Textos sobre Infância

Cerca de 354 textos sobre Infância

Mar e Céu

Lembre-se que o impossível é o possível que não foi tentado;
Lembre-se de sua infância e olhe para si hoje e veja, o quanto você cresceu, em sentimentos, em esperanças, em objetivos alcançados.
Prenda-se à vida, viva, em todas as cores, de todas as formas, com vários amores, seja único, mas seja você.
Não tema quem você é, sinta medo daquilo que queremos que os outros pensem de nós mesmos.
Viva, ouse, tome coragem, viva novamente.
Não se amarre ao perdão, não somos deuses;
Não se obrigue à gratidão, ela as vezes nos sufoca;
Não seja outro, seja você.
Busque dentro de si o que quer, pense em como conseguir, haja;
mas haja, não fique no mundo do pensamento.
Corra riscos, mas não vá muito longe, sob pena de arriscar o que já construiu.
Siga em frente, com Deus, com a Deusa, com os Deuses, mas siga com amor a si próprio e no coração.
Ame a tudo e a todos, mesmo que não seja amado.
Chore, não é vergonhoso. Mas chore de amor: pela vida, pela conquista, pelo sorriso dos filhos.
Escola o que quer, quando quer e de que forma quer.
Saia de si, entregue-se, deixe que alguém se entregue a você e viva isso, por que pode ser o último instante em que isso ocorra.
Viva, supere-se, guarde segredo daquilo que é bom, para que outros possam buscar algo bom e também guardar em segredo.
Negue: a mentira, o ódio, a raiva.
Seja abraçado pelo fogo da paixão, pelo menos uma vez na vida.
Supere-se e novamente supere-se, troque as cadeiras de lugar, conheça novas pessoas, trabalhe em outra coisa, mas viva, muito, muito, tudo, para sempre, enquanto o para sempre existir.

João Francisco da Costa

..Infância ... tempo em que não existe malicia ,
sofrimento , ou maldade
onde tudo é azul ou cor de rosa ...
Enta um aprendemos da maneira mais difícil ,
o significado de todos esses sentimentos,
Crescemos ... mas ainda ah uma esperança ...
um sentimento chamado saudade ,
Nos faz recordar ...
roubando de nossos lábios um sorriso acanhado e
por um instantes
voltamos a saber como é bom ser criança.

Meryhelen Campregher

Menino da fita azul
Nas tardes de minha infância
Meus sonhos se misturavam aos seus
Minha vida começando, sua vida se encerrando

Homem do anel prateado
Como dói o tempo passando
E nós dois nos esquecendo
Ando pensando e lembrando o que não vivemos

Sofrendo com sua ausência
Idealizando uma realidade inexistente
Amo-te cada dia mais incondicionalmente
Alimentando-me de ilusões.

Anita García

Todos nós lembramos das historinhas de nossa infância: o sapato serve na Cinderela, o sapo vira um príncipe, a Bela Adormecida é acordada por um beijo... "Era uma vez" e "Eles viveram felizes para sempre". Contos de Fadas - é do que os sonhos são feitos. O problema é que contos de fadas não se tornam realidade. São as outras histórias, as que começam com noites sombrias e tempestuosas, que terminam de formas indescritíveis. Sempre são os pesadelos que parecem se tornar realidade.
As histórias que contamos são feitas de sonhos. Contos de fadas não se tornam realidade. A realidade é muito mais agitada, muito mais turva, muito mais assustadora.

Quezia gomes

RECORDAÇÕES




Pela janela do ônibus vislumbro a velha rua da minha infância,

As casa, as calçadas de cimento partido, tudo como antes.........

Sem grnades mudanças, a não ser as pequenas árvores, que cresceram

Os antigos amigos e as brincadeiras que também se foram,

Mas há outras crianças brincando , nas mesmas ruas que brinquei.

A velha casa lá.... batida pelo tempo mas em pé, assim, como eu, marcada

Pela vida , mas vivendo cheia de lembranças.....

O ônibus vai passando e eu recordando.

O tempo bom, a vida sem problemas, a felicidade inocente do primeiro amor,

Passo no ônibus pela minha antiga rua .

E vou passando pela minha vida, levando lições amargas, mas também muitas lembranças boas das coisas e pessoas que vieram e passaram....

E levo comigo a esperança de coisas novas e boas que ainda virão....

