afago se depois me ofereces a dor?

Encanta-me com teu ritmo e com tuas poesias

Entretanto, deste-me lágrimas no lugar do amor.



Despertas olhares, estas a encantar com tua oratória e com tua sabedoria

Pobre ironia ...

Porque não sabes amar!!!



Não tens dona, nem amante,apenas belas moças a te admirar

Tua solidão é o encanto e o pranto de quem tanto te deseja.

Não demora para que perceba que sem alguém

O resto não convém.



Teus passos são incertos e tuas promessas são folhas secas

Pois basta uma brisa mais forte para despedaçá-las.

Depois de arriscar a escrever algum poema, já que a muito tempo não o faço. Levanto-me sorrateira e vou ao quarto para descansar. Escuto o silêncio da noite e logo adormeço.

Kassandra Costa

Aos apressados do trânsito digo: Não tenho pressa estou indo para casa de minha sogra.

Adailton Camara

Não faço mais planos,apenas transito entre os extremos do sonho e da realidade. E luto todos os dias para fazer com que ambos se tornem o mais próximo possível.

Luan Emilio Faustino

Uma mera discussão no trânsito, quando não importa quem estava errado, ocasiona uma série de atos concatenados que levam a uma tragédia.

Raphael Michael