Textos Reflexivos para Professores

Cerca de 62 textos Reflexivos para Professores

“Fui criado com princípios morais comuns:
Quando eu era pequeno, mães, pais, professores, avós, tios, vizinhos, eram autoridades dignas de respeito e consideração. Quanto mais próximos ou mais velhos, mais afeto. Inimaginável responder de forma mal educada aos mais velhos, professores ou autoridades… Confiávamos nos adultos porque todos eram pais, mães ou familiares das crianças da nossa rua, do bairro, ou da cidade… Tínhamos medo apenas do escuro, dos sapos, dos filmes de terror… Hoje me deu uma tristeza infinita por tudo aquilo que perdemos. Por tudo o que meus netos um dia enfrentarão.
Pelo medo no olhar das crianças, dos jovens, dos velhos e dos adultos. Direitos humanos para criminosos, deveres ilimitados para cidadãos honestos. Não levar vantagem em tudo significa ser idiota. Pagar dívidas em dia é ser tonto… Anistia para corruptos e sonegadores… O que aconteceu conosco? Professores maltratados nas salas de aula, comerciantes ameaçados por traficantes, grades em nossas janelas e portas. Que valores são esses? Automóveis que valem mais que abraços, filhas querendo uma cirurgia como presente por passar de ano. Celulares nas mochilas de crianças. O que vais querer em troca de um abraço? A diversão vale mais que um diploma. Uma tela gigante vale mais que uma boa conversa. Mais vale uma maquiagem que um sorvete. Mais vale parecer do que ser… Quando foi que tudo desapareceu ou se tornou ridículo?
Quero arrancar as grades da minha janela para poder tocar as flores! Quero me sentar na varanda e dormir com a porta aberta nas noites de verão! Quero a honestidade como motivo de orgulho. Quero a vergonha na cara e a solidariedade. Quero a retidão de caráter, a cara limpa e o olhar olho-no-olho. Quero a esperança, a alegria, a confiança! Quero calar a boca de quem diz: “temos que estar ao nível de…”, ao falar de uma pessoa. Abaixo o “TER”, viva o “SER”. E viva o retorno da verdadeira vida, simples como a chuva, limpa como um céu de primavera, leve como a brisa da manhã!
E definitivamente bela, como cada amanhecer. Quero ter de volta o meu mundo simples e comum. Onde existam amor, solidariedade e fraternidade como bases. Vamos voltar a ser “gente”. Construir um mundo melhor, mais justo, mais humano, onde as pessoas respeitem as pessoas. Utopia? Quem sabe?… Precisamos tentar… Quem sabe comecemos a caminhar transmitindo essa mensagem… Nossos filhos merecem e nossos netos certamente nos agradecerão!”.

Arnaldo Jabor

Os professores da minha escola

A professora de Matemática,
com suas contas complicadas,
falando em equações,
no Teorema de Pitágoras.

A professora de Português,
com seu modo indicativo,
falando em advérbios,
interjeições, substantivos.

A professora de Geografia,
com seus complexos regionais,
falando em sítios urbanos,
em pontos cardeais.

A professora de Ciências,
com seus ensinamentos ecológicos,
falando em evolução,
em estudos biológicos.

A professora de História,
com seus povos bizantinos,
falando na Idade Média,
no Imperador Constantino.

A professora de Inglês,
com seus don't, do e does,
falando em personal pronouns,
na diferença entre go e goes.

A professora de Artes,
com suas obras e seus artistas,
falando em artes ópticas,
em pintores surrealistas.

O professor de Educação Física,
com suas regras de voleibol,
falando sobre basquete,
em times de futebol.

Os professores da minha escola,
com suas matérias que às vezes não entendemos,
falando em todas as coisas,
que aos poucos vamos aprendendo.

Clarice Pacheco

Não faltam professores no Brasil.
O Brasil tem as melhores faculdades de educação, elas têm conceito bom perante os olhos do órgão que as avaliam. Transbordam especialistas. Se abrissem inscrições para ingresso de professores, em todo o território nacional, ao mesmo tempo, apareceria um milhão de mestres para serem contratados: mas e o salário? Ufa! Milhares de professores desistiriam das promessas centenárias de valorização da profissão e da carreira e virariam as costas para a política pública, iam preferir a privada.

