Textos sobre Infância

Cerca de 449 textos sobre Infância

Na infãncia, a criança sonhadora e inocente ama sem en-
tender, porque só sabe sentir.
Na adolescência, a paixão explode como fogo, a tudo con
sumindo.
Na maturidade, estes sentimentos até então desordenados
impulsivos, se fundem, e cedem lugar a um amor consciente e
pleno, forte.
O verdeiro amor que será o companheiro de jornada."

Nilma Marques Coelho

A ALEGRIA

É esperança de fartança, é infância de criança, é
Fechadura de amargura, é espevitada energia, é
Facilidade pra felicidade, é liberdade de euforia, é
Folia de cosquinha, é guerra de travesseiro, é bola
De sorvete em casquinha, é beleza por natureza, é
Mesa cheinha de sobremesas, é tristeza bem presa,
É certeza de festa-surpresa, é luz de Jesus, é amor,
É ausência de dor, melancolia e apatia, é sintonia, é
Empatia, é astral de boa energia, é ter o que fazer, é
Aprender a se desculpar e perdoar, é sentir prazer, é
Achar um amor e merecer literalmente nele se perder!
Guria da Poesia Gaúcha

GuriaPoesia

Saudade

Saudade da minha infância
Quando aniversário era bolo, brigadeiro, todos os avós e os dois bisos.
Daquele tempo que eram as fadas e eu brincando na inocência
E de lembrança tinha muitos risos.

Mas tudo o que é bom dura pouco...
E quando se cresce até as coisas boas passam muito rápido.
Aí comento, trabalho, viajo na minha mente como um louco
Muitas vezes deixando sem querer alguém ferido.

E se saudade é a dor da ausência de algo bom,
quero deixá-lá no ambom,
Atear fogo para consumi-la e livrar-me de uma vez
Das coisas que me fazem remoer o bom que deixei por estupidez.

Bruna Romero

RECORDAÇÕES




Pela janela do ônibus vislumbro a velha rua da minha infância,

As casa, as calçadas de cimento partido, tudo como antes.........

Sem grnades mudanças, a não ser as pequenas árvores, que cresceram

Os antigos amigos e as brincadeiras que também se foram,

Mas há outras crianças brincando , nas mesmas ruas que brinquei.

A velha casa lá.... batida pelo tempo mas em pé, assim, como eu, marcada

Pela vida , mas vivendo cheia de lembranças.....

O ônibus vai passando e eu recordando.

O tempo bom, a vida sem problemas, a felicidade inocente do primeiro amor,

Passo no ônibus pela minha antiga rua .

E vou passando pela minha vida, levando lições amargas, mas também muitas lembranças boas das coisas e pessoas que vieram e passaram....

E levo comigo a esperança de coisas novas e boas que ainda virão....

Barbelavania

Na infância estamos submetidos a valores e crenças que não são necessariamente nossos. E, consequentemente tendemos levá-los com nossa formação de caráter.
Sua identidade...Você quem realmente a criou? Ou criaram-a para você?
Quantas coisas faziam sentido? Quantas hoje não fazem mais?
Quantos sonhos você alimentava? Quantos hoje alimentam você?
Será que não é hora de jogar fora o que não serve e resgatar o que é útil?
Ou você prefere continuar com uma ideia fútil?
Se você quer mudar, a hora é agora! Não deixe para depois!
E lembre-se: a sua história é você quem cria! Assim como os seus próprios limites.
Aonde você quer chegar?
QUESTIONE-SE!

30/10/2013

Sâmara Santana Câmara

Eu tenho as melhores e mais engraçadas das companhias. Tenho amigas de infância, cresceram ao meu lado e mesmo que estão brigando comigo por mais uma vez eu chegar alegremente alcoolizada da balada ou por qualquer idiotice que eu tenha feito, elas permanecem aqui, ao meu lado. Somos tão diferentes, mas tão unidas. Somos irmãs.

