Texto sobre Aborto

Cerca de 35 texto sobre Aborto

”Mas eu sinto que o maior destruidor da paz hoje é o aborto, porque
é uma guerra contra a criança – um assassinato direto da criança inocente -
assassinato pela própria mãe. E se nós aceitamos que uma mãe pode matar
até mesmo sua própria criança, como nós podemos dizer para outras pessoas
que não matem uns aos outros?…”

Madre Teresa de Calcuta

Aborto Não!

Eu ia ser sua razão de viver,eu ia segurar na sua mão quando tivesse medo.
Você ia me dar abraços e todos os confortos.
Nós iriamos enfrentar os problemas juntos.
Eu iria te magoar,mas você iria me perdoar e me ensinar.
Eu iria cuidar de você mamãe,eu já te amava.
Mas,você me abortou,eu tento entender mãe,mas era minha única oportunidade.

Rayanne Matos

Abortei a missão. Deixei o barco afundar.
Nem me dei o trabalho de lançar a âncora. Deixei ele ir...

Não pense que não lutei... Lutei sim. Até mais do que devia. Fiz de tudo para o barco continuar ali. Perdi a conta de quantas vezes tentei evitar que isso acontecesse. Inúmeras tentativas! Mas o barco já tinha seu destino... Ele tinha que afundar mesmo. Por que? Não sei ao certo. Mas é assim que tinha que ser.

Às vezes tenho a impressão de que fui junto com ele... Estou me afogando! A temperatura está muito baixa! Não consigo mais respirar! As águas me invadiram os pulmões...! Mas não. Eu estou aqui, sequinha. Isso tudo não passa de um melodrama. Uma tentativa frustrada de atrair atenção. De ser ajudada, amparada. De ser tratada com um pouquinho de compaixão.

Mas a única coisa que realmente pode me ajudar agora é a aceitação de um fato: o barco permanece no fundo do mar. E eu estou aqui, em terra firme.

Tatiana Leal

Aborto ZERO

O que é ser feliz?
É sorrir?
É chorar?
E aprendemos a sorrir?
Onde?
Na escola?
No trabalho?
Em casa?
Sonho saber!
O que é amar?
É ter?
Respeitar?
Nada vejo.
Nada ouço.
Tudo sinto, porém.
Mas o que é tudo?
Posso ter?
Contemplar?
Tocar?
Sonho sair!
Acordar, ver o mundo.
E o que é mundo?
Vivo em um?
Vivo?
Sonho nascer!

Leonardo Lima

Pálida Morte, o que a precede?

Profana e desleal, a morte é o aborto da vida. Um caminho poeirento e sinistro, a estrada do além. Entidade fantástica, jaze a mente insegura dos incautos. Há olhos argutos sob o funesto capuz, olhos que tudo veem. Seu sorriso no entanto, é sem vida, revela natureza vil. O instrumento curvo de ceifar, aniquilador de almas, concerne o mais terrível pesadelo. Sua fome é voraz, seu desejo; incalculável. A vida é a afirmação veraz de um sinistro presságio, e a profecia da morte é mal agouro, um nefário acidente. Ainda que bela e abastada de esplendor a vida têm seu propósito, está ligada a um desfecho ordinário, ou talvez, à súplica dolente. Lançada ao desatino, ao labor insano, ela está em cada esquina, ubíquo, sem descanso.

O que a precede? O sopro da vida!

Paulo Master

SENTIMENTOS SÓRDIDOS

Eu sou a sensibilidade dos teus sentidos,
O abortamento da tua inaudível paixão;
O alento que fita a tua alma da solidão,
E os teus mais tensos sentimentos vividos.

Eu sou a tua escolha de fardos erguidos,
O amor, o fogo, a chama de teu coração;
A dor que não dói, sou a tua ilusão...
Os prazeres que por ti serão consumidos.

Eu sou o teu querer e os teus encantos,
Os teus momentos, eu sou teus prantos,
A tua alegria, a tua esperança e o teu viver...

Mas quem vive e sente também sonha,
No entanto, sou também a tua artimanha
De amar e amar pra não se perder...

