Textos sobre Infância

Cerca de 452 textos sobre Infância

Na infância estamos submetidos a valores e crenças que não são necessariamente nossos. E, consequentemente tendemos levá-los com nossa formação de caráter.
Sua identidade...Você quem realmente a criou? Ou criaram-a para você?
Quantas coisas faziam sentido? Quantas hoje não fazem mais?
Quantos sonhos você alimentava? Quantos hoje alimentam você?
Será que não é hora de jogar fora o que não serve e resgatar o que é útil?
Ou você prefere continuar com uma ideia fútil?
Se você quer mudar, a hora é agora! Não deixe para depois!
E lembre-se: a sua história é você quem cria! Assim como os seus próprios limites.
Aonde você quer chegar?
QUESTIONE-SE!

30/10/2013

Sâmara Santana Câmara

Eu tenho as melhores e mais engraçadas das companhias. Tenho amigas de infância, cresceram ao meu lado e mesmo que estão brigando comigo por mais uma vez eu chegar alegremente alcoolizada da balada ou por qualquer idiotice que eu tenha feito, elas permanecem aqui, ao meu lado. Somos tão diferentes, mas tão unidas. Somos irmãs.

- Ana Santos

Umavidaentreparenteses.blogspot.com.br

Minha infância tem gosto de pirulito de 5 cores Bolo de fubá da minha vó pique esconde na escola cata vento no jardim gostinho gostoso da terra molhada da chuva pegando a gente no final da tarde eu e meus amigos dividindo um tabletinho de chocolate pés descalços embaixo da arvore da minha casa historias de fantasmas na casa dos primos.
Minha infância teve gostos de jujubas de balas 7 belo de pirulitos com chiclete dentro teve gostos de sonhos perfeitos que ainda me deixam com cheiro de saudade

Júh Britto

Crônica de Minha Infância



Já fui casinha, fantasias e bonecas.

Mãe, jornalista, advogada e atriz.

Chocolates, biscoitos, chicletes...também patins, bicicleta e cicatriz.



Amiga, irmã, namoradinha e vilã.

Danada, sapeca, serelepe, também dissimulada e esperta.

Morria de medo de ser analfabeta.



Também já fui medo, choro e receio,

porém tudo superado com aulas, professoras, sobretudo amigos amáveis e recreios.



Desenhos, chaves, histórias?

branca de neve a bruxa e toda aquela armação...

ursinhos carinhosos, power rangers sempre atenta à programação.



Viagens, família e aventuras.

as férias de dezembro, nas casas das avós...

nada de ditadura.



Mas nem tudo eh perfeito,

já fui hospital, asma e internação,

médico, jaleco branco, total aversão.



As três da tarde como posso esquecer,

eu, papai, meu irmão e a TV...

de todos os compromissos esse era o mais gostoso

histórinhas, perguntas sem fim... e sempre um lanchinho delicioso.



As quatro da tarde um momento chatão.

mamãe, livros e cardenos.

meninos??? hora da lição,

enquanto isso nosso super- herói voltava pra mais um plantão.



Dos momentos mais felizes da vida,

impossivel não lembrar da infância bem vivida,

papai, mamae sempre sorrindo, Deus sempre presente,

familia super unida.



As cinco da tarde hora banho,

a minha amizade com Jackeline não tinha tamanho,

embora ela sempre alimentasse seu sonho estranho,

ser enfermeira somente de fanhos.



Aos 6 anos um sonho realizado,

finalmente havia ganhado um gato,

pula daqui pula dali e finalmente pulo em cima...

tadinho do gato, precocimente foi para o andar de cima.



Meu primeiro drama.





Jaciara Sousa

Jaciara Sousa dos Santos

"Recordo-me das lembranças ingênuas da infância e adolescência e não há dúvidas, foram as fases mais marcantes. Crescer, amadurecer e ter outras responsabilidades não é abandonar o que foi bom para tomar uma caminhada com pesos e perturbações. Dê à sua vida o toque leve de ser simples, brincar, sorrir e ser feliz."

