Textos sobre Animais

Cerca de 182 textos sobre Animais

A cada dia os animais aprendem mais a conviver com uma espécie diferente.
Paralelo a isso, seres humano insistem em se acharem melhor que um semelhante.
Se baseiam em sentimentos de superioridades, fruto de uma mente irracional.
Quem não consegue ver um irmão diferente, como um igual...
Na sua próxima vinda a essa dimensão que nasça animal.
Quem sabe usando seus instintos saberá usar seu coração.
Aprendendo a viver próximo de todos, em paz e união.
Aprenderá a não desperdiçar sua maravilhosa mente.
Vivendo e agindo de maneira tão inconsciente"

Raquel Free

As Lendas da Criação - Conto IV

Animais de Sabedoria

Conta-se em uma lenda que no início das eras quando os animais podiam falar e possuíam dons fantásticos, o homem na sua ignorância tentava os imitar, mas sempre fazia tudo errado do que eles ensinavam. Até que um dia os animais vendo que seus esforços eram inúteis, decidiram parar de falar e agir como seres evoluídos, mas antes disso concederam ao homem um pedido que seria realizado.
O homem pediu ao lobo: Quero poder ouvir e sentir o medo nas outras criaturas. E assim foi feito.
Pediu a onça: Quero ter agilidade e rapidez. E assim foi feito.
Pediu a águia: Quero poder ver tudo o que eu preciso ver. E assim ele passou a ver o que precisava.
E por fim achando que não ia precisar de mais nada, pediu à serpente: Quero saber os mistérios da terra. E então ele soube.
Soube tanto, que passou a pegar e pegar tudo o que ela tinha.
A coruja triste ficou, pois o homem pediu tudo menos algo que ela tinha, que era sabedoria, e assim aconteceu.
O homem pôde ouvir mais, sentir a fragilidade uns nos outros, a ser rápido, a ver apenas aquilo que precisa e a manipular a vida no seu mundo. Sem sabedoria, sem escrúpulos, sem ver o essencial, correndo, e correndo, passando por cima dos outros e a frente dos outros, sem ética e amor. Conheceu a terra como a palma da sua mão e com este conhecimento tira dela até aquilo que ela não os deu. Os animais silenciaram-se, mas o mundo não. Até o dia que ele se cansou e acordou.
Olhou para tudo a sua volta e para dentro de si e decidiu pegar de volta tudo aquilo que ela deu e o que tiraram. Mas diferente dos animais, sua voz pode ser ouvida de outra forma. Através do fim, porém não silencioso.
Não se sabe ao certo se esta história realmente aconteceu, o que se sabe, é que neste presente, estamos sofrendo o efeito disso. Cabe a você refletir a respeito. E olhar a sua volta com mais atenção, talvez não só os animais, mas toda a vida neste mundo ajuda a aprender algo. Percebemos que no reino animal todos são apenas um, uma cadeia de vidas que se completam. Tudo esta em harmonia o que não esta, é nossa culpa.

Wesley Diniz

Um homem estava sentado sozinho, assolado pela tristeza.
E todos os animais chegaram perto dele e perto dele e disseram:
- Não gostamos de vê-lo tão triste. Peça o que quiser e você terá.
O homem disse:
- Quero ter uma boa visão
O falcão respondeu:
- Você terá a minha
O homem disse:
- Quero ser forte
O Jaguar disse:
- Serás forte como eu
Então o homem disse:
- Há muito tempo que quero saber todos os segredos da terra.

A serpente então, disse:
- Eu os revelarei a você.

E foi assim com todos os outros animais. E quando o homem recebeu todos os dons que os animais podiam dar, ele foi embora.
Então a coruja disse para os outros animais:
- Agora o homem sabe muito, e pode fazer muitas coisas, ele não precisa mais de nós. De repente fiquei com medo.

O cervo disse:
- O homem já tem tudo o que precisa. Agora sua tristeza acabará.
Mas a coruja lhe respondeu:
- Não! Eu vi um vazio no homem, profundo como a fome que ele nunca saciará. É isso que o faz triste e sempre o faz querer mais. Ele continuará tomando, até que o mundo diga:
- Chega! Eu não existo mais, e não sobrou nada para lhe dar.

