Textos para uma Menina Corajosa

Cerca de 1239 textos para uma Menina Corajosa

Passeando em seu ser!

Menina, moça, mulher...
Com seus medos, angústias, amores, desejos escondidos meramente subtraídos pelo desejo de se entregar e amar, e se entregar cada vez mais, fazer o seu mundo ser o domínio do amor, desejo de dominar o seu mundo!
Anseio, que desejos podem estar escondidos por trás de uma leve e suave fala?
...Um sussurro?
Um toque de amor, um carinho sentido com ardor, desses que nos fazem delirar de prazer, sonha com seu grande amor, um desejo formal de entrega, mas não basta, tem que se dar, para valer à pena o amor tem que tomar as rédias do nosso ser.
Acredito no seu sorriso sincero, também na sua acepção ao amor, mas desconheço nela a capacidade de amar, um beijo na boca pode calar, mas um coração só se cala com certeza do amor sentido em seu interior, a alma anseia esse amor.
O olfato deseja esse odor!
Com uma pele macia e suave e limpa, com cheirinho de bebê, como necessita de um carinho e um toque ou algo mais, uma carícia mais excitante, em algum instante faz esquecer o mundo lá fora, e traz o amor para si.
Com os pensamentos excitados e ao mesmo incitados ao amor, imaginar um amor tão distante chega a ser desafiador, mas nada pode impedir o amor, distinguir seu sabor, incitar um encontro mais íntimo sentir seus instintos mais naturais, selvagens talvez, mas sentir seu amor.
Acompanhar um raciocínio sem lógica, fugir à lógica da vida, fugir da rotina, sair do natural, parece loucura, mas a loucura da vida é seguir à risca o que não sabe-se ao menos o que é o certo, deixar aberto o coração para o amor entrar.
Sempre aberto, nunca fechar, coração foi feito para trabalhar, o ofício do coração é amar, amar e amar, como um trem em disparada sem ter como parar, para ser louco no amor, é preciso desrespeitar o cronograma da vida, do ser humano e se entregar.
Seus problemas seriam sem solução ao deparar com um sorriso sem compaixão, ou o amor pode vir como vier, a delícia do amor, te fazer mulher, o desfrutar do sabor de uma noite de paixão, solução encontrada nas formas e curvas da pessoa amada.
O que pode evitar o amor é desconhecido, nada acontece ao redor do poder, do poder do amor, deixar-se privar de amar é uma forma de rejeição, deixar o amor entrar é a mais bela forma de felicidade, com certeza sem igual.
Nada se iguala ao amor em seu extremo, fica a delícia da vida como pedindo misericórdia que nunca se afaste a paixão em sua essência, Deus criou o amor e nele uma condição, o amor só existe em verdade com a entrega divina e absolutamente verdadeira.
Ser feliz ouvindo uma linda canção, um delírio sentido pelo coração, o sentido no prazer de estar apaixonada e sentir-se amada cada vez mais lançada aos pés daquele que tem as formas da sua imaginação, criar um amor verdadeiro lançado ao coração, quisera pois, vivê-lo por inteiro.

Paulo Master

ANJO MENINA

Uma figura angelical
Anjo menina
Assim te imagino e vejo
Dando causa às minhas fantasias
E razão aos meus desejos

Parece que vens do céu!
Sabes distinguir o bem do mal
Mexes com o meu coração
Fazendo girar meu pensamento
Com a força de um turbilhão
E o romantismo de um carrossel.

Em ti Deus colocou ternura
Amor...sensibilidade...candura...
Tudo enfim
E ainda me presenteou com a felicidade
Ao separar no teu coração
Um cantinho pra mim!

Walter Pereira Pimentel

Poderia ser melhor
Se eu fosse até os céus...
Posso encontrar uma saída...
Um dia fui uma menina
que vivia num mundo de
lágrimas...
Não eu não sabia que
eu poderia ser melhor...
(não eu não quero ser assim)
Nos fins do sonhos
(eu posso recomeçar)
Perdida em algum mundo
(só eu posso me achar)
Lembranças perdidas, eu guardei no armario
a velha menina que custumava ser..
Meu ALL STAR, indica que eu nã estou afim de papo..
Um dia eu fui alguém
(não eu não quero ser assim)

Paula Câmara Ferreira

A menina que você implicava e que chorava
A menina que dizia que te amava mais você ignorava
A menina que nunca falava o que pensava e q hoje fala o q pensa
A menina que antes você falava q não suportava mais que agora num sai dos seus pensamentos
A menina que te ensinara que a vida não é como você pensa que é!

