Textos que Falam sobre Mim

Cerca de 8374 textos que Falam sobre Mim

Tô numa fase complicada, meio estranha.
Se me falam “oi” eu desconfio, se me dão “tchau” eu desabo.
Tô numa fase, que nem eu me entendo. Não sei do que gosto, nem o que quero.
Tô numa fase que quero mudar tudo, e também deixar tudo como está.
Tô numa fase que quero me arriscar, mas tenho medo de tentar.
Tõ numa fase de querer ter alguém, e não querer ver ninguém.
Tô numa fase... E que fase!

Aline Pinheiro

Chega uma hora, em que você entende que o que as pessoas falam, é só o que elas falam.
E não o que você é.
Não atinge, não incomoda, não ofende.
Porque você só se culpa, se sua consciência permitir.
E se ela está tranquila, qualquer tipo de ataque alheio, é o mesmo que nada.
Aí você aprende que cada um oferece o que tem.
E você pára de revidar, de se preocupar, de se abalar com julgamento de quem vive de mal com a vida.
Você percebe que atrai o que transmite, e passa a usar seu tempo só com quem te faz bem. E aí, fica em paz.
Porque a gente ganha uma briga, quando 'foge' dela.

Karla Tabalipa

Lágrimas falam mesmo
Quando estão escondidas no olhar
Mas se elas rolam
É a dor que já não dá pra suportar
Lágrimas que purificam
Lágrimas que santificam
E dão força ao coração

Lágrimas doem pra valer
Mas sempre há de prevalecer
Toda a vontade do Senhor
Presente em minha v i d a

Os sonhos que não alcanço
Eu me pergunto: "Por quê Deus não quis?"
Mas sei que ele vê mais longe
E ele sabe o que é bom pra mim
E se eu chorar a noite inteira
Logo pela manhã o meu Senhor
As minhas lágrimas enxugará, enxugará.

Adriana Almeida

"Engraçado como nos dias de hoje as pessoas falam de amor sem nem tocar no assunto. Acreditam que amar requer uma adrenalina constante. Querem loucuras, querem momentos, querem paixão. E sabe-se bem que esse já é outro sentimento bem diferente.

Não quero que você atravesse os sete mares, enfrente ferozes dragões ou escale a torre mais alta para estar ao meu lado. Quero apenas que você fique aqui comigo. Quero sentir sua respiração, seu toque, seu carinho.

Não há nada mais emocionante do que ver seu sorriso bem de perto, enquanto escuto seu coração dizer bem forte que me ama."

Márcia Duarte

O sistema/1

Os funcionários não funcionam.
Os políticos falam mas não dizem.
Os votantes votam mas não escolhem.
Os meios de informação desinformam.
Os centros de ensino ensinam a ignorar.
Os juízes condenam as vítimas.
Os militares estão em guerra contra seus compatriotas.
Os policiais não combatem os crimes, porque estão ocupados cometendo-os.
As bancarrotas são socializadas, os lucros são privatizados.
O dinheiro é mais livre que as pessoas.
As pessoas estão a serviço das coisas.

p. 129

Os índios são bobos, vagabundos, bêbados. Mas o sistema que os despreza, despreza o que ignora, porque ignora o que teme. Por trás da máscara do desprezo, aparece o pânico: estas vozes antigas, teimosamente vivas, o que dizem? O que dizem quando falam? O que dizem quando calam? (Os índios/2, p. 132)


A televisão/2

A televisão mostra o que acontece?
Em nossos países, a televisão mostra o que ela quer que aconteça; e nada acontece se a televisão não mostrar.
A televisão, essa última luz que te salva da solidão e da noite, é a realidade. Porque a vida é um espetáculo: para os que se comportam bem, o sistema promete uma boa poltrona.

p. 149


Nós comemos emoções importadas como se fossem salsichas em lata, enquanto os jovens filhos da telev.isão, treinados para contemplar a vida em vez de fazê-la, sacodem os ombros.

Os livros não precisam ser proibidos pela polícia: os preços já os proíbem.

