Textos de Saudades de que Ja Morreu Mae

Cerca de 9030 textos de Saudades de que Ja Morreu Mae

Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
Me apavora a renúncia. Dizei que eu fique
Afugenta este espaço que me prende
Afugenta o infinito que me chama
Que eu estou com muito medo, minha mãe.

Vinicius de moraes

Eu não saberia falar da minha mãe se não fosse como se falasse de todas as mães do mundo. Porque é assim que eu sinto lá no fundo, que um filho faz muito mais do que a barriga de uma mãe crescer, expande sua alma, para que ela caiba em todos os lugares do espaço e em todos os momentos de cada segundo do tempo.
Dentro do teu mar fui um peixe e depois que me pariste ganhei asas e voei. Mãe , mãe, manhê...sou o seu fruto que agora já amadureceu, que agora também tem suas sementes prontas pra germinar, minha mãe, minha árvore, minha fundação...
Do teu ventre abençoado ganhei a luz e a oportunidade de com esse brilho enfrentar o lado escuro da vida e encontrar o caminho definitivo e a razão do por que a minha alma foi criada...

André Luis Aquino

Minha avó
Marieta Cardoso Joanol

Mulher de garra, mãe, amiga, avó, bisavó, esposa...
com dedicação criou seus filhos...
os ensinou a trilhar o caminho do bem...
e seus filhos tiveram filhos, e os filhos dos filhos também...
e todos sempre terão orgulho de falar
dessa mulher, que com muita garra
lutou, contra o tempo, contra a saudade,
contra a doença, contra o cansaço dos anos..
minha avó de cabelos alvos como a neve,
trazidos com a experiência da vida,
minha avó cheia de paciência, que a todos servia...
minha avó, mulher prendada, que cozinhava, que sorria...
Esta era minha avó, um pouco Isnardi, um pouco Cardoso
e com o passar do tempo, um pouco Joanol...

Vó descanse em paz ao lado do vô.

Paula Joanol

Filha, Vida.

Durante nove meses no ventre de tua mãe você ficou escondida,
Seus pulos, mexidas, mostravam que ali tinha vida.
No ultra-som se via um pontinho que piscava rapidamente;
Era seu pequeno coração que batia lindamente.

Quando você nasceu senti uma imensurável emoção.
Enrolada num pedaço de pano, segurei você em minhas mãos.
Seu rosto tão pequenino, meigo, sensível.
Meus olhos brilhavam, a felicidade era visível.

Os anos passam rapidamente, você cresce e a gente nem sente,
Você estuda, dança, canta, faz arte. É uma menina inteligente.
Tens força demasiada, que me surpreende e me encanta.
Nos dias difíceis, não desanimas. Sacode a poeira e levanta.

Tens um imenso futuro, mas não espere por ele para viver.
Seja sempre iluminada, amada, amiga e as dificuldades vais vencer.
Quando precisar estarei por perto, mesmo estando afastado.
Nas tuas conquistas e soluços quero estar sempre ao teu lado

Nivaldo Joaquim

QUE AMOR DE MÃE!
Não há explicação para este AMOR arrebatador...
AMOR que não mede forças para defender,
É capaz de sentir dor sem doer,
De chorar sem entristecer,
De alegrar-se com suas vitórias e chorar em suas derrotas.
Pode ser platônico a vida inteira.
AMOR que quando o vê tropeçar e cair, estende as mãos a sorrir.
Ao passar noites em claro,
Dormir a noite inteira, é raro.
Sente emoção em qualquer ocasião, aja coração!
AMOR que sente ciúme, mas não toma posse.
Sabe que o "barquinho" deve ser lançado ao mar.
Trabalha para seus sonhos manter.
Briga, mas seus brinquedos põe-se a recolher.
Por mais que seja machucado, recompõe-se e volta a ficar ao nosso lado.
Nunca espera nada em troca,
Pelo contrário. Doa-se com toda força.
AMOR que ninguém sabe explicar, nem copiar.
Parece já nascer dentro deste alguém chamado perfeito, sem defeito.
Aos olhos do mundo, nem sempre bem vista, mas por seus filhos querida.
Difícil achar uma rima para um ser tão especial.
AMOR igual a este não tem igual.
Que AMOR de mãe!
AMOR que nunca termina, mesmo sem rima e que com o tempo e como pó,
Termina em amor de vovó.

