Textos de União

Cerca de 116 textos de União

Alegria Eternamente Crescente

Por Jonathan Edwards

A união com Deus ao compartilhar a alegria que ele tem em si mesmo será eternamente crescente

Se Deus tem deferência por algo na criatura, algo que ele considera de duração eterna e algo que se eleva cada vez mais ao longo dessa duração infinita, não com celeridade cada vez menor (mas talvez até maior), tem deferência por tal coisa na sua totalidade, na sua altura infinita, apesar de sabermos que jamais haverá um momento em que será possível dizer que tal coisa alcançou essa altura.

Representemos a união com Deus como algo que se encontra a uma altura infinita acima de nós, e a união eternamente crescente dos santos com Deus como algo que se eleva constantemente em direção a essa altura infinita, sobe a determinada velocidade e se move desse modo por toda a eternidade; Deus, que vê a totalidade dessa altura eternamente crescente, a vê como uma altura infinita. E se ele tem deferência por ela e faz dela o seu fim, tem deferência por ela na sua totalidade como uma altura infinita, apesar de ser fato que jamais haverá um momento em que será possível dizer que essa altura infinita foi alcançada.

Deus tem como objetivo aquilo que é visado pelo movimento ou pela progressão que ele causa, aquilo para o que ele tende. Se há diversas coisas que devem ser, desse modo, feitas e designadas e que, por um movimento constante e eterno, tendem todas para determinado centro, nos parece que o criador dessas coisas, que é a causa do seu movimento, tem como objetivo esse determinado centro e o ponto final desse movimento, para o qual elas tendem eternamente e o qual estão, por assim dizer, se esforçando eternamente para alcançar. Se Deus é esse centro, Deus determinou a si mesmo como objetivo, ficando claro, portanto, que, como autor da existência e do movimento dessas coisas, ele também é o seu fim último, o ponto final, ao qual elas visam e para o qual elas tendem de modo supremo.

Podemos concluir qual é o fim visado pelo Criador, na existência, natureza e tendência que ele confere à criatura, ao considerar o objetivo ou ponto final que ela busca todo tempo na sua tendência e no seu progresso eterno, mesmo sabendo que jamais chegará um momento em que se possa dizer que esse objetivo foi alcançado da maneira mais absolutamente perfeita.

Porém, se a perfeição da união com Deus foi tida como, desse modo, infinitamente exaltada, a criatura deve ser considerada igualmente próxima e intimamente unida com Deus. Quando a criatura é vista desse modo, o seu interesse também deve ser considerado semelhante ao interesse de Deus e, portanto, não ser tido de modo disjunto [isto é, desassociado] e separado, mas sim indiviso. E, quanto a qualquer dificuldade em conciliar o fato de Deus não fazer da criatura o seu fim supremo - tendo por ela uma reverência particularmente distinta da reverência que possui por si mesmo - com sua benevolência e graça abundante, e com a obrigação de gratidão por parte da criatura, devemos remeter o leitor ao Capítulo Um, Seção Quatro, Objeção Quatro, em que essa objeção é examinada e respondida detalhadamente.

Se, pela intimidade da união entre um homem e sua família, os interesses do primeiro e desta última podem ser considerados os mesmos, quanto mais, então, os interesses de Cristo e de sua igreja - cuja união essencial no céu é inexprimivelmente mais perfeita e exaltada do que aquela de um pai com a sua família - quando considerados com base em sua união eterna e crescente. Sem dúvida, podemos julgar que esses interesses são de tal modo semelhantes que não são buscados de forma distinta e separada, mas sim indivisa. Por certo, aquilo que Deus intentou na criação do mundo foi o bem que seria decorrente da criação na continuidade total daquilo que foi criado.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Comentário dos livros do Velho Testamento:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Comentário do Novo Testamento:
http://livrono.blogspot.com.br/

Mensagens:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/

Escatologia (tempo do fim):
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Jonathan Edwards

Você cidadão acovardado precisa aprender a conjugar a união dos Verbos "Desejar, querer e poder"

Eu Desejo, quero e posso,
Tu Desejas, queres e podes,
Ele Deseja, quer e pode,
Nós desejamos, queremos e podemos,
Vós desejais, quereis e podeis,
Eles Desejam, querem e podem...

Para sair dessa vida de submissão, você só precisa conjugar mais um verbo apenas: LUTAR....

NENE POLICIA

ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA(NENE POLICIA)