Barbelavania

Do meu tempo de infância trago muitas histórias engraçadas contadas pelo meu velho pai. Com o passar do tempo, descobri que eram histórias que renderiam muitos ensinos em meus sermões, por isso hoje em dia, eu faço uso de muitas delas. Como essa por exemplo,

Na década de setenta, meu pai foi enviado como missionário para o estado do Mato Grosso, trocávamos o conforto de uma linda cidade no sul do Brasil por uma aldeia indígena na selva do norte do país. Da linda igreja onde ele era pastor, levamos apenas os hinos cantados pelo organizado grupo de louvor que participávamos. A chopana construída para a “igreja”, era o lugar que se reuniam nossa familia, alguns índios que entendiam o nosso idioma e Jesus.

Com o passar dos anos a civilização foi se aproximando de onde estávamos, e como eram terras do governo, as pessoas se apropriavam de grandes somas de áreas derrubando o mato para construir pastagens, dizia-se que sua fazenda poderia ser do tamanho que seu dinheiro conseguisse comprar em arame para cercar, e isso era feito com voracidade pelo povo que vinha do sul determinado a mudar de vida no “El Dorado” matogrossense.

Mas, logo o governo resolveu acabar com a festa dos novos ricos, e funcionários do INCRA, começaram a visitar fazenda por fazenda, o governo queria saber a exatidão de cada área “grilada”, para que fosse cobrado impostos e assim legalizar as propriedades. Numa dessas visitas, chegaram a um velho fazendeiro e comunicaram o início das medições, mas foram recebidos com uma espingarda carregada até o dedo no gatilho e apontada para o funcionário armado apenas com uma caneta e uma planilha, nesse caso, venceu o fazendeiro que orgulhoso de sua valentia acompanhou com o olhar o carro sumindo na estradinha da fazenda.

Não demorou muito para voltarem acompanhados por um distinto senhor com uma credencial nas mãos, era um Oficial de Justiça com ordem do juiz da cidade para prender quem oferecesse qualquer tipo de resitência àquela determinada tarefa, – Bom, nesse caso diz o velho, vocês podem ficar a vontade, sinal de que o carteirasso surtiu efeito fazendo o fazendeiro mudar de opinião.

Ao entrarem nas terras, foram recebido por um touro bravo que parecia também não querer que as terras fossem medidas, e fez os visitantes voltarem com a língua de fora pedindo socorro ao velho fazendeiro, -Por favor diziam eles, prenda esse touro porque não conseguiremos trabalhar com ele solto no pasto!

O velho sentado na varanda da casa pacientemente respondeu ao Oficial, -Ué!! porque o senhor não mostrou a carteirinha para o boi? Vai resolver com ele, isso não é problema meu seu “dotô”!!

Fico aqui pensando nos tipos de pastores de hoje em dia, munidos de suas credenciais querem fazer a obra de Deus pensando que o diabo tem medo de carteirasso, Autoridade Espiritual se adquire com joelho no chão e propósito com Deus. Curso para ministro até tem suas utilidades, mas achar que ao concluir e se afiliar a determinadas organizações fará de alguém autoridade espiritual é perda de tempo(…) Vá mostrar carteira para o diabo pra ver se ele respeita!!! Quero ver respeitar. Nem boi respeita.

Eliseu Soares

SAUDADE
Sinto saudade da minha velha infância.Das manhãs de sábado que eu pulava a cerca daquele final de rua,que por fim dava acesso à aquele pasto verde onde eu corria descalço pra chegar até aquele pequeno riacho.Era o máximo,e assim eu passava a amanhã inteira debaixo daquelas sombras,escutando os pássaros cantarem e muitas vezes eu dormia numa areia branca há poucos metros da água...Já era tarde quando eu voltava,todo sujo eu voltava pra casa e muitas vezes nem me importava com as minhas pequenas gigantes preocupações,tipo a tarefa que ainda não tinha sido feita.Sinto saudade,saudade da minha época de escola onde eu me sentia tão bem quando sentia o cheiro da comida por volta das 9 da manhã...Saudade daquele medo que eu sentia toda semana quando minha mãe ia até a escola pra ouvir reclamações minhas,poxa quem não teve uma infância assim?...A minha alegria quando chegava o anoitecer era pegar minha bicicleta e andar pelo bairro junto com minha turma...Que saudade...Saudade das vezes que eu aprontei artes,artes que hoje me fazem rir,mas que na época eu tinha medo de ser preso...Bons tempos que não voltam mais.E assim tudo vai se tornando como minha infância,só os pensamentos bons vão restando,e assim a vida vai seguindo deixando pra trás apenas as minhas doces experiências que vivenciei, que no futuro vou vivenciar e que por fim ficará apenas assim,só em pensamentos...

