Texto sobre a Alegria de ter um Filho

Cerca de 2358 texto sobre a Alegria de ter um Filho

Glória garimpeiro

Voando de baixo motor,
cruzando um pequeno ribeiro,
em dia de muito calor,
avisto um só garimpeiro.

Homem desbravador,
desmontando seu canteiro,
trabalhando com ardor,
com sonho de bamburreiro.

Muitas vezes sonhador,
na real um forasteiro,
mas grande conhecedor,
deste solo cristaleiro.

Experiente explorador,
de diamante verdadeiro,
lutando com grande ardor,
em terreno sorrateiro.

Num trabalho assustador,
em barranco traiçoeiro,
com coragem e destemor,
tem espirito aventureiro.

No sonho do resplendor,
do belo brilho faceiro,
da pedra de muito valor,
faz feliz qualquer mineiro.

Fim de semana promissor,
vai pra cidade o guerreiro,
vender pro comprador,
seu tesouro bem maneiro.

Com grana e muito furor,
bebida, mulher, e violeiro,
vai gastar com desamor,
seu centavo derradeiro.

Na segunda o lutador,
volta de passageiro,
pro garimpo promissor,
trabalhar o dia inteiro.

É assim com bom humor,
a vida deste matreiro,
ganhando a vida com amor,
gastando muito dinheiro.

Com seu legado de dor,
de luta no seu terreiro,
contribui com seu labor,
pro progresso brasileiro.

Parabéns meu bem-feitor,
guardião deste celeiro,
te ofereço com louvor,
muitas glórias "companheiro"!
(Set/80)

Leobino Filho

Hoje é Natal

Ontem foi dia de festa!
Dia de presentes, ceias, abraços e confraternizações.
Hoje dia paz!
Dia que nasceu o Salvador.
Dia de abrir a cesta.
Dia do descanso, sonhos e reflexões.
Dia de se sentir aprendiz,
amoroso e capaz.
Dia de sorriso angelical.
Dia de se ofertar uma flôr.
Que todos tenham um dia feliz!
Hoje é Natal! Hoje é Natal!
Dez/1968

Leobino Filho

A busca!

Não busco uma só mulher,
nem tão pouco um só amor;
busco uma cúmprice,
de personalidade marcante,
bom pensamento,
sempre presente;
que ame com ardor,
tenha vontade e querer,
e sorriso no olhar;
seja ao mesmo tempo,
simples, artífice,
esposa, companheira,
amiga, amante,
criativa, e faceira;
e o mais importante,
que tenha prazer.
Prazer em me amar!
(jan/1968)

Leobino Filho

Caricias

Um dia maravilhoso,
um sol escaldante,
um mar calmo e gostoso,
uma areia brilhante.

Uma brisa gostosa,
Uma temperatura agradável,
uma mulher formosa,
uma praia impecável.

Muitas crianças correndo,
muitas beldades de costa,
tudo muito lindo.
Meu Deus! Quem não gosta?

Mas, o melhor das delícias,
É ter você ao meu lado,
trocando muitas carícias,
de corpo todo colado.
Jan/1969

Leobino Filho

Meus filhos

Lindos, marcantes,
muito importantes,
maior felicidade,
nessa minha idade.

Me fazem viver,
me fazem crescer.
me fazem aprendiz,
me fazem feliz.

Minhas flores!
meus amores!
prazer em tê-los!
prazer em vê-los!

Razão principal,
desse lindo Natal,
razão do poder,
razão do meu ser.

Envoltos em laço,
o meu grande abraço,
meus melhores amigos,
meus filhos queridos!
Dez/1982

Leobino Filho

Trilhas

O vento sopra!
Sopra em toda direção.
Dependendo da temperatura,
altura e pressão,
pode cair e subir,
ir ao alto e ao fundo,
subir e descer calçada,
fazer dor e furor,
e trazer maldição...
Mas não existe aqui,
nem tão pouco ali,
e em nenhum lugar deste mundo,
qualquer sentido e calor,
força e aflição,
que me faça sair,
das trilhas traçadas,
pelo meu coração.
Maio/1998

Leonino Filho

Sentimento!

é um estado de momento,
é sensação,
é uma grata emoção,
é empatia,
é também simpatia,
é sensibilidade,
é as vezes piedade,
é convivência,
é uma boa vivência,
é solidariedade,
é as vezes piedade,
é ligação,
é sempre coração,
é esperança,
é uma simples lembrança,
é ardente calor,
mas, é afeição do amor!
Julho/1990

Leobino Filho

Parecendo paixão!

Não sei qual razão,
amanheci mais feliz,
por que algo me diz;
são coisas do coração.....

Sem falsa Ilusão,
sinto uma força motriz,
de forte raiz
me chamando atenção....