Ao Deus nossa união, todas as divinas bênçãos.
Adeus suas rugas, sua marcha fúnebre, seu jeito ilógico de trazer-me o silêncio quando o SIM é bem maior e precioso ao coração.
E o NÃO deixar de ser tão embaraçoso ou menos impotente. Seja então!
E se eu resolver seu faz de conta?
E seu resolver os problemas?
E se eu disser somente aquilo que queres ouvir.
Assumo o risco, assumo o compromisso também de quem sabe um dia ouvir bem mais do que ainda nem podes falar.
E se você desfilar em uma de minhas mil alegorias.
E se eu te puser de volta ao paraíso e lá não houver serpente e nem maçãs?
E se eu resolver carregar com você suas dores,
E se eu resolver carregar suas dúvidas, suas desarrazoadas mágoas.
E se eu simplificar tudo e puser você em meus braços, te carregar por um bom período por entre meu colo até reanimar e reorganizar-se.
Assim, se necessário for acertemos, aceitemos juntos que o impossível é o nosso melhor alvo.
E se eu te chamar para um pique-esconde por entre meus lençóis?
E se eu sumir com os ponteiros de seu relógio, sabotar com belos rabiscos seus compromissos.
E se eu derramar chocolate em seu corpo, flores por entre os tenebrosos espinhos...
E se eu fingir que nada sei, se eu sumir de vez com todas as suas regras, com todos os meus códigos, com todos os recursos sofisticados.
E se eu te convidar para juntos ser feliz?
E se eu queimar seus melindres e manuais de boa postura?
E se aumentarmos a fogueira, pusermos juntos as minhas e as suas dúvidas, minhas e suas loucuras, minhas e suas besteiras. Minha e sua imagem à beira de alguma fogueira, a espantar vazios e fazer iluminar, aquecer.
E se eu persistir sempre mais, se eu mudar a roupa, colocar novas fragrâncias e descobrir milhões de acasos para nos unir.
E se eu costurar minha sombra a sua e se nada disso der certo, redefino a melhor técnica, redescubro novos versos.
Há sempre infinitas chances para se tentar ser feliz, duvida?