-Aline Lopes

Aline Lopes - Pensamentos (Aline Lopes)

Do meu tempo de infância trago muitas histórias engraçadas contadas pelo meu velho pai. Com o passar do tempo, descobri que eram histórias que renderiam muitos ensinos em meus sermões, por isso hoje em dia, eu faço uso de muitas delas. Como essa por exemplo,

Na década de setenta, meu pai foi enviado como missionário para o estado do Mato Grosso, trocávamos o conforto de uma linda cidade no sul do Brasil por uma aldeia indígena na selva do norte do país. Da linda igreja onde ele era pastor, levamos apenas os hinos cantados pelo organizado grupo de louvor que participávamos. A chopana construída para a “igreja”, era o lugar que se reuniam nossa familia, alguns índios que entendiam o nosso idioma e Jesus.

Com o passar dos anos a civilização foi se aproximando de onde estávamos, e como eram terras do governo, as pessoas se apropriavam de grandes somas de áreas derrubando o mato para construir pastagens, dizia-se que sua fazenda poderia ser do tamanho que seu dinheiro conseguisse comprar em arame para cercar, e isso era feito com voracidade pelo povo que vinha do sul determinado a mudar de vida no “El Dorado” matogrossense.

Mas, logo o governo resolveu acabar com a festa dos novos ricos, e funcionários do INCRA, começaram a visitar fazenda por fazenda, o governo queria saber a exatidão de cada área “grilada”, para que fosse cobrado impostos e assim legalizar as propriedades. Numa dessas visitas, chegaram a um velho fazendeiro e comunicaram o início das medições, mas foram recebidos com uma espingarda carregada até o dedo no gatilho e apontada para o funcionário armado apenas com uma caneta e uma planilha, nesse caso, venceu o fazendeiro que orgulhoso de sua valentia acompanhou com o olhar o carro sumindo na estradinha da fazenda.

Não demorou muito para voltarem acompanhados por um distinto senhor com uma credencial nas mãos, era um Oficial de Justiça com ordem do juiz da cidade para prender quem oferecesse qualquer tipo de resitência àquela determinada tarefa, – Bom, nesse caso diz o velho, vocês podem ficar a vontade, sinal de que o carteirasso surtiu efeito fazendo o fazendeiro mudar de opinião.

Ao entrarem nas terras, foram recebido por um touro bravo que parecia também não querer que as terras fossem medidas, e fez os visitantes voltarem com a língua de fora pedindo socorro ao velho fazendeiro, -Por favor diziam eles, prenda esse touro porque não conseguiremos trabalhar com ele solto no pasto!

O velho sentado na varanda da casa pacientemente respondeu ao Oficial, -Ué!! porque o senhor não mostrou a carteirinha para o boi? Vai resolver com ele, isso não é problema meu seu “dotô”!!

Fico aqui pensando nos tipos de pastores de hoje em dia, munidos de suas credenciais querem fazer a obra de Deus pensando que o diabo tem medo de carteirasso, Autoridade Espiritual se adquire com joelho no chão e propósito com Deus. Curso para ministro até tem suas utilidades, mas achar que ao concluir e se afiliar a determinadas organizações fará de alguém autoridade espiritual é perda de tempo(…) Vá mostrar carteira para o diabo pra ver se ele respeita!!! Quero ver respeitar. Nem boi respeita.

