Texto Solidariedade

Cerca de 75 texto Solidariedade

Para resgatar os nossos valores, vamos expulsar de nossos corações:
A falta de solidariedade, a mesquinhez, o egoísmo, a arrogância e a prepotência, ranncor, inveja,odio,vingança, magoa. desamos....permitindo que em nossos corações a voz do amor seja a mais escutada, nos fazendo resgatar os nossos valores e nos reaproximando mais de Deus.

EDYSEFER

Hoje me pergunto onde está o Amor e a Solidariedade
Acredito que essas palavras já estão ficando esquecidas
Num tempo que deviria ser lembradas a toda hora,pois
todos nós estamos vivendo em um mundo carente
de tudo, nossos irmãos que deveriam ser lembrados
não somente em momentos de tragédias,infelizmente
são meramente lembrados nessas horas de tristeza
e dor.
Todos estamos precisando de doses extras de AMOR.
3/9/15

Irma Jardim

solidariedade e caridade são coisas iguais?

Muitos acham que sim, no entanto, possuem sentidos diferentes. As sociedades atuais e mais justas marcham rumo à solidariedade de interesses e se afastam cada vez mais da caridade. Podemos até considerar a caridade como uma concepção inferior e bárbara, só tendo de altruísta a aparência, mas muito egoísta em sua essência e geralmente muito prejudicial.
Solidariedade significa associação e, de maneira alguma, caridade ou altruísmo. A caridade é antissocial e prejudicial; o altruísmo é artificial e sem poder. Examinando as obras mais úteis da solidariedade - sociedades de assistência, de socorro mútuo, de aposentadorias, de cooperação, etc., constata-se que elas não têm nunca a caridade nem o altruísmo por base, mas apenas combinações de interesses entre pessoas que, na maioria das vezes, não se conhecem. Despendendo uma certa quantia anual o indivíduo que fica doente ou envelhece tem direito a uma certa pensão, em relação com seu vencimento. Vamos imaginar uma outra situação que se coloque bem em nossa situação atual. Por exemplo, programas assistências como o "Bolsa Família". Oras, não seria mais justo que todos se associassem e somente recebessem o auxílio mediante trabalhos de limpeza, pintura, saneamento básico, manutenção de infra estruturas diversas em suas comunidades? Neste caso, seria um direito, e não um favor, do mesmo modo que o segurado contra incêndio tem direito a uma certa pensão, porque contribuiu por meio da associação para que o benefício existisse. O cidadão se beneficia de um direito que ele comprou e não de um favor (ninguém está lhe fazendo um favor por ele ser o maior coitado e infeliz da sociedade. É um cidadão que merece ter prestígio).
O ideal é até que estas associações sejam livres sem qualquer intervenção do Estado (infelizmente temos ou precisamos ter estas coisas de Bolsa Família - aí vai do julgamento de cada um). Deve-se destacar bem essas diferenças para mostrar o abismo que existe entre as associações de interesses baseadas em combinações financeiras regidas pelo cálculo de probabilidades e as obras de caridade baseadas em boas vontades hipotéticas e no altruísmo incerto. As obras de caridade não têm nenhuma eficácia social séria e é muito justamente que muitos socialistas, de acordo com o ponto de vista dos mais eminente pensadores, as rejeitam inteiramente. Que haja hospitais bem dotados de recursos e médicos capacitados, escritórios de assistência, é algo que se deve parabenizar; mas as obras de caridade, tomadas em seu conjunto (inclusive o bolsa família), são, na prática, muito mais prejudiciais que úteis. Na falta de uma fiscalização impossível elas servem, para manter categorias inteiras de indivíduos que exploram a piedade para viver na preguiça. Seu resultado mais claro, mais óbvio, é afastar do trabalho muitos indigentes, que acham os recursos da caridade mais produtivos e cresce em enormes proporções a mendicância profissional. São justamente estes que recebem estas caridades, alguns dos soldados do socialismo.

