Textos para Filha

Cerca de 268 textos para Filha

Ninguém esconde nada de ninguém, muitas vezes acham que estão passando uma grande imagem colocando uma mentirosa capa protetora, sem perceber que a verdade é filha do tempo.
Por incrível que pareça, existem pessoas que não sabem exatamente quem elas são, ocultando a verdade por muito tempo,escondem de todos o que são de verdade; constroem relacionamento e sem nunca terem se mostrado de verdade vivem isolados em uma ilha mental.
Pessoas que se preocupam com a opinião social ou não aceitam a sua verdade particular, criam histórias fantasiosas sobre sua pessoa. A falta de aceitação e de encarar a verdade é um veneno para formação do caráter.

A relatos de pessoas que literalmente enlouqueceram por negar a sua verdadeira condição de vida. Muitos criam um mundinho só seu para se tornarem "apresentáveis" diante da sociedade. Sem saber, estão ferindo gravemente a si próprio.

Viver as consequências do roteiro de nossas vidas faz parte da saúde mental, parte da história não pode ser negada e nem reprimida. A vida não é um roteiro de filme onde as partes ruins podem ser editadas e deletadas.

A vontade de usar drogas, O alcoolismo,a índole para o crime, o mau caráter, os violentos,os mentirosos,os trapaceiros, e muitos outros desequilíbrios, isso tudo também advém da falta de aceitação e pela vergonha de encarar a própria realidade. Muitos desejam ser outra pessoa ou simplesmente descartam o seu passado para ser aceito pela sociedade. Somos o que somos,não dá para mudar nenhuma vírgula, o passado é carregado nos ombros sim, e ele terá o peso dos seus atos .

No espelho refletimos o que somos de verdade e não o que imaginamos ser.Como querer ser aceito diante de todos se a base dessa afirmação é mentirosa?
Nunca seremos iguais,cada um carrega nos ombros a sua verdadeira história.
E cada um nos tem sua capacidade de responsabilizar e de mudar essa história .

A pessoa que se conhece e se aceita é capaz de responder tranquilamente a pergunta que deixa tantas pessoas desconcertadas:

Quem realmente é você?

SANTANA AND FRIENDS

À Filha

Sabemos filha, que não nos pertence
Unimo-nos por laço e por nó
O nó é o amor que lhe facultamos naturalmente
O laço permite o desate de sua alma impenetrável
Dos seus pensamentos e sonhos
Que ao se realizarem, farão parte do todo
Na formação singular de sua personalidade.
Nós somos os arqueiros, você a flecha
Nós a direcionamos para o alvo que achamos mais propício
Mas, você é quem conduzirá a trajetória à vida.
Nesse curto caminho que viveu
Mostrou-nos que adquiriu sabedoria
E criou para si valores merecedores de estima
Dos quais nos orgulhamos imensamente
E só temos de agradecê-la, filha.

Te amamos

Maria da Penha Boina

Minha pequena, é o que eu queria te chamar
todos os dias quando você acordar.
Não é por ternura, nem pelas flor
é a delicadeza pelo meu amor.

Eu fico bobão quando você ri
Parece idiota, mais é isso que
sou por sentir.

Minha pequena, é o que quero pra sempre dizer.
posso até mudar para "eu amo você"
Caso preferir vou dizer para outra menina
que não é você!
Falarei para nossa filha,
quando nascer.

(feito, escutando ao som de Playout - Pequena)