Paula Câmara Ferreira

Sou mulher
Nasci menina
laços e fitas rosas no cabelo
Até descobrir
Que a vida não é tão cor-de-rosa assim....
Nasci menina
Sou mulher
Brinquei com bonecas
Até descobrir
Que ter filhos não é tão fácil assim
Nasci menina
Fui moleca
Cai, me machuquei, chorei, sangrei
Até saber que não seria tudo
Tão simples assim
Até sangrar de verdade

Thereza Cristina

Quero que lembrem de mim,
como a menina que ainda sou por dentro,
que sente medo,que chora,que sente saudade...
Que luta por seus ideias,mesmo que muitos
não entendam,sou arteira,travessa,muleca...irmã
Amante da vida,criança,ciumenta,briguenta,
cabeça dura,alegre,palhaça,guerreira...mulher.

Michelle

Ei! você, menina que pra sempre eu quero ter!
Você nasceu pra mim, e eu nasci pra você!
Você é meu beija flor, eu sou o seu amor!
Você é meu doce mel, eu sou o pedaço do seu céu...
Eu gosto tanto de você que fui até a luta
Eu apanhei estou aqui por você vou em busca!
Você não gosta de mim o q é q eu vou fazer?
Sei que você nasceu pra mim, e eu pra você...
Se achas que é amor, fica comigo então!
Se achas que é amizade, me chama de irmão!
Se achas que é os dois, procura logo a solução!
Pois nesse momento não posso te ajudar nessa não!
Não posso te ajudar nessa não!!! Não posso te ajudar nessa não!!!
Procure o melhor pra você, que será bom pra mim... você ficando feliz...

Iverson Dantas

O ESTRANHO INVERNO DE CLOTILDE

Desde menina,
Clotilde temia temperaturas baixas.

Ao pisar no chão gelado,
Sua boca estranhamente
Era tomada por um gosto de limão.

Anos e anos Clotilde guardava esse segredo,
Entrava primavera e saía primavera
Sem sentir a delicadeza do chão.

Dia desses fiquei sabendo
Que diante de um frio 4° graus,
Clotilde tirou os sapatos, as meias
Desafiou a temperatura do solo,
Esquentou o coração.

- sentiu um leve gosto de limonada nos lábios -

Com um largo sorriso nos pés, saiu descalça
Passeando pela cidade,
Irradiando euforia e paixão.

Reginaldo Poeta Gomes - fev 2009

Eu to naquela faze sabe ? que você econtra uma menina e cha que ela é a unica que pode fazer você esqueçer a "outra", que a outra na verdade só fica no seu pensamento e quem ta no seu coração mesmo é essa que esta com você a "atual", e quando você percebe issu fica irradiante de felicidade...
Mas é nesse extremo de felicidade onde você vê que quem esta com você não esta tão feliz assim por estar com você, e quando você vai ao fundo descobre que ela também acha que vc é o unico que pode fazer ela esuqeçer o outro, quando na verdade não é.
É ai que você chega no fundo do poço, o qual muitas pessoas chamam de amor, mas não é, é um poço fundo, frio, escuro e estreito.
É ai que você sente falta da "ourta" que já não liga mais pra você e quando a "atual" que você achava que se importava se distancia e quando você sente falata de alguém pra simplismente te abraçar e dizer que te ama.
Em fim... Estou na SOLIDÃO!