Eliani Maria Alves de Almeida Santos

Wall Street

Quer saber qual foi a mãe de todas as 'bolhas'?
Ela veio do nada. Puro acaso. Deram a ela o nome de Explosão Cambriana.
E isso foi a 530 milhões de anos.
E nos 70 ou 80 milhões de anos seguintes, a evolução se acelerou tanto que nós surgimos.
A RAÇA HUMANA.
Não sabem explicar como isso se deu, só sabem que aconteceu.
Alguns dizem que foi por acaso, outros, que esse era o plano.
Mas quem pode afirmar?


Qual a definição de INSANIDADE?
É repetir a mesma coisa várias vezes e esperar resultados diferentes.
Por esse critério, a maioria de nós é insana.
Mas não todos ao mesmo tempo.
E partindo desse ponto, CONFIAMOS.
Mas esse tipo de vida pode perdurar se mais e mais pessoas se tornarem insanas ao mesmo tempo!
Se torna 'sistêmico'. Como um câncer.
O que acontece então?
Como eu disse, a mãe de todas as bolhas foi a Explosão Cambriana.
Aconteceu por acaso há mais de 500 milhões de anos.
Os cientistas dizem que não houve precedentes, aconteceu em um instante.
A partir de então, de repente o mundo tinha milhões de novas espécies.
E depois... nós nascemos.
A Raça Humana.
Nesse sentido, as bolhas são evolutivas.
As bolhas acabam com os excessos.
Reduzem as manadas. Mas nunca morrem.
Elas voltam em formatos diferentes.
Quando explodem, fazem um novo dia raiar.
Sempre criam mudanças.

Jacob Moore (Shea LaBeouf)

Mãe
Nesse dia tão especial, eu queria te dizer mil e uma palavras para você.
Gostaria de dizer o valor inestimável que você representa pra mim.
Pois você mãe, é a pessoa responsável por quem sou hoje.
Você é o motivo da minha felicidade, é a razão de hoje eu poder acordar
Todos os dias e vê que nesse mundo tem alguém orando por mim.
E graças a você, a seguinte oração nos guia: ”Não nos deixeis cair em tentação, nos livrais de todo o mal.”
Mãe, com todo esse carinho, que você me deu, só posso agradecer a Deus por você ser quem você é.
Desejo-lhe toda felicidade do mundo,
Que tenha muitos e muitos anos de vida.
Que Deus lhe abençoe e que assim seja para o todo sempre..

Welisson Luiz

Não puxei os olhos de minha mãe, nem o nariz. Puxei os ouvidos. Ir ao começo das coisas já é chegar ao fundo. Amêndoa poderia ser somente uma palavra que ainda teria gosto. A árvore faz contas debaixo da casca. Eu me reclino ao mar com dois travesseiros de vento. A mão sem anel é mais lenta. Vim bem antes da bagagem. Não tenho força para chamar meu grito de volta. Se o rio escutasse, ele não retornava. A casa em que se dorme fica acordada no sangue. Abro um livro como quem descobre um sótão. Eu me iniciei em telhados. A uva que não virou vinho é uma amiga infiel. Não me obedeço. Os braços são lâmpadas sem paredes. As pedras deveriam dizer tudo o que pensam para as sombras. Quando quero morrer, me tranco no quarto do apelido e não atendo pelo nome. Minha memória se acostumou a se imaginar nas falhas. O mel é o imã das formigas. Escrever é um excesso imperdoável que nasce da falta.

Carpinejar

O Valor da Amizade

Você já parou para pensar sobre o valor da amizade?

Às vezes nos encontramos preocupados, ansiosos,
em volta há situações complicadas, nos sentindo meio que perdidos, mas somente o fato de conversarmos com um amigo, desabafando o que nos está no íntimo, já nos sentimos melhor, mesmo que as coisas permaneçam inalteradas.

Quantas vezes são os amigos que nos fazem sorrir quando tínhamos vontade de chorar, mas a sua simples presença traz de volta o sol a brilhar em nossa vida.

