Textos em Prosa Literariamente

Cerca de 80 textos em Prosa Literariamente

A tua voz fala amorosa...
Tão meiga fala que me esquece
Que é falsa a sua branda prosa.
Meu coração desentristece.

Sim, como a música sugere
O que na música não stá,
Meu coração nada mais quer
Que a melodia que em ti há...

Amar-me? Quem o crera? Fala
Na mesma voz que nada diz
Se és uma música que embala.
Eu ouço, ignoro, e sou feliz.

Nem há felicidade falsa,
Enquanto dura é verdadeira.
Que importa o que a verdade exalça
Se sou feliz desta maneira? "

Fernando Pessoa

Briga de energia
.
Por que você espera tanto dos outros? Por que dá tanta importância para o que eles dizem? Não ligue. As pessoas fecham a cara hoje e, amanhã, abrem.
Toda vez que você recebe uma ofensa, o ofensor se sente vitorioso. Toda vez que você rejeita uma ofensa, a energia volta para a pessoa que a ofendeu. Ela sofre o impacto da própia energia, se arrepende do que fez e, então, muda.
A única maneira de se defender nesse mundo é não aceitar nenhum desaforo. A pessoa fez desaforo? Não estou nem ligando. Me fez mal? Pode fazer. Me quis mal? Pode querer. Assim, a gente vai deixando todo o mal lá fora, não aceita nada e não entra nada. O que acontece?
A energia volta para a pessoa. E, dai a pouco, ela vai se sentir culpada. Então, se arrepende do que fez e vai pedir desculpas. Mas se a pessoa é rude e indelicada e a gente se magoa com aquilo, guarda aquela energia, ela se sente vitoriosa. Na verdade, ela não está querendo ofender, mas exercer seu poder de se
sentir superior. Olha para você como inferior a ela, porque você se põe de inferior.
E por que você se sente inferior? Porque você é uma lata de lixo que pega toda a porcaria que os outros mandam. Leva a sério tudo quanto é desaforo, tudo quanto é besteira. Mas se você não pega, dá de ombros e diz:
- É a pessoa que está criando essa energia ruim de antipatia e não vou pegar. Vai ter que engolir o que ela mesma está criando.
Aí, minha filha, tudo muda. Estou ensinando como se defender da briga de energia, do jogo do poder. Se você ganhar, tem que ser mais forte que o outro. Senão, você vai perder...

Calunga (Luiz A. Gasparetto texto do livro Um dedinho de prosa.)

O pobre de mim
.
Quanta gente sofre sem necesidade. Sabe qual o maior problema do pobre de mim? Quando você diz:
- Sou coitado. Eu não tenho poder, eu não tenho jeito, eu não tenho, eu não tenho...
Você fecha interiormente as portas dos recursos que estão no inconsciente e que deveriam emergir nesse momento. Em vez de dar força e trazer para fora o poder, a criação, a cura, a solução, você acaba fechando e ficando naquela posição miserável, dando cada vez mais passagem para aquilo que o está atormentando, que está lhe fazendo mal.
A gente tem que parar com esse vício. Você já viu alguém com pobre de mim resolver algum problema, sair de uma situação feia para outra melhor? Eu nunca ví. Mas a gente se acha no direito de dizer:
- Ah, porque coitado de mim, só eu faço tudo, só eu sou assim...
Cai no pobre demim, que é a mesma coisa que o desespero. Tem gente que gosta de ficar desesperada. Qualquer coisa faz escândalo.
Há pessoas que agem sem pensar e sem observar a vida. Estão errando e estão fechando os olhos. E, quando se vêem num beco sem saida, fazem escândalo com se isso fosse consertar a vida delas. Mas como a vida é eterna, se mate ou não, tudo continua, até para pior.
Por que você não vira uma pessoa inteligente de uma hora para a outra? Use sua inteligência que Deus lhe deu. Diga:
- Que desespero que nada! Nada merece tanta atenção assim. Nada merece estragar as coisas da minha vida. Se uma coisa não está bem, o resto pode estar. Eu não sou o coitado. Sou uma fonte de poder e de conhecimento. Tudo dá muito certo na minha vida. Tudo está a meu favor. Está tudo bom - eu grito. Aí vai ficando bom mesmo, porque a gente puxa as forças positivas.

Calunga (Luiz A. Gasparetto texto do livro Um dedinho de prosa.)

Prosa Patética



Nunca fui de ter inveja, mas de uns tempos pra cá tenho tido.
As mãos dadas dos amantes tem me tirado o sono.
Ontem, desejei com toda força ser a moça do supermercado.
Aquela que fala do namorado com tanta ternura.
Mesmo das brigas ando tendo inveja.