Alunos não desistem de estudar, eles são empurrados para o lado de fora, porque ainda há escolas que não aprenderam a fazer um projeto pedagógico que implante o respeito às diferentes formas de aprender; não respeitam inteligências e caducaram a metodologia de “avaliar”. Confundiu-se currículo com cubículo, onde fazem uma fila desvairada à procura de um prato de sopa de letrinhas.

Não faltam livros, estão lá, impressos e distribuídos para quem quiser. Pior é que se os brasileirinhos e brasileirões quiserem ler um conto de José de Alencar, de Machado de Assis ou conhecer as poesias de Cecília Meirelles, de Augusto dos Anjos ou qualquer outro, vão ter que pesquisar nos brechós. É inegável que há escolas fazendo um belíssimo trabalho! Elas fazem, às próprias custas, o milagre da ressurreição do arquivo fantástico que esse Brasil possui.

As crianças não desistiram de brincar de roda, de jogar peteca, de pular amarelinha e nem rejeitam a história dos três porquinhos (tremenda aula de administração) do patinho feio (aula de socialização) ou da branca de neve (aula de tudo): elas precisam das histórias. A ficção educa tanto quanto a realidade. A criança passa a vida toda procurando o valor de x. Na verdade, o que ela quer mesmo é encontrar o valor dela, o valor da vida.

O Brasil não é um país pobre, é a 8ª economia do mundo. Dados indicam que o Brasil investe 4,3% do PIB em educação. E como ensinou D. João VI, o Brasil aplica 6,7 vezes mais no ensino superior do que em nível básico.
Segundo o Sing - Sistema Nacional de Informações Sobre o Gasto Social: Educação Infantil - 0,4%, Ensino Fundamental - 2,5%, Ensino Médio - 0,5% e Ensino Superior - 0,9%.

Avaliações internacionais de que o Brasil participa, como o PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), organizado pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), colocam o Brasil entre os últimos classificados em Leitura e Interpretação de Textos, Matemática e Ciências. Numa amostra de 57 países... O Brasil ficou em 53º lugar. Numa escala de zero a 6, a média obtida pelo País em 2009 equivale ao nível 2 em leitura, 1 em ciências e 1 em matemática.

Feliz Dia do professor! Não desista!

Ivone Boechat

"Aos velhos e jovens professores,aos mestres de todos os tempos que foram agraciados pelos céus por essa missão tão digna e feliz.Ser professor é um privilégio. Ser professor é semear em terreno sempre fértil e se encantar com a colheita. Ser professor é ser condutor de almas e de sonhos, é lapidar diamantes"

Gabriel Chalita

“Existem muitas coisas na vida que você acha que precisa como televisão, revistas, professores dizendo que você tem que ganhar dinheiro e ser bem-sucedido, mas se você tem algum tipo de esperança, algo em que se segurar, então tudo isso não vai mais importar. Se você consegue fazer com que seu próximo dia seja melhor do que o anterior, aí você vai ver que é o que realmente significa e não tudo aquilo que as pessoas acham que você precisa para sua vida.”

Billie Joe Armstrong

Não é possível formar professores sem fazer escolhas ideológicas. Conforme o modelo de sociedade e de ser humano que defendemos, não atribuiremos as mesmas finalidades à escola e, portanto não definiremos da mesma maneira o papel dos professores. Eventualmente, podemos formar químicos, contadores ou técnicos em informática abstraindo as finalidades das empresas que os contratarão. Podemos dizer, um pouco cinicamente, que um bom químico vai continuar sendo um bom químico tanto no caso de fabricar medicamentos ou drogas. Que um bom contador vai saber lavar dinheiro ou aumentar o capital de uma organização comunitária. Que um bom técnico em informática poderá servir tão eficazmente à máfia quanto à justiça. As finalidades do sistema educacional e as competências dos professores não podem ser dissociadas tão facilmente. Não privilegiamos a mesma figura do professor se desejamos uma escola que desenvolva a AUTONOMIA ou o conformismo, a ABERTURA DO MUNDO ou o nacionalismo, A TOLERÂNCIA ou o desprezo por outras culturas, o GOSTO PELO RISCO INTELECTUAL ou a busca de certezas, o ESPÍRITO DE PESQUISA ou o dogmatismo, o SENSO DE COOPERAÇÃO ou a competição, a SOLIDARIEDADE ou o individualismo.