Wender Ataídes

As Lendas da Criação - Conto IV

Animais de Sabedoria

Conta-se em uma lenda que no início das eras quando os animais podiam falar e possuíam dons fantásticos, o homem na sua ignorância tentava os imitar, mas sempre faziam tudo errado do que eles ensinavam. Até que um dia os animais vendo que seus esforços eram inúteis decidiram parar de falar e agir como seres evoluídos, mas antes disso concedeu ao homem um pedido que seria realizado.
O homem pediu ao lobo: Quero poder ouvir e sentir o medo nas outras criaturas. E assim foi feito.
Pediu a onça: Quero ter agilidade e rapidez. E assim foi feito.
Pediu a águia: Quero poder ver tudo o que eu preciso ver. E assim ele passou a ver o que precisava.
E por fim achando que não ia precisar de mais nada, pediu a serpente: Quero saber os mistérios da terra. E então ele soube.
Soube tanto, que passou a pegar e pegar tudo o que ela tinha.
A coruja triste ficou, pois pediram tudo menos algo que ela tinha, que era sabedoria e assim aconteceu.
O homem pode ouvir mais, sentir a fragilidade uns nos outros, a ser rápido, a ver apenas aquilo que precisa e a manipular a vida no seu mundo. Sem sabedoria, sem escrúpulos, sem ver o essencial, correndo, e correndo, passando por cima dos outros e afrente dos outros, sem ética e amor. Conheceu a terra como a palma da sua mão e com este conhecimento tira dela até aquilo que ela não os deu. Os animais silenciaram-se, mas o mundo não. Até o dia que ela se cansou e acordou.
Olhou para tudo a sua volta e para dentro de si e decidiu pegar de volta tudo aquilo que ela deu e o que tiraram. Mas diferente dos animais, sua voz pode ser ouvida de outra forma. Através do fim, porém não silencioso.
Não se sabe ao certo se esta história realmente aconteceu, o que se sabe, é que neste presente, estamos sofrendo o efeito disso. Cabe a você refletir a respeito. E olhar a sua volta com mais atenção, talvez não só os animais, mas toda a vida neste mundo ajuda a aprender algo. Percebemos que no reino animal todos são apenas um, uma cadeia de vidas que se completam. Tudo esta harmonia e o que não esta, é culpa de nós.

Wesley Diniz

Para satisfazer o estomago, o ser humano mata os animais e destrói o planeta.
Este é o preço do apetite da grande maioria.
Dor, angustia, sofrimento e morte dos animais.
Não precisa ser mais assim.
Hoje existem outras opções.
Você pode mudar se quiser e digo que sim é possível mudar!
Reflita... mude seus conceitos e condicionamentos...
Liberte-se!
Nos ajude a preservar o planeta e salvar os animais.
Este é o meu pedido.
Por um despertar da consciência.

Rama Pashupati

"A vida dos animais e de toda a natureza
não pode ser destruida pelos humanos.

Como podemos ignorar e destruir
tamanha beleza e perfeição?

Não temos o direito de matar,
seja para a nossa alimentação, vestimenta,
dinheiro, poder ou lazer.

Destruindo a Natureza
estamos automaticamente nos destruindo.

Somos filhos da Natureza e nossos irmãos
são todos os seres que aqui dividem esta vida.

Lagrimas caem dos céus a cada ato insano
dos humanos que a cada dia vendem
a sua alma atrás do sucesso.

Por um despertar da consciência de cada um.

Por uma forma de viver mais digna e correta.

Mesmo estando aqui só de passagem,
temos por obrigação fazer o bem.

Rama Pashupati

A beleza e a plenitude dos animais é destruida
pelo ser humano quando aprisionados.

Somos culpados pela extinção de várias espécies
por mero capricho.

Lazer, Prazer, Comer, Vestir?

O que nos diferêcia das outras espécies?
Somos racionais? Será?

Temos opções... não precisa ser assim.

Os animais não foram feitos para nos servir.

Deixemos a natureza em paz e os animais livres
para serem eles mesmos.

Pare e pense...
Reflita um pouco sobre o que já fizemos com a natureza e o que esta por vir se não mudarmos nossos hábitos e valores.

Mais amor e compaixão por favor...
Eles merecem!"

Rama Pashupati

Deveríamos ter amor, respeito, carinho e cuidado
com todos os animais, não somente com cães e gatos.

