Textos Reflexivos para Professores

Cerca de 84 textos Reflexivos para Professores

Fui criado com princípios morais comuns:
Quando eu era pequeno, mães, pais, professores, avós, tios, vizinhos, eram autoridades dignas de respeito e consideração. Quanto mais próximos ou mais velhos, mais afeto. Inimaginável responder de forma mal educada aos mais velhos, professores ou autoridades… Confiávamos nos adultos porque todos eram pais, mães ou familiares das crianças da nossa rua, do bairro, ou da cidade… Tínhamos medo apenas do escuro, dos sapos, dos filmes de terror… Hoje me deu uma tristeza infinita por tudo aquilo que perdemos. Por tudo o que meus netos um dia enfrentarão.
Pelo medo no olhar das crianças, dos jovens, dos velhos e dos adultos. Direitos humanos para criminosos, deveres ilimitados para cidadãos honestos. Não levar vantagem em tudo significa ser idiota. Pagar dívidas em dia é ser tonto… Anistia para corruptos e sonegadores… O que aconteceu conosco? Professores maltratados nas salas de aula, comerciantes ameaçados por traficantes, grades em nossas janelas e portas. Que valores são esses? Automóveis que valem mais que abraços, filhas querendo uma cirurgia como presente por passar de ano. Celulares nas mochilas de crianças. O que vais querer em troca de um abraço? A diversão vale mais que um diploma. Uma tela gigante vale mais que uma boa conversa. Mais vale uma maquiagem que um sorvete. Mais vale parecer do que ser… Quando foi que tudo desapareceu ou se tornou ridículo?
Quero arrancar as grades da minha janela para poder tocar as flores! Quero me sentar na varanda e dormir com a porta aberta nas noites de verão! Quero a honestidade como motivo de orgulho. Quero a vergonha na cara e a solidariedade. Quero a retidão de caráter, a cara limpa e o olhar olho-no-olho. Quero a esperança, a alegria, a confiança! Quero calar a boca de quem diz: “temos que estar ao nível de…”, ao falar de uma pessoa. Abaixo o “TER”, viva o “SER”. E viva o retorno da verdadeira vida, simples como a chuva, limpa como um céu de primavera, leve como a brisa da manhã!
E definitivamente bela, como cada amanhecer. Quero ter de volta o meu mundo simples e comum. Onde existam amor, solidariedade e fraternidade como bases. Vamos voltar a ser “gente”. Construir um mundo melhor, mais justo, mais humano, onde as pessoas respeitem as pessoas. Utopia? Quem sabe?… Precisamos tentar… Quem sabe comecemos a caminhar transmitindo essa mensagem… Nossos filhos merecem e nossos netos certamente nos agradecerão!

Arnaldo Jabor

Os professores da minha escola

A professora de Matemática,
com suas contas complicadas,
falando em equações,
no Teorema de Pitágoras.

A professora de Português,
com seu modo indicativo,
falando em advérbios,
interjeições, substantivos.

A professora de Geografia,
com seus complexos regionais,
falando em sítios urbanos,
em pontos cardeais.

A professora de Ciências,
com seus ensinamentos ecológicos,
falando em evolução,
em estudos biológicos.

A professora de História,
com seus povos bizantinos,
falando na Idade Média,
no Imperador Constantino.

A professora de Inglês,
com seus don't, do e does,
falando em personal pronouns,
na diferença entre go e goes.

A professora de Artes,
com suas obras e seus artistas,
falando em artes ópticas,
em pintores surrealistas.

O professor de Educação Física,
com suas regras de voleibol,
falando sobre basquete,
em times de futebol.

Os professores da minha escola,
com suas matérias que às vezes não entendemos,
falando em todas as coisas,
que aos poucos vamos aprendendo.

