Texto de Sexo

Cerca de 95 texto de Sexo

Como não pensar, como resistir a essência do que é mais puro, como não tocar, se sinto nas pontas dos meus dedos toda a energia explodindo, alucinação
olhos que se entregam, bocas que secam, corações que se aceleram, e num instante unidos pelo mais puro prazer, ahhh se meus pensamentos falassem...

Renata Quintas

De todos os amores de todos os instantes, nada se compara a um instante vendo você passar, tudo se ilumina, tudo se alegra, o tempo para e a cena fica em
câmera lenta, ouço meu coração, meu corpo explode em sensações, minhas pernas bambeiam,perco a noção, me arrepio como uma gata e me desmancho num segundo,a sensualidade está a flor da pele
as emoções estão a flor da pele a pele está a florescer.

Renata Quintas

Existem situações que somente os adultos conseguem sobressair, as crianças preferem reclamar e fofocar com idiotas sem conhecimento de causa. Saber viver é saber calar, metade dos que te criticam não tem a coragem que você tem . Então meu amigo , corra, ande, rasteje , mas saia do lugar. Os anos irão passar e você tem que ter sua história e não ficar igual aos imbecis que as únicas histórias que sabem contar não fazem parte dela, são meros narradores.
Bom ânimo para nós que caímos e levantamos e não temos MEDO de cair, pois queremos é viver e viver é ousar sempre.

Hellen Lopes

O meu desejo nesta noite,
É teu beijo e o aroma que exala do teu corpo;
O calor contagiante das suas mãos a me tocar,
O arrepio ao te sentir na minha nuca a respirar
Despertando os meus sentidos
Aguçando a libido enlouquecendo-me
Com sussurros delirantes no ouvido
Os beijos e abraços apertados,
Em meio aos nossos corpos já despidos e suados,
A tua mão passeia e desvenda cada parte do meu ser
Com um misto de mordidas e carícias puxões e levantadas,
Viramos petecas sendo atiradas contra uma parede e outra
Deste quarto mal decorado;
Em fim a cama e encontrada nos atiramos
Então você despe-me do salto e retira-me a lingerie com a boca
Deixando-me mais louca Me tortura com tal ato.
Cobrindo com beijos o meu corpo
Após me amarrar junto às grades da cama,
Contorcendo de excitação
Com você transformando
O meu corpo no seu parque de diversão
E nesse brinquedo deixa nos perder
Fazendo nossa fonte de prazer,
Gemidos se confundem a essa altura
A sua mão levanta a minha cintura
Libertando-me das grades ao me beijar...
Agora eu te mosto,
O quão eu solta posso,
Contigo entre os meus braços, te conduzo pelo quarto,
Levo-te pra mesa no canto te sento beijo, lombo te ama...
Minha linda, agora te faço,
Morrer de prazer em meus braços, Seu corpo se treme e gela... Tão bela
O teu líquido é o alimento que preciso teu perfume o aroma que aguça
e os teus braços o cobertor que aquece o meu corpo nu.
Agora tu dormes no meu ombro,
Como num encanto, mulher que enfeitiça,
Ao despertar com um sorriso de me beija, balançando a cabeça,
Há essa noite o prazer nos cercara,
E o seu sono será apenas pausas amenas
Essa noite seremos só eu e você e morremos várias vezes de amor e prazer...

Armanda Fernandes Barreto

No escuro do quarto,
Olhos fechados,
Te imaginando,
Te sentindo,
Te buscando,
Nesse instante,
O mundo parou para nós dois...
Te amo, te chamo,
Nossas línguas se encontrando,
Nossas mãos,
Num frenesi urgente,
Nada mais importa,
Congelamos nosso instante,
Se o mundo acabar agora,
O que importa ?

Cristy Paes

Tinha sede e fome dela...
Apetecia comê-la pura, ou com molho amanteigado
que escorria do cozimento...

No azeite do preparo, deitar sua amada,
temperando ao ponto de impregnar as papilas,
antecipando o momento da degustação...