A simplicidade das brincadeiras pueris, da conversa informal,
momentos de descontração que muitas vezes pode ser numa conversa rápida ao telefone, no vai e vem do dia ou da noite,
no ambiente de trabalho ou de escola, enfim, em qualquer lugar a qualquer hora.

Entretanto, não existe só alegria, amor, felicidade nesta relação que como em qualquer outro relacionamento,
passa por crises passageiras, por momentos intempestivos, abalos ocasionais.

Ainda que tenhamos muito carinho pelo amigo em questão,
às vezes por insegurança, por ciúme, por estarmos emocionalmente alterados ou nos sentindo pressionados,
acabamos sendo injustos com ele e isso pode ser recíproco.

Podemos comparar esse elo de amizade ao tempo que passa por alterações climáticas constantemente, mas é dessa forma que aprendemos a nos conhecer, compartilhar momentos, que se desenvolve uma amizade.

Diante do amigo somos nós mesmos, deixamos vir à tona nossos pensamentos a respeito das coisas, da vida, nos mostramos como verdadeiramente somos.

Há amigos que nos ensinam muito, nos fazem enxergar situações que às vezes não percebemos o seu real sentido,
compartilham a sua experiência conosco, nos falam usando da verdade que buscamos encontrar.

São eles também que nos chamam a razão, chamando a nossa atenção quando agimos de modo contraditório, que nos dizem coisas que não queremos ouvir, aceitar, compreender.

Ao longo de nossa vida muitos amigos passam por ela e nos deixam saudade, mas também deixam a recordação de tudo que foi vivido.

É na amizade verdadeira que encontramos sinceridade, lealdade, afinidade, cumplicidade, simplicidade, fraternidade.

Amigos são irmãos que a vida nos deu para caminhar conosco ao longo da nossa jornada espiritual, extrapolando os limites do tempo, continuando quando e onde Deus assim o permitir.

Sandra Quevedo Demarchi Nogueira

è verdade ....
A distância causa saudade mais nunca o esquecimento.Já a saudade faz crescer o amor e nos dá uma lição de vida, porque aprendemos que por mais que queiramos não podemos fugir do nosso destino nem do nosso amor e aprendemos também que o tempo ele cura tudo, todas as feridas e marcas ás vezes até apaga as cicatrizes e nos ensina também que quando tem que ser não adianta fugir , por que sempre chega até você da forma mais inesperada e apaixonante... A vida é maravilhosa e surpriendente... nunca diga nunca... rsrsrs
Eu amo a vida, eu me amo e amo amar...

girllene Valério

Grande Edgar



Já deve ter acontecido com você.

- Não está se lembrando de mim?

Você não está se lembrando dele. Procura, freneticamente, em todas as fichas armazenadas na memória o rosto dele e o nome correspondente, e não encontra. E não há tempo para procurar no arquivo desativado. Ele está ali, na sua frente, sorrindo, os olhos iluminados, antecipando a sua resposta. Lembra ou não lembra?

Neste ponto, você tem uma escolha. Há três caminhos a seguir.

Um, o curto, grosso e sincero.

- Não.

Você não está se lembrando dele e não tem por que esconder isso. O “Não” seco pode até insinuar uma reprimenda à pergunta. Não se faz uma pergunta assim, potencialmente embaraçosa, a ninguém, meu caro. Pelo menos não entre pessoas educadas. Você devia ter vergonha. Não me lembro de você e mesmo que lembrasse não diria. Passe bem.

Outro caminho, menos honesto mas igualmente razoável, é o da dissimulação.

- Não me diga. Você é o... o...

“Não me diga”, no caso, quer dizer “Me diga, me diga”. Você conta com a piedade dele e sabe que cedo ou tarde ele se identificará, para acabar com a sua agonia. Ou você pode dizer algo como:

- Desculpe deve ser a velhice, mas...

Este também é um apelo à piedade. Significa “Não torture um pobre desmemoriado, diga logo quem você é!” É uma maneira simpática de dizer que você não tem a menor idéia de quem ele é, mas que isso não se deve à insignificância dele e sim a uma deficiência de neurônios sua.

E há o terceiro caminho. O menos racional e recomendável. O que leva à tragédia e à ruína. E o que, naturalmente, você escolhe.