Desde crianças sempre tivemos este amor
com todos os bichinhos.

Se vissemos alguém maltratar ou matar
uma vaquinha, um porquinho ou seja qual fosse o animal,
nós choraríamos... gritaríamos...
e provavelmente, entraríamos na frente do agressor
para defender o pobre bichinho.

O que aconteceu com este amor pelos animais?

Permita-se pensar diferente
e se reconecte com a natureza.

Rama Pashupati

Amiga anaconda

Encantei-me por uma anaconda
Acabei por adotá-la
Alimentei-a com animais inofensivos
Vivos.
Com o tempo fui me aproximado
Toquei-a, escamosa e fria,
Grande, aconchegante,
Era tudo que eu queria.
Começamos as nos enroscar
Eram toques suaves sem malícias.
Nesses anos de convivência
Encontrávamos sempre a luz do dia.
Numa noite fria ela veio até a mim
Como o remanso de um rio arrefecido
Lento e vagaroso
Esfregando sua textura
Como um gato preguiçoso.
Deixei-a enrolar em meu corpo,
Que de mansinho sentia a suas carícias.
Fui sentindo-a bem devagar
E encontrei-me em ardilosa companhia.
Seu abraço estava ficando cada vez mais apertado
Meus pelos ficaram eriçados
Os ossos com uma sensação desagradável.
Ei! Amiga anaconda! Gritei!
Foi um lapso, não te alimentei.
E ela não perdoou
O meu engano involuntário
Pela falta de comida.

Maria da Penha Boina

O que separa o Homem dos animais inferiores é o desejo de desvelar e o zelo pelo intelecto, ora, partindo disso, os 'homens' que vivem apenas pela satisfação de seus vícios e para comer e procriar mão merecem o título de Homens, por mais miseráveis que a vida tenha sido com eles, estes são cabeças de gado, servem para produzir alimentos para outros da mesma espécie ou para os Homens.
Como todo integrante do gado precisa de pastores, esses são facilmente encontrados nos templos e nos palácios dos nobres(bois de maiores chifres).
Vejamos assim um fenômeno não tão estranho, vemos bois guiando bois

Lord Vincus

"Os animais são seres mágicos!
Os humanos devem ter inveja de tais criaturas por serem selvagens, plenos, felizes e iluminados.
Essa deve ser a justificativa de tamanha crueldade com eles.
Abençoado sejam os animais e todas as pessoas que de alguma forma lutam pela causa... pela salvação não só deles..mas pela nossa própria espécie."

Rama

Por favor, parem de matar os animais!
Hoje em dia suplicar compaixão para com estes seres é um absurdo para a maioria dos humanos.
Como podemos querer paz, igualdade e mais amor entre nós se não somos capazes de ter sentimentos por estes seres que nada fazem contra nós?
Sim, eles sofrem, sentem medo e dor...
Eles não querem morrer!
Os animais nasceram para serem livres.
Desperte deste condicionamento mental que foi imposto pelo sistema.
Por favor desperte agora e nos ajude a lutar em defesa dos animais.

Rama

vamos fazer valer a capacidade racional que nos diferencia dos outros animais.

- Caramba, que frase legal, posso colocar no meu orkut? De quem é?
- Ah, claro. É Maquiavel, de O Príncipe, você deve ter lido no ensino médio.
- Hum… Não li, não.
- Nossa! Mas já ouviu falar, certo?
- Ah, talvez. Bem, certa vez a professora passou uma pesquisa sobre esse autor aí, ah… sei lá, acho que era ele, não lembro direito. Estava sem tempo pra pesquisar, acabei jogando no google. Sabe como é, né?!
- Sei. Você devia estar ocupado com coisas mais importantes, suponho.
- Na verdade, não. Nunca gostei de ler, sabe? Acho perda de tempo, livros muito volumosos, histórias longas demais, acabo ficando sem paciência.
- É uma pena ouvir alguém dizer isso. Sinceramente.
- Ah, besteira, não pense que sou burro. Acho super legal essas frases de impacto. Como é o nome daquele autor que parece um espirro?
- Que parece um espirro?!?
- Sim… aquele – Niétize, Niétix. Como fala, hein?
- Ah, você tá falando de Nietzsche. Friedrich Nietzsche. Pronuncia-se Níti.
- Isso, garoto. As frases dele são geniais. Nunca li nada sobre ele, mas vez em quando vejo umas citações fodásticas dele por aí. Me amarro!



