Texto Infantil

Cerca de 109 texto Infantil

Amor é quando você acha que a pessoa com quem você se relacionava era egoísta, possessiva e infantilóide e isso não reduz em nada a sua saudade, não impede que a coisa que você mais gostaria neste instante é de estar tocando os cabelos daquela egoísta, possessiva e infantilóide. Amor é quando você sabe tintim por tintim as razões que impedem o seu relacionamento de dar certo, é quando você tem certeza de que seriam muito infelizes juntos, é quando você não tem a menor esperança de um milagre acontecer, e essa sensatez toda não impede de fazê-lo chorar escondido quando ouve uma música careta que lembra os seus 14 anos, quando você acreditava em milagres.

Martha Medeiros

Peça infantil

A professora começa a se arrepender de ter concordado (”você é a única que tem temperamento para isto”) em dirigir a peça quando uma das fadinhas anuncia que precisa fazer xixi. é como um sinal. todas as fadinhas decidem que precisam, urgentemente, fazer xixi.
— Está bem, mas só as fadinhas — diz a professora. — e uma de cada vez!
Mas as fadinhas vão em bando para o banheiro.
— Uma de cada vez! uma de cada vez! E você, onde é que pensa que vai?
— Ao banheiro.
— Não vai, não.
— Mas tia…
— Em primeiro lugar, o banheiro já está cheio. em segundo lugar, você não é fadinha, é caçador. Volte para o seu lugar.
Um pirata chega atrasado e com a notícia de que sua mãe não conseguiu terminar a capa. Serve uma toalha?
— Não. Você vai ser o único de capa branca. É melhor tirar o tapa-olho e ficar de anão. Vai ser um pouco engraçado, oito anões, mas tudo bem. Por que você está chorando?
— Eu não quero ser anão.
— Então fica de lavrador.
— Posso ficar com o tapa-olho?
— Pode. Um lavrador de tapa-olho, tudo bem.
— Tia, onde é que eu fico?
É uma margarida.
— Você fica ali.
A professora se dá conta de que as margaridas estão desorganizadas.
— Atenção, margaridas! Todas ali. Você não. Você é coelhinho.
— Mas meu nome é Margarida.
— Não interessa! desculpe, a tia não quis gritar com você. atenção, coelhinhos. todos comigo. Margaridas ali, coelhinhos aqui. lavradores daquele lado, árvores atrás. árvore, tira o dedo do nariz. Onde é que estão as fadinhas? Que xixi mais demorado!
— Eu vou chamar.
— Fique onde está, lavrador. Uma das margaridas vai chamá-las.
— Já vou.
— Você não, Margarida! Você é coelhinho. Uma das margaridas. Você. Vá chamar as fadinhas. Piratas, fiquem quietos!
— Tia, o que é que eu sou? Eu esqueci o que eu sou.
— Você é o sol. Fica ali que depois a tia… piratas, por favor!
As fadinhas começam a voltar. Com problemas. muitas se enredaram nos seus véus e não conseguem arrumá-los. Ajudam-se mutuamente mas no seu nervosismo só pioram a confusão.
— Borboletas, ajudem aqui! — pede a professora.
Mas as borboletas não ouvem. As borboletas estão etéreas. As borboletas fazem poses, fazem esvoaçar seus próprios véus e não ligam para o mundo. A professora, com a ajuda de um coelhinho amigo, de uma árvore e de um camponês, desembaraça os véus das fadinhas.
— Piratas, parem. O próximo que der um pontapé vai ser anão.
Desastre: quebrou uma ponta da lua.
— Como é que você conseguiu isso? — pergunta a professora sorrindo, sentindo que o seu sorriso deve parecer demente.
— Foi ela!
A acusada é uma camponesa gorda que gosta de distribuir tapas entre os seus inferiores.
— Não tem remédio. tira isso da cabeça e fica com os anões.
— E a minha frase?
A professora tinha esquecido. A lua tem uma fala.
— Quem diz a frase da lua é, deixa ver… o relógio.
— Quem?
— O relógio. Cadê o relógio?
— Ele não veio.
— O quê?
— Está com caxumba.
— Ai, meu Deus. Sol, você vai ter que falar pela lua. Sol, está me ouvindo?
— Eu?
— Você, sim senhor. Você é o sol. Você sabe a fala da lua?
— Me deu uma dor de barriga.
— Essa não é a frase da Lua.
— Me deu mesmo, tia. Tenho que ir embora.
— Está bem, está bem. Quem diz a frase da lua é você.
— Mas eu sou caçador.
— Eu sei que você é caçador! Mas diz a frase da lua! Eu não quero discussão!
— Mas eu não sei a frase da lua.
— Piratas, parem!
— Piratas, parem! certo?
— Eu não estava falando com você. Piratas, de uma vez por todas…
A camponesa gorda resolve tomar a justiça nas mãos e dá um croque num pirata. A classe unida avança contra a camponesa, que recua, derrubando uma árvore. As borboletas esvoaçam. Os coelhinhos estão em polvorosa. A professora grita:
— Parem! parem! A cortina vai abrir. Todos a seus lugares. Vai começar!
— Mas, tia, e a frase da lua?
— “Boa-noite, sol”.
— Boa-noite.
— Eu não estou falando com você!
— Eu não sou mais o sol?
— É. Mas eu estava dizendo a frase da lua. “Boa-noite, sol.”
— Boa-noite, sol. Boa-noite, sol. Não vou esquecer. Boa-noite, sol…
— Atenção, todo mundo! Piratas e anões nos bastidores. Quem fizer um barulho antes de entrar em cena, eu esgoelo. Coelhinhos nos seus lugares. Árvores para trás. Fadinhas, aqui. Borboletas, esperem a deixa. Margaridas, no chão.
Todos se preparam.
— Você não, Margarida! Você é o coelhinho!
Abre o pano.

