Textos sobre Infância

Cerca de 374 textos sobre Infância

Do meu tempo de infância trago muitas histórias engraçadas contadas pelo meu velho pai. Com o passar do tempo, descobri que eram histórias que renderiam muitos ensinos em meus sermões, por isso hoje em dia, eu faço uso de muitas delas. Como essa por exemplo,

Na década de setenta, meu pai foi enviado como missionário para o estado do Mato Grosso, trocávamos o conforto de uma linda cidade no sul do Brasil por uma aldeia indígena na selva do norte do país. Da linda igreja onde ele era pastor, levamos apenas os hinos cantados pelo organizado grupo de louvor que participávamos. A chopana construída para a “igreja”, era o lugar que se reuniam nossa familia, alguns índios que entendiam o nosso idioma e Jesus.

Com o passar dos anos a civilização foi se aproximando de onde estávamos, e como eram terras do governo, as pessoas se apropriavam de grandes somas de áreas derrubando o mato para construir pastagens, dizia-se que sua fazenda poderia ser do tamanho que seu dinheiro conseguisse comprar em arame para cercar, e isso era feito com voracidade pelo povo que vinha do sul determinado a mudar de vida no “El Dorado” matogrossense.

Mas, logo o governo resolveu acabar com a festa dos novos ricos, e funcionários do INCRA, começaram a visitar fazenda por fazenda, o governo queria saber a exatidão de cada área “grilada”, para que fosse cobrado impostos e assim legalizar as propriedades. Numa dessas visitas, chegaram a um velho fazendeiro e comunicaram o início das medições, mas foram recebidos com uma espingarda carregada até o dedo no gatilho e apontada para o funcionário armado apenas com uma caneta e uma planilha, nesse caso, venceu o fazendeiro que orgulhoso de sua valentia acompanhou com o olhar o carro sumindo na estradinha da fazenda.

Não demorou muito para voltarem acompanhados por um distinto senhor com uma credencial nas mãos, era um Oficial de Justiça com ordem do juiz da cidade para prender quem oferecesse qualquer tipo de resitência àquela determinada tarefa, – Bom, nesse caso diz o velho, vocês podem ficar a vontade, sinal de que o carteirasso surtiu efeito fazendo o fazendeiro mudar de opinião.

Ao entrarem nas terras, foram recebido por um touro bravo que parecia também não querer que as terras fossem medidas, e fez os visitantes voltarem com a língua de fora pedindo socorro ao velho fazendeiro, -Por favor diziam eles, prenda esse touro porque não conseguiremos trabalhar com ele solto no pasto!

O velho sentado na varanda da casa pacientemente respondeu ao Oficial, -Ué!! porque o senhor não mostrou a carteirinha para o boi? Vai resolver com ele, isso não é problema meu seu “dotô”!!

Fico aqui pensando nos tipos de pastores de hoje em dia, munidos de suas credenciais querem fazer a obra de Deus pensando que o diabo tem medo de carteirasso, Autoridade Espiritual se adquire com joelho no chão e propósito com Deus. Curso para ministro até tem suas utilidades, mas achar que ao concluir e se afiliar a determinadas organizações fará de alguém autoridade espiritual é perda de tempo(…) Vá mostrar carteira para o diabo pra ver se ele respeita!!! Quero ver respeitar. Nem boi respeita.

Eliseu Soares

Saudade

Saudade da minha infância
Quando aniversário era bolo, brigadeiro, todos os avós e os dois bisos.
Daquele tempo que eram as fadas e eu brincando na inocência
E de lembrança tinha muitos risos.

Mas tudo o que é bom dura pouco...
E quando se cresce até as coisas boas passam muito rápido.
Aí comento, trabalho, viajo na minha mente como um louco
Muitas vezes deixando sem querer alguém ferido.

E se saudade é a dor da ausência de algo bom,
quero deixá-lá no ambom,
Atear fogo para consumi-la e livrar-me de uma vez
Das coisas que me fazem remoer o bom que deixei por estupidez.

Bruna Romero

"Recordo-me das lembranças ingênuas da infância e adolescência e não há dúvidas, foram as fases mais marcantes. Crescer, amadurecer e ter outras responsabilidades não é abandonar o que foi bom para tomar uma caminhada com pesos e perturbações. Dê à sua vida o toque leve de ser simples, brincar, sorrir e ser feliz."