Clarice Pacheco

Não faltam professores no Brasil.
O Brasil tem as melhores faculdades de educação, elas têm conceito bom perante os olhos do órgão que as avaliam. Transbordam especialistas. Se abrissem inscrições para ingresso de professores, em todo o território nacional, ao mesmo tempo, apareceria um milhão de mestres para serem contratados: mas e o salário? Ufa! Milhares de professores desistiriam das promessas centenárias de valorização da profissão e da carreira e virariam as costas para a política pública, iam preferir a privada.

Alunos não desistem de estudar, eles são empurrados para o lado de fora, porque ainda há escolas que não aprenderam a fazer um projeto pedagógico que implante o respeito às diferentes formas de aprender; não respeitam inteligências e caducaram a metodologia de “avaliar”. Confundiu-se currículo com cubículo, onde fazem uma fila desvairada à procura de um prato de sopa de letrinhas.

Não faltam livros, estão lá, impressos e distribuídos para quem quiser. Pior é que se os brasileirinhos e brasileirões quiserem ler um conto de José de Alencar, de Machado de Assis ou conhecer as poesias de Cecília Meirelles, de Augusto dos Anjos ou qualquer outro, vão ter que pesquisar nos brechós. É inegável que há escolas fazendo um belíssimo trabalho! Elas fazem, às próprias custas, o milagre da ressurreição do arquivo fantástico que esse Brasil possui.

As crianças não desistiram de brincar de roda, de jogar peteca, de pular amarelinha e nem rejeitam a história dos três porquinhos (tremenda aula de administração) do patinho feio (aula de socialização) ou da branca de neve (aula de tudo): elas precisam das histórias. A ficção educa tanto quanto a realidade. A criança passa a vida toda procurando o valor de x. Na verdade, o que ela quer mesmo é encontrar o valor dela, o valor da vida.

O Brasil não é um país pobre, é a 8ª economia do mundo. Dados indicam que o Brasil investe 4,3% do PIB em educação. E como ensinou D. João VI, o Brasil aplica 6,7 vezes mais no ensino superior do que em nível básico.
Segundo o Sing - Sistema Nacional de Informações Sobre o Gasto Social: Educação Infantil - 0,4%, Ensino Fundamental - 2,5%, Ensino Médio - 0,5% e Ensino Superior - 0,9%.

Avaliações internacionais de que o Brasil participa, como o PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), organizado pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), colocam o Brasil entre os últimos classificados em Leitura e Interpretação de Textos, Matemática e Ciências. Numa amostra de 57 países... O Brasil ficou em 53º lugar. Numa escala de zero a 6, a média obtida pelo País em 2009 equivale ao nível 2 em leitura, 1 em ciências e 1 em matemática.

Feliz Dia do professor! Não desista!

Ivone Boechat

"Aos velhos e jovens professores,aos mestres de todos os tempos que foram agraciados pelos céus por essa missão tão digna e feliz.Ser professor é um privilégio. Ser professor é semear em terreno sempre fértil e se encantar com a colheita. Ser professor é ser condutor de almas e de sonhos, é lapidar diamantes"

Gabriel Chalita

“Existem muitas coisas na vida que você acha que precisa como televisão, revistas, professores dizendo que você tem que ganhar dinheiro e ser bem-sucedido, mas se você tem algum tipo de esperança, algo em que se segurar, então tudo isso não vai mais importar. Se você consegue fazer com que seu próximo dia seja melhor do que o anterior, aí você vai ver que é o que realmente significa e não tudo aquilo que as pessoas acham que você precisa para sua vida.”