Longe de ser contradita pelas leis naturais, a solidariedade tem, pelo contrário, o mérito de poder se apoiar sobre elas. A ciência não acredita muito na liberdade ou, pelo menos, não a aceita em seu domínio, pois ela constata por todo lado fenômenos regidos por um determinismo rigoroso. Ela acredita menos ainda na igualdade, pois a biologia vê nas desigualdades entre os seres a condição fundamental de seu progresso. Quanto à fraternidade, ela menos ainda poderia aceitá-la, pois a luta sem piedade é um fenômeno constante desde os tempos geológicos. Certas sociedades animais - e são animais inferiores, sobretudo, quer dizer, as mais fracas - só sobrevivem através de uma solidariedade estreita; a única coisa que torna possível a defesa contra seus inimigos.

Reinaldo

Para vencer a ruindade
Preciso ter solidariedade
Compartilhando felicidade
Compaixão e humildade

Para neste reinado adentrar
Tem que a verdade entender
Mas muitos não querem amar
Nem mesmo compreender

Ele mesmo deixou
Os ensinamentos sagrados
Mas o povo o desprezou
Juntando os rebeldes e revoltados

Guarde em seu coração
Essa palavra que vou falar
Preste bem atenção
Para essa verdade ensinar

Samuel Ranner

Abra seu coração
Tenha mais solidariedade
Chegue na casa do Perdão
Derramando sinceridade

Assim preferimos a Luz
Aquela que acalma e satisfaz
Por isso nos ajoelhamos perante à Cruz
Deus do Céu é quem nos dá a Paz

Quem quiser venha ver
Quem fala contra vai ter que provar
Se não provar vai se arrepender
Diante da Verdade vai se humilhar

Porque Jesus é a Verdade
A nossa Vida e nosso Caminho
Pagou nosso preço com humildade
Por isso não estarei mais sozinho!

Samuel Ranner

A diferença e solidariedade

A história narra a amizade de Artur, Pedro e Raul. Artur e Pedro são garotos pobres, no entanto, Pedro é ambicioso odeia ser pobre e tem inveja de Raul um garoto rico, bondoso com seus amigos.
O seu melhor amigo Artur é muito inteligente e para agradecer as suas ajudas, costuma auxiliar ele nos deveres de casa. Porém, Pedro é ambicioso aproveita a amizade dele, mas mesmo assim Raul o ajuda sem problemas.
Os pais de Raulempre o ensinou a ser caridoso e bondoso, pois a vida é uma caixa de surpresa, nunca iremos saber como será o dia de amanhã.
Raul é sempre nobre sempre ajuda seus amigos nas horas mais defícies, ele é muito atencioso e percebe o comportamento de Pedro, mas, finge não perceber para que possa ajudar ele no seu jeito de ser, mais humilde com o próximo. Raul admira Artur, pois mesmo sendo pobre leva uma vida alegre e humilde.
Um pensamento que Raul carrega consigo é que apesar das diferenças devemos ser solidários um com os outros, Artur é humilde e Pedro é ambicioso, apesar disso, devemos ser bondosos e caridosos, pois o amanhã não nos pertence só pertence a Deus.

Daniel Silva Clemente e Adrielle Fonseca

"A SOLIDARIEDADE NACIONAL é indispensável. Somente o espírito nacional, a sua observância pode gerar e conservar a grandeza de um Estado. Pretender esta só através da riqueza e da força, como no Império Romano, é uma falácia. Aristocracia sem Povo é uma contradição; se existe uma classe com privilégios é porque existe outra sem privilégios. Impossível uma sociedade só de privilegiados e escravos passivos, robôs. As estruturas sociopolíticas que ATENDAM AOS INTERESSES SÓ DE UMA ELITE GOVERNANTE e desprezem os do povo (aqui incluem-se todos os indivíduos de todas as classes socias - ricos, pobres, classe média) são autofágicas, conduzem à sua própria destruição. Não pode haver uma elite sem povo. Seria como patrões sem empregados; chefes sem chefiados; comandantes sem comandados; alto clero sem baixo clero; instância superior sem instância inferior. Tais estruturas desfecham nesta comjuntura absurda: governantes sem governados. E, então o Estado desaparece. Este é um fato encontradiço na História (exemplo recente: União Soviética) e que geralmente marca o fim dos grandes Estados.
Qual a causa, o motivo deste desfecho? É porque a exclusividade da ELITE GOVERNANTE extingue a comunhão e oblitera o espírito nacional, a convicção de terem todos o mesmo destino histórico. Então a Nação se desfaz ou o GOVERNO se divorcia do que resta dela. E, de qualquer forma, fica o governo sozinho, sem governados."
Da Grandeza dos Romanos e de sua Decadência - Montesquieu

