Textos de Bebes

Cerca de 6 textos de Bebes

Círculo vicioso

Um dia, milhões de bebês choraram na liberdade uterina do milagre da vida: nasceram. Não vestiram seus corpos, não lhes calçaram sapatos nem lhes deram o conforto do seio materno, antes da posse do sonho infantil, foram rejeitados, ao rigor do abandono.

Um dia, mãozinhas trêmulas, inseguras, sem afeto, bateram na porta do vizinho, procurando abrigo. Não havia ninguém ali para oferecer afeto nem portas havia na pobreza do lado. O menino escorregou na direção da rua.
Um dia, a criança anêmica foi eleita à marginalidade da escura noite e disputava papelões e pães no lixo do depósito público. Aos tapas, cresceu como grão perdido no vão das pedras, sem a mínima possibilidade de sobreviver: sem teto, sem luz, sem chão.

Um dia, o adolescente esperto teve alucinações de vida e o desejo de conferir a sociedade: candidatou-se à luta amarga do subemprego. Alvejado pela falta de habilitação, foi condenado como vagabundo, recebendo etiqueta oficial de mendigo.

Um dia, o adulto desiludido, amargurado, sem emprego, sem referencial, saiu à procura do amor. No escuro, mas cheio de esperanças, foi colecionando portas fechadas pelo caminho. Sem Deus, sem nome, sem avalista, sem discurso, acreditou no “slogan” das campanhas sociais.

Um dia, o menino mal nascido, mal amado, mal educado, não soube cuidar do filho que nem chegou a ver. Não ouviu seu choro. Imaginou apenas que, após nove meses de duríssima gestação, alguém brotara de um rápido encontro, irresponsável, assustado e vazio que sempre ouviu dizer que se chamava amor.

Ivone Boechat

Dois Bebês estavam sentados em seus berços, quando um deles disse ao outro:

“Você é menino ou menina?”

“Eu não sei” disse o outro Bebê, gesticulando com seus bracinhos.

“Eu não sei qual é a diferença.”

“Ah, mas eu sei”, disse o primeiro Bebê, animado.

Ele cuidadosamente se aproximou do bercinho do outro Bebê, levantou o cobertor e entrou debaixo dele… Depois de um minuto, ele reapareceu com um sorrisão no rosto.

“Você é uma menina, e eu sou um menino,” ele disse orgulhosamente.

”Oh, você é tão inteligente!” suspirou a Bebê,”mas como você sabe disso?”

“Ah, isso é moleza!!!” disse o Bebê.” Você tem sapatinhs rosa, e eu tenho sapatinhos azuis!”

Autor desconhecido

O além é um lugar distante.
Tudo vem do além.
Lá onde moram deuses, bebês, anjos e fadas.
O além é um lugar distante,
tudo vai para o além.
É lá que estão também,
aqueles que amamos,
e que forçosamente nos separamos,
fazem passagem para o além...
O além tem vários setores, tem o lugar dos animaizinhos,
e um outro setor hilário "aquele" das meias perdidas...
Mas agora eu me refiro ao mais especial dos especiais,
onde acontecem milagres e transformações.
Avós, velhinhos e todas gentes que já foram,
voltam a ser bebezinhos,
ficam lá brincando, fazendo um tempinho,
nascem de novo, e voltam do distante além.
O nome do além deveria ser berçário...

Berçário é um lugar distante,
tudo vai para o berçário,
e do berçário, tudo vem...

Possivelmente tenhamos descoberto o ponto inicial de tudo.
De lá entre multidão de inocentes,
Deus, cheio de confiança, tenha demarcado este,
como o marco zero do amor...

Romana Blauth

Quando éramos bebês...

Costumo dizer que quando nascemos, estamos no "ponto"...

Mas, os adultos que cuidam de nós, se incubem de ir nos (des) "educando".

Para melhor entender isto, basta recordarmos algumas passagens da nossa infância que demonstram bem certas características que tínhamos e que hoje nos fazem faltam.

Éramos determinados... quando tínhamos uma meta, insistíamos até alcançá-la: aprendemos a andar, após várias tentativas e inúmeros fracassos.

Para atingir nossos objetivos, não nos importávamos com o ridículo: Ficávamos um tempão experimentando sons, fazendo os barulhos mais "esquisitos", até conseguirmos pronunciar palavras e depois frases.

Quando nos sentíamos incomodados, não engolíamos nosso incômodo. Literalmente "botávamos a boca no mundo".

Éramos assumidamente sinceros, curiosos e extremamente desejosos de aprender: Quando tínhamos alguma dúvida, insistíamos em perguntar até que conseguíssemos esclarecê-la.

Pois é... depois, à medida que fomos crescendo fomos (des) aprendendo muitas coisas e assim, perdendo muitas dessas características.