Bem... não sei se as pessoas é que são ingênuas demais, por não pensarem
no seu “desenvolvimento mental”, ou se elas não receberam, desde pequenas, os estímulos e incentivos necessários para desenvolver tal hábito.

Espero que o prazer de ler um bom livro nunca seja substituído pelas novidades tecnológicas, e que aqueles que ainda não tenham desenvolvido o hábito da leitura consigam, algum dia, despertar para a importância dela. É isso, vamos fazer valer a capacidade racional que nos diferencia dos outros animais.

Clarinha_mel revolução

OS ANIMAIS E A PESTE

Em certo ano terrível de peste entre os animais, o leão, mais apreensivo, consultou um macaco de barbas brancas.
- Esta peste é um castigo do céu – respondeu o macaco – e o remédio é aplacarmos a cólera divina sacrificando aos deuses um de nós.
- Qual? – perguntou o leão.
- O mais carregado de crimes.
O leão fechou os olhos, concentrou-se e, depois duma pausa, disse aos súditos reunidos em redor:
- Amigos! É fora de dúvida que quem deve sacrificar-se sou eu. Cometi grandes crimes, matei centenas de veados, devorei inúmeras ovelhas e até vários pastores. Ofereço-me, pois, para o sacrifício necessário ao bem comum.
A raposa adiantou-se e disse:
- Acho conveniente ouvir a confissão das outras feras. Porque, para mim, nada do que Vossa Majestade alegou constitui crime. São coisas que até que honram o nosso virtuosíssimo rei Leão.
Grandes aplausos abafaram as últimas palavras da bajuladora e o leão foi posto de lado como impróprio para o sacrifício.
Apresentou-se em seguida o tigre e repete-se a cena. Acusa-se de mil crimes, mas a raposa mostra que também ele era um anjo de inocência.
E o mesmo aconteceu com todas as outras feras.
Nisto chega a vez do burro. Adianta-se o pobre animal e diz:
- A consciência só me acusa de haver comido uma folha de couve da horta do senhor vigário.
Os animais entreolharam-se. Era muito sério aquilo. A raposa toma a palavra:
- Eis amigos, o grande criminoso! Tão horrível o que ele nos conta, que é inútil prosseguirmos na investigação. A vítima a sacrificar-se aos deuses não pode ser outra porque não pode haver crime maior do que furtar a sacratíssima couve do senhor vigário.
Toda a bicharada concordou e o triste burro foi unanimamente eleito para o sacrifício.

Moral da Estória:
Aos poderosos, tudo se desculpa…
Aos miseráveis, nada se perdoa.

Monteiro Lobato, in Fábulas

O que em geral se consegue com o castigo, em homens e animais, é o acréscimo do medo, a intensificação, o controle dos desejos: assim o castigo doma o
homem, mas não o torna ‘melhor’ – com maior razão se afirmaria o contrário. (‘O prejuízo torna prudente’, diz o povo: tornando prudente, torna também ruim. Mas felizmente torna muitas vezes tolo.)

(NIETZSCHE. 2005. p. 72. Afor 15).