Billie Joe Armstrong

A palavra que expressa a admiração, respeito e carinho por meus professores é AGRADECIMENTO. Agradecer pela paciência, pela partilha de conhecimento, pelos ensinamentos para a vida, professor não somente ensina matérias, professor disciplina alunos, aconselha, gerencia atividades, planeja o futuro e principalmente é formador de opinião, professor nos faz pensar, refletir, colocar as ideias no lugar. O que seria de nós sem os professores que aliado aos pais nos formam personalidades do bem. Professores não são esquecidos, são lembrados com carinho e ternura, o saudosismo sempre é válido em se tratando de professores.
Quem não se lembra dos professores que marcaram a sua vida, daquela aula cuja matéria muito interessa, daquela bronca não bem recebida pela imaturidade, quem não se lembra dos jeitos particulares e únicos de cada um lecionar, quem não se lembra da rigidez cobrada para cumprimento do respeito mútuo.
Aos mestres uma luta diária, a motivação não monetária para exercer o profissionalismo da melhor forma.
Os professores nos apresentaram matérias que muito usaremos na vida e outras lições que não estavam incluídas nos livros.
Sou grata e honrada pelos professores que tive, pelos ensinamentos que colhi e pela certeza da contribuição árdua desses profissionais para mudanças significativas e cumprimento da frase tatuada na nossa bandeira: Ordem e Progresso.

Arcise Câmara

Não é possível formar professores sem fazer escolhas ideológicas. Conforme o modelo de sociedade e de ser humano que defendemos, não atribuiremos as mesmas finalidades à escola e, portanto não definiremos da mesma maneira o papel dos professores. Eventualmente, podemos formar químicos, contadores ou técnicos em informática abstraindo as finalidades das empresas que os contratarão. Podemos dizer, um pouco cinicamente, que um bom químico vai continuar sendo um bom químico tanto no caso de fabricar medicamentos ou drogas. Que um bom contador vai saber lavar dinheiro ou aumentar o capital de uma organização comunitária. Que um bom técnico em informática poderá servir tão eficazmente à máfia quanto à justiça. As finalidades do sistema educacional e as competências dos professores não podem ser dissociadas tão facilmente. Não privilegiamos a mesma figura do professor se desejamos uma escola que desenvolva a AUTONOMIA ou o conformismo, a ABERTURA DO MUNDO ou o nacionalismo, A TOLERÂNCIA ou o desprezo por outras culturas, o GOSTO PELO RISCO INTELECTUAL ou a busca de certezas, o ESPÍRITO DE PESQUISA ou o dogmatismo, o SENSO DE COOPERAÇÃO ou a competição, a SOLIDARIEDADE ou o individualismo.

(PERRENOUD. In As competências para ensinar no século XXI

“Professores nunca morrem. Vivem em sua memória para sempre. Eles estavam lá quando você chegou; eles ficaram lá quando você foi embora. Como acessórios. Às vezes lhe ensinavam alguma coisa. Mas nem sempre. E você nunca chegava a conhecê-los realmente nem eles a você. Ainda assim, por algum tempo, você acreditava neles. E, se tivesse sorte, talvez um deles acreditasse em você “.

Kevin Arnold - Anos Incríveis

Os professores não são valorizados socialmente como merecem, não estão nos noticiários da TV, vivem no anonimato da sala de aula, mas são os únicos que têm o poder de causar uma revolução social. Com uma das mãos eles escrevem na lousa, com a outra, movem o mundo, pois trabalham com a maior riqueza da sociedade: a juventude. Cada aluno é um diamante que, bem lapidado, brilhará para sempre.

Augusto Cury

"O silêncio é um dos diálogos mais tocantes e reflexivos que existe. Nele é possível uma conversação com o nosso próprio "eu", é um mergulho que proporciona uma profundidade infinita.
Por isso, muitas vezes o "eu" se perde na tentativa de encontrar o sentido, o sentido do seu eu..."

Emilsen Lemes

Tempo de Natal sempre nos deixa reflexivos, nos faz lembrar de outros natais ,de nossa vida ,de nossa família nos faz lembrar que é tempo de renascimento, é tempo de permitir que o nosso Salvador adentre em nosso lar .
Tempo de confraternizar ,tempo de amar mais .
Com o passar dos tempos perdeu-se muito desse espírito natalino ,as famílias muitas vezes são postas em segundo plano .
Então aproveitemos esse momento de reflexão e pensemos com mais amor nos nossos semelhantes ,aproveitemos esse tempo para ajudar a quem precisa ,de alimento para o físico e alimentos para a alma .
Deixemos o Cristo nascer em nosso lar ,deixemos Ele' fazer morada em nosso coração e assim de alma limpa nos aproximar-mos mais de Deus.

