Texto Infantil

Cerca de 92 texto Infantil

Amor é quando você acha que a pessoa com quem você se relacionava era egoísta, possessiva e infantilóide e isso não reduz em nada a sua saudade, não impede que a coisa que você mais gostaria neste instante é de estar tocando os cabelos daquela egoísta, possessiva e infantilóide. Amor é quando você sabe tintim por tintim as razões que impedem o seu relacionamento de dar certo, é quando você tem certeza de que seriam muito infelizes juntos, é quando você não tem a menor esperança de um milagre acontecer, e essa sensatez toda não impede de fazê-lo chorar escondido quando ouve uma música careta que lembra os seus 14 anos, quando você acreditava em milagres.

Martha Medeiros

peça infantil luís fernando veríssimo a pr…
18 Dezembro, 2002 in Sem categoria


peça infantil

luís fernando veríssimo

a professora começa a se arrepender de ter concordado (”você é a única que tem temperamento para isto”) em dirigir a peça quando uma das fadinhas anuncia que precisa fazer xixi. é como um sinal. todas as fadinhas decidem que precisam, urgentemente, fazer xixi.

— está bem, mas só as fadinhas — diz a professora. — e uma de cada vez!

mas as fadinhas vão em bando para o banheiro.

— uma de cada vez! uma de cada vez! e você, onde é que pensa que vai?

— ao banheiro.

— não vai, não.

— mas tia…

— em primeiro lugar, o banheiro já está cheio. em segundo lugar, você não é fadinha, é caçador. volte para o seu lugar.

um pirata chega atrasado e com a notícia de que sua mãe não conseguiu terminar a capa. serve uma toalha?

— não. você vai ser o único de capa branca. é melhor tirar o tapa-olho e ficar de anão. vai ser um pouco engraçado, oito anões, mas tudo bem. por que você está chorando?

— eu não quero ser anão.

— então fica de lavrador.

— posso ficar com o tapa-olho?

— pode. um lavrador de tapa-olho, tudo bem.

— tia, onde é que eu fico?

é uma margarida.

— você fica ali.

a professora se dá conta de que as margaridas estão desorganizadas.

— atenção, margaridas! todas ali. você não. você é coelhinho.

— mas meu nome é margarida.

— não interessa! desculpe, a tia não quis gritar com você. atenção, coelhinhos. todos comigo. margaridas ali, coelhinhos aqui. lavradores daquele lado, árvores atrás. árvore, tira o dedo do nariz. onde é que estão as fadinhas? que xixi mais demorado!

— eu vou chamar.

— fique onde está, lavrador. uma das margaridas vai chamá-las.

— já vou.

— você não, margarida! você é coelhinho. uma das margaridas. você. vá chamar as fadinhas. piratas, fiquem quietos!

— tia, o que é que eu sou? eu esqueci o que eu sou.

— você é o sol. fica ali que depois a tia… piratas, por favor!

as fadinhas começam a voltar. com problemas. muitas se enredaram nos seus véus e não conseguem arrumá-los. ajudam-se mutuamente mas no seu nervosismo só pioram a confusão.

— borboletas, ajudem aqui! — pede a professora.

mas as borboletas não ouvem. as borboletas estão etéreas. as borboletas fazem poses, fazem esvoaçar seus próprios véus e não ligam para o mundo. a professora, com a ajuda de um coelhinho amigo, de uma árvore e de um camponês, desembaraça os véus das fadinhas.

— piratas, parem. o próximo que der um pontapé vai ser anão.

desastre: quebrou uma ponta da lua.

— como é que você conseguiu isso? — pergunta a professora sorrindo, sentindo que o seu sorriso deve parecer demente.

— foi ela!

a acusada é uma camponesa gorda que gosta de distribuir tapas entre os seus inferiores.

— não tem remédio. tira isso da cabeça e fica com os anões.

— e a minha frase?

a professora tinha esquecido. a lua tem uma fala.

— quem diz a frase da lua é, deixa ver… o relógio.

— quem?