Guilherme boldrin

Desde a minha infância apresentaram-me Alguém. Diziam-me que este Aguém tinha uma amor muito grande por mim, disseram que era maior do que o amor que os meus pais possuiam pela minha vida. Relataram-me que um dia Ele se entregou por mim, que Ele morreu em meu lugar para que eu fosse livre e tivesse vida. Contaram-me que esta Pessoa estava comigo em todo o tempo, que Ele conhecia o meu coração, que Ele via as minhas lágrimas e que Ele podia me ver em qualquer lugar, até mesmo nas profundezas do mar ou no mais alto monte.
Entretanto houve um dia em que já não era mais criança, meu grau de entendimento tinha aumentado e, então, pude compreender coisas que antes não entendia. A vida começou a fazer sentido e eu comecei a entender e conhecer aquele Alguém que tinham me apresentado. Conhcê-lo foi como tirar uma venda de meus olhos; como se eu não tivesse uma visão apurada. Eu apenas tinha escutado falar dEle, mas daquele dia em diante eu O conheci verdadeiramente. E eu O amei! Amei porque Ele me amou primeiro.

Isabela Vital

A ALEGRIA

É esperança de fartança, é infância de criança, é
Fechadura de amargura, é espevitada energia, é
Facilidade pra felicidade, é liberdade de euforia, é
Folia de cosquinha, é guerra de travesseiro, é bola
De sorvete em casquinha, é beleza por natureza, é
Mesa cheinha de sobremesas, é tristeza bem presa,
É certeza de festa-surpresa, é luz de Jesus, é amor,
É ausência de dor, melancolia e apatia, é sintonia, é
Empatia, é astral de boa energia, é ter o que fazer, é
Aprender a se desculpar e perdoar, é sentir prazer, é
Achar um amor e merecer literalmente nele se perder!
Guria da Poesia Gaúcha

GuriaPoesia

Esses dias eu me percebi pensando na minha infância, meu primeiro amor. Nunca fui de me apaixonar, nunca liguei para isso, sempre preferi brincar e ver TV.
Mas um dia Paula entrou na minha vida. Éramos colega de igreja e de escola, nossa amizade era pura e inocente. Eu fazia poemas, escrevia historias de amor onde eu era o príncipe encantado salvando ela de um poderoso dragão, e depois dava um longo beijo apaixonado. Mas claro guardava tudo para mim em uma velha caixa aqui em casa.
Já se foi o tempo que o rapaz fazia lindas serenatas, escrevia poemas e passava dez vezes na frente da casa da pretendida, essa atitude era vista com bons olhos. Hoje em dia se um rapaz escreve poemas e faz serenata é taxado como veado, emo, retardado e outros adjetivos animalescos, se o menino passa duas vezes na frente da casa da menina o pai já chama a Rota porque é pervertido.
Eu gostava muito dela, ficar perto dela, sentir seu perfume tocar na sua mão, eu queria sempre fazer dupla com ela, em trabalho de grupo ela sempre era a primeira a ser escolhida, pode se dizer que ela era membro efetivo e definitivo do grupo, nos meus aniversários era a primeira pessoa a ser chamada. No aniversário dela eu ia mais cedo para ajudar e ficar mais tempo com ela, ela nem percebia minha intenção, continuava achando que era apenas uma amizade, que bobinha.
Então um dia fizemos uma viagem para a praia, na viagem ia minha família, a família dela, e mais uma família que era dona da chácara onde hospedamos. Eu estava decidido em me declarar para ela, mostrar meus poemas e minhas historias, até pensei em comprar um buque, mas desisti, afinal, só tinha 13 anos, e nunca fui de ter mesada, então resolvi ir com a cara e a coragem, mas sem flores.
Em uma manhã, na chácara, vi que Paula estava sentada em uma cadeira de frente para o mar, respirei fundo.
- Paula! Preciso te contar uma coisa muito importante... – Disse sentando na cadeira do lado.
- Oi, que bom que você apareceu, eu queria mesmo falar com você, tenho uma coisa para te contar, ai estou com vergonha, posso contar antes?
- Claro fique à vontade – Nesta hora pensei “ela sente o mesmo por mim, ela vai se declarar, vamos nos casar, viva, sou o cara mais feliz do mundo.
- Então... Sabe o seu primo? – disse ela enrolando o cabelo
- Sei... O que tem ele? – Perguntei já desconfiado
- Pois é, não sei como dizer, mas sou apaixonada por ele, desde a primeira vez que a gente se viu, sou doida por ele, amo ele demais, quero casar com ele, ter filhos...
- Ah que legal – Disse interrompendo e com a cara mais decepcionada que um garoto de 13 anos conseguia fazer
- E você o que queria me contar? – Disse ela ignorando minha cara.
- Ah nada, ia dizer que vi na televisão um dia que devemos passar protetor solar, porque o índice de câncer de pele aumentou – Disse disfarçando.
- Ah brigado pela informação seu fofo – Disse ela beijando minha bochecha – Você é “meu melhor amigo”!
Meus poemas de amor se tornaram poemas de tristeza e arrependimento, minhas historias românticas caíram nas graças do realismo, meu corcel se tornou uma mula manca e o poderoso dragão se tornou apenas um calango, e a minha princesa se tornou uma sapa.