Meu vizinho gritando com a mulher, na casa cheia de crianças,
Sempre querendo, querendo.

Me disseram que solidão é sina e é pra sempre.

Confesso que gosto do espaço que é ser sozinho.

Essa extensão, largura, páramo, planura, planície, região.

No entanto, a soma das horas acorda sempre a lembrança

Do hálito quente do outro. A voz, o viço.

Hoje andei como louca, quis gritar com a solidão,

Expulsar de mim essa Nossa Senhora ciumenta.

Madona sedenta de versos. Mas tive medo.

Medo de que ao sair levasse a imensidão onde me deito.

Ausência de espelhos que dissolve a falta, a fraqueza, a preguiça.

E me faz vento, pedra, desembocadura, abotoadura e silêncio.

Tive medo de perder o estado de verso e vácuo,

Onde tudo é grave e único. E me mantive quieta e muda.

E mais do que nunca tive inveja.

Invejei quem tem vida reta, quem não é poeta

Nem pensa essas coisas. Quem simplesmente ama e é amado.

E lê jornal domingo. Come pudim de leite e doce de abóbora.

A mulher que engravida porque gosta de criança.

Pra mim tudo encerra a gravidade prolixa das palavras: madrugada, mãe, Ônibus, olhos, desabrocham em camadas de sentido,

E ressoam como gongos ou sinos de igreja em meus ouvidos.

Escorro entre palavras, como quem navega um barco sem remo.

Um fluxo de líquidos. Um côncavo silêncio.

Clarice diz que sua função é cuidar do mundo.

E eu, que não sou Clarice nem nada, fui mal forjada,

Não tenho bons modos nem berço.

Que escrevo num tempo onde tudo já foi falado, cantado, escrito.

O que o silêncio pode me dizer que já não tenha sido dito?

Eu, cuja única função é lavar palavra suja,

Neste fim de século sem certezas?

Eu quero que a solidão me esqueça.

