Textos para um Professor de Matemática

Cerca de 562 textos para um Professor de Matemática

Agradecimentos

Obrigado professor,
pela persistência,
pela vontade de querer nos fazer pessoas melhores,
pela transmissão do conhecimento,
pela dedicação,
pelo desempenho,
pelo profissionalismo,
pelo diferente,
pela mudança,
pelo puxões de orelha,
pelo divertimento,
pela educação,
pelo respeito,
pelo moderno,
pela competência,
pela capacidade,
pela as tentativas incansáveis de nos fazer refletir,
por nos fazer ouvir e entender estrelas,
por tudo,
por ter sido realmente PROFESSOR.
Com sua excelência,
conseguiu nos fazer descobrir um mundo novo,
fantástico, espetacular,
tirar as pedras do caminho, e continuar a retirá-las,
conseguiu nos fazer criar, recriar, começar, recomeçar,
seus ensinamentos ficarão para sempre guardados,
considero-o MESTRE,
MESTRE do saber, da busca incessantemente pelo conhecimento,
Nunca me esquecerei de suas parábolas,
de seus pensamentos,
de suas manifestações diante do que pensavam ser imutável,
de seu prazer pela mudança,
de seus poemas, tal como TIMIDEZ,
de suas piadas,
de sua garra,
de sua vontade incessante de ser
e cada vez mais querendo ser PROFESSOR.
Tu és e sempre será o grande maestro,
da música saber, aprender, apreender.
Tu és exemplo de determinação,
de coragem,
de luta,
de vontade férrea,
de vontade indomável,
Vossa Excelência,
nos diz em todos os poemas
- Quando estiver no PARAÍSO, não se esqueça de mim!
Eu agora direi:
- Porque buscas o PARAÍSO se ele se encontra na pessoa que tu és, no seu coração, no seu interior, nos seus atos. O PARAÍSO se encontra dentro de cada um de nós, só basta termos sensibilidade para entender.
A PASÁRGADA de Bandeira,
A Terra das Palmeiras de Gonçalves Dias,
O Último Andar de Cecília Meireles,
A Mudança, o Amor, o vôo de Lispector,
O som das Estrelas de Olavo Bilac,
A Tarde Azul de Drummond,
O Cimento da poesia de Vinicius Morais,
Os Lírios do Campo, as Aves de Érico Veríssimo,
O Olhar de Isaac Newton,
A Peça de Teatro de Chaplin,
A Luz de Victor Hugo,
A Riqueza de Kant,
É seu PARAÍSO.

- Ó! PROFESSOR Candido tu és Mestre na arte em que atua. A Língua Portuguesa é sua espada. Só seu nome fala por ti, brilhante, inocente é também seu significado. Gostaria de mais coisas escrever, entretanto parece que as palavras fogem, mais fogem tão rápido, parecem efêmeras, fogem do Norte para o SUL, da Direita para a Esquerda. E então terei que dizer um adeus, um adeus de um começo e de um fim.

Tu e o corpo dessa escola que constituem os grandes artistas me destes a asa necessária para que eu voasse para longe, tão longe que nem os maiores intelectuais verão, e agora, farei uso desse acessório que mais parece essencial, voarei, voarei para meu destino, mas não me esquecerei dos ensinamentos tidos aqui. Que servirão por toda minha vida.

E como em todas as aulas, tínhamos um pensamento para refletir, terminarei com um pensamento:

“Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós”. (Clarice Lispector)

Parabéns, Ó grande, excelente, mestre Candido!

Jefferson da Silva Divino

O que da vida não se descreve...
Eu me recordo daquele dia. O professor de redação me desafiou a descrever o sabor da laranja. Era dia de prova e o desafio valeria como avaliação final. Eu fiquei paralisado por um bom tempo, sem que nada fosse registrado no papel. Tudo o que eu sabia sobre o gosto da laranja não podia ser traduzido para o universo das palavras. Era um sabor sem saber, como se o aprimorado do gosto não pertencesse ao tortuoso discurso da epistemologia e suas definições tão exatas. Diante da página em branco eu visitava minhas lembranças felizes, quando na mais tenra infância eu via meu pai chegar em sua bicicleta Monark, trazendo na garupa um imenso saco de laranjas. A cena era tão concreta dentro de mim, que eu podia sentir a felicidade em seu odor cítrico e nuanças alaranjadas. A vida feliz, parte miúda de um tempo imenso; alegrias alojadas em gomos caudalosos, abraçados como se fossem grandes amigos, filhos gerados em movimento único de nascer. Tudo era meu; tudo já era sabido, porque já sentido. Mas como transpor esta distância entre o que sei, porque senti, para o que ainda não sei dizer do que já senti? Como falar do sabor da laranja, mas sem com ele ser injusto, tornando-o menor, esmagando-o, reduzindo-o ao bagaço de minha parca literatura?