Montesquieu

Quero ver novamente
nossa terra contente
Quero a solidariedade
de volta, não apenas
por momentos,
Quero-a permanente
com amor presente,
Gente que cuide da gente
do mais velho ao inocente.
Não preciso de rei ou rainha
que assistem a tudo de uma
cadeira cativa na ignorância.
Quero a união,quero paz
daqueles que tem a alma viva
Quero o amor solidário
Quero mais vida,

Irma Jardim

Demonstrar solidariedade ou compaixão publicamente não pode ser uma atitude sábia.
Só pode ser uma decisão conduzida inconscientemente, ou então, com algum interesse.
Afinal, quem é sábio não toma decisão para expor ao público seus sentimentos.
O seu verdadeiro sentir não diz respeito aos interesses alheios. Do contrário, é publicidade.

Fábio Ibrahim El Khoury

Ao meu ver, "solidariedade" nada tem de "modismo."
Solidariedade é um sentimento de amor ao próximo, de forma incondicional, independente do que se recebe de volta.
É "nobreza de atitudes" em prol do outro, em sua necessidade. Sem a necessidade de platéias e aplausos.
_______

Suely Araújo( Borboleta Encantada)

Dentro do que chamamos amizade , há a cumplicidade,
parceria, auxílio e a solidariedade.
Estes elementos são gerados nos corações das pessoas
que cativamos ao longo do tempo da vida.
E apenas haverá o firmamento de tudo isso
se formos honesto e verdadeiros com aos que chamamos
de amigos, pois estes moram em nosso coração não
importa a distância.
Fazer as coisas com boa vontade alegra a alma.

Irma Jardim

"Desejo a cada amigo, colega ou fake um 2014 maravilhoso onde o McDonald's custe R$ 1,00, que o salário mínimo suba pra R$ 2.561,00 afinal odeio quando não me sobra 1 puto. Desejo que todo brasileiro tenha passe livre para os jogos e que todo jovem tenha o bolsa balada. Desejo que a mortalidade diminua, o respeito aumente, que solidariedade seja mais que uma palavra, que amores sejam eternos e sonhos sejam possíveis, MAS se nada disso acontecer desejo a cada um a força para lutar e a fé para continuar."

FELIZ ANO NOVO!

Joseh Silva

Ao olhar meus recados, vejo que há muito não me dá o prazer de sua presença...
Sabe, acredito que a amizade, assim como qualquer tipo de relação, em essencial as afetivas, é uma via de mão dupla, onde se pode dar e receber atenção, companhia, compreensão, conforto, solidariedade, olhos e ouvidos para eventuais problemas, e isso apenas quando e se necessário.
No momento em que esta via se torna em mão única, transforma-se indevidamente numa utopia, numa idolatria, quiçá, numa indesejada servidão, alterando, assim, o equilíbrio que necessariamente deve existir entre duas forças equânimes...
Assim, ainda que de mim tenha partido o desejo de travar essa amizade, com reiterados esforços para fazê-la verdadeira e forte, percebo que não há em você a indispensável reciprocidade para os meus anseios...
Portanto, sem querer persistir numa fantasia - que, presumo, existe apenas em minhas divagações -, deixarei, a partir deste momento, de lhe aborrecer com as minhas manifestações...
Peço-lhe antecipadas desculpas por possíveis incômodos, transtornos e/ou embaraços que porventura possa lhe ter causado...
É meu desejo que fique em paz e...
Na companhia de Deus...

