Terça-feira

Cerca de 47 frases e pensamentos: Terça-feira

Terça-feira, 2 de Setembro de 2008
Salvando o mundo

Você não pode acolher todas as pessoas em teus braços. Não pode desejar salvar o mundo sozinho. E também não pode ater-se em tentar salvar uma pessoa todas as vezes que ela quiser colocar a mão no fogo.
Algumas pessoas só aprendem quando se queimam, e neste momento aprendem a desviarem-se do fogo sozinhas, sem ser necessário que te preocupes com elas.
Claro, que é muito bom ajudar as pessoas, mas nos incêndios que assolam nosso mundo, nossas vidas, deixar que cada um faça a sua parte implica em deixar que cada um cuide de si, também.
Alguém precisa ser capaz de levantar para permitir que você possa estender a mão a outro, e à medida que as pessoas vão levantando, você deixa de ter uma preocupação para ganhar um aliado.

Augusto Branco

Infelizmente, eu não queria fazer isso!!!
Mas, vc provocou. Até terça -feira, uma intimação será entregue na sua casa, para vc comparecer em uma delegacia próxima e depor pelo crime de esquecimentos alheios.
No artigo 1.978 do parágrafo 19, a lei do ORKUT de 2001, sob o direito que qualquer amigo de sua lista, não cumprindo a determinação de deixar um recado na sua página de no mínimo 3 dias, fará justo ao descomprimento da lei, com pena de min 5 anos e max 10 anos. Contrate um bom advogado porque não estou de brincadeira!!! (kkkkkk) vc me abandonou. Mas, querendo que eu tire a queixa, é só mandar um recado que eu mando cancelar a intimação.
rsrsrsrrsrsrs BJIM

Desconhecido

Segunda-feira .. sempre passa e sempre haverá uma terça-feira com um lindo céu azul com poucas nuvens.

Adriano Soares

Uma Carta de suicídio.


Terça-feira, 22 de abril do ano de 2011, são absolutamente 00:00 horas, e eu estou aqui, decidida a acabar com a minha dor, eu não queria ter que acabar com a minha vida junto com a dor, mas não encontrei outra solução. Há quatro meses atrás, perdi uma das pessoas mais importantes da minha vida, e depois disso comecei a perder tudo, perdi o que tinha de mais valoroso, perdi o amor, eu perdi absolutamente tudo o que tinha, e até o que não tinha. Não tenho sinceras desculpas quanto a tudo isso, minha vida tá um caos, todos os dias, pessoas entram e saem da minha vida, não dizem adeus, elas simplesmente se vão… Eu sofro cada vez mais a cada partida, eu não suporto mais sofrer, eu tenho pensamentos absurdos, e cheguei a tal conclusão do suicídio, eu não sei dizer uma definição certa, eu não tenho um motivo tão óbvio para isto, eu só não suporto mais, desabei, caí, fraquejei… Não aguento mas e quero dar um basta nisso… Sabe aquele momento que você olha em todas as direções, vê multidões de pessoas, mas você está só, em meio a multidão. Eu gritava, ninguém me ouvia, eu chorava e ninguém enxugava minhas lágrimas, nem sequer perguntavam como eu estava, apenas me ignoravam, era como se eu não existisse… Por dias comecei a acreditar que eu fosse só um fantasma, uma alma penada, perambulando pela terra, sem rumo, sem chão, sem um propósito de vida. Então tomei essa decisão, sei que muitos irão me julgar, me mandarão ir ao inferno, mas eu não sei o que vai ser de mim daqui pra frente, não sei para onde vou, eu não sei nem aonde eu estou nesse absoluto momento, eu por diversas vezes tentei firmar meus pés no chão, mas era como se eu estivesse me afogando, procurando terra onde não tinha… Então, chegou a minha hora. Peço desculpa a todos, não pude significar nada na vida de ninguém… Agora minha alma caminha livre, calma até o infinito até o além… Até o eu sei lá para onde… Como meu último pedido, peço que escrevam em minha sepultura, essa pequena frase: ” Aqui descansa eternamente aquela que nunca soube o real motivo da sua existência, que nunca soube o valor que tinha sua vida

Laila Menezes

TERÇA-FEIRA, 21 DE AGOSTO DE 2007

Existe sempre uma coisa Ausente - Caio F.
Paris — Toda vez que chego a Paris tenho um ritual particular. Depois de dormir algumas horas, dou uma espanada no rodenirterceiromundista e vou até Notre-Dame. Acendo vela, rezo, fico olhando a catedral imensa no coração do Ocidente. Sempre penso em Joana d’Arc, heroína dos meus remotos 12 anos; no caminho de Santiago de Compostela, do qual Notre-Dame é o ponto de partida — e em minha mãe, professora de História que, entre tantas coisas mais, me ensinou essa paixão pelo mundo e pelo tempo.