Jesus nasceu numa manjedoura, entre os animais.
Com 2 anos de idade, Ele devia estar brincando, correndo atráz de borboletas, de passarinhos, mas, NÂO. Embora tão novo, já perseguido de morte por um rei tão violento, o rei Herodes, teve sempre ousadia de lutar.
Logo teve de fugir com seus pais para o Egito.
Quando adolescente, teve de trabalhar cedo para sobreviver. Carpinteiro de profissão, tinha de suportar sobre os seus ombros, pesadas toras e lapidá las pacientemente juntamente com seu pai José.
O sol escaldante desidratava sua pele, foi um jovem sem previlégios sociais.
Pelas dificuldades de vida e pelos estímulos stressantes que atravessou, era de se esperar que desenvolvesse uma personalidade ansiosa, irritada, intolerante. Se Ele vivesse nos dias atuais, seria um jovem depressivo e quem sabe com forte tendência a ser usuário de substâncias quimicas.
Mas NÂO, quando Jesus abria sua boca ao mundo, NUNCA se viu alguém tão dócil e sereno. A paciência e a tolerância teciam a colcha de retalhos da sua inteligência.
Pelo trabalho pesado e pelas perseguições sofridas era de se esperar que sua sensibilidade fosse pobre, mas, a arte de observação lhe saciava a alma. Enquanto lapidava as toras de madeira, analisava a personalidade das pessoas.
Enquanto penetrava no cerne dos troncos, vasculhava os porões das emoções humana, compreendia seus conflitos e contradições.
O carpinteiro de Nazaré se preparou sem que ninguém percebesse para ser escultor da personalidade humana.O artesão da nossa inteligência. O mestre dos mestres NUNCa se sentou nos bancos de uma escola, mas, foi um excelente aprendiz na escola da vida.
Quem sabe tão pequeno e frágil, as pessoas olhavam pra ele e não davam valor. Mas, ELE tinha sonhos, sonhos que o mundo todo um dia iria ver e conhecer.
Ele NUNCa deu ouvidos ao negativismo, mas resistiu firme a qualquer tentação que pudesse atrapalhar seus projetos e SONHOS.
O que você quer dizer com isso Edna?
Para sonhar basta ser um viajante no mundo das idéias e percorrer as avenidas do seu ser. O mundo dos sonhos sempre perteceu aos viajantes.
Com toda a tecnologia que temos hoje, as pessoas não gastam mais tempo pensando, criando, é muito mais fácil ir a frente do computador e pedir a juda ao "tio Google", é muito mais fácil se acomodar a nossa vida monótona, sem grandes voos, do que tentar sonhar e alcançar esses sonhos. Dizemos que amamos a Deus mas, não seguimos seus passos. Ele o maior sonhador que investiu tudo por um sonho que, foi acreditar no ser humano, o qual o ser humano pode ter todos os problemas possíveis e decepcionar o seu semelhante. Se Ele ficasse fazendo hipoteses, será que você e eu estariamos aqui? Não foi uma, duas vezes, que Ele tentou construir o ser humano, creio que foram várias tentativas, mas, não desistiu.
Nunca desista de você, embora todas as evidÊncias levem a crer que está dificil, que será complicado e pode até ser impossível, mas, pra Deus tudo é possível e com Ele no comando, você pode tudo. Porisso: tente outra vez. O ser humano não deixa de existir quando morre mas quando deixa de sonhar

Personalidade de Cristo

O fim do dilúvio – Parte 1 (Gênesis 8)

“1 Deus lembrou-se de Noé, de todos os animais e de todo o gado, que estavam com ele na arca; e Deus fez passar um vento sobre a terra, e as águas começaram a diminuir.
2 Cerraram-se as fontes do abismo e as janelas do céu, e a chuva do céu se deteve;
3 as águas se foram retirando de sobre a terra; no fim de cento e cinqüenta dias começaram a minguar.
4 No sétimo mês, no dia dezessete do mês, repousou a arca sobre os montes de Arará.
5 E as águas foram minguando até o décimo mês; no décimo mês, no primeiro dia do mês, apareceram os cumes dos montes.
6 Ao cabo de quarenta dias, abriu Noé a janela que havia feito na arca;
7 soltou um corvo que, saindo, ia e voltava até que as águas se secaram de sobre a terra.
8 Depois soltou uma pomba, para ver se as águas tinham minguado de sobre a face da terra;
9 mas a pomba não achou onde pousar a planta do pé, e voltou a ele para a arca; porque as águas ainda estavam sobre a face de toda a terra; e Noé, estendendo a mão, tomou-a e a recolheu consigo na arca.
10 Esperou ainda outros sete dias, e tornou a soltar a pomba fora da arca.
11 À tardinha a pomba voltou para ele, e eis no seu bico uma folha verde de oliveira; assim soube Noé que as águas tinham minguado de sobre a terra.
12 Então esperou ainda outros sete dias, e soltou a pomba; e esta não tornou mais a ele.
13 No ano seiscentos e um, no mês primeiro, no primeiro dia do mês, secaram-se as águas de sobre a terra. Então Noé tirou a cobertura da arca: e olhou, e eis que a face a terra estava enxuta.
14 No segundo mês, aos vinte e sete dias do mês, a terra estava seca.
15 Então falou Deus a Noé, dizendo:
16 Sai da arca, tu, e juntamente contigo tua mulher, teus filhos e as mulheres de teus filhos.
17 Todos os animais que estão contigo, de toda a carne, tanto aves como gado e todo réptil que se arrasta sobre a terra, traze-os para fora contigo; para que se reproduzam abundantemente na terra, frutifiquem e se multipliquem sobre a terra.
18 Então saiu Noé, e com ele seus filhos, sua mulher e as mulheres de seus filhos;
19 todo animal, todo réptil e toda ave, tudo o que se move sobre a terra, segundo as suas famílias, saiu da arca.
20 Edificou Noé um altar ao Senhor; e tomou de todo animal limpo e de toda ave limpa, e ofereceu holocaustos sobre o altar.
21 Sentiu o Senhor o suave cheiro e disse em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem; porque a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice; nem tornarei mais a ferir todo vivente, como acabo de fazer.
22 Enquanto a terra durar, não deixará de haver sementeira e ceifa, frio e calor, verão e inverno, dia e noite.”