Leo Aprígio

União Vital com Cristo

É dito tanto pelo Senhor Jesus quanto pelos apóstolos, que o cumprimento da Lei consiste em viver no amor.
De fato, se não tivermos comunhão com o Senhor em Espírito, amando-o com todo o nosso coração, alma e força, qual seria a real importância de tudo o mais que fôssemos ou fizéssemos?
Daí o apóstolo Paulo ter afirmado que sem este amor de Deus a governar nossas vidas nada somos, e os nossos melhores esforços para nada aproveitam para aquela vida que é eterna e sobrenatural e divina.
Por isso Deus afirma, que nós somente O encontramos quando o buscamos com todo o nosso coração.
Certamente é um modo diferente de se referir ao dever de buscá-Lo para um relacionamento espiritual movido pelo amor.
Não se pode conhecer verdadeiramente a Deus, de outra forma.
No quinto capitulo de I João, o apóstolo afirmou que todo aquele que crê que Jesus é o Cristo, isto é, o Messias, o Ungido prometido em Isaías 61.1-3, é porque nasceu de novo de Deus pelo Espírito, e todo aquele que ama a Deus, o qual lhe deu este novo nascimento, também amará a todos os filhos de Deus que forem gerados por Ele, pela fé em Cristo (I Jo 5.1).
Mas, para mostrar que o caráter deste amor não é meramente sentimental, mas espiritual e baseado na verdade que recebemos na implantação da nova natureza que recebemos pela fé, João afirmou que conhecemos que amamos de fato, os filhos de Deus, se amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos (I João 5.2).
Jesus havia definido o amor a Ele como sendo a guarda dos Seus mandamentos (João 14.15; 21), isto é, aquele que O amar de fato comprovará este amor pelo ato de guardar os Seus mandamentos; ou seja, a verdadeira graça e piedade celestial e divina habitando no cristão, lhe impulsionará no seu viver diário, a produzir consequentemente este resultado de ser capacitado a guardar os mandamentos do Senhor, e a amar os seus irmãos na fé.
João acrescentou que os mandamentos do Senhor não são penosos (v. 3).
Na verdade, quando andamos no Espírito, e não somos dominados pela carne, cumprir os mandamentos do Senhor é um prazer, porque a Sua graça nos capacita a isto, e é o grande prazer do cristão fiel honrar Àquele que o salvou e que se tornou o Senhor da sua vida.
Tendo nascido de Deus o cristão vence o mundo por meio da sua fé no Senhor.
Jesus venceu o mundo, e os que estão nEle também vencem o mundo (v. 4, 5).
Ou seja, eles não agirão em conformidade com o mundo, mas de acordo com o reino de Deus e a Sua justiça.
Esta fé do cristão, que lhe foi dada como um dom de Deus está bem fundada, em evidências que dão testemunho da missão divina de Jesus Cristo.
João disse que Jesus veio pela água e pelo sangue, e o Espírito Santo dá testemunho dEle, sendo Espírito da verdade.
João viu sair água e sangue do lado de Jesus quando ele foi perfurado pela lança de um soldado romano quando estava na cruz.
A purificação de pecados no Velho Testamento estava tipificada pelo uso da água e do sangue, e era uma figura da purificação que é realizada por Jesus Cristo, pelo sangue e água que Ele derramou na cruz.
Além deste testemunho na terra que é dado pelo Espírito, pela água e pelo sangue, há também o testemunho acerca de Jesus que é dado desde o céu, pelo Pai, pelo Espírito e pelo próprio Cristo.
Ele havia dito em Seu ministério terreno que não dava testemunho de Si mesmo quanto à Sua missão divina, porque este testemunho era dado pelo Pai, e seria dado também pelo Espírito quando fosse enviado por Ele como outro Consolador para estar para sempre com os cristãos (v. 6 a 9).
O testemunho que o Pai e o Espírito deram do Filho nas Escrituras foi inteiramente cumprido em Seu ministério terreno, e o Pai também testificou desde o céu que Ele era o Messias esperado, quando falou a João Batista que Ele era o Seu Filho amado, e quando também falou com os apóstolos no monte da transfiguração que deveriam ouvir a Cristo.
O Espírito Santo tem dado testemunho acerca dEle até hoje em dia e continuará dando até que Ele volte, confirmando assim que as palavras e promessas de Jesus são fiéis e verdadeiras.
Então a missão de Cristo não está fundada no testemunho dos homens, mas no testemunho que o próprio Deus e o Seu sangue derramado e a água que saiu do Seu lado dão pela purificação de milhões de pessoas, que têm achado a salvação nEle, e das muitas que ainda serão salvas por Ele dos seus pecados.
Nos versos 10 a 13 deste quinto capítulo, João afirma que os cristãos têm em si mesmos o testemunho de que Cristo é realmente o Salvador e Senhor, porque isto se comprova pelas suas vidas transformadas pelo Espírito.
Transformação esta que ocorreu na regeneração (novo nascimento espiritual), e que tem progredido na santificação pelo mesmo Espírito, por causa da sua fé em Cristo.
Além desta transformação há a testificação do Espírito com o espírito do cristão, confirmando que ele é agora filho de Deus, e que alcançou a vida eterna por meio de Jesus Cristo, por causa da sua união com Ele.
É realmente somente pela íntima comunhão com Jesus que se pode crescer na graça e no amor de Deus.
A vida eterna está nEle, e se comprova de modo quase visível, que há crescimento nesta vida somente quando se permanece em Cristo pela fé.
Tal é a relação vital que há entre os cristãos que permanecem em comunhão com Cristo, por guardarem os Seus mandamentos, que tudo o que pedirem ao Pai em oração, e que seja segundo a vontade de Deus, lhes será concedido que sejam ouvidos, não propriamente por causa deles, mas por estarem assim tão intimamente associados a Cristo, que obteve todos os méritos junto ao Pai, para atender a todas as nossas necessidades.
O Pai nos atenderá porque pedimos em nome do Seu Filho, e porque estamos efetivamente nEle (v. 14).
A resposta da oração poderá não ser dada imediatamente, mas se nossa petição for feita pela intercessão do Espírito Santo, e segundo a vontade de Deus, é certo que seremos atendidos no momento mesmo em que fizermos a nossa petição, ainda que a resposta leve algum tempo para chegar a nós (v. 15).
João se referiu a um pecado que é para a morte, e pelo qual não se deve orar.
Não se trata de um tipo específico de pecado, este que é para morte, mas situações que ensejam um juízo de morte da parte de Deus (v. 16).
Não se trata também de se pecar contra o Espírito Santo, que é o único pecado que não será perdoado aos homens, porque os cristãos não podem cometer tal pecado, porque não resistiram ao Espírito. Ao contrário, eles possuem a Sua habitação.
Apesar de toda injustiça ser pecado, Deus reserva para Sua exclusiva autoridade exercer juízos de morte física sobre aqueles que praticam determinados pecados, não propriamente pela natureza destes pecados, mas por causa da Soberania do Seu juízo (v. 17).
Entretanto, nenhum cristão verdadeiro, o qual nasceu de novo de Deus, não vive na prática deliberada do pecado, e o Senhor Jesus encarnou nascendo na manjedoura de Belém, exatamente para o propósito de livrar os cristãos de viverem escravizados ao pecado, de modo que fossem retirados de debaixo do domínio do diabo (v. 18,19).
Jesus é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Veja que é dito que Ele é a própria vida eterna.
Ele é o verdadeiro Deus e a verdadeira vida.
É nEle que temos a vida eterna, fluindo do Seu próprio ser para o nosso espírito, em nossa comunhão vital com Ele (v. 20).
O Senhor mesmo é quem nos dá entendimento espiritual pela revelação do Espírito Santo, para conhecermos a Ele próprio, que é a verdade e a vida.
João fechou sua epístola com uma exortação para que os cristãos se guardassem da idolatria (v. 21), uma vez que há somente um único e verdadeiro Deus, sendo o único que é digno de todo o nosso amor e adoração.
A Ele seja a glória pelos séculos dos séculos. Amém!





“1 Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo, é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou, ama também ao que dele é nascido.
2 Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, se amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos.
3 Porque este é o amor de Deus, que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são penosos;
4 porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.
5 Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?
6 Este é aquele que veio por água e sangue, isto é, Jesus Cristo; não só pela água, mas pela água e pelo sangue. E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade.
7 Pois há três que dão testemunho no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um.
8 E três são os que dão testificam na terra:o Espírito, a água, e o sangue; e estes três concordam.
9 Se admitimos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é este, que de seu Filho testificou.
10 Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê, mentiroso o faz, porque não crê no testemunho que Deus dá de seu Filho.
11 E o testemunho é este: Que Deus nos deu a vida eterna, e esta vida está em seu Filho.
12 Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida.
13 Estas coisas vos escrevo, a vós que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna.
14 E esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve.
15 e, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que já alcançamos as coisas que lhe temos pedido.
16 Se alguém vir seu irmão cometer um pecado que não é para morte, pedirá, e Deus lhe dará a vida para aqueles que não pecam para a morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que ore.
17 Toda injustiça é pecado; e há pecado que não é para a morte.
18 Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive pecando; antes o guarda Aquele que nasceu de Deus, e o Maligno não lhe toca.
19 Sabemos que somos de Deus, e que o mundo inteiro jaz no Maligno.
20 Sabemos também que já veio o Filho de Deus, e nos deu entendimento para conhecermos aquele que é verdadeiro; e nós estamos naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.
21 Filhinhos, guardai-vos dos ídolos.”. (I João 5.1-21)