Jufrei Feitosa

'MAR... '

Nos extensos mares somos barcos naufrágios. As muitas correnteza [des]favoráveis sempre deixam ranhuras. As salinizadas águas com o tempo deixam cicatrizes. A dilaceração é perceptível com o tempo e o tempo é um desastre.

Vedar as fendas que surgem apenas prolonga o que de fato já se escreveu. Deixar o barco correr ou manter-se agitado? Há os que preferem a resistência, a mágoa de tentar subir as correntezas rumo às suas expectativas. Outros apenas flutuam. São levados pelo mar com aparente satisfação e ócio.

Mas sabe-se: todos querem um porto a qualquer valia. Chegar àquela luz que tanto brilha. Manter seguro a estrela que tanto se admira. Uma. Várias. O que vale é a energia. Flutuar sob as águas imensas. Belas. Delirantes. Mas com seus desafetos e sujeiras.

Com o tempo aprende-se a aceitar o extenso mar à nossa frente. Não importa como ele seja. Um dia nos levará para onde não queiramos. A tração que se tem é apenas temporada. Ajuda, mas não é duradouro.

A visão desse mar é fantástico. Inacreditável. Surpreendente. Nele todos movem-se sempre rumo ao desconhecido. E o tempo há de naufragar aquilo que tanto procuramos. Tempo? Não! O mar... essa coisa sombria e nefasta.

Risomar Sírley da Silva

[REFLEXÃO]

Existe alguns seres humanos que são extremamente complicados de se conviver com eles. Por mais que você faça o certo o tempo todo e que seu percentual de acerto para com esta pessoa seja de 100% em 99,9% das vezes, você sempre acabará sendo julgado pelo o 00,1% que você deixou de fazer por algum motivo. Esse tipo de pessoa não consegue entender que você é um ser humano e só essa condição já lhe coloca na situação de cometer pequenos erros no decorrer da vida, afinal, ninguém é perfeito. Ai, eu pergunto! Você nunca errou em sua vida? Como já sei a resposta vou parar por aqui.

Mércio Franklin

Menino de Rua - Escrito há mais de 30 anos.
(Rayme Soares)

De amor eu sou carente
Ando descalço e sem camisa
O meu futuro dizem ser delinquente
O meu dever amar a vida

O meu sorriso é momentâneo
O meu desprezo já lhe avisa
Que não sou nenhum simples estranho
Mas um moleque da avenida

Meu sonho mesmo é ser alguém
Que seja visto como gente
Não tenho nada e tenho o mundo
Pra aprender a me virar

Minha escola é a rua
Os "professores", quem não quer me ver
Pois sou um menino de rua
Mas posso até vir a crescer

Rayme Soares

O perdão das Dívidas

As dívidas aprisionam a psique dos endividados e dos credores. A mente através do intelecto se oprime pela ruptura da palavra em quitar o débito. Limita a vida de pessoas, transforma em caos a memória do endividado. Por isto pensei? Por que aprisionar sua mente em torno de uma dívida financeira que não podes arcar com seu custo? Nada irá me abrilhantar te carregar de angústia, sentimento de opressão ou culpa. Por isto para deixar sua alma em paz eu perdoo sua dívida se fores capaz de também perdoar a dívida de outra pessoa contigo. Expressa desta mesma forma em que me comunico contigo. Seu débito estará quitado em 30/08/2014. Devolvo-te seus pensamentos. Vá em paz!