Poeta Dolandmay

Morte

O cordão é rompido
suicídio, homicídio
tudo está corrompido
aborto, infanticídio.

Humanização na morte
eutanásia, ortotanásia
quebra-se no poço o pote
botão que apaga a luz da casa.

Desde aquele que nasce morto
até o indesejado
o anencéfalo, aleijado
lição que vem do inesperado.

Por fim cortam-se os pulsos
aperta-se a corda, joga-se ao ar
morte outrora inimiga
estende seus braços, vem me pegar.

Angela Natel

Aborto

Se possuímos a liberdade de destruir a vida humana e negar-lhe a dignidade numa etapa, por que não em outras? Se, pelo contrário, a criança por nascer tem direitos pessoais ainda antes de ter nascido, e se estes direitos têm implicações públicas, então o ser humano tem o direito à proteção ainda quando não possa proteger a si mesmo.

Rafael Estevan

Revertério

Gametas que se cruzam e o aborto fatal
O avanço da ciência e o caos universal
A mesa farta, rica, a dinastia da nobreza
Uma imagem revelando a sua pobreza (de espírito!)

Um culto na sinagoga, crença em Messias
A descrença total de quem tirou tantas vidas
Nos campos de concentração, ali confinados
Crianças, idosos, mães, solteiros e casados

Que o revertério seja revertido em virtude
Que caia uma bomba atômica sobre o ódio
Noites mal dormidas sem o efeito do ópio
No terno dos malfeitores, alguma magnitude

O branco, o negro, o índio e o mameluco
Um relógio importado que parece caduco
Tempo incontável e tratamento diferenciado
De um ser humano cada vez mais desalmado

A oportunidade de ser oportunista e calculista
Está frequentemente ao alcance da nossa vista
Uma fantasia sem pudor chamada globalização
Com os desabrigados nas ruas de qualquer nação

Que o revertério seja revertido em sabedoria
Que caiam as tradições e ilumine-se a mente
Das pessoas comuns, gente como toda a gente
E então possamos ter de fato alguma alegria (será?).

Allan Caetano Zanetti

Aborto

Aborto é uma coisa muito triste
Ação de mulheres desprezíveis
Matar um incapaz que já existe
Sem argumentos e dedo em riste

Quem coloca muito homem em sua cama
Não segura nenhum em seu coração
Com o tempo vai sofrer as consequências
De sua nefasta e assassina decisão

Eu já levei muitas mulheres para cama
Mas sei que o homem é pautado na razão
Mulheres não podem descer a esse nível
Sem os riscos de destruir a sua emoção

A sensibilidade feminina é maravilhosa
Sua ternura vem nas palavras e gestos
Seu amor aquece e lhe deixa majestosa
E mostra que nela há um coração honesto

Djalma CMF

Às vezes é preciso perder tudo, sentir seus planos, desejos, sonhos serem abortados e mergulhar no fundo do poço, para poder encontrar a si mesmo e acreditar que você é bem maior do que qualquer nuvem negra ou tempestade que possam te assolar. E não se engane: o fundo do poço não tem molas. Tem dor, sofrimento, escuridão, vazio, medo, e fede a morte... Assim, você tenta escalar aquelas paredes lamacentas, quantas e tantas vezes forem necessárias, e entre quedas, feridas , desmoronamentos, tropeços e fé, consegue sair do poço, e quando os primeiros raios de sol te tocarem, eleve sua mente e agradeça a Deus em oração, com palavras vindas do mais profundo do seu ser: 'Meus sonhos são objetivos com dia e hora marcados para acontecer. Eu não desisto de sonhar. Eu não desisto de lutar. Eu não desisto de vencer. Eu não desisto de mim. Então que venha a vida com suas surpresas diárias, pois a superação já chegou.'
E chegou para ficar.

Mychele Magalhães Velloso

Aborto sem motivos?