(A televisão/3, p. 152)


Pela tela desfilam os eleitos e seus símbolos de poder. O sistema, que edifica a pirâmide social escolhendo pelo avesso, recompensa pouca gente. Eis aqui os premiados: são os usurários de boas unhas e os mercadores de dentes bons, os políticos de nariz crescente e os doutores de costas de borracha.

(A televisão/5, p. 155)

Eduardo Galeano in "O livro dos abraços"

♥ Viva pra você, não para os outros. Não ouça tudo que te falam, ouça apenas o que você quer ouvir.
Esqueça as críticas se elas não te ajudam a crescer!
Esqueça das pessoas que você sabe que querem o teu mal, ou quando você menos espera vão te apunhalar pelas costas.
Não mude por NINGUÉM, seja sempre você!
Mude, quando você achar que algo não está bom, mude quando VOCÊ, mas só você, achar que tem que fazer isso, afinal a vida é sua.
Pense bem no que você fala dos outros, porque infelizmente vivemos em uma sociedade SEM PENA.
Leia livros, vá a praia, pense no seu futuro, mas não esqueça de viver o presente, intensamente! :)
Dê novos rumos para sua vida.
Leve o passado como lição, não se arrependa de nada, apenas faça diferente, porque arrependimento não faz você voltar no tempo e fazer diferente, o que você pode fazer em relação a isso, é levar como lição, e da próxima vez fazer tudo diferente, o tempo lhe da essa chance.
Seja você mesmo, espalhe coisas boas, que é isso que voltará para você!


"O valor das coisas não está no tempo em que elas duram,
mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesquecíveis,
coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis".

Negra

Se você parar para pensar a maioria das pessoas que escrevem falam sobre o amor perdido, sobre a ilusão vivida, da tristeza exercida e seus afins. Mas “cá” entre nós a sua carência peculiar deve esta falando mais alto do que sua razão, pois este amor talvez nunca tenha existido e tenha sido apenas uma afeição pela beleza que se expôs diante dos seus olhos e da sua alma carente de tudo.

Para fala a verdade eu me enchi de pessoas que vivem pedindo conselhos sobre o que fazer diante do fim de um relacionamento daquilo que a própria afirmava ser “o amor da vida dela” a principio não existe amor para vida toda; nem você se ama tanto assim. Nunca me vi em um relacionamento e detesto quando algum individuo diz “mas um dia você vai ver” isso é ridiculamente contra os meus princípios e atitudes.

Costumo dizer o que penso e quando não digo eu escrevo. As pessoas dizem que minha sinceridade magoa por isso eu digo “se não quer ouvir a verdade não me pergunte” eu não tenho o costume de rir da sua piada só para não te deixar sem graça, não faço “jus” a minha fama de arrogante e eu ate respeito sua opinião, mas jamais concordo com ela.

Afinal opinião é algo que só deve ser apresentado quando pedido.

Raphael Torres

Quando tiver certeza que está certo, é porque você está errado.

Eu sei que as pessoas falam que ‘quem se descreve, se limita’, mas no fundo todos se descrevem e segundo a teoria, todos se limitam. – Eu sou um tanto quanto autêntica, na verdade, eu sou um pouco diferente das outras pessoas – ‘diferente’ há – eu não gosto de usar essa palavra para me definir. – Eu penso de forma diferente. E na realidade, sou diferente, porque sei que os pensamentos são meus e não gosto de comentá-los. Não que meus pensamentos sejam grande coisa, mas é difícil eu dividi-los com outras pessoas. Na verdade, não divido. – Sei separar a realidade da fantasia, mas às vezes acho tudo tão difícil que, prefiro me fechar no meu mundo surreal. E isso não é um crime – imaginar que tudo está bem, quando não está – meus pais costumam me criticar por isso, mas, é a minha forma de viver. Uso uma filosofia de vida simples: “Sorria, mesmo que seu coração esteja doendo. Sorria, mesmo que ele esteja quebrado. Sorria, mesmo que o mundo esteja pegando fogo...”, simplificando, eu simplesmente ‘abstraio’. – Podem me machucar com as piores palavras, ou me agredirem fisicamente que eu simplesmente irei sorrir.