Luis Fernando Verissimo

Eu odeio ter que te olhar, e fingir que não te vi...
Odeio seu cabelo, e odeio seu orgulho infantil...
Eu deio ser ignorada, mas odeio mais ainda
você dizendo que não me ignora...
Odeio ter te conhecido,mas odeio mais ainda ter me apaixonado...
Odeio seu gosto e estilo, mas adoro seu perfume.
Odeio sua indecisão, mas odeio mais ainda ter ue te pressionar para que se decida...
Eu odeio perceber que os dias passam e eu não
tenho você aqui, mas odeio mais ainda
ter que fingir que voçê não me faz fata...
Enfim odeio não ser sua, mas odeio mais ainda
querer que você seja meu...

Fee Andrades

Meu jeito de gostar é assim, infantil, exagerado e maluco. Gosto de ponta cabeça e do avesso. De cima da nuvem e debaixo da árvore. Mesmo que o sol esteja ardendo, queimando a pele. Mesmo que a chuva seja só de lágrimas. Não se assuste, então. Se o meu gostar correr pelos labirintos da alma e te florir em poesias banais. Em versos ridículos e sem qualquer sentido.

Camila Heloíse

"Que eu nunca deixe de ter essa pureza quase infantil que me faz admirar todas as coisas e querer conhecer e descobrir tudo aquilo que ainda não pude. Que essa pureza sempre me faça sentir tudo tão verdadeiramente ao ponto de sentir o amor andando pelo meu corpo e correndo pelas minhas veias."

http://osdiassemele.wordpress.com/

Florisbella

Quadro infantil

Eu chorei por não ter sapatos
pra calçar,
nem brinquedos para brincar,
nem livros para estudar.
Depois eu percebi que meu vizinho -
- uma criança raquítica e triste -
não tinha mãos para os brinquedos,
não tinha olhos para os livros,
não tinha um pão para comer,
não tinha u'a mãe para afagá-lo.
Então eu recolhi meu choro,
Olhei papai, beijei mamãe,
e nunca mais eu quis chorar.

lafayette vieira

O lado bom do ciúme

O ciúme é, na verdade, um sentimento
infantil de posse, mas, ao mesmo tempo
é a dimensão amorosa dessa posse que nos dá
a certeza de que somo amados.
Não é só o amor, é também o ciúme que nos
faz crescer.
O ciúme tem um lado egoísta quando quer ser
o centro das atenções, quando gera uma atitude
de posse egoísta é doentia, quando esmaga o
amor. Esses são aspectos que precisam ser trabalhados,
por que algum resquício da nossa
criança está-se escondendo aí.
Mas o ciúme é também o tempeiro do amor.
A regra do tempero nós, sabemos, muito bem:
Nem tanto, nem tão pouco. É o equilíbrio que
dá o sabor inesquecível.
O amor seria frustante se o amado nunca
manifestasse nenhum cuidado, nenhuma pre-
ocupação para com quem amá.