Silvio Dutra

SOU FELIZ AO SEU LADO
(Ellen Ketlen Soares Botelho)

Da união de pessoas sinceras
Não existe motivos que possam impedir
Quando o amor é verdadeiro
Não existe obstáculo que não possa ser vencido

O amor enfrenta a tempestade com bravura
O amor em sua plenitude desconhece o tempo ruim
Não vacila nos momentos de dificuldades
O amor se auto afirma para a completa felicidade

Nas noites escuras prevalece a luz do amor
A luminosidade que torna os sonhos realidade
O brilho do amor se revelando a cada dia

Teus olhos, que ensinaram a ver o mundo melhor
A força do amor carregando o peso das dificuldades
A cerimônia perfeita de nosso ritual amoroso

Ellen Ketlen Soares Botelho

SOU FELIZ AO SEU LADO
(Ellen Ketlen Soares Botelho)

Da união de pessoas sinceras
Não existe motivos que possam impedir
Quando o amor é verdadeiro
Não existe obstáculo que não possa ser vencido

O amor enfrenta a tempestade com bravura
O amor em sua plenitude desconhece o tempo ruim
Não vacila nos momentos de dificuldades
O amor se auto afirma para a completa felicidade

Nas noites escuras prevalece a luz do amor
A luminosidade que torna os sonhos realidade
O brilho do amor se revelando a cada dia

Teus olhos que ensinaram a ver o mundo melhor
A força do amor carregando o peso das dificuldades
A cerimônia perfeita de nosso ritual de amor

Ellen Ketlen Soares Botelho

União
Autor: LCF

1
A união;
Assegura a felicidade;
Faz bem a todos;
E melhora esta sociedade.

2
Estender a mão;
Mostrar muitos sorrisos;
Conviver com os amigos;
Lutar pela nossa ambição;
Não magoar;
Sempre ajudar;
São exemplos de união.

3
União não é só estar com alguém;
Fingir ser quem não se é;
É praticar o bem;
Deixar a nossa personalidade fluir;
Connosco mesmos, refletir;
Isso é o conceito de união.

4
De quem chora;
Passará a algo sorridente;
Estabilizará a sua mente;
Encontrará a união;
No seu próprio coração.

LCF

Gratidão
Conselheiro e motivação
Muito grato por essa união
Como ja disse, não me deixa desistir do meu sonho
Ja não estou mais tristonho
Horas pensando pra continuar mudando
Pelo menos tentando, um pouco do pensamento
De um futuro detento
Poucas linhas, mas um sentimento verdadeiro
Pro meu futuro herdeiro
Gratidão e satisfação
Sem sentimentos de um bravio
Apenas um muito obrigado ao meu mano Paulo Flavio.

W.A.INTERVENÇAO

A União Indissolúvel do Cristão com Cristo

"1 Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.
2 Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte." (Romanos 8.1,2)

A libertação encontrada pelo crente em Jesus, em relação à condenação, ao pecado e à morte, é afirmada pelo apóstolo como uma verdade absoluta e final na vida de todos aqueles que foram justificados pela fé e que por conseguinte foram regenerados pelo Espírito Santo, ou seja, tornados novas criaturas.
Não é particularmente Paulo que vê o crente nesta condição, mas o próprio Deus que revelou a ele esta condição firme e segura na qual todo cristão autêntico se encontra em sua união vital com Jesus Cristo.
Muitos indagam entretanto, por que teria então o apóstolo citado a condição de desventura citada por ele na parte final do sétimo capítulo?
Não podemos esquecer que a condição ali apontada por ele não se refere a qualquer tipo de instabilidade no edifício espiritual que está sendo erigido com os cristãos como sendo pedras vivas sobre o alicerce que é Jesus Cristo. Até mesmo o conflito interior da luta contra o pecado não pode mais separar o crente do Senhor que o resgatou e o tornou participante da Sua própria vida, e, na verdade, esta luta está polindo o crente como pedra do edifício.
Nós vimos o apóstolo afirmando esta firmeza do crente em Jesus ao longo de toda esta epístola, e a título de recordação, leiamos as suas palavras em Rom 6.17-22, onde ele reafirma esta plena condição de liberdade alcançada pelo crente por meio da simples fé em Jesus.