Mudo de idéias constantemente e acreditem, faço muito isso. Mas no fundo, eu tenho objetivos, então eu formo teorias – porque eu sempre tenho uma teoria para tudo – por isso vou mudando de idéias até conseguir o que eu quero, até chegar no ponto em que eu quero chegar. Isso confunde muito as pessoas, e honestamente, adoro confundir as pessoas. Às vezes, me acho maligna, porque gosto que as pessoas pensem que me elas me tem em suas mãos, porque então fica mais fácil de surpreender, e eu simplesmente surpreendo. – Mas só faço isso quando é algo realmente importante.

Tudo que é previsível que as pessoas façam, eu faço ao contrário. Quando eu tenho que arriscar, fico cautelosa. Quando é verdadeiro, eu duvido. Quando dói, eu me acabo rindo. Quando está difícil, eu faço que está fácil. Quando eu não sei, eu finjo que sei. Quando sei, finjo que estou em dúvida. Quando é natural, eu acredito ser mentira... Eu sou o que chamam de ‘contradição’. Não é falsidade, são bloqueios e formas de transformar tempestades em garoas.

E quando você perceber que na verdade eu estou facilitando as coisas, eu vou complicar. – Minhas malditas fases. – Chega uma hora que eu simplesmente penso: “Pra que facilitar, se eu posso complicar?”, é, essa é minha maldita contradição.

Tenho que confessar, sempre conto o final do filme, entendem o trocadilho? Simples. Eu sempre aviso, alerto, eu sempre sei como tudo irá acabar. Mas parece que nunca me escutam. “É importante prestar atenção em cada palavra que falo.” – Quando eu falo: está errado. É porque está errado. Quando eu falo: “vai dar tudo errado.”, é porque vai mesmo. Eu posso confundir as pessoas, mas não minto. E não que as coisas erradas não me atraiam, porque só por serem erradas, já são interessantes demais para mim.

Não tenho facilidade para mentir, é muito fácil saber quando tento mentir, por isso, prefiro ficar quieta do que tentar mentir e fracassar. – Mas tenho facilidade em manipular, manipulo com verdades, coloco as palavras de uma forma diferente mas real, e pronto.

Costumo falar entrelinhas. Tudo que eu falo, ou eu explico demais, ou eu falo de menos, para testar a inteligência das pessoas. Por isso, “é importante prestar atenção em cada palavra que falo”. Gosto de ver se as pessoas são capazes de me entender. É uma das formas que eu uso para saber se posso ou não confiar nas pessoas. Como? Simples. Se ela me entender, eu não devo confiar. – E bom, não confio em ninguém... Podendo ou não me entender.

Talvez as coisas colocadas desta maneira, pareçam ruins. Mas não são. – É tudo que eu sou. Diferente. Não sou complicada, nem louca – ok, talvez eu seja – mas as pessoas podem me entender, não precisam quebrar tanto a cabeça. É só me perguntarem, eu não vou mentir, e se eu não quiser explicar, vou ficar calada ou sorrir. – Eu posso gostar de confundir, mas eu venho com manual de instrução. Sério, eu sempre conto o final do filme.

Tudo isso porque a vida é uma aventura, e dane-se, eu vou vive-la intensamente. – “Want to bet me? I will exceed all expectations.”

Gabriella Beth Invitti

"As pessoas falam coisas, e por trás do que falam há o que sentem, e por trás do que sentem, há o que são e nem sempre se mostra…"

"Não nego. Tenho um grande medo de ser sozinha. Não sou pedaço. Mas não me basto."

"É lindo demais. E atrevido demais. É novo, sadio. Deu uma luz na minha cabeça, sabe quando a coisa te ilumina?"

"Talvez os amores eternos sejam amenos e os intensos, passageiros. É isso."

"E que seja permanente essa vontade de ir além daquilo que me espera."

CFA

Um homem me disse que no Talmude falam de coisas que a gente não pode contar a muitos, há outras a poucos, e outras a ninguém. Acrescento: não quero contar nem a mim mesma certas coisas. Sinto que sei de umas verdades. Mas não sei se as entenderia mentalmente. E preciso amadurecer um pouco mais para me achegar a essas verdades.