O odor inebriante exalado do ensopado,
era mais um ponto a aguçar o apetite,
gratinando a carne até ficar "ao dente".

Prato pronto, ai sim,
levar à mesa, ou à cama,
e fazer jus ao nome: comida!

Lina Marano

Hummm

E ai se encontraram primeiro de longe e depois de muito hummm se olharam e hummm, contatos estabecidos um ficou hummmmm no outro. O hummmmmmmmm aumentava e às vezes diminuía e viravava hummmmm e diminuía mais e virava hummm. Chegou a ser humm, mas sempre acabava em hummm hummm. Hummm de saudade queria o hummm. Hummmmmmmmmmm pensativo no hummmmmm de cuidado que queria virar o hummm de enroscado. No final não se sabe qual hummm permaneceria, mas a cada dia hummm aparecia.

Alexandre Scaldaferri

“Almejo ousadia
Permeando este ar
Quando aqui, deitada, fria
Um desejo a me esquentar
Pelo corpo
Intangível
Trancafiado num sonho
Inacessível
Meu inconsciente em desatino
Quase uma psicose
A realidade que esvazio
Parto às margens em metamorfose
Torno-me luxúria etérea
Reencarnação da Deusa Lascívia implacável
Triplicada em intensidade venérea
Vorazmente Insaciável.”

Sara Melissa

PERNAS PRA QUE TE QUERO

(Cântico)

Pernas, pra que te quero?
Velozes, inquietas, entrelaçadas;
Presas a mim, abertas - descobertas.
Cruzadas - Ah, nó sem fim....

Brancas, vermelhas - Floridas com curvas.
Torneadas, desmaiadas - sobre a cama.
Enforcam-me, mordo, tiro o laço,
Escorrego, abraço - mergulho no abismo.

Sanha a boca, abrocham os lábios.
Desabrocha a fenda, floresce; adormece,
Arrepia os espinhos, fere-me o peito.
Devoro caminhos, me perco nas coxas.

Me encontro, na fonte da vida,
Entrando e saindo; salivando palavras.
Murmuro desejos, doces desejos!
Azedam os beijos agridoce sabor.

Da gruta à floresta, bosque sombrio,
Denso nevoeiro: noturnos silêncios,
Doloridas saudades. Orvalhadas contínuas,
Jorram - luminosas tempestades!

(Lamento)

Pernas, pra que te quero?
Trêmulas, frias e assombrosas.
Se não, para fugir do mundo!

Pernas, assim me perco. Morro!
Fecha-se o cerco, murcham os lírios,
Feneço nos campos...

Pernas, abram-se a mim, perto do fim.
Ainda não acabei. Pernas, escorrem de ti
O sol das manhãs, tardes afins.

Pernas, este canto se encerra,
Com versos floridos, umedecidos,
Por nectários desejos....

Diego Evair

Muito prazer em te conhecer


Desaprendi o amor com você
no dia em que te conheci, experimentei
feito experimenta-se uma dose de cicuta
esse seu desamor sempre tão latente.
Hoje não amo mais ninguém
nem eu mesmo.
E agora que estamos em sintonia
e nos tornamos igualmente cruéis
frios e insensíveis
que tal recomeçarmos do início?
Oi... Muito prazer em (re)conhecê-la.

J.W.Papa

Como são longos os dias em Bogotá
Tempo bom. Vida mansa
Quando tudo fica ali, pra lá de Bagdá.
E a palavra inalcançável, um sonho de criança.
Mas essa névoa que se fixa
Ó Deus! Esta névoa que te imunda de malícia
Da infância o que ecoa, são frutos de uma mente prolixa.
Chuva que cai, pinga, incomoda. O que há é o suor e sua carícia.
Sou do tamanho daquilo que deixei para trás.

Darlex Machado

Já falei de você...

Já falei de você pro meu lençol, minha cama e cobertor.
Falei do seu corpo, teu sorriso e do seu cabelo.
Falei de sua boca, sua força e do seu cheiro.
Falei do quanto eu me sinto bobo perto de você.
Uma criança excitada pela pela primeira vez na vida.
Eles já sabem, te tanto eu contar
quantas loucuras eu faria com você.
Então eles me perguntam:
O que ela tem que te fascina tanto?
E eu não sei responder...