Cinco meses exatos depois do início do dilúvio, a arca pousou sobre o monte Arará, onde fica atualmente a Armênia, no dia 17 do sétimo mês.
Foi somente 40 dias após o primeiro dia do décimo mês, que Noé soltou um corvo, por algum tempo, para verificar se havia terra seca na base e ao redor do monte Arará.
Depois soltou uma pomba por alguns dias, e num determinado dia, depois de ter esperado sete dias, soltou a pomba e ela retornou com um ramo de oliveira no bico.
Noé ainda esperou outros sete dias e soltou a pomba, e ela não mais retornou.
E assim, somente no dia primeiro do primeiro ano do ano 601, que as águas secaram sobre a terra.
Mas foi somente no dia 27 do segundo mês, que a terra estava seca, e foi quando Deus ordenou a Noé para sair da arca, isto é, um ano e 10 dias depois, desde que havia começado o dilúvio no dia 17 do segundo mês do ano 600.
Que admirável prova de paciência e de fé na tribulação que nos foi deixado por Noé.
Apesar de todas as dificuldades, do longo tempo de prova e trabalhos sob circunstâncias difíceis dentro da arca com todos aqueles animais, Noé não foi desapontado em sua esperança de salvação divinamente prometida a ele.
O mesmo se dá com a esperança de salvação de todos os que andam obedientemente a Cristo.
Eles guardam os mandamentos de Cristo e com isto provam a si mesmos que O amam de fato e que estão unidos a Ele, e assim, têm a certeza de que não serão frustrados em sua esperança de salvação.
Quando Noé saiu da arca, ele edificou um altar ao Senhor, e como havia sete pares de animais limpos na arca, ele ofereceu de todo animal limpo e de toda ave limpa holocaustos em sacrifício sobre aquele altar.
Tendo o sacrifício agradado ao Senhor, Ele fez a promessa de não tornar a amaldiçoar a terra por causa do homem, por causa da imaginação do coração do homem que é continuamente má, e nem tornaria mais a ferir todo vivente, como tinha feito, pois enquanto durasse a terra, não deixaria de existir, sementeira e ceifa, frio e calor, verão e inverno, dia e noite.
Em primeiro lugar cabe destacar a importância que o sacrifício tem na revelação feita por Deus ao homem desde o princípio.
Ainda que fossem os sacrifícios de animais, uma figura do sacrifício de Jesus, estes foram usados abundantemente nos dias do Antigo Testamento, mesmo antes da lei de Moisés, como uma ilustração que sem o derramamento do sangue de Jesus não haveria qualquer remissão de pecadores, e nem estes poderiam jamais ser agradáveis a Deus.
O sacrifício cruento é central na reconciliação do pecador com Deus, para a sua aproximação e plena aceitação.
Sem esta justificação, purificação, remissão, substituição, expiação, que são exclusivamente mediante o sacrifício de Cristo, não haveria qualquer salvação e possibilidade de vida com Deus por parte dos pecadores.
Tão importante era o sacrifício, que mesmo em face da escassez de espécimes para garantir a continuidade da multiplicação de animais sobre a terra, Noé entendeu que deveria oferecer por fé, crendo que Deus era poderoso para preservar e multiplicar os animais que restassem, toda a sorte de animais limpos e de aves sobre o altar que construíra para apresentar os sacrifícios exigidos por Deus, para que os homens soubessem até que Cristo viesse, que necessitam do sacrifício expiatório e vicário, para que sejam aceitos por Deus.
E, o ter oferecido Noé somente animais limpos no altar, segundo o mandado de Deus, é muito instrutivo quanto ao fato de que a cobertura do pecado seria feita por alguém inteiramente santo, o que estava ilustrado na exigência da parte de Deus que fossem sacrificados somente aqueles animais que Ele havia designado como limpos, dentre aqueles que considerou imundos.
Quando prometeu que nunca mais destruiria o mundo pelas águas do dilúvio, Deus demonstrou que não havia se arrependido de ter criado o homem, bem como não havia se arrependido de ter destruído toda a carne debaixo do céu, e também não afirmou que removeria as maldições proferidas por ocasião do pecado original de Adão e Eva, mas que não acrescentaria nenhuma maldição adicional àquela maldição, em razão dos pecados dos contemporâneos de Noé que o levou a destruí-los com o dilúvio.
Ao fazer a promessa maravilhosa que temos no final do capítulo oitavo de preservar a raça humana, nós temos diante de nós, uma afirmação da misericórdia e bondade divina, que está alegando que proveria uma graça abundante de tal forma em Cristo, e agora sabemos isto, pelo progresso da revelação, que não viria jamais a exterminar a humanidade em sua totalidade.
A promessa de misericórdia feita a Noé em relação à humanidade pecadora foi marcada por Deus com um sinal visível (o arco-íris), conforme veremos no capítulo seguinte (9), como lembrança perpétua da aliança que ele fez com toda a humanidade através de Noé. Quão maravilhosa e profunda é a revelação do caráter bondoso e misericordioso do nosso Deus!
Ele quis mostrar que apesar de todos no mundo serem dignos da destruição imediata, por serem pecadores diante de um Deus inteiramente santo e justo, e como de fato são, pois o demonstrou de forma bem clara no dilúvio, no entanto, por ser também amor, misericórdia e longanimidade, partes essenciais do Seu caráter divino, Ele suporta os pecadores com infinita paciência, dando-lhes a oportunidade de se arrependerem; ainda que não possa desconsiderar o pecado, inocentar o culpado; em razão da Sua santidade e justiça.
Deus tem firmado a promessa de usar de misericórdia em relação aos pecadores, por saber que o pecado é algo ligado à natureza humana e que não pode ser destruído mediante juízos, e a não ser pelo derramar da graça nos corações que voluntariamente se consagram à sua atuação, regenerando o pecador, através do derramar do amor de Deus em seus corações pelo Espírito Santo.
A manifestação desta bondade, desta disponibilidade de graça salvadora, seria demonstrada ao despertar de cada manhã, trazendo a lembrança da promessa feita por Deus a Noé de que “enquanto a terra durar, não deixará de haver sementeira e ceifa, frio e calor, verão e inverno, dia e noite.”