Viviane Duarte Alves

Nestes poucos e dolorosos dias que você partiu para eternidade mamãe Sisi confabulando com minha dor cheguei a uma simples conclusão que nunca sabemos onde está uma despedida. Maravilhosa e cruel à vida! Tudo pode acontecer... Separar-se contém sempre a hipótese da despedida. Por isso, uma dor sempre se infiltra em cada afastamento.
Ainda que para ir ali pertinho e logo voltar... Um simples "até já" pode conter inimagináveis “nuncas”...
Tenho descoberto nestas mais de 50 horas que você partiu deste mundo minha mãe, que nada é mais importante que a atenção que damos para aqueles que amamos. Ao receber a noticia que você não estava mais aqui na “escola terra”, a vontade de ti abraçar foi tão grande que senti você em meus braços e meu coração se encheu de esperanças e mais certezas, que um dia voltaremos a estarmos juntas e com nossas almas mais preparadas e dispostas a viverem a plenitude do amor e da compreessão.
Em tão poucas horas que você fez a viagem mamãe consigo perceber como perdi tempo com brigas e discussões bestas... Com sua partida minha “mamita bebota”, Consigo perceber agora neste exato momento mamãe (28/01/214 as 4:42) tentando organizar,avaliar e expressar meus sentimentos em palavras que precisamos da destruição para renascer e se regenerar, por que o que pensamos ser destruição não passa de uma transformação. As minhas lágrimas de tristezas são inevitáveis minha florzinha mamãe, no entanto sinto que sofrer é uma opção, depois das 3 maiores despedidas de minha vida ( papai avô Tobias, Mamãe avó Dilma e agora a mamãe Sisi) consigo perceber que a separação representa um estado momentâneo que não significa o corte de uma relação ou ruptura de um vinculo afetivo, mas uma interrupção necessária para seguirmos o nosso próprio trajeto, na minha humilde opinião de alma atrasada que precisa e quer muito evoluir, definitivamente não existe perda! Como disse um grande filósofo: “ na natureza nada se perde tudo se transforma”. Segundo os ensinamentos espíritas que há muitos anos eu tento aprender e usar na minha vida (infelizmente a maioria das vezes sem sucesso) é preciso apreendermos a nos despedir do apego, aprender o desapego das coisas, das pessoas, dos costumes,das vontades, creio que desapego não é desprezo, e sim aceitar de boa vontade, essas transformações em nossas vidas, designadas por Deus.
O conhecimento espiritual que durante anos venho tentando absorver mostrou-me a necessidade do fim, que na realidade não é fim e sim o recomeço, ou um novo começo! A REGENERAÇÃO...O corpo orgânico morre, porém a alma liberta-se, e torna-se espírito livre, portanto, para mim, MORRER SIGNIFICA UMA NOVA VIDA! COMO ESCREVEU KARDEC “O QUE CHAMAIS DESTRUIÇÃO NÃO PASSA DE UMA TRNSFORMAÇÃO ...
Mamãe fica tranquila aí onde você está, que esta dor que eu estou sentindo vai passar, e logo vai dar espaço para recordar as lindas pérolas que nos deixaste... Te amo muito e sempre te amarei até o amor não conseguir lembrar dos começos e dos temporários finais....

Ana Tereza de Araújo Bulcão

Filha das Trevas

Sou filha da Noite
Das Trevas
Da Lua
E do Sangue
Criada na solidão
Vivo na escuridão
Vago pela estrada sombria
Em busca do que foi perdido
Na encruzilhada do destino
Sou aquela que causa medo
Desejo, prazer, e sedução.
Minha voz é como uma canção.
Meus olhos refletem a sedução,
Por pura provocação.
Consumindo seu ser no fogo do desejo.
Da dor, o êxtase
Do grito, meu prazer
Seu sangue é o meu alimento
Que busco a cada escurecer.
Sou a criança que vaga
Quando o por do sol chega
Percorro meu caminho
Em busca do que jamais posso ter
Em um destino sombrio
De batalhas e prazer

Sophie Melisandre (Queli Tavares)

A vida é bonita por natureza quando criança tudo vem em forma de carinho, beijinho papai nenem , nenem mamãe e assim vai desenrolando a vida tomando forma e juízo, isso passa tão rápido!
Hoje minha gata, você está fazendo 6 aninhos e eu agradeço ao Papai do céu pelo presente concedido eu te amo muito, mas muito mesmo além do que possa imaginar!
Tudo o que desejo a você Ana Jullya Pereira Cardoso é muita paz e saúde o resto eu vou inventando junto com você.
Feliz aniversário Filha!!!!