- Claro que estou me lembrando de você!

Você não quer magoá-lo, é isso. Há provas estatísticas que o desejo de não magoar os outros está na origem da maioria dos desastres sociais, mas você não quer que ele pense que passou pela sua vida sem deixar um vestígio sequer. E, mesmo, depois de dizer a frase não há como recuar. Você pulou no abismo. Seja o que Deus quiser. Você ainda arremata:

- Há quanto tempo!

Agora tudo dependerá da reação dele. Se for um calhorda, ele o desafiará.

- Então me diga quem eu sou.

Neste caso você não tem outra saída senão simular um ataque cardíaco e esperar, falsamente desacordado, que a ambulância venha salvá-lo. Mas ele pode ser misericordioso e dizer apenas:

- Pois é.

Ou:

- Bota tempo nisso.

Você ganhou tempo para pesquisar melhor a memória. Quem é esse cara, meu Deus? Enquanto resgata caixotes com fichas antigas do meio da poeira e das teias de aranha do fundo do cérebro, o mantém à distância com frases neutras como “jabs” verbais.

- Como cê tem passado?

- Bem, bem.

- Parece mentira.

- Puxa.

(Um colega da escola. Do serviço militar. Será um parente? Quem é esse cara, meu Deus?)

Ele está falando:

- Pensei que você não fosse me reconhecer...

- O que é isso?!

- Não, porque a gente às vezes se decepciona com as pessoas.

- E eu ia esquecer você? Logo você?

- As pessoas mudam. Sei lá.

- Que idéia!

(É o Ademar! Não, o Ademar já morreu. Você foi ao enterro dele. O... o... como era o nome dele? Tinha uma perna mecânica. Rezende! Mas como saber se ele tem uma perna mecânica? Você pode chutá-lo, amigavelmente. E se chutar a perna boa? Chuta as duas. “Que bom encontrar você!” e paf, chuta uma perna. “Que saudade!” e paf, chuta a outra. Quem é esse cara?)

- É incrível como a gente perde contato.

- É mesmo.

Uma tentativa. É um lance arriscado, mas nesses momentos deve-se ser audacioso.

- Cê tem visto alguém da velha turma?

- Só o Pontes.

- Velho Pontes!

(Pontes. Você conhece algum Pontes? Pelo menos agora tem um nome com o qual trabalhar. Uma segunda ficha para localizar no sótão. Pontes, Pontes...)

- Lembra do Croarê?

- Claro!

- Esse eu também encontro, às vezes, no tiro ao alvo.

- Velho Croarê!

(Croarê. Tiro ao alvo. Você não conhece nenhum Croarê e nunca fez tiro ao alvo. É inútil. As pistas não estão ajudando. Você decide esquecer toda a cautela e partir para um lance decisivo. Um lance de desespero. O último, antes de apelar para o enfarte.)

- Rezende...

- Quem?

Não é ele. Pelo menos isso está esclarecido.

- Não tinha um Rezende na turma?

- Não me lembro.

- Devo estar confundindo.

Silêncio. Você sente que está prestes a ser desmascarado.

- Sabe que a Ritinha casou?

- Não!

- Casou.

- Com quem?

- Acho que você não conheceu. O Bituca.

Você abandonou todos os escrúpulos. Ao diabo com a cautela. Já que o vexame é inevitável, que ele seja total, arrasador. Você está tomado por uma espécie de euforia terminal. De delírio do abismo. Como que não conhece o Bituca?

- Claro que conheci! Velho Bituca...

- Pois casaram...

É a sua chance. É a saída. Você passa ao ataque.

- E não me avisaram nada?!

- Bem...

- Não. Espera um pouquinho. Todas essas coisas acontecendo, a Ritinha casando com o Bituca, o Croarê dando tiro, e ninguém me avisa nada?!

- É que a gente perdeu contato e...

- Mas o meu nome está na lista, meu querido. Era só dar um telefonema. Mandar um convite.

- É...

- E você ainda achava que eu não ia reconhecer você. Vocês é que esqueceram de mim!

- Desculpe, Edgar. É que...

- Não desculpo não. Você tem razão. As pessoas mudam...