- Ana Santos

Umavidaentreparenteses.blogspot.com.br

Minha infância tem gosto de pirulito de 5 cores Bolo de fubá da minha vó pique esconde na escola cata vento no jardim gostinho gostoso da terra molhada da chuva pegando a gente no final da tarde eu e meus amigos dividindo um tabletinho de chocolate pés descalços embaixo da arvore da minha casa historias de fantasmas na casa dos primos.
Minha infância teve gostos de jujubas de balas 7 belo de pirulitos com chiclete dentro teve gostos de sonhos perfeitos que ainda me deixam com cheiro de saudade

Júh Britto

Crônica de Minha Infância



Já fui casinha, fantasias e bonecas.

Mãe, jornalista, advogada e atriz.

Chocolates, biscoitos, chicletes...também patins, bicicleta e cicatriz.



Amiga, irmã, namoradinha e vilã.

Danada, sapeca, serelepe, também dissimulada e esperta.

Morria de medo de ser analfabeta.



Também já fui medo, choro e receio,

porém tudo superado com aulas, professoras, sobretudo amigos amáveis e recreios.



Desenhos, chaves, histórias?

branca de neve a bruxa e toda aquela armação...

ursinhos carinhosos, power rangers sempre atenta à programação.



Viagens, família e aventuras.

as férias de dezembro, nas casas das avós...

nada de ditadura.



Mas nem tudo eh perfeito,

já fui hospital, asma e internação,

médico, jaleco branco, total aversão.



As três da tarde como posso esquecer,

eu, papai, meu irmão e a TV...

de todos os compromissos esse era o mais gostoso

histórinhas, perguntas sem fim... e sempre um lanchinho delicioso.



As quatro da tarde um momento chatão.

mamãe, livros e cardenos.

meninos??? hora da lição,

enquanto isso nosso super- herói voltava pra mais um plantão.



Dos momentos mais felizes da vida,

impossivel não lembrar da infância bem vivida,

papai, mamae sempre sorrindo, Deus sempre presente,

familia super unida.



As cinco da tarde hora banho,

a minha amizade com Jackeline não tinha tamanho,

embora ela sempre alimentasse seu sonho estranho,

ser enfermeira somente de fanhos.



Aos 6 anos um sonho realizado,

finalmente havia ganhado um gato,

pula daqui pula dali e finalmente pulo em cima...

tadinho do gato, precocimente foi para o andar de cima.



Meu primeiro drama.





Jaciara Sousa

Jaciara Sousa dos Santos

"Recordo-me das lembranças ingênuas da infância e adolescência e não há dúvidas, foram as fases mais marcantes. Crescer, amadurecer e ter outras responsabilidades não é abandonar o que foi bom para tomar uma caminhada com pesos e perturbações. Dê à sua vida o toque leve de ser simples, brincar, sorrir e ser feliz."

-Aline Lopes

Aline Lopes - Pensamentos (Aline Lopes)

Do meu tempo de infância trago muitas histórias engraçadas contadas pelo meu velho pai. Com o passar do tempo, descobri que eram histórias que renderiam muitos ensinos em meus sermões, por isso hoje em dia, eu faço uso de muitas delas. Como essa por exemplo,

Na década de setenta, meu pai foi enviado como missionário para o estado do Mato Grosso, trocávamos o conforto de uma linda cidade no sul do Brasil por uma aldeia indígena na selva do norte do país. Da linda igreja onde ele era pastor, levamos apenas os hinos cantados pelo organizado grupo de louvor que participávamos. A chopana construída para a “igreja”, era o lugar que se reuniam nossa familia, alguns índios que entendiam o nosso idioma e Jesus.

Com o passar dos anos a civilização foi se aproximando de onde estávamos, e como eram terras do governo, as pessoas se apropriavam de grandes somas de áreas derrubando o mato para construir pastagens, dizia-se que sua fazenda poderia ser do tamanho que seu dinheiro conseguisse comprar em arame para cercar, e isso era feito com voracidade pelo povo que vinha do sul determinado a mudar de vida no “El Dorado” matogrossense.

Mas, logo o governo resolveu acabar com a festa dos novos ricos, e funcionários do INCRA, começaram a visitar fazenda por fazenda, o governo queria saber a exatidão de cada área “grilada”, para que fosse cobrado impostos e assim legalizar as propriedades. Numa dessas visitas, chegaram a um velho fazendeiro e comunicaram o início das medições, mas foram recebidos com uma espingarda carregada até o dedo no gatilho e apontada para o funcionário armado apenas com uma caneta e uma planilha, nesse caso, venceu o fazendeiro que orgulhoso de sua valentia acompanhou com o olhar o carro sumindo na estradinha da fazenda.