Sempre acontecem coisas quando vou a Notre-Dame. Certa vez, encontrei um conhecido de Porto Alegre que não via pelo menos á2o anos. Outra, chegando de uma temporada penosa numa Londres congelada e aterrorizada por bombas do IRA, na época da Guerra do Golfo, tropecei numa greve de fome de curdos no jardim em frente. Na mais bonita dessas vezes, eu estava tristíssimo. Há meses não havia sol, ninguém mandava notícias de lugar algum, o dinheiro estava no fim, pessoas que eu considerava amigas tinham sido cruéis e desonestas. Pior que tudo, rondava um sentimento de desorientação. Aquela liberdade e falta de laços tão totais que tornam-se horríveis, e você pode então ir tanto para Botucatu quanto para Java, Budapeste ou Maputo — nada interessa. Viajante sofre muito: é o preço que se paga por querer ver “como um danado”,feito Pessoa. Eu sentia profunda falta de alguma coisa que não sabia o que era. Sabia só que doía, doía. Sem remédio.

Enrolado num capotão da Segunda Guerra, naquela tarde em Notre-Dame rezei, acendi vela, pensei coisas do passado, da fantasia e memória, depois saí a caminhar. Parei numa vitrina cheia de obras do conde Saint-Germain, me perdi pelos bulevares da le dela Cité. Então sentei num banco do Quai de Bourbon, de costas para o Sena, acendi um cigarro e olhei para a casa em frente, no outro lado da rua. Na fachada estragada pelo tempo lia-se numa placa: “II y a toujours quelque choe d’abient qui me tourmente” (Existe sempre alguma coisa ausente que me atormenta) — frase de uma carta escrita por Camilie Claudel a Rodín, em 1886. Daquela casa, dizia aplaca, Camille saíra direto para o hospício, onde permaneceu até a morte. Perdida de amor, de talento e de loucura.

Fazia frio, garoava fino sobre o Sena, daquelas garoas tão finas que mal chegam a molhar um cigarro. Copiei a frase numa agenda. E seja lá o que possa significar “ficar bem” dentro desse desconforto inseparável da condição, naquele momento justo e breve — fiquei bem. Tomei um Calvados, entrei numa galeria para ver os desenhos de Egon Schiele enquanto a frase de Camille assentava aos poucos na cabeça. Que algo sempre nos falta — o que chamamos de Deus, o que chamamos de amor, saúde, dinheiro, esperança ou paz. Sentir sede, faz parte. E atormenta.

Como a vida é tecelã imprevisível, e ponto dado aqui vezenquando só vai ser arrematado lá na frente. Três anos depois fui parar em Saint-Nazaire, cidadezinha no estuário do rio Loire, fronteira sul da Bretanha. Lá, escrevi uma novela chamada Bem longe de Marienbad , homenagem mais à canção de Barbara que ao filme de Resnais. Uma tarde saí a caminhar procurando na mente uma epígrafe para o texto. Por “acaso”, fui dar na frente de um centro cultural chamado (oh!) Camille Claudel. Lembrei da agenda antiga, fui remexer papéis. E lá estava aquela frase que eu nem lembrava mais e era, sim, a epígrafe e síntese (quem sabe epitáfio, um dia) não só daquele texto, mas de todos os outros que escrevi até hoje. E do que não escrevi, mas vivi e vivo e viverei.

Pego o metrô, vou conferir. Continua lá, a placa na fachada da casa número 1 do Quai de Bourbon, no mesmo lugar. Quando um dia você vier a Paris, procure. E se não vier, para seu próprio bem guarde este recado: alguma coisa sempre faz falta. Guarde sem dor, embora doa, e em segredo.