(Edgar. Ele chamou você de Edgar. Você não se chama Edgar. Ele confundiu você com outro. Ele também não tem a mínima idéia de quem você é. O melhor é acabar logo com isso. Aproveitar que ele está na defensiva. Olhar o relógio e fazer cara de “Já?!”)

- Tenho que ir. Olha, foi bom ver você, viu?

- Certo, Edgar. E desculpe, hein?

- O que é isso? Precisamos nos ver mais seguido.

- Isso.

- Reunir a velha turma.

- Certo.

- E olha, quando falar com a Ritinha e o Mutuca...

- Bituca.

- E o Bituca, diz que eu mandei um beijo. Tchau, hein?

- Tchau, Edgar!

Ao se afastar, você ainda ouve, satisfeito, ele dizer “Grande Edgar”. Mas jura que é a última vez que fará isso. Na próxima vez que alguém lhe perguntar “Você está me reconhecendo?” não dirá nem não. Sairá correndo.


Este texto está nos livros As mentiras que os homens contam, Comédias da vida privada e O suicida e O computador.

Luis Fernando Veríssimo

Amiga,minha melhor amiga, deixa eu te contar...
Não sei tudo sobre a vida, mas o que já vivi me fez ter a certeza do quanto ela tem sido especial. E você ajudou a torna-la assim.
Quantas vezes seu sorriso foi a alegria na minha dor. Quantas vezes eu chorei de saudades, e você foi a responsável pelo sentimento de achar que eu morreria por causa dela. Quantas vezes eu arrumei desculpas só para ouvir sua voz pelo telefone. Sem contar as inúmeras vezes que eu provoquei discurssões só para ouvir que eu era sua melhor amiga. Quantas vezes o seu abraço substituiu palavras. Nas nossas brincadeiras eu lembrei de como era bom ser criança. Viajei nas suas histórias e construimos novas. Realizamos coisas difíceis e sonhamos sonhos quase impossíveis. Quantas vezes chorei com suas lágrimas, e aprendi que quem perdoa vive melhor. Nos seus defeitos aprendi a ter ainda mais paciência e nas suas virtudes aprendi o melhor!
Essa é a vida, não devemos ter medo de viver e se entregar a novas amizades, so vivendo é que veremos se valeu a pena ou não, mas viva, os acertos vem com erros,
e nem sempre o acerto dependerá do erro. Hoje amiga, vejo que você foi um acerto certeiro,mas já imaginou se eu não tivesse arriscado e não ter me entregado a nossa amizade?! Certamente hoje, eu não poderia suspirar de alegria e dizer que valeu a pena!
Valeu apena amiga ter arriscado, você valeu a pena!

Adriana Brazil

Entre os “jás“ da vida...

Já chorei sem motivo, já ri pra não chorar,já sorri sem vontade para os outros não desanimar.
Já fui decepcionada ,já decepcionei. (aprendi a não esperar nada dos outros ,porque são pessoas e falham e muitas vezes não correspondem às expectativas,porque pessoas são para serem tocadas e não se esperar ser tocada por elas).
Já me decepcionei comigo mesmo e acredite...é pior do que se decepcionar com o mundo inteiro.
Já desisti sem tentar,já alcancei e não quis, já lutei e não consegui!
Já agi por impulso, já não agi por pensar demais...
Já me importei com quem nem me enxergava, já não liguei pra quem sempre me quis bem.
Já troquei o melhor pelo o que me fazia bem,já fiz escolhas erradas.
Já perdoei quem não merecia, já recebi perdão sem pedi-lo, já perdi perdão e não fui perdoada.
Já ofendi quem não merecia, já fui ofendida por quem amava demais.
Já perdi pessoas queridas, já quis pessoas perdidas...
Já parei para admirar a tão linda natureza, já fui muito ingrata com Deus!
Já passei momentos únicos sem fazer nada, já fiz momentos únicos parecerem nada.
Já me surpreendi com as pessoas, já surpreendi as pessoas e já me surpreendi comigo mesmo.
Já andei errando, já andei errado, pensando que estava a um passo de acertar.
Já me entristeci com alguns fatos mesmo olhando para o lado bom de todos eles.
Já fiz amigos e já os fiz ser meus também.
Já apoiei quem não merecia, já mereci não ser apoiada.
Já fiz o bem para não me sentir mal, já fiz o mal para alcançar algum bem...
Já esqueci para não chorar, já chorei pra esquecer.
Já sonhei alto e consegui, já sonhei pequeno e me frustrei...
Já amei e não fui amada, já fui amada e não amei, já amei e fui amada mas desisti porque me decepcionei.
Já desprezei atos aplausíveis e já dei ênfase a coisas insignificantes...
Com isso tudo eu já aprendi uma coisa...que no auge dos meus acertos, eu me enchi de amor e na mais profunda miséria dos meus erros,eu me esvaí dele