Claudio Wallace

A Sempre Menina Mulher de Sagitário
Existe dois tipos de sagitariana: as passivas e fracas que aceitam tudo sem levantar a cabeça, e as ORIGINAIS! Se o seu caso é o primeiro, não perca tempo lendo esta matéria.
Nem sempre ela dirá coisas que você quer ouvir. Na maioria das vezes, ela vai deixá-lo arrepiado com suas observações desconcertantes e francas. Mas de vez em quando dirá coisas tão maravilhosas que vão fazê-lo dançar de felicidade. Ela talvez seja um pouco franca demais porque vê o mundo tal como ele é.
Ela não gosta de mentiras, e dificilmente alguma mulher de sagitário costuma mentir. A menos que tenha um ascendente em capricórnio, esta mulher dificilmente conseguirá convencer as pessoas quando estiver contando uma mentira. E a gente tem que admitir que isto é uma ótima qualidade, não é?
As sagitarianas são muito independentes, e ambos os sexos mantém uma certa distância aos laços familiares. Quando quiser que ela faça algo, peça-lhe. Não tente mandar nela. A técnica dos homens das cavernas não funciona com esta mulher. Ela não nasceu para ser mandada, odeia ter que receber ordens e abomina todo homem que tente aprisioná-la. Ela gosta de ser protegida, mas não gosta de ser mandada. Se nem mesmo seu pai consegue dominá-la, não vai ser qualquer um que vai achar que pode lhe dar ordens! A sagitariana não é de abrir mão da própria personalidade e da independência por homem algum. Deve ser por isso que as sagitarianas - logo atrás das aquarianas, - representam o maior numero de mulheres divorciadas!
Quanto mais nervosas ela fica, mais sarcástica e cínica se torna. A sagitariana pode mandá-lo para o inferno com um grande sorriso nos lábios e ainda ridicularizá-lo na frente de todos, como se estivesse se divertindo. Ela tem esta capacidade de torná-lo o bobo da côrte, e ainda sair por cima como se nem tivesse sentido a força de suas ofensas. Mas nem sempre ela será tão “amável” assim, quando estiver realmente irritada. Enfrentar a raiva desta mulher não é a melhor coisa do mundo. Como todo sagitariano (homem ou mulher) ela não é de armar o barraco, mas se resolver fazê-lo é melhor se esconder até a tempestade passar. Afinal, não é prudente brigar com um signo que é metade gente, metade cavalo, e a metade humana ainda está armada!
Feliz daquele que tem a sorte de ter uma mulher de sagitário como amiga. Ela alegrará suas festas, será sua melhor confidente e sempre estará ao seu lado quando todos seus amigos tiverem abandonado o barco. Ela é tão generosa, paciente e atenciosa com todos os amigos, que seu telefone dificilmente fica muito tempo sem tocar. Se repararem bem, a maioria das sagitarianas sempre recebem telefonemas de amigos que nunca conseguem esquecê-las, mesmo que estejam distantes. Ela é uma das poucas mulheres que costuma ter amigos de infância. Sim, eu disse amigos. Os mesmos que rolavam com ela na rua enquanto jogavam bola, e que um dia perceberam que aquela garota com jeito desajeitado de moleque, que andava descalça um dia se tornou uma linda mulher. Tentem reparar em uma sagitariana andando. Vejam como a maioria costuma andar com o nariz empinado, parecendo um cavalo puro sangue. Vejam como ela é uma mulher elegante e confiante, mesmo quando tropeça e sai derrubando tudo pelo caminho! Sim, a coisa mais difícil de encontrar é uma sagitariana que não seja um pouco desajeitada.
Também costuma ter uma atitude um tanto displicente em relação a envolvimentos amorosos, o que pode levar algumas pessoas a achar que é uma mulher fria e insensível. Puro engano! Ela se emociona ao assistir um filme triste e sonha com você durante as noites em que estiver solitária, mesmo que nunca confesse isto. É possível que ela tenha guardado todos os bilhetes de amor que você escreveu restos de flores que enviou e a primeira entrada do cinema que foram juntos. Mas não espere ver este seu tesouro tão cedo! A sagitariana não gosta de revelar seus segredinhos de amor. Deixar que você veja estes segredos é assumir que está apaixonada. E ela odeia sentir-se fragilizada! Quando este romance acaba, por dentro ela pode estar chorando, mas responderá com tanta inteligência e habilidade as perguntas dos amigos, que todos pensarão que tudo não passou de um simples namorico de verão. Mal sabem como ela pode estar arrasada por dentro.
A idade realmente não importa quando o assunto é a sagitariana. Elas permanecem meninas mesmo quando envelhecem. E elas adoram ser tratadas como meninas sapecas que não param no canto, sempre prontas a correr na rua com os garotos! E, é esta alegria de viver, este eterno otimismo que enfeitiçam os homens de bom gosto! Nenhuma mulher pode ser tão apaixonada pela vida quanto a sagitariana, e transmitir este amor por todos os cantos por onde passa. Estar ao seu lado é viver o bom humor e acreditar no futuro. Não importa que ela tenha milhões de amigos que ocupam grande parte do seu tempo, nem que passe o tempo todo planejando viagens ou sonhos que ainda quer realizar. Amar uma mulher de sagitário é recompensador e nunca é monótono. Não importa que ela não tenha aprendido a dizer o quanto te ama para ela isto é difícil. Quem já teve a felicidade de estar apaixonado por sagitarianas, sabe que a melhor maneira que elas têm para demonstrar o que sentem, é pela a ação. Nenhuma mulher beija tão gostoso ou erradia tanta vida e alegria quanto um anjinho de sagitário que chegou a conclusão - após passar várias noites em claro - de que o que sente por você não é amizade, mas amor! E, quando as setas do arqueiro penetram em nossos corações, não há magia no mundo que possa nos livrar do poder do amor de uma sagitariana!