Clarice Lispector

Por minutos, ou horas, enlouqueço sem saber se aquilo que minha liberdade pede faz mesmo sentido.
Ideologias, desejos, romantismos, medos se fundem, se misturam e me viram do avesso.

Quando noto já mal sei quem eu sou, já nada me satisfaz e só consigo me encontrar estática e entediada, desejando de maneira rebelde e inconsequente uma dose de fuga desse mundo.

alguém em mim

Ou sejas tudo
ou não me sejas nada

Gosto do que é inteiro
completo
entrega

Não me contento com metades
porções

Parcelas de sentimentos
de almas
de corpos
apenas não me soam nada

Não as quero
Obrigada
entregue a outra
outra que se contente com suas migalhas

outro pobre ser
que não conheça a beleza
de ser só entrega
ser tudo

o nada
a mim, nada é

alguém em mim

Certezas

Não quero alguém que morra de amor por mim...

Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.

Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim...

Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível...
E que esse momento será inesquecível...

Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre...
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.

Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém...e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.

Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho...

Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento...e não brinque com ele.

E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.

Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe...

Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.

Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas...
Que a esperança nunca me pareça um NÃO que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como SIM.

Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros... Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.

Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão...

Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena.

Adriana Britto

Hoje senti sua falta, como sempre sinto.
Senti saudades de mim, saudades de você,
saudades de nós, saudades da minha felicidade,
do seu sorriso, do seu viver.
Hoje mais do que nunca senti sua falta.
Falta dos teus olhos,
falta dos meus olhos nos seus.
Falta do seu olhar,
falta da alegria no meu olhar.
Hoje senti que preciso de você,
senti sua falta. Falta de ouvir "amor meu",
falta de ser o amor seu.
Falta de
ter com quem falar,
falta de ter você comigo!
Sinto saudades, saudades de você.
Saudades do seu carinho...
Saudades da sua certeza...
Saudades da menina, da mulher.
Saudades de você, amor meu...
Senti falta de ouvir que sou o amor seu...
Hoje senti sua falta, como sempre sinto...
Saudade de você meu anjo

Desconhecido

Porque se olhares em mim verás...
Não sou tão má quanto pensas;
apenas não sou tão corajosa como imaginas...
Pareço forte, mas no fundo sou fraca
Fera, porém sou bela
As vezes chata, mas no meu íntimo há sentimentos diversos
Pareço metida, porém se olhares em meu semblante com seu coração verás apenas humildade
Calma, sempre...
Posso até parecer solitária ...
é que realmente tenho poucos amigos...
a diferença é que os poucos que tenho
não valem metade de um seu...
Pense nisso
depois me julgue
Lembre-se que se me julga pela aparência...
sou apenas o reflexo de sua ignorância

Desconhecido

Hoje eu estou sensível
Hoje eu estou menos eu
Hoje, só hoje, vou dar um tempo de mim
Vou resistir a meus impulsos
E controlar os meus sentimentos

Só hoje vou fingir que não estou nem aí
Vou pensar menos
Vou rir mesmo que a força

Só hoje vou parar totalmente
Vou ficar sem fazer nada
E vou ficar feliz apenas por estar na minha presença e na de Deus

Hoje eu não quero ouvir coisas ruins
Porque hoje está mais fácil de chorar
E se eu chorar
Não terei condições de argumentar
E tudo pode sair errado

Hoje eu não quero nada complicado
Quero sonhar com coisas boas
Quero brincar como criança
Quero comer sem medo de engordar
E viver sem objetivos

Só hoje quero ficar muda
Quero que o silêncio seja verdadeiramente silencioso
Quero dormir como um anjo

Hoje eu quero ouvir palavras de amor
Quero ouvir que sou importante
Quero abraços e muitos beijos
Quero carinho e quero colo
Quero família e quero amigos
Quero estar com quer estar comigo

Hoje eu quero que passe rápido
Eu quero que as horas corram
Mas se você vier
Hoje e todos os dias
Eu quero que o tempo páre
Só para ficar mais um pouquinho contigo...