Caio Geraldini Ferreira

- eu sinto saudade de minha infância, em que minha felicidade só dependia de mim mesmo , em que sair pela rua, descalço pulando e brincando era o melhor passa tempo. Eu sinto saudades do tempo em que eu brincava de se esconder ,de dono da rua (rs) e tantas outras brincadeiras. Sinto tanta falta dos meus amigos de infância aqueles que não tinham vergonha de brincar , de se sujar e ser feliz comigo, aqueles que eu tinha certeza que era verdadeiros. Sinto saudades do tempo em que eu acreditava em papai noel, do tempo em que eu não tinha preocupações e nem problemas . Hoje eu paro e vejo que o mundo que eu via quando era criança era muito diferente do atual, o meu mundo era alegre , era belo , era o mais perfeito que eu podia sonhar. Sim... tudo aquilo não passou de um sonho, não passou de uma fase. Hoje eu vivo a realidade e vejo as controvérsias do que eu pensava, vejo o mundo REAL , repleto de pessoas ruins , de corrupção , de mentira e de falsidade.
- é, eu tenho saudade de minha infância e uso aquele velho ditado , eu era feliz e não sabia .

Icaro Guilherme Mendes

Eu heeim, sabe aquela saudade? Pois é, não aquela que eu tenho dois amigos de infância, do colégio, das risadas com pessoas que já me esqueceu...
Mas sim aquela saudade? Sebe aquela saudade? Não ha que eu tenho de comer pizza, tomar sorvete, correr em direção ao mar, rolar na grama e sair me cosano toda, de ver o por do sol, apostar corrida, jogar traque de massa nos amigos, pedir penico, brincar de pique esconde, chutar a latinha, fazer melança na cozinha...
Sabe? Assistir aquele filme de terro no cinema e só você gritar e todo mundo te olhar, é se lambuzar com comendo cachorro - quente, e rir lembrando da vida da gente...
Sabe agora? A MINHA SAUDADE É JUSTAMENTE DE TODOS ESSES
MOMENTOS AO TEU LADO... NAMORADO!

Barbara Cleide

Frio.. Bom, o frio é um fenômeno nostálgico. Te lembra infância, chocolate quente, e aqueles momentos. Momentos aqueles que você gostaria de viver novamente, não se sabe com quem, mas com a mesma intensidade.
Dividir o mesmo cobertor, abraçado com alguém na cama, procurando algo que preste na TV.
Existe coisa mais fofa que uma mulher com seu moleton, que nela fica gigante, pedindo pra esquentá-la, que hoje o dia está mais frio que ontem?
hahaha..
Como o café, é o amor.. é bom, quando quente!!

Gabriel Steven

Infância minha onde estás, por onde anda os doces ou sofridos momentos, procuro meu dom e minha pureza onde percebia e valorizava, chorava e sorria por tudo ao meu redor, por todos ao meu redor, onde cada segundo tinha a importância de uma vida.
Voltarás?
mas quá, só resta-me pedaços de ti minha infância, guardados para sempre, onde vez em quando um deles rapidamente escapa: por uma imagem, por um cheiro, por uma frase, por um toque.

Ricardo Fonseca

Eu sinto saudade da minha infância toda; de quando eu era feliz e não sabia.
Sinto falta da minha inocência diante das pessoas. Sinto falta de quando eu era pequena, eu podia falar tudo o que eu quisesse, e ninguém me julgava e nem me criticava. Sinto falta da minha ingenuidade, de acreditar que os adultos eram sempre felizes e amáveis. Sinto saudade de quando eu podia brincar na rua o dia inteiro. Sinto falta da época em que eu não tinha responsabilidades. Sinto saudade de quando eu não sabia nada sobre a vida, e jamais imaginava o quanto dói sofrer por alguém. Sinto falta de caminhar pela rua e ninguém te olhar com maldade, porque eu apenas era uma criança. Sinto falta de quando as pessoas apertavam a minha bochecha e me chamavam de fofa. Sinto falta dos abraços carinhosos que as pessoas me davam. Sinto saudades desse tempo...sabe?!