Desconhecido

Uma menina me ensinou
Quase tudo que eu sei
Era quase escravidão
Mas ela me tratava como um rei

Ela fazia muitos planos
Eu só queria estar ali
Sempre ao lado dela
Eu não tinha aonde ir

Mas, egoísta que eu sou
Me esqueci de ajudar
A ela como ela me ajudou
E não quis me separar

Ela também estava perdida
E por isso se agarrava a mim também
E eu me agarrava a ela
Porque eu não tinha mais ninguém

E eu dizia
Ainda é cedo
Cedo, cedo
Cedo, cedo

E eu dizia
Ainda é cedo
Cedo, cedo
Cedo, cedo

Sei que ela terminou
O que eu não comecei
E o que ela descobriu
Eu aprendi também, eu sei

Ela falou: "Você tem medo."
Aí eu disse: "Quem tem medo é você."
Falamos o que não devia
Nunca ser dito por ninguém

Ela me disse
"Eu não sei
Mais o que eu sinto por você
Vamos dar um tempo
Um dia a gente se vê."

E eu dizia
Ainda é cedo
Cedo, cedo
Cedo, cedo
11/04/2014

Legião Urbana

Ai ai Meu DEUS...
Como essa menina maltrata meu coração com essa graça toda...
Por que tanta beleza pra tanta, tanta, distancia...
Pra que, este monte de açucar nessa moça café com leite, se só um pouquinho ja basta pra agracia-la.
Ai ai Meu DEUS...
Como pode alguêm tal flor, perdida num jadim de Amor.
De que adianta um selva destas, pra uma rosa unica e rara...
Pra que tanto desejo, tiro proveito desse "ensejo",
e pra vc eu deixo um beijo.
Ai ai meu DEUS.

Bruno Lopes Maciel de Lima

Aonde foi parar aquela menina?