E falo com emoção!
Não sou aprendiz,
mas minha atriz,
está parecendo paixão.....
Out/1998

Leobino Filho

Minha flor

Meus sinais te dizem tudo,
Mas você não entende...
Tua linda voz me diz tudo
Menos o que eu queria ouvir.
Eu só queria que tu entendesses
Que eu sou como a terra e você como a flor
Que embeleza a terra. Em retribuição a terra dá
Os nutrientes necessários para a flor
Demonstrar mais beleza... Um dependendo do outro.

Francisco Filho

Ainda há tempo?

Será que ainda há tempo de dizer o quê sinto?
E se tenho esse tempo, vale a pena dizer?
E se vale a pena dizer, você vai aceitar?
E se você aceiatr é porque valeu a pena
Ter sentido, ter dito, ter aceitado...
A vida é feita do sim e do não
Basta você escolher qual vai ser a resposta
Sendo que ela vai permutar toda a sua vida

Francisco Filho

Infinito

O quê é o infinito? o amor de um homem para uma mulher?, de um pai para um filho?, O amor acaba quando morremos. O quê é o infinito? o quê é o infinito para você? o quê é o infinito senão o amor de Deus para com a humanidade por enviar seu próprio filho para nos dar esperança de que um dia todo o sofrimento acabará inclusive a morte?!. Nada que pertence aos humanos é infinito. O máximo que nos pertence é por toda a vida, depois nada mais. O amor de um homem para uma mulher pode ser por toda a vida. A amizade pode ser por toda a vida. O amor de um pai para um filho é por toda a vida mas o infinito pertence a Deus.

Francisco Filho

troca de valores

Se fosse apenas a reciprocidade poder-se-ia dar um jeito na humanidade, mas vivemos em um mundo capitalista onde coisas ínfimas valem de tudo e o que é realmente importante fica para traz ou simplesmente esquecidas: um abraço, um simples gesto de dizer bom dia, um sorriso e coisas mais humanas.

Francisco Filho

Quebrando barreiras

Saltei o abismo da indiferença
Quebrei essa barreira entre nós
E criei o arrepio na tua crença
Só para desmanchar esses nós

E quem sabe cantarei a canção
Que fiz outrora para te alegrar.
Fala da minha clara emoção
Que tive só para te consagrar.

Meu passo ficou lento ao teu lado
Só para passar mais tempo contigo.
O coração ficou esse tempo calado
E pensando no meu amor antigo.

Vi que ele não era verdadeiro,
Só pude ver por meio do teu abraço,
Não quero que este seja o derradeiro!
Quero pegar tua mão e te levar no braço.

Francisco Filho

Paisagem da janela

A noite mergulha na escuridão
E a paisagem passa rapidamente
Diante de meus olhos,
Deixando para traz tudo que é ausente.

Deixei para traz desentendimentos
E tudo aquilo que fazia sentir-me mal
Até chegar a conclusão:
Nada vem sem antes dar um sinal.

A partida é iminente, é agora.
E pergunto-me - até quando
Vou ter que esperar?. O tempo
Não importa se você está amando.

Francisco Filho

Palavras

Palavras são fortes e isso é indiscutível
Pois elas entram no coração e ficam alojadas
Como uma espada em uma rocha.
As palavras podem ser edificantes
Ou podem ser altamente destrutivas
E por mais que não queiramos
São as destrutivas que lembramos mais
E estas mesmas palavras são pronunciadas
Por pessoas que queremos bem
E de tanto sermos bombardeados
Com estas palavras o sentimento
Que temos por essas pessoas
Vai esfriando cada dia mais, e, por fim
Tornam-se um iceberg de tão gelado.
E depois perguntam porque nos afastamos!

Francisco Filho

Relembrando

Quando saí da minha casa, ainda era pequeno.
Sem nada entender como esta vida funcionava.
E por causa desta súbita mudança em meus ares,
Meus traumas me calavam e eu apenas agonizava.

Depois de alguns anos voltei a meu torrão árido
Mas já não era a mesma coisa. O rosto que eu vi
Já não era mais o mesmo, o tempo o modificou.
Eu, já não era mais eu mesmo e isso eu não antevi.

Eu não vi o tempo passar e deixar suas marcas.
Eu só fui ver quando já era tarde, muito tarde.
Mas ele apenas marcou a carne a pele os olhos.
Os laços são os mesmos, mesmo que cobarde.

Esses laços ao invés de ficarem fracos, o tempo
Só fez que eles se fortificassem na esperança
De que eu sempre iria revê-lo e matar a saudade
De meu velho pai e abraça-lo como uma criança.

Francisco Filho

Logo assim que casei, já ouvia as pessoas falarem que:
- quando tivesse filhos minha vida nunca mais seria a mesma;
- nunca mais teria uma noite de sono completa;
- Alguns prazeres da vida de "casal solteiro" não iria mais aproveitar...

e tantas outras coisas que irei resumir apenas nas três citadas.

