Textos Tristes para Pessoas Iludidas

Cerca de 8066 textos Tristes para Pessoas Iludidas

O mundo é habitado por pessoas frustradas com o próprio trabalho, pessoas que não estão satisfeitas com o relacionamento que construíram, pessoas saudosas de velhos amores, pessoas que gostariam de estar morando em outro lugar, pessoas que se julgam injustiçadas pelo destino, pessoas que não aguentam mais viver com o dinheiro contado, pessoas que gostariam de ter uma vida social mais agitada, pessoas que prefeririam ter um corpo mais em forma, enfim, os exemplos se amontoam. Se formos espirar pelo buraco da fechadura de cada um, descobriremos que estão todos relativamente bem, mas poderiam estar melhor.
(...)É lá no fundo que estão as razões verdadeiras que levam as pessoas a mudar ou a manter as coisas como estão. É lá no fundo que os desejos e as necessidades se confrontam. Em vez de se queixar, ganharíamos mais se nadássemos até lá embaixo para trazer a verdade à tona. E, então, deixar de sofrer.

Coisas da Vida - A vida que pediu a Deus

Martha Medeiros

É difícil conviver com esta elasticidade:
as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos.
Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações. Uma pessoa é única ao estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma.
O egoísmo unifica os insignificantes.
Não é a altura, nem o peso, nem os músculos.
que tornam uma pessoa grande.
É a sua sensibilidade sem tamanho.

Martha Medeiros

As pessoas seguram uma risada quase de pena. Mas se ele nem morava aqui, mas se ele não ficou mais do que uma semana com você, mas se já faz tempo que ele se foi, sem nunca ter sido.
Então o quê? Nem eu sei. Mas sei da minha enxaqueca que já dura uma semana. Latejando sem parar. O coração que subiu nos meus ouvidos.Gritando que sente falta e pronto.
Eu sinto falta de ligar o celular, depois do avião aterrisar, e ter um a mensagem sua dizendo que vai dar tudo certo. E sorrir mesmo estando numa fila gigantesca para o táxi, embaixo daqueles 78 graus do Rio de Janeiro. Não tem poesia nem palavra dificil e nem construção sofisticada. O amor é simples como o sorrir de uma droga de fila. E não se sentir mais sozinho e nem esperando e nem desesperado e nem morrendo e nem com tanto medo. Eu sinto falta de querer fazer amigos em qualquer festa, só pra conhecer gente estranha e te contar depois. Agora, eu fico pelos cantos das festas.Voltei a achar todo mundo feio e bobo e sem nada a dizer. Porque eu acho que estava gostando mais das pessoas só porque te via em tudo. Agoras as pessoas voltaram a me irritar. E eu voltei a ter que fazer muita força pra sair de casa.
Quando alguém não entede o meu amor, eu lembro daquele dia que você queria tocar violão pra mim. Até que dedilhou reclamando que não era o seu violão. Daí tentou uma música conhecida. Tentou uma menos conhecida. Daí tocou uma sua, com a voz baixinha e olhando pro nada. E então me encarou e cantou com a voz alta. E então largou o violão, me encarou e cantou bem alto a sua dor, de pé, na minha frente, e eu achei que meu peito ia explodir. E ri achando que você ia sair correndo e dar um show na padoca da frente. E naquele momento eu pensei que poderíamos ser infinitos se fossemos música. E isso explico tudo, mas ninguem entendeu. Você entende. Mas cadê você?
Quando vai dando assim, tipo umas onze da noite, o horario que a gente se procurava só pra saber que dá pra termimar o dia sentindo algum conforto, quando vai chegando esse horario, eu nem sei. E tão estranho ter algo pra fugir de tudo e, de repende, precisar principalmente fugir desse algo, E daí se vai pra onde?

Tati Bernardi

Grande parte (talvez a maioria) das pessoas procuram-se por
causa de diferenças complementares (que existem, e como!) que depois crescerão até distanciá-las. Há uma percepção antecipada
do que é falta, carência e insegurança nos nossos núcleos
internos. Procura-se, então, quem tem ou parece ter o que nos falta. No começo é ótimo. Depois... babau, embora haja relações
que se baseiam a vida inteira nessas diferenças que se
complementam.