Não hesitei. Na imensa folha em branco registrei uma única frase. "Sobre o sabor eu não sei dizer. Eu só sei sentir!"

Eu nunca mais pude esquecer aquele dia. A experiência foi reveladora. Eu gosto de laranja, mas até hoje ainda me sinto inapto para descrever o seu gosto. O que dele experimento pertence à ordem das coisas inatingíveis. Metafísica dos sabores? Pode ser...

O interessante é que a laranja se desdobra em inúmeras realidades. Vez em quando, eu me pego diante da vida sofrendo a mesma angústia daquele dia. O que posso falar sobre o que sinto? Qual é a palavra que pode alcançar, de maneira eficaz, a natureza metafísica dos meus afetos? O que posso responder ao terapeuta, no momento em que me pede para descrever o que estou sentindo? Há palavras que possam alcançar as raízes de nossas angústias?

Não sei. Prefiro permanecer no silêncio da contemplação. É sacral o que sinto, assim como também está revestido de sacralidade o sabor que experimento. Sabores e saberes são rimas preciosas, mas não são realidades que sobrevivem à superfície.

Querer a profundidade das coisas é um jeito sábio de resolver os conflitos. Muitos sofrimentos nascem e são alimentados a partir de perguntas idiotas.

Quero aprender a perguntar menos. Eu espero ansioso por este dia. Quero descobrir a graça de sorrir diante de tudo o que ainda não sei. Quero que a matriz de minhas alegrias seja o que da vida não se descreve...
fabiodemelo.com.br - © 2003/2008 - todos os direitos reservados Créditos Produção executiva: Talentos Produções
Gerenciamento de Conteúdo: Andréia Mansur
Design, Programação PHP, Tableless, Fotos e Administração: Maurício Lafourcade
Foto da imagem de topo: Juliana Andrade | by Mauricio Lafourcade

Pe. Fábio de Melo

Hoje é, o dia do professor
Hoje é o dia do mestre do saber
Quem ensina jamais deixa de aprender
Ensinando com coragem e com amor
Esses mestres que demonstra seu valor
Ensinando todo mundo a toda hora
Todo mundo guarda o mestre na memória
Nunca esquece quando estuda ou quando ler
Recordando o conceito de aprender
Parabéns pelo dia desse mestre
Que alcancem o respeito que merecem
Parabéns para os mestres do saber.

Batista Alves

Professor de Guitarra ? ahm?? asuhashashsa

Isso não é ser do rock!! Rock é pegar uma guitarra e deixar os seus sentimentos fluirem, mostrar pra todo mundo que você existe, ta ali pro que der e viver e ta poco se lixando pro que acham de você , é acordar na praia com o sol nascendo e com um violão na mão e perceber que esqueceu de ir embora ontem. É saber que mesmo não sabendo que sabe, você sabe! (se é que me entende). Esse é o estilo rock de ser! Professor não encina tocar, só cria uma ilusão para os fracos que não tem coragem de acreditar em si mesmos.

Vinycius Maia

"O grande professor indiano Nisargadatta Maharaj disse uma vez: “A sabedoria me diz que não sou nada. O amor me diz que sou tudo. Entre os dois, minha vida flui”. “Não sou nada” não significa que há uma árida terra de ninguém interior. Mas sim que, com estado desperto, estamos abertos para um espaço limpo, desimpedido, sem centro ou periferia — em nada separado.
Se somos nada, não há realmente nada para servir como barreira para nossa ilimitada expressão do amor. Sendo nada, assim, também somos, inevitavelmente, tudo. “Tudo” não significa auto-engrandecimento, mas um reconhecimento decisivo de interconexão; não somos separados.
Tanto o espaço limpo e aberto do “nada” quando a interdependência de “tudo” nos desperta para nossa verdadeira natureza. Essa é a verdade que tocamos quando meditamos, um sentido de unidade além do sofrimento. Está sempre presente; precisamos, meramente, ser capazes de acessá-lo."

Sharon Salzberg

HOJE

O que menos quero pro meu dia
polidez,boas maneiras.
Por certo,
um Professor de Etiquetas
não presenciou o ato em que fui concebido.
Quando nasci, nasci nu,
ignaro da colocação correta dos dois pontos,
do ponto e vírgula,
e, principalmente, das reticências.
(Como toda gente, aliás...)