Não demorou muito para voltarem acompanhados por um distinto senhor com uma credencial nas mãos, era um Oficial de Justiça com ordem do juiz da cidade para prender quem oferecesse qualquer tipo de resitência àquela determinada tarefa, – Bom, nesse caso diz o velho, vocês podem ficar a vontade, sinal de que o carteirasso surtiu efeito fazendo o fazendeiro mudar de opinião.

Ao entrarem nas terras, foram recebido por um touro bravo que parecia também não querer que as terras fossem medidas, e fez os visitantes voltarem com a língua de fora pedindo socorro ao velho fazendeiro, -Por favor diziam eles, prenda esse touro porque não conseguiremos trabalhar com ele solto no pasto!

O velho sentado na varanda da casa pacientemente respondeu ao Oficial, -Ué!! porque o senhor não mostrou a carteirinha para o boi? Vai resolver com ele, isso não é problema meu seu “dotô”!!

Fico aqui pensando nos tipos de pastores de hoje em dia, munidos de suas credenciais querem fazer a obra de Deus pensando que o diabo tem medo de carteirasso, Autoridade Espiritual se adquire com joelho no chão e propósito com Deus. Curso para ministro até tem suas utilidades, mas achar que ao concluir e se afiliar a determinadas organizações fará de alguém autoridade espiritual é perda de tempo(…) Vá mostrar carteira para o diabo pra ver se ele respeita!!! Quero ver respeitar. Nem boi respeita.

Eliseu Soares

Esses dias eu me percebi pensando na minha infância, meu primeiro amor. Nunca fui de me apaixonar, nunca liguei para isso, sempre preferi brincar e ver TV.
Mas um dia Paula entrou na minha vida. Éramos colega de igreja e de escola, nossa amizade era pura e inocente. Eu fazia poemas, escrevia historias de amor onde eu era o príncipe encantado salvando ela de um poderoso dragão, e depois dava um longo beijo apaixonado. Mas claro guardava tudo para mim em uma velha caixa aqui em casa.
Já se foi o tempo que o rapaz fazia lindas serenatas, escrevia poemas e passava dez vezes na frente da casa da pretendida, essa atitude era vista com bons olhos. Hoje em dia se um rapaz escreve poemas e faz serenata é taxado como veado, emo, retardado e outros adjetivos animalescos, se o menino passa duas vezes na frente da casa da menina o pai já chama a Rota porque é pervertido.
Eu gostava muito dela, ficar perto dela, sentir seu perfume tocar na sua mão, eu queria sempre fazer dupla com ela, em trabalho de grupo ela sempre era a primeira a ser escolhida, pode se dizer que ela era membro efetivo e definitivo do grupo, nos meus aniversários era a primeira pessoa a ser chamada. No aniversário dela eu ia mais cedo para ajudar e ficar mais tempo com ela, ela nem percebia minha intenção, continuava achando que era apenas uma amizade, que bobinha.
Então um dia fizemos uma viagem para a praia, na viagem ia minha família, a família dela, e mais uma família que era dona da chácara onde hospedamos. Eu estava decidido em me declarar para ela, mostrar meus poemas e minhas historias, até pensei em comprar um buque, mas desisti, afinal, só tinha 13 anos, e nunca fui de ter mesada, então resolvi ir com a cara e a coragem, mas sem flores.
Em uma manhã, na chácara, vi que Paula estava sentada em uma cadeira de frente para o mar, respirei fundo.
- Paula! Preciso te contar uma coisa muito importante... – Disse sentando na cadeira do lado.
- Oi, que bom que você apareceu, eu queria mesmo falar com você, tenho uma coisa para te contar, ai estou com vergonha, posso contar antes?
- Claro fique à vontade – Nesta hora pensei “ela sente o mesmo por mim, ela vai se declarar, vamos nos casar, viva, sou o cara mais feliz do mundo.
- Então... Sabe o seu primo? – disse ela enrolando o cabelo
- Sei... O que tem ele? – Perguntei já desconfiado
- Pois é, não sei como dizer, mas sou apaixonada por ele, desde a primeira vez que a gente se viu, sou doida por ele, amo ele demais, quero casar com ele, ter filhos...
- Ah que legal – Disse interrompendo e com a cara mais decepcionada que um garoto de 13 anos conseguia fazer
- E você o que queria me contar? – Disse ela ignorando minha cara.
- Ah nada, ia dizer que vi na televisão um dia que devemos passar protetor solar, porque o índice de câncer de pele aumentou – Disse disfarçando.
- Ah brigado pela informação seu fofo – Disse ela beijando minha bochecha – Você é “meu melhor amigo”!
Meus poemas de amor se tornaram poemas de tristeza e arrependimento, minhas historias românticas caíram nas graças do realismo, meu corcel se tornou uma mula manca e o poderoso dragão se tornou apenas um calango, e a minha princesa se tornou uma sapa.