A união entre duas pessoas - quando não é amor, mas nele se camufla -
é a complementação de necessidades que, num dado momento da vida de
cada um, parecem essenciais para a solução de suas dores, mágoas ou
carências. Amor é deveras confundido com "necessidades
complementares".

O progresso interior ou amadurecimento de apenas um dos membros do par
amoroso, torna ainda mais instável a relação porque dela retira o caráter complementar que a mantinha. Dois espelhos, um defronte do outro, geram imagem infinita. Um só espelho reflete apenas a
imagem de quem se olha. Olhar e ver o outro aplaca. Olhar e
apenas ver-se é, para muitos, insuportável.

Quando a evolução de uma das pontas do par amoroso dá-se de maneira
mais rápida que a da outra, esta não tem mais em quem projetar as suas
ansiedades. Uma parte já não aceita as cargas da outra, antes
assimiladas por imaturidade, medo ou dependência econômica. Aí o
equilíbrio do par se abala. Ou rompe.

Por evolução não se entenda apenas a intelectual. Esta é importante,
porém não decisiva. Numa pessoa, há vários núcleos internos que
podem ganhar graus ou ritmos evolutivos diversos: emocional, sexual,
profissional, espiritual, físico, econômico, político.

Somos seres variados, plurais. Nossa arquitetura interior possui
elementos de vários estilos e escolas. Englobamos e amealhamos,
tendências díspares, propostas diferentes em nossos vários núcleos interiores. Assim, em nossa relação mais profunda, que é
a íntima, cada núcleo interior seja, intelectual, emocional, sexual, profissional, espiritual, econômico e político pode vir
a ter ritmos diversos de evolução.

Somos seres tão estranhos, que podemos passar por evoluções
intelectuais formidáveis e permanecer anos a fio estacionados ou
cristalizados em outro núcleo emocional. Podemos evoluir emocional,
profissional e politicamente e permanecer estacionados sexualmente, e
repetir antigas, estacionárias ou primárias formas de exercício do
instinto sexual. E assim por diante. É muito difícil evoluir por igual
em todos os nossos núcleos interiores. Por isso desandam tantos casos
de amor depois que se resolvem com a união das pessoas.

Artur da Távola

Tenho contra mim as pessoas dotadas de opiniões – quer dizer, as pessoas que se confundem com as opiniões que lhes ocorrem; as pessoas dotadas de convicções e fés.

Mas eu me distingo das minhas, e isso é quase o que me define. Sou aquele que não é / não sou / o que lhe ocorre.



EGO

Paul Valéry

No Brasil, há pessoas que acreditam que negociar a paz no Oriente Médio é obedecer cegamente aos ditames das grandes potências.

É fácil dizer “sim, senhor” para um grupo de países ultra-armados que impõe que você deve ser um cãozinho covarde, incapaz de manifestar senso crítico ou opinião própria.

E para aqueles que vierem dizer que o Irã é um perigo por que seu presidente disparou bravatas contra Israel, peço que me respondam quem realmente possui armas nucleares, e quem já se mostrou capaz de usá-las por duas vezes.

Digam-me quem é que está promovendo guerras atrás de guerras neste mundo: Irã ou Estados Unidos?

E digam-me quem é que está subjugando pessoas inocentes, ferindo os direitos humanos e mantendo um clima constante de tensão e terror na Faixa de Gaza: será o Irã ou Israel?

Os analistas que afirmam que o Irã é mesmo um perigo só podem estar brincando, ou não entendem mesmo nada do que dizem.

Augusto Branco

" Sou feita de choros sem ter razão, pessoas no coração, atos por impulsão. Eu sou amor e carinho constante distraída até o bastante, não paro por instante. Já tive noites mal dormidas perdi pessoas muito queridas cumpri coisas não-prometidas. Muitas vezes eu desisti sem mesmo tentar
pensei em fugir,para não enfrentar sorri para não chorar. Tenho saudades de pessoas que fui conhecendo, lembranças que fui esquecendo
amigos que acabei perdendo. Mas continuo vivendo e aprendendo..."