Eliseu Soares

Esses dias eu me percebi pensando na minha infância, meu primeiro amor. Nunca fui de me apaixonar, nunca liguei para isso, sempre preferi brincar e ver TV.
Mas um dia Paula entrou na minha vida. Éramos colega de igreja e de escola, nossa amizade era pura e inocente. Eu fazia poemas, escrevia historias de amor onde eu era o príncipe encantado salvando ela de um poderoso dragão, e depois dava um longo beijo apaixonado. Mas claro guardava tudo para mim em uma velha caixa aqui em casa.
Já se foi o tempo que o rapaz fazia lindas serenatas, escrevia poemas e passava dez vezes na frente da casa da pretendida, essa atitude era vista com bons olhos. Hoje em dia se um rapaz escreve poemas e faz serenata é taxado como veado, emo, retardado e outros adjetivos animalescos, se o menino passa duas vezes na frente da casa da menina o pai já chama a Rota porque é pervertido.
Eu gostava muito dela, ficar perto dela, sentir seu perfume tocar na sua mão, eu queria sempre fazer dupla com ela, em trabalho de grupo ela sempre era a primeira a ser escolhida, pode se dizer que ela era membro efetivo e definitivo do grupo, nos meus aniversários era a primeira pessoa a ser chamada. No aniversário dela eu ia mais cedo para ajudar e ficar mais tempo com ela, ela nem percebia minha intenção, continuava achando que era apenas uma amizade, que bobinha.
Então um dia fizemos uma viagem para a praia, na viagem ia minha família, a família dela, e mais uma família que era dona da chácara onde hospedamos. Eu estava decidido em me declarar para ela, mostrar meus poemas e minhas historias, até pensei em comprar um buque, mas desisti, afinal, só tinha 13 anos, e nunca fui de ter mesada, então resolvi ir com a cara e a coragem, mas sem flores.
Em uma manhã, na chácara, vi que Paula estava sentada em uma cadeira de frente para o mar, respirei fundo.
- Paula! Preciso te contar uma coisa muito importante... – Disse sentando na cadeira do lado.
- Oi, que bom que você apareceu, eu queria mesmo falar com você, tenho uma coisa para te contar, ai estou com vergonha, posso contar antes?
- Claro fique à vontade – Nesta hora pensei “ela sente o mesmo por mim, ela vai se declarar, vamos nos casar, viva, sou o cara mais feliz do mundo.
- Então... Sabe o seu primo? – disse ela enrolando o cabelo
- Sei... O que tem ele? – Perguntei já desconfiado
- Pois é, não sei como dizer, mas sou apaixonada por ele, desde a primeira vez que a gente se viu, sou doida por ele, amo ele demais, quero casar com ele, ter filhos...
- Ah que legal – Disse interrompendo e com a cara mais decepcionada que um garoto de 13 anos conseguia fazer
- E você o que queria me contar? – Disse ela ignorando minha cara.
- Ah nada, ia dizer que vi na televisão um dia que devemos passar protetor solar, porque o índice de câncer de pele aumentou – Disse disfarçando.
- Ah brigado pela informação seu fofo – Disse ela beijando minha bochecha – Você é “meu melhor amigo”!
Meus poemas de amor se tornaram poemas de tristeza e arrependimento, minhas historias românticas caíram nas graças do realismo, meu corcel se tornou uma mula manca e o poderoso dragão se tornou apenas um calango, e a minha princesa se tornou uma sapa.

Caio Geraldini Ferreira

Perdi um brinquedo que me acompanhou em minha infância... Mas ganhei a lembrança do amor de quem me presenteou! Perdi meus privilégios e fantasias de menino... Mas ganhei a
oportunidade de crescer e viver livremente! Perdí muita gente que amei e que me amou e que ainda amo…
Mas ganhei o carinho e o exemplo de suas vidas!
Perdí momentos únicos da vida porque chorava em vez de sorrir…
Mas descobri que para colher amor tem que plantá-lo!
Perdi muitas vezes e muitas coisas em minha vida.

Porém junto a este “perder” hoje tento o valor de “ganhar”.
Porque sempre podemos lutar pelo que amamos e porque sempre há tempo para recomeçar! Não importa em que momento da vida cansastes.

Mais importante é que sempre é possível e necessário recomeçar. Recomeçar é dar-se uma nova chance, é renovar as esperanças na vida e, mais ainda, acreditar em ti mesmo! Sofrestes muito neste período?... Foi aprendizagem.

Chorastes muito?...
Foi limpeza da alma.
Odiastes?...
Foi para poder perdoar.
Sentistes solidão em alguns momentos? ...
Foi porque fechastes a porta.
Pensastes que tudo estava perdido?...
Foi simplesmente o início de tua melhora.
Sentes solidão?...
Se olhares ao redor verás muita gente esperando teu sorriso para aproximar-se mais de ti!

RECOMEÇAR.

Hoje é um excelente dia para iniciar um novo projeto de vida.
Onde queres chegar?
Olha para o alto, sonha alto, deseja o melhor, anseia o bem e o bom, pois a vida nos traz o que desejamos!
Pensando pequeno; o pequeno virá.
Se pensamos firmemente o melhor, o positivo e lutamos por alcança-lo; o melhor virá para nossa vida!
Hoje é o dia da grande limpeza mental.