Viviane Mosé

AMOR É PROSA, SEXO É POESIA

Sábado, fui andar na praia em busca de inspiração para meu artigo de jornal. Encontro duas amigas no calçadão do Leblon:
- Teu artigo sobre amor deu o maior auê... – me diz uma delas.
- Aquele das mulheres raspadinhas também... Aliás, que você tem contra as mulheres que barbeiam as partes? – questiona a outra.
- Nada... – respondo. – Acho lindo, mas não consigo deixar de ver ali nas partes dessas moças um bigodinho sexy... não consigo evitar... Penso no bigodinho do Hitler, do Sarney... Lembram um sarneyzinho vertical nas modelos nuas... Por isso, acho que vou escrever ainda sobre sexo...
Uma delas (solteira e lírica) me diz:
- Sexo e amor são a mesma coisa...
A outra (casada e prática) retruca:
- Não são a mesma coisa não...
Sim, não, sim, não, nasceu a doce polêmica ali à beira-mar. Continuei meu cooper e deixei as duas lindas discutindo e bebendo água-de-coco. E resolvi escrever sobre essa antiga dualidade: sexo e amor. Comecei perguntando a amigos e amigas. Ninguém sabe direito. As duas categorias trepam, tendendo ou para a hipocrisia ou para o cinismo; ninguém sabe onde a galinha e onde o ovo. Percebo que os mais “sutis” defendem o amor, como algo “superior”. Para os mais práticos, sexo é a única coisa concreta. Assim sendo, meto aqui minhas próprias colheres nesta sopa.
O amor tem jardim, cerca, projeto. O sexo invade tudo isso. Sexo é contra a lei. O amor depende de nosso desejo, é uma construção que criamos. Sexo não depende de nosso desejo; nosso desejo é que é tomado por ele. Ninguém se masturba por amor. Ninguém sofre de tesão. O sexo é um desejo de apaziguar o amor. O amor é uma espécie de gratidão posteriori pelos prazeres do sexo.
O amor vem depois, o sexo vem antes. No amor, perdemos a cabeça, deliberadamente. No sexo, a cabeça nos perde. O amor precisa do pensamento.
No sexo, o pensamento atrapalha; só as fantasias ajudam. O amor sonha com uma grande redenção. O sexo só pensa em proibições: não há fantasias permitidas. O amor é um desejo de atingir a plenitude. Sexo é o desejo de se satisfazer com a finitude. O amor vive da impossibilidade sempre deslizante para a frente. O sexo é um desejo de acabar com a impossibilidade. O amor pode atrapalhar o sexo. Já o contrrário não acontece. Existe amor sem sexo, claro, mas nunca gozam juntos. Amor é propriedade. sexo é posse. Amor é a casa; sexo é invasão de domicílio. Amor é o sonho por um romântico latifúndio; já o sexo é o MST. O amor é mais narcisista, mesmo quando fala em “doação”. Sexo é mais democrático, mesmo vivendo no egoísmo. Amor e sexo são como a palavra farmakon em grego: remédio e veneno. Amor pode ser veneno ou remédio. Sexo também – tudo dependendo das posições adotadas.
Amor é um texto. Sexo é um esporte. Amor não exige a presença do “outro”; o sexo, no mínimo, precisa de uma “mãozinha”. Certos amores nem precisam de parceiro; florescem até mas sozinhos, na solidão e na loucura. Sexo, não – é mais realista. Nesse sentido, amor é uma busca de ilusão. Sexo é uma bruta vontade de verdade. Amor muitas vezes e uma masturbação. Seco, não. O amor vem de dentro, o sexo vem de fora, o amor vem de nós e demora. O sexo vem dos outros e vai embora. Amor é bossa nova; sexo é carnaval.
Não somos vítimas do amor, só do sexo. “O sexo é uma selva de epiléticos” ou “O amor, se não for eterno, não era amor” (Nelson Rodrigues). O amor inventou a alma, a eternidade, a linguagem, a moral. O sexo inventou a moral também do lado de fora de sua jaula, onde ele ruge. O amor tem algo de ridículo, de patético, principalmente nas grandes paixões. O sexo é mais quieto, como um caubói – quando acaba a valentia, ele vem e come. Eles dizem: “Faça amor, não faça a guerra”. Sexo quer guerra. O ódio mata o amor, mas o ódio pode acender o sexo. Amor é egoísta; sexo é altruísta. O amor quer superar a morte. No sexo, a morte está ali, nas bocas... O amor fala muito. O sexo grita, geme, ruge, mas não se explica. O sexo sempre existiu – das cavernas do paraíso até as saunas relax for men. Por outro lado, o amor foi inventado pelos poetas provinciais do século XII e, depois, revitalizado pelo cinema americano da direita cristã. Amor é literatura. Sexo é cinema. Amor é prosa; sexo é poesia. Amor é mulher; sexo é homem – o casamento perfeito é do travesti consigo mesmo. O amor domado protege a produção. Sexo selvagem é uma ameaça ao bom funcionamento do mercado. Por isso, a única maneira de controla-lo é programa-lo, como faz a indústria das sacanagens. O mercado programa nossas fantasias.
Não há saunas relax para o amor. No entanto, em todo bordel, FINGE-SE UM “AMORZINHO” PARA INICIAR. O amor está virando um “hors-d’oeuvre” para o sexo. O amor busca uma certa “grandeza”. O sexo sonha com as partes baixas. O PERIGO DO SEXO É QUE VOCÊ PODE SE APAIXONAR. O PERIGO DO AMOR É VIRAR AMIZADE. Com camisinha, há sexo seguro, MAS NÃO HÁ CAMISINHA PARA O AMOR. O amor sonha com a pureza. Sexo precisa do pecado. Amor é o sonho dos solteiros. Sexo, o sonho dos casados. Sexo precisa da novidade, da surpresa. “O grande amor só se sente no ciúme” (Proust). O grande sexo sente-se como uma tomada de poder. Amor é de direita. Sexo, de esquerda (ou não, dependendo do momento político. Atualmente, sexo é de direita. Nos anos 60, era o contrário. Sexo era revolucionário e o amor era careta). E por aí vamos. Sexo e amor tentam mesmo é nos afastar da morte. Ou não; sei lá... e-mails de quem souber para o autor.