Hoje só quero ritmo.
Ritmo no falado e no escrito.
Ritmo, veio-central da mina.
Ritmo, espinha-dorsal do corpo e da mente.
Ritmo na espiral da fala e do poema.

Não está prevista a emissão
de nenhuma “Ordem do dia”.
Está prescrito o protocolo da diplomacia.
AGITPROP – Agitação e propaganda:
Ritmo é o que mais quero pro meu dia-a-dia.
Ápice do ápice.

Alguém acha que ritmo jorra fácil,
pronto rebento do espontaneísmo?
Meu ritmo só é ritmo
quando temperado com ironia.
Respingos de modernidade tardia?
E os pingos d’água
dão saltos bruscos do cano da torneira
e
passam de um ritmo regular
para uma turbulência
aleatória.

Hoje...

Waly Salomão

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados. Não funciona assim. Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o amor tem de indefinível. Honestos existem aos milhares, generosos tem às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó! Mas ninguém consegue ser do jeito do amor da sua vida.

Martha Medeiros

ENVELHECER OU AMADURECER?

No primeiro dia na Universidade nosso professor
se apresentou e nos pediu que procurássemos
conhecer alguém que não conhecíamos ainda.
Fiquei de pé e olhei ao meu redor,
quando uma mão me tocou suavemente no ombro.
Era uma velhinha enrugada cujo sorriso lhe iluminava todo seu ser.
- Oi gato, meu nome é Rose.
Tenho oitenta e sete anos.
Posso te dar um abraço?
Ri e lhe respondi com entusiasmo:
- Claro que pode!
Ela me deu um abraço muito forte.
- Por que a senhora está na Universidade numa idade tão jovem,
tão inocente?
Perguntei-lhe.
Rindo, respondeu:
- Estou aqui para encontrar um marido rico,
casar-me, ter uns oito filhos,
e logo me aposentar e viajar.
- Eu falo sério - disse-lhe.
Queria saber o que a tinha motivado
a afrontar esse desafio na sua idade.
E ela disse:
- Sempre sonhei em ter uma educação universitária
e agora vou ter!
Depois da aula caminhamos ao edifício da associação de estudantes
e compartilhamos uma batida de chocolate.
Nós nos fizemos amigos em seguida.
Todos os dias durante os três meses seguintes
saímos juntos da classe e falamos sem parar.
Fascinava-me escutar esta "máquina do tempo".
Ela compartilhava sua sabedoria e experiência comigo.
Durante esse ano Rose se fez muito popular na Universidade,
fazia amizades aonde ia.
Gostava de vestir-se bem e se deleitava com a atenção que
recebia dos outros estudantes.
Desfrutava muito.
Ao terminar o semestre convidamos Rose
para falar no nosso banquete de futebol.
Não esquecerei nunca o que ela nos ensinou nessa oportunidade.
Logo que chamaram seu nome ela subiu ao palco e,
quando começou a pronunciar o discurso que tinha
preparado de antemão,
caíram no chão os cartões onde tinha os apontamentos .
Frustrada e um pouco envergonhada se inclinou sobre
o microfone e disse simplesmente:
- Desculpem que eu esteja tão nervosa.
Deixei de tomar cerveja pela
quaresma e este whisky está me matando!
Não vou poder voltar a
colocar meu discurso em ordem, assim, se me permitem,
simplesmente vou dizer-lhes o que sei.
Enquanto nós ríamos, ela aclarou a garganta e começou:
- Não deixamos de brincar só porque estamos velhos;
ficamos velhos porque deixamos de brincar.
Há só quatro segredos para manter-se jovem,
ser feliz e triunfar.
Temos que rir e encontrar o bom humor todos os dias.
Temos que ter um ideal.
Quando perdemos de vista nosso ideal, começamos a morrer.
Há tantas pessoas caminhando por aí que estão mortas
e nem sequer sabem!
Respirou profundamente e começou:
- Há uma grande diferença entre estar velho e amadurecer.
Se vocês tem dezenove anos e ficam na cama um ano inteiro
sem fazer nada produtivo, se converterão em pessoas de vinte anos.
Se eu tenho oitenta e sete anos
e fico na cama por um ano sem fazer nada
terei oitenta e oito anos. Todos podemos envelhecer.
Não requer talento nem habilidade para isso.
O importante é amadurecermos encontrando sempre
a oportunidade na mudança.
Não me arrependo de nada. Os velhos geralmente
não se arrependem do que fizeram, senão do que não fizeram.
Os únicos que temem a morte são os que têm remorso.
Terminou seu discurso cantando "A Rosa".
Nos pediu que estudássemos a letra da canção
e a colocássemos em prática em nossa vida diária.
Rose terminou seus estudos. Uma semana depois da
formatura, Rose morreu, tranqüilamente enquanto dormia.
Mais de dois mil estudantes universitários
assistiram às honras fúnebres para render
tributo à maravilhosa mulher que lhes ensinou com
seu exemplo que nunca é demasiadamente
tarde para chegar a ser tudo o que se pode ser.