Hoje dei pela falta da menina que morava em mim... Nem vi quando ela se foi...A menina que já chegou contando as horas... De manhã quando a acordei já não estava mais aqui. Eu não tenho mais a menina por dentro. Fiz de tudo para segurá-la, quase a pressionei. De frente ao espelho, finalmente, para quase desespero meu, vi a velha que hoje se instalou sem me perguntar se podia, se havia lugar para ela... De olhos opacos, rugas , de lábios ressequidos, de mãos de bruxas da minha infância..... Bati muitas e muitas vezes, a porta do tempo em sua cara... E hoje ela finalmente, arrombou as trancas que a prendiam lá fora e se apossou de mim contra a minha vontade. Em restos de ilusão, borrei -a de rouge carmim, pus -lhe máscaras, troquei suas roupas antigas, vesti-a de novas roupas coloridas, enchi- a de balangandãs, levei-a aos antigos lugares onde ia, mas ninguém viu nela sequer resquícios da menina que um dia foi... Não consegui disfarçá-la. Ela estava ali, num fio de cabelo branco, numa ruga onde antes era pele de cetim... Eu não queria que ela viesse..Não a convidei, não estava preparada para recebê-la... Assim como a menina teve pressa para ir, ela teve urgência em chegar. Alguém teria que ocupar meu corpo, ou então a morte viria fazê-lo... É uma velha e por ser velha, sem brilho, sem viço, sem verdor... Eu quero a menina de volta, seus risos, sua beleza, sua alegria... A menina a embalar-se e a embalar meu sonhos... Eu quero a menina que o tempo levou... Eu não quero despedir-me de mim... Eu não sou essa pessoa que vejo no espelho, eu nunca fui assim... Não reconheço sua amargura, nem essa pele macilenta, nem esse rosto flácido... Eu não quero essa pessoa que precisa de retoques, que precisa de disfarces, que não posso assumir... Eu não quero esse ser quase invisível que agora está aqui...Eu não sei o que fazer com esse meu jeito assim sem graça, já não desperto interesses, não recebo mais olhares, eu quero a beleza perdida que o tempo roubou e levou com a menina que vivia aqui...Quero-a de volta, mesmo com sua inexperiência, com suas inconsequências, de cabelos ao vento, sem pensar no amanhã...Quero a sua juventude, sua rebeldia sem causa,quero as asas que ela tinha,sua felicidade sem motivo ,quero os sonhos que ela levou... as canções que ela inventava e cantava pra viver... Essa velha é preocupada, já não dorme direito nem me deixa sonhar...Vive perdida no passado e paradoxalmente, corre contra o tempo quando o que eu mais queria era que ele parasse ...Sei que busca a menina que desapareceu na distância sumiu na curva da estrada ...Foi dando adeus de mansinho, avisando que iria, mas eu não acreditei... Dentro de mim a menina seria eterna, até ontem, quase a toquei num resto de brilho que havia em meu olhar, no homem que passou e olhou para mim, na velha calça desbotada que ousei colocar... Mas hoje ela se foi definitivamente... E cheia de bagagem... Nada deixou para traz... Nem um vestido de renda, nem um laço pro cabelo, nem um pingo de rubor na face...Me deixou só lembranças e lembranças não enfeitam, não rejuvenescem...Nem uma gotícula do tempo que passou, sequer um estrela cadente ,um desejo escondido... Até isso ela levou... Hoje passou por mim na rua, trocou de calçada, fez que não me viu... Seguia em bandos de adolescentes, em gritaria de estudantes, em risos soltos no ar... De vestido esvoaçante, de gargalhadas por nada, ela não sentiu saudades daqui... A casa estava se desmoronando, seus pilares arqueados, ao invés de Milk shake, chá das cinco, ela nunca gostou disso... Ela precisava viver... Foi em busca de outros corpos, de outros sonhos e me deixou ficar... A menina travessa precisava da alegria que eu já não tinha mais, de se perder em devaneios, precisava da beleza,de forças para acender o sol e apagar a lua... Agora que ganhou a chave da casa, de vez em quando faz -me visitas esporádicas em forma de recordações que para nada me servem... Vem em sonhos depois me acorda e me faz fitar um espelho que não reflete o que fui quando ela estava aqui... Não quero as marcas que ela me deixou...São na alma e não no corpo...desse, quase nada restou...Não quero seguir sozinha essa estrada sem beleza, sem risadas, sem nada...Quero o fim de uma história que não acabou...Quero alegria que ela me trazia, a vida que ela me deu...Não conheço essa pessoa que agora vive aqui...Procura-se desesperadamente por mim!

Linda Lacerda

GAROTA-MÃE MENINA-MULHER

Menina-Criança,
foi pega de surpresa,
por culpa de seus atos,
meros fatos,
outrora, inatos,
mas que faz diferença,
pra pobre menina.

Oh... pobre menina,
cuja infância fascina,
mas foi interrompida,
para dar vez à outra infância.

Oh... pobre menina,
tão pequenina,
tão abandonada.

Oh... pobre menina,
largou a boneca,
aprendeu a trocar fralda.