Silvio Dutra

Neste capítulo 39º de Jó, Deus recorre à criação dos animais. Ele tenta convencer a Jó da sua completa ignorância de como foi que Ele deu uma inteligência, capacidade, instinto, formas e tantas outras coisas específicas a cada espécie de animal.
Nisto Ele exibe a Sua grande sabedoria de Criador e de governador de todos os seres em que há fôlego de vida.
O homem, apesar de ser distinto, de ter um espírito, também foi programado, planejado, e está restrito às características que Deus lhe deu. Ele não pode existir rejeitando o aparato físico, intelectual, emocional, espiritual, que fora criado pelo Senhor.
Como pode então o homem contender com Deus, tal como Jó fizera, apesar de tê-lo feito em grande aflição?
Se é de Deus que temos recebido tudo o que somos, como nos debateremos ou rejeitaremos as ações da Sua providência em relação a nós, seja para alívio, seja para aflição?
Por isso, compreendemos que não nos é lícito questionarmos qualquer um dos Seus atos, porque somos propriedade Sua, e Ele tem o direito de fazer o que quiser com o que Lhe pertence.
“20 Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?
21 Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para uso honroso e outro para uso desonroso?” (Rom 9.20, 21)
Ele é o oleiro e nós somos apenas o barro em Suas mãos.
“Não me é lícito fazer o que quero do que é meu? Ou é mau o teu olho porque eu sou bom?” (Mt 20.15)
O homem deve viver para o propósito para o qual fora criado, assim como os animais da terra vivem para o propósito respectivo, para o qual cada um deles foi criado, cumprindo fielmente suas funções.
O homem não foi criado para contender com Deus, mas para louvá-lo, adorá-lo, servi-lo, em amor e voluntariamente, em toda e qualquer situação.
Então, ainda que em grande aflição, Jó estava se desviando deste propósito e por isso estava sendo submetido a esta repreensão.