— o relógio. cadê o relógio?

— ele não veio.

— o quê?

— está com caxumba.

— ai, meu deus. sol, você vai ter que falar pela lua. sol, está me ouvindo?

— eu?

— você, sim senhor. você é o sol. você sabe a fala da lua?

— me deu uma dor de barriga.

— essa não é a frase da Lua.

— me deu mesmo, tia. tenho que ir embora.

— está bem, está bem. quem diz a frase da lua é você.

— mas eu sou caçador.

— eu sei que você é caçador! mas diz a frase da lua! eu não quero discussão!

— mas eu não sei a frase da lua.

— piratas, parem!

— piratas, parem! certo?

— eu não estava falando com você. piratas, de uma vez por todas…

a camponesa gorda resolve tomar a justiça nas mãos e dá um croque num pirata. a classe unida avança contra a camponesa, que recua, derrubando uma árvore. as borboletas esvoaçam. os coelhinhos estão em polvorosa. a professora grita:

— parem! parem! a cortina vai abrir. todos a seus lugares. vai começar!

— mas, tia, e a frase da lua?

— “boa-noite, sol”.

— boa-noite.

— eu não estou falando com você!

— eu não sou mais o sol?

— é. mas eu estava dizendo a frase da lua. “boa-noite, sol.”

— boa-noite, sol. boa-noite, sol. não vou esquecer. boa-noite, sol…

— atenção, todo mundo! piratas e anões nos bastidores. quem fizer um barulho antes de entrar em cena, eu esgoelo. coelhinhos nos seus lugares. árvores para trás. fadinhas, aqui. borboletas, esperem a deixa. margaridas, no chão.

todos se preparam.

— você não, margarida! você é o coelhinho!

abre o pano.

texto publicado em homenagem às professoras do meu

Luis Fernando Veríssimo

Eu odeio ter que te olhar, e fingir que não te vi...
Odeio seu cabelo, e odeio seu orgulho infantil...
Eu deio ser ignorada, mas odeio mais ainda
você dizendo que não me ignora...
Odeio ter te conhecido,mas odeio mais ainda ter me apaixonado...
Odeio seu gosto e estilo, mas adoro seu perfume.
Odeio sua indecisão, mas odeio mais ainda ter ue te pressionar para que se decida...
Eu odeio perceber que os dias passam e eu não
tenho você aqui, mas odeio mais ainda
ter que fingir que voçê não me faz fata...
Enfim odeio não ser sua, mas odeio mais ainda
querer que você seja meu...

Fee Andrades

“Tudo aconteceu muito de repente. De alguma maneira eu odiava aquele jeito desastrado e infantil. Impliquei com o modo de andar e falar. Era como se eu não conseguisse não me incomodar com aquele sorriso lindo e aquele cabelo cor de jabutic
aba que passava por mim mais rápido do que as outras pessoas...
Eu sempre gostei de ser entendedora das pessoas, mas aquele tom de pele, aquela suavidade de movimentos me detinha a habilidade, me deixava confusa e sem chão. Era como se mesmo sem conhecer aquela alma profundamente, eu sabia que ela não era igual as outras, era uma alma diferente, uma alma compatível com a minha.
Se escondia atrás dos olhos verdes. Eu queria ficar longe mas alguma coisa me empurrava pra perto, me deixava com uma incerteza, uma fraqueza, uma vontade inexplicável.
Nunca senti algo tão forte antes. Era estranho sentir essa saudade inesgotável de uma pessoa que eu mal conhecia.
Depois de trocar as primeiras palavras, os primeiros sorrisos escancarados, o primeiro contato de corpos e almas, todo meu conceito mudou em um instante, eu não fazia ideia que existia alguém no mundo capaz de me deixar daquela maneira: "caçando detalhes por ai"...
Perdia o sono, perdia a voz, perdia a noção de certo e errado, tempo e espaço.
Eu tentava me afastar ou simplesmente parar de pensar naquela pessoa que parecia um vento, e passava por mim me afagando os cabelos, espalhando seu cheiro em volta de mim.
De alguma maneira eu não me imaginava mais sem aquilo. Mesmo conversando por horas falando de assuntos banais, anormais...
Em alguns dias eu já sabia: Aquilo era tudo que eu queria pra sempre.
E de repente, aquela pessoa que eu não gostava, aquele jeito que eu não admirava em ninguém se tornou minha maior fraqueza, minha fonte de força por demonstrar tanto carisma e pureza.
Me senti perdida. Como pude ser tão fraca em deixar alguém mudar a minha vida em menos de um mês ?
Eu não podia estar apaixonada, eu não devia estar apaixonada. Logo agora que havia me acostumado em espalhar pedaços do meu coração por ai, logo agora que aprendi a amar só a mim, logo agora.
Minhas forças e minhas tentativas de ficar longe não obtiveram sucesso. E isso foi uma das melhores coisas que aconteceu em minha vida (...)”