Terry Marquis Gomez

Bom,gnt é meio confuso mais eu to aki pq queria ter umm diario online é meio infantil, mais eu preciso escrever que to sentido o que as vezes ta dentro de mim mais não consigo tirar.. então essa foi a melhor forma que encontreii ..pq eu n quero um blog nem flog, espero que nem todos vejam .. hasahsuah!
geralmente eu tenho andado triste e feliz ao msm tempo sou meu estranha meio sem noção .. sou FELIZ E TRISTE..
aii to ~tão triste to com saudade de um monte de gnt, vejo em um monte de pessoas um pessoa só .. que tristee que poder falar com ele o que tenho sentido mais n posso pq ele ta namorandoo .. quando eu tava com ele n imagina que um dia esse sentimento iria explodir dentro de mim.. na verdade nem sei o que isso.. n é amor isso eu seii com certezaa .. mas n queria que ele estevisse namorando queria que ele ainda tivesse comigo .. kkkkkkk
queira poder ver ele sorrir de novo, aquele sorriso tão bonito pelo menos eu acho . rs. akele olhar dele que me deixa louca ai que saudadee ... o jeito de falar .. aff .. ai meu Deus vou ficar louca preciso ir emboraa dessa cidadee!
Ahh meu pai agora inventou de fazer da frente de casa um bar .. nossa meu pai é um mercenario faz tudo pra ganhar dinehrioo .. so pensa em dinehiro .. acho que ate me vender . kkkkkkkkkk²²
Bom . por agora é so issoo .. logo vou ter mais novidadess sobre minha vidaa pra escrever akii ..

ahh .. amo meus amigoss .. não posso falarr pq vai que alguem ver e descobre quem sou euu . kkkkkkkkk
ninguem mereceee

eu

Perto de você eu me sinto como uma criança . Me sinto boba,e muitas vezes até infantil...Talvez seja assim que você me veja.Aí eu fico aqui,tentando me fazer de gente grande perto de você.Consigo ? Tenho certeza que não.
Olho nos seus olhos e minha tentativa logo se perde,me sinto como criança mais uma vez...não conseguindo expressar nem metade do que quero te dizer.Tento arranjar conversas de gente grande pra falar com você,mas minha tentativa é em vão...Quando vejo já estamos brincando...E aí minha tentativa se perde novamente.Quando me dou conta já estamos rindo como crianças,carregando um sentimento puro como crianças carregam...

Bruna Cohen

Sinto a palavra no ar.

Apaixonada por crianças e literatura infantil procuro resgatar em mim a criança que fui ou ainda sou... Procuro não deixá-la ir embora, a alegria do simples e do natural me encanta. Gosto de criar poesia da coisa mais banal, onde não se percebe nada captura-se muito.
Quando quero poemar e historiar sinto a palavra no ar, pelo cheiro, pelo som, pelas cores, pelas formas e até sabores. Percebo com olhar de criança usando todos os meios do sentir. Prefiro as ideias das crianças que fazem sentido na ingenuidade.

Sandra Ferrari Radich

Os primeiros sinais do câncer infantil
Existem diferentes sinais pelos quais podem supor que uma criança sofra de algum câncer. A detecção de alguma alteração pode estar localizada no pescoço ou no abdômen das crianças. Ainda que haja diferentes tipos de câncer, pelo menos 85% de todos os cânceres infantis apresentam sintomas parecidos. Podemos destacar alguns:
– Anemia acompanhada de sangramentos e excesso de hematomas (manchas roxas).
– Dores de cabeça acompanhadas de alterações do sono ou do comportamento e conduta.
– Febres prolongadas e sem causa aparente.
– Dor de cabeça persistente, acompanhada de vômitos noturnos.
– Inchaço e massa abdominal anormal.
– Fadiga, perda de peso, palidez.
– Gânglios linfáticos inflamados.
– Infecções frequentes.

