Trabalhador Rural

Cerca de 132 frases e pensamentos: Trabalhador Rural

Para relembrar, uma das primeiras - certos amigos - expresso rural.
Para expressar meu sentimento - chega de saudade - Vinicius de moraes, musica de tom Jobim.

Contes

Poema Rural


Abro montanhas
e desço porteiras
por simples tradição
e pura fantasia

Jaak Bosmans

Jaak Bosmans

Para nossa alegria
geral
e felicidade
da comunidade
local,
chegou a energia
rural...

mel - ((*_*))

melanialudwig

.

Foi mesmo um risco n'água.
Apartei mais quatro para desmama.
E acertei a devolução do Pacato.
Foi a conta de voltar e refestelar-me na rede
que começou a cair uma garoa fininha.
Daquelas que molham nossa alma de felicidade,
daquelas que tingem a pastaria de verde.
Agora é esperar pelo cafezinho passado no coador
para acompanhar a broa de milho.
Amanhã ainda será assim.
Coisas rurais, recorrências.

.

Raniere Gonçalves

A melhor lembrança gastronômica que tenho vem da infância: Comer acaçá na cidade de São Félix (BA) no dia de Cosme e Damião. Acaçá é feito de milho e enrolado em folha de bananeira.
A rápida migração do rural para urbano apagou memórias e tradições. Hoje, poucos sabem o que é acaçá. Eu não sei onde tem. E quem sabe?

Adriano Moitinho

Dizem que o certo é: ter moral, bons costumes, ser honesto, trabalhador, ser fiel, sagaz, ser bom..., para muitos é principalmente para sociedade vc é um OTÁRIO.
Não vamos nós perder, vamos continuar digno dessa verdade que é natural do ser humano. Mais mantenha o escudo e a lança em suas mãos vc vai precisar!!!

Andre v silva

No tempo da minha avó, as mulheres procuravam um homem trabalhador, e inteligente, hoje as mulheres procuram uma BMW e varias notas de 100.

Cristian Vidal

O ocioso envelhece, o trabalhador rejuvenesce !

Izzo Rocha

O preguiçoso sempre reclama que o tempo não passa, e o trabalhador esquece até o tempo.

Erasmo Shallkytton

O Marxista é aquele intelectual oportunista que leva uma vida cómoda à custa do trabalhador conformista.

Vilmar Milagre

O que vale mais num trabalho é a dedicação do trabalhador.

zaratustra

No céu vi brilho uma estrela que brilha.
Sol do trabalhador.
Homem,

Sofredor que levanta antes do amanhecer.
Pois o machado é seu instrumento musical.
Enfada seu microfone.
Ela canta está canção todos os dias.
Quando chega o final da semana não tem o pão.
Nas mãos os calos dos seus instrumento musical.
Ainda vive alegre,
Nesse sertão.