-Aline Lopes

Aline Lopes - Pensamentos (Aline Lopes)

Minha infância tem gosto de pirulito de 5 cores Bolo de fubá da minha vó pique esconde na escola cata vento no jardim gostinho gostoso da terra molhada da chuva pegando a gente no final da tarde eu e meus amigos dividindo um tabletinho de chocolate pés descalços embaixo da arvore da minha casa historias de fantasmas na casa dos primos.
Minha infância teve gostos de jujubas de balas 7 belo de pirulitos com chiclete dentro teve gostos de sonhos perfeitos que ainda me deixam com cheiro de saudade

Júh Britto

Na infância estamos submetidos a valores e crenças que não são necessariamente nossos. E, consequentemente tendemos levá-los com nossa formação de caráter.
Sua identidade...Você quem realmente a criou? Ou criaram-a para você?
Quantas coisas faziam sentido? Quantas hoje não fazem mais?
Quantos sonhos você alimentava? Quantos hoje alimentam você?
Será que não é hora de jogar fora o que não serve e resgatar o que é útil?
Ou você prefere continuar com uma ideia fútil?
Se você quer mudar, a hora é agora! Não deixe para depois!
E lembre-se: a sua história é você quem cria! Assim como os seus próprios limites.
Aonde você quer chegar?
QUESTIONE-SE!

30/10/2013

Sâmara Santana Câmara

A ALEGRIA

É esperança de fartança, é infância de criança, é
Fechadura de amargura, é espevitada energia, é
Facilidade pra felicidade, é liberdade de euforia, é
Folia de cosquinha, é guerra de travesseiro, é bola
De sorvete em casquinha, é beleza por natureza, é
Mesa cheinha de sobremesas, é tristeza bem presa,
É certeza de festa-surpresa, é luz de Jesus, é amor,
É ausência de dor, melancolia e apatia, é sintonia, é
Empatia, é astral de boa energia, é ter o que fazer, é
Aprender a se desculpar e perdoar, é sentir prazer, é
Achar um amor e merecer literalmente nele se perder!
Guria da Poesia Gaúcha

GuriaPoesia

Esses dias eu me percebi pensando na minha infância, meu primeiro amor. Nunca fui de me apaixonar, nunca liguei para isso, sempre preferi brincar e ver TV.
Mas um dia Paula entrou na minha vida. Éramos colega de igreja e de escola, nossa amizade era pura e inocente. Eu fazia poemas, escrevia historias de amor onde eu era o príncipe encantado salvando ela de um poderoso dragão, e depois dava um longo beijo apaixonado. Mas claro guardava tudo para mim em uma velha caixa aqui em casa.
Já se foi o tempo que o rapaz fazia lindas serenatas, escrevia poemas e passava dez vezes na frente da casa da pretendida, essa atitude era vista com bons olhos. Hoje em dia se um rapaz escreve poemas e faz serenata é taxado como veado, emo, retardado e outros adjetivos animalescos, se o menino passa duas vezes na frente da casa da menina o pai já chama a Rota porque é pervertido.
Eu gostava muito dela, ficar perto dela, sentir seu perfume tocar na sua mão, eu queria sempre fazer dupla com ela, em trabalho de grupo ela sempre era a primeira a ser escolhida, pode se dizer que ela era membro efetivo e definitivo do grupo, nos meus aniversários era a primeira pessoa a ser chamada. No aniversário dela eu ia mais cedo para ajudar e ficar mais tempo com ela, ela nem percebia minha intenção, continuava achando que era apenas uma amizade, que bobinha.
Então um dia fizemos uma viagem para a praia, na viagem ia minha família, a família dela, e mais uma família que era dona da chácara onde hospedamos. Eu estava decidido em me declarar para ela, mostrar meus poemas e minhas historias, até pensei em comprar um buque, mas desisti, afinal, só tinha 13 anos, e nunca fui de ter mesada, então resolvi ir com a cara e a coragem, mas sem flores.
Em uma manhã, na chácara, vi que Paula estava sentada em uma cadeira de frente para o mar, respirei fundo.
- Paula! Preciso te contar uma coisa muito importante... – Disse sentando na cadeira do lado.
- Oi, que bom que você apareceu, eu queria mesmo falar com você, tenho uma coisa para te contar, ai estou com vergonha, posso contar antes?
- Claro fique à vontade – Nesta hora pensei “ela sente o mesmo por mim, ela vai se declarar, vamos nos casar, viva, sou o cara mais feliz do mundo.
- Então... Sabe o seu primo? – disse ela enrolando o cabelo
- Sei... O que tem ele? – Perguntei já desconfiado
- Pois é, não sei como dizer, mas sou apaixonada por ele, desde a primeira vez que a gente se viu, sou doida por ele, amo ele demais, quero casar com ele, ter filhos...
- Ah que legal – Disse interrompendo e com a cara mais decepcionada que um garoto de 13 anos conseguia fazer
- E você o que queria me contar? – Disse ela ignorando minha cara.
- Ah nada, ia dizer que vi na televisão um dia que devemos passar protetor solar, porque o índice de câncer de pele aumentou – Disse disfarçando.
- Ah brigado pela informação seu fofo – Disse ela beijando minha bochecha – Você é “meu melhor amigo”!
Meus poemas de amor se tornaram poemas de tristeza e arrependimento, minhas historias românticas caíram nas graças do realismo, meu corcel se tornou uma mula manca e o poderoso dragão se tornou apenas um calango, e a minha princesa se tornou uma sapa.

