Texto Infantil

Cerca de 81 texto Infantil

Amor é quando você acha que a pessoa com quem você se relacionava era egoísta, possessiva e infantilóide e isso não reduz em nada a sua saudade, não impede que a coisa que você mais gostaria neste instante é de estar tocando os cabelos daquela egoísta, possessiva e infantilóide. Amor é quando você sabe tintim por tintim as razões que impedem o seu relacionamento de dar certo, é quando você tem certeza de que seriam muito infelizes juntos, é quando você não tem a menor esperança de um milagre acontecer, e essa sensatez toda não impede de fazê-lo chorar escondido quando ouve uma música careta que lembra os seus 14 anos, quando você acreditava em milagres.

Martha Medeiros

peça infantil luís fernando veríssimo a pr…
18 Dezembro, 2002 in Sem categoria


peça infantil

luís fernando veríssimo

a professora começa a se arrepender de ter concordado (”você é a única que tem temperamento para isto”) em dirigir a peça quando uma das fadinhas anuncia que precisa fazer xixi. é como um sinal. todas as fadinhas decidem que precisam, urgentemente, fazer xixi.

— está bem, mas só as fadinhas — diz a professora. — e uma de cada vez!

mas as fadinhas vão em bando para o banheiro.

— uma de cada vez! uma de cada vez! e você, onde é que pensa que vai?

— ao banheiro.

— não vai, não.

— mas tia…

— em primeiro lugar, o banheiro já está cheio. em segundo lugar, você não é fadinha, é caçador. volte para o seu lugar.

um pirata chega atrasado e com a notícia de que sua mãe não conseguiu terminar a capa. serve uma toalha?

— não. você vai ser o único de capa branca. é melhor tirar o tapa-olho e ficar de anão. vai ser um pouco engraçado, oito anões, mas tudo bem. por que você está chorando?

— eu não quero ser anão.

— então fica de lavrador.

— posso ficar com o tapa-olho?

— pode. um lavrador de tapa-olho, tudo bem.

— tia, onde é que eu fico?

é uma margarida.

— você fica ali.

a professora se dá conta de que as margaridas estão desorganizadas.

— atenção, margaridas! todas ali. você não. você é coelhinho.

— mas meu nome é margarida.

— não interessa! desculpe, a tia não quis gritar com você. atenção, coelhinhos. todos comigo. margaridas ali, coelhinhos aqui. lavradores daquele lado, árvores atrás. árvore, tira o dedo do nariz. onde é que estão as fadinhas? que xixi mais demorado!

— eu vou chamar.

— fique onde está, lavrador. uma das margaridas vai chamá-las.

— já vou.

— você não, margarida! você é coelhinho. uma das margaridas. você. vá chamar as fadinhas. piratas, fiquem quietos!

— tia, o que é que eu sou? eu esqueci o que eu sou.

— você é o sol. fica ali que depois a tia… piratas, por favor!

as fadinhas começam a voltar. com problemas. muitas se enredaram nos seus véus e não conseguem arrumá-los. ajudam-se mutuamente mas no seu nervosismo só pioram a confusão.

— borboletas, ajudem aqui! — pede a professora.

mas as borboletas não ouvem. as borboletas estão etéreas. as borboletas fazem poses, fazem esvoaçar seus próprios véus e não ligam para o mundo. a professora, com a ajuda de um coelhinho amigo, de uma árvore e de um camponês, desembaraça os véus das fadinhas.

— piratas, parem. o próximo que der um pontapé vai ser anão.

desastre: quebrou uma ponta da lua.

— como é que você conseguiu isso? — pergunta a professora sorrindo, sentindo que o seu sorriso deve parecer demente.

— foi ela!

a acusada é uma camponesa gorda que gosta de distribuir tapas entre os seus inferiores.

— não tem remédio. tira isso da cabeça e fica com os anões.

— e a minha frase?

a professora tinha esquecido. a lua tem uma fala.

— quem diz a frase da lua é, deixa ver… o relógio.

— quem?

— o relógio. cadê o relógio?

— ele não veio.

— o quê?

— está com caxumba.

— ai, meu deus. sol, você vai ter que falar pela lua. sol, está me ouvindo?