"Rom 6:17 Mas graças a Deus porque, outrora, escravos do pecado, contudo, viestes a obedecer de coração à forma de doutrina a que fostes entregues;
Rom 6:18 e, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
Rom 6:19 Falo como homem, por causa da fraqueza da vossa carne. Assim como oferecestes os vossos membros para a escravidão da impureza e da maldade para a maldade, assim oferecei, agora, os vossos membros para servirem à justiça para a santificação.
Rom 6:20 Porque, quando éreis escravos do pecado, estáveis isentos em relação à justiça.
Rom 6:21 Naquele tempo, que resultados colhestes? Somente as coisas de que, agora, vos envergonhais; porque o fim delas é morte.
Rom 6:22 Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna;"

Veja que é destacada uma condição presente de liberdade total do crente, por estar em Cristo, contrastada com a de escravidão ao pecado no passado.
Não há qualquer sombra de dúvida no apóstolo e muito menos nos Senhor Jesus, quanto ao fato de que os crentes já não são mais escravos do pecado, e nem de Satanás, porque Jesus os livrou perfeita e completamente.
Mas alguém indagará: "Por que então se vê tanto mau testemunho mesmo nas vidas de crentes autênticos - pessoas que foram justificadas e regeneradas pelo Espírito?"
Isto decorre não por que perderam a filiação a Deus, ou por que deixaram de ter o Espírito, ou ainda por que voltaram à sua velha condição anterior de pessoas inteiramente carnais, deixando de ser novas criaturas em Cristo.
O que sucede é que deixaram de andar do modo digno da sua vocação, abandonaram a comunhão com o Senhor, negligenciaram os deveres espirituais da vigilância, da oração e da meditação da Palavra e do empenho na obra de Deus.
Voltaram a ser, caso nunca tenham deixado de ser, pavios fumegantes e canas rachadas, mas mesmo assim não serão lançados fora pelo Seu Senhor, que há de completar a boa obra neles, ainda que seja no céu.
Ele os corrigirá, disciplinará, mas não os rejeitará.
Afinal, não foram escolhidos por Deus por algum mérito que houvesse neles, ou algo que Lhe agradasse, mas simplesmente o Senhor lhes escolheu porque lhes amou primeiro antes mesmo da fundação do mundo.
Todavia, uma vez tendo sido feitos filhos de Deus não poderão agradá-Lo caso não vivam do modo digno da sua eleição, que foi para a santificação no Espírito (I Pedro 1.2).
O justo (aquele que foi justificado) recebeu a vida de Jesus pela fé, e agora importa que continue caminhando por fé e não por vista.
Deve se despojar das obras da carne, uma vez que o velho homem recebeu a sentença de morte na cruz do Calvário, quando morreu juntamente com Cristo.
Uma pessoa que foi libertada não deve viver mais como um escravo do seu antigo senhor, a saber, do pecado e do diabo.
Quando Jesus disse que somente Ele poderia nos libertar dessa escravidão, ele enfatizou com um "verdadeiramente" - "verdadeiramente sereis livres", ou seja, uma liberdade efetiva, real, consumada, para um casamento com Cristo que é de caráter indissolúvel, e que nem mesmo a morte pode separar.
Nosso Senhor também afirmou em João 3.6: "O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito."
E foi daqui que o apóstolo Paulo retirou o seu ensino que encontramos neste oitavo capítulo de Romanos, quando diz que aos olhos de Deus os crentes são vistos como espirituais, e não mais como carnais, ou seja, eles nasceram da carne, de seus pais, mas em Cristo, nasceram do Espírito, e são espírito vivificado, pronto para responder à demanda de Deus em ser adorado em espírito e em verdade. Todavia, não podem manifestar esta vida separados da comunhão com Jesus. É nEle, que todo o propósito de Deus é cumprido, de modo que sem Ele, nada podemos fazer.
Tudo isto está declarado pelo apóstolo em Rom 8.4-17. Releia este texto, e note como ele se refere ao fato inconteste de que o crente não anda segundo a carne, como aqueles que não foram justificados (v.4), e estes últimos caminham sem Deus no mundo porque podem somente se inclinar para as coisas da carne, e não para as que são do Espírito (v.5) - e o resultado desta inclinação que o ímpio tem para carne é inimizade contra Deus e morte espiritual, mas a que o crente tem no Espírito é para a vida eterna e para a paz, reconciliação com Deus (v.6).
Deus criou o homem para ser espiritual e não carnal - leia Gên 6.3. Mas é somente em Cristo que alguém pode se tornar espiritual, e como todos os crentes estão em Cristo, e todos são de Cristo e têm a habitação do Espírito Santo, eles têm o seu espírito vivificado porque foram justificados com a justiça de Jesus (v. 7-11).
Como toda a nossa vida espiritual tanto em crescimento e manifestação depende inteiramente do nosso caminhar no Espírito, é evidente que quando fazemos concessão ao pecado e andamos segundo o mundo, não há de se ver um espírito cheio da vida abundante de Jesus, senão um espírito que, ainda que tenha sido vivificado no dia da conversão, encontra-se agora como morto, insensível e incapacitado para manifestar a vida que é do céu, condição esta, entretanto, que pode ser revertida pela confissão e pelo arrependimento, ainda que repetidamente.
Mas ainda que isto seja verdadeiro, nem sequer é a isto que Paulo se refere em primeira mão no verso 13, no qual afirma que se vivermos segundo a carne, morreremos, mas se pelo Espírito, mortificarmos as obras do corpo, viveremos. Ora, o argumento segue também aqui neste ponto tudo o que ele disse anteriormente e que continuará afirmando, até culminar com o brado de triunfo e louvor do final deste capítulo quando diz que nada mais poderá nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, e o motivo disto é porque fomos justificados e unidos a Ele para sempre, como membros do Seu corpo, sendo participantes da Sua própria vida.
Então estes que tiveram o seu velho homem crucificado, e que pelo Espírito tiveram os feitos do corpo mortificados na regeneração, são indubitavelmente todos aqueles que creram em Jesus e que pela fé nEle se tornaram filhos de Deus.
De modo que logo a seguir, a partir do verso 14 até o 17, o apóstolo confirma o que acabamos de expor.
Até mesmo a citação dos versículos 18 a 28, que pode parecer à primeira vista estar fora do contexto dos argumentos que Paulo apresentou anteriormente, na verdade é uma confirmação de tudo o que havia dito, porque nem mesmo as aflições presentes, nem o gemido da criação existem como uma forma de oposição ao plano de Deus de ter muitos filhos semelhantes a Cristo. Tudo o que há de tribulação e aflição no mundo coopera para a consumação deste Seu propósito eterno, porque é justamente por estas provações que somos aperfeiçoados para sermos à imagem e semelhança de Jesus.
E para suportar e vencer estas provações temos a ajuda do Espírito Santo que nos fortalece para mantermos uma vida de vigilância e oração, de modo que possamos viver de modo agradável a Deus crescendo na graça e no conhecimento de Jesus.
Daí Paulo ter dito:

"28 E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito."

Paulo chamou os crentes de Corinto de carnais, porque eram bebês em Cristo que não se desenvolviam em seu crescimento espiritual. Não devemos portanto entender essa forma dele se expressar naquela epístola como algum tipo de indicação que eles não eram de Cristo, ou que não tinham o Espírito.
Eles foram assim chamados porque estavam andando de modo desordenado, mas daquele mal foram curados pelo mesmo remédio que nós também somos, porque se arrependeram e retomaram a caminhada da vida cristã do modo pelo qual deve ser retomada, a saber por um andar no Espírito, em comunhão com Cristo, observando e guardando os Seus mandamentos, por meio da fé e graça que Ele concede àqueles que se aproximam dEle com um coração sincero.
Assim, ao chamar, em certa ocasião, os crentes coríntios de carnais, o que Paulo queria dizer era que eles estavam no Espírito, mas viviam como os que vivem exclusivamente na carne, a saber, aqueles que não conhecem a Jesus.
E como sucedeu a eles, ocorre com muitos na Igreja, em razão da luta constante entre o Espírito e a carne, pois há em todo crente duas naturezas, uma terrena e outra celestial, uma velha e outra nova, uma carnal e outra espiritual, daí a existência do conflito.
Então, para o propósito de aperfeiçoamento dos santos Deus concedeu dons e ministérios pelo Espírito Santo, à Igreja, como se vê em I Cor 12, 14 e Ef 4.
Se o cristão permanecer vivendo de modo carnal Ele não poderá manifestar a vida e paz do Espírito Santo, a qual só pode ser conhecida e experimentada, caso se ande no Espírito.
Entretanto, por ter a habitação do Espírito ele já alcançou a condição de vida e paz, e foi livrado para sempre da condenação de morte que pairava sobre ele antes da sua conversão.
John Owen escreveu um tratado intitulado A Graça e o Dever de Ser Espiritual. O título é muito apropriado porque esta condição de ser espiritual é recebida exclusivamente pela graça e será mantida para sempre, todavia a sua manifestação na nossa viva cotidiana é dependente da nossa obediência ao Senhor e aos Seus mandamentos, por se viver na fé e andando no Espírito.
Foi para isto mesmo que fomos predestinados por Deus. De modo que nos chamou, pelo Espírito Santo, para nos convertermos e sermos adotados como Seus filhos, por meio da justificação, com vistas à nossa glorificação futura.
Deus não poupou ao seu próprio Filho para que Ele morresse por nós. Então como haveria nEle alguma possível intenção de vir a anular tudo o que nos tem prometido dar juntamente com Cristo, por causa da nossa união com Ele?
Como dissemos anteriormente fomos feitos co-herdeiros com Ele e isto significa que tudo o que é de Cristo é também nosso por direito concedido, prometido e jurado pelo Pai.
Então quem poderá ser contra o cristão de maneira a impedir que se cumpra nele o propósito de Deus?
Por que então viverá o cristão de modo diferente deste propósito glorioso que lhe foi concedido pela graça do Senhor?
Ele não deve dar ouvido à carne, voltaria Paulo a dizer no desenvolvimento destes argumentos verdadeiros que está apresentando desde o verso 30; mas seguir sempre a direção e instrução do Espírito Santo.
Ainda que esteja num corpo carnal que enferma e morrerá, contudo vive pelo espírito e no Espírito.
Paulo começou este oitavo capítulo dizendo que já não há nenhuma condenação para os que são de Jesus, e que andam segundo o Espírito Santo, e agora ele afirmou nos versos 33 e 34, que por causa desta justificação pela graça, mediante a fé, ninguém pode sustentar qualquer tipo de acusação contra os escolhidos de Deus que prevaleça no juízo vindouro contra eles, porque foram justificados.
Já não há de fato nenhuma condenação eterna para os cristãos, e nem o próprio Deus os condenará, porque Cristo carregou sobre Si os pecados daqueles aos quais justificou.
E é Ele mesmo que intercede pelos santos à direita de Deus, para que continue operando eficazmente naqueles que foram transformados em Seus filhos, para que sejam santificados.
É por causa desta intercessão de Cristo que o cristão persevera, porque se fosse deixado entregue a si mesmo, não poderia prosseguir adiante por causa do pecado que ainda opera na carne.
De maneira que necessita do Espírito Santo e da intercessão de Cristo para que o pecado seja vencido, e seja capacitado com poder, para viver segundo o homem interior, no espírito, e não segundo a carne.
O nosso Grande Sumo Sacerdote, nosso Senhor Jesus Cristo, intercede por nós dia e noite e tem cumprido a promessa de estar conosco todos os dias até a consumação dos séculos, e é esta a razão de não desfalecermos no meio da nossa jornada rumo à nossa pátria celestial.
De tal ordem é a força deste poder operante da graça de Jesus no cristão que nada poderá separá-lo do Seu amor.
Nenhuma tribulação, angústia, perseguição, fome, nudez, perigo, espada poderão consegui-lo, porque o caráter desta união é indissolúvel; porque tem o mesmo caráter matrimonial.
A fé vence o mundo, e todas as coisas que se levantam contra o conhecimento de Deus, em Cristo. A fé que salvou o cristão é um dom de Deus, e sendo assim é algo indestrutível.
Ela não pode ser vencida por nenhuma tribulação, seja interna ou externa.
Nada do que sentimos ou sofremos poderá nos separar de Cristo se pertencemos de fato a Ele, por termos sido, justificados e regenerados.
Deus trabalhará em nós através de todas estas coisas que no presente nos parecem adversas, mas que no fundo estão contribuindo para o nosso bem, de maneira que sejamos aperfeiçoados em santificação e amor; o que nos fará experimentar graus cada vez maiores da plenitude que há em Cristo.
É portanto por meio de todas estas coisas que os cristãos são mais do que vencedores por meio do amor de Jesus.