A pergunta a que os portugueses terão de responder no referendo tem, pelo menos, um mérito: não se enreda na explanação de putativos motivos que possam suportar a legalização do aborto.
Não se apela para motivos, porque, na verdade, não há motivos para abortar. Só que esta sinceridade causa arrepios e provoca calafrios. Ela resvala para a arbitrariedade, já que a única razão que se aduz é a «opção da mulher»!
Ou seja, o ser humano em gestação pode ser viável e pode ser perfeito. Mesmo que o não fosse, não deixava de merecer respeito. Desde que a mulher grávida manifeste vontade de abortar, a lei passará a permiti-lo!
Não se percebe como é possível filiar esta posição na promoção dos Direitos Humanos. Há quem prefira uma posição demissionista, deixando ao arbítrio de cada pessoa o caminho a seguir.
Em tal caso, a sociedade não deveria opinar, o Estado não deveria intervir. Só à mulher grávida caberia optar. O princípio seria o da liberdade individual. É um argumento pouco sólido e muito perigoso.
Pouco sólido porque a mesma liberdade individual não é requerida para outras situações. A liberdade individual pode ditar o não pagamento de impostos. O Estado aceita? A liberdade individual pode sugerir o furto de bens alheios? A sociedade concorda?
Mas trata-se igualmente de um argumento deveras perigoso. É que a liberdade individual é um direito e um dever. Não pode esquecer jamais a vida e a liberdade dos outros. A liberdade que não respeita será liberdade? Homenageará a liberdade do próximo? Não é legítimo pensar apenas em liberdade de. Urge incluir sempre a liberdade para.
Será que, numa matéria tão sensível como a vida humana, o Estado poderá deixar ao abrigo da liberdade individual a decisão final e a opção definitiva?
Não deverá ser o Estado o garante de valor tão importante que está na base, aliás, de todos os outros valores?
É claro que esta condição de garante não pode circunscrever-se ao plano judicial. É necessária toda uma ambientação a montante, isto é, a criação de condições para que, antes de mais, a vida humana seja desejada e, depois, para que se fomente o seu desabrochamento com dignidade.
Haverá quem alegue que a penalização do aborto não devolve ninguém à vida. Mas, pelo menos, não fomenta a sua eliminação. Agora, a despenalização é que não protege nem ajuda a salvar nenhum ser humano.
Daí que não seja possível (sem um brutal contorcionismo de raciocínio) a alguém declarar-se contra o aborto e, ao mesmo tempo, propugnar a sua despenalização.
Invocar a tolerância e a cultura da misericórdia para este caso não é admissível. Primeiro, porque a lei já é suficientemente moderada e a sua aplicação é bastante mitigada. E, segundo, porque a misericórdia tem de ser dirigida, acima de tudo, para os mais desprotegidos. Alguém tem dúvidas quanto a isto? Não é o feto que está mais desprotegido?
A penalização não é, em primeira instância, contra a mulher. É um instrumento de defesa e protecção do nascituro. De resto, a justiça, em nenhum caso (mesmo no domínio penal), tem um objectivo vindicativo. Tem, sim, um claro objectivo preventivo e curativo, protegendo os mais indefesos.
É importante enquadrar esta questão em toda a sua globalidade, não a parcelando. Colocar o enfoque na mulher grávida constitui, pois, um enviesamento do problema, menorizando a principal vítima.
Isto não equivale a ignorar a situação dramática por que passam tantas mulheres. Este ponto não há-de ser jamais negligenciado. Não se pode, contudo, engrossar o já elevado número de vítimas.
Fundamental é apoiar as vítimas, dando-lhes a ajuda necessária e o estímulo preciso. Alguém que se prepara para ser mãe (para oferecer uma nova vida ao mundo) merece todo o carinho.

NetSaber

DEUS: Por que quer acabar com meus filhos?

ABORTO: Se ninguém dá valor a ninguém, por que dariam valor a um feto qualquer?

DEUS: Esse feto indefeso corresponde a um ser humano, uma nova vida gerada para este mundo. Eu jamais dei ordem a você para colocar coisas na cabeça do homem para matar este ser que não possui força para se defender.

ABORTO: Não me culpe completamente, apenas espero que os homicidas realizem o meu trabalho. E o homem é criação sua.

DEUS: Eu dei a eles o livre arbítrio e você soube se apoderar desse espaço, criei o homem e a mulher pra se multiplicarem e não se destruírem entre si.

Caio César Ribeiro

FA, FE, FI, FO FU... DIGA NÃO AO ABORTO!