Germana Facundo

O cru
(22/09/2007)

Eu tenho um mundo lindo dentro de mim
Eu sou tão sincera que não acredito que os outros possam mentir para mim
Eu me entrego tanto, que estranho quando não se entregam também a mim
Eu sou tão transparente, que denuncio tudo o que estou sentindo
E eu sou tão intensa que as pessoas, às vezes, têm medo de mim.

Eu não sei viver fingindo ser quem não sou
E nem vou negar os meus sentimentos para fazer joguinhos
Isso não é de mim,
Que ninguém espere isso de mim.
E que ninguém confunda minha entrega com desespero,
Porque eu me amo e sei do valor que eu tenho.

Eu sou o que sinto e vivo o que penso.
Quebro a cara, mas me reconstruo.
Não tenho medo de amar
E nem tenho vergonha de me expressar.
Quero da vida tudo o que ela possa me oferecer
E, se vierem lágrimas,
Deixarei que elas escorram firmemente sobre a minha face
E depois as enxugarei,
Quantas vezes forem necessárias,
Sem nunca me arrepender de ter vivido.

Houve um tempo em que eu achava que precisava de alguém para ser feliz.
Esse tempo, felizmente, passou.
Hoje, Deus me faz feliz.
Ele me basta.
A presença dEle me alegra e me sustenta
E, todos os dias, Ele me salva dos gigantes que tentam me derrubar
E o Seu amor faz com que eu agradeça por cada dia,
Mesmo que esse dia não tenha sido o melhor dos meus dias.

Já passei muito tempo me negando.
Já acreditei que eu sempre tinha que mudar para agradar a todos.
Essa época, graças a Deus, passou.
Só Deus me importa agora!
Mesmo que eu ainda erre tanto
E viva o hoje com a ansiedade de quem pensa que o mundo vá se acabar no outro dia,
Eu sei que Deus me ama apaixonadamente do jeitinho que eu sou.

E é por causa dEle, do amor dEle,
Que ainda acredito que ser sincera e amar não é ridículo,
Que se entregar não é loucura,
Que sorrir é fundamental para ser feliz
E que confiar nos outros, ainda hoje, também é possível.

Germana Facundo

O inacabado que há em mim

Eu me experimento inacabado. Da obra, o rascunho. Do gesto, o que não termina.
Sou como o rio em processo de vir a ser. A confluência de outras águas e o encontro com filhos de outras nascentes o tornam outro. O rio é a mistura de pequenos encontros. Eu sou feito de águas, muitas águas. Também recebo afluentes e com eles me transformo.
O que sai de mim cada vez que amo? O que em mim acontece quando me deparo com a dor que não é minha, mas que pela força do olhar que me fita vem morar em mim? Eu me transformo em outros? Eu vivo para saber. O que do outro recebo leva tempo para ser decifrado. O que sei é que a vida me afeta com seu poder de vivência. Empurra-me para reações inusitadas, tão cheias de sentidos ocultos. Cultivo em mim o acúmulo de muitos mundos.
Por vezes o cansaço me faz querer parar. Sensação de que já vivi mais do que meu coração suporta. Os encontros são muitos; as pessoas também. As chegadas e partidas se misturam e confundem o coração. É nesta hora em que me pego alimentando sonhos de cotidianos estreitos, previsíveis.
Mas quando me enxergo na perspectiva de selar o passaporte e cancelar as saídas, eis que me aproximo de uma tristeza infértil.
Melhor mesmo é continuar na esperança de confluências futuras. Viver para sorver os novos rios que virão.
Eu sou inacabado. Preciso continuar.
Se a mim for concedido o direito de pausas repositoras, então já anuncio que eu continuo na vida. A trama de minha criatividade depende deste contraste, deste inacabado que há em mim. Um dia sou multidão; no outro sou solidão. Não quero ser multidão todo dia. Num dia experimento o frescor da amizade; no outro a febre que me faz querer ser só. Eu sou assim. Sem culpas.

