Textos sobre Carnaval

Cerca de 100 textos sobre Carnaval

Domingo de Carnaval

acordo querendo mais um dia de alegria, descomplicado. Quem sabe as vezes colocar minha mascara de papangú e tentar ser algo que quero tanto ser... mas vou adiante, bem adiante, pego um pouco da ressaca do sábado de Carnaval e coloco no meu dia. evjo que ainda não aproveitei quase nada do meu período de carnal. carnaval? qual? quando?

Vou ser difernete... só por hoje.... serei um papangú

Sinézio Albuquerque

No domingo de carnaval ela estava tão feliz.
Era tanta felicidade que não cabia dentro dela.
Seu rosto lindo brilhava mais que o sol ao meio dia.
A lua escondeu-se envergonhada.
E ela refulgia absoluta na avenida.
Nos pés a herança de um passado remotamente possível
De descendência negra.
Não sei de onde vem esse swing, essa coisa de bamba
De roda de samba, de amor ao carnaval.
Só sei que ela cintilava, faiscava, esbanjava
Toda sua beleza e simpatia na avenida.
Nesse momento meu coração abriu-se
E de uma vez por todas entendi
Que o samba é algo que corre em suas veias.
E que é impossível ignorar.
Não é justo com tamanha paixão.
Há quanto foi contida?
E agora num lampejo do destino
Desaguou numa avalanche incontrolável de felicidade.
Congratulo-me por tê-la deixado desfilar.
E juro, que se soubesse disso antes
já teria tomado uma providencia.
Agora queria saber mais coisas que a faça feliz assim.
Se houvesse, se eu soubesse juro que daria a ela.
Só pra ver esse rosto tão envolto em terno esplendor
Magicamente transformado em pura alegria.
Se soubesse, juro que faria o que fosse preciso
Para vê-la assim novamente
No dia a dia, por todo o sempre.
Amém!

Fabricio Canalis

Engana-se quem pensa que o carnaval
é a festa das máscaras e fantasias.
Na verdade é justamente em seus dias
que as verdadeiras faces, ocultadas pela covardia,
são expostas com todos os seus instintos,
excessos, anomalias morais e anseios inconfessos,
mostrando ao mundo a essência pervertida
de quem ao longo do ano regressa ao seu casulo
e adota uma identidade disfarçada!

Reinaldo Ribeiro - O Poeta do Amor

É Carnaval...



É carnaval!?

Caem as máscaras

Emergem os sonhos

Cessa a agonia...



Vejo pierrots e Colombinas...

Experimento a embriagues

Das utopias.



Encontro-me num mundo

De palhaços e Arlequins...



O céu tocou a terra

E os anjos fizeram-se arautos da

Sobriedade...



Caio por terra. Meus olhos turvam, meus

músculos retesam-se.

De repente, num lampejo de

Razão estou de volta

A realidade;

Esvaio-me em prantos e penso:

Ano que vem tem mais!

Fabio Guedes

Que inveja de quem vê o ano começando apenas agora depois de esperar pelo carnaval em folia, Que inveja!
Meu ano começou com os fogos em Copacabana, entro quase no terceiro mês deste que corre mais que o Barrichello...
Já estamos em Março! Ás águas perigosas vão fechar o verão...
E que ano!
De lutas, de muita prece diante da enfermidade...
Meu ano não começa agora, atenções ao que é importante sim, para muitos...
Quem sabe não é hora de ver o povo do Acre, embaixo d’água?
Vamos ver quem vai ser campeão, sim...
Nós ou a Dengue?
Adoro festas, carnaval, mas eis o meu desabafo!
Eu já quase na páscoa depois de passar por muitas tempestades, onde recorri a minha fé e de alguns amigos que como eu não presenteado com esta imensa festa de três meses...
E já que começou o ano, que tal ir ao Inca e doar sangue, em gente que tal?
Tem gente lá que o ano começou com o meu...
Ainda bem que terminou o carnaval!

Crissol

O amor é carnaval.
É pulo de alegria, gritos de euforia.
É animação, excitação e empolgação.
O amor nos deixa elétricos.