Passamos a ser inseguros e muitas vezes desanimar das nossas metas... abrir mão dos nossos sonhos... a temer fazer papel de ridículo, deixando assim, de alcançarmos muitos dos nossos objetivos... por nos inibirmos... a mentirmos em algumas situações... a ficarmos com dúvidas, temendo fazer o papel de pouco inteligente e ainda aprendemos a nos forçar engolir e remoer várias chateações, para passarmos a imagem de bonzinhos e "legais".

Imagine se o bebê nascesse com todas estas características que foram nos ensinadas?...

Pense nisso.

Maria Aparecida Francisquini

Salvando Bebês e Salvando Pecadores

Por John Piper

Eu me sinto frustrado por ter somente uma vida a viver para Cristo. Esta manhã (segunda-feira) após o café da manhã eu estava novamente angustiado, muito aflito, ao pensar nas milhares de crianças que não vem a nascer, e são legalmente esmagadas até a morte por instrumentos médicos esterilizados. Eu deitei na cama e fiquei olhando para o teto. A imensidão de horror das perninhas e bracinhos e cabecinhas sangrentos, desmembrados e empilhados em um lençol ambulatório que vai e volta várias vezes.

Por três anos Noël e eu vivemos a poucos quilômetros de Dachau, o campo de concentração perto de Munique, na Alemanha. Está aberto ao público. Há fotos. É só por causa das imagens que acreditamos que isso aconteceu. Sem imagens não haveria crença. Nós andamos através das câmaras de gás. Andamos pelas salas de forno. Nós andamos entre os beliches empilhados. Mas isso não é real. Eles são como adereços. Tudo não aconteceu exatamente aqui neste mesmo lugar. Não é verdade.

Mas depois vieram as fotos. As imagens não mentem. Tudo pode mentir, exceto as imagens. Podemos escapar tudo, exceto as fotos. As fotos causaram indignação por todo o mundo. Sem as imagens isto é inimaginável, não pode ter sido assim. Ou: sim, pode ter sido assim, mas eu não posso chegar perto de sentir o que eu deveria sentir - não posso sem as imagens.

Assim também é com o aborto. São as imagens que me chocam esta manhã - as cenas incríveis de Eclipse of Reason, (Eclipse da Razão), e as fotografias de cadáveres legalmente mutilados. O que devo fazer? Teriam petições e orações sido realmente suficientes na Alemanha Nazista?

Mas, então, eu penso na imensidão e horror do pecado da não crer em Deus. Eu penso na realidade do inferno e nas palavras-imagens contidas na Bíblia ("A fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite..." Apocalipse 14:11).

E fica claro para mim que é uma inconsistência absoluta, como cristão, sentir-se indignado com o holocausto do aborto, mas não com o holocausto dos pecadores que perecem na incredulidade. Matar bebês é um mal terrível e sua destruição é infernal. Mas não confiar em Deus é um mal ainda mais horrendo e a destruição de pessoas incrédulas não é infernal, mas o inferno.

Portanto, eu estou frustrado que eu tenho apenas uma vida para viver para a glória de Cristo. Uma vida deve certamente ser dedicada a parar a carnificina (devemos falar graficamente ou mentimos) do aborto. E outra vida deve certamente ser dedicada a salvar as pessoas do inferno.

O que devo fazer? Qual é a solução para a minha frustração? A solução é a diversidade dos membros da Igreja de Jesus Cristo. Eu não posso ir a todos os povos não alcançados do mundo com as boas novas do perdão. Não posso passar todo o tempo que gostaria escrevendo e falando e viajando e agitando pela a causa das crianças ameaçadas. A única solução que eu conheço é você!

Que terror no mundo de hoje te causa mais dor? Aonde você vai derramar-se nos poucos anos que temos antes de darmos conta ao justo Juiz de toda a terra?

Buscando a face de Deus,

Pastor John

John Piper

Veja as crianças com quem você cresceu,
Estão com seu bebês, então..
Se amor é doença, porque ainda
não existe uma cura?
As crianças hoje estão sem
brinquedos..
Só arma em mãos.
Pessoas dizem: Escute seu
coração.
Mas como escutar os corações se
eles estão chorando agora?
E os heróis?
E a paz?
Não temos nada mais..
Crescemos e a realidade é outra
Onde sua consciência não tem
nenhum peso..
Olhe, onde estão meus Ídolos?
Em um lugar longe demais da
terra, mas muito próximo de
nós..
E os sonhos?
Tentei realizar, mas foi
impossível, que até desisti.
E aquele vinho nas mãos, que
virou as águas dos olhos..
E a carne apodresceu em três
dias antes da ferida nascer..
E a alma foi lavada e levada..
E hoje o que resta?
Só ficarmos bem..
Do jeito que a vida nos propor..

Alexandre Brandão