Reflexão:
Não esqueçam que ENVELHECER É OBRIGATÓRIO;

AMADURECER É OPCIONAL.

Desconhecido

Não sei o que é o amor
Muito menos o que é paixão
só sei que o que sinto por você
vem do coração.

Você é a luz
Que ilumina meu dia
Pois sem você
Meu dia não existiria.

Calculo os números
Calculo as expresssões
Só não consigo calcular
A força de dois corações.

Corações distintos
Que se uniram com o tempo
O amor que sinto por você
É mais que esplêndido.

Esses humildes versos
Te entrego
Pois quero que fique sabendo
Que sempre te espero meu Amor.

Principe da Matemática

“Eu nunca gostei da matemática, das contas. Contas são exatas e os números se bastam por si só. Não há dúvidas, não há erro. O que é certo é certo, o que não está certo, é errado. A matemática e suas exatidões me cansam. Eu prefiro o mistério das letras, a incerteza das palavras e a beleza das poesias. Palavras não se somam, se completam.”

Thamíres Araújo

"(...) Ângela é doida. Mas tem uma lógica matemática na sua doidice aparente. E se diverte muito a escandalosa. Aguça-se demais e depois não sabe o que fazer de si. Que se dane. Entre o "sim" e o "não" só há um caminho. Escolher. Ângela escolheu "sim". Ela é tão livre que um dia será presa. "Presa por quê?" "Por excesso de liberdade." "Mas essa liberdade é inocente?" "É." "Até mesmo ingênua." "Então por que a prisão?" "Porque a liberdade ofende." (...)

Clarice Lispector

VENCER!
É uma aspiração que palpita no coração de qualquer ser humano.
Muitos desistemou se acorvadam por medo do sacrifício ou por falta de autoconfiança. Sem persistência não há vitória. Sem destemor, decisão e esforço ninguém supera a mediocridade.
Aquele que não crê em si, está esmagando o germe que poderia se transformar em árvore gigantesca. Não há tarefa que o homem não possa realizar com êxito, desde que encarada com otimismo e vontade de vencer.
Muitas empressas foram à falência antes de nascer.
Muitas batalhas foram perdidas por indecisão ou falta de determinação.
Pensamentos grandes constroem homens grandes. Não pense que haverá de morrer, mas que haverá de ressuscitar.
è com muita luta e persistência que a batalha da vida será ganha.
É triste falhar na marcha da existência e isso acontece, não por fraqueza, mas porque não se vai em frente firme e decididamente.
Conduz o próprio destino àquele que planeja e sai a campo para realizar, àquele que tem uma proposta, uma direção. Sem objetivos, gira-se em torno do nada.
Há frentes que jamais ancontram suficiente número de pioneiros.
Há causas que merecem mártires... Podem ser coisas pequenas, não importa, os grandes empreendimentos partiram quase sempre de pequenas oportunidades ou tentativas.
Quem é grande nas pequenas coisas, nas lutas que ninguém vê, tem tudo para superar obstáculos e dificuldades.
O ser humano faria coisas maiores se jogasse fora o rótulo do impossível e não fizesse pouco caso das horas.

Professor MSc Rildo Dias da Silva

Quem sou eu, professor de matemática?

Não sou o cara que vai mudar o ensino;
Não sou quem vai fazer eles gostarem de matemática;
Não sou eu, também, que vou revolucionar a escola;
Não sei se vou entrar para a história.

Sou eu que abrirei seus olhos;
Mostrarei o caminho dos números;
Ensinarei o número de ouro;
Riscarei as linhas da geometria;
Montarei os cálculos da vida.

Vou ensinar a álgebra das letras;
A progressão de seus passos;
A fórmula do conhecimento;
A função do seu viver.