“Fazei feliz teu filho, foge de ti o poder de afugentá-lo.
Fácil? Feliz ficaria se fosse, mas não é um fuçar essa vida. Tu que a fazes, se te feres é porque o fio de nome foco tu ofuscaste. Afagas teu feto, ficas com. Dá fôrma ao fruto teu. Faz vida, feliz fica! Formas teu futuro! Que tem de frágil ele, teve de fértil tu. - Fixa: Não afrontas a vida, não refugas o que é teu!"

Romário Silveira

MORTO POR UM ABORTO

(Esta poema é produto de uma ficção que traz à tona o veemente repudio do próprio feto, contra UM CRIME CHAMADO ABORTO.)


Mãe! Eu consigo e você comigo,
Poderíamos viver juntos por muito tempo
Se não fosse esse seu inescrupuloso intento,
Prestes a decretar minha não-vinda.
Esse intento que desenfeita a beleza feminina
De dois corpos num só.
Que desvenda o mal que você apronta,
Ao ilustrar na tela do desrespeito à vida
Ao apresentar a aparição dos contras
E o desenrolar da eliminação dos prós.


Mãe! Eu que queria ser o fruto de sua existência.
A rósea flor da sua façanha,
Regada com o choro da criança que viria,
Sou, no entanto, um botão pisoteado num canto.
SOU UMA CRIATURA sendo abatida, sem clemência.
SOU UM SER sendo assassinado nas entranhas,
Sob os mandos e desmandos
Da frieza, da perversidade, da covardia.


Mãe, como é pecaminoso esse seu delito!
Emolduras um quadro com falso desenho.
Colas um cartaz com rasurados manuscritos,
Ocultando, no ventre, a falência de seu juízo,
Ao agredir-me, às escondidas, com golpes doloridos,
Certificando-se, assim, que não mais tenho
O vigor que possuí outrora.
O calor materno daquela ocasião...
Nos minutos daquelas horas.


Mãe, eu me perco na escuridão desse desafeto
E, pouco a pouco, desfalecendo,
Sou um feto doado à dor e à agonia.
...Me remexo, me enfraqueço.
Desfaço-me nesse embaraço
Que tanto me judia.
Que me tinge com o corante da violência.
Que me queima com o fogo do sofrimento,
Levando-me a saborear
A ceia das conseqüências,
Como o mais recomendável dos alimentos.


Mulher!
Você é simplesmente mulher, adiante,
Porém, jamais pura ou sublime.
Você não é mais digna
Da minha admiração que se finda,
Ao ser impiedosamente detonada, explodida,
Pela exterminadora sem-vergonhice do seu crime.
Você, pra mim, vale menos que uma moeda,
Pois a gestante que se preza não pratica isso:
Não ignora a semente de sua vida,
Pondo-lhe um maltratante sumiço.


Mulher, conclui-se o seu insensato desejo!
Sei que, prematuramente, sairei.
Que sua barriga logo... logo eu a deixarei,
Para entre os seres vivos não permanecer.
Para não dar e nem receber
Sequer um... um único beijo.


Agora, mulher!
Agora... agora tudo está para ser desfeito.
Se o arrependimento a fizer voltar atrás,
Não será possível dar um jeito,
Porque já é tarde demais.
Porque eu já presencio a morte
Vindo ao meu encalço, ao meu encontro,
E, daqui a alguns segundos,
Ela fará com que eu esteja morto.
Morto por sua conduta contrária.
Morto por seu aborto.
Por essa injustiça cruel e voluntária,
Que me traz o ponto final
De um total desconforto.


Adeus,
Mulher que não quis dar-me ao mundo.
Adeus,
Mulher que não quis ser a minha mãe.
Adeus...
É o meu irremediável fim... ADEUS!

Poema de autoria do escritor Odair Rizzo, de Catanduva - SP.

A URGÊNCIA DA LUTA CONTRA O ABORTO

Urge que as pessoas se deem conta de que o aborto, enquanto assassinato de bebês, não pode constituir jamais um direito. Não há como surgir um direito baseado em um ato criminoso, senão o de proteção contra tal ato. Ato criminoso esse que, não importa sob quais pretensos motivos, será sempre um ato criminoso, e tanto mais imoral quanto mais reduza o valor da Vida a uma simples questão de conveniência pessoal das mulheres (já nascidas e não abortadas) ou de enganosos pretextos hipócritas evocando a Caridade.