Tira tudo que te prende ao passado e que te machuca.
Joga fora toda a impureza, limpa teu coração, prepara-te para uma nova vida, e para um novo amor se estás só; nós somos apaixonados, somos capazes de amar muitas vezes, porque somos a manifestação do amor! A vida te chama, te convidando para uma nova aventura, outra viagem, um novo desafio.

Desconheço o autor...

Menino da fita azul
Nas tardes de minha infância
Meus sonhos se misturavam aos seus
Minha vida começando, sua vida se encerrando

Homem do anel prateado
Como dói o tempo passando
E nós dois nos esquecendo
Ando pensando e lembrando o que não vivemos

Sofrendo com sua ausência
Idealizando uma realidade inexistente
Amo-te cada dia mais incondicionalmente
Alimentando-me de ilusões.

Anita García

SAUDADE...

Palavra que traz em si um sinônimo de tristeza, dor, solidão...
Pode ser da infância, da adolescência, da juventude...
Pode ser de alguém que embarcou no trem da morte e que jamais voltará...
Pode ser de alguém que passou por nossas vidas e mudou de endereço, foi para longe, muito longe...
Ou então de alguém que deixou sua marca, seja como um amigo ou um amor perdido, que foi tão importante deixando apenas o vazio de sua ausência.
Como é triste esse sentimento!
Como dói o vazio, a tristeza de saber que algo que foi tão bom, uma época tão feliz, passou, se foi e algumas vezes para sempre!
Tudo o que é bom, um dia se acaba, se vai e nem sempre volta, mas isso faz parte da vida, sofrer faz parte da vida, sentir saudade faz parte da vida...
O que alivia essa dor, é saber que, só sente saudade aquele que um dia foi feliz, mesmo que tenha sido por um momento.

Simone Brantes

..Infância ... tempo em que não existe malicia ,
sofrimento , ou maldade
onde tudo é azul ou cor de rosa ...
Enta um aprendemos da maneira mais difícil ,
o significado de todos esses sentimentos,
Crescemos ... mas ainda ah uma esperança ...
um sentimento chamado saudade ,
Nos faz recordar ...
roubando de nossos lábios um sorriso acanhado e
por um instantes
voltamos a saber como é bom ser criança.

Meryhelen Campregher

Deus permita que eu envelheça com ternura..
Que eu continue a lembrar dos meus tempos de infância,
de quanto fui feliz na minha mocidade,
quando eu não andava, mas flutuava,
dançando pela vida...em pura alegria.
Ah!!! quantas saudades eu sinto !
Tudo quero guardar na lembrança
da criança e mocinha que fui!
As brincadeiras divertidas onde não havia maldade,
era somente felicidade!
Até em tempos de dificuldades de tudo se achava graça.
Deus permita que eu viva minha velhice
mesmo com todas as dificuldades
pois essas,costumo tirar de letra,
assim com a vida aprendi...
Não quero esquecer de quem comigo esteve
em todas as horas
e dos meus filhos e netos.
Já consigo me ver velhinha
com uma bengalinha, a saracotear por aí.
Feliz como sempre,
ao lado dos que me são importantes .
Contando minhas histórias
e rindo dos instantes
em que eu dançava na rua.

Irma Jardim

Me lembro de uma colina
Que eu via na minha infância
Nunca fui lá
Só via de longe
Aquela paisagem tão mansa
Poderia desejar
muita coisa nesta vida
Mas se eu pudesse fazer um pedido
Queria hoje romper a distância
Que o tempo cruel demarcou
E estar lá agora com minha amada
Sentar-me com ela
E olhar o mundo ao longe
Fazer fogueirinha
declamar para ela poesia
Erguê-la lá no Céu
Somente com palavras
Convencê-la de que a amo
Olhá-la sorrindo
Perceber o quanto é lindo
o seu sorriso contrastando
o Sol que finda mais um dia
À noite olhar estrelas
As que estão no firmamento
E mais aquelas que subiriam
Em movimentos lentos
Ao despregar-se da fogueira
Deitar-me ao lado dela
Fazer planos...
Passaram-se tantos anos
O Sol se pôs muitas vezes
Fizemos coisas complicadas
estando juntos
Mas esta coisa delicada e pura
Não
Passa-se a vida
E a gente deixa escapar
a oportunidade de realizar
os sonhos mais singelos
Que foi deixando pra depois
e quando a gente vê
Passou-se quase tudo
E a gente pensa na colina
distante no tempo e no espaço
O amor, este permanece
A colina
Acho que não existe mais
Esquece!