Adriano Oliveira

Redação do Trabalhador no ENEM

“A educação é fundamental, é a chave para que o Brasil se torne de fato um país desenvolvido” (ROUSSEFF, Dilma. 2010). Ideia atraente em palavras e, disto, decorre a falsificação da realidade, bem como o seu mau-uso nesta mesma realidade.
Falando em realidade, nos atentemos a ela. Sábado e domingo, fiscalizando o Enem, deparei-me com o seguinte paradoxo: o trabalhador quer mudar de vida através da educação (nada mais bonito de se constatar). Entretanto, como mudará de vida através dela – da educação - se no dia anterior trabalhou o dia ou a noite inteira e, naqueles dois dias, estava diante de uma prova de 90 questões por dia (além da redação no domingo)?
Com a licença de uma amiga a qual comentei isto, reproduzirei parte de nossas trocas de ideias. Ao comentar o caso, ela me disse que “a pessoa tem que estar focada, mas não tem como desistir. A superação é maior do que a realidade permite, a pessoa tem que se superar pra depois não se arrepender”. Pois bem, “focada”, o “foco do indivíduo”, “a força de vontade”. Isto é o que o Capitalismo auxiliado pelo pensamento Liberal faz alguns pensarem, pensar que só depende da pessoa e, desta maneira, se consegue, heroísmo e dotado de grande força de vontade, se não consegue, preguiçoso e sem falta de vontade própria, não se superou, fracassado. A amiga também disse da negociação entre trabalhador e patrão. Como haver negociação favorável ao trabalhador se o mesmo se encontra em desigualdade. Como esperar conciliação se há interesses divergentes? O governo não deve esperar negociação, ou melhor, não deve esperar “a falsificação de uma falsa negociação”, uma falsa conciliação. Meu pai é empresário, e pelo que lhe conheço, sei que liberaria – até orgulhosamente – seu funcionário caso ele pedisse folga no dia anterior à prova para “preparar-se melhor”. Porém, e se um dia lhe ocorrer de não “conciliar” o seu interesse com o de seu trabalhador? E se o seu trabalhador não tiver audácia – sim, pois para alguns empresários, tal pedido seria encarado assim – de pedir-lhe a liberação? Não há conciliação de interesses entre patrões e empregados. Não há conciliação entre capital e trabalho. Não se deve esperar a boa vontade do empresário. Desta boa vontade, o “inferno” está cheio. O governo, que se propõe ao lado do trabalhador, deve, de fato, defender seus interesses.
Fracassados? Voltando a realidade daqueles dois dias, percebi que as duas senhoras que declararam ser trabalhadoras – uma, inclusive, trabalhando à noite inteira numa cozinha porque não atendida pelo patrão quando pediu uma “folga” – não estavam em mínimas condições físicas e psicológicas de fazer a prova. Sentadas na cadeira, lutavam pra manter os olhos abertos e fixos nas questões. No insucesso, uma delas entregou-se aos cochilos por várias vezes e a outra suspirava fundo, andava um pouco no corredor, ia ao banheiro, lavava o rosto – inclusive, me perguntando se, em algum lugar, conseguiria café, o que respondi em poucas (e dolorosas) palavras, como me foi incumbido, que não tinha conhecimento uma vez que era a primeira vez trabalhando ali.
O que constatei observando as duas senhoras é que não, estas duas senhoras e mais milhares de outros trabalhadores não são fracassados, já são vencedores somente ao se proporem mudar socialmente pela educação, não podendo ser culpabilizados pelas condições que não lhes eram favoráveis, como foram a mim quando fiz a prova, descansado, sem ter trabalhado no dia anterior ou em quaisquer outros dias, ou seja, minhas condições - e a de vários “concorrentes” das duas senhoras naquele dia - era de preparo físico e psicológico, além de, é claro, teórico. (Estou aqui falando somente da preparação física – e, até certo ponto, psicológica - do trabalhador que é o imediato do exame. A preparação em outro sentido, qual seja nos conteúdos, é algo mais complexo pra caber neste pequeno texto, mas igualmente importante.)
Além disso, constatei também que não se pode restringir algo que se propõe – e deve ser de fato – universal: o acesso à educação. Não falo da igualmente ridícula “concorrência em igualdade de condições”. No acesso à educação que se pretende universal, não há concorrência, caso contrário e obviamente, não é universal. Falo, pelo menos neste pequeno texto e mais imediatamente, de um caso dentre as diversas condições desfavoráveis ao trabalhador no acesso à educação, condições estas, falsificadas por frases de efeito, ideais e raras histórias de “superação pessoal”.
Mais uma vez, voltando à realidade, a trabalhadora que tentou ficar acordada o tempo todo, por fim e vencida pelo cansaço, desiste de terminar a prova, desiste no meio de sua redação. Frustrada e cabisbaixa, desenha, cochila, desenha, cochila, desenha, coch... E o governo, que se diz preocupado tanto com a educação - encarando-a como indispensável pr’uma mudança social - quanto com os trabalhadores – haja vista que o Partido dos TRABALHADORES está à sua frente – nada faz nesta lamentável situação. Contraditório, não?

Lucian Rodrigues Cardoso

Ser Honesto e Trabalhador ... não é uma qualidade, é uma obrigação.

Alvaro Granha Loregian

Recebo as pedradas, enxugo meu sangue e deixo secar meu suor, como trabalhador e representante do bem na Terra. Entre cães e gatos. Com amor...



21/06/2010

Eduardo Succini

Pode um preguiçoso trabalhar, assim como pode um trabalhador descansar. Afinal as aparências das coisas não expressam a realidade.

Francis Cirino

Algumas coisas nesta vida que eu não entendo como: no dia do Trabalhador ninguem trabalha, Agente trabalha tanto para pouco lucro...