Chris Borges

Perpendicular paralela

Duas linhas não se cruzam por acaso.
Talvez as nossas formem uma perpendicular perfeita
produzindo um ângulo reto
que se encontra de modo exato no prumo.
Adjetivo de dois gêneros (masculino e feminino)
Erguendo-se e descendo em um movimento uniforme e contínuo.
Mas... também, pode ser que sejam linhas paralelas.
Linhas que se seguem lado a lado e que nunca se encontram.
Segmentos de reta, com os mesmos coeficientes angulares
mas que nunca se encontram e nem se tocam.

Chris Borges

Bebo porque tenho sede
Choro porque tenho vontade
Rir é uma contradição
Grito por não ter opção
Não sou uma cobaia de laboratório
Não me meça, comensure e nem me avalie
Me explore, violenta com vontade
Me coma e me vomite
Me consuma, me explore
Mas não me entenda
Não me explique

Chris Borges

Berzerk
Como num grito estrondoso a minha selvageria é acionada,
Não sou quem você pensa, não sou quem você quer que eu seja,
eu guardo meus conflitos para serem acionados em momentos necessários.
Tudo que compreende sobre si mesmo e sobre os outros
não se compara ao que pode se revelar!
Todos nós explodimos as vezes, todos!
Não me queira ver em batalha, pois posso morrer tentando,
ou não deixar ninguém em pé!
A realidade é dura e serena,
a realidade assusta!
Sua doma é eficaz, assim como a minha reviravolta
dominar, enfurecer, maltratar e enlouquecer
nenhuma grade prende o coração liberto
nenhuma prisão segura o pensamento
nenhuma prisão segura o pensamento!
NENHUMA PRISÃO SEGURA O PENSAMENTO!
Explodo, transpasso, ultrapasso, explodo, sou, vejo, realizo...
Ninguém é tão santo a ponto de não ser safado!
Ninguém é puritano em pensamentos
Ninguém é aquilo que aparenta ser!
Rostos angelicais não escondem muito tempo aquilo que se tem por dentro!
Bezerk...
Somos todos renegados daquilo que queríamos ser e não somos!
Ou somos, mas, com extrema luta em partes pensamos ser!
Cada dia mais humanos, caóticos, céticos, cegos, mudos!
Dualidades incontroláveis sendo equilibradas em um só corpo
Passividade e selvageria
choro e alegria
são extremos, intensos, invasivos, transcendentes a tudo aquilo que se tem visto!
Lutar, pensar e agir...
Agir, lutar e pensar...
Pensar, lutar e agir
...
*Quem de nós...
Quem somos nós...
*Quem de nós?...
*Quem é vc?
*Quem sou eu?
Insaciável, incontrolável, insubstituível?
*NÃO!
*apenas um selvagem a cada dia sendo domado e moldado, segurando a fúria do dia a dia!
*Domesticado para ser igual,
*Educado para ser normal...
E no final?
*Sobra apenas a selvageria...
Bezerk...

Messias Junior

Preciso dizer o que quero?

Decidi ligar para você
Só para saber se não está fazendo nada
Se pode sair comigo pra qualquer lugar
E só voltar de madrugada

Não precisa ser um lugar especial
É que eu sozinho não fico legal
Prefiro deitar em cama bagunçada

Sabe...
As últimas coisas que fiz com você
Por mais completas que me pareceram ser
Prefiro pensar que estão inacabadas

Decidi ir ver você
Ficar ao pé da escada
Esperando que abra a porta
Esperando que esteja animada

O que vamos fazer não importa
Com você seguirei qualquer estrada
Só peço que na volta me descanse a alma
Em fria chuva, me chame em chamas para sua casa

Douglas Azevedo

_ O apetite voraz por obra de autêntica arte dos parafraseares me oferecem ligeira vantagem a defender-me, e o pior ;
Procurar escapes aos outros não serem ignorantes preconceituosos, por escassez de cabal conhecimento, de esclarecidos cujas fontes são fiéis e não imagináveis.
Aí a tens, sorve-a!_
"Neste astuto sensualizar, meus sentidos aguçam a honra e espontaneidade da mente.
Esta que flerta em incontível blefe.
Um paradoxo do se promover para não se liquidar.
Este o sou! Abrasivo! Esfuziante! Indigno, nada sucinto, aliás , alieis-vós partículas e fundí-vos."