Caio Geraldini Ferreira

Deus permita que eu envelheça com ternura..
Que eu continue a lembrar dos meus tempos de infância,
de quanto fui feliz na minha mocidade,
quando eu não andava, mas flutuava,
dançando pela vida...em pura alegria.
Ah!!! quantas saudades eu sinto !
Tudo quero guardar na lembrança
da criança e mocinha que fui!
As brincadeiras divertidas onde não havia maldade,
era somente felicidade!
Até em tempos de dificuldades de tudo se achava graça.
Deus permita que eu viva minha velhice
mesmo com todas as dificuldades
pois essas,costumo tirar de letra,
assim com a vida aprendi...
Não quero esquecer de quem comigo esteve
em todas as horas
e dos meus filhos e netos.
Já consigo me ver velhinha
com uma bengalinha, a saracotear por aí.
Feliz como sempre,
ao lado dos que me são importantes .
Contando minhas histórias
e rindo dos instantes
em que eu dançava na rua.

Irma Jardim

Me lembro de uma colina
Que eu via na minha infância
Nunca fui lá
Só via de longe
Aquela paisagem tão mansa
Poderia desejar
muita coisa nesta vida
Mas se eu pudesse fazer um pedido
Queria hoje romper a distância
Que o tempo cruel demarcou
E estar lá agora com minha amada
Sentar-me com ela
E olhar o mundo ao longe
Fazer fogueirinha
declamar para ela poesia
Erguê-la lá no Céu
Somente com palavras
Convencê-la de que a amo
Olhá-la sorrindo
Perceber o quanto é lindo
o seu sorriso contrastando
o Sol que finda mais um dia
À noite olhar estrelas
As que estão no firmamento
E mais aquelas que subiriam
Em movimentos lentos
Ao despregar-se da fogueira
Deitar-me ao lado dela
Fazer planos...
Passaram-se tantos anos
O Sol se pôs muitas vezes
Fizemos coisas complicadas
estando juntos
Mas esta coisa delicada e pura
Não
Passa-se a vida
E a gente deixa escapar
a oportunidade de realizar
os sonhos mais singelos
Que foi deixando pra depois
e quando a gente vê
Passou-se quase tudo
E a gente pensa na colina
distante no tempo e no espaço
O amor, este permanece
A colina
Acho que não existe mais
Esquece!

EdsonRicardoPaiva

Na infância, os olhos límpidos
vêem o mundo claramente
sem a catarata do tempo.

A fé no visto e no sonho.

A vida maior que a morte.

O corpo livre do peso
do vivido e não vivido,
do perdido e do não gasto.

Na velhice, os olhos turvos,
a opacidade do mundo,
a fé no que não se vê,
a morte maior que a vida,
recordações (e não sonhos),
algumas já desbotadas
ou outras reinventadas,
e as sensações prazerosas,
que o corpo já esqueceu.