Jeremias Edson Cardoso.

annaBELLA, EU TE AMO!
TENHO MUITO ORGULHO DE TER UMA FILHA COMO VOCÊ!
DESDE QUE NASCEU FOI ESPECIAL, NÃO DESDE O MOMENTO QUE EU SOUBE QUE ESTAVA GRAVIDA DE TI! FOI SOMENTE FELICIDADES!
GOSTO DE QUIDIM COM MAÇA!
AINDA SINTO QUANDO SENTIA SEU JOELHO NA MINHA BARRIGA, DESDE O PRIMEIRO ULTRA-SOM...O BARULHO DO SEU CORAÇAO BATENDO ACELERADO!
DESDDE QUANDO SAIU ANDANDO PELA CASA AOS 7 MESES, COM A SACOLA DE SUPERMERCADO COM UM MELÃO DENTRO....VC SEMPRE PRECOSE, LEU AOS 2 ANINHOS E MAIS UM MONTE DE COISAS RARAS...
EU TE AMO!
ANNABELLA BERUDI LEAL

suely isabel berudi leal

Feliz Dia Papai! Feliz 70 anos!

Aproveito para homenagear todos os pais, contando mais um pouco as histórias do meu.
Papai é um homem ingênuo, de bom coração, que atualmente promove sua qualidade de vida caminhando quase correndo todos os dias. Papai sempre viveu em busca de fazer as pessoas felizes, conversa com um, ajuda outro, tenta a todo custo tirar o Davi das drogas: “Davi, Davi, teus amigos ou estão presos ou morreram, muda de vida enquanto é tempo”, diz ele.
Um dia papai me contou que quando teve a primeira filha, a realidade profissional dele mudou, ele por mais que continuasse a fazer horas extras ou trabalhar um pouco mais, seu trabalho deixou de ser a sua prioridade, mesmo que ele tivesse uma família mais numerosa.
Sempre repetiu diversas vezes que a gente tem que ser lembrada pelas coisas boas que faz. Hoje percebo que o papai quer viver mais e melhor, quer dar e receber energias positivas, é mais disciplinado, ajuda no esporte, tem mais qualidade de vida, mas continua teimoso, muito teimoso.
Ele se alegra mais em dar a receber e se contenta com muito pouco, não curte troca de relógios, nem precisa ter muitas camisas ou sapatos, praticamente só compra outro quando um já se foi e não adianta dar excessos para ele, pois ele sempre destina aos mais necessitados.
Sempre foi um aluno exemplar, tinha que estudar o triplo dos outros dizia ele, era estudante de escola pública precária e precisava se esforçar bastante para conseguir tudo na vida.
O papai às vezes julga, ele não se conforma com a A que abandonou a família ou com o B que maltrata a própria mãe idosa e acaba se intrometendo na vida alheia.
Quando éramos pequenos negociávamos tudo em beijos, os beijos estalados nas bochechas do papai eram nossa moeda de troca, cem beijos era o passaporte para o cinema com pipocas, cinquenta beijos, um banho de rio, trinta beijos a gente podia ir para o aniversário do amiguinho vizinho...
Há pessoas que mesmo errando não aprendem, papai aprendeu com cada erro, com cada não, com cada sim, com cada pessoa que o ajudou a sair de uma vida miserável, o seu amor para com os pobres e necessitados é pura gratidão.
Ele não é de deixar as coisas fora do lugar e ajuda a mamãe limpando e guardando tudo além da paixão por cozinhar, coisa que ele faz muito bem.
Papai chora, nunca escondeu seu choro, nunca tentou ser forte quando se sentia fraco, nunca se conformou com injustiças, nunca segurou raiva ou irritação, mas sabe lidar com suas frustrações sem ser um terremoto (às vezes um terremotinho).
Não é de faltar compromissos, nem por discordância, nem por motivos tolos, sua vida é intensa, feliz, completa, cheia de eventos e festas, flashes e sorrisos.
Ele anda rápido, tem pressa, decide baseado naquilo que vê e entende, segura e guarda as ofensas para si, faz caridade sem achar que está perdendo algo, sem desconfianças, sempre com a alma livre.
Quase sempre o chamo de “cara de pau”, ele me força a fazer caridade quando diz 100 meu, 100 teu, 50 meu, 50 teu, 30 meu, 30 teu, é incapaz de ajudar me deixando de fora.
Gosto de passar meus momentos ao seu lado, gosto de saber notícias e aventuras do passado, do cochichado com seu neto caçula, gosto de saber que a longevidade dele depende, em grande parte, do estilo de vida que ele vem escolhendo.
Papai nunca nos reprimiu por tratarmos ele de igual para igual, não existe formalidade no nosso amor e na nossa amizade, não cedo aos seus caprichos por ele ser meu pai, temos as mesmas preferências e necessidades, temos nossos momentos memoráveis, somos cada vez mais lúcidos e amigos, somos felizes e apaixonados, há amor em cada canto da nossa convivência e o que nos une são nossos laços imateriais e eternos.
Pai eu te amo, peço a Deus saúde e longevidade pra ti.