— eu?

— você, sim senhor. você é o sol. você sabe a fala da lua?

— me deu uma dor de barriga.

— essa não é a frase da Lua.

— me deu mesmo, tia. tenho que ir embora.

— está bem, está bem. quem diz a frase da lua é você.

— mas eu sou caçador.

— eu sei que você é caçador! mas diz a frase da lua! eu não quero discussão!

— mas eu não sei a frase da lua.

— piratas, parem!

— piratas, parem! certo?

— eu não estava falando com você. piratas, de uma vez por todas…

a camponesa gorda resolve tomar a justiça nas mãos e dá um croque num pirata. a classe unida avança contra a camponesa, que recua, derrubando uma árvore. as borboletas esvoaçam. os coelhinhos estão em polvorosa. a professora grita:

— parem! parem! a cortina vai abrir. todos a seus lugares. vai começar!

— mas, tia, e a frase da lua?

— “boa-noite, sol”.

— boa-noite.

— eu não estou falando com você!

— eu não sou mais o sol?

— é. mas eu estava dizendo a frase da lua. “boa-noite, sol.”

— boa-noite, sol. boa-noite, sol. não vou esquecer. boa-noite, sol…

— atenção, todo mundo! piratas e anões nos bastidores. quem fizer um barulho antes de entrar em cena, eu esgoelo. coelhinhos nos seus lugares. árvores para trás. fadinhas, aqui. borboletas, esperem a deixa. margaridas, no chão.

todos se preparam.

— você não, margarida! você é o coelhinho!

abre o pano.

texto publicado em homenagem às professoras do meu

Luis Fernando Veríssimo

Eu odeio ter que te olhar, e fingir que não te vi...
Odeio seu cabelo, e odeio seu orgulho infantil...
Eu deio ser ignorada, mas odeio mais ainda
você dizendo que não me ignora...
Odeio ter te conhecido,mas odeio mais ainda ter me apaixonado...
Odeio seu gosto e estilo, mas adoro seu perfume.
Odeio sua indecisão, mas odeio mais ainda ter ue te pressionar para que se decida...
Eu odeio perceber que os dias passam e eu não
tenho você aqui, mas odeio mais ainda
ter que fingir que voçê não me faz fata...
Enfim odeio não ser sua, mas odeio mais ainda
querer que você seja meu...

Fee Andrades

Louca? Extremista? Infantil? Impulsiva? Imatura? Mimada? Lunática? Quem são vocês para acharem isso de mim? Me rotularem dessa maneira tão...tão... simplista?

Às vezes tenho a impressão de que sou um conjunto de extremos. Tudo concentrado em mim, um ser que poderia facilmente ser confundido com uma bomba relógio.

O tipo que quer muito hoje, com toda intensidade, com alma, coração, mente, corpo…e que amanhã já não sabe se quer mais. O tipo que ama e odeia ao mesmo tempo, que quer abraçar e quer dar uns tapas em seguida. O tipo que se alimenta com arrepios, coração acelerado e frio na barriga; e que morre de fome com a rotina, o raso, o comum, o simplista…aliás, isso me enfraquece, quase me mata. O tipo que respira melhor quando algo tira o ar, que gosta de perder o fôlego. Que não tem vergonha de sentir, não tem vergonha de ser, de falar, mesmo pagando um alto preço por isso. O tipo que se entrega, que se joga e fatalmente algumas vezes se arrebenta, mas que depois levanta, com dor e tenta mais uma vez. Estranho, não? Será por que sou masoquista? Uma pessoa tonta? É, pode ser. Mas sobretudo sou assim porque eu acredito, porque quando eu quero - EU QUERO, porque meu maior medo não é sofrer tentando e sim perder a oportunidade de ser feliz por nem tentar... e viver na angústia eterna de um "Se...". O tipo que não tem medo de inimigos, porque sabe que nenhum deles é pior do que o meu maior: eu mesma.

Estou cheia, absurdamente cheia, extremamente cheia de mim.

Tainah Ferreira

23 de Novembro Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil.
Entre os principais objetivos que culminaram na criação dessa data estão estímulo a ações educativas e preventivas associadas à doença, promoção de debates e outros eventos sobre as políticas públicas de atenção integral às crianças com câncer, difusão dos avanços técnico-científicos relacionados com a doença e promoção de apoio para crianças e seus familiares.