Caio Geraldini Ferreira

SAUDADE
Sinto saudade da minha velha infância.Das manhãs de sábado que eu pulava a cerca daquele final de rua,que por fim dava acesso à aquele pasto verde onde eu corria descalço pra chegar até aquele pequeno riacho.Era o máximo,e assim eu passava a amanhã inteira debaixo daquelas sombras,escutando os pássaros cantarem e muitas vezes eu dormia numa areia branca há poucos metros da água...Já era tarde quando eu voltava,todo sujo eu voltava pra casa e muitas vezes nem me importava com as minhas pequenas gigantes preocupações,tipo a tarefa que ainda não tinha sido feita.Sinto saudade,saudade da minha época de escola onde eu me sentia tão bem quando sentia o cheiro da comida por volta das 9 da manhã...Saudade daquele medo que eu sentia toda semana quando minha mãe ia até a escola pra ouvir reclamações minhas,poxa quem não teve uma infância assim?...A minha alegria quando chegava o anoitecer era pegar minha bicicleta e andar pelo bairro junto com minha turma...Que saudade...Saudade das vezes que eu aprontei artes,artes que hoje me fazem rir,mas que na época eu tinha medo de ser preso...Bons tempos que não voltam mais.E assim tudo vai se tornando como minha infância,só os pensamentos bons vão restando,e assim a vida vai seguindo deixando pra trás apenas as minhas doces experiências que vivenciei, que no futuro vou vivenciar e que por fim ficará apenas assim,só em pensamentos...

Guilherme boldrin

Desde a minha infância apresentaram-me Alguém. Diziam-me que este Aguém tinha uma amor muito grande por mim, disseram que era maior do que o amor que os meus pais possuiam pela minha vida. Relataram-me que um dia Ele se entregou por mim, que Ele morreu em meu lugar para que eu fosse livre e tivesse vida. Contaram-me que esta Pessoa estava comigo em todo o tempo, que Ele conhecia o meu coração, que Ele via as minhas lágrimas e que Ele podia me ver em qualquer lugar, até mesmo nas profundezas do mar ou no mais alto monte.
Entretanto houve um dia em que já não era mais criança, meu grau de entendimento tinha aumentado e, então, pude compreender coisas que antes não entendia. A vida começou a fazer sentido e eu comecei a entender e conhecer aquele Alguém que tinham me apresentado. Conhcê-lo foi como tirar uma venda de meus olhos; como se eu não tivesse uma visão apurada. Eu apenas tinha escutado falar dEle, mas daquele dia em diante eu O conheci verdadeiramente. E eu O amei! Amei porque Ele me amou primeiro.

Isabela Vital

Perdi um brinquedo que me acompanhou em minha infância... Mas ganhei a lembrança do amor de quem me presenteou! Perdi meus privilégios e fantasias de menino... Mas ganhei a
oportunidade de crescer e viver livremente! Perdí muita gente que amei e que me amou e que ainda amo…
Mas ganhei o carinho e o exemplo de suas vidas!
Perdí momentos únicos da vida porque chorava em vez de sorrir…
Mas descobri que para colher amor tem que plantá-lo!
Perdi muitas vezes e muitas coisas em minha vida.

Porém junto a este “perder” hoje tento o valor de “ganhar”.
Porque sempre podemos lutar pelo que amamos e porque sempre há tempo para recomeçar! Não importa em que momento da vida cansastes.