Silvio Dutra

Luz para o mundo criador de vermes!!!
União aos verdadeiros filhos aceitos!
Crusificai-vos aos que tentarem aniquilar-mos
imortalizando o nome do senhor do mundo
fortificai o exercito de anjos rebeldes
exterminando os que contrariarem a grande sinarquia!
recriando pouco á pouco mundo devastado por seres animalizados!!!

Glycon

o corpo faz-se
de fragmentos em união constante

tenta o equilíbrio
a harmonia
a força

membros
boca
e língua de sal
em frémito e movimento

o que é fascínio contradiz-se
mas seduz

tenta relacionar-se sedento
por criar um espaço que desfragmenta
em desafios encontros e desencontros



in "Meditações sobre a palavra" (um tributo a Ramos Rosa, o poeta do presente absoluto), editora Temas Originais, do poeta Alvaro Giesta

Alvaro Giesta

Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união ! ( Salmos 133: 1 )

Alguns segredos para viver em união: não julgar uns aos outros (ajudai-vos uns aos outros).

Perdoar. Devemos perdoar para ser perdoado.

Não falar alem do que se deve ser dito (não falar mal)

Fazer ao proximo o quer que seja feito a voc.

amar ao proximo como cristo nos amou.

Desconhecido

ARTA DE AMOR

Sterea

Quando me escolheste, nos primórdias de uma união eterna, eu era ainda jovem e intocada virgem, que rasgaste em requebros de viril paixão.
O teu beijo húmido percorreu-me de azul os meigos contornos, os abismos de perdição, os relevos generosos. Tinhas pressa de chegar ao êxtase da foz, ao tempero de sal, mas mesmo assim te deixaste perder nos meus sinuosos jogos de sedução, e eu, avara de ti, lacei-te, enlacei-te e deslacei-te a meu mel-prazer e a teu bel-prazer...
Às vezes, engrossado por raivas que te são sangue do teu sangue, inundas-me as orlas confiantes do teu toque, por norma meigo, e arrastas destruição e medos. Tantas vezes!... De todas eu te perdoo, fiel, e tu, arrependido, voltas ao (meu) teu leito, fertilizando de carícias redobradas as minhas margens emersas.
De tanto amor é feita a nossa história! Amor e perdão, paixão e languidez, suor e folia, vinhos e frutos, verdes e ocres, ouro e ruby!...
Cantam esse amor as gentes simples que nos veneram os laços: súbditos fiéis que te seguem o cortejo de real imponência e te aclamam azul, por reflexão do céu que te coroa; serventes dedicados, que me modelam as vestes, me cuidam a beleza e me nomeiam d'ouro...
Abençoados por Deus, somos supremo e fértil enlace, e as nossas bodas renovam-se sempre, a cada ano, em faustos festejos e brindes de vinho fino...