O Estado de S. Paulo, 3/4/1994

Caio Fernando Abreu

Nostalgia

Sei que em uma tarde ensolarada de terça-feira, daqui talvez uns 30 anos, sentirei saudades destas paredes tão silenciosas que assistem o meu adormecer há anos. Não minto quando afirmo que reclamarei a falta do aroma dos lençóis que agora me cobrem, lavados pelas mãos da minha mãe, assim como do travesseiro que a tanto tem sido feito de lenço de seda, nos momentos em que as lágrimas não podem ser contidas e caem como tempestades no final de um dia quente.
Não sou capaz de descrever o que despertou tal desejo de perceber o meu cotidiano, talvez no fundo, inconscientemente até o saiba, mas arrisco dizer que há uma grande chance que a causa deste olhar manso e amoroso pelo o que me cerca, por tudo o que está ao alcance das minhas mãos, esteja intrinsecamente relacionado ao tempo, pois ultimamente tenho pensado muito nele.
Às vezes, fico sentada na escada observando os cabelos brancos dos meus pais, que não me deixam esquecer que não sou mais aquela criança (por mais que deseje voltar a sê-la), e não posso negar que sinto medo do ponteiro do relógio que corre, dia após dia, noite após noite, sem parar por um único instante. È fato, todos nós estamos envelhecendo, dormimos mais novos e acordamos mais velhos, mas tenho a impressão que está passando tão rápido.
Parece que foi ontem que fiz dezoito anos, e agora, falta pouco para ter mais de um quarto de uma década; envelhecer não me assusta se de repente me olhar no espelho e ver uma linha riscando a minha face vou entender que são as marcas dos dias já vividos tomando forma, diante de mim; o que me apavora na realidade é o medo do que ficará para trás, do que poderá não seguir comigo, do que deverei deixar e de um dia acordar e ter certeza algumas coisas não voltaram jamais.
Dizem que não se deve pensar no futuro, mas talvez seja necessário, para podermos dar mais valor ao presente, e é isto o que estou fazendo, presto atenção a cada detalhe, não me canso de olhar as velhas paisagens, porque sei que hora ou outra, elas irão desaparecer, e só poderei as reconstruir nas entrelinhas da minha memória.
È de extrema importância valorizarmos todas as coisas, por mais simples que sejam, antes de perdê-las, como também não devemos viver no temor do que há de vir, e do que será, em detrimento do presente, nós só podemos optar por um dos verbos, o presente ou o passado.

Tatiane Moresi

Terça feira, 06 de fevereiro de 2007-02-05

Eu tentei o Adeus, varias vezes mas não consegui
Pq nós andávamos na mesma direção para que nunca pudéssemos nos separar, mas se separamos
Dizem que se vc ama alguém então tem que libertá-lo, eu nom acho
eu preferiria viver preso à vc do que viver nessa dor e miséria, mas vc me libertou, ou melhor fez com que eu me libertar-se

Dizem que o tempo vai fazer com que tudo isso vá embora, pura ilusão o mesmo tempo que tomou meus amanhãs e transformou em ontem....
Mais uma vez esse sol nascente está se pondo
E mais uma vez vc, meu amigo não pode ser encontrado, pq vc não quer ser encontrado, paciência...

E é tão difícil de se fazer mas tão fácil de se falar
Mas as vezes vc só tem que ir embora....
Ir embora
Seguir seu rumo, seu destino, pq não suas vontades...
Eu sei me virar do meu jeito , fugindo, acreditando em ilusões, acreditando na loucura da minha mente insana, mas isso é a minha forma de esquecer, e quer saber de uma coisa, isso funciona....

Gustavo André

Foi numa dessas tardes de terça-feira que soltei a coleira do meu pensamento e deixei ele rever a saudade.

Thalita B.

Bom Dia Terça-feira!
Entra por favor e despeja
aquela chuva de bençãos
nas nossas vidas, renova
nosso ânimo, nossa força,
nossa fé e a nossa esperança.

Priscilla Rodighiero

Série Cartas: Carta Dois – Às Claras!


Às Claras!

