Texto sobre Dança

Cerca de 207 texto sobre Dança

Ela chega vaidosa e sorridente
Todo mundo logo sente seu perfume pelo ar
Ela dança com um swing diferente
Vai pra trás e vai pra frente, vai descendo devagar
Essa gata tem um jogo de cintura
É uma uva bem madura e a galera quer provar
Vagabundo tá na rua da amargura
Anda cheio de fissura mas sou eu que vou pegar
Só no sapatinho, ôh, ôh
Só no sapatinho, ôh, ôh
Só no sapatinho, ôh, ôh
Estão querendo disputar o meu espaço
Invadir o meu pedaço, mas não vou dar mole não
Já andaram rastreando o meu caminho
Pra saber se eu tô sozinho ou se tô nesse avião
Estão querendo me vencer pelo cansaço
Pra saber o que é que eu faço, mas quem fala é vacilão
Meu tempero, tem amor e tem carinho
Vou comendo bem quietinho, pra não dar indigestão
Só no sapatinho, ôh, ôh
Só no sapatinho, ôh, ôh
Só no sapatinho, ôh, ôh

Carlinhos

Nada. Hoje. Soou.
Se quer a lágrima rolou. Eu não deixei.
Eu proibi o som. Eu proibi a dança. Eu proibi a lágrima.
Eu proibi também a fala.
Me calei assim como calei a tudo.
Obliterar a vontade e muitas vezes vilipendiar a si.
Me mantive à distância. E até o espelho apaguei.
Hoje o vento soprou fraco, por isso, não quis erguer as velas.
Não pus o barco na margem.
Fiz de conta que não vi.
Fiz de conta que passou.
Fiz de conta que nem doeu.

Wclledja Araujo

Nossa dança

Não me importo que pises no meu pé durante a dança,
Talvez eu também pise no teu...
Só quero que quando eu te abraçar tu também me abraces,
Quando eu te beijar tu também me beijes,
Quando eu te amparar tu também me ampares...
Pois nossos passos podem ser imperfeitos,
Desde que o nosso desejo de dançar juntos não se acabe...

Andréa Wollenhaupt Petry

Chove em Porto Alegre

Dia de chuva, nuvens de chumbo,
A dança dos guarda-chuvas na rua.
As pessoas caminhando apressadas,
Sem querer se molhar...
Cuidado a poça menina,
Das árvores caem pingos,
E ainda por cima,
O descuidado motorista do ônibus que passa,
Encharcando os desavisados pedestres...

Vou colocar botas de chuva vermelhas,
E usar uma sombrinha laranja,
Para alegrar um pouco este dia...

Andréa Wollenhaupt Petry

Eu?!

Sou música e dança.
Sou homem, pai e amigo.
Uns me invejam, outros...
Me odeiam, alguns me querem bem,
mas poucos me amam.


Odeio mentiras.
Pessoas falsas e pretensiosas.
Mostro ser forte e durão, mas sou
frágil e sensível como uma criança.
Tenho meus medos, minhas alegrias.
Desejos e fantasias.

Na maioria das vezes,
sou o que falo e não o que faço.
Tenho um lado escuro, aliás,
quem não tem?
Guardo minhas agendas,
cartas, fotos. Aprendi
a aceitar as pessoas como são.
Aceitar os defeitos...


Relevar os erros;
ouvir mais e falar menos,
afinal, temos dois ouvidos
para ouvir e uma boca para
falar...Aprendi que o futuro,
só a deus pertence. Que preocupação
e o stress trazem cabelos brancos.
Que o medo no fundo nos da coragem.
Para seguir adiante...


Aprendi que cantar espanta a tristeza.
E fazer o bem trás alegria...
Dúvidas vão sempre existir,
mas seja sincero com você mesmo;
e com os amigos. E são nos poucos
e bons amigos que muitas vezes
podemos encontrar a verdade.


Aceitar as verdades faz parte.
E que um dia vamos envelhecer...
E que respeitar os mais velhos
é importante; e por fim:



Não espere que ninguém segure sua barra, porque no fim...
É você contra ou a favor de você mesmo!!!

D!d!i

A Dança


No baile da solidão a canção é fria, a alma prova a agonia, os dias são de nostalgia, mais ainda assim nasce
a poesia.

Já o baile da vida vez ou outra tropeçamos, caimos, levantamos abraçamos, sonhamos, acordamos.

O aconchego demora a dor devora, a alma implora para a saudade o reviver das imagens, dos bons momentos, do amor etéreo que faz a vida mágica.

Cerram-se as cortinas, adormece a bailarina. Voltamos para a dura sina, solidão em cada esquina, a total ausência de afeto rotina.

Ana Stoppa

A DANÇA

Sopra o vento e as árvores balançam
Até parece comigo querer dançar
Com seus galhos envoltos em meu corpo
E suas raízes no chão à fincar

Gotas de chuva caem tornando o céu cinzento
Encobrem as estrelas: jogo de luz natural
Trazendo então uma sintonia
A cada toque na terra já arada

E começo a dançar em círculos
sentindo a folhagem tocar meu rosto
Molhando meu corpo já suado
Com a chuva forte que cai

Trovões e raios riscam o céu cinzento
E em círculos continuo dançando aquele som estonteante
Cada vez mais rápido giro e sinto as folhagens
Daquela bela árvore... que me convidou à dançar.