Mais importante é que sempre é possível e necessário recomeçar. Recomeçar é dar-se uma nova chance, é renovar as esperanças na vida e, mais ainda, acreditar em ti mesmo! Sofrestes muito neste período?... Foi aprendizagem.

Chorastes muito?...
Foi limpeza da alma.
Odiastes?...
Foi para poder perdoar.
Sentistes solidão em alguns momentos? ...
Foi porque fechastes a porta.
Pensastes que tudo estava perdido?...
Foi simplesmente o início de tua melhora.
Sentes solidão?...
Se olhares ao redor verás muita gente esperando teu sorriso para aproximar-se mais de ti!

RECOMEÇAR.

Hoje é um excelente dia para iniciar um novo projeto de vida.
Onde queres chegar?
Olha para o alto, sonha alto, deseja o melhor, anseia o bem e o bom, pois a vida nos traz o que desejamos!
Pensando pequeno; o pequeno virá.
Se pensamos firmemente o melhor, o positivo e lutamos por alcança-lo; o melhor virá para nossa vida!
Hoje é o dia da grande limpeza mental.

Tira tudo que te prende ao passado e que te machuca.
Joga fora toda a impureza, limpa teu coração, prepara-te para uma nova vida, e para um novo amor se estás só; nós somos apaixonados, somos capazes de amar muitas vezes, porque somos a manifestação do amor! A vida te chama, te convidando para uma nova aventura, outra viagem, um novo desafio.

Desconheço o autor...

Mario Quintana

Desde a infância
conheceu a dor e a solidão:
a perda de seus pais.

As primeiras produções literárias
no âmbito de um colégio militar
trabalhando para editoras
e na farmácia de seu pai.

Sem casamento, sem filhos
solitário
vivendo em hotéis.

Poeta das coisas simples
dono de uma bela ironia
com profundidade e perfeição técnica
apresenta poemas e frases brilhantes.

Jornalista em quase toda sua vida
tradutor de diversos clássicos de literatura universal
faz sucesso já no primeiro livro.

Das suas poesias os prêmios
as participações em antologias
e em diversos livros escolares
mas em vão tenta entrar na academia.

Saudado pelos poetas,
critica a política na academia
rapidamente os ponteiros passam
então dorme com sapatos.

Danielli Rodrigues

Contos de fadas - Versão Atualizada - Coisas que aprendi na infância...

Os pais passam a vida inteira ensinando os filhos a serem pessoas melhores, afinal são responsáveis por sua formação.
Ao longo de nossa infância aprendemos nos contos de fadas que a princesa sempre encontra um príncipe, e que através de um beijo um mero sapo se transforma em um. Aprendemos que no final de cada arco íris tem um pote de ouro.
As moças tem que ser magras e lindas como a Barbie, e almejar um namorado como o Ken.
Aprendemos que existe bem e que existe mal, porém o bem sempre vence. Aprendemos que o papai Noel leva presentes para crianças obedientes, e que se deixarmos ninhos embaixo de nossas camas o coelho da páscoa passará e levará um delicioso ovo de chocolate.
Aprendemos que devemos respeitar os mais velhos, afinal olha a carinha de inocente que os velhinhos tem.

Coisas que aprendi na vida real...

O príncipe não vem em um cavalo branco, e nem sempre os bandidos terão cara de bandidos, afinal, existem bandidos de terno e rostinho de bebê.
Casamento nem sempre traz felicidade. Você pode se casar e ter que conviver com uma pessoa totalmente oposta de você. E que cresceu com princípios e valores diferentes dos seus.
Você vai conhecer o real significado de “Lua de Mel”, quando você ter a primeira noite de núpcias, quando seu companheiro aparentar parecer mais um “Shrek” do que um príncipe.
Se você é mulher, passará a vida lutando contra seus atributos físicos reais, incluindo progressivas nos cabelos e luta constante com a balança.
Aprendemos depois que existe a Barbie divorciada, que já vem com o carro do Ken, a casa do Ken e a pensão do Ken.
Aprendemos que as comemorações de Natal e fim de ano são hipócritas, e que nem sempre quem te dá um abraço na virada do ano realmente gosta de você.
Percebemos que coelhos não botam ovos, muito menos de chocolate.
E por final, aprendemos que “Os canalhas envelhecem”.