ABRACC ASSOCIAÇÃO BRA. AJUDA CRIANÇA COM CÂNCER

Sobre o Levantar Questões

Por Charles Haddon Spurgeon

Em nossos dias, uma fé simples, infantil, é muito rara; mas a coisa mais comum é não crer em nada, e questionar tudo. Dúvidas são tão comuns quanto jabuticabas em temporada, e todas as mãos e lábios estão cheias delas. A mim me parece muito estranho que os homens devam caçar dificuldades para sua própria salvação. Se eu estivesse condenado à morte, e tivesse uma chance de misericórdia, estou certo de que não ficaria procurando razões para que eu não fosse perdoado. Eu deixaria este trabalho para os meus inimigos: meu olhar estaria numa direção bem diferente. Se eu estivesse me afogando, eu iria pegar qualquer coisa que aparecesse, ao invés de lançar o salva-vidas para longe de mim. Raciocinar contra a própria vida é algum tipo de suicídio construtivo do qual somente um homem bêbado poderia ser culpado. Argumentar contra sua própria esperança é como um homem tolo sentado num tronco, e cortando-o de forma que ele mesmo caia. Quem a não ser um insensato faria isso? Ainda assim muitos parecem ser os promotores da própria ruína. Eles buscam na Bíblia textos ameaçadores; e quando estão fartos disso, eles se voltam à razão, e filosofia, e ceticismo, a fim de fecharem a porta em suas próprias caras. Certamente é um péssimo trabalho para um homem sensível.
Muitos hoje que não conseguem ficar sem pensar em religião, são capazes de repelir a pressão inconveniente da consciência ao fazer piada das grandes verdades da revelação. Grandes mistérios estão no Livro de Deus por necessidade; pois como pode o Deus infinito falar de forma que todos os Seus pensamentos possam ser percebidos pelo homem finito? Mas está à altura do tolo ficar discutindo estas coisas profundas, e deixar as claras e salvadoras verdades em pendência. Lembram dois filósofos que debatiam sobre comida, e deixaram a mesa sem tocar em nada. Enquanto que o homem do campo não fez nenhuma questão, mas usou sua faca e garfo com grande diligência, e se regozijou. Muitos estão hoje felizes no Senhor por receberem o evangelho como criancinhas; enquanto que outros, que sempre conseguem ver dificuldades, ou inventá-las, estão muito longe de qualquer esperança confortável de salvação.
Eu conheço muitas pessoas decentes que resolveram nunca vir a Cristo até que entendam como a doutrina da eleição pode ser coerente com os convites livres do evangelho. Eu talvez resolva também nunca comer um pedaço de pão novamente até que fique claro como Deus me mantém vivo, e ainda assim eu tenha de comer para viver. O fato é que, a maioria de nós sabe o suficiente, e a nossa real necessidade não é luz na mente, mas a verdade no coração; não ajuda criar dificuldades, mas ter graça para que odiemos o pecado e busquemos reconciliação.
Aqui deixe-me adicionar um aviso contra adulterar a Palavra de Deus. Nenhum hábito pode ser pior à alma. É impertinência, frieza desdenhosa se sentar e corrigir o seu Criador, o que tende a tornar o coração mais duro do que a pedra de moinho. Lembramos de alguém que usava um canivete em sua Bíblia, e não muito depois ele havia deixado todas as suas crenças. O espírito de reverência é saudável, mas a impertinência de criticar a Palavra inspirada é destrutiva de todos os sentimentos adequados para com Deus.
Se um homem sentir mesmo sua necessidade de um Salvador depois de tratar as Escrituras com um espírito orgulhoso e crítico, ele está bem apto a ver sua consciência no meio do caminho, e o impedindo a confortá-lo pela lembrança dos seus maus tratos à sacra Palavra. É difícil para ele achar consolação nas passagens da Bíblia que ele tratou com desprezo, ou mesmo anulou por completo, como indigna de consideração. Em sua aflição lhe parece que os textos sagrados riem de sua calamidade. Quando vierem os tempos de necessidade, as fontes que ele interrompeu com pedras não mais jorrarão água para sua sede. Cuidado, quando você despreza as Escrituras, para que não jogue fora o único amigo que pode lhe ajudar nos tempos de agonia.
Certo duque alemão estava acostumado a chamar seu servo para ler um capítulo da Bíblia para ele todas as manhãs. Sempre que algo não se adequava ao seu julgamento, ele simplesmente mandava, “Hans, tire isso fora”. Depois que Hans tinha lido já por muito tempo, ele apalpou o Livro, até que o seu mestre o chamou, “Hans, porque você não lê?” Então Hans respondeu, “Senhor, há muito pouca coisa sobrando. Está tudo dilacerado!” Um dia as objeções de seu mestre iam para um lado, e no outro dia viravam para outro, e outro grupo de passagens era apagado, até que não havia nada mais para instruí-lo ou confortá-lo. Que nós não destruamos nossas próprias misericórdias por criticismo caprichoso. Ainda havemos de precisar dessas promessas que parecem desnecessárias; e essas porções das Sagradas Letras que foram mais atacadas por céticos ainda se provarão essenciais às nossas próprias vidas: assim guardemos o tesouro inestimável da Bíblia, e nos resolvamos a não abandonar uma linha sequer do mesmo. Que temos nós que ver com questões misteriosas enquanto nossas almas estão em perigo? A forma de se escapar do pecado está bem clara. O homem objetivo, ainda que tolo, não falharia nisso. Deus não zombou de nós mandando uma salvação que não podemos entender. CREIA E VIVA é um mandamento que uma criança pode compreender e obedecer.