“1 Sabes tu o tempo do parto das cabras montesas, ou podes observar quando é que parem as corças?
2 Podes contar os meses que cumprem, ou sabes o tempo do seu parto?
3 Encurvam-se, dão à luz as suas crias, lançam de si a sua prole.
4 Seus filhos enrijam, crescem no campo livre; saem, e não tornam para elas:
5 Quem despediu livre o jumento montês, e quem soltou as prisões ao asno veloz,
6 ao qual dei o ermo por casa, e a terra salgada por morada?
7 Ele despreza o tumulto da cidade; não obedece os gritos do condutor.
8 O circuito das montanhas é o seu pasto, e anda buscando tudo o que está verde.
9 Quererá o boi selvagem servir-te? ou ficará junto à tua manjedoura?
10 Podes amarrar o boi selvagem ao arado com uma corda, ou esterroará ele após ti os vales?
11 Ou confiarás nele, por ser grande a sua força, ou deixarás a seu cargo o teu trabalho?
12 Fiarás dele que te torne o que semeaste e o recolha à tua eira?
13 Movem-se alegremente as asas da avestruz; mas é benigno o adorno da sua plumagem?
14 Pois ela deixa os seus ovos na terra, e os aquenta no pó,
15 e se esquece de que algum pé os pode pisar, ou de que a fera os pode calcar.
16 Endurece-se para com seus filhos, como se não fossem seus; embora se perca o seu trabalho, ela está sem temor;
17 porque Deus a privou de sabedoria, e não lhe repartiu entendimento.
18 Quando ela se levanta para correr, zomba do cavalo, e do cavaleiro.
19 Acaso deste força ao cavalo, ou revestiste de força o seu pescoço?
20 Fizeste-o pular como o gafanhoto? Terrível é o fogoso respirar das suas ventas.
21 Escarva no vale, e folga na sua força, e sai ao encontro dos armados.
22 Ri-se do temor, e não se espanta; e não torna atrás por causa da espada.
23 Sobre ele rangem a aljava, a lança cintilante e o dardo.
24 Tremendo e enfurecido devora a terra, e não se contém ao som da trombeta.
25 Toda vez que soa a trombeta, diz: Eia! E de longe cheira a guerra, e o trovão dos capitães e os gritos.
26 É pelo teu entendimento que se eleva o gavião, e estende as suas asas para o sul?
27 Ou se remonta a águia ao teu mandado, e põe no alto o seu ninho?
28 Mora nas penhas e ali tem a sua pousada, no cume das penhas, no lugar seguro.
29 Dali descobre a presa; seus olhos a avistam de longe.
30 Seus filhos chupam o sangue; e onde há mortos, ela aí está.” (Jó 39)

Silvio Dutra

Ensinamento do Amor

Às vezes invejo o jeito simples de viver dos animais, vivendo em harmonia, convivendo como iguais.

Sabedorias divinas com instinto e sentimento, olhando as aves que de plumagens idênticas, sempre voam juntas, cortando as nuvens e indo de encontro ao vento.

É um exemplo ensinado pela natureza, pena que não conseguimos copiar e tão pouco aprender com esta beleza.

Vejo que o homem se diz inteligente, o senhor e dominador. Mas não consegue compreender como é simples e o que os animais ensinam.

Através da Natureza, tudo que vejo é simplesmente, o ensinamento do amor.

Jean Carlos de Andrade

Nasceu em uma manjedoura, bem no ranchinho dos animais de ternura, um menininho lindo que emanava de seu olhar, amor, paz e alegria pura. Juntos ao seu lado estavam seus pais admirando o menino Deus com enorme fé,eram eles Maria e seu marido José.Guiados também por uma estrela que cortava o deserto refletindo magnífica Luz, Três Reis Magos á seguiam com Presentes de carinho, oferecidos ao menino chamado Jesus!!!
-Jean C. de Andrade-

Jean Carlos de Andrade