Raquel Santana

O que fazemos hoje, pode se repetir no futuro assim como erramos no passado e estamos errando no presente.. Dizem que saudade com o tempo não existe mas, que com o passar dos anos você vai esquecendo tudo o que te deixou pra trás, tudo de bom ou ruim!! O tempo cura tudo, mas as lembranças ficam sejam la qual forem elas, boas ou ruins. Viva de momentos, sem se limitar, vida com limites não é vida. Se tem algo pra dizer a alguém, fale sem medo e sem pensar no que essa pessoa possa responder, as vezes ela pode te surpreender e você ficar sem palavras pra responder pelo impacto recebido. Palavras o tempo leva, mas as atitudes ficam marcadas pro resto da vida. Viva sua vida sem olhar a quem!

Petter Brendel

Dia dos Professores

Nesse dia gostaria de agradecer a vocês que estiveram ou estão na minha vida,se não fossem vocês eu não teria um motivo para lutar por algo chamado:SONHO.
Agradeço também pois em todos os momentos que já vivi e que ainda vou viver com vocês,sempre tive e sempre terei a certeza de que posso realiza meus sonhos,pois você me fizeram acreditar nisso.E pode ter certeza de que jamais me esquecerei de vocês,não importa o tempo,pois não há como esquecer aqueles que foram predestinados a estar sempre no seu coração.Vocês sempre serão meus MESTRES!

Cynthya Dias

Aos professoras

Ahh, os professores..
Todos nós fingimos não gostar,
Mas no fundo os adoramos,
Adoramos todos eles,
Os engraçados e os calados,
Os esquisitos e os companheiros,
Os que falam muito e os de pouca conversa,
Os calmos e até os estressados.
Sabemos que o que fazem é para o nosso bem,
Que deixam seus filhos, sua casa e seu conforto para nos ensinar,
Que às vezes não têm a recompensa que merecem,
E que a maioria dos alunos não valoriza esse esforço,
Mas se às vezes agimos errado com vocês, nos desculpem,
É que ainda estamos aprendendo.
E obrigada por acreditarem em um país melhor e em nós.

Mariana Fialho

CARTA AOS PSEUDO INTELECTUAIS VENDIDOS

Estou de saco cheio de ver professores de faculdade vendendo ideias de pseudo moral em uma atitude claramente vendida, em suas cargos de comissão, novos maquiáveis da situação.
Estou cansado de ver intelectuais discursando em prol de um ideal já falida, que não tem um exemplo de sucesso, ou seja, já são um fracasso.
Um grupo oligárquico de demagogos fantasiados de liberais esquerdistas, com discurso libertário, na verdade são um grupo oligárquico prostituído e aliciador usando fantasias de proletariado, bebendo o seu extremamente caro Whisky importado, falando de filosofia libertária, mas vivem como magnatas sem nunca terem trabalhado. Vivem as custas dos outros, pois não produzem nada.
São ótimos com suas desculpas pronta e sem cabimento.
Falando de uma mídia manipuladora. Quando hoje as informações independem de mídia. Elas são populares, criadas e veiculadas pelo próprio público. Essa história de mídia manipuladora não cola a muito tempo.
Querem atacar verdades com desculpas de proporção o que em si já é uma confissão.
Estou cansado de ver o Sr. Molusco e a Sra De/uma cafetina de um Brasil de políticos prostituídos e empresários financiadores de uma situação que a muito necessita de correção.
Destruíram a economia e jogaram o Brasil em vinte anos de atraso.
Tem o mérito de tomar proveito da situação e transformar um estado corrompido em um estado completamente vendido.
Transformaram um defeito em uma escola de bandidos e os seus protetores o defendem dizendo que ele não são os únicos, que se adaptam e não são nem os primeiros nem o único.
Isso é defesa não é confissão e necessita de punição.
Que sejam o exemplo pra poder se sonhar que chegará o dia a estes possam ser o últimos políticos corrompidos.