“Não duvide mais, mas agora creia
Não questione, mas receba
Hábeis dúvidas e raciocínios vãos
Estão cravados com Jesus no madeiro.”

Ao invés de objetar caprichosamente as Escrituras, o homem que é dirigido pelo Espírito de Deus se aproximará do Senhor Jesus de uma vez. Visto que milhares de pessoas decentes e inteligentes – pessoas do melhor caráter também – estão confiando tudo a Jesus, ele fará o mesmo, e o fará sem demora. Então ele começa a viver uma vida que vale a pena, e ele o teria feito ainda que com medo. Ele deve adquirir aquela vida melhor e mais elevada, que nasce do amor por Jesus, o Salvador. Porque o leitor não o faria agora? Oh, que ele faça!
Um açougueiro de Newark, Nova Jersey, recebeu uma carta de sua antiga casa na Alemanha, notificando que ele, pela morte de um parente, se tornou herdeiro de uma considerável quantia em dinheiro. Ele estava cortando um porco no momento. Depois de ler a carta, ele imediatamente tirou seu avental sujo e não parou para terminar e cortar o porco em salsichas, mas deixou o açougue para se preparar para ir para sua casa na Alemanha. Você o culpa, ou você quereria que ele ficasse ainda em Newark com o porco e a faca? Veja aqui a operação da fé. O açougueiro creu no que lhe havia sido dito, e agiu a respeito disso de uma vez.
Deus enviou Sua mensagem aos homens, contando-lhes as boas novas da salvação. Quando um homem crê que as boas novas são verdade, ele aceita as bênçãos que lhe são anunciadas e se apressa a agarrá-las.
Se ele realmente crê, ele irá imediatamente receber a Cristo, e deixará seus maus caminhos, e se dirigirá à Cidade Celestial, onde há toda sorte de bênçãos para serem usufruídas. Se o homem pudesse ver o que realmente é o pecado, ele fugiria dele como de uma serpente mortal, e se regozijaria de ser livre dele por Cristo Jesus.
Charles Haddon Spurgeon

Charles Haddon Spurgeon

Amor de Juventude

Ontem, quando era criança
Te conheci, logo me apaixonei
Aquele amor infantil sem malícias
Só o puro amor inocente.

Mas por ironia do destino
Tu tiveste que ir embora.
Chorei várias noites sem
Querer acreditar que tu te foras.

Hoje sou jovem, mas nunca
Te esqueci. Pois guardo comigo
A certeza de te encontra
Só te amo e a ninguém mais.