ABRACC - Associação Brasileira de Ajuda à Criança com Câncer ( Fight Against Children's Cancer)

Havia um tempo em que eu vivia
Um sentimento quase infantil
Havia o medo e a timidez
Todo um lado que você nunca viu

E agora eu vejo aquele beijo
Era mesmo o fim
Era o começo e o meu desejo
Se perdeu de mim

E agora eu ando correndo tanto
Procurando aquele novo lugar
Aquela festa, o que me resta é
Encontrar alguém legal pra ficar

Dailton Albuquerque

“Tudo aconteceu muito de repente. De alguma maneira eu odiava aquele jeito desastrado e infantil. Impliquei com o modo de andar e falar. Era como se eu não conseguisse não me incomodar com aquele sorriso lindo e aquele cabelo cor de jabutic
aba que passava por mim mais rápido do que as outras pessoas...
Eu sempre gostei de ser entendedora das pessoas, mas aquele tom de pele, aquela suavidade de movimentos me detinha a habilidade, me deixava confusa e sem chão. Era como se mesmo sem conhecer aquela alma profundamente, eu sabia que ela não era igual as outras, era uma alma diferente, uma alma compatível com a minha.
Se escondia atrás dos olhos verdes. Eu queria ficar longe mas alguma coisa me empurrava pra perto, me deixava com uma incerteza, uma fraqueza, uma vontade inexplicável.
Nunca senti algo tão forte antes. Era estranho sentir essa saudade inesgotável de uma pessoa que eu mal conhecia.
Depois de trocar as primeiras palavras, os primeiros sorrisos escancarados, o primeiro contato de corpos e almas, todo meu conceito mudou em um instante, eu não fazia ideia que existia alguém no mundo capaz de me deixar daquela maneira: "caçando detalhes por ai"...
Perdia o sono, perdia a voz, perdia a noção de certo e errado, tempo e espaço.
Eu tentava me afastar ou simplesmente parar de pensar naquela pessoa que parecia um vento, e passava por mim me afagando os cabelos, espalhando seu cheiro em volta de mim.
De alguma maneira eu não me imaginava mais sem aquilo. Mesmo conversando por horas falando de assuntos banais, anormais...
Em alguns dias eu já sabia: Aquilo era tudo que eu queria pra sempre.
E de repente, aquela pessoa que eu não gostava, aquele jeito que eu não admirava em ninguém se tornou minha maior fraqueza, minha fonte de força por demonstrar tanto carisma e pureza.
Me senti perdida. Como pude ser tão fraca em deixar alguém mudar a minha vida em menos de um mês ?
Eu não podia estar apaixonada, eu não devia estar apaixonada. Logo agora que havia me acostumado em espalhar pedaços do meu coração por ai, logo agora que aprendi a amar só a mim, logo agora.
Minhas forças e minhas tentativas de ficar longe não obtiveram sucesso. E isso foi uma das melhores coisas que aconteceu em minha vida (...)”

Andrezza Guedes

QUALIDADES
Alma de poeta
Sorriso infantil
Mente de atleta
Amor pueril
Extensão de mar
E curvas de rio.
Bela como a lua
Doce como o mel
firme como a rua
nobre como o céu
tem gestos de flor
e a pureza de véu.
Olhos de diamantes
Mãos de avelã
Rosto do instante
Boca de maçã
Linda interessante
Como a manhã.
É um dicionário
Cheio a verbear
O meu calendário
Pra me informar
Todo seu horario
É todo contrario
do meu desamar.