Andrezza Guedes

Quadro infantil

Eu chorei por não ter sapatos
pra calçar,
nem brinquedos para brincar,
nem livros para estudar.
Depois eu percebi que meu vizinho -
- uma criança raquítica e triste -
não tinha mãos para os brinquedos,
não tinha olhos para os livros,
não tinha um pão para comer,
não tinha u'a mãe para afagá-lo.
Então eu recolhi meu choro,
Olhei papai, beijei mamãe,
e nunca mais eu quis chorar.

lafayette vieira

Louca? Extremista? Infantil? Impulsiva? Imatura? Mimada? Lunática? Quem são vocês para acharem isso de mim? Me rotularem dessa maneira tão...tão... simplista?

Às vezes tenho a impressão de que sou um conjunto de extremos. Tudo concentrado em mim, um ser que poderia facilmente ser confundido com uma bomba relógio.

O tipo que quer muito hoje, com toda intensidade, com alma, coração, mente, corpo…e que amanhã já não sabe se quer mais. O tipo que ama e odeia ao mesmo tempo, que quer abraçar e quer dar uns tapas em seguida. O tipo que se alimenta com arrepios, coração acelerado e frio na barriga; e que morre de fome com a rotina, o raso, o comum, o simplista…aliás, isso me enfraquece, quase me mata. O tipo que respira melhor quando algo tira o ar, que gosta de perder o fôlego. Que não tem vergonha de sentir, não tem vergonha de ser, de falar, mesmo pagando um alto preço por isso. O tipo que se entrega, que se joga e fatalmente algumas vezes se arrebenta, mas que depois levanta, com dor e tenta mais uma vez. Estranho, não? Será por que sou masoquista? Uma pessoa tonta? É, pode ser. Mas sobretudo sou assim porque eu acredito, porque quando eu quero - EU QUERO, porque meu maior medo não é sofrer tentando e sim perder a oportunidade de ser feliz por nem tentar... e viver na angústia eterna de um "Se...". O tipo que não tem medo de inimigos, porque sabe que nenhum deles é pior do que o meu maior: eu mesma.

Estou cheia, absurdamente cheia, extremamente cheia de mim.

Tainah Ferreira

Teu sorriso infantil
Teus ouvidos ardentes de tristeza
Finge que não ouves...
Com a inocência incendiada,
Jogue as cinzas ao vento
O teu simples olhar
É símbolo do teu capricho
Sou tudo quanto te convém
O que importa?
Se agora bato... Agora também beijo
Ao menos tu’alma junto a minha
Fara esquecer por um minuto,
O pesadelo de viver
Por um momento de eternidade...
Peça-me tudo o que tenho,
Menos meus pensamentos...
Que há muito tempo ele já é teu.

Morgana Oliveira

SER INFANTIL

O ser infantil;
Quando nascemos nem sabemos se devemos ficar calado, mas quem não chora não mama. Diga algo fora do momento e dirão com todos os olhares: o que mesmo você disse?
Como não ser infantil se amamos?
É chavão dizer que quem ama fica:
Cego bobo tolo perdulário (eu já fui um);
Mas para que viver se não for para amar?
O “duro” é amar quem não lhe ama ou deixou de lhe amar!
Isso sufoca a si mesmo e ao próprio ser que se deixa ser amado sem amar quem lhe ama.
Não é infantil ser amado e não mostrar que não está amando?