Paulo César Linck

Prezado Professor, sou sobrevivente de um campo de concentração. Meus olhos viram o que nenhum homem deveria ver. Câmaras de gás construídas por engenheiros formados. Crianças envenenadas por médicos diplomados. Recém-nascidos mortos por enfermeiras treinadas. Mulheres e bebês fuzilados e queimados por graduados de colégios e universidades. Assim tenho minhas suspeitas sobre a Educação. Meu pedido é: ajude seus alunos a tornarem-se humanos. Seus esforços nunca deverão produzir monstros treinados ou psicopatas hábeis. Ler, escrever e saber aritmética só são importantes se fizerem nossas crianças mais humanas.

Texto encontrado após a Segunda Guerra Mundial, num campo de concentração nazista.

Ele é sujeito e o verbo de uma grande obra na busca do saber. Na matemática de vida, nos ensina a somar com os outros, multiplicar o conhecimento e mostrar que as vezes dividir também é uma ótima solução. Que é preciso misturar as fórmulas e combinar tudo.

Ser professor não é só dar aulas, mas ensinar a procurar respostas. É pelas mãos desse profissional é que se forma bons cidadãos, desenvolve uma cidade, um estado e um pais.

Uma homenagem aos todos profissionais de educação, em especial você, professor!

Célio Magrini

Meu amor por você parametriza como a matemática,
Tão difícil e tão quanto desafiador é entende-la.
Mas sempre é legal conhecer seus pontos exatos,
O qual adoro calcular as curvas do seu corpo,
A geometria do seu beijo e a topologia nos seus lábios.
Num sistema único e dinâmico analiso seus limites
Convergindo nossos corpos ao infinito.

José Cruz - Graduado em Licenciatura poética de Matemática

A pior coisa em uma relação é a desconfiança.
Ela parte do desamor, da falta de segurança. Parte do medo.
A desconfiança é um monstro que consegue encobrir até a lógica.
Não há argumentos que consigam supera-la e por vezes deixamos passar a felicidade por estarmos ligados a esse monstro.
Desconfiar é confirmar uma covardia em assumir o que somos. É negar o melhor do outro. Desconfiar é estorvar a liberdade.
É negar direitos e infringir a vontade alheia.
Desconfiar é isolar-se em seus medos criados na insegurança.
É viver acordado sem nunca relaxar.
É procurar o sol na noite ou a lua numa manhã quente de verão.
Desconfiar é confirmar mentiras maldosas criadas por nossos absurdos.
Desconfiar e não ter certeza nunca.
Desconfiar é perder-se a cada dia. É nunca mais se encontrar com nos mesmos.
Desconfiar é prima-irmã do ciúme. Do medo de perder.
Desconfiar é muito chato.

Professor Galvão

Dar e Receber
Desde pequenos nos ensinam a dar e receber, amar e não esperar ser amado,
compreender sem esperar ser compreendido...
Isso é tão bonito.
Mas quando a noite cai, olhamos para os céus, olhos, mente e coração,
descobrimos que somos humanos.
A noite as dores se acentuam, com o cair do luar descubro quem eu sou,
um ser humano, não um ser supremo.
Sou apenas mais um, uma pessoa que também precisa receber, para dar é preciso receber, para amar é preciso ser amado.
Dar e receber.
Porque dar sem receber é impossível...
desculpe-me,
infelizmente também sou humano assim como você.
Doar-se nada tem a ver com presentes fortuitos.
É doar emoção, carinho, respeito...
É ter postura diante da alegria.
É suportar erros alheios, burrices, traumas.
Doar é muito mais que simples utensílios.
É compartilhar a alma.
E alma se conquista. Não tem preço.
Nunca esqueça que a grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las.

Professor Galvão

Eu sou do tamanho exato do que penso, do que sonho e do que faço.
Sou imenso em mim mesmo.
Pequeno aos olhos dos que sei serem antagônicos a minha felicidade.
Sou eu meu personagem principal num filme chamado minha vida.
Sou do tamanho do que sinto. Do amor que construo do nada.
Sou o amor que quero ser.
Sou lívre apesar das prisões que me submetem.
Sou feliz apesar das traições que sofro.
Tenho em mim meus sonhos e minha capacidade de realizar cada um deles.
Tenho em meu coração cada uma das mais maravilhosas pessoas que elegi amar.

Professor Galvão

Amar não representa se ausentar das outras pessoas.
Não significa ter medo da concorrência.
Não significa confirmar nas 24 horas do dia o que se sente.
Amar é acreditar, confiar e buscar esperanças juntos.
Amar é ter sonhos diferentes que objetivam a mesma coisa.
Amar é ser livre para dizer um eu não acho de vez em quando.
Amar é ter a liberdade de viver com seu próprio eu.
Amar é enfim carregar para sempre seu próprio nome mesmo que misturado ao de quem se ama.

Professor Galvão