Martha Medeiros

O mundo acontece. O mundo gira. As pessoas importantes assinam
contratos, ganham dinheiro. As pessoas simples lutam por um lugar
na condução, um lugar no mundo. Estão todos lutando. Estão todos
ganhando dinheiro. Estão todos fazendo algo mais importante e
mais maduro do que suspirar como uma idiota e só pensar em você.

Tati Bernardi

LAÇOS
Se o filme é daqueles que as pessoas acampam na frente do cinema um
dia antes da estréia, de cara já risco da minha lista. Não vou. Mas se é
daqueles que as salas ficam vazias, só uns abnegados enfrentam, tá pra
mim. Se você fizer parte desse seletíssimo grupo “do contra”, então
reserve um tempo para assistir Estrela solitária, que não é nem nunca
será um blockbuster (orçamento de mirrados onze milhões de dólares)
mas compensa o preço do ingresso.
Mais uma vez Wim Wenders nos coloca na estrada com
personagens outsiders em busca de alguma coisa que está faltando. No
caso de Estrela solitária, o que falta é, adivinhe, sentido pra vida. A
história: depois de muito sexo, drogas e fama, um ator agora decadente
abandona um set de filmagens para buscar sabe-se lá o que no meio da
aridez norte-americana. Encontra a mãe, primeiro, que não via há trinta
anos. Depois encontra um ex-amor e um filho que não sabia que existia.
Encontra-se a si mesmo? Tenta, ao menos.
O filme é um on the road de trás pra frente: em vez de ter buscado a
liberdade e um futuro mais aventureiro, o personagem gostaria mesmo
era de ter tido laços mais permanentes, ter tido bem menos liberdade e
mais comprometimento. Cá entre nós, numa época em que ninguém
quer ser de ninguém, um homem que quer ser de alguém é um tema
revolucionário.
Não que o filme tenha essa pretensão. O diretor Wim Wenders –
aliado ao roteirista e ator Sam Shepard, sempre cool – é econômico e
não pretende fazer carnaval nenhum das emoções. Simplesmente
mostra poesia onde há poesia, e um pouco de música boa. Em termos
de fotografia, o filme é uma pintura. O homenageado é Edward Hopper,
o artista que melhor retratou a solidão e o isolamento do ser humano.
Não fosse por nada mais, só por certos enquadramentos valeria o filme.
Mas vale por mais. Vale pela cena em que Sam Shepard passa 24
horas sentado num sofá abandonado no meio da rua, sem ter para onde
ir. Vale pelo jogo de luz e sombras. Vale pela economia de diálogos,
pela total falta de frases feitas. Vale para mostrar que personagens
fictícios jamais compensarão uma boa vida real.
E vale porque durante duas horas você está dentro de um cinema
protegido dessa bandidagem que se tornou nossas vidas, em que roubo
de carro é notícia, celular em presídio é notícia, em que só é notícia o
macabro. Cinema te recupera um pouco dessa esquizofrenia.
Pode ser que você cochile em alguns momentos, se for muito
ligado em filme de ação. Mas vá. Nem que seja pra resgatar o belo e
descansar de tanto barulho.
28 de maio de 2006