Cris Oliveira

A consciência se manifesta através da criação.

Este mundo em que vivemos

É a dança do criador.

.

Dançarinos aparecem e desaparecem

Num piscar de olhos, mas a dança vive.

Em muitas ocasiões, quando eu estou dançando,

Eu me sinto tocado por algo sagrado.

Nesses momentos, eu sinto meu espírito voar

E se tornar um, com tudo o que existe.

.

Eu me torno as estrelas e a lua.

Eu me torno o amante e o amado.

Eu me torno o vencedor e o vencido.

Eu me torno o mestre e o escravo.

Eu me torno o cantor e a canção.

Eu me torno o conhecedor e o conhecido.

.

Eu continuo a dançar e, em seguida,

É a eterna dança da criação.

O criador e criação fundem-se em uma plenitude de alegria.

.

Eu continuo a dançar e dançar... E dançar,

Até que haja apenas... A dança...


(Michael Jackson) livro - 'Dancing the Dream'

AmorMonica Holst Jackson

NOTURNO

A saudade
inspira essa noite.

Véu nebuloso da noite,
que envolve a dança fria:
Mão na palma da minha,
ouvido ao som do teu respiro.

És distante,meu amor.
Mas és tu neste noturno,
a estrela maior.

Tão solitário.
Eu só.
A canção que te aproxima
curva meu dorso crú.

Acendestes as luzes desta noite...

És distante,meu amor.
Mas és tu neste noturno,
a estrela maior.

És meu neste noturno.
Eu tua por deslumbro,
feito anéis de Saturno
a nos casar.

Patrícia Vicensotti

NA PISTA

Pista de roller, de patinação.
Pista de dança, dança de salão.
Pista de kart ou mais emoção.
Procuro uma pista que me dê solução,
De logo encontrar você, não importa a longidão.

Pista de cooper, de esqui... de avião.
Pista de carro, de moto ou caminhão.
Não importa se é asfalto ou estrada de chão.
Se você me der uma pista, eu te acho.

Rogerio Dutra

Os passos na dança da vida

Quando imaginamos o ritmo, supera
Se esperamos uma dança suave,
Encontramo-nos com a surpresas
Os passos são outros para acompanhar
Todos te acompanham no olhar
Se a dança é bonita, te aplaudem
Se você perde o ritmo, comentam
Quando erra os passos, te corrigem
Importante é não parar e tentar
Se tem o par perfeito consegue
Se o cansaço no tempo surge
O outro tem que te empurrar
Juntos a dança fica mais fácil
Juntos na dança da vida
Fica mais agradável superar.

Salvador Faria

Sou criança, sou uma dança
Sou uma festa, uma lembrança
Sou amor que em tu existe
A incerteza que insiste
Sou a dor do seu viver
Sou amor em uma flor
Eu sou silencio, sou a paz
Sou a vós, do leva e trás
Sou poema, eu sou uma rima
Sou olhar de uma menina
Eu sou um louco, muito louco
Sou uma árvore, eu sou um toco
Eu sou o eu, apenas eu
Sou palavras, sou museu
Sou um pensamento meu.

Reff Carvalho

A dança do amor
Dança que partilhei tantas vezes com possíveis amores
Míseras recompensas, sensações mecânicas
Em muitas vezes era melhor ter ficado só
Tento abafar a verdade com a distância
Mas a realidade é que tempos depois
Amores se reencontram
Bailam a sublime dança
Ninguém consegue ser assim
Comprovam o que já se sabia
Nossos corpos falam entre si
Conhecem o caminho com perfeita sintonia

Gino Sanches

A Valsa

Tu, ontem,

Na dança

Que cansa,

Voavas

Co'as faces

Em rosas

Formosas

De vivo,

Lascivo

Carmim;

Na valsa

Tão falsa,

Corrias,

Fugias,

Ardente,

Contente,

Tranqüila,

Serena,

Sem pena

De mim!



Quem dera

Que sintas

As dores

De amores

Que louco

Senti!

Quem dera

Que sintas!...

— Não negues,

Não mintas...

— Eu vi!...



Valsavas:

— Teus belos

Cabelos,

Já soltos,

Revoltos,

Saltavam,

Voavam,

Brincavam

No colo

Que é meu;

E os olhos

Escuros

Tão puros,

Os olhos

Perjuros

Volvias,

Tremias,

Sorrias,

P'ra outro

Não eu!



Quem dera

Que sintas

As dores

De amores

Que louco

Senti!

Quem dera

Que sintas!...

— Não negues,

Não mintas...

— Eu vi!...

Meu Deus!

Eras bela

Donzela,

Valsando,

Sorrindo,

Fugindo,

Qual silfo

Risonho

Que em sonho

Nos vem!