Bárbara Quinta

...:: Infância ::...

Como é triste não ser mais criança
Mas guardo na lembrança momentos especiais
De lugares e pessoas na qual amei e não as vejo mais
Lembro quando matava o tempo comigo mesmo
Onde as ordens eram para não haver desordem
Tarefas nas quais hoje fazemos normalmente
Mas são tantas que mal sobra tempo pra gente
Como era bom ser cuidado o tempo todo
Hoje temos que ter cuidado a todo o tempo
Quem não gosta de se sentir seguro com quem ama
Ficar com preguiça e não precisar sair da cama
Como é triste não ser mais criança
Onde tudo é de graça e não existe ganância.

W. Iazzetta

Muitas vezes me bate uma saudade dos velhos
amigos de infância, da minha terra, da minha
antiga vida. Saudades da inocência e da
esperança, saudade dos amores de infância,
saudade de sair correndo e gritando "quem
chegar por último é a mulher do padre!.". A
gente cresce e descobre que pega pega não é só
pega pega. Descobrimos que brincar também
dói, dói quando as pessoas brincam com nossos
sentimentos. Descobrimos que o mau não está
na cara de mau. Descobrimos que ser criança
era muito mais fácil. Descobrimos que crescer é
descobrir a vida e crescer é ver realmente que a
vida não é justa e que vemos humanos, mas não
humanidade. Num mundo onde presam pela
verdade, é tão descriminador ser você mesmo.
Quem me dera ser novamente criança.

Edimar Luiz Müller

Lembranças
Introdução
Eu lembro que na minha infância, eu era muito agitado, muito nervoso, lembro também das idas e voltas do psicólogo, lembro da minha mãe sempre comprando novas coisas para dentro de casa, pois eu tinha quebrado, eu sempre fui muito ligado com minha mãe não sai de perto dela por nada, meus irmãos já não eram tantos eles sempre foram de folia, de viajar de festas, eu sempre escolhe estar em casa com minha mãe... Sempre os filhos têm sempre uma preferência ou o pai ou a mãe, eu era minha mãe, muitas vezes dentro de minha casa, sempre surgia muitas perguntas umas delas é, quando é que eu serei grande? Quando eu vou ter responsabilidades, quando é que eu vou fazer o que meus pais fazem. Essas e entre outras perguntam me fazia, se afastar dos meus amigos da escola, ruas e familiares não tenho muitas recordações brincando, eu ficava o tempo todo pensando quando eu serei grande, que profissão eu serei, quebra a cabeça os dias todos desenhando que empresa eu queria ter, desenhei varias escolas, padarias, restaurantes passava o dia todo fazendo isso e minha infância se passando, eu costumava dizer eu sou o ‘’diferente’’ eu não sou ‘’normal ‘’ todas as crianças estavam ali brincando se divertindo, enquanto eu estava ali questionando quando eu serei grande, quando eu serei um homem.

Vanilo Alves

MEDO DE VIVER.
Tive medo da infância, porque era criança e achei que não seria capaz de me defender.
Tive medo da juventude porque, nesse mundo louco, não seria capaz de sobreviver.
Tive medo da meia idade porque, com tantas responsabilidades, talvez não conseguiria vencer.
Hoje, com a experiência dos anos vividos, não tenho mais medos porque: nos medos de criança e de juventude tive mãos que me conduziram e, com os exemplos recebidos na meia idade, fizeram-me crescer, compreender e aprendi a caminhar.
Aprendi e rompi as barreiras dos medos e essas vitórias me deram confiança, maturidade e tranquilidade para dizer:
VENCI O MEDO!!! NÃO TENHO MEDO DE VIVER!!! PORQUE ANTES DE TUDO, APRENDI A ACREDITAR EM MIM MESMO.
Autor: Márcio Souza.

Márcio Souza

PALAVRA SAUDADE!
Palavra saudade, sentimento,lembranças,
Lembranças saudades, Saudade da infância,
Saudade marota, doce saudade, saudade criança.
Que bate no peito.
Que mexe com a gente,
É uma dor sem jeito,
Que fala e não mente.
Saudade emoção,
Que a gente sente,
De entes queridos, de amor ausente,
Que chora calada, sem explicação,
E que ouve apenas o coração.
Saudade bandida, Saudade atrevida,
Que falem de ti, mas que seja bem-vinda,
E a levo comigo, pro resto da VIDA.

Márcio Souza