EdsonRicardoPaiva

Buscar sempre

Vivo uma busca constante,
Busca de coisas simples,
Como a infância que se perdeu,
Por não ter tempo de brincar,
Por ter que trabalhar,
Busca de um pai,
Que sumiu para nunca mais voltar.
Sempre me pergunto:
Mas por que ele se foi?
Busca de um sorriso,
De alguém amigo,
Que me trate como menina,
Pois menina é isto mesma que sou!
Busca do amor impossível,
Da felicidade que eu sei que existe,
Do beijo dado com amor,
Do abraço apertado, num dia de frio ou calor.
Não vou desistir jamais,
Pois na vida terei sempre que busca,
Se quiser algo de verdade conquistar.

Rose C.B

Não tenho muitas lembranças da minha infância,na verdade acho que comecei a viver agora. Não que tenha sido ruim, mas talvez porque eu não tinha a mínima idéia do que era viver. Hoje eu sei o que é chorar, sofrer, lutar,vencer... Mas ainda estou tentando descobrir o que é sorrir.
As vezes mostrando um sorriso por fora, e por dentro sabendo bem chorar. As vezes chorando de rir , mas não rindo por chorar.
Eu quero sorrir... Saber sorrir mesmo quando nada estiver bem ,pois é ai que as coisas começam a mudar.... SORRINDO!
Sorrir como quando criança, quando assopravam em meus olhos, ou quando me sacudiam sem parar.
A mais bela arte de viver, de todos os momentos, mesmo quando indesejado...
Um sorriso pode mudar uma vida.

Vivi Almeida

Nas grimpas
Águida Hettwer

A minha desatenção justificada acompanha-me desde a infância, lembro-me das férias prolongadas do final do ano, onde ia visitar meus tios no interior. Andar de ônibus era coisa rara e entretida na paisagem, não me dava conta do tempo passar.

Ecoam vozes no sitio da infância, o frescor das matas, o barulho das águas, o pó da estrada, fazendo companhia das charretes, carregando gente. Costeando as plantações de soja, milho e trigo. O que dividia as propriedades eram as cercas farpadas, onde atravessávamos sem muito esforço.

Sob as inúmeras recomendações da mãe, os cuidados para não me estender no sol, na grama e na vida. Pedia licença até para respirar o ar puro. Por lá me aventurava nas singelas brincadeiras, sentávamos em uma reforçada tábua de madeira e empurrados descíamos potreiro abaixo.

Colhíamos as frutas das grimpas, pitangas, amoras pretas e ameixas. Sentada na sombra do Plátano, ao longe avistava o Rio Uruguai, o pensamento atravessava a fronteira de caíco, remava contra o tempo.

Atentamente observava a lida, a terra talhada em frisos, às sementes lançadas e após alguns dias germinadas. A horta cuidada por mãos zelosas, no ar o cheiro de hortelã. Na frente das casas jardins coloridos com dálias, gérberas e margaridas.

O dialeto diferenciado do povoado me intrigava. Algumas palavras a minha imaginação completava. Há lenha de reserva, enquanto as brasas queimavam, as histórias folheavam páginas ao pé do fogão. Ainda guardo no paladar os sabores da infância. O bule de leite e café fervia e perfumava o lugar, a mesa posta com pão de milho e geléia natural.

No território da alma, o tempo lavrou, adubou a terra, germinou flores de rara beleza, onde perfumam os meus silêncios até o momento...


Outros textos:
www.aguidahettewer.recantodasletras.com.br

Águida Hettwer

Infancia Feliz

Às vezes proponho-me a mim mesmo, no meio de longas conversas de angustia e depressão que eu tenho com a minha consciência, escrever textos que tenham o brilho de um sorriso, que tenham o calor de um abraço! Aquele texto que nos dê a sensação de uma festa que a nossa mãe nos dava quando nos magoávamos na
Brincadeira.