Arnaldo Jabor

Tudo na vida depende

Tudo nesse mundo depende._
O que você é, Calunga?
_ Depende da situação. Depende do que eu sinto.
_ Você é uma pessoa brava?
_ Ah, não sei. Depende do dia, da hora, do que me façam, eu sou ruim. Dependendo, eu sou manso, quieto, carinhoso. Depende.
_ Você é uma pessoa segura?
_ Depende. Quando eu sou seguro, eu sou seguro. Quando não sou seguro, não sou seguro.
_ Você é um mentor?
_ Quando eu sou mentor. Tem hora que sou meio obsessor, também. Tudo depende, porque eu desenvolvo a perspicácia, que é a esperteza inteligente, o alerta constante. É estar ligado, sem nenhuma regra. Olha lá, você que gosta de ser seguro, de ter regra para tudo.
_ Ah, Calunga, como vou fazer se acontecer assim, assim, .....?
_ Não sei, não. Se você não desenvolver a perspicácia, não vai conseguir nada.
_ Mas como eu faço para desenvolver a perspicácia?
_ Primeiro passo: jogue fora as regras. Diga não sei. Segundo: jogue fora a sua rigidez. Eu sou assim; eu não sou assado. Isso é proibido. Isso não é moral. Isso não é decente. Decente é só assim. Pare com isso. Diga: olha, não sei. Tudo é possível. Depende. Se o ambiente for opressor, vou ter que usar o que sei e o que não sei.
Se a coisa me machucar muito, eu vou berrar muito. Se me derem um tapa, pode ser que eu dê um tapa. Mas pode ser que não faça nada. Depende. Eu não sou de nada e sou de tudo. Sou livre, mas estou ligado. Sei que dentro de mim há muita coisa que nem sei que tem, mas tem. E que as correntes do inconsciente me trazem muita coisa a cada hora e, a cada hora, me trazem uma coisa certa. Eu confio. Por isso, tudo depende.
_ Ah, porque eu sou seguro, sou firme. Comigo, tem que ser assim, se não não aceito.
_ Olha que você vai ter que engolir isso cedo ou tarde. E ainda vai ter que calar a boca. Então, não dificulte. Melhor dizer: dependendo da situação, eu aceito e fico quieto. Dependendo, eu brigo e não aceito. Não tenho nenhuma firmeza, nenhuma rigidez. Para ser seguro, a gente precisa ter perspicácia. Posso falar com os outros de tudo quanto é jeito. Tem gente que diz: Ah, não posso ser agressivo com os outros, porque isso é feio. Falo sempre com jeito. Acho que é melhor.
Tudo depende. Tem gente que se você não der uma mordida bem mordida, a pessoa não te respeita, não é verdade? Tem hora que precisa saber morder.Dependendo, você morde, grita e mostra os dentes. Dependendo, você é educado. Dependendo você é amoroso.
Assim, você vai ter os rins fortes, a circulação forte. As juntas do corpo flexíveis. Você nunca vai cair e quebrar a perna. Tem muita gente quebrando a perna ou o braço porque não quer ser relativa, não quer ser flexível. Não quer usar o verbo “depender” para ter a capacidade humana de ser plástica, de se ajustar á necessidade de cada situação.
O nosso organismo é uma das coisas mais adaptáveis do planeta. A alma, a cabeça, o corpo, tudo isso é adaptável, mas é a gente que encrenca. Vamos então parar de encrencar. Dependendo da situação, vou ver como vou ficar. Não tem esse negócio de pensamento predeterminado ou de personalidade rígida. Não tem nenhuma expectativa. Tudo vai depender;
_ Hoje, eu estou bom. Amanhã, não sei. Não conto com ninguém, não. Conto só mesmo com DEUS. Do resto, a gente nunca sabe.
Não queira brigar com a vida. Fique em paz porque tudo depende.

