Terça-feira

Cerca de 45 frases e pensamentos: Terça-feira

Terça-feira nublada,
Querendo aqui chover,
Pensando em você amada,
A mulher do meu bem querer...

Sérgio o Cancioneiro

Amado Deus...

Nessa manhã de terça-feira quero te agradecer por tudo, pelas bençãos recebidas, pelo teu amor, pela tua fidelidade e por me sustentar durante todas as minhas dificuldades. Sei que às vezes fraquejo, caio, desfaleço, perco minhas forças, mas sei também que em Ti eu encontro o respiro necessário para recomeçar, em Ti renovo minhas forças, minha fé e minha esperança. Sou consciente que o Senhor sem mim continua sempre sendo Deus, poderoso e onipotente, mas eu sem ti Senhor NADA SOU, por isso, toma-me em teus braços, restaura meu ser e me conceda, em nome de Jesus um dia sereno e tranquilo, abençoado e iluminado e rico da sua presença, amém! (Priscilla Rodighiero)

Priscilla Rodighiero

"O amor odeia clichês. Você vai ouvir "eu te amo" numa terça-feira, às quatro da tarde, depois de uma discussão, e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovado no teste de baliza. Idealizar é sofrer. Amar é surpreender."

Martha Medeiros

Vai ser em uma chuva passageira, em um dia de terça-feira. A mudança de tempo, vai te castigar. Quando vir fortes ventos, seu amor-próprio vai voar. Vai tocar uma música romântica, fazendo você cair em lágrimas na cama. Vai fazer bastante frio, é aí que a temperatura da saudade sobe a mil. Quando passar cenas românticas na televisão, você vai sentir um grande aperto no seu coração. Quando olhar pra janela embaçada, vai sentir claramente minha falta. E quando sua ficha cair... Vai perceber que, me levantei e fui embora ser feliz. ''Caminhando mais pra frente, você vai correr atrás.''

Luis Henrique

A Carta
É assim, uma terça-feira de maio quero rever o iniciar histórico brasileiro a partir do nascimento, como tal o registro é do ilustre País. Todo nascer quer saber quem são os pais e aqui este encontro são da cultura européia portuguesa e a indígena onde o aproximar do texto ordenado pressupõe que há ‘comicio-mezzo-finito’. Na sensação do amanhecer quando após a vígilia noturna o inconsciente frenético do dia revejo que ler-reler um documento histórico que estava guardado na Torre de Tombo, Portugal. Antes a sensatez remete para o saber sobre o escritor. Há literatos que conduz às leituras esparsas e há pouco registro sobre a vida desse português da cidade do Porto, de família burguesa, que ocupou duas funções a de Mestre da Balança doc. Régio de 8/3/1476 e de Escrivão da frota de Cabral, Pedro Álvares. A Carta de Vaz de Caminha é A Carta de Achamento do Brasil datada de 1° de Maio de 1500. A narrativa sobre a descoberta de uma nova Terra com ares frios e temperados como os de ‘Entre-Doiro e Minho’, águas infindas, solo imenso, arvoredos, palmeiras, montanhas, rios, pássaros, mar, praia, os primeiros habitantes de cabelos corredios, tosqueados, com cordões adornando braços, cabeça, dialetos, o arvorar da Cruz elevando o Deus e de joelhos em comunhão onde a Santa Missa junto ao altar, o Evangelho envolve de maior devoção porque é aqui o iniciar desse lugar o Descobrimento do Brasil o 22 de Abril de 1500, permeia o prelúdio e o desenvolver das Terras Brasilis. Sempre faz muito bem se informar e rever sentidos e significados de um povo, porque descobre o entender mais diversificado da cultura e da educação. Assim nasce a literatura brasileira a partir de 1500 com a carta de Pero ao Rei Dom Manuel relatando essas belezuras todas por cá. Entre 1500-1601 Bento Teixeira publica o poemeto épico Prosopopéia – formação e origens, de acordo com os padrões literários medievais e renascentistas, surgindo também o Quinhentismo esta uma atividade literária da Companhia de Jesus de regra geral uma intenção doutrinária pedagógica inserida na Coreografia Brasílica por Manuel Aires do Casal estampada – publicada no Rio de Janeiro em 19 de janeiro de 1773 por habilidade e competência catalográfica de José de Seabra da Silva. Outros historiadores como Sérgio Buarque de Holanda com seu livro Raízes do Brasil, Boris Fausto e a Formação do Povo Brasileiro, O Caráter do Brasileiro do professor Dante Moreira Leite e tantos outros são deleites literários para nos compreender. A literatura jesuítica se dissiminou grandemente por volta de 1549 com Tomé de Souza primeiro governante da Capitania onde os Colégios da Cia se instalaram no Rio de Janeiro, Bahia e Pará. Penso, releio, relembro quanto distanciamento entre a cultura tradicionalista e a contemporânea, da educação cristã, porque se desfazer tanto para com as gerações de vinte anos presentes e vindouras em acessar esse tesouro diversificado e fundamental em nossas vidas onde a literatura impressa nos livros, revistas, nos bancos de dados através de um ferramental poderoso e necessário que é o computador, a internet onde se disponibiliza informações e conhecimentos tão relevantes e precisos para o desenvolvimento de nossa gente, da Nação. E daí, vai e volta, porque países desenvolvidos têm a sua literatura tão enraizada, tão intrínseca, desenvolvida e desenvolvimentista em tecnologias, na educação básica e técnica, mas jamais deixando as suas danças folclóricas e populares, as obras de artes, as músicas, os trajes típicos, as comidas, os jardins, as flores tais com tulipas, orquídeas, avencas, os animais, as riquezas de solos, enfim tudo é tão preservado, conservado e cultivado com muito carinho e felicidade esta habitante da Alma que oxigena o Espírito. Então governantes, professores, sociedade o currículo das escolas é uma condição para um aprendizado, mas cultura se faz no dia a dia, porém as nossas gerações precisam de orientações multidisciplinares com políticas constantes e ininterruptas de leituras onde as artes como teatro, cinema, pintura, artesanato, faz um diversificar intelectual pensante desde criança e que dura uma existência, assim pode-se aspirar e vivenciar que somos educadores globalizados.

Bindes - Fá - Leitora