Martha Medeiros

ESPÍRITO ABERTO
Sabemos da quantidade de pessoas que passam necessidades reais,
que estão desempregadas, que não têm como alimentar os filhos, que
têm uma doença séria, enfim, ninguém ignora as mazelas do mundo. No
entanto, muitas dessas pessoas que habitam as estatísticas não fazem
parte do nosso círculo íntimo. Na maioria das vezes, nossos amigos e
familiares estão bem, trabalham, possuem uma vida afetiva. Ok, eles têm
lá seus problemas, mas não são exatamente o retrato da desgraça.
Ainda assim, me espanta que muitos deles, mesmo sem motivo para
cortar os pulsos, vivam como se fossem uns infelizes, lidando com o diaa-
dia de uma forma pesada, obstruindo o próprio caminho em vez de
viver com mais leveza. São o que eu chamo de pessoas com o espírito
fechado.
Eu respeito quem traz uma grande dor e não sai espalhando
sorrisos à-toa, mas me enervo com quem fecha a cara por simples falta
de humor. Palavrinha mágica, esta: humor. Não me refiro a quem faz
piadinhas a todo instante, e sim a quem possui inteligência suficiente
para saber que é preciso relevar as incomodações, curtir as diferenças e
ser generoso com o que acontece à nossa volta. Humor significa ter um
espírito aberto.
Esta é a resposta para quem pergunta qual é a “fórmula da
felicidade” – alguém ainda pergunta isso? Eu responderia: ter o espírito
aberto, só. O resto vem. Amigos, amores, oportunidades, até saúde: a
fartura disso tudo depende muito da sua postura de vida. Não é
evidente?
Eu já fui um caramujo ambulante, daquelas criaturinhas
desconfiadas, que torcia o nariz para tudo o que não fosse xerox do meu
pensamento. Desprezava os diferentes de mim e com isso, claro,
custava para encontrar meu lugar no mundo. Era praticamente um
autoboicote. Me trancava no quarto e achava que ninguém me
compreendia. Ora, nem podiam mesmo. Aliás, nem queriam.
Um dia – e ainda bem que esse dia chegou cedo, no final da
adolescência – eu pensei: calma aí, quem vai me salvar? Jesus? John
Lennon? Percebi que o mundo era maior do que o meu quarto e que eu
tinha apenas duas escolhas: absorvê-lo ou brigar contra ele.
Contrariando minha natureza rebelde, optei por absorvê-lo. Abracei tudo
o que me foi oferecido, deixei de me considerar importante, comecei a
achar graça da vida e, com a passagem dos anos, só melhorei, não
parei mais de me desobstruir, de lipoaspirar mágoas e ranzinzices – a
não ser que desejasse posar de poeta maldita, o que não era o caso. Me
salvei eu mesma e fui tratar de aproveitar cada minuto, que é o que
venho fazendo até hoje.
Quando alguém me diz “como você tem sorte”, penso que tenho
mesmo. Mas não a sorte de receber tudo caído no colo, e sim a sorte de
ter percebido a tempo que nosso maior inimigo é a falta de humor.Sem
humor, brota preconceito para tudo que é lado. A gente começa a ter
mania de perseguição, qualquer coisa parece difícil e uma
discussãozinha à-toa vira um dramalhão. Prefiro escalar uma montanha
a viver dessa forma cansativa.
Espírito aberto. Caso você não tenha recebido gratuitamente na
sua herança genética, dá pra desenvolver por si próprio.
7 de janeiro de 2007

Martha Medeiros

"(...) Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar(...)"

Clarice Lispector

Acredito na paixão, dou valor imensurável aos pequenos gestos de carinho, quando escrevo, falo de amor, adoro aquele abraço apertado, um sorisso e olhar sinceros me conquistam, ainda acredito nas pessoas, sou romântico, acredito no amor simples, puro e sincero entre as pessoas, será que sou apenas um sonhador?

Roger Stankewski

"Assim como as estações, as pessoas têm a habilidade de mudar. Não acontece com freqüência, mas quando acontece, é sempre para o bem. Algumas vezes leva o quebrado a se tornar inteiro de novo. Às vezes é preciso abrir as portas para novas pessoas e deixá-las entrar. Na maioria das vezes, é preciso apenas uma pessoa que tenha pavor de demonstrar o que sente para conseguir o que jamais achou possível. E algumas coisas nunca mudam. E que comece o novo jogo."

Gossip Girl

Dizem que, não importa qual seja a verdade, as pessoas vêem o que querem ver. Algumas pessoas podem dar um passo para trás e descobrirem que estavam olhando a mesma cena por todo o tempo. Algumas pessoas podem ver que suas mentiras quase acabaram com elas. Algumas pessoas podem ver o que estava na sua frente o tempo todo. E ainda há aquelas pessoas que correm o máximo que podem para não terem que olhar para si mesmas.