Padre Fábio de Melo

Não sei bem o que dizer sobre mim. Não me sinto uma mulher como as outras. Por exemplo, odeio falar sobre crianças, empregadas e liquidações. Tenho vontade de cometer haraquiri quando me convidam para um chá de fraldas e me sinto esquisita à beça usando um lencinho amarrado no pescoço. Mas segui todos os mandamentos de uma boa menina: brinquei de boneca, tive medo do escuro e fiquei nervosa com o primeiro beijo. Quem me vê caminhando na rua, de salto alto e delineador, jura que sou tão feminina quanto as outras: ninguém desconfia do meu hermafroditismo cerebral. Adoro massas cinzentas, detesto cor-de-rosa. Penso como um homem, mas sinto como mulher. Não me considero vítima de nada. Sou autoritária, teimosa, impulsiva e um verdadeiro desastre na cozinha. Peça para eu arrumar uma cama e estrague meu dia. Vida doméstica é para os gatos. (...)

Tenho um cérebro masculino, como lhe disse, mas isso não interfere na minha sexualidade, que é bem ortodoxa. Já o coração sempre foi gelatinoso, me deixa com as pernas frouxas diante de qualquer um que me convide para um chope. Faz eu dizer tudo ao contrário do que penso: nessas horas não sei onde vão parar minhas idéias viris. Afino a voz, uso cinta-liga, faço strip-tease. Basta me segurar pela nuca e eu derreto, viro pão com manteiga, sirva-se.

Sou tantas que mal consigo me distinguir. Sou estrategista, batalhadora, porém traída pela comoção. Num piscar de olhos fico terna, delicada. Acho que sou promíscua, doutor Lopes. São muitas mulheres numa só, e alguns homens também.

Martha Medeiros

Grande Edgar



Já deve ter acontecido com você.

- Não está se lembrando de mim?

Você não está se lembrando dele. Procura, freneticamente, em todas as fichas armazenadas na memória o rosto dele e o nome correspondente, e não encontra. E não há tempo para procurar no arquivo desativado. Ele está ali, na sua frente, sorrindo, os olhos iluminados, antecipando a sua resposta. Lembra ou não lembra?

Neste ponto, você tem uma escolha. Há três caminhos a seguir.

Um, o curto, grosso e sincero.

- Não.

Você não está se lembrando dele e não tem por que esconder isso. O “Não” seco pode até insinuar uma reprimenda à pergunta. Não se faz uma pergunta assim, potencialmente embaraçosa, a ninguém, meu caro. Pelo menos não entre pessoas educadas. Você devia ter vergonha. Não me lembro de você e mesmo que lembrasse não diria. Passe bem.

Outro caminho, menos honesto mas igualmente razoável, é o da dissimulação.

- Não me diga. Você é o... o...

“Não me diga”, no caso, quer dizer “Me diga, me diga”. Você conta com a piedade dele e sabe que cedo ou tarde ele se identificará, para acabar com a sua agonia. Ou você pode dizer algo como:

- Desculpe deve ser a velhice, mas...

Este também é um apelo à piedade. Significa “Não torture um pobre desmemoriado, diga logo quem você é!” É uma maneira simpática de dizer que você não tem a menor idéia de quem ele é, mas que isso não se deve à insignificância dele e sim a uma deficiência de neurônios sua.

E há o terceiro caminho. O menos racional e recomendável. O que leva à tragédia e à ruína. E o que, naturalmente, você escolhe.

- Claro que estou me lembrando de você!

Você não quer magoá-lo, é isso. Há provas estatísticas que o desejo de não magoar os outros está na origem da maioria dos desastres sociais, mas você não quer que ele pense que passou pela sua vida sem deixar um vestígio sequer. E, mesmo, depois de dizer a frase não há como recuar. Você pulou no abismo. Seja o que Deus quiser. Você ainda arremata:

- Há quanto tempo!

Agora tudo dependerá da reação dele. Se for um calhorda, ele o desafiará.

- Então me diga quem eu sou.

Neste caso você não tem outra saída senão simular um ataque cardíaco e esperar, falsamente desacordado, que a ambulância venha salvá-lo. Mas ele pode ser misericordioso e dizer apenas:

- Pois é.

Ou:

- Bota tempo nisso.

Você ganhou tempo para pesquisar melhor a memória. Quem é esse cara, meu Deus? Enquanto resgata caixotes com fichas antigas do meio da poeira e das teias de aranha do fundo do cérebro, o mantém à distância com frases neutras como “jabs” verbais.

- Como cê tem passado?