Ezhequiel Águia Queiróz

Não espere algo especial
Pois estou congelado
A única coisa que se mexe
É meu infantil coração apaixonado
Tão tímido e calmo
Mas perto de ti, desesperado

Raras pessoas o conhecem
Pois ele é muito precavido
Evitando a falsidade humana
Ele fica sempre escondido
Mas ele não sabe se esconder
Desse sorriso magnificamente lindo

Realmente eu tinha algo especial pra te falar
Mas com tão perto
Eu fico sem ar
Não sei o que fazer neste momento
Que estou à me enforcar
Com meu nobre sentimento

Realmente é ridículo como eu
Que não me acovardo diante da maldade
Não conseguir me mexer
Diante de tanta felicidade
O pior é que nenhuma de minhas armaduras
Serviu para esconder essa verdade

Só me resta então
Render-me a paixão
Confessar a você
Que você é a inspiração
Que traz vida a meu coração...

Alex Veloso

Ah, não me importo com o que dizem de mim...
Não sou criança, não sou infantil...
Eu apenas sou feliz!
Se ser maduro é não sorrir não brincar com as coisas,
Não se divertir a todo momento... Então não quero ser esse maduro, não quero viver com o semblante triste me preocupando com besteiras, não sorrir nos momentos mais difíceis, viver com gritarias e discussões, não sou assim e não serei isso para ser maduro.
Felizes são as crianças, Felizes são os infantis, pois não encontraram em si a amargura de serem adultos amargos.

Michel Nery

Trabalho escravo infantil já é outro tema. tem dois fatores aí agora,

O fator de ter a capacidade de encontrar os responsáveis pelo crime, o que em 80 % dos casos não ocorre.

E o fator vida econômica, estas crianças normalmente são de famílias que passam fome e vivem em completa miséria, se elas forem ajudar o seu corpo a se manter alimentado e vivo, e esta é a opção do resto da família deles, eu estou pouco me lixando para as crianças. sinceramente.

Lázaro Alvarenga

Estava aqui editando um vídeo de um aniversário infantil de 1997, quando começaram a passar fatos, momentos em minha mente como se fosse um filme.
Me lembro bem que no final dos anos 70, década de 80, as pessoas eram mais felizes com menos. Os padrões de beleza não eram nem corpo sarado para homens nem a ditadura da magreza para as mulheres.
Não existia bullying, apanhava, batia, ganhava apelido, colocava apelido. Havia mais respeito ao ser humano.
Hoje, a vaidade excessiva impera. Magreza, corpos sarados, abdome definido, roupas da moda, afetados querendo afetar a todos.
Será que vale a pena um corpo sarado, bronzeado, da cor do pecado, roupas da moda, badalado nas redes sociais, porém rachado, mal formado, sem conteúdo? Claro que todas as regras tem excessões, mas confesso que prefiro ficar sozinho a ficar simplesmente com um rostinho bonito sem conteúdo.

Daniel Batista Junior

DERROTADO E FELIZ

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Depois de ler para Júlia, um clássico infantil que narra a história do pai coelho e seu filho, que trocam declarações de amor mensurando medidas e distâncias*, romântica e descaradamente resolvo plagiar: Digo para minha filha, que o meu amor por ela é maior do que o mundo. Não; do que o mundo, não. Na verdade, maior do que a via láctea.
Como que a incorporar o coelhinho da história, ela me olha pensativa. Orgulhosa, nem me pergunta o que é via láctea. Tira sua cabeça do conforto de meu colo, senta, e com voz tão doce como desafiadora, mostra quem manda nessa questão.
- Olha, pai; eu te amo mais do que o céu! Não, do que o céu, não! Eu te amo mais do que tudo aquilo que os coelhos disseram, e mais do que tudo isso que você ia dizer depois de mim!
Derrotado e feliz; tão feliz quanto aquele coelho pai, não falei mais nada. De fato, a minha filha me ama muito... E também é muito competitiva.

* Referência à fábula ADIVINHA O QUANTO TE AMO, de Sam Mc Bratney

Demétrio Sena - Magé-RJ.

Que o medo de ser ridicula e infantil não invada minha ética, mesmo que eu já esteja calejada, que eu já não tenha cheiro de menina, ou que já tenha recebido cartas de má respostas, cartas que cobram, cartas de mentirinha, e até cartas devolvidas.

Texto Uma carta de amor para o destinatário certo

Srta Fê