Oh... pobre menina,
ainda tem muita esperança,
mas, alimentará uma nova criança.

Pobre menina,
esquecida pela criança feliz,
transformada naquela mini-mulher crescida-menina
que deu a luz
a uma nova menina,
e perdida no mundo,
a menina-mulher segue a vida.

Luiz Felipe Bolis

(VANESSA) [minha sobrinha]


Uma menina de sorriso farto
De olhos brilhantes, com a cor do luar
Brinca, pula, sorri, chora coisas de criança
O com seu sorriso e seu jeito, sempre nos faz viajar

O nascimento dela foi uma felicidade sem fim
Não me atrevo a nem imaginar minha vida sem ela
Ela dar cor há tudo que toca em tudo que há interessa
Deve ser a santa que ainda não foi pintada na capela

Às vezes se chateia por motivos fúteis
Mas a raiva é passageira
Logo-logo está brincado feliz de novo
E o choro triste dá lugar a feliz “gritadeira”.

Denilson Silva

Menina encantada.

Era uma vez um amor perdido.
Meio escondido
Num canto qualquer.

Que apareceu-me do nada.
Com rápidez de uma espada.
Se alojou no me eu.

Desse jeito maluco.
Simples, absoluto.
Invadiu o meu ser.

Não pediu nem licença.
Se apossou...
Virou dona..

Cada passo na escada.
Essa menina encantada.
Sigo com meu olhar.

E no meio da mesma.
No pensar um desejo
Paro. Roubo um beijo.

Somos doidos varridos.
De suspiros, gemidos
Quero sempre te amar.

Edmilton Pedroso

Olá menina... Não sei se posso dizer...
Mas eu gosto de você, o seu jeito de criança, faz a vida mais feliz. Seus sonhos encantados, renovam a esperança, refrescam a lembrança, de que vida, foi feita pra viver... Eu aprendo todo dia que basta a alegria e o amor no coração... Que doce é a saudade, quando trás felicidade e a paz à nossa alma... Hoje eu sei que também posso, compreender o seu viver, posso até sonhar um pouco, antes que deva acordar... Deixo agora o meu recado, a quem quiser a vida amar:
VIVA O SONHO E SONHE A VIDA.
AME A PAZ E A ESPERANÇA.
SONHE O AMOR QUE TAMBÉM TE AMA!

Isaque Ramos

Ela leva consigo um retalho de fotografias que tira ao longo da vida.
A menina que nasceu em 19 de agosto, dia da fotografia, trouxe do berço a paixão de levar uma máquina a tiracolo sempre que sai pra explorar o mundo.
Gosta de observar miudezas do cotidiano e inventar belezas.
O doce som que o obturador faz ao clicar esses instantes eternos, mistura-se a explosão de sentimentos que ocorre em sua cabeça e coração a cada click.
Ela não era detalhista, mas aquela florzinha no cantinho da calçada no começo de primavera chamava sua atenção. Ou aquela pipa colorida contrastando com o céu azul em dia claro.
Gostava de registrar em ângulos que ela mesma inventava, situações sinceras, sorrisos escancarados.
Sentia-se feliz com sua pequena-grande máquina fotográfica!
Não importava se em dias de sol ou chuva.
O sol trazia a luz perfeita, a chuva, os tons poéticos de cinza que entristeciam o céu.
Mas pra ela, a fotografia não depende só das lentes da máquina, e sim das lentes dos olhos.
E essas pequenezas que nos encantam, a gente traz de dentro pra fora!
É mais que paixão e arte, é dom!