Acho que a inspiração teria de surgir do meu tempo de menino, quando corria atrás de bichos-de-conta, e fazia estradas para as formigas, tive a oportunidade de passar a minha infância numa vivenda, mesmo que nos arredores da grande metrópole, Lisboa, mesmo assim tinha acesso àqueles momentos lindos que me marcaram na infância e nunca os vou apagar da memória, como o cheiro a terra, o cheira da erva molhada quando chovia as ameixeiras em flor! E as brincadeiras que daí advinham como roubar figos, brincar à agricultura, subir arvores.

Agora que penso, lembro-me de tantas brincadeiras que eram feitas na companhia da solidão, acho que devo ao facto de ser filho único a minha criatividade, aprender a brincar sozinho, fazer o bom e o mau, jogar para uma equipa vencer e outra perder, isso molda a personalidade de uma pessoa, cria sonhos, cria carências!

Mas é no tempo de menino, que mais sonhamos que mais ingênuos somos, que mais nos rimos, rimos de bem-estar, de um abraço dos pais, de um arroz-doce da avó, dos desenhos animados! Aqueles que todos acordavam bem cedo para i-los ver, quem não se lembra de ficar à espera que a televisão começasse a emitir para ver os desenhos animados, com aquele fundo preto com umas listas coloridas à frente? Depois tocava a musica da que todos sabíamos de cor, e começava uma autentica maratona de boa disposição e grandes lições para a vida! Ao falar de séries televisivas e da minha meninice, lembro-me da rua sésamo, o tanto que eu tenho a agradecer ao conde de contar, de longe o meu preferido, e as musicas como a: eu gosto de sopa...

Ter sido uma criança foi uma das melhores coisas que me aconteceu na vida.

Assim pinto um quadro com cheiro a caramelo, e tons de um amarelo forte, igual ao sol que brilha lá fora, no pátio onde eu fui astronauta e mosqueteiro do rei, onde tudo era possível, e o bem vencia sempre.

Lucas Roschel Rodrigues

Hoje passei pelas ruas de minha infância…
Senti o cheiro que perfuma a rua até hoje…
A Dama da Noite ainda está lá…
Deixando a rua com o ar de primavera…
A lembrança do perfume e dos risos…
Do aroma das brincadeiras e da alegria de ser criança…
Porém, hoje não havia mais ninguém na rua…
Não ouvi os sorrisos soltos,
Não vi olhos brilhantes das crianças livres…
Não havia nada!!!!
Ninguém estava lá…
Só a Dama da Noite ainda está por lá…
Ela ainda está no mesmo lugar…
A noite está perfeita..
A lua canta a canção de ficar pela rua,
Dançando ao sereno,
Mas ninguém estava lá para o cantar a canção de serenar..
Revi as casas…
Revivi a minha infãncia…
Depois, guardei meu sorriso,
Mas não calei meu canto…
Voltei de lá solfejando a minha infânia,
Com a alma renovada pelo perfume que só existe lá….

Vivi Dick

Quando secar o rio de minha infância,
secará toda dor.
Quando os regatos límpidos de meu ser secarem, minh’alma perderá sua força.
Buscarei, então, pastagens distantes
Irei onde o ódio não tem teto para repousar.
Ali, erguerei uma tenda junto aos bosques.

Todas as tardes me deitarei na relva,
e nos dias silenciosos farei minha oração:
Meu eterno canto de amor: expressão pura de minha mais profunda angústia

Nos dias primaveris, colherei flores para
meu jardim da saudade.

Assim, exterminarei a lembrança de um passado sombrio.

Frei Tito

Me perguntaram: mas não há nada na sua infância que tenha saudade? A primeira coisa que veio a minha cabeça foi andar a cavalo na fazenda, mas logo pensei: ainda ando a cavalo; melhor, galopo, tomei as rédeas e não mais estou na garupa dos meus pais. A sensação é de mais risco, claro, mas também de mais vida, da minha vida ali, mesmo que em risco. E é preciso assumir os riscos para assumir sua vida. Disso eu sei.

Como é bom ser adulta...

Isabelle Anchieta