Me alegrei, pois Deus tinha um plano
Na nossa vida, era ele...
De nós ficarmos juntos até morrer.
Te encontrei para nunca mais te perder.

Amanhã tenho certeza que
O meu amor de juventude
Se multiplicará entre ti
E os nossos filhos.

Já casados e com
O nosso sonho realizado.

Te amo, minha Evangeline!

Álvaro Carvalho

“Tudo aconteceu muito de repente. De alguma maneira eu odiava aquele jeito desastrado e infantil. Impliquei com o modo de andar e falar. Era como se eu não conseguisse não me incomodar com aquele sorriso lindo e aquele cabelo cor de jabutic
aba que passava por mim mais rápido do que as outras pessoas...
Eu sempre gostei de ser entendedora das pessoas, mas aquele tom de pele, aquela suavidade de movimentos me detinha a habilidade, me deixava confusa e sem chão. Era como se mesmo sem conhecer aquela alma profundamente, eu sabia que ela não era igual as outras, era uma alma diferente, uma alma compatível com a minha.
Se escondia atrás dos olhos verdes. Eu queria ficar longe mas alguma coisa me empurrava pra perto, me deixava com uma incerteza, uma fraqueza, uma vontade inexplicável.
Nunca senti algo tão forte antes. Era estranho sentir essa saudade inesgotável de uma pessoa que eu mal conhecia.
Depois de trocar as primeiras palavras, os primeiros sorrisos escancarados, o primeiro contato de corpos e almas, todo meu conceito mudou em um instante, eu não fazia ideia que existia alguém no mundo capaz de me deixar daquela maneira: "caçando detalhes por ai"...
Perdia o sono, perdia a voz, perdia a noção de certo e errado, tempo e espaço.
Eu tentava me afastar ou simplesmente parar de pensar naquela pessoa que parecia um vento, e passava por mim me afagando os cabelos, espalhando seu cheiro em volta de mim.
De alguma maneira eu não me imaginava mais sem aquilo. Mesmo conversando por horas falando de assuntos banais, anormais...
Em alguns dias eu já sabia: Aquilo era tudo que eu queria pra sempre.
E de repente, aquela pessoa que eu não gostava, aquele jeito que eu não admirava em ninguém se tornou minha maior fraqueza, minha fonte de força por demonstrar tanto carisma e pureza.
Me senti perdida. Como pude ser tão fraca em deixar alguém mudar a minha vida em menos de um mês ?
Eu não podia estar apaixonada, eu não devia estar apaixonada. Logo agora que havia me acostumado em espalhar pedaços do meu coração por ai, logo agora que aprendi a amar só a mim, logo agora.
Minhas forças e minhas tentativas de ficar longe não obtiveram sucesso. E isso foi uma das melhores coisas que aconteceu em minha vida (...)”

Andrezza Guedes

As vezes paro e penso.. O que tenho de errado? por que será que as pessoas me chamam de infantil? por que todos me chamam de criança?
É vai ver sou criança mesmo, gosto de brincar, ver os outros feliz, sorrindo, as vezes exagero e até me sinto mal comigo mesmo.
Não gosto de magoar ninguém, sou daqueles que pede desculpa por tudo mesmo não estando errado.
Se alguém estiver chorando, vou fazer palhaçada, vou tentar animar, vou fazer o que puder pra não ter tristeza.
Talvez eu seja louco, infantil, criança, bobo, dramático, mas odeio ver os outros triste, e mesmo eu estando mal vou sorrir.
Sorriso e tristeza pra mim é igual doença, contagia, se eu estiver sorrindo tenho certeza que vou ganhar sorrisos, se eu estiver triste, tenho certeza que vão me chamar de dramático e vão acabar ficando triste comigo.
Mas comigo não tem choro, sempre que posso jogo um sorriso ali, outro aqui, pro ar, pros lados. Afinal, a vida é feita de sorrisos.
Quando estou triste, coisa que é muito difícil ... não gosto de demonstrar, fico sozinho em casa no meu quarto, choro, desabo, ou procuro alguém de confiança, mas isso é muito difícil, porque as pessoas costumam me ver feliz, e quem não costuma me ver acha que estou fazendo cena ou drama.
Mas não vou desanimar, sempre vou ter esse meu jeito, vou ser o palhaço da turma, vou tentar fazer todos sorrir, e mesmo que eu seja rejeitado ou chamado de criança vou insistir até levar uma patada e sossegar.
Não tenho culpa se a felicidade nasceu dentro de mim, gosto de coisas simples, coisas que a infância tem.
Vou ser uma eterna criança, com 20, 30, 40, 50 anos não importa, vou continuar sendo o que sou e não vou mudar por ninguém.
Quer me chamar de criança? chame, eu amo.
As vezes acho até que não tive infância hahahaha...
Sou um palhaço feliz, mas todo palhaço também tem seu lado triste, então cuidado com as coisas que me falam, sou desse jeito louco, mas também tenho sentimentos e me machuco fácil.