Gossip Girl

Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas. Perdoe-as assim mesmo! Se você é gentil, podem acusá-lo de egoísta, interesseiro. Seja gentil assim mesmo! Se você é um vencedor terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros. Vença assim mesmo! Se você é bondoso e franco poderão enganá-lo. Seja bondoso e franco assim mesmo! O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para a outra. Construa assim mesmo! Se você tem paz e é feliz, poderão sentir inveja. Seja feliz assim mesmo! O bem que você faz hoje, poderão esquecê-lo amanhã. Faça o bem assim mesmo! Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante. Dê o melhor de você assim mesmo! Veja você que, no final das contas é entre você e Deus. Nunca foi entre você e os outros!

Madre Teresa de Calcuta

As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam d pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém... Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!

Antoine de Saint-Exupéry

"Eu sou uma eterna apaixonada por palavras. Música. E pessoas inteiras. Não me importa seu sobrenome, onde você nasceu, quanto carrega no bolso. Pessoas vazias são chatas e me dão sono. Gosto de quem mete a cara, arrisca o verso, desafia a vida. Eu sou criança. E vou crescer assim. Gosto de abraçar apertado, sentir alegria inteira, inventar mundos, inventar amores. O simples me faz rir, o complicado me aborrece".

Caio Fernando Abreu

Tenho uma particularidade instigante: preciso da solidão. Gosto de pessoas, preciso delas, não sei viver sozinha. Mas sou mimada, preciso quando eu quero. Sou egoísta, gosto de ver televisão sozinha, sem ninguém falando junto. Sou chata, não gosto de dividir banheiro com ninguém. Sou espaçosa, bagunço as minhas coisas. Preciso da solidão pra ler, pra olhar para o teto, pra tirar ponta dupla do cabelo, pra fazer as unhas, pra pensar em tudo, pra fazer nada. Preciso da solidão pra ser eu mesma. Pra fazer alongamento, rir de mim, chorar comigo. Não entendo como tem gente que não abre a janela em dias nublados. Eu adoro janelas abertas, esteja um dia lindo de sol ou um carregamento de nuvens cinzas. Tenho que sentir o ar que vem lá de fora, seja ele qual for. Com seu gosto, cheiro, textura. Falo algumas coisas esquisitas como essa, por exemplo, ar com textura. Conheço cores que ninguém conhece, vejo alguns filmes que grande parte da população acha tosco. Não gosto de deixar as coisas pela metade, mas já deixei...

Clarissa Corrêa

Ao nascer você dividirá seu aniversário com mais de 17 milhões de pessoas. Durante seus 10 anos na escola você terá uma média de 17 amigos, quando chegar aos 40 anos esse número terá diminuido para 2. Em seu corpo crescerão 950 km de pêlo. Você rirá uma média de 18 vezes por dia, e andará o equivalente a 3 voltas ao mundo, comerá 30 toneladas de comida. Beberá mais de 9 mil xícaras de café, e terá uma oportunidade em dez de ser eletrocutado. Em média você passará 10 anos de sua vida no trabalho, 20 anos dormindo, 3 anos sentado no vaso sanitário, 7 meses esperando no trânsito e 2 meses e meio esperando no telefone. Passará 12 anos assistindo televisão e 19 dias procurando o controle remoto, após oque só lhe resta um quinto de sua vida pra ser vivida, portanto é melhor começar logo!

Nat Geo

"Dizem que, não importa qual seja a verdade, as pessoas vêem o que querem ver. Algumas pessoas podem dar um passo para trás e descobrirem que estavam olhando a mesma cena por todo o tempo. Algumas pessoas podem ver que suas mentiras quase acabaram com elas. Algumas pessoas podem ver o que estava na sua frente o tempo todo. E ainda há aquelas pessoas que correm o máximo que podem para não terem que olhar para si mesmas."

Gossip Girl