Arcise Câmara

Eita vida! Vida cheia e corrida.
Vida longa, vida curta.
Eita vida ingrata, difícil de viver.

Vida complicada e dura.
Vida com outras vidas por dentro.
Vidas lindas, vidas amorosas,
Vidas passageiras, vidas que ficam eternamente.

Mas a vida que mais importa é aquela que gerei.
Vida cheia de amor e cuidado.
Vida trabalhosa e satisfatória.
Ah! O que seria minha vida sem a sua!?
Vida vazia e sem sentido.
Vida fria e inconsequente.
Vida desnecessária.

Eita vida da minha vida.
Eita amor do meu amor.
Eita flor dos meus dias.

Yrojam Ynna

AINDA SANGRA
AINDA SANGRA MUITO

AINDA ENGASGA
AINDA CEGA

PRECISO ACEITAR
QUE JÃ NÃO MAIS SOU
O QUE UM DIA FUI PRA TI

DEIXA O SANGUE ESFRIAR
AI TALVEZ EU RENASÇA

TALVEZ A VOZ VOLTE












TÍTULO : AINDA SANGRA
AUTOR : WHYTTIFIELD / JEMAVENI
REGISTRO : 18122012151251017003
PUBLICADO EM : TALENTOS / RECANTO / BECO /
RASCUNHO : 017 /
LIVRO (S) : DEIXA EU GOSTAR DE VOCÊ

À DÉBORA, SIMPLESMENTE DÉBORA

WHYTTIFIELD SAUNDERS

Meu Amor Maior

Deus! Ele, sim! Ocupa o primeiro lugar!
Mas, há espaço para gente importante
o meu coração - ocupar!
Destes, destaco uma,duas, três, quatro
ou mais.
Mulheres que enche meu ser de alegria.
- Mãe, tia, filha, neta e esposa;
flores lindas de meu jardim.
Sou entre os seres, o mais feliz dos homens
pela dádiva preciosa de amar
e ser amado.
São pérolas, que me enobrece
e sei que, na minha pequenez sou aquele que
nem tanto bem, assim merece.
Mas, que a Deus agradece pela gratidão
de ter pessoas tão importante
fazendo morada em meu coração.

Nivaldo Duarte

Tão pequena, e tão esperta..
As vezes eu penso que foi você quem me esperou por nove meses, foi você quem planejou tudo esperando o dia do meu nascimento. Pois é você quem cuida de mim, quem me dá esse carinho gostoso e com essas pequenas mãozinhas é capaz de tocar e acalentar minha alma.
Meu amor, você é a melhor parte de mim, é sem dúvida alguma a presença perfeita de Deus em minha vida!