Dante Locateli

Artigo/Opinião:


A Culpabilidade dos Professores da Escola Pública




Os professores nunca ganharam tão mal no Estado de São Paulo como agora, apesar dos esforços do governo federal para tentar viabilizar melhorias financeiras e dar perspectivas de suportes funcionais e estruturais na área, já que sem uma ótima educação pública um pais não prospera, não avança, não recompõe dívidas sociais impagas desde primeiro de abril de 1964. Os professores nunca foram tão estranhamente culpabilizados pela mídia em geral como agora, principalmente quando o governo federal potencializa verbas públicas para investimentos na carreira profissional, além de estímulos que facultem aos educadores uma melhor qualidade de vida (os direitos humanos dos professores), de estudos evolutivos (qualificação é sempre), de valoração profissional que promova o que faz melhor para ganhar melhor e mudar o meio para melhor.

No entanto, paradoxalmente nunca se viu tanto suspeito amigo do alheio querendo palpitar sobre educação, a maioria deles (de repente suspeitos amigos da escola) que já estiveram no poder e tiveram todos as razões e motivos para revolucionarem métodos e práticas, no entanto, inoperantes, impotentes, foram incompetentes para mudar o que precisa ser mudado, mas ainda assim fizeram políticas públicas duvidosas, desviaram verba pública para antros neoliberais privados, e agora, periga ver, querem falar de teorias em praticas que não tiveram, pior, colaboraram com o sucateamento das políticas públicas básicas, como em São Paulo, que tem suas entidades públicas propositalmente falidas, para não dizer da alta grana das privatarias que ninguém sabe onde foi parar, ninguém viu, ninguém investiga a chamada “máfia russa” das privatizações-roubos paulistas-paulistanas.

Quem é que vai pagar por isso? Que partido de forma direta ou indireta mais lucrou com isso, inventando os podres poderes dos new-richs? Pensar pode.

No mesmo contexto, professores com curso superior ganhando menos do que policiais com ensino médio (e a segurança pública também falida), enquanto a sociedade ainda sofre as seqüelas do falso “sucesso” do Plano Real, os milhões de desempregados, mais uma impunidade generalizada, falências gerais, máfias e quadrilhas neoliberais governando os governos, e, no contexto, pais incompetentes que geraram filhotes ímprobos também palpitando para encobrir erros familiares graves, e, ainda, os governos trabalhando com uma educação que se vale de estatísticas, dígitos, quando são seres humanos que trabalham com outros seres humanos, numa área que deveria buscar um humanismo de resultados, para uma educação vivenciada com rumos de investimento ético-comunitário para comunidades carentes.

O professor mal remunerado, numa escola pública propositalmente sem estrutura (mais a terceirização neoescravista no entorno pouco funcional), os filhos da sociedade se matando para sobreviver e pais pedindo demissão de serem pais (despejando os filhos mal educados na escola), uma mídia jogando contra (interesses escusos), um bando de incompetentes com poder opinativo dando palpites sem conhecimento da dura realidade histórica, algumas áreas acadêmicas com visões de gabinetes não vendo o professor enquanto ser e humano também, numa sociedade decrépita e um corpo discente carente em função de tudo isso, e, quando se vê, a policia incompetente não é culpada pelo grave aumento da violência, mas o professor é culpabilizado pelos problemas graves do ensino público?