Mas hoje, como pai, aí vai minha resposta:

- Como é bom ter minha rotina de vida transformada para sempre;
- Por minha filha, perderia todas as noites de sono, se preciso fosse;
- O maior prazer de minha vida hoje, é passar horas apenas olhando minha bebê, pegá-la no colo, niná-la, paparicá-la, fazê-la feliz desde já e ser feliz também pra sempre!

Deus é demais!

Obrigado!

Izaias Filho

Soneto - A procura

Procuro olhos que me proporcionam desafios.
Olhos que penetram na minh'alma e abrem
A caixa dos meus segredos e me apavorem
Os sonhos e se desfaçam como se fosse fios.

Procuro pessoas curiosas que saibam esperar
As respostas que procuram. E que não sabem
Desistir de seus sonhos mesmo que coíbem
Deles por um pouco sabendo que irão perdurar.

Procuro loucos que usem seus pensamentos.
Pois os "normais" não entendem o que digo
E não leem nas entrelinhas fazendo-se lentos

Procuro um amigo, não tão amigo, um inimigo
Que saiba olhar-me e distinguir-me dos ventos
Que sopram como um furacão. Não há abrigo.
(De: Fran Filho)

Francisco Filho

Não é importante a quantidade amigos que você tenha. O importante é quantos deles se importam com você.
Mesmo as ações banais como um "Bom dia Fulano" ou um sorriso sincero que lhe é ofertado pode conter mais afeto do que uma diálogo efusivo e animado, oriundos de uma amizade situacional, motivada por interesses.
Crie seus laços não pelos rostos, mas sim pelo coração.

Mario Filho

O que está acontecendo?
Vejo a diversão de uns em troca do sofrimento de outros...
Vejo a paranóia da modelagem...
Vejo a era do imediatismo...
Do conformismo...
Do consumismo...
Do coitadismo...
Vejo bonecos de ventríloquos serem reconhecidos como heróis...
Vejo o tempo fracionado, às vezes com lágrimas, outras vezes como um mar vermelho de montanhas brancas...
Vejo que o escuro mostra claramente o que o claro esconde as escuras...
Posso ver uma lua minguante no rosto dos passantes...
Posso ouvir as imagens...
Enxergar os sons...
Posso sentir o sangue frio e assustado saltitar em minhas veias...
Me contorço! chego a ter taquicardia com o som ensurdecedor dos meus pensamentos...
Sinto o vento deslizar desesperado sobre a minha pele...
Fugindo?
Fugindo da ignorância!
Vejo pessoas sendo domadas por máquinas...
Vejo máquinas montadas sobre pessoas...
Foram criadas por nós...
Estamos a ser substituídos por elas...
Olhe para os pássaros!
Ouça seus cantos!
Não são mais os mesmos, pedem socorro através deles...
Onde estão as peripécias?
Você as viu por aí?
Vejo células cancerígenas contaminarem sutilmente as partituras...
Observo o mar lacrimejar silenciosamente às escondidas...
Assisto ao sol proclamar para a lua que não a empresta mais o seu brilho...
Vejo as nuvens se recusarem a decorar o céu...
Vejo seres pensantes sendo asfixiados com seus próprios pensamentos...
Vejo a espécie humana distinguindo-se em várias outras...
Vejo um simples papel sentar-se no trono como o deus das nações e para adorá-lo noto uma corrida de velocidade em que no final da prova completa-se com um salto em profundidade...
Vejo o motor do orgulho, auto-suficiência ser ativado pelas engrenagens do ódio, individualismo, preguiça, ambição, inveja e sendo movido com o combustível da competição...
Posso ver crianças, jovens e adultos, idosos se lambuzarem com o prazer imediato e envenenando-se com a cicuta da infelicidade...
Vejo muitos rodeados por multidões, mas sozinhos, isolados e abandonados dentro de si mesmos...
Ouço a arte gemer de dor...
Assisto as drogas cantarem alegremente...
Vejo grupos se digladiando por almas...
Vejo a música sendo afogada...
Vejo olhos vomitando lágrimas...
Vejo lágrimas vomitando olhos...
Vejo a separação...
Exclusão...
Eliminação...
Insatisfação...
Sinto medo de chegar em casa, de tocar as portas, paredes, janelas, os retratos entreolham-se sufocando-me...o silêncio é ensurdecedor, apavorante e golpeia-me com suas vibrações...
Vejo palavras vazias...
Sorrisos programados...
Atos ensaiados...
Mentes ajustáveis...
Vejo o capitalismo da mentira...
Milhares moram em palácios, porém habitam o anonimato...
Vejo o ser mutilado!
O ter exaltado...
Vejo a humildade esquartejada!
A arrogância endeusada...
Vejo a simplicidade amordaçada!
Os disfarces adorados...
Vejo a alegria sendo sepultada!
A falsidade almejada...
Bebemos e degustamos aos poucos do líquido da morte!

Joceildo Filho