Thaíssa Leão

A Budiudiuca

Chegou no início da tarde e acomodou-se ali no último compartimento da minha prateleira que ficava encostada no meu tanque de lavar roupa. Sequer me pediu licença. Decerto já sabedora da minha paixão por seus iguais. Para ser mais exata, de minha enorme paixão por todas as criaturas do Uno.
A princípio arredia. Bastava que ela ouvisse minhas passadas para cair no mundo como se só a minha presença a colocasse em perigo real. À medida que eu fui me aproximando sem fazer barulho, pé ante pé, de mansinho, passinhos sonoros para não assustá-la, ela foi se assentando e aceitando a minha presença. Não me evitava mais. E eu, de minha parte tentava fazer o menor ruído possível ali na área de serviço. Não sacudia mais, depois de lavadas, minhas sacolas plásticas para não levantar suspeita de perigo na minha inquilina.
No entanto, ela só aceitava a mim. Bastava que chegasse visita para ela fugir em vôo disparado. E, assim, foi ficando, foi ficando e um belo dia ouviu-se o ruído denunciador da minha condição de avó. Haviam nascido dois.
Minha mãe com experiência na área sentenciou, assim os viu:
— São macho e fêmea.
— Por que sabe? Fiquei curiosa
— O macho é maior e mais forte.
Batizei-os de Leo e Léia.
O que mais me encantava naquela família era a dedicação total da recém-mamãe.
Saia logo cedo e após uma hora mais ou menos voltava com o papo cheio de comida para os filhotes. E ficava lá em cima deles esquentando-os, o restante do dia.
Porém, um dia, saiu e não voltou. Só comecei a me preocupar por volta do meio dia. Disse para minha mãe que aquilo não estava certo, ela havia abandonado os filhotes que ainda não voavam.
Eu olhava ao redor, em cima da casa, no arvoredo próximo e nada da mãe fujona.
Afligi-me com aquela traição e fui para a internet ver o que podia fazer. Que comida dar para os filhotes, enfim, eu tinha de suprir, como avó, a ausência da mãe desnaturada.
Encontrei, para meu espanto, vários relatos de abandono de ninhos pelas mamães rolinhas:
São ‘levianas’, pensei de pronto. Muito magoada e com um enorme dó dos dois pequerruchos despenados, considerei seguir um dos conselhos de um tratador de filhotes órfãos: mingau de fubá sem sal. Quando a papa ficou pronta minha mãe recomendou;
— Coloque bem perto deles, pois eles não vão deixar você pegá-los para colocar goela abaixo.
Assim que me aproximei qual não foi meu espanto quando eles assustados, ensaiaram um voo e caíram desajeitados no chão com grande estardalhaço e por mais que eu tentasse não conseguia pegá-los. Rápidos eles se escondiam entre as bacias e baldes e quando eu conseguia retirar o que me estorvava alcançá-los, eles pulavam para debaixo de outra vasilha. Ficamos lá nessa luta inglória muito tempo, até que desisti e deixei a comida no chão bem à mostra de seus olhares famintos assim que eles resolvessem sair do esconderijo, por conta da fome.
Sai para resolver uns problemas no banco e quando regressei encontrei a mãe andando pelo quintal, vagarosamente como se carregasse o peso do mundo.
Fiquei catatônica.
— Como assim, você não havia sumido?
Ela me olhou demoradamente e eu li naquele olhar a pergunta?
— O que você fez com meus filhotes?
— Eu tentei alimentá-los e eles fugiram, estão por aí debaixo das coisas. Respondi amargurada.
Ela ficou por ali muito tempo e nada de localizá-los. Então resolvi procurá-los para mostrar pra ela que eles estavam ali mesmo escondidos.
Não os localizando, chorei.
— Perdoe-me. Pedi aflita para a mãe. Será que você consegue me perdoar? Implorei para aquele olhar postado em mim doloridamente.
Após vários minutos ela desistiu e partiu. E eu fiquei remoendo a minha dor de haver interferido na didática de ensino da ave. Certamente ela saíra para dar aos filhotes a oportunidade de se virarem sozinhos. Era um meio de forçá-los a saírem para o primeiro vôo a demora do retorno.
Passei o restante do dia moída de remorso. Até pareceu-me que eu tinha declarado a terceira guerra mundial e estava à beira de acabar com toda a vida do planeta terra, tal era a minha dor.
À noitinha saí para dar mais uma olhadela em torno da extensa casa, comprida a perder de vista, e para minha surpresa, avistei o macho, em cima do telhado da cozinha, bem rente à cumeeira de separação com a sala de jantar. Gritei de alegria.
— Léo, você voltou pra vovó.
Ainda em estado de êxtase supliquei esperançosa.
São Francisco de Assis, protetor dos animais, me ajude a encontrar a Leia.