- Bem, bem.

- Parece mentira.

- Puxa.

(Um colega da escola. Do serviço militar. Será um parente? Quem é esse cara, meu Deus?)

Ele está falando:

- Pensei que você não fosse me reconhecer...

- O que é isso?!

- Não, porque a gente às vezes se decepciona com as pessoas.

- E eu ia esquecer você? Logo você?

- As pessoas mudam. Sei lá.

- Que idéia!

(É o Ademar! Não, o Ademar já morreu. Você foi ao enterro dele. O... o... como era o nome dele? Tinha uma perna mecânica. Rezende! Mas como saber se ele tem uma perna mecânica? Você pode chutá-lo, amigavelmente. E se chutar a perna boa? Chuta as duas. “Que bom encontrar você!” e paf, chuta uma perna. “Que saudade!” e paf, chuta a outra. Quem é esse cara?)

- É incrível como a gente perde contato.

- É mesmo.

Uma tentativa. É um lance arriscado, mas nesses momentos deve-se ser audacioso.

- Cê tem visto alguém da velha turma?

- Só o Pontes.

- Velho Pontes!

(Pontes. Você conhece algum Pontes? Pelo menos agora tem um nome com o qual trabalhar. Uma segunda ficha para localizar no sótão. Pontes, Pontes...)

- Lembra do Croarê?

- Claro!

- Esse eu também encontro, às vezes, no tiro ao alvo.

- Velho Croarê!

(Croarê. Tiro ao alvo. Você não conhece nenhum Croarê e nunca fez tiro ao alvo. É inútil. As pistas não estão ajudando. Você decide esquecer toda a cautela e partir para um lance decisivo. Um lance de desespero. O último, antes de apelar para o enfarte.)

- Rezende...

- Quem?

Não é ele. Pelo menos isso está esclarecido.

- Não tinha um Rezende na turma?

- Não me lembro.

- Devo estar confundindo.

Silêncio. Você sente que está prestes a ser desmascarado.

- Sabe que a Ritinha casou?

- Não!

- Casou.

- Com quem?

- Acho que você não conheceu. O Bituca.

Você abandonou todos os escrúpulos. Ao diabo com a cautela. Já que o vexame é inevitável, que ele seja total, arrasador. Você está tomado por uma espécie de euforia terminal. De delírio do abismo. Como que não conhece o Bituca?

- Claro que conheci! Velho Bituca...

- Pois casaram...

É a sua chance. É a saída. Você passa ao ataque.

- E não me avisaram nada?!

- Bem...

- Não. Espera um pouquinho. Todas essas coisas acontecendo, a Ritinha casando com o Bituca, o Croarê dando tiro, e ninguém me avisa nada?!

- É que a gente perdeu contato e...

- Mas o meu nome está na lista, meu querido. Era só dar um telefonema. Mandar um convite.

- É...

- E você ainda achava que eu não ia reconhecer você. Vocês é que esqueceram de mim!

- Desculpe, Edgar. É que...

- Não desculpo não. Você tem razão. As pessoas mudam...

(Edgar. Ele chamou você de Edgar. Você não se chama Edgar. Ele confundiu você com outro. Ele também não tem a mínima idéia de quem você é. O melhor é acabar logo com isso. Aproveitar que ele está na defensiva. Olhar o relógio e fazer cara de “Já?!”)

- Tenho que ir. Olha, foi bom ver você, viu?

- Certo, Edgar. E desculpe, hein?

- O que é isso? Precisamos nos ver mais seguido.

- Isso.

- Reunir a velha turma.

- Certo.

- E olha, quando falar com a Ritinha e o Mutuca...

- Bituca.

- E o Bituca, diz que eu mandei um beijo. Tchau, hein?

- Tchau, Edgar!

Ao se afastar, você ainda ouve, satisfeito, ele dizer “Grande Edgar”. Mas jura que é a última vez que fará isso. Na próxima vez que alguém lhe perguntar “Você está me reconhecendo?” não dirá nem não. Sairá correndo.


Este texto está nos livros As mentiras que os homens contam, Comédias da vida privada e O suicida e O computador.

Luis Fernando Veríssimo