Paula Leite

Quando eu era menina bastava esse sol queimar lá fora e todos os meus problemas estavam resolvidos. Eu pegava meus brinquedos e ia brincar de fazer comidinhas para as minhas bonecas, plantava alguns grãos de feijão em algodão só para vê-los crescer, e quando estavam bons, eu pedia pra minha mãe cozer eles junto com os outros que ela comprava na feira - sim, porque na minha época as donas de casa compravam feijão na feira e ele não custava o olho da cara. E olha que nem faz tanto tempo assim.
Mas hoje eu não tô afim de reclamar do preço do feijão, eu só lembrei de como era bom olhar o sol, de como eu me irritava quando a mãe vinha passar protetor solar porque eu dizia que a comidinha ia queimar. Ainda sinto o cheiro das folhas, da terra, do pouco de água que eu jogava. Lembro dos jogos de pratos e copos que o meu pai comprava pra mim e eu cuidava tão bem de tudo aquilo, eu não ia dormir sem levar e secar todos eles - mal sabia eu o quanto eu reclamaria da louça interminável que lavo e seco todos os dias.
E olhando esse mesmo sol escaldante que tá deixando todo mundo louco, com vontade de entrar numa bacia de gelo a cada meia hora, é que eu comecei a perceber - pela milésima vez - como o tempo passou rápido.
Ontem eu vestia PP, calçava 34, pedia pra mãe os brinquedos que passavam no comercial da TV - e raramente ganhava um deles - , e tomava creme de laranja todos os dias cedo. Hoje eu insisto em experimentar o P, mas já é M, calço 36, vou pra dois anos de namoro e meu pai quer que eu tire a habilitação pra ajudar na correria da semana.
E digamos que eu sou lá muito estranha porque ora quero que o tempo passe, ora quero que ele volte.
Não suporto quando o Tharsis se atrasa meia hora, mas esperaria por ele por toda a minha vida. A cozinha suja me incomoda demais e, se não estou empolgada, me irrita mais ainda ter que arrumá-la, mas nada disso me incomoda se as pessoas que eu amo estiverem esperando uma comidinha gostosa pra janta.
Não suporto que interrompam o processo de qualquer preparação que eu esteja fazendo: desde uma colherada no brigadeiro antes de enrolar até uma beliscada no bife antes que eu jogue o molho. Mas se eu sentir amor, nada disso me incomoda.
Eu sou intensa, prefiro não carregar lembranças do que faltou dizer, digo logo tudo o que preciso dizer. Essa minha mania de realismo chega a ser cruel, mas faz bem, às vezes. Às vezes faz mal, aí é hora de correr atrás, me desculpar e fazer um strogonoff pra tudo ficar bem de novo.
Eu assim: meio criança, meio mulher, meio velha, meio louca.
A canção pra mim é tudo, é nela que eu me escondo e estudar canto erudito, pra mim, tem sido abrigo.
Abrigo que começa numa canção e termina nos braços dele, porque é dele que eu tô precisando agora, que eu preciso hoje, amanhã e sempre. Sorrir renova o fôlego. Ele me faz sorrir, e é dele que eu preciso pra sorrir e renovar o fôlego que me faz cantar todos os dias.
Todos os dias.

Mayara Freire

Procurava a mulher, surgiu a menina.
Procurava a menina e sugeriu ser ela a tal mulher.
Ela em seu a, b, c, d.
Ele em tanta hermenêutica.
Ela no soprar bolinhas de sabão e ver tudo se espalhar e voar.
Ele em fórmulas fabulosas de bomba atômica ou de ataques nuclear.
E uma única equação entre eles.
Uma só matemática, 1+1 e pronto!
Ela sem tantos paetês, sem máscaras anti-rugas, sem batom e sem quase nada!
Ela na sandália rasteira e na camiseta básica.
Ele no paletó e no arco íris cinzento das tantas gravatas!
Ela no vestido floral e conduzindo o passo feito bailarina!
Era ela a menina, era sim!
Lá ia ela!
Ia no vestido de chita, com a pulseira amarrada ao tornozelo e com nenhum endereço estranho.
Lá ia ela, ia sim!
Lá ia ela, ia sim!
Ela acreditava em Papai Noel, fadas e duendes.
Ela tinha pingentes estranhos.
Ele sempre acreditando apenas em inveja e mau olhado!
Ela tentando convencer acerca da força do amor e do amar!
Ele querendo qualquer coisa, brigando com tudo e pouco sabendo que amor é para ser algo fácil!
Ele no jeito escroto, no jeito sério.
Ela na rota de colisão no itinerário de também ser gente grande!
Ela uma menina, a minha menina.
Eu o seu menino!
Eu e ela!
Pedaços dela no que ainda não sei!
Lá ia ela, ia sim!

Leo Aprígio