Vanessa

Em uma bagunça está minha vida


Lembro-me de minha infância
Naquele tempo em que tudo era simples
Não havia problemas, e hoje...
Em uma “bagunça” está minha vida.

Nos tempos de criança
Onde a “fantasia” reinava
Não havia espaço para problemas, e hoje...
Em uma “bagunça” está minha vida.

Até “alguns dias atrás” era uma criança
E agora essa criança cresceu
Com a maturidade veio os problemas, e hoje...
Em uma “bagunça” está minha vida.

Não sou mais criança e nem sou uma mulher
Sinto-me perdida e confusa
Não queria, mas tenho que dizer
Em uma “bagunça” está minha vida.

Ah! Se eu pudesse parar o tempo
Talvez conseguisse encontrar-me, por que...
Em uma “bagunça” está minha vida.

Jhennifer Karoline May

Os Pais Não Morrem

Transpassam os tempos
não só da infância.
Na mocidade, velhice
os pais não ficam
nem na lembrança.

Não são esquecidos,
não há saudade.
Os pais vivem,
em corpo ou não,
na eternidade.

Os filhos , pelo tempo, limitados
os pais não o são.
Os pais são eternos,
eternos, na de outro ser,
limitação.

Os filhos , reféns do tempo, parados
são “as crianças”.
Se agora adultos,
por hora ficam
pros pais, na infância.

O amor dos filhos,
de ser eterno, incapaz.
Perenes ficam
se um dia os filhos,
virarem pais.

Os pais só morrem
caso vá os filhos, esses, sem fruto.
E se os filhos morrem,
deixando filhos , não há um fim
os pais, eternos, desfaz-se o luto.

Lucian Rodrigues Cardoso

Hoje vivo como vivia na minha infância
Feliz sem preocupação alguma
Não queria que fosse assim
Mas talvez se não fosse desse modo
Eu não veria que eu posso viver
Da forma que eu sonho e desejo

Tenho uma única ambição
A de ser feliz por completo
Hoje posso dizer que estou a caminho
De meu objetivo
Posso estar sempre de bolsos vazios
Mas nunca deixei de fazer algo por isso
Posso sempre estar a procura de algo novo
Às vezes o algo novo eu encontro
Mas ele não me encontra

Não me desespero
Sei que tudo há seu tempo
E nem que for semana que vem, mês que vem, final do ano
Eu sei que algo de novo me acontecerá
Sei que eu serei encontrado
Não sou escravo desse desejo
E sim o desejo em meu escravo

Eu faço de cada dia um novo começo
Ou um novo recomeço,
Sei que paciência é a única virtude, que devo levar comigo onde eu for
Sei que as grandes descobertas foram feitas
Por homens cansados que persistiram

A vida só faz feliz quem a vive feliz
Seguindo em frente eu vou a procura de felicidade
Para que a vida possa me fazer feliz.
Sou alguém que não deseja muito
Sou alguém que quer apenas ter o suficiente
Cheguei a essa conclusão simplesmente por não ter.

Valorizo como um tesouro de um rei
Aquilo que poucos tem
Por isso aqueles que me rodeiam se sentem como um jóia real
Anjos também me rodeiam
E como os outros eles se sentem como uma jóia
Mas dessa vez como um jóia angelical

Johny Garcia

Lembramças de infancia de um novo amor.

Não há mais problemas,nesta noite chuvosa e silenciosa.
Eu fecho meus olhos,e penso no caminho que peguei dessa época, que roubou o melhor de mim.

Um ano novinho em folha,esta chegando ao seu fim .Eu me recordo de ver a minha mãe na cozinha,o meu pai no chão assistindo televisão.Éra uma vida maravilhosa.Velas de
canela queimando,sorriso embaixo de cada nariz e acima de cada queixo.Desperdicei meus desejos,nestass noites de sábado...Nossa, o que eu faria por apenas mais um sonho assim.

Família toda reunida,presentes empilhados,geada em todas as janelas,que noite maravilhosa.Eu amoleci meu coração,choquei o mundo.
Você ouve a minha voz?
Você sabe o meu nome?
Estou tão feliz.

Tão feliz que acharam,que o amor estava ao meu redor.Tiro a poeira antes de eu voltar pra dentro, e sigo feliz com meu novo amor.

Aleques Dalenogare Ferraz

JABUTICABAS

Pomar de minha infância:
Laranjeiras, bananeiras, abacateiro,
Mangueiras, goiabeiras, uvas docinhas.
Um cajueiro e o pessegueiro em flor.