O que há por trás de tudo isso? Quem quer enganar quem? Uma impunidade generalizada de impunes ex-presidentes a ex-governadores e ex-prefeito, juizes corruptos e ladrões soltos, e ninguém fala na falência de uma justiça filha da elite que, amoral, sim, tarda, falha, é tendenciosa e parcial, principalmente entre os corruptos e ladrões membros da pior oposição que o Brasil teve, a oposição ao governo federal.

Porque o governo federal pauta uma reforma educacional investindo como nunca no professor, é que antros de máfias e quadrilhas querem desviar o foco do investimento visando lucros impunes, desmoralizando uma categoria que sempre está na ponta do problema, quando havia tempo em que um professor ganhava o mesmo do que um juiz, e os nossos magistrados marajás nunca são culpabilizados pelo que geram de impunidades por atacado. O que isso quer dizer?

Vamos malhar o professor que é agora o inventado “culpado de ocasião” por incompetência de nefastas políticas públicas suspeitas (como em São Paulo tucano-liberal do DEMO); vamos desviar alta verba da educação para propaganda política enganosa; vamos falar em choque de inclusão, gerenciamento, balelas, enquanto isso o povão, claro, vai continuar votando nos mesmos, tudo continua como está, como em São Paulo em que professor ganha trinta por cento a menos do que no Piauí, e, pior, a falência do estado generalizada (empresa estão indo embora pois o estado cresceu só três por cento quando o Brasil todo cresceu quase sete por cento), e assim, as funestas e hipócritas políticas neoliberais – apoiadas pela FIESP, OAB, Rede Globo e agiotas do capital emboaba – vamos desmontando o estado, sem prover o povão de alguma maneira, e assim, quebrando a escola, daremos o filé da enorme grana federal (que o governo banca disponibilizar), para ONGS suspeitas, amigos do alheio fingindo de amigos da escola (ex-secretários e ministros da Educação hipócritas e sujos), empresas grandes desviando altas verbas do fisco para cênicos investimentos fantasmas montados, embustes financeiros camuflados para roubar o Imposto de Renda, e assim, tudo continua como está, todo mundo ganha, menos a educação pública propriamente dita, e, como precisa mesmo sempre aparecer um culpado para ser malhado, fica todo problema na mão do professor que, mal remunerado, se matando para sobreviver, acúmulos vários (vários empregos), saúde debilitada, vendendo de Avon a bijuterias, e assim caminha a mediocridade imediatista de se pensar a categoria dos professores como única culpada de ocasião, quando é vitima da situação toda e nunca devidamente provido salarialmente, para que, afinal, a mentira deslavada saia ganhando e o modelito do estado mínimo (da força da grana que ergue e destrói coisas belas) ganhe potência midiática entre os podres poderes.

Professor? Respeito muito suas lágrimas.

E os Direitos Humanos dos Professores da Escola Pública?

-0-

Silas Correa Leite
E-mail: poesilas@terra.com.br
Teórico da Educação, Jornalista Comunitário, Coordenador de Pesquisas da FAPESP-USP em Culturas Juvenis

Silas Correa Leite

é tão dificil viver ?
os médicos, professores , cinetistas dizem que o coração é o musculo mais resistente do corpo humano !
ENtão eu sou um excessão meu coração ja se partiu varias vezes e quase sempre eu consigo monta-lo , mas é uma dor indescritivel ... todo mundo ja deve ter sentindo , ou quase todo mundo!
E quando você se senti so e quem mais você precisa nao está nem ai para você !
Prefere fazer qualquer outra coisa menos falar coom você
e acabe se sentindo so e nao ter ninguem para poder desabafar as suas magoas e angustias!