Sailsantucci

Os dois lados do amor

Foi tão gostoso gostar de você,
Não me lembrava como era o amor.

Foi tão intenso e verdadeiro,
Achei que seria para sempre.
Você lembrou-me como é ser feliz,
Que posso amar e ser amado,
Mostrou-me que estou vivo,
E a vida sorriu para mim.

Com você minha vida deu uma volta,
Fiquei de ponta cabeça,
Vi o mundo com olhos de criança,
Tudo ficou mais simples e bonito.
Apaixonei-me por inteiro,
Acreditei no meu coração,
Amei demais até perder a razão,
Vivi momentos inesquecíveis.

De repende tudo mudou,
Sua presença deu lugar à saudade,
A felicidade deu lugar à esperança,
A alegria deu lugar à tristeza.

Fecho os olhos e sinto você,
Sua pele quente,
Seu cheiro de fêmea ardente,
Ouço seu coração pulsando forte,
Sinto seu corpo colado no meu,
Sua respiração ofegante, seu beijo,
Seus lábios tocando os meus,
E meu coração quase explode de dor.

São só lembranças,
Tudo aquilo que parecia infinito,
Não sei como, e nem quando,
Mas parece que acabou,
Deixando um vazio sem fim,
Um sensação de abandono,
Uma dor que me consome aos poucos.

É o outro lado do amor,
Que um dia levou-me às nuvens,
No outro, ao fundo do poço,
E mostrou-me que, assim como faz sorrir,
Também faz chorar e sofrer.

É tão triste ter que te esquecer,
Não me lembrava como era essa dor.

Siger Lagel

O amor é um fenômeno tão primário como o sexo. Normalmente, sexo é uma modalidade de expressão do amor. O sexo se justifica, e é até santificado, no momento em que for veículo do amor, porém apenas enquanto o for. Desta forma, o amor não é entendido como mero efeito colateral do sexo, mas o sexo é um meio de expressar a experiência daquela união última chamada de amor.

Viktor Frankl

Ele tinha um ego maior que ele. Ela tinha uma teimosia maior que o próprio ego. Ele sabia ser romântico quando tinha que ser, embora nem todos fossem capazes de enxergar essa qualidade. Ela dominava a grosseria, mas quando ouvia uma palavra romântica, se tornava a mais doce das criaturas. Ele era prestativo, fazia questão de ajudar de todas as maneiras quem necessitasse de ajuda. Ela era preguiçosa, preferia ficar observando e babando tanto cuidado e zelo ali de perto. Ele tinha muitos amigos. Ela tinha poucos, mas tinha o suficiente para se satisfazer e se sentir privilegiada. Ele tinha mania de mexer no cabelo. Ela não podia encontrar um espelho. Ele tinha o costume de aumentar o tom da voz. Ela tinha o hábito de chorar em voz baixa. Ele sabia dançar. Ela era uma negação em qualquer movimento. Ele adorava vodka. Ela preferia a cerveja. Ele dava um banho na cozinha. Ela mal sabia fazer um miojo. Ele era de exatas. Ela de humanas. Ele gostava de ler. Ela amava escrever. Ele preferia campo. Ela curtia praia. Ele era viciado em esporte. Ela em chocolate. Ele tinha um abraço que valia mais que mil palavras. Ela tinha o dom de usar as palavras no momento certo. Ele errava. Ela amenizava o tamanho dos erros. Ele acertava. Ela ressaltava cada pequeno acerto. Ele se importava. Ela sabia melhor do que ninguém. Ele amava. Ela também.

Carolline Vieira