O amor é carnaval.
São dias tranquilos e calmos.
A cidade deserta, a reclusão em um mundo só seu.
O amor nos relaxa.

O amor é carnaval.
É acidente autosentimentalístico.
É exagero, mistura entre extremos.
O amor nos liberta.

Sarah Bezerra

O CARNAVAL QUE VIVE EM MIM

Dentro de mim, vive uma escola de samba,
que é puro carnaval!
Na bateria, o coração, que arrebenta
com seu tum-tum-tum imperial!

Nas veias, com emoções à flor da pele,
a Ala das Paixões, contagia.
Na Ala das Travessuras e Aventuras,
a falta de juízo é só alegria.

Já a Ala do Bom Senso, meio que tímida,
vai passando, observadora.
Enquanto a Ala da Meninice,
vai surgindo encantadora!

Eis que brilha a Ala da Peruísse,
cheia de glitters e purpurinas.
E em seguida a Ala da Vaidade,
deslumbra com suas fantasias!

A Ala do Bom Humor,
faz a platéia incendiar.
E que rodem as baianas
quando o bicho for pegar!

E é carnaval o ano todo,
me guiando da cabeça aos pés.
Mas é tão bonita a minha escola
que todo ano é nota dez!

Mell Glitter

Se Eu Não Enxergasse As Flores

Estou aqui na praia no carnaval
Tomando banho de mar,
A manhã apenas começou
Sem quem eu quero amar.

Todo mundo está cansado
De sambar a noite inteira
Agora a praia está vazia,
E eu dentro da água,
Engolida pelo mar
Mas sem quem eu quero amar.

Não vou ficar de baixo-astral
Porque afinal é carnaval,
Vou dançar na areia e coisa e tal.

E seria tão legal
Se além de ter o mar
Eu pudesse só beijar
O Leão que eu quero amar.

Nado mais pro fundo do oceano
Na ilusão de me tornar uma sereia
E nadando chegar nas praias portuguesas.

Porque afinal é carnaval,
Agora a praia está vazia,
A manhã apenas começou,
E eu dentro da água,
Engolida pelo mar
Mas sem quem eu quero amar.

E seria tão legal
Se além de ter o mar
Eu pudesse só beijar
O Leão que eu quero amar.

Nado mais pro fundo do oceano
Na ilusão de me tornar uma sereia
E nadando chegar nas praias portuguesas.

Banho de mar no carnaval,
Todo mundo está cansado
De sambar a noite inteira,
Agora a praia está vazia
E eu dentro do mar
Sem alguém pra me amar.

Jamila Mafra

Carnaval:

Carnaval, dádiva de Satanás para seus filhos.

Envolta em magia e sedução.

Festa de alegria e libertação.

Alegria dos espíritos e libertação das almas.

Festa da exaltação ao hedonismo.

Carnaval, festa dos que se libertaram da culpa.

Festa d'aqueles que não acreditam no pecado.

(poema de Marcel Cout).

Marcel Cout

Domitila e a Ira

Em uma tarde de carnaval. Domitila conheceu Pedro.

Pedro homem serio, digno do amor de Domitila.

Foi amor a primeira vista.

Domitila amou Pedro por infinitas luas.

Até que chegou a tempestade e separou ambos.

Decidiram ser bons amigos. Mas veio a tempestade e levou a amizade.

Domitila foi picada pela mosca da ira.

Brigou com o Pedro.

Zangou-se seriamente com ele.

Passou a tratá-lo como os outros. Ignorava-o

Pedro insistia em reconquistá-la.

Enviava-lhe poemas infantis e bobos.

Pedro oferecia rosas românticas.

Mas, nada adiantava.

Domitila permanecia implacável em seu estado de ira.

A ira com o tempo amadureceu. Se transformou em ódio.

Do ódio veio o asco por Pedro.

Nem suportava mais ouvir falar de seu nome.

E assim o tempo passou.

Pedro morreu de amor, extasiado em meio a um último poema.