Akeber

FOMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Poucos têm coragem de investir em ações que demandam tempo e paciência para que as sementes lançadas frutifiquem, mesmo sabendo que educação é processo. O governador Geraldo Alckmin é um desses visionários. De 2001 a 2005, o governo estadual empregou R$ 470 milhões em programas de formação continuada de professores. Acreditamos que quem não estuda envelhece em sua habilidade cognitiva - independentemente da área de atuação. Médicos, advogados, engenheiros, artistas, dentistas, físicos, etc. Não há quem possa se dizer atualizado apenas com o curso universitário ou até mesmo com uma pós-graduação concluída. O conhecimento não pode ficar estacionado. O professor tem de se atualizar sempre. Nossa política de formação continuada de professores contempla as modalidades presencial e a distância. O que se pretende é utilizar o que há de mais atual e eficaz em termos de videoconferência, teleconferência, intranet, internet e outras tecnologias. Além disso, há cursos oferecidos em sistema de parceria. Uma delas, formada com o Santander Banespa, proporciona aos professores uma experiência inédita na Universidade de Salamanca, na Espanha. Graças a esse acordo, cerca de 100 educadores da rede estudaram durante um mês em uma das mais respeitadas universidades do mundo. No último mês de novembro, um grupo de 50 professores iniciou curso de mestrado na Universidade de Londres. No Brasil, quase 2 mil educadores da rede pública estadual paulista estão cursando mestrado. Alguns optam por uma diminuição da carga horária, mantendo o mesmo salário. Outros escolhem fazer o curso preservando o número de horas trabalhadas e recebem um acréscimo de R$ 720 mensais aos vencimentos - destinados ao pagamento do curso. Essa é a primeira experiência no Brasil em que um governo estadual financia cursos de pós-graduação stricto senso para seus professores. Já o Programa Letra e Vida capacitou aproximadamente 33 mil professores alfabetizadores. Seu objetivo é qualificá-los para que possibilitem aos seus alunos uma educação de maior qualidade nas fases iniciais do ensino fundamental. O Lien ch'i e meditação - técnica proveniente da medicina tradicional chinesa - capacitou cerca de 11 mil professores de educação física, de modo que transmitam aos alunos práticas que visam à diminuição do estresse e ao aumento da serenidade e da auto-estima. Capacitação em filosofia foi aplicada para 1.300 professores. A Formação de Magistério Superior Indígena foi propiciada a 81 professores indígenas de 5 etnias. O Programa Caminho das Artes beneficiou em torno de 86 mil docentes e o Programa São Paulo Educando pela Diferença para a Igualdade já foi ministrado a cerca de 7 mil professores. Projeto também pioneiro e bem-sucedido foi o da Inclusão Digital dos docentes. E, além de equiparmos nossas escolas com laboratórios de informática, garantimos ao professor a aquisição do próprio computador, de modo que tivesse o equipamento em casa. O Estado arcou com metade dos custos e a outra parte foi financiada pela Nossa Caixa. Cremos que esse investimento maciço no que é essencial - o professor - vai fazer com que nossos alunos, frutos colhidos dessa semeadura, tenham envergadura suficiente para viver plenamente, exercitar a cidadania e entrar com dignidade para o mercado de trabalho.