Lúcio Ernesto Caixeta

Ah, não me importo com o que dizem de mim...
Não sou criança, não sou infantil...
Eu apenas sou feliz!
Se ser maduro é não sorrir não brincar com as coisas,
Não se divertir a todo momento... Então não quero ser esse maduro, não quero viver com o semblante triste me preocupando com besteiras, não sorrir nos momentos mais difíceis, viver com gritarias e discussões, não sou assim e não serei isso para ser maduro.
Felizes são as crianças, Felizes são os infantis, pois não encontraram em si a amargura de serem adultos amargos.

Michel Nery

Trabalho escravo infantil já é outro tema. tem dois fatores aí agora,

O fator de ter a capacidade de encontrar os responsáveis pelo crime, o que em 80 % dos casos não ocorre.

E o fator vida econômica, estas crianças normalmente são de famílias que passam fome e vivem em completa miséria, se elas forem ajudar o seu corpo a se manter alimentado e vivo, e esta é a opção do resto da família deles, eu estou pouco me lixando para as crianças. sinceramente.

Lázaro Alvarenga

E lá, bem no fundo, eu sempre fui aquele medo infantil de errar, de perder as coisas por um descuido. E, talvez por ironia, eu sempre acabo perdendo mesmo, quem sabe por excesso de zelo. Olhando pra trás eu só consigo contemplar ruínas de sonhos gigantes, que nunca consegui tirar do meu sono e trazer pro mundo dos acordados.

O mais intrigante nisso tudo, é que aqueles destroços e cacos ainda brilham, como se pudessem voltar à vida em um simples estralar de dedos, e eu sorrio, um sorriso meio que triste, admito, mas sincero, e por instantes eu imagino como seria se tudo voltasse a se erguer, aí eu paro por um momento, e concluo que o que passou, passou.

Nada volta, por mais que ressuscite por alguns minutos, não pertence mais ao presente. Se passou tem que ficar no passado. Naquele cemitério lúdico de sonhos intermináveis, bonitos e felizes, mas que sempre serão sonhos, e nada mais.

Paulo Genro Fh.