Mas o que eu mais curtia era a jabuticabeira.
Quando florida, prenuncio de doçura no ar,
Enchia de doce expectativa, meu paladar.
Como era bom chupar jabuticabas no pé!

O sabor só pode ser comparado
A esta doce e suave lembrança.
É na jabuticabeira de minha infância,
Que reencontro os meus sonhos...
- Saudade! -

Verluci Almeida

Uma época da minha infância dizia que queria ser veterinária, depois de um tempo sonhava em ser a garota do tempo
Agora cá estou eu querendo ser mais alguma coisa que não sou. Ah, hoje em dia não sou nem veterinária e nem a garota do tempo.
Quem eu sou? Talvez eu porderia responder-lhe essa essa pergunta, mas não acho bom falar sobre mim.
Poderemos falar sobre o tempo, que tal?

Isabela Vieira

Infancia Feliz

Às vezes proponho-me a mim mesmo, no meio de longas conversas de angustia e depressão que eu tenho com a minha consciência, escrever textos que tenham o brilho de um sorriso, que tenham o calor de um abraço! Aquele texto que nos dê a sensação de uma festa que a nossa mãe nos dava quando nos magoávamos na
Brincadeira.

Acho que a inspiração teria de surgir do meu tempo de menino, quando corria atrás de bichos-de-conta, e fazia estradas para as formigas, tive a oportunidade de passar a minha infância numa vivenda, mesmo que nos arredores da grande metrópole, Lisboa, mesmo assim tinha acesso àqueles momentos lindos que me marcaram na infância e nunca os vou apagar da memória, como o cheiro a terra, o cheira da erva molhada quando chovia as ameixeiras em flor! E as brincadeiras que daí advinham como roubar figos, brincar à agricultura, subir arvores.

Agora que penso, lembro-me de tantas brincadeiras que eram feitas na companhia da solidão, acho que devo ao facto de ser filho único a minha criatividade, aprender a brincar sozinho, fazer o bom e o mau, jogar para uma equipa vencer e outra perder, isso molda a personalidade de uma pessoa, cria sonhos, cria carências!

Mas é no tempo de menino, que mais sonhamos que mais ingênuos somos, que mais nos rimos, rimos de bem-estar, de um abraço dos pais, de um arroz-doce da avó, dos desenhos animados! Aqueles que todos acordavam bem cedo para i-los ver, quem não se lembra de ficar à espera que a televisão começasse a emitir para ver os desenhos animados, com aquele fundo preto com umas listas coloridas à frente? Depois tocava a musica da que todos sabíamos de cor, e começava uma autentica maratona de boa disposição e grandes lições para a vida! Ao falar de séries televisivas e da minha meninice, lembro-me da rua sésamo, o tanto que eu tenho a agradecer ao conde de contar, de longe o meu preferido, e as musicas como a: eu gosto de sopa...

Ter sido uma criança foi uma das melhores coisas que me aconteceu na vida.

Assim pinto um quadro com cheiro a caramelo, e tons de um amarelo forte, igual ao sol que brilha lá fora, no pátio onde eu fui astronauta e mosqueteiro do rei, onde tudo era possível, e o bem vencia sempre.

Lucas Roschel Rodrigues

Minha Infância
Minha infância foi bastante agitada ate bagunçada,
Minha vida foi cheia de brincadeira e de aventura,
Ate mesmo apanhei e amei por todo a minha vida,
Sem reclama eu agüentei tudo aquilo que eu passei.

Nem mil palavras vai pode fala o que eu passei,
Nem mil gestos vão fala o que eu senti,
Nem mil opiniões vão pode me afasta do que eu sei,
Mais uma coisa posso ate disse,
Que neste mundo nasci para amar
E ser amado.
E ater compreende as coisas da vida,
Só que a vida não compreende minhas coisas.
Nasci, cresci, e ate evolui nesta vida,
Só que nada muda o que passei e o que vivi.

Minha infância foi legal ate chata,
Mais, contudo eu queria
Era revive ela, mas uma vez,
Só para senti a felicidade
De não ter preocupações,
E não ter culpa de o mundo esta uma ruína.
Minha infância ser foi, mas uma coisa eu aprendi com ela,
Que nós temos que viver cada segundo,
Como ser fosse o ultimo da minha vida,
E ate dos meus olhos.

Felipe Santana