calunga do livro Um dedinho de Prosa

Em sintonia com a faixa divina

A emissão da energia de Deus consegue atingir o Universo inteiro. Mas as pessoas não recebem essa emissão porque estão muito ocupadas com os problemas do dia-a-dia para se sintonizar com a faixa Divina, que está constantemente emitindo ondas de voz, da energia, da presença e da verdade de Deus.
É só questão de você largar um pouco as coisas da vida e se sintonizar com ELE, com Sua força. Sintonizar-se com essa força que está falando dentro de nós, com essa força que não está em lugar nenhum e, ao mesmo tempo, esta em toda a parte.
Você também está emitindo pensamentos constantemente, como se fosse uma estação de rádio ambulante. Se as pessoas não estiverem muito envolvidas com a vida delas, captam o que você estiver emitindo, mesmo que não diga nada. Mesmo que nem expresse nada, vai ocorrendo a captação dos seus pensamentos. Por isso, é preciso aprender a ligar o botão, a mudar de estação e a se desligar da sintonia do outro.
Existem três operações: quando você se liga, quando sintoniza, ou seja quando vai em busca da sintonia fora de você, e quando desliga. Por exemplo, alguém chega, e você se liga, presta atenção na pessoa. Mas você também pode resolver não se sintonizar no que ela está falando, mudar de estação ou falar de outro assunto. Você, então, entra com um ponto de vista diferente e muda de energia. Aí, a pessoa tem duas opções: ela muda com você ou vai embora.
Se a pessoa emitir raiva, queixa, você também pode mudar de estação por não querer entrar em sintonia com aquilo. Você diz:
- Ah, não. Eu não vou agüentar de novo este dramalhão de vítima, de coitadinha....
Por que será que há pessoas que nos acham com cara de almofada? Estão sempre querendo se encostar na gente.
Mas, minha filha, se você não tem cara de almofada, se coce não gosta desse programa, mude de estação. Mude de assunto de sintonia, "dês sintonize" e você vai ver que não capta mais aquela energia. Ninguém vai fazer você de almofada de jeito nenhum. Agora, se você deixar, o povo usa. Porque você também fica esperando para usar o outro. ////a gente faz uma troca, não é?? Um pouco eu uso você, um pouco você me usa.
Se você age assim, minha filha, está certo. É como você gosta de viver. Sempre arranja uma almofadinha pra você, mas também não se queixa de servir de almofada para os outros. Se você acha que o acerto é bom, se a troca é boa, está bom. Não tem problema nenhum.
Acontece que, ás vezes, as pessoas judiam da almofada, sentam em cima, socam a almofada, fazem dela pano de chão. Se você aceita, está bom. Se você não aceita, então, é só "dês sintonizar".
"Dês sintonizar-se" dos outros. Eles vêm na briga e você vai na paz. Sorte sua!! Assim, você acaba criando a paz, vivendo a paz e gerando a paz na sua vida.

Do livro UM DEDINHO DE PROSA Calunga

Tudo na vida tem jeito

Você é uma pessoa que se repete muito? Vai sempre aos mesmos lugares, conversa sempre com as mesmas pessoas, até o seu problema é igual? Conta sempre a mesma história,ri da mesma piada? Tem gente que é assim. Será que esse não é?
É a pessoa videoteipe, que está sempre repetindo tudo igual. Parece uma fotografia, porque fica eternamente parada naquilo. Por que uma pessoa fica assim igual com tanta coisa curiosa na vida? Às vezes, é porque ela está aprendendo a ser segura, a ser organizada. Então, ela passa por um período de monotonia. Fica meio emperrada, meio engasgada consigo mesma por um período grande.
Que esquisito, pois com tanta coisa acontecendo nesse mundo moderno, tão dinâmico, a pessoa fica sempre igual. Está sempre com o mesmo cabelo. Mas o povo é assim. Tem aquela que troca de cor de cabelo toda semana. Ela também exagera. Toda hora está trocando de cara porque é mais fácil
trocar a cor do cabelo do que mudar de atitude.

Mas tudo tem a sua hora. Cada um está exercitando, de algum jeito, o seu modo de criar, de viver. Veja, por exemplo, a questão do destino, que toca a todos nós. Todo mundo quer forçar o destino a realizar o seu sonho, para que dê certo no amor,na carreira.


Acho que a gente pode mesmo fazer o destino e tem uma certa consciência disso. Nem sempre sabe como fazer, mas a gente quer forçar. Faz o possível para as coisas irem de um jeito e não de outro, embora a gente erre, porque não sabe bem como fazer o destino funcionar. E, às vezes, a pessoa tenta tanto que passa a ser autoritária e arrogante:

- Eu quero assim, porque tem que ser desse jeito.

Não aceita que seja diferente. Acho que isso é descontrole. Mas, no fundo, a pessoa está apenas querendo a felicidade. Você já pensou que tudo que você faz, de certo ou de errado, é porque pensa que isso vai levá-lo à felicidade? Aquele que rouba, que mente, que é sincero, tudo que o pessoal faz é pensando que vai trazer a felicidade.

Que força tem a busca da felicidade em nós! A gente quer viver, quer se realizar. Uns com dinheiro, outros com amor, com a esperança de que aquela pessoa vá fazê-la feliz. Quantos sonhos de felicidade todos nós temos. E quando a gente se decepciona, porque não consegue, então, não quer sonhar mais. Quer brigar, quer chorar. E quanto maior a revolta, mais mostra que o desejo da felicidade é grande, pois se o desejo fosse pequeno, a revolta seria pequena. E a gente vê que também o revoltado, o agressivo, o amargo quer a felicidade.

Sorte daquele que sabe parar para analisar e ficar só olhando tudo, sem emoção. Vai fundo e, daí é que descobre as coisas. Quando fica só contemplando, se liga na consciência cósmica, começa a entender as coisas.