Ele me atendeu prontamente. Léia saiu debaixo do tanque dando saltinhos miúdos, sinal da sua fraqueza por falta de alimentos. Consegui pegá-la desta vez e depois de alimentá-la com uma pequena colher boca a baixo, joguei-a para cima em direção ao telhado. Ela ensaiou um meio voo e parou em cima da casa.
— Léo, cuide da sua irmã até sua mãe voltar, por favor, querido.
Eu tinha certeza que a Budiudiuca voltaria para resgatar os filhos, e ali em cima do telhado era mais fácil avistá-los.
De vez em quando eu saia ao terreiro para ver como eles estavam se saindo. Lá pelas tantas da noite, não conseguindo dormir, voltei ao terreiro e fiquei demasiadamente comovida: eles estavam tão próximos um do outro como se tentassem suprir um pro outro a falta da mamãe.
— São Francisco, por que a Budiudiuca ainda não veio cuidar deles? Perdoe-me a insistência, mas eu preciso que ela volte, a culpa foi minha. Ou então faça com eles arrisquem um voo e sejam vitoriosos.
Fui dormir depois da minha oração muito esperançosa, tenho muita fé no Santo protetor dos meninos irracionais (ou não)? Confesso que ainda alimento muitas dúvidas a esse respeito. Acho que eles pensam e amam como nós humanos, só não desenvolveram a linguagem de palavras.
Ao acordar, corri para vê-los e fui presenteada com uma maravilhosa surpresa: no ninho, que eu não tinha tido a coragem de desfazê-lo, encontravam-se mãe e filha. Ela aconchegada debaixo das asas, só se via a sua pequena cabecinha. A mãe me olhava fixamente. Chorei desta vez de alegria.
— Eu te amo São Francisco. Preciso dizer que beijo teus pés e tua boca, se puder, claro.
Léo não estava lá. Mas a mãe me olhou tão calmamente que eu compreendi o que ela me dizia.
— Meu filho agora é dono do espaço, ele se foi.
Corri a contar para minha mãe que sentenciou:
—Léo voltará, fique tranquila.
Minha irmã não concordou.
— É claro que não volta, ele é novo e não tem noção de rumo, de espaço. Ele se foi pra sempre.
Nós três, eu e as duas aves fêmeas, ficamos num namoro demorado e apaixonado durante a manhã toda. De vez em quando eu ia vê-las e lá no meio do dia em um dos meus regressos no quintal, não as vi, elas não estavam mais lá.
— Foram embora. Nunca mais vou ver nenhum dos três. Fiquei aliviada e feliz pelo desfecho, só que eu teria uma alegria ainda maior...
À tardezinha, fui recolher minhas roupas que já haviam secado e me deparei com a cena mais bela de toda a minha vida. Estavam os três em cima do telhado e em vôos curtos e rápidos, mas numa bela coreografia ensaiada.
Estão se despedindo de mim. Tive a certeza disso e gritei.
—Sejam felizes e se cuidem. O céu é o limite. Amo vocês do fundo do meu coração.
Decorridos três dias, ela voltou passeando pelo chão, deu a volta no quintal todo e de vez em quando me olhava.
— Desmamei-os. Eles agora são donos de suas vidas.
No dia seguinte, apareceu com um galho no bico. Eu a toquei desta vez.
— Vamos nos mudar pequena, não posso deixar a prateleira pra você. Procure outro lugar pro seu ninho, me perdoe.
No dia mudança, eu fiquei pra trás aguardando o caminhão enquanto eles colocavam a mobília no baú e então, ela chegou.
Ficou em cima do muro do outro lado da rua, andando de um lado para o outro, parava e me olhava, muitos, muitos minutos.
— Vou sentir muita saudade Budiudiuca. Acho que desta vez não nos veremos mais. Você não saberá pra casa eu fui e eu não tenho como te levar não é mesmo?
Ela veio para a árvore defronte a casa e pousou no galho mais baixo. Ficou lá até o caminhão sair.
— Meu coração é seu, pequerrucha.
O caminhão foi embora e eu saí, também, olhando pra trás. Ela ficou lá no galho quieta como se com isso fizesse com que eu mudasse de idéia de partir.
Embora, talvez ninguém acredite nisso, eu posso provar. Minha mãe e minha irmã são testemunhas vivas desse meu caso de amor.
Depois de vários meses na residência nova, minha mãe me chamou.
— Vem ver quem está aqui.
Minha amada filha Budiudiuca e seu companheiro. Eu soube assim que a vi. Meu coração a reconheceu. Eles estavam em cima do muro nos fundos da casa e fui lá conversar com ela.
— Minha casa é muito pequena agora e a prateira está cheia de louças que não couberam na cozinha minúscula. Não tem espaço pro seu ninho aqui, mas você tem um vasto mundo pra isso e não ficará com raiva da mamãe, não é mesmo?
Após alguns minutos eles se foram, mas de vez em quando ela volta e o nosso namoro de mãe e filha continua.