Autor desconhecido

Vamos cobrar!!!

Dos governos a ação.
Do povo a união.
De nós mesmos pretensão.
De organizar essa desorganização.

Que é esse país de loucos.
Onde raças diversas se juntaram
E assim a população se formou
A educação e saúde assim não acompanhou.

Diz-se cobrar das pessoas certas
É um dia vi brigarmos por eleições diretas.
Que fracasso, se tornou realmente indiretas.

Assim ficamos novamente a imaginar
Aonde iríamos mesmo parar.
Aqui! E neste lugar!
Perdoe não dá para continuar

ELIO CANDIDO DE OLIVEIRA

Paz
uniào

alegria

esperança

amor, sucesso

respeito, harmonia

saùde, solidariedade

felicidade - humildade

amizade, sabedoria, luz,

sào coisas que te desejo hoje, amanhà e sempre. e que deus seja testemunho dos teus sonhos, ñ pare pra pensar deus ja esta diante de ti iluminando os caminhos d sua vida. Feliz dia d paz. Fernando Francisco Fernando

Fernando Fernando

Bom dia! E que a pureza que eleva os pensamentos;

Promova em cada coração, que ama... a união;

Com a paz sempre presente em comunhão;

Iluminando fugaz...os bons momentos!



Desejo-lhe, portanto, nesse dia... encantamentos;

Para intensificar conceitos, sonhos e divagações;

Sentir amor e com amor, deixar que as emoções;

Possam produzircom brilho... alinhamentos!



Para na sistematização dinâmica do universo;

Alcançarmoscom nossas ações... força e sucesso;

Sem esquecer que em tudo... há liberdade!



Forme-se, portanto, em cada um... foco e nobreza;

E que no caminho do bem... busquem a certeza;

De que o sentido da vida é... FELICIDADE!

Ademir Ladislau

Amor, união e fulgor!!!
Ricky Henry !

Noiz, caminhamos...
Vendo o lindo alvorecer...
Nem podemos imaginar o estrago ..
Que seria em nossos corações ...
Se um dia o destino separar noiz dois.

Refrão:
Esplêndido é nosso lindo gesto...
O nosso caminhar, é como pisar em
Pétalas de rosas...
O beijo é fogo que ñ tem como conter.
A paixão o querer de estarmos juntos.
É calor, carinho, vou aplaudir..
Esse verdadeiro tremendo fulgor ...
Fulgorrr,

Ñ da muito certo...
Ficarmos distante meu amor...
Mais lindo gesto, um riso a forma de se entrega.
Que, rejuvenesce o nosso amor !!!
Dobro os joelhos agradecendo há
Deus ouvindo louvor!!!
Muito mais forte fica a nossa união.
Agradeço o afeto desse amor.
Que ñ há idade é nosso jeito de amar!

Ricky Henry

CASAMENTO E UNIÃO
"NÃO CONTE NOS DEDOS OS SEUS ANOS DE CASAMENTO OU DE UNIÃO. ACUMULE-OS NA CONTABILIDADE DO SEU CORAÇÃO, FAÇA O BALANÇO E VEJA O SALDO DO GRANDE BENEFÍCIO QUE LHE PROPORCIONOU: A FAMÍLIA. COM FILHOS, UNINDO-SE A OUTRAS FAMÍLIAS, COM NORAS E GENROS,FORMANDO NOVAS FAMÍLIAS: OS NETOS.É A PERPETUAÇÃO VIVA DA NOSSA EXISTÊNCIA, ESCRITA NO LIVRO DA NOSSA HISTÓRIA E QUE NEM MESMO O TEMPO CONSEGUE APAGAR". autor: Márcio Souza (EU)

Márcio Souza

Eu aprendi que mudar o mundo depende da vontade e da união de cada ser humano.
Eu aprendi que a vida nem sempre é como desejamos.
Eu aprendi que ser feliz é fazer o outro feliz.
Eu aprendi que por mais que tentamos acertar e fazer o outro feliz, nem sempre o esforço será o suficiente.
Eu aprendi que para ser feliz temos que descobrir o que nos faz feliz e nos completa.
Eu aprendi que por mais que você tenha certeza do que você quer para sua vida, nada adianta se esta certeza não for recíproca.
Aprendi que quando você não transmite paz ou não faz o outro estar em paz é o momento de você desistir de viver pois sonhar um sonho que só faz bem a um não traz benefício.

Lindomar Batista

BOM DIA
Hoje é o dia da virada...
que venha como virada para nova vida de amizade, carinho e união.
Faça tudo que você imaginar para que o próximo ano seja melhor, mas lembre-se que a vida lhe dá o que você pede e está preparado para receber, a vida lhe devolve em dobro o que você contribuir para que ela seja melhor.
Vá com confiança para este futuro que se abre em forma de novo ano, confie que você é capaz de tudo, queira sempre o melhor sem desprezar as pequenas coisas que lhe sobrevier
Encontre nos detalhes, leia nas entrelinhas e veja os recados que a vida vai deixando ao longo do ano.
Seja melhor, seja você... seja o máximo!!!
De mim para você...de coração!
Beijos

antonio carlos