E Domitila nem uma lagrima derramou.

Passou os anos. E a mágoa besta permaneceu no seu coração.

Até o seu último dia de vida.

Onde em seu último suspiro envolto ao delírio. Disse:

Pedro meu amor. Ai vou eu...

Poeta Urbano - 150712

Cinquenta anos...

E lá se foi fevereiro e também o março,
que nos presenteou com o carnaval...

Resolvi falar dos meus cinquenta anos
que poderíam ser cinquenta motivos de felicidade,
ou quem sabe cinquenta anos de liberdade,
pois afinal nem cheguei a provar a tal ditadura.

Tentei me sentir como no espelho,
mas meu espírito, eternamente jovem,
desfez meus cabelos e minhas lentes.

Confio nos que nasceram agora,
ignorando aquelas frases costumeiras de que:
- no meu tempo...
Porém tem coisas do "meu tempo" que gostaria de mostrar
aos jovens de hoje, mas também gostaria muito
de ser jovem (a carcaça)
para fazer o que eles fazem hoje,
sem a ingenuidade de tempos atrás.
Também confesso entristecida,
que tenho visto coisas demais nesta vida
que não esperava conhecer.
E por aí, o rosário é grande.
O coração já está no ponto,
no ponto de ser substituído
e a preguiça então,
das caminhadas que eu hoje não faço...
mas uma coisa tenho certeza,
sou bem melhor do que antes,
bem aqui por dentro de mim.

Angela Lara

Definição de um amigo meu, a respeito do carnaval em que o Brasil vive envolvido num mar de problemas e dificuldades e se desmancha em momentos de prazeres nesta data.

"...Adoro o carnaval... ué porque?
... porque é um tempo em que vivendo no inferno trazemos o céu prá bem pertinho de nós.


Tá feito então que seja, mas depois vamos continuar enfrentando nossos desafios com maior empenho tá.
Bjusss

antonio carlos

Agora é Carnaval

Agora tudo que se vê
são corações pulsando como bateria.
Vem para misturar o juízo,
para disfarçar a solidão
no bloco da eterna esperança.
Fantasias e ilusões,
onde estrelas são confetes
e o carnaval também se faz poesia.
Vem o carnaval escondendo a tristeza
atrás de máscaras coloridas,
fascinio alucinante de liberdade,
que rompe os laços e
num passe de magia transforma
gente comum em reis e rainhas.
Olhando de longe as alegorias
o mundo agora é uma fantasia, e
Em meio à explosão do ritmo,
do perfume, suor e alegria,
desfila agora o bloco das letras,
tamborilando esta patética poesia.

sonia schmorantz

A poesia virou confete

É na areia que está o meu carnaval,
é no mar que estão as serpentinas,
brancas ondas a quebrar na praia.
Aqui encontro a magia da poesia,
vestindo fantasia que a luz do sol irradia.

No meu carnaval não tem máscaras!
Tem rostos, tem corpos bronzeados
desfilando naturais alegorias na praia,
que vem do mar, que vem da areia
desfilando como netunos e sereias.

É a palavra que brinca na praia,
no balanço das ondas faz o samba enredo,
o carro abre alas é um navio pirata
assaltando um coração enfeitado
por poesia que na areia virou confete.

sonia schmorantz

O amor

O amor é um carnaval
É festa, é alegria
É algo que não tem igual
É um sentimento que contagia.

O amor é fogo
Que aquece meu coração
Alimentando minha alma
Deixando-me sem paixão.

O amor é realidade
Mostra-me a razão
De como é difícil viver
Sem amor no coração.

O amor é um grande mistério
Não tem explicação
É um sentimento maravilhoso
Porem são poucas as pessoas que
Realmente sabem o significado de AMAR.

Jhennifer Karoline May

E graça a Deus acabou o carnaval...uuuffa...agora tudo volta ao normal, o corre corre...o estresse em alguns e o prazer em muitos de sair pro seu trabalho com vontade, garra e sabedoria!!!
Eu particularmente aaamo trabalhar, e não me importa qual seja ele, executo com todo amor e carinho, porque trabalhar enriquece a mente, e fortalece a alma...por isso pra vc que reclama do SEU TRABALHO, acorda, aprenda á agradecer e dê valor ao seu!!!