Publicado no Jornal da Tarde e no Correio Popular

Gabriel Chalita

HOMENAGEM AO PROFESSOR:A ORIGEM DOS DIAMANTES

Professores são arautos. Portadores que se ocupam em levar mensagens diversas aos receptores que, ao fim, simbolizam a esperança que depositamos em novos e melhores tempos. Movidos por um altruísmo comum aos grandes personagens da História - que comumente mesclam em sua jornada um misto de idealismo e capacidade de realização -, nosso exército de mestres desbrava fronteiras e adentra aldeias indígenas, comunidades quilombolas, bairros movimentados das metrópoles. Seja nos cursos mais elementares de alfabetização, seja nas universidades mais renomadas do País, sempre há a figura desse lapidador. Desses homens e mulheres que, cuidadosamente, permitem que pedras brutas se transformem em jóias cujo brilho é capaz de iluminar o futuro. Hoje é Dia do Professor. Data que demanda reflexões sobre o que é realmente essencial no vaivém contínuo do processo ensino-aprendizagem. Momento de observar que, nas últimas décadas, o papel da escola foi ganhando novos contornos. Novas alterações provenientes de métodos educacionais mais modernos. Resultantes tanto da troca ininterrupta de experiências no setor quanto da consciência social em torno da importância da educação. Do ensino de excelência nesta que é a Era da Informação e do Conhecimento. São mudanças que ampliaram sobremaneira os horizontes. Renovações que tiveram início com passos importantes rumo à democratização da aquisição de conhecimento. Hoje, muitas escolas já estão informatizadas e, portanto, conectadas ao mundo. Exigência de uma época que requer habilidades e talentos cada vez mais diversos, como a fluência em mais de um idioma. É fato que o mercado de trabalho não tolera amadores. E também é fato que a cobrança sobre a capacidade dos aprendizes recai sobre o professor. Profissional de quem a sociedade exige aprimoramento ininterrupto. Por esse motivo, é importante que os educadores relembrem os modelos referenciais do ensino de qualidade muitas vezes empregado ao longo da História. É o caso do método utilizado por Aristóteles em seu desejo de formar uma geração de jovens éticos e, portanto, felizes. O liceu do estagirita era um espaço privilegiado em que a virtude e a busca pelo meio termo permeavam as discussões filosóficas entre o educador e seus jovens aprendizes. No mesmo diapasão, o filósofo Pedro Abelardo, nas escolas francesas, desafiava os estudantes a colocar em prática o potencial gigante, mas ainda adormecido, que habitava em cada um. Mais recentemente, temos o modelo de Dom Bosco, mestre dos salesianos. Verdadeiro professor que exaltava o amor como o único caminho para a educação verdadeiramente completa. Mário Quintana, em outra seara, poetizava: "E no dia em que tratardes um dragão por Joli, ele te seguirá por toda a parte como se fosse um cachorrinho". Por meio dessa metáfora tão bela quanto inusitada, o poeta nos ensina que é possível modificar para melhor os seres considerados mais amedrontadores. Para isso, basta que recebam carinho e atenção como tratamento. Em outros termos: se até um dragão pode ficar dócil, carinhoso, o que dizer de um aluno? Já Paulo Bonfim, outro artesão da palavra - considerado o príncipe dos poetas brasileiros - diz que a juventude precisa de um tema. Um tema que a torne protagonista. Um tema que a instigue a viver. É como na arte: uma vez sem bons temas, as peças ficam sem sentido, os textos empobrecem, as danças perdem a magia. Eis aqui nossa homenagem àqueles que são leais à missão de educar. Sábios que não servem a um partido ou a um governo, mas sim à causa nobre da educação. Servem a um sonho. Talvez o mesmo vivenciado por Aristóteles, Abelardo, Dom Bosco: o sonho de lapidar diamantes. Mestres que neste, e em todos os outros dias, acreditam que o esforço do trabalho será recompensado pela magnitude do resultado. Pela beleza rara da jóia que começa a tomar forma, sempre, em suas mãos.


Publicado nos jornais Jornal da Tarde Tarde, Diário do Grande ABC, A Tribuna, Correio Popular e Vale Paraibano

Gabriel Chalita

Você

Todos os professores são importantes
Em nossa formação tanto acadêmica quanto como cidadãos.
Mas entre todos eles, há um que merece destaque,
Você.

Você, que tem nos acompanhado desde o início.
Que nos viu crescer dentro desta escola,
E que daqui a pouco, nos verá partir.

Você, que durante esses três anos
Nos mostrou o que era necessário
Para nos tornarmos pessoas melhores,
A educação.

Você, que nunca nos abandonou.
Sempre esteve presente quando nós mais precisávamos,
Nos auxiliando da melhor maneira possível.
Mesmo sabendo que poderíamos acabar ficando mimados.

Por essas e muitas outras razões somos gratos
Por ter tido você como nossa mentora
Durante todo esse tempo
Que agora se resume a este singelo agradecimento.

Flávio Henrique