Amor Infantil
No ano de (dois mil e um) eu Paulo tinha 11 anos de idade e minhas atividades diárias era brincar com os amigos,(jogar bola, empinar pipa e etc) Estudava de tarde e ao entardecer depois das aulas eu sempre subia no telhado de minha casa para soltar pipa, certo dia na época de férias um amigo me chamou bem na hora que eu estava soltando pipa,rejeitei o chamado dai ele me chamou novamente pra conhecer uma menina ,eu criança de tudo quis minha diversão..kkk, dai ele insistiu até que eu disse pra ele quem era essa menina , em uma rápida olhada eu vi várias meninas e falei qual era e ele me respondeu '' é a de óculos '' Meu Deus eu disse, na mesma da hora eu quebrei a linha do meu pipa e desci do telhado interessado naquela menina de óculos, eu fui indo na direção onde ela se encontrava (Era na casa de sua Vó) nisso minhas pernas começaram a tremer e minhas mãos suarem , parecia um pimentão vermelho de vergonha, ao se aproximar do portão ela me olhou meio que fazendo pouco caso kkk, olhei pra ela com muita vergonha e disse apenas um ''oi'' dai fui saber que as outras meninas eram suas primas, elas disseram pra ficarmos conversando no corredor ao lado do quintal que elas estavam; Nisso a primeira palavra que eu disse no corredor pra ela foi ''Você é minha Barbara Paz e eu sou seu Supla....kkkk, meu Deus onde eu estava com a cabeça,ela me olhou com uma cara estranha, nisso fiquei quieto,começamos a conversar até que o primeiro beijo meu e dela, que disastre,batemos os dentes kkk,ela me olhou com uma carinha tão linda e disse, vamos tentar amanha, que vergonha que eu senti naquela hora, mais tudo bem, voltei pra minha casa que ficava 4 casas pra baixo da minha, de noite escultei uma música no rádio (SNZ) ,Dai passei á lembrar dela com essa música, passando se mais ou menos 4 meses tive que viajar para São José dos Campos, ai eu vi um sofrimento dela por mim,aqueles olhos se corresponderam completamente o que eu estava sentindo por ela,não sabia se eu iria voltar, lhe dei um ultimo beijo que ate hoje eu me lembro,eu entrei no carro e olhei pra traz olhando ela chorando e me dando xau, foi triste pra mim pois naquele momento achei que não iria mais ver ela.
Passou-se um bom tempo uns seis meses apos minha viagem eu voltei pra São Paulo, fui morar perto da casa dela, só que eu imaginava que depois de tanto tempo ela não teria mais interesse por mim, dai começei a lhe enviar cartas dizendo que eu Amava e com versinhos de amor,mandei essas cartas pela minha irmã, passou-se uns dias ela veio até a minha casa foi um otimo reencontro pois chorei de saber que ela não estava com ninguem, dai pra frente nos nao se separamos por motivos de viagens mais , mais ou menos em 2008 ou 2009 fui pedir para o pai dela ela em namoro, ele deixei mais ficou com pé atrás,(nada contra com o careca do pai dela) nossos hábitos no dia-a-dia era ir para Igreja e depois ao voltar ir na sorveteria, de vez em quando um cineminha ou no Shopping, passou uns 2 anos ela começou a fazer um curso no qual eu levava e trazia,no caminho eramos dois bobos apaixonados brincalhões, chegou uma época em que começamos a brigar muito,então agente se separava e voltava separava e voltava, mais Nunca nosso Amor mudava um pelo outro, passando-se muito tempo em 2011 agente ainda namorando com muita luta e prova fizemos a ultima coisa que o Pai dela queria saber antes do casamento,ela engrávidou em 18 de outubro de 2011,quando recebi a nóticia confesso que me assustei pois não imaginava ela grávida ainda namorando comigo sem estar com nossa casa ,mais Deus é maior e esta nos abençoando com este Bb que esta chegando.Quero deixar bem claro que não importa quanto tempo leve pra esperar seu amor , o importante é que nada nem o destino separa o que esta escrito por Deus.Hoje estou com ela, feliz pois passei quase 12anos da minha vida amando sempre a mesma pessoa e espero passar o resto da minha vida ao lado dela e do nosso bb..

Não desista de um amor nunca na sua vida , como eu sempre disse pro meu Amor...

''Se Deus é por nos quem será contra nos''

Paulo Ortune

Sou apenas uma alma infantil em um corpo de um homem , com uma mente maldosa , mais com um olha doce e meigo , Com vários medos e incertezas , com vários objetivos e
com muitas ideias absurda , sempre com o pé no chão e com escolha firmes vou seguindo a vida da maneira que ela me leva , sem olhar para trás sem tentar me decepcionar mais ainda do que já estou , e se outrora eu cair ,já serei forte o suficiente para me reerguer , pois já vivi por muitas coisas que a vida me ofereceu no docorrer da minha vida , desde de quando eu nasci

KiimDaarc

Certa vez, a menina entrou em metamorfose. E, da inconsciência infantil, nasceu agressões à mente fraca e ao coração que, constantemente, passou a apertar-se.

Certa vez, a menina triste arrancou a própria carne, transfigurando-se em uma idealização que ela nunca alcançaria! E, da inocência, fumegou-se o sofrimento trazido pelas lágrimas, agora, diárias.

Certa vez, a menina furou a candura com seus ossos agigantados. E, ao invés da lição, ah, a garota agarrou-se ao errado que, de uma forma incrível!, dava-lhe prazer.

Mateus Guilherme

existem 3 tipos de amor :

Amor infantil :

''eu te amo porque você me ama .''