(PERRENOUD. In As competências para ensinar no século XXI

Os professores não são valorizados socialmente como merecem, não estão nos noticiários da TV, vivem no anonimato da sala de aula, mas são os únicos que têm o poder de causar uma revolução social. Com uma das mãos eles escrevem na lousa, com a outra, movem o mundo, pois trabalham com a maior riqueza da sociedade: a juventude. Cada aluno é um diamante que, bem lapidado, brilhará para sempre.

Augusto Cury

“Professores nunca morrem. Vivem em sua memória para sempre. Eles estavam lá quando você chegou; eles ficaram lá quando você foi embora. Como acessórios. Às vezes lhe ensinavam alguma coisa. Mas nem sempre. E você nunca chegava a conhecê-los realmente nem eles a você. Ainda assim, por algum tempo, você acreditava neles. E, se tivesse sorte, talvez um deles acreditasse em você “.

Kevin Arnold - Anos Incríveis

"O silêncio é um dos diálogos mais tocantes e reflexivos que existe. Nele é possível uma conversação com o nosso próprio "eu", é um mergulho que proporciona uma profundidade infinita.
Por isso, muitas vezes o "eu" se perde na tentativa de encontrar o sentido, o sentido do seu eu..."

Emilsen Lemes

O que fazemos hoje, pode se repetir no futuro assim como erramos no passado e estamos errando no presente.. Dizem que saudade com o tempo não existe mas, que com o passar dos anos você vai esquecendo tudo o que te deixou pra trás, tudo de bom ou ruim!! O tempo cura tudo, mas as lembranças ficam sejam la qual forem elas, boas ou ruins. Viva de momentos, sem se limitar, vida com limites não é vida. Se tem algo pra dizer a alguém, fale sem medo e sem pensar no que essa pessoa possa responder, as vezes ela pode te surpreender e você ficar sem palavras pra responder pelo impacto recebido. Palavras o tempo leva, mas as atitudes ficam marcadas pro resto da vida. Viva sua vida sem olhar a quem!

Petter Brendel

Dia dos Professores

Nesse dia gostaria de agradecer a vocês que estiveram ou estão na minha vida,se não fossem vocês eu não teria um motivo para lutar por algo chamado:SONHO.
Agradeço também pois em todos os momentos que já vivi e que ainda vou viver com vocês,sempre tive e sempre terei a certeza de que posso realiza meus sonhos,pois você me fizeram acreditar nisso.E pode ter certeza de que jamais me esquecerei de vocês,não importa o tempo,pois não há como esquecer aqueles que foram predestinados a estar sempre no seu coração.Vocês sempre serão meus MESTRES!

Cynthya Dias

A palavra que expressa a admiração, respeito e carinho por meus professores é AGRADECIMENTO. Agradecer pela paciência, pela partilha de conhecimento, pelos ensinamentos para a vida, professor não somente ensina matérias, professor disciplina alunos, aconselha, gerencia atividades, planeja o futuro e principalmente é formador de opinião, professor nos faz pensar, refletir, colocar as ideias no lugar. O que seria de nós sem os professores que aliado aos pais nos formam personalidades do bem. Professores não são esquecidos, são lembrados com carinho e ternura, o saudosismo sempre é válido em se tratando de professores.
Quem não se lembra dos professores que marcaram a sua vida, daquela aula cuja matéria muito interessa, daquela bronca não bem recebida pela imaturidade, quem não se lembra dos jeitos particulares e únicos de cada um lecionar, quem não se lembra da rigidez cobrada para cumprimento do respeito mútuo.
Aos mestres uma luta diária, a motivação não monetária para exercer o profissionalismo da melhor forma.
Os professores nos apresentaram matérias que muito usaremos na vida e outras lições que não estavam incluídas nos livros.
Sou grata e honrada pelos professores que tive, pelos ensinamentos que colhi e pela certeza da contribuição árdua desses profissionais para mudanças significativas e cumprimento da frase tatuada na nossa bandeira: Ordem e Progresso.

Arcise Câmara

Aos professoras

Ahh, os professores..
Todos nós fingimos não gostar,
Mas no fundo os adoramos,
Adoramos todos eles,
Os engraçados e os calados,
Os esquisitos e os companheiros,
Os que falam muito e os de pouca conversa,
Os calmos e até os estressados.
Sabemos que o que fazem é para o nosso bem,
Que deixam seus filhos, sua casa e seu conforto para nos ensinar,
Que às vezes não têm a recompensa que merecem,
E que a maioria dos alunos não valoriza esse esforço,
Mas se às vezes agimos errado com vocês, nos desculpem,
É que ainda estamos aprendendo.
E obrigada por acreditarem em um país melhor e em nós.