Wagner Pereira

Sinto a palavra no ar.

Apaixonada por crianças e literatura infantil procuro resgatar em mim a criança que fui ou ainda sou... Procuro não deixá-la ir embora, a alegria do simples e do natural me encanta. Gosto de criar poesia da coisa mais banal, onde não se percebe nada captura-se muito.
Quando quero poemar e historiar sinto a palavra no ar, pelo cheiro, pelo som, pelas cores, pelas formas e até sabores. Percebo com olhar de criança usando todos os meios do sentir. Prefiro as ideias das crianças que fazem sentido na ingenuidade.

Sandra Ferrari Radich

Os primeiros sinais do câncer infantil
Existem diferentes sinais pelos quais podem supor que uma criança sofra de algum câncer. A detecção de alguma alteração pode estar localizada no pescoço ou no abdômen das crianças. Ainda que haja diferentes tipos de câncer, pelo menos 85% de todos os cânceres infantis apresentam sintomas parecidos. Podemos destacar alguns:
– Anemia acompanhada de sangramentos e excesso de hematomas (manchas roxas).
– Dores de cabeça acompanhadas de alterações do sono ou do comportamento e conduta.
– Febres prolongadas e sem causa aparente.
– Dor de cabeça persistente, acompanhada de vômitos noturnos.
– Inchaço e massa abdominal anormal.
– Fadiga, perda de peso, palidez.
– Gânglios linfáticos inflamados.
– Infecções frequentes.

ABRACC - Associação Brasileira de Ajuda à Criança com Câncer ( Fight Against Children's Cancer)

Poesia infantil

"O sonho do sol"

Quando a noite chega
A lua se apronta
Para contar histórias
Ela está sempre pronta.

O sol deita nas nuvens
Tal qual nas telhas
Da terra que dorme
Repleta de estrelas

Descansa tranquilo
E se cobre do céu
Que durante a noite
Vira um lindo véu

A lua incandescente
No lugar do sol brilha
Enquanto o véu de estrelas
Faz trilha pra mais de milha.

Para o sonho do sol!

Sandra Ferrari Radich

POESIA INFANTIL

Gluglu, Glup e Gluca

Gluglu, Glupp e Gluca são três amigas bolhas que vivem a brincar
Atravessam terras, mares e ares a colorirem qualquer lugar
Gluglu a bolha de sabão quica na mão e explode no chão
Glupp a bolha de ar que só sabe sonhar e some no ar
Gluca vai para o mar. São três bolhas de sabão

Gluglu vive a quicar, Glupp a flutuar e Gluca a nadar
Gluglu quica na mão muito bem, ela faz schablu!
Explode no chão schablublublu feliz a brincar
Glupp adora sumir, ela faz schabluppu!
schabluppuppu! Se solta no ar

As bolhas ficam no maior blumblumblum
Gluca vai mais longe, quer só viajar
Ela vai nadar e faz sclaschablum
Bolha de ar mergulha no mar
sclachablumblumblum

Elas têm de sobra imaginação
Pra onde bem entendem, vão
Quica no mar quicabarcar,
Quica no chão quicabão,
Quica no ar quicabar,

Gluglu a mão, Glupp ao ar
Gluca no mar, quiçaça
Ahh, não! Sumiram
por favor não vá
Explodiram

Gluglu schagluglugu
Glupp Schablupu
Gluca sclablaca
Glupa, glupu
glum

quiçá não vá
glupp, glup
gluupp...
aah!
ah!

g
l
u
p
p
.