Eleni Mariana de Menezes

A adolescente rebelde, que reclama da mãe. — Personagem freqüente em minhas viagens, ela vai contando toda sua intimidade, não só para seus amigos, mas para todo o ônibus (exceto para os que estão de fone). Diz, e aqui cito suas próprias palavras, que a mãe é “caluniosa”. Acusa a progenitora de ter feito uma festa lindíssima de quinze anos para ela, a filha, somente para se gabar perante a família. Chega ao hediondo de, com a voz esganiçada, levantar a única suspeita que não se levanta a mulher alguma: a da infidelidade. E 'contra' o próprio pai! [...]
São todas iguais: brancas, magras, de nariz afilado e cabelos lisos. Casará aos vinte e três, após um namoro de cinco anos, e não derramará uma lágrima sequer sobre o corpo daquela que lhe deu a vida.

Thomaz Henrique Barbosa

VALENTINA

Esses milênios todos que vivi tentando corrigir imperfeições, foram tempos preciosos que perdi; só fiz por merecer mais provações. Encarnei rico e vi na caridade o meio de exibir a minha riqueza. Depois, vim pobre, e por sagacidade, tirei um bom proveito da pobreza. Alma fechada, oposta à evolução, visando a carne, indiferente à morte, jamais cuidei da minha salvação. O hedonismo sempre foi meu norte. Fui cego, surdo, mudo e mutilado. Também já vim com a forma de Narciso; matei por vício, e após fui trucidado. Sofrendo o talião tão justo e preciso porém nesses milênios que passei atravessando a terra ou atravessando espaços uma coisa eu conservei, qual chama viva a iluminar meus passos. Começou nesta encarnação, quando Valentina nasceu, enfim. E pelo tempo afora desde então, não sei se vivo nela ou ela em mim. Essa paixão que a cada dia aumenta, de beijos e carinhos se alimenta na terra e ficará pelo espaço eternamente. Ela fez tornar-me ao Carma indiferente, transformou o averno em mundo de magia, e a Terra triste em Éden de alegria. Por isso, morrerei, quando for a hora, sabe lá o dia, com alegria; mas mal conterei em frente à Deus a minha rebeldia, que tão logo na família dela quero reencarnar. Ao que presumo, a aprovação, com base no livre arbítrio, consiste apenas em me acompanhar. E temo que ao findar aqui a minha missão, pelo umbral eu fique um tempo a gravitar. E se por lá ficar, ao ver-me órfão deste amor bendito, sentir-me-ei, então como um proscrito, sem luz, sem guia, e longe da verdade. Mas hoje, com dias e horários marcados para buscá-la já fico aflito, enlouquecido, ébrio de amor, carpindo no infinito o Carma doloroso da saudade...

Alessandro Lo-Bianco

Título: VALENTINA

Te Vejo: Vitalícia, Visionária, VIP, Venerada, Valente, Valiosa.