- Quer dizer, então, que o conhecimento de tudo está dentro de nós?
- Está mesmo. Se a natureza nos põe para viver, tem que pôr também o conhecimento para termos condições de fazer as coisas. É que você é muito afobado, muito emocionado, muito indisciplinado e não pára para ir fundo. Então, as coisas ficam confusas. Feliz daquele que sabe parar e ficar calmo, só olhando a situação, abrindo a mente e o coração na boa vontade para entender: esse vai dominar a vida e vai ser feliz.
Tudo que consegui de bom na vida foi assim. Mas a gente fica doido, desesperado, emocionado e fica repetindo o que já fez. Uai, se já fez e não deu certo, por que repete? Tem que parar, contemplar, ir fundo, acreditar que tem jeito. Tudinho tem jeito. Pare de ficar desesperado que isso não leva a nada. Só dá dor de cabeça
.
Tudo tem jeito. Tem sim, tem muito jeito. Tudo é aprendizagem.

• Aquele que está aflito está aprendendo a movimentar sua energia de ação.

• Aquele que está encruado, parado na vida, está aprendendo a usar o breque.

• Aquele que está trabalhando, está aprendendo a usar as suas faculdades.

• Aquele que trabalha com a moleza, com a preguiça, está aprendendo o valor do tempo, a trabalhar sem estresse.

• Tem aquele que está trabalhando afobado, angustiado, preocupado, que também está aprendendo a assumir responsabilidade.

Tudo o que você chama de defeito, na verdade, é uma das suas virtudes que está aprendendo a usar.

• A raiva é a virtude da coragem, que você está aprendendo a usar.

• A crueldade é a força da transformação, que a gente também está aprendendo a usar.

• A mentira é a força do manuseio, da interpretação, da adequação à situação, que você está aprendendo a usar.

• A falsidade é a nossa capacidade de conter e suprimir elementos perigosos da nossa vida.

• A traição é porque a gente está aprendendo as questões do compromisso. Quem trai acaba tendo as suas reações e acaba aprendendo o que é se compromissar, quando deve se compromissar e de forma deve fazer os compromissos.
Quando há traição é porque a pessoa não tem coragem de encarar a verdade.

• Quem está fugindo está aprendendo a se afastar daquilo que o incomoda.

• Quem está confrontando está aprendendo a transformar aquilo que o incomoda. Todo mundo está em trabalho

• Quando a pessoa bebe muito, está aprendendo a dominar o seu orgulho. Claro que é de uma forma dramática e dolorosa, mas está aprendendo.

• A doença está ensinando você a se tratar melhor. Você, que não gosta de si mesmo, que se queixa que têm pernas finas, orelhas grandes, nariz torto, então, pega as doenças, empesteia o corpo para aprender a se gostar e a se tratar melhor.

Todo mundo, minha gente, está na lição. O povo diz:

- Quanta crueldade, quanto sofrimento nesse mundo, quanta gente ignorante, quanta violência...

Vocês falam que a sociedade hoje é muito violenta. Mentira! O homem sempre foi assim, em qualquer sociedade. E vai continuar a guerrear porque está aprendendo a usar os poderes de transformação, os poderes do direito humano, os poderes dos princípios de liberdade, dos princípios de individualidade. Tudo isso é feito da maneira que o homem sabe fazer, de acordo com o seu estado de evolução. Um dia melhora, como já melhorou em muitos aspectos porque a humanidade já aprendeu. Então, está tudo certo.

Está tudo certo, porque Deus não erra. Você é que vê erro, porque não entende. E o que não entende, você acha que é errado. Mas se você pudesse, de algum modo, sentir o pensamento de Deus, ia ver que está certo, que é isso mesmo o que Deus quer. Se não quisesse assim, já teria mudado.

Você gosta de se queixar da vida porque ela não é do jeito que você queria. Sinto muito dizer, mas está certo. É você que fica achando erro. Toda crueldade, tudo está certinho. É bom você parar de se queixar e tentar entender, se quer mesmo ser feliz. É preciso entender os porquês, mas você não procura, então por que diz que é difícil?

A vida não esconde nada. É você que não quer ver.

Vamos sair desse delírio de enganos e erros, de obstáculos e pessimismo? Vamos viajar juntos e descobrir isso tudo?

Do livro UM DEDINHO DE PROSA Calunga

Você é o seu próprio juiz - (Calunga)
eu não consigo aceitar a mentira - diz uma ouvionte.

-Não seja radical com nada, minha filha. Não faça isso. Você também é mentirosa. E a gente nunca sabe quando vai precisar mentir. Aí, vai mentir como? Vai ser desonesta consigo mesma?