Mariana Fialho

A motivação e a realidade da vida dos professores
A tarefa primordial é despertar no aluno o desejo de aprender, no entanto, enfrentamos vários fatores que desmotivam nossos alunos e até mesmo os professores.

Diante desse fato, como fazer para manter nosso aluno motivado? Como lidar com a indisciplina, com a ausência das famílias, com o desinteresse do aluno? Como atingir as metas propostas pelo estado?

São questionamentos de nosso cotidiano, estamos vivendo em uma sociedade que evoluí em velocidade máxima, enquanto nossas escolas ainda se encontram engatando a primeira.

Encontramos professores desmotivados, carregando nas costas todo peso de uma educação longe de ser a que sonhamos, professores que precisam "dobrar" e se "desdobrar" e muitas vezes, até em três turnos e ai eu pergunto, como fica a qualidade de vida do professor?

Como manter viva a chama do amor, da arte de ensinar?

Eu ainda acredito que o professor é essencial na vida de todo ser humano, ainda não conseguiram fabricar um professor que não dá defeito, que funcione com a alegria de uma criança,conquistando todos os espaços e principalmente, fazendo todo aluno aprender no tempo certo.

Helenice Augusta da Cunha

PROFESSORES X FUTEBOL

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Quando nós, educadores, protestamos pura e simplesmente conta o sucesso financeiro dos atletas, em especial dos jogadores de futebol, depomos contra nós mesmos ao demonstrarmos desprezo pelo talento. Da mesma forma contradizemos nossos discursos contra exclusão; desigualdade; falta de oportunidades para os mais simples.
Aquelas pessoas que neste momento de suas vidas ganham milhões, são quase todas de origem bastante humilde. Filhos de pedreiros, serventes, lavradores, balconistas e afins, todos visionários e atentos aos sinais de que seus filhos têm algo especial: talento. Esses pais atentos apostam; dispõem de todos ou quase todos os seus poucos recursos, até marcarem o gol definitivo, acertando em cheio na grande chance dos filhos. No futuro com que nunca sonharam para si próprios.
Nas salas de aula, falamos quase o tempo inteiro em talento; no entanto, somos elitistas: não aprovamos o talento dessa gente humilde que de uma hora para outra pode ser detentora de uma fortuna que nos dá inveja, sem terem passado por ensino médio, faculdade, às vezes nem mesmo pelo ensino fundamental completo.
Mas esses atletas não chegam lá sem esforço. E muito esforço. Sacrifício. Renúncia. Ainda bem novos deixam famílias, brincadeiras, amigos de infância, e vão trabalhar duro: fazer muitas horas diárias de preparação física, treinos com e sem bolas, educação alimentar e outros cuidados criteriosos com saúde, o que inclui não ter vícios, vida sedentária ou promíscua. Tudo isso, além de aprenderem regras rígidas de convivência. Coleguismo. Ética desportiva. Recolhimento. Meditação. Autocontrole. Respeito por quem está do outro lado. Uma verdadeira universidade que os prepara para viver dignamente, como cidadãos que quase sempre não sabem falar, mas sabem agir. Sabem ser quem são. E quase nunca renegam suas origens.
Temos preconceito desses atletas, porque não foram nossos colegas de faculdade; porque venceram pelo talento sem aprender gramática e raiz quadrada. Porque não foram modelados pela educação formal. Porque ganham mais do que nós, que não percebemos o quanto eles geram em recursos, movimentação financeira, patrocínios de produtos e marcas que eles fazem vender, somados às vendas de ingressos, audiências de rádio, televisão e web, circulação de impressos e influência nas bolsas de valores.
Os milhões que esses jogadores ganham honesta e merecidamente são centavos diante das fortunas dos seus patrocinadores e o sistema que os cerca. Esses, nunca são alvos de nossos protestos, a não ser no aspecto político-partidário, que de nossa parte é sempre questionável: Temos, invariavelmente, uma bandeira partidária que tentamos substituir pela que está no poder.
Quanto ao mais, não conheço nada, além da educação formal, que seja mais educativo do que o esporte. O esporte educa bem mais do que a própria arte, se compararmos o exemplo pessoal obrigatório do esportista com o do artista. O artista, por exemplo, se for sedentário, fumante, promíscuo, viciado em droga ou álcool, continuará artista. O atleta, não. Se ele quiser ser e permanecer atleta, não poderá jamais, ser um exemplo negativo em nenhum destes aspectos. E uma criança ou um adolescente, quando imita uma pessoa que admira, o faz na sua totalidade.
Quem está com o dinheiro do professor na sua conta pessoal não é o jogador de futebol. É o político corrupto deste país, em especial, que desconhece os políticos honestos. Quem nos rouba todos os dias não é o Neymar nem o Thiago Silva. Também não é o jogador de futebol que decide as alíquotas de impostos. Ele pode estar dentro deste sistema, como todos nós que compramos, vendemos e vivemos, mas não é ele quem decide.
Nós, educadores, merecemos ser muito mais valorizados; ter salários muito melhores; ter condições muito mais humanas, dignas e honestas de trabalho, mas nosso grito de basta e de protesto tem que ser por nós. Não contra o outro. Temos que lutar pelo que é nosso, sabedores de que esse tesouro é usurpado pelo poder público e pelos poderes econômicos que mandam neste pais e estão muito acima dos jogadores de futebol. Quero ter mais, sem desejar que nenhum deles tenha menos, pois isto seria possível se os poderes constituídos não estivessem inchados de corrupção e os grandes grupos econômicos não estivessem fechados com os tais poderes.
Porém, se mesmo assim queremos protestar contra os esportes, que tal se fôssemos menos elitistas e voltássemos nossos protestos contra a fórmula 1, o golfe e outros esportes de ricos que sempre foram ricos e cujas riquezas não sabemos de onde vieram?