Entre outras duvidas

Raul Lafayett

Devaneios do trabalhador dedicado

Dou um tapa em quem denegrir a imagem do senhor
Sem o senhor não teria emprego, minha família estaria na miséria
Não sei o que seria!
Eu agradeço a compaixão do senhor
O meu deus, não me imagino sem a ajuda do Sr patrão de cada dia
Sem ele, para ajudar não comeria
Sem ele para me proteger não teria teto nem telhado
Não teria restos para engrossar o caldo
Sou grato eternamente pelo suor de cada dia
O senhor me proporcionou a leitura, a luxúria do copo de vinho
Deu- me anos a mais de vida... Tenho 25
Em tempos de escravidão, seria avô de senzala
Uma vida farta dessa e alguns jogam fora, que pena
Prefiro trabalhar de sol a sol a me aventurar pela vida
Fartura pra que? Pra mim está muito bom!
Faço até bico nos dias de folga, uma horinha extra
Lá... Na vila dos pássaros escuros
Eu chamo assim, outros chamam de lixão
Vê se pode? Povo grosseiro é assim mesmo!
Bem, aqui na vila tem de tudo, até lanche de rico. Reclamar de que?
Comemos vegetais, cereais, até iogurte eu já comi por aqui.
Bom demais da conta, sô!

João Vitor Rocha

Trabalhador justifica patrão
Não acredita com pensamento
No bom trabalhador pra ele

Ele ser 10 vezes melhor
do que ontem porque
O que os olhos não veem
O coração Não sente

Me justifico no presente
me trate sem acusação
mesmo que seja por forma
De ilusão quanto tempo

mas eu penso positivo
mas tempo dura minha
certeza e ilusão

Se transformara em
Realidade positiva porque
Agora eu vou na viagem

Soada que o patrão
descontou Porque a
passagem é curta

E não acabou passagem
Vigiada porque os sonhos
Não acabam sonhos

Aparte de uma viagem
Que se transforma em

Jornada gente alheia
Que se torna em Paisagem
Trabalhador gente fina .

Anderson Santos

"Era uma manhã de um dia de semana, desses de céu aberto e muito sol.

Um trabalhador dirigiu-se para seu local de trabalho.

Passando em frente a um templo religioso, decidiu entrar.

Era uma sala muito ampla e ele sentou num dos últimos lugares, bem ao fundo.

Ali se pôs a fazer a sua oração cheia de vida, dialogando com Jesus.

Ouviu, então, em meio ao silêncio, a voz de alguém, cuja
presença não tinha percebido: Venha aqui. Venha ver a rosa.

Ele olhou para os lados, para frente, e viu uma pessoa sentada num dos primeiros lugares.

Levantou-se e a voz falou outra vez: Venha ver a rosa.

Embora sem entender, ele se dirigiu até a frente e
percebeu que sobre a mesa havia realmente um vaso, no qual
estava uma linda rosa.

Parou e começou a observar o homem maltrapilho que, vendo-o hesitante, insistiu: Venha ver a rosa.

Sim, estou vendo a rosa, respondeu. Por sinal, muito bonita.

Mas o homem não se conformou e tornou a dizer:

Não, sente-se aqui ao meu lado e veja a rosa.

Diante da insistência, o trabalhador ficou um tanto perturbado.

Quem seria aquele homem maltrapilho?

O que desejaria com ele com aquele convite?

Seria sensato sentar-se ali, ao lado dele?

Finalmente, venceu as próprias resistências, e se sentou
ao lado do homem.

Veja agora a rosa, falou feliz o maltrapilho.

De fato, era um espetáculo todo diferente.

Exatamente daquele lugar onde se sentara, daquele ângulo,
podia ver a rosa colocada sobre um vaso de cristal, num colorido de arco-íris.

Dali podia-se perceber um raio de luz do sol que vinha de uma das janela e se refletia naquele vaso de cristal, decompondo a luz e projetando um colorido especial sobre a
rosa, dando-lhe efeitos visuais de um arco-íris.

E o trabalhador, extasiado, exclamou:
é a primeira vez que vejo uma rosa em cores de arco-íris.

Mas, se eu não tivesse me sentado onde estou, se não
tivesse tido a coragem de me deslocar de onde estava, de
romper preconceitos, jamais teria conseguido ver a rosa,
num espetáculo tão maravilhoso.

É preciso saber olhar o outro de um prisma diferente do nosso.

O amor assume coloridos diversos, se tivermos a coragem de
de nos deslocar de nosso comodismo, de romper com
para ver a pessoa do outro de modo diferente e novo.

Há uma rosa escondida em toda pessoa que não estamos sendo
capazes de enxergar.

Há necessidade de sairmos de nós mesmos, de nos dispormos
a sentar em um lugar incômodo, de deixar de lado as
prevenções, para poder ver as rosas do outro, de um ângulo
diferente.

Realizemos esta experiência, hoje, em nossas vidas.

Procuremos aceitar que podemos ver um colorido diferente onde, para nós, nada havia antes, ou talvez, de acordo com
nosso modo de pensar, jamais poderiam ser vistas outras cores."

autoria desconhecida