Mas esse

Sorriso

Tão liso

Que tinhas

Nos lábios

De rosa,

Formosa,

Tu davas,

Mandavas

A quem ?!



Quem dera

Que sintas

As dores

De arnores

Que louco

Senti!

Quem dera

Que sintas!...

— Não negues,

Não mintas,..

— Eu vi!...



Calado,

Sózinho,

Mesquinho,

Em zelos

Ardendo,

Eu vi-te

Correndo

Tão falsa

Na valsa

Veloz!

Eu triste

Vi tudo!



Mas mudo

Não tive

Nas galas

Das salas,

Nem falas,

Nem cantos,

Nem prantos,

Nem voz!



Quem dera

Que sintas

As dores

De amores

Que louco

Senti!



Quem dera

Que sintas!...

— Não negues

Não mintas...

— Eu vi!





Na valsa

Cansaste;

Ficaste

Prostrada,

Turbada!

Pensavas,

Cismavas,

E estavas

Tão pálida

Então;

Qual pálida

Rosa

Mimosa

No vale

Do vento

Cruento

Batida,

Caída

Sem vida.

No chão!



Quem dera

Que sintas

As dores

De amores

Que louco

Senti!

Quem dera

Que sintas!...

— Não negues,

Não mintas...

Eu vi!

Casimiro de Abreu

Olho nos seus olhos
Quero te tocar
E te beijar
E nessa dança
Você balança seu
Quadril pra mim...
Diz que sim...*--*

Sei que acreditar em amor sincero
Nascido desse jeito assim
É ruim...
Em uma noite muitos
Com você querem estar
Mais eu quero ser o único a te tocar
E pra casa com você voltar

Anjo da guarda?Não
Talvez pro Mal caminho eu queira te levar
Amigo?!Quem sabe?!
Mias teus lábios quero beijar...
O jeito que você me olha
Sei que você quer dizer:SIM!

O jeito que você se mexe
Me faz querer estar entre
Os seus passos
Me leva pra casa e durma
Nos meus braços!

Paula Câmara Ferreira

3º ano CCF GEO - 2009

Se uma manhã durase uma vida
se a dança nunca acabasse com os seus passos
o tempo que não permite a manhã e a dança
são as saudades de um tempo
um tempo que nunca volta mais

as lembranças que restaram
lembranças em um carbono antigo
não reproduz a mesma imagem
as faces de cada amigo

o tempo reverteu nossa ilusão
criou a realidade do passageiro
e fica preso no passado
cada sonho verdadeiro
estudando um espetáculo
vergando os aplausos
durando um ano inteiro

Geraldo Neto - Uiraúna PB

A cabeça quando inquieta
Não pende apenas para uma vertente
Joga nos dois times
Dança que nem valsa
Pra lá e pra cá
No maniqueísmo
Parece barata tonta
Corre para todos os lados

Exerce sua obsessão de observar e inventar
Num tiroteio criativo
Salva e fere as idéias
Das bonitas, agridoces até as mais escrotas

NaNa Caê

No teto você dança uma canção distraída, adormece pelas quatro pontas do quarto, faz das cortinas edredom.

Tenho medo de entrar na sua casa, ficar tonta, não saber acompanhar seus passos, girar de cima até o chão.

Te procuro então por aqui em tantos textos, rabisco diariamente umas quatrocentos imagens nossas através de palavras.

Ainda me esforço para emendar o cansado órgão com versos pesados e retalhos do que restou da sua quase despedida.

NaNa Caê

O PLEBEU E A BAILARINA



Ele a chama de menina e diz ser ela, bailarina
que dança a vida colorida, revestida de esperança
que sua rima o domina e seu sorriso, lhe fascina
do Cupido, velho amigo, pega flecha e hábil lança

Pensa que a tudo alcança e sem conversa, a domina
versejando canta amor; na contradança, a dor
vai julgando com esmero a verdade que abomina
atrás da mascara sem cor, palavreia com primor

Propagando impropérios, logo vem pisando em cima
curta mente que não sente um passado tão recente
pobre tola apaixonada; equivocada dançarina

Busca sabedoria e vê que o sonho se perdeu
naquele coração de pedra que impetra hipocrisia
a heresia de um infante que só soube, ser plebeu

Siomara Reis Teixeira

Pisando na areia já não sinto os pés
Sinto apenas meu corpo tomado por alma
As ondas que teu dançar me traz
Hipnotizam-me e me trazem a paz

Meus pés já não tocam o chão
Já estamos os dois
Alma e corpo
Em seus braços clamando pelo teu seio

Alimente-me de luz
Mãe generosa de amor
Seque minhas lágrimas
Troque-as por água do teu mar

Me faça dançar em tua maré
Me ensine de que maré é feito meu amor
Teus olhos morenos de mar
Teu canto, meu canto, meu olhar

Me conte porque tenho o mesmo olhar
O teu olhar com encanto
Encanto da sereia
Venho a areia pra clamar

Ó minha mãe me leve pro teu reino
Pois só me entregando a ti
Posso me entregar a mim
Odoyá

Rafael Carvalho