Sandra Ferrari Radich

Poesia infantil

Lápis de cor

Para mergulhar num universo de cores
Bastam o lápis de cor e a imaginação
Os tons lembram tudo, até sabores
As idéias vem do coração
É só tê-los nas mãos.
De forma colorida
Fazer da vida
Invenção
Sonhar
Ser
Voar,
Encantar
Poder ir voltar
Delicia de criação
Só quem faz pode entender.
As imagens surgem de um olhar
Cruza a mais pura e simples intenção
E de forma natural e fácil, tem o poder
De colorirem felizes a mais pura emoção.

Sandra Ferrari Radich

Me vê chorando?
"Forte, fraco, injusto, indiferente, imaturo, infantil, mentiroso, imperfeito, perigoso e complicado, assim é o amor que entendemos. Sobretudo, sei que quer me ver chorando... Porém, acredite! Choro todas as noites quando penso em nós dois, e é isso que faz minha alma respirar, meu coração pulsar. Enfim, mas por que só agora percebeu que também choro? E agora, me vê chorando? Se é assim, vou chorar quantas vezes for preciso para provar que te amo".
Fagner Carvalho:.

Fagner Carvalho

"E logo não será mais as mesmas coisas,
não verão mais o rosto pálido, nem a voz infantil
não saberão dos versos, nem dos risos singelos.
e a imagem se apagara da memoria, aos poucos,
não verá poemas da lua e seu fardo iluminado,
nem sobre dores e lembranças, tudo ficara perdido em algum lugar,
no silencio de uma era confusa, dentro do coração,
preso na alma, de onde nunca deveria ter saído."

Gerlany Simioni

Havia um tempo em que eu vivia
Um sentimento quase infantil
Havia o medo e a timidez
Todo um lado que você nunca viu

E agora eu vejo aquele beijo
Era mesmo o fim
Era o começo e o meu desejo
Se perdeu de mim

E agora eu ando correndo tanto
Procurando aquele novo lugar
Aquela festa, o que me resta é
Encontrar alguém legal pra ficar

Dailton Albuquerque

Sou apenas uma alma infantil em um corpo de um homem , com uma mente maldosa , mais com um olha doce e meigo , Com vários medos e incertezas , com vários objetivos e
com muitas ideias absurda , sempre com o pé no chão e com escolha firmes vou seguindo a vida da maneira que ela me leva , sem olhar para trás sem tentar me decepcionar mais ainda do que já estou , e se outrora eu cair ,já serei forte o suficiente para me reerguer , pois já vivi por muitas coisas que a vida me ofereceu no docorrer da minha vida , desde de quando eu nasci

KiimDaarc

Ah, não me importo com o que dizem de mim...
Não sou criança, não sou infantil...
Eu apenas sou feliz!
Se ser maduro é não sorrir não brincar com as coisas,
Não se divertir a todo momento... Então não quero ser esse maduro, não quero viver com o semblante triste me preocupando com besteiras, não sorrir nos momentos mais difíceis, viver com gritarias e discussões, não sou assim e não serei isso para ser maduro.
Felizes são as crianças, Felizes são os infantis, pois não encontraram em si a amargura de serem adultos amargos.

Michel Nery

O lado bom do ciúme

O ciúme é, na verdade, um sentimento
infantil de posse, mas, ao mesmo tempo
é a dimensão amorosa dessa posse que nos dá
a certeza de que somo amados.
Não é só o amor, é também o ciúme que nos
faz crescer.
O ciúme tem um lado egoísta quando quer ser
o centro das atenções, quando gera uma atitude
de posse egoísta é doentia, quando esmaga o
amor. Esses são aspectos que precisam ser trabalhados,
por que algum resquício da nossa
criança está-se escondendo aí.
Mas o ciúme é também o tempeiro do amor.
A regra do tempero nós, sabemos, muito bem:
Nem tanto, nem tão pouco. É o equilíbrio que
dá o sabor inesquecível.
O amor seria frustante se o amado nunca
manifestasse nenhum cuidado, nenhuma pre-
ocupação para com quem amá.

Terry Marquis Gomez