Demétrio Sena - Magé-RJ.

Educação Parte 4

Com referência à qualidade do corpo de professores, fomos informados na estatística apresentada na primeira semana de Maio que os universitários formados em Pedagogia apresentaram o pior desempenho entre todos os formados em cursos superiores em uma prova padronizada de ditado. Ou seja aqui temos um problema básico de formação para o posto de trabalho.
Mas voltando ao item anterior, o maior problema do corpo docente em todos os níveis é o fator cultural.
Por que não me dedico com alegria e afinco às minha obrigações de ensinar durante o período em que tenho que permanecer em meu ambiente de trabalho, já que gastarei este tempo de qualquer jeito?
Por que fico reclamando o tempo todos que sou mal remunerado, que não sou reconhecido etc.
A maior motivação do professor é o progresso do aluno.

Podemos também aqui nos referir à qualidade das instalações das escolas, estado do mobiliário etc. Mas também podemos aqui lembrar que todos os Estados e Municípios recebem o fundo de participação do governo federal, cujo dinheiro tem que ser aplicado no ensino e na saúde. Este fundo, caso o dinheiro seja recebido, o que não acontece desde o inicio de 2013, é suficiente para manter a educação e a saúde de responsabilidade dos municípios e estados.

Para finalizar vamos verificar as necessidades da sociedade e as obrigações do governo com relação à educação.

Desde os tempos de Roma ou antes reconhece-se que é obrigação do governo manter as artes, pesquisas, educação, saúde, saneamento, defesa etc. em troca do pagamento de impostos. Quem não lembra a frase daí a César o que é de César.

Reconhecendo-se este fato, até onde é obrigação do governo manter a educação gratuita para os seus cidadãos?

É óbvio que a educação fundamental é obrigação do governo prove-la gratuitamente e com boa qualidade.
Mas quando chegamos ao ensino médio, observamos aqui um grande ponto de interrogação.

É minha opinião particular, e todos tem o direito de discordar que a sociedade em sua estrutura necessita pessoas com diversos tipos de habilidades.

A maioria dos postos de trabalho que a sociedade oferece aos seus cidadãos e que necessitam ser preenchidos com trabalho de qualidade se enquadram naquela classificação denominada de artífice.

Uma parte dos postos de trabalho necessitam de pessoas melhores treinadas e melhores preparadas e que necessitam ser preenchidos por pessoas capazes e que tenham especialização, que se enquadram na classificação de técnicos.