Meu amor estou aqui de novo, escrevendo alguns rabiscos, onde expresso meus sentimentos, pois um amor não se mede com fita métrica, nem com a duração, muito menos com declarações no facebook e sim pelas dificuldades que nós enfrentamos para ficarmos juntos. Um amor verdadeiro é aquele que a outra pessoa fica feliz e radiante, pelo simples fato de ver a outra feliz.
Quero expor sobre esse pedaço de papel rasurado que mil vezes tentei esquecer-te, mas no fim... mil vezes desejei-te tê-la só para mim. Só que uma pergunta me fiz durante nossas discussões: - “Será que vale a pena discutir por bobagem?” Às vezes me repito por diversas vezes que eu a amo para poder dizer pro mundo que eu faço parte de uma maioria que está comprometida... mas isso não vem ao caso. O caso é que já é um fato consumado que estamos bem e felizes ao ponto de querermos viver sob o mesmo teto, dividir as mesmas alegrias e as mesmas preocupações e assim ficar velhinhos um do lado do outro para o resto da vida.
Te amo e não escondo isso, porque eu quero que o mundo saiba que você está aqui ao meu lado. Ah, e me desculpe se eu disse algo que veio a ferir seus mais sinceros sentimentos, não foi a intenção, pois tudo o que faço é para te ver alegre por me ter ao seu lado. Prometo que um dia eu conseguirei suprir todas as tuas angústias e sofrimentos e farei-te esquecer qualquer coisa que te lembre a este passado tão remoto e que ainda se faz presente na sua vida.
Estou aqui escrevendo esta humilde carta expondo meus mais puros e claros sentimentos para você entender que o que eu sinto por você não tem explicação e me deixa sem palavras para terminá-la, então só resta-me dizer que eu a amo mais que tudo e nunca a deixarei só.

Sempre teu,
Amadeu.

Por Caio Cavalcante. Em 28 de maio de 2013; terça- feira

! Vejo !

Vejo o sucesso da margem, da beira, e ainda é terça feira,
Na viagem eterna que vivo,
Venero minha loucura e lastimo minha lucidez,
Será agora minha vez? será mais uma embriaguez?
Em pleno expediente, será que sou doente.?
Será?
Serro o mal e encerro tal tom , tal timbre, algelical e funebre breve,
Mais uma vez se tenta o que não se deve...
Delirio de febre, ai se fosse lebre leve..
Disparava a correr longe de morrer,
Isso se eu tivesse coragem de deixar o prazer!

Renato Broz (O Dom Quixote pós moderno)

Em plena terça-feira com programação fechada para o FDS. Isso se chama síndrome de peru.

Dani Leão

Da terça-feira gorda, uma quarta-feira de cinzas. Que contradição iniciar a Quaresma após dias de profanação.

Dani Leão

Segunda feira acordo bem cedo para pensar que na terça feira tenho que imaginar a quarta feira sem fazer nada, para encarar a quinta feira descansando, porque sexta feira é dia de planejar o que não fazer no sábado que é véspera de domingo, e que domingo deve ser reservado para pensar no que fazer na segunda feira

Acir Mandello

Hoje, dia 25.12.2012, Terça-feira, é Natal! Natal, quer dizer nascimento, qual seja, nascimento do Menino Jesus, que veio ao Mundo para nos salvar. Jesus Cristo nasceu em Belém de Judá, segundo a Bíblia Sagrada, e, Belém, significa em hebraico, a Casa do Pão, Casa do Pão Sagrado que é Jesus Cristo, que veio ao mundo para mudar o rumo das coisas que até então não andavam muito boas. Se olharmos ao nosso lado, veremos também que as coisas ultimamente não andam dentro dos conformes, basta olhar os noticiários dos Jornais e TVs, para a gente se assustar com tantas coisas ruins acontecendo por esse mundão afora, tudo por falta ou ausência total de Jesus Cristo no meio daqueles que não acreditam em nada, ou só acreditam nas coisas materiais, querendo a todo custo juntar mais e mais, para poder dizer que é o todo poderoso e o melhor de todos, se esquecendo que os bens deste mundo são apenas deste mundo, pois, ninguém leva dinheiro ou bens diversos para a eternidade, somente levamos as coisas boas ou ruins que aqui na terra fizemos ou deixamos de fazer. Que neste Natal, possamos voltar os nossos pensamentos para as coisas do alto, fazendo tudo aquilo que Jesus Cristo nos legou aqui na Terra, e, com certeza, o Mundo será bem melhor e a Paz tão esperada por todos nós reinará para sempre em nossas vidas, assim o espero. Feliz Natal e Próspero Ano Novo para todos os amigos e amigas de Facebook! Abraços fraternos.