Thalita Gama

Você já se perguntou se somos nós que fazemos os momentos em nossas vidas ou se são os momentos da nossa vida nos fazem?
Se você pudesse voltar no tempo e mudar apenas uma coisa na sua vida, você mudaria??.. E se mudasse, será essa mudança tornaria a sua vida melhor!? Ou será que ela acabaria partindo o seu coração?!? Ou partindo o coração de outro..?!? Será que você escolheria um caminho totalmente diferente? Ou você só mudaria uma única coisa? Um único momento? Um momento que você sempre quis ter de volta..

One Tree Hill

Já lhe disseram alguma vez que você é uma pessoa muito especial?
O seu carinho é tão contagiante que se eu estiver me sentindo triste
suas mensagens sempre conseguem me alegrar.
Já lhe disseram alguma vez o quanto sua presença é importante
para muitos e principalmente para mim?
Só o fato de você existir já é motivo de alegria
Você é uma pessoa muito especial
e sua amizade é muito importante para mim.
Adoro você!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Olimpya Ferraz

Problemas?

I

Começa perguntando a ti mesmo se já não é hora de tomar decisões. Se já não tens suficiente experiência para saber o que te perturba, e qual a melhor maneira de resolver problemas. Garanto que teus problemas, se já ais de ler o que ti escrevo, estão bem longe de se constituir um sofrimento de uma criança Africana.

Pergunta a ti mesmo, se o teu problema é somente teu, ou se o é de uma outra pessoa, e pergunta por que o tempo, somente ele, cura; se já não dói muito, viver pouco na doença.

E no ontem, e também hoje, sempre erramos na culpa dos outros, não é verdade?

Deveríamos agir com força. E ser forte, é também ser verdadeiro; e sorrir sempre para os amigos, que estão ao teu lado; e que, sabendo que cada um o ama a sua maneira própria, haverão de magoar-te, como quem pisa num galho sem o ver.

Não condene a vida feliz, por um minuto de infelicidade.

Julgue melhor a ti, do que aos outros. E encontrarás a verdade dos teus problemas, na maioria das vezes, em tua própria lama; suja com lágrimas da ignorância.

II

Fazer de nós, a outra pessoa, não é uma aconselhável atitude; ainda mais quando somos confusos; - confundimos aqueles em que deveríamos confiar. E nos tornamos dois, uma única confusão, ainda maior.

III

Nos momentos de silêncio, ouça a voz do coração.
Nos momentos de alegria, não ria tanto, enquanto o outro chora; lembre-se disto.
E que no mundo, a vida é passageira; todos sabem. E preferem saber disso, equivocando-se, brigando.
Um minuto pode muito bem trair o carinho de amor, que temos por outra pessoa. Mas pergunta a ti mesmo se nunca fostes incauta? Se nunca fostes leviana? Se nunca errastes e quisestes mudar?
Assim, entenderás que nem tudo deve se observar do nosso lado; não deveríamos ser tão egoístas assim; querendo travesseiro e o lençol somente pra nós, enquanto o outro treme de frio.

IV

É bem verdade que fomos mal acostumados. E quando na juventude, o entrave bate a porta, procuramos o colo para deitar. E aprendemos a nos acovardar, temendo nos molhar numa tempestade que já desabou. E fechar os olhos para os problemas e as calamidades nunca foi uma boa solução. E fechar os olhos quando estamos na chuva, não diminui o molhado da roupa.

V

Julgar o outro pelo passado tenebroso; prova que és cauteloso. Embora extrema cautela seja traquina armadilha do diabo; caímos quando nos afastamos do Leão, para morrer na queda pelo Abismo.