BOM TRABALHO aos que estão começando agora e vai noite a fora...e aos que começam pela manhã!!!

Sol Lima

Carnaval é realmente alegria...
Mas infelizmente os tempos mudaram, o trânsito nos agride, o stress é o mal do século, as doenças são invisíveis pra quem não as tem, a violência arromba nossas portas e todo cuidado é pouco.
Mas é carnaval...e por que não carnaval com responsabilidade?
Podemos sim, deixar a festa acabar, o barco correr e o dia raiar, mas não esquecer que amanhã tudo pode ou não voltar ao normal e seja você quem for, seja o Deus quiser. Mas a responsabilidade é sua.

Daiane Ataides

E o que temos para hoje?

Carnaval!

Para alguns, a desculpa esfarrapada para encher a cara, se vestir de mulher, e colocar a fantasia de palhaço que não deveriam tirar nunca.
Os mal-educados têm hoje o grande dia ou alguns dias para gritar pelas ruas, colocar o som altíssimo e destilar o ódio que sentem pela sua insignificância.
Os vagabundos, alguns dias a mais para receber sem trabalhar e emendar os dias em que fazem mal as coisas com dias que nem isso fazem.
O Brasil deveria repensar esse feriado. Não há o que festejar sendo o primeiro em quase tudo de ruim que existe a começar pelo analfabetismo de adultos, a mortalidade infantil e as taxas de violência encabeçadas pelo maior número de mortos pela violência antes dos trinta anos.

Brasil, esconde a tua cara!

Marinho Guzman

Carnaval no Guarujá.

O carnaval é uma festa pública originária da Grécia de meados de 600 a 520 a.C.
Por incrível que pareça, passou a ser uma comemoração adotada pela Igreja Católica em 520 d.C. como “adeus à carne” daí o nome “carne vale”.
O carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX.
A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspirariam no carnaval parisiense para implantar suas novas festas carnavalescas.
De um tempo para cá, principalmente no Brasil, o carnaval é muito mais lembrado como Sodoma e Gomorra, pelos excessos sexuais e etílicos. E nem se fale de adeus à carne porque o que mais se vê são churrascos antes, durante e depois da festa, o que custa aos cofres públicos um dinheiro que não existe para contratar médicos, aparelhar hospitais e minorar o sofrimento da maioria daqueles foliões que gastam grande parte dos salários de muitos meses para aparecerem como pequenos pontos coloridos nos desfiles das escolas de samba.
O carnaval está mais para circo do que para festa, pelo tamanho da palhaçada que os administradores do dinheiro público fazem.
Há verbas de todos os tipos, com todos os nomes e sempre para os mesmos bolsos. Não se vê gente séria envolvida com essa palhaçada porque se era ou foi sério algum dia deixa de sê-lo quando alguém é homenageado, agraciado, paparicado ou qualquer outro nome que se dê a tamanha insuflação do ego.
Nos próximos dias vamos ler no Diário Oficial do Município o tamanho das verbas destinadas ao carnaval e os gastos com a montagem dos palanques. Os mesmos palanques usados para as campanhas eleitorais, os mesmos cabos eleitorais, os mesmos foliões com o dinheiro público.
E os hospitais? Bem isso é para nós, os palhaços de sempre!
Isso é fantástico!

Marinho Guzman

A Euforia acabou
O Carnaval já se foi
Por que continuas com esse sorriso no rosto?
Não percebes que esse tempo já passou?
Aceite, o Carnaval acabou.

Não te digas que não te avisei
Todos me criticaram porque não participei
Enquanto os blocos iam passando
Eu estava avisando
Que toda aquela Euforia um dia ia passar

Agora todos estão à reclamar
Pois, não encontram nada pra brindar
Se tivessem me escutado
Não estariam à chorar
Pois saberiam que o Carnaval ia acabar.

Olívia Tavares