Valter da Rosa Borges

O Tempo
O tempo passou
A infância se foi
E quando o novo tempo chegou
Não sei se gostei


Foi-se o tempo
Das brincadeiras na rua
Pic-esconde, queimado, pega-pega...
Ele se foi


Chegou um tal de novo tempo
Não sei se gostei
Não o conheço bem


Tenho de fazer algo!
Vou dar tempo ao tempo
E ver se conheço este tal tempo

M.Nigro

Nasci, cresci, tive uma infância turbulenta demais, com sonhos a menos e responsabilidades demais, confundi o amor com uma falsa paz, tentei fugir do mundo e me esconder debaixo das asas de um homem.
Mas não me ensinaram que o amor é mentiroso,alias não me ensinaram o que é o amor...............
Sem ter ombros pra chorar me fortaleci, sem ter pessoas pra desabafar me calei, sem ter uma mão para segurar as amarrei, sem ter alguém para sorri me fechei.........
Esqueceram de ensinar que a vida poderia ser maravilhosa, que nunca esperei nada dela......
Eesqueci de mim, pois, o mundo não ensinou que para ser feliz bastava poucas coisas..............
Nem me lembro de quando foi o primeiro dia que sorri, e nem o primeiro dia em que amei um homem de verdade, pois na vontade de ser uma boa mãe e ensinar tudo isso a meus filhos, novamente esqueci de algo.....
Ensinar a mim mesma a ser feliz.......................

carla abicair

Eu sempre fui um garoto inocente, perdi minha infância em um sentimento de amor e loucuras.
Perdi-me em olhos sedutores e boca carnuda me dominando e mastigando meus sentidos.
Era inquieto o silêncio e seu corpo me alucinava em um feixe de luz e murmurava em meu ouvido fazendo-me arrepiar todo o corpo.
Entregava-me a felicidade, pois você é minha alegria e não posso viver sem teus carinhos e tua presença.

Julio Aukay

Impessoalidade

Depois de alguns anos já não tenho contato com meus amigos de infância . Mais tarde os amigos dos primeiros trabalhos já não sei por onde estão. a família , alguns morreram e outros estão distante por alguma razão - quase sempre financeira, pois a onde estavamos não encontraram trabalho . Hoje olho nas pessoas que me rodeiam e sinto-as estranhas . Mas percebo que nesse mudo em que a velocidade das informações e a impessoalidade é muito intenso não tem lugar para sentimentalismo . Então precisamos nos adpitarmos . como será isso no futuro ? Será que nossos netos vão nos chamarem de avos ou não vão saberem que existem famílias. Com tanta agilidade e impessoalidade as pessoas por força do sistema mudam de trabalho , lugares e até de famílias quando-lhes convêm.

PEDRO JOSÉ MARQUEZIN

Hoje vivo como vivia na minha infância
Feliz sem preocupação alguma
Não queria que fosse assim
Mas talvez se não fosse desse modo
Eu não veria que eu posso viver
Da forma que eu sonho e desejo

Tenho uma única ambição
A de ser feliz por completo
Hoje posso dizer que estou a caminho
De meu objetivo
Posso estar sempre de bolsos vazios
Mas nunca deixei de fazer algo por isso
Posso sempre estar a procura de algo novo
Às vezes o algo novo eu encontro
Mas ele não me encontra

Não me desespero
Sei que tudo há seu tempo
E nem que for semana que vem, mês que vem, final do ano
Eu sei que algo de novo me acontecerá
Sei que eu serei encontrado
Não sou escravo desse desejo
E sim o desejo em meu escravo

Eu faço de cada dia um novo começo
Ou um novo recomeço,
Sei que paciência é a única virtude, que devo levar comigo onde eu for
Sei que as grandes descobertas foram feitas
Por homens cansados que persistiram

A vida só faz feliz quem a vive feliz
Seguindo em frente eu vou a procura de felicidade
Para que a vida possa me fazer feliz.
Sou alguém que não deseja muito
Sou alguém que quer apenas ter o suficiente
Cheguei a essa conclusão simplesmente por não ter.

Valorizo como um tesouro de um rei
Aquilo que poucos tem
Por isso aqueles que me rodeiam se sentem como um jóia real
Anjos também me rodeiam
E como os outros eles se sentem como uma jóia
Mas dessa vez como um jóia angelical

Johny Garcia

Componho-me nos planos narrativos que se alternam entre a infância real e ao verso adulto.
Vivo como um protagonista em um romance na vida e foge ao meu controle como um contrato conflituoso.
Agito-me ao perceber que posso está em um caminho errado contemplando uma prece errada que me faça ser derrotado.

julioaukay