Vossa Vontade Viola minha Verdade,
Sua Vida é Vermelha de Verão,
É Valentina Você não Veio em Vão.

Nossa Voz só Verbaliza Você, nossa Visão é Viciada em Você, a Vós Venerais, a Vós que Vibrais.

Eu Vos Vejo em Versos,
Você é VALENTINA e Vice-Versus.

Autor: Papai (Nélio Joaquim)

Nélio Joaquim

Título: Pai ou Papai

Ser Pai é amar,
Ser Papai é aPapaixonar.

Ser Pai é cuidar,
Ser Papai é se doar.

Ser Pai é alimentar,
Ser Papai é fartar.

Ser Pai é dar norte,
Ser Papai é falar volte, caso não tenha sorte.

Ser Pai é proteger,
Ser Papai é anteceder.

Ser Pai é dar presente,
Ser Papai é ser presente.

Ser Pai é conversar,
Ser Papai é poetizar.

Ser Pai é ensinar,
Ser Papai é pontificar.

Ser Pai é ter fé,
Ser Papai é vigiar, nem que seja a pé.

Ser Pai é ser fiel,
Ser Papai é ser do CÉU.

Então, não me chame de Pai,
Chame-me de PAPAI.

Autor: Papai (Nélio Joaquim)

Nélio Joaquim

Ontem exatamente ás 14:30 fez um ( 01 ) ano que Deus enviou um dos seus anjos mais lindo à terra e me concedeu o dom e o poder de chamá-la de ‪#‎FILHA‬....
Sei que você foi um presente enviado de Deus pra mim, pois você chegou e me fez se sentir mais corajosa e determinada a prosseguir....
Posso estar mergulhada entre medos e pesadelos, mais quando estou contigo meu anjinho, todos os meus medos se dissipam e me vejo uma mulher forte e determinada a encarar os desafios que a vida venha a me dar.
Sei que onde quer que teu Pai esteja está muito Feliz por você filhota, era o sonho dele ter um filho como você, exatamente como ele queria você veio e por coincidência ou mero acaso você também saiu parecida com a pessoa que mais amei nessa vida: a minha Mãe!
Agradeço a Deus por você existir em minha vida, por você ser mais uma das minhas razões de viver.... Aconteça o que aconteça eu sempre estarei aqui minha linda, e se preciso for darei minha vida por você e seus irmãos...
Feliz Aniversário minha linda, que esse seja o primeiro de muitos!
Que Jesus derrame chuvas de benção em tua direção e em todo caminho que você trilhar, que você seja uma benção na vida de todos que trilhar o seu caminho, assim como és para mim.... Te amo vida!

Arenilda Oliveira

Parece Que Foi Ontem...


Que vi minha filha NASCER,
se DESENVOLVER, CRESCER...
Até chegar à ADOLESCÊNCIA
e dividir com o seu velho Pai
parte de sua ENERGIA / ALEGRIA
em aventuras e desventuras...
Própria da idade - que na verdade...
Embora, passe por mudanças
fica sempre na lembrança.

Chega a juventude
e agora - na fase mais adulta
o Pai vê a filha em constantes lutas
própria de troca de identidades...
Em que ela terá que enfrentar a realidade
de que a vida não é feita somente de brincadeiras
e que, é preciso pagar o preço
da grande transformação...

Que à deixa DIFERENTE
sem contudo; tirar a satisfação
do Pai que se prende a
CONVICÇÃO
que a filha Nasce, desenvolve, cresce
e ENVELHECE...
Sem perder a GRAÇA e o SENTIDO
de ser eternamente a filha do coração.

Nivaldo Duarte

O Encontro...


Me envolve
por dentro e por fora
Me torna
límpido a toda hora
Me leva
ao Trono da Glória
Me purifica
para uma vida de vitória
Me torna forte
e cria em mim uma fortaleza
Me instrui
a seguir num caminho de proeza
Me segura pela mão
e diz: Ação!
Me enche de certeza;
que és a minha salvação.

Nivaldo Duarte