(Em "Diga 'Não' ao Aborto; diga 'Sim' à Vida!": http://wp.me/pwUpj-1fE)

Ebrael

A Bíblia é silente sobre o aborto?

Pr John Piper

Muitos argumentam hoje que a Bíblia é silente sobre o aborto, e, portanto, deveríamos fazer o mesmo. Por que você se sente tão compelido a abordar esse assunto?

Não penso que a Bíblia seja silente sobre a personalidade do feto. Acredito que existem textos suficientes para inferir que esses pequeninos – antes de nascer e respirar – são considerados por Deus como criaturas feitas à sua imagem. Eles são, portanto, pessoas que, em nosso país (USA), devem ser protegidas pela 14ª Emenda que dá a todas as pessoas o direito de vida, liberdade e proteção.

Assim, sinto-se compelido a abordar esse assunto porque é minha convicção que a Bíblia não somente ensina, mas assume por toda a parte que os pequeninos no útero materno devem ser considerados como pessoas legítimas.

Em segundo lugar, adicionaria que a ciência e imagens que temos dos fetos tomam todas as distinções relevantes entre feto e pessoa já nascida e remove-as!

Por exemplo, tome um bebê de 1 mês e um pequeno prematuro no útero: não existe nenhuma diferença moralmente relevante entre eles, quanto a como devem ser tratados. Portanto, o fato que protegemos um com a lei, mas não a outro, é simplesmente pavoroso para mim. Portanto, acho que a questão do aborto é enorme: bíblica, experiencial e cientificamente. Não posso descartá-la como irrelevante ou algo sobre o que deveríamos ficar calados.

O mandamento "Não matarás" abrange qualquer fase da vida, seja do feto, do nascituro, da criança, do jovem ou do adulto - nota do tradutor

John Piper

PASSAGEM

O que olha, o olhar do morto fixo no teto,
Pensa no aborto no feto,
No filho que seria o prodígio,
Porque os que vingaram,
Envolveram-se com drogas,
O que pensa o defunto?
Pensa no gerúndio do verbo morrer
Pensa nas coisas que deixou de dizer,
Pensa nos abraços que deixou de dar,
Pensa na esposa que deixou de amar,
Pensa no particípio do verbo finar
O que pensa o finado
No féretro fechado
No pranto caindo de alguém preterido
No pretérito imperfeito
E no mais que perfeito
Do verbo acabar
Acabara bem antes do lapso, do colapso

O que olha o olhar do morto,
Num ponto indeterminado,
Pensa no pigarro, na cirrose,
Pensa no enfisema,
Na cachaça que não mais beberia,
No cigarro, que não fumaria ...
O que olha o olhar do defunto,
Germes, vermes em festa,
Por um novo presunto,
A passagem? Alguma paisagem?
Trevas ou luz?
Ou A singular possibilidade de renascer?

Tadeu G Memoria

Muitos pró-aborto vêem o embrião como um potencial ser humano. Contudo, está claro para mim e para muitos outros, que os dados biológicos nos dizem que um embrião, mesmo em seus primeiros dias, é um ser humano com potencial.
Todo o ser humano possui esta qualidade desde o início de sua existência, ou seja, desde o momento da fecundação.
O ser tem prioridade sobre o chegar a ser, o ato sobre a potência.
Para poder ser, a pessoa já deve ser. O embrião humano é um ser com potencialidade e não um ser em potencial.

professor William Reville, da University College Cork

Caminho sob o céu vazio
E é como se deus (esta figura indecente para meus olhos abortivos)
Me esmagasse com seus pés de concreto abstrato
A culpa de continuar... Miserável em meio a miséria
A culpa deste miserável continuar
Ciclos ao redor de minha cabeça despedaçada
Imóvel é o horizonte triste e distante, inalcançável mesmo na dor
O céu pesa demais quando se é infiel às suas origens...

Felipe Vieira de Galisteo