Amor Adolescente :

''eu te amo se você me amar .''

Amor Adulto :

'' eu te amo independente de você me amar .''




'' ''eu te amo independente de vc me amar '' .... independente do que os outros digam , independente das merdas que vc fez no passado .... porque o amor é isso , é amar a outra pessoa independente de qualquer outra coisa , se vc não é capaz de perdoar e recomeçar outra vez , de se dar uma nova chance ... então não é amor !!

Michelle Halls

Não espere algo especial
Pois estou congelado
A única coisa que se mexe
É meu infantil coração apaixonado
Tão tímido e calmo
Mas perto de ti, desesperado

Raras pessoas o conhecem
Pois ele é muito precavido
Evitando a falsidade humana
Ele fica sempre escondido
Mas ele não sabe se esconder
Desse sorriso magnificamente lindo

Realmente eu tinha algo especial pra te falar
Mas com tão perto
Eu fico sem ar
Não sei o que fazer neste momento
Que estou à me enforcar
Com meu nobre sentimento

Realmente é ridículo como eu
Que não me acovardo diante da maldade
Não conseguir me mexer
Diante de tanta felicidade
O pior é que nenhuma de minhas armaduras
Serviu para esconder essa verdade

Só me resta então
Render-me a paixão
Confessar a você
Que você é a inspiração
Que traz vida a meu coração...

Alex Veloso

DERROTADO E FELIZ

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Depois de ler para Júlia, um clássico infantil que narra a história do pai coelho e seu filho, que trocam declarações de amor mensurando medidas e distâncias*, romântica e descaradamente resolvo plagiar: Digo para minha filha, que o meu amor por ela é maior do que o mundo. Não; do que o mundo, não. Na verdade, maior do que a via láctea.
Como que a incorporar o coelhinho da história, ela me olha pensativa. Orgulhosa, nem me pergunta o que é via láctea. Tira sua cabeça do conforto de meu colo, senta, e com voz tão doce como desafiadora, mostra quem manda nessa questão.
- Olha, pai; eu te amo mais do que o céu! Não, do que o céu, não! Eu te amo mais do que tudo aquilo que os coelhos disseram, e mais do que tudo isso que você ia dizer depois de mim!
Derrotado e feliz; tão feliz quanto aquele coelho pai, não falei mais nada. De fato, a minha filha me ama muito... E também é muito competitiva.

* Referência à fábula ADIVINHA O QUANTO TE AMO, de Sam Mc Bratney

Demétrio Sena - Magé-RJ.

QUALIDADES
Alma de poeta
Sorriso infantil
Mente de atleta
Amor pueril
Extensão de mar
E curvas de rio.
Bela como a lua
Doce como o mel
firme como a rua
nobre como o céu
tem gestos de flor
e a pureza de véu.
Olhos de diamantes
Mãos de avelã
Rosto do instante
Boca de maçã
Linda interessante
Como a manhã.
É um dicionário
Cheio a verbear
O meu calendário
Pra me informar
Todo seu horario
É todo contrario
do meu desamar.

Ezhequiel Águia Queiróz

Que o medo de ser ridicula e infantil não invada minha ética, mesmo que eu já esteja calejada, que eu já não tenha cheiro de menina, ou que já tenha recebido cartas de má respostas, cartas que cobram, cartas de mentirinha, e até cartas devolvidas.

Texto Uma carta de amor para o destinatário certo

Srta Fê

Afundo(u)


Sem pretérito, sem pretexto. Deslembre a cólera infantil, o temor esperado, previsível da frase satisfeita.
Deslembre o modelo, a cartilha, a liberdade com um aviso prévio estampado em sua cara, o desagrado, a desvalor do afeto. 
Atente para a distância. Submeta-se ao tempo.
Floresça.
Compreenda a marcha, erga a bandeira, defenda o valor da ousadia. Sem mais não seja menos. 
E se não entender, persista, insista.
O navio sem capitão sempre vai à deriva.

Laís Xavier