Luiz Maria Borges dos Reis

Terça feira

Vamos tecer uma terça de alegrias com os fios dourados do otimismo! (outros bons fios se entrelaçam e se ajustam).

Rayme Soares

terça-feira, 10 de janeiro de 2012
Esse caminho pelo qual sempre ando
Rumo a que não sei
Volta-se e olho para trás
Nunca saberei o que há pela frente
Levo em minha bagagem
Além de sonhos
Decepções
Medos
Ilusões
E muita esperança, sim, isso, Esperança...
Olho á frente e o destino nunca chegam
Ando , ando , ando e não te encontro
Nem mesmo a mim...
Acho que andei me perdendo entres as horas
Minutos
Segundos
Anos de busca
Em busca da felicidade
Ao encontro de uma verdade
Á cidade dourada
Mito e sonho misturados em minha simples contemplação
Simplesmente sigo
Rumo a que, não sei...
Mas chegarei, nisso consiste minha certeza em caminhar...


Letícia Andrea Pessoa

Letícia Andrea Pessôa

Nessa terça-feira tomei uma decisão de fundamental importância para mim, aos 16 anos, decidi me filiar a um partido político. Era algo que vinha pensando já havia um tempo, estava dividido, tinha outra proposta/caminho que poderia seguir, mas como tudo na vida, temos que fazer escolhas.
Tendo em vista os valores que tenho, fiz essa filiação com o intuito do fortalecer essa minha politização, que vem sendo continua e com o espírito de renovação. Para quem sabe, em um futuro próximo, conseguir por em prática minhas concepções de políticas públicas, por mim ou por terceiros.
Bem, para o futuro, não sei o que me aguarda, só sei que continuarei engajado em tudo que acredito.
Hoje, me filiei ao PSDB, sou mais um JOVEM TUCANO com o espírito de renovação, querendo somar e mudar o panorama negativo.

Guilherme Moura

Nessa Terça-feira com um friozinho gostoso e razoável. Me resta assistir um filme sozinho debaixo das cobertas.

Maurício Neto

Dez da noite em Lisboa, véspera de terça – feira, noite de calor e uma Lua quase cheia. Um céu escuro, estrelas tímidas. No horizonte, apenas um comboio de luzes infinitas, marcava a outra margem.
Num terraço, alguém estava sentado, numa cadeira de recosto, mesmo ao lado da minha.
Existe gente que crê em levitação, em discos voadores, em vampiros, em Deus, em si mesmo...
Eu tinha um anjo da guarda, um talismã da sorte, que acreditava em mim e eu nele. Que sorria para mim e eu para ele. Que sorria como sempre sorriu. Que o tempo não talha...
Interrompo o que estou a escrever, e as recordações dos acontecimentos, pois a partir do momento em que a tive na minha vida, nada ficou como dantes.
Este anjo tinha um ar sonhador, doce e irresistível. Era ele que atravessava a minha memória, o meu pensamento e trespassava o meu coração e de todos aqueles com quem convivia. E eram tantos... e tantos...
Quando estava com aquele anjo, a sua imagem iluminava o mundo que o rodeava e dava-me a certeza de felicidade. A paixão com que falava em tudo o que acreditava, o ar abstracto e sincero...
Aquele anjo é daqueles que fazia milagres ao domicílio. Quando errava, mostrava-me que o erro humaniza.
É deste anjo que falo, mais de um anjo real e menos de um anjo inatingível, que não vemos.
Este anjo mostrava-me que a valsa pode ser tocada de uma maneira equivoca, porque é errando, errando muito e por largos dias que atingiremos a perfeição. E que o facto de não pormos fermento no pão faz dele uma iguaria, igualmente, deliciosa.
Este anjo era Eduarda. Queria poder dizer-lhe, daqui a muitos anos, que seríamos ainda mais unidos, numa relação envolvente e profunda, cheia de alegrias e de memórias, reforçadas por termos vivido tudo e tanto... nunca disse o principal sobre ela. Há palavras que nunca se chegam a dizer... e é uma pena...

Ana Severina