Uma pequena parte dos postos de trabalham necessitam de pessoas com treinamento em universidades, aqui se enquadrando os médicos, odontólogos, advogados, engenheiros, etc

Por outro lado podemos afirmar que as pessoas diferem em suas habilidades naturais e que estas habilidades podem ser medidas através de testes denominados de testes de QI (coeficiente de inteligência) e QIE (coeficiente de inteligência emocional). Além disto um bom boletim de acompanhamento ao longo dos 8 (9) anos de ensino fundamental muito nos pode dizer a respeito das habilidades daquele cidadão.

Assim o estado pode quantificar os valores percentuais necessários das três categorias, artífices, técnicos e profissionais liberais e prover cursos em qualidade e quantidade suficientes para as três categorias, nas diferentes especialidades.

As categorias de artífices e técnicos podem ser perfeitamente atendidas pelos 4 anos (novamente os 4 anos) de ensino médio.

A categoria de profissionais liberais deverá ser atendida por um curso de ensino médio que poderá ser totalmente ou parcialmente especializado em ciências biológicas, exatas e sociais, conforme as habilidades e interesses dos jovens adolescentes.

Os cursos universitários devem oferecer em qualidade e número de vagas as diversas especialidades de acordo com as necessidades da sociedade.

É obrigação do Estado prover vagas em menor número para especialidades pouco procuradas pelo mercado de trabalho, mas que são necessários para o bom funcionamento da sociedade, tais como letras mortas, arqueologia, filosofia etc.

Este modelo aqui apresentado é em maior ou menor grau adotado pelos países nórdicos.

Devemos nos lembrar de outro dado da estatística apresentada na primeira semana de Maio que o Brasil aplica em sua educação o dobro do percentual do PIB que a Alemanha aplica em seu sistema educacional.

Gostaria de deixar aqui registrado, que não sou contra a continuação do aprendizado pelos cidadãos que assim o desejarem, mas não por conta dos impostos pagos pelos demais cidadãos.
O Estado somente tem a obrigação de oferecer gratuitamente e com boa qualidade educação para atender as necessidades da sociedade e nada mais do que isto.

Abraços a todos

Marcos Olandoski

Só Para Refletir

Quando os pais, professores e até mesmo vizinhos, das gerações passadas corrigiam e disciplinavam as crianças e os jovens, havia o mesmo nível de vícios, homicídios, furtos, violência, adultérios, rebeldias, desrespeito, insolência, e tudo o mais que nos faz mal e agride?
Terá sido uma boa opção, a título de se dar liberdade e amor, abrir mão da boa educação, e consentir com quase todo tipo de comportamento inconveniente na nossa sociedade?
Ninguém tem o direito de reclamar do fruto que está colhendo da má semente que plantou.

Silvio Dutra

"Prezados Professores,
Sou sobrevivente de um campo de concentração
Meus olhos viram o que nenhum homem deveria ver
Câmaras de gás construídas por engenheiros formados
Crianças envenenadas por médicos diplomados
Recém-nascidos mortos por enfermeiras treinadas
Mulheres e bebês fuzilados e queimados por graduados de colégios e universidades.
Assim, tenho minhas suspeitas sobre a Educação.
Meu pedido é, ajude seus alunos a tornarem-se humanos.
Seus esforços nunca deverão produzir monstros treinados ou psicopatas hábeis.
Ler, escrever e a aritmântica só são importantes
Para fazer nossas crianças mais humanas."

(Mensagem deixada aos professores por um prisioneiro de um campo de concentração nazista)

prisioneiro de um campo de concentração nazist

São professores que ora se orgulham, quando são elogiados, homenageados, mas que destratam seus alunos quando impelem em suas mentes que ser professor não é bom.
Ser professor é mágico, é tão brilhante quanto ser pai, é tão fascinante quanto ser médico ou bombeiro este último sim, desvalorizado.

Douglas Melo

Circo de palhaços

A escola é um mar,
Onde os professores nadam, os alunos boiam, e as notas afundam,
Para muitos a escola tratada nada mais nada menos do um modo de passar o tempo, para outros, é só diversão, para outros, é levada de forma séria.
Escola do aprendizado,
Escola é para ser educado,
Escola digerida como pão, cuspida com som de arroto,
Vomitada como nada.
Escola arrebentada, acabada,
Antigamente era rigidez, hoje ignorada,
Escola!
Mar de podres, mar de idiotas,
Administrado por idiotas que só tiram dinheiro de nós.
A escola é mar, onde os professores nadam, os alunos boiam e as notas afundam.

eddiespectrum