Quando a gente se impõe uma lei muito rígida, um dia acaba escorregando nela. O nosso ser, então toma aquilo como uma desonestidade nossa. E, se você tem um programa de punição à desonestidade, ele vai ser acionado automaticamente. Então, você acaba criando a própria desgraça.

Vamos procurar dizer a verdade. Só procurar, já está bom, porque você também não agüenta ouvir toda a verdade de uma só vez. As vezes, para falar com você, os outros têm que adoçar.
Mas é você que vai ter que sustentar os próprios conceitos, porque vai viver pelas leis que você mesma se impôs. Vai se promover ou se punir, de acordo com o que você acredita. Você é o seu juiz, minha filha, porque Deus não é juiz de ninguém. Portanto, vá com cautela para não aprontar uma bem feia para você.
O povo gosta de dizer
Dessa água não beberei...

Mas, olha, que é dessa água mesmo que você vai beber.
Então, vamos ser abertos e ter conceitos provisórios. Ah, por enquanto estou pensando assim, estou fazendo assim, mas amanhã não sei. Garantia, eu não tenho de nada. Sei lá se amanhã vou ver o mundo diferente.

Também não estranhe minha filha, se você pensar diferente dos outros. Não estranhe a estranheza dos outros, viu? -

Do livro UM DEDINHO DE PROSA Calunga

A vida deveria ser vista não como prosa,
mas como poesia.
Essa é a abordagem religiosa,
a abordagem do místico.
Ele olha não com perguntas nos olhos,
e sim com admiração,
com deslumbramento.
Ele não pensa na existência, ele a sente.
Ele abre o coração. Em vez de usar a cabeça,
ele escancara as portas e janelas de seu coração,
deixa o sol, o vento e a chuva entrarem.
Isso é o que entendo por poesia.
O místico é um poeta no sentido mais elevado.
Ele pode não escrever poesia- isso é irrelevante.
Ele vive poesia,ele é poesia.
Esqueça tudo sobre sua cabeça:
seja sem-cabeça e repleto de coração.
Não existem problemas na vida;
todos os problemas são invenções da mente.
A vida é um mistério a ser vivido,
não um problema a ser resolvido.

Osho

Nicotina
Poesia crônica, cigarro cubano
Prosa de Neruda, lascívia de Caetano
Um canto, lugar único no mundo
Um tenor no máximo da sua entonação
Um acorde perfeito, música de Wagner
Encantamento de Isolda e Tristão
Sonoridade efêmera que apetece
Destoa, enlouquece alma em combustão
Meu espírito demente sem acão.
Um perfume cítrico e agreste
Nicotina que impregna o coração.

Evan do carmo

"Abandone a mente que pensa em prosa;
reviva outro tipo de mente que pensa em poesia.
Ponha de lado toda a sua perícia em silogismos;
deixe as canções serem o seu estilo de vida.
Mude do intelecto para a intuição,
da cabeça para o coração,
porque o coração está mais próximo dos mistérios."

Osho

Mais dia, menos dia
Numa hora escrever prosa
era tudo que eu queria
de maneira religiosa
comparar-te à cor da rosa
pois por rosas você ria
eu tive essa garantia
noutra hora escrever versos
conversar sobre o universo
olhando pro céu você escolheria
qual estrela eu te daria
e então poderia escolher
você quer que eu vá buscar
ou nós vamos morar lá?
de tanto que pode escolher
escolheu ficar distante
se pedisse um diamante
escondido na mais alta montanha
minha vontade era tamanha
até lá eu te carregaria
montada num elefante
a vida seguiu adiante
e eu estou só na noite fria
olhando pro céu e pensando
na estrela que te daria
meu Deus, quando imaginaria
que ainda penso em você
hoje em dia
enquanto escrevo poesia.

edson ricardo paiva

Eu poesia,ele prosa
eu ar,ele terra
eu flor,ele espinho...
Ele revolução,eu carinho
E nessa viagem
o amor se perde pelo caminho
na imensidão do vasto mar...
E a vida perde a graça
e antes que o sonho,por completo se desfaça
e que o amor não mais quiser amar
eu vou buscando razões,inventado motivos
pra que as lágrimas parem de chorar.