Max Diniz Cruzeiro [Troque pelo seu nome]
LenderBook Company

Max Diniz Cruzeiro

Um Textículo meu (PS: Textículo com "X")
Hoje eu tive tempo para pensar. É que meu trabalho hoje só me exigiu força física, deixando assim a minha mente vazia
Mas não pense você que eu fiz dela uma oficina pro diabo, enquanto trabalhava eu pensei no ser. Não no verbo ser. Pensei no ser, sujeito.
Sujeito que hoje me veio acompanhado de um adjetivo, DESUMANO.
Ser Humano Desumano.
Estes seres humanos que usam a pressa como desculpas para pisar em alguém, para "furar filas", que estacionam em vagas para idosos, mesmo não sendo um. Seres humanos que vivem e morrem juntando tesouros e nem sequer tiram um tempo para desfrutar do mesmo. Seres humanos estes que, se preocupam em ter, em vez de ser, e que no fundo são tão vazios e incapazes de reconhecer isto.
É que eu sou todo valores. Sendo assim, decepciono-me com essa sociedade em questão. Obviamente um defeito meu, esperar demais de uma sociedade doente. Defeito maior ainda porque eu também nunca fui perfeito.
Desde cedo aprendi que não é possível mudar o mundo, mas é possível sim mudar uma pequena parcela dele. Esta parcela que chamamos de EU.

Jarlles França

Que nos encontros que você faz com teu mais íntimo abismo, você encontre a humildade, a compaixão e a solidariedade. Que nos momentos de reflexão onde você sente a nirvana no teu coração, você encontre o amor. Que na volta dessa reflexão com teu eu, tua alma esteja em total harmonia com teu espírito.

Flávia Abib

Flávia Abib

Diz o Sábio que na antiguidade, em um povoado distante, as pessoas haviam se tornado frias, egoístas e pouco solidárias.
Reclamavam da frieza uns dos outros, mas não se permitiam mudar. Uma criança muito sensível, ao ver o que se passava, dirigiu-se aos céus e clamou uma ação do Divino, pedindo que lhe mandasse um sinal a fim de mudar o pensamento das pessoas do povoado, e após sua reflexão, adormeceu.
No dia seguinte, fora acordado pela sua família, pedindo que levantasse logo, pois algo muito estranho acontecia... Sua mãe lhe disse que o Divino lançara sua fúria sobre o povo, e que algo gélido, branco e intenso cobria as pastagens e deixava as pessoas com tanto frio a ponto de quase congelarem.
Vendo suas lavouras e animais sendo cobertos pela neve, as pessoas não tiveram escolha senão ajudar umas as outras para que pudessem salvar o máximo de animais e alimentos que conseguissem, e assim o fizeram. Porém, a noite chegou, e com ela, a neve mais e mais forte, tornava a situação calamitosa.
Vendo toda a situação e o frio a castigar a todos, o menino então sugeriu que em vez de cada família ficar em sua morada, poderiam todos ficar juntos, assim, o calor humano os ajudaria a suportar o frio, o que foi aceito por todos.
E Como em uma grande corrente, todos, em círculo, feito um caracol, se aninharam, e juntos, conseguiam suportar o frio da noite.
Antes do amanhecer, o menino, com sentimento de culpa, explicou seu pedido ao Chefe do povoado, e pediu perdão por submeter seu povo a tal sofrimento. Porém, foi abraçado pelo Líder, que com os olhos cheios de água, pediu perdão ao menino por deixar que a comunidade se torna-se um mau exemplo para crianças como ele. Se abraçaram bem forte e adormeceram.
E tamanha foi a surpresa de todos ao ver que, no dia seguinte, o sol brilhara majestosamente e o céu parecia mais azul do que nunca... A tormenta teve fim.
Com pulos de alegria, cânticos e abraços, o povoado festejou o “perdão Divino”, e logo recomeçaram suas atividades rotineiras.
No dia seguinte, logo após o amanhecer, o menino pediu ao Líder do povoado que reunisse a todos, pois durante a noite tivera um sonho, onde o Divino lhe revelara um comunicado...
Foi então que o menino, relatando seu sonho, disse que a tempestade que ocorrera não seria a única, e que todos os anos ela se repetiria... Falou mais, disse que quando os primeiros flocos gelados caíssem do céu, que servissem de alerta e reflexão sobre a união, a bondade e a solidariedade.
Finalizou o menino dizendo que a este fenômeno, chamar-se-ia Inverno, e que seria uma época para não se pensar no frio, mas no calor humano que todos possuem e podem compartilhar.

André Luis Fleck