VI

Se for possível, chore. Não deixe as lágrimas secarem no coração; encardida já é demais a vida!

VII

Uma roupa, um perfume, traz lembranças tristes; é de suma importância vestir a vida de roupas novas e perfumes límpidos; prontos pra tachar a vida de luzes mais belas e destinos mais sublimes.

VIII

Nunca pense três vezes numa mesma solução inválida. Tal atitude traz a idéia de que fracassamos sempre ao tentar sobrepujar empecilhos. E saiba que cada problema traz consigo a solução, que para cada pergunta existe uma resposta, e saiba que, se de um lado já fora feito algo de bom, talvez seja a hora de tu, fazerdes tua parte.

Henrique de Shivas

Você já se perguntou se somos nós que fazemos os momentos em nossas vidas ou se são os momentos da nossa vida nos fazem?
Se você pudesse voltar no tempo e mudar apenas uma coisa na sua vida, você mudaria? E se mudasse, será essa mudança tornaria a sua vida melhor? Ou será que ela acabaria partindo o seu coração? Ou partindo o coração de outro? Será que você escolheria um caminho totalmente diferente? Ou você só mudaria uma única coisa? Um único momento? Um momento que você sempre quis ter de volta.

One Tree Hill

ETERNO FIM
Não se pode matar quem já estar morto!
Mas você me matou,
a cada lembrança perdida, promessa esquecida
vocÊ me matará mais!!
Seríamos um casal perfeito, e daí?
Quem disse que o perfeito seria o duradouro?
Mas quem disse que o duradouro será o eterno?
Minha cabeça é um inferno, do qual a tortura é meu amor
todas as noites eu choro, pelas lembranças que sinto
por uma paixão que não se consumiu,
e que o tempo não pode apagar
Sigo Minha sombra, pois ela guia minha alma
Pelo caminho da condenação
Meu coração chora,
já que meu amor, triste e infindável
Permanecerá solitário
nesse, nosso eterno fim ..para sempre...........

Aminadá

Eu tenho sono e já não posso mais dormir. Eu tenho ânsia, não consigo mais comer. Eu tenho medo e já não quero mais.
Meus pés perderam a função básica de equilibrar meu corpo na minha existência. Não diria que a culpa é física porque fui em quem sobrecarreguei minha mente e me tornei incapaz de responder sobriamente por um "tudo bem?". Isso pesa. É pesado saber que não está nada bem.
Eu percebo no espelho que meu sorriso não chega aos olhos. Eu posso enganar a todos, posso até me enganar. Mas é de noite que eu me revelo como sou: sozinha.

Verônica H.

Nova Poesia - 23/01/2008
Autor: Eu mesmo


JÁ TE AMEI
MAS DE TANTO AMAR
TRANSFORMEI AMOR
EM AMIZADE

PRA NÃO TE PERDER
E SEMPRE PODER TE TER
VIVEREI CALADO
ESSE MEU CHAMADO
AMAR E NÃO
ESPERAR SER AMADO

HOJE APENAS SOU
O QUE SEMPRE
VOCÊ DESEJOU

E MESMO SEM QUERER
VOCÊ ME CONQUISTOU
E DESPERDIÇOU

GEORGE AUGUSTO

Aquele que cede ante ao obstáculo, que desiste diante da dificuldade já perdeu a batalha sem a ter enfrentado. Não raro, o obstáculo e a dificuldade são mais aparentes que reais, mais ameaçadores do que impeditivos. Só se pode avaliar após o enfrentamento. Ademais, cada vitória conseguida se torna aprimoramento da forma de vencer e cada derrota ensina a maneira como não se deve tentar a luta. Essa conquista é proporcionada mediante o esforço de prosseguir sem desfalecimento e insistir após cada pequeno ou grande insucesso. O objetivo deve ser conquistado, e, para tanto, a coragem do esforço contínuo é indispensável.
Muitas vezes será necessário parar para refletir, recuar para renovar forças e avançar sempre. É uma salutar estratégia aquela que faculta perder agora o que é de pequena monta para ganhar resultados permanentes e de valor expressivo depois.

Joanna de Angelis