Aline Romariz

Prosa Patética

Nunca fui de ter inveja, mas de uns tempos pra cá tenho tido... As mãos dadas dos amantes tem me tirado o sono... Ontem, desejei com toda força ser a moça do supermercado. Aquela que fala do namorado com tanta ternura. Mesmo das brigas ando tendo inveja. Meu vizinho gritando com a mulher, na casa cheia de crianças... Sempre querendo, querendo... Me disseram que solidão é sina e é pra sempre. Confesso que gosto do espaço que é ser sozinho. Essa extensão, largura, páramo, planura, planície, região. No entanto, a soma das horas acorda sempre a lembrança... Do hálito quente do outro. A voz, o viço... Hoje andei como louca, quis gritar com a solidão... Expulsar de mim essa Nossa senhora ciumenta. Madona sedenta de versos. Mas tive medo. Medo de que ao sair levasse a imensidão onde me deito... Ausência de espelhos que dissolve a falta, a fraqueza, a preguiça. E me faz vento, pedra, desembocadura, abotoadura e silêncio. Tive medo de perder o estado de verso e vácuo... Onde tudo é grave e único. E me mantive quieta e muda. E mais do que nunca tive inveja. Invejei quem tem vida reta, quem não é poeta... Nem pensa essas coisas. Quem simplesmente ama e é amado. E lê jornal domingo. Come pudim de leite e doce de abóbora... A mulher que engravida porque gosta de criança... Pra mim tudo encerra a gravidade prolixa das palavras: Madrugada, mãe, ônibus, olhos, desabrocham em camadas de sentido... E ressoam como gongos ou sinos de igreja em meus ouvidos. Escorro entre palavras, como quem navega um barco sem remo. Um fluxo de líquidos. Um côncavo silêncio. Clarice diz, que sua função é cuidar do mundo. E eu, que não sou Clarice nem nada, fui mal forjada... Não tenho bons modos nem berço. Que escrevo num tempo onde tudo já foi falado, cantado, escrito. O que o silêncio pode me dizer que já não tenha sido dito? Eu, cuja única função é lavar palavra suja... Nesse fim de século sem certeza? Eu quero que a solidão me esqueça.

Viviane Mosé Poema com estrutura modificada

ÁFRICA PERDIDA

Ah! mamãe África
Tu és a prosa, és a lírica
És o berço da humanidade
És o túmulo da verdade

Te perdes facilmente
Te encontras num instante
És a escolhida
Princípio da vida

O Céu te desenhou
Deus te beijou
Mesmo assim ainda sofres
Guardas segredos nos cofres

Augusto Gustavo

Que vaidade a minha imaginar que posso ser bela,
Para te conquistar,
escrevendo versos, sem prosa..
Mostrando todo o meu sentimento, assim, ao vivo e a cores,
on line,
Que absurdo eu imaginar que posso te mostrar
itinerários, para saber onde possa me encontrar.
Que loucura eu pensar, que um dia você iria me querer,
Mas o que sinto é verdade, não nego,
eu me apaixonei, e tudo o que sou, e o que tenho
não é o suficiente para você me querer..
Mas fui alguém que quis por um a noite
apenas,
uma mulher.
Dois nasce de um mais um.
Por isso nunca seremos..


..

sonia solange da silveira ssolsevilha poetisa do cerrado

NARRAR

Vaguear em prosa e versos,
E a capanga carregada.
Cumbuca desliza solta,
E a boca, o vento sopra.

Este clã de tantas letras,
Balada que vem de longe.
São cercas e amarração,
E sem o lá...eu vivo só.

Poema que engole a rima,
Aborta palavras magras.
E o gole desse prazer,
Faz de mim um viajor.

Escravo de certas linhas,
Amarrado nesse tronco.
E o livro, por sí...fala;
E faz o povo pensar.

Koló Farias.

Eu não sei escrever rimas
Nem das pobres nem das ricas
Também não domino a prosa
Ainda que em folha rosa

Costumo falar de bobagens
Mas também de coisas sérias
Repenso nas malandragens
E filosofo sobre as misérias

Contudo não entendi
Porque a escrita é voraz
Falo do que não vi

Rimo com o que jaz
Em outro verso, em outra estrofe
Por ser um jogo sem ás.

Paulo Ricardo Zargolin

Prosa a Almeida

" E ainda dizem que é impossível , definir a palavra "saudade" de imediato , mas em minha vida ela se materializou em forma de música , de voz e de sorriso , na conversa mansa da noite , no pôr - do - sol que nos trás a lembrança das vagas memórias , no primeiro abraço , no primeiro "eu te amo" , na primeira distância , nos primeiros anos , na falta de tempo , na despedida , nas notícias improváveis , no primeiro choro , na primeira confissão , na profunda dor , na grande falta do que proferir , no irreconhecível , na bifurcação dos nossos caminhos , no último adeus e no pedido do largar das pequenas nostalgias ."

Brenna Kelley F.Ramos