Suspiro

Cerca de 391 frases e pensamentos: Suspiro

Um suspiro é uma censura ao presente e um sorriso ao passado.

Madame Émile Girardin

A religião é o suspiro da criança acabrunhada, o coração de um mundo sem coração, assim como também o espírito de uma época sem espírito. Ela é o ópio do povo.

Karl Marx

~ Soneto 30 ~

Quando à corte silente do pensar
Eu convoco as lembranças do passado,
Suspiro pelo que ontem fui buscar,
Chorando o tempo já desperdiçado,

Afogo olhar em lágrima, tão rara,
Por amigos que a morte anoiteceu;
Pranteio dor que o amor já superara,
Deplorando o que desapareceu.

Posso então lastimar o erro esquecido,
E de tais penas recontar as sagas,
Chorando o já chorado e já sofrido,

Tornando a pagar contas todas pagas.
Mas, amigo, se em ti penso um momento,
Vão-se as perdas e acaba o sofrimento

William Shakespeare

"não falo, não suspiro, não escrevo seu nome. Mas a lágrima que agora queima a minha face me força a fazê-lo"

Lord Byron

Cemitério

Este pó foram damas, cavalheiros,
Rapazes e meninas;
Foi riso, foi espírito e suspiro,
Vestidos, tranças finas.
Este lugar foram jardins que abelhas
E flores alegraram.
Findo o verão, findava o seu destino...
E como estes, passaram.

(Antologia da Poesia Americana, Ediouro, 1992 - RJ, Brasil. Tradução de Manuel Bandeira)

Emily Dickinson

Até o último suspiro a vida é um processo.

Lya Luft

Um dia, nalgum lugar, uma eternidade após,eu relembraria tudo isto num suspiro:
Dois caminhos divergiam numa floresta de outono, e eu, eu escolhi o menos percorrido, e isto fez toda a diferença!

Robert Frost

Hoje dei um suspiro e senti algo diferente. Ou melhor, esse suspiro era diferente e depois dele todos os suspiros que se sucederam também eram diferentes.
Eles eram mais profundos
Suspirava com vontade, sabe!
Com vontade de sorrir, de chorar, de gritar
Acho que esses são suspiros da paixão
Sinto saudade, vontade, desejo
Sei que esses suspiros são proibidos e quase utópicos
Porém confesso que estou gostando de senti-los
Não sei por quanto tempo continuarei suspirando por você
Mas não quero parar de suspirar agora.

Manuela Paiva

"Que a minha intensidade não me impeça de respirar vezenquando, pois suspiro o tempo todo pra encontrar espaço nesse peito que já nem se cabe. Que essas explosões de vida, de beleza e dor me permitam ao menos, por alguns momentos, absorvê-las com tranqüilidade: para que eu consiga dormir sem ter de chorar ou gargalhar até a exaustão, pois sinto falta de apenas lacrimejar ou sorrir sem contrações, descontraída. Que a felicidade não me doa sempre e tanto, a ponto de assustar. Que haja alguma suavidade nos meus olhos diante do cotidiano e que eu não me emocione exageradamente com esta delicadeza. Que eu possa contemplar o mar sem que ele me afogue por completo. Que eu possa olhar o céu imenso e que isso não me aniquile por lucidez extrema. E que quando eu escrever um texto, ao ser publicado, assim, despido de qualquer revisão emocional, dotado apenas da intuição que me foi dada, que encontre a fonte precisa que agasalhe a palavra “palavra”. Que eu não viva só em caixa alta, com esses gritos que arranham silêncios e desgovernam melodias. Que eu saiba dizer sem que isso me machuque demais. Que eu saiba calar sem que isso me provoque uma tagarelice interna inquieta. Que eu possa saber dessa música apenas que ela se comunica com algo em mim, nada mais. Que eu possa morrer de amor e, ainda sim, ser discreta. Que eu possa sentir tristeza sem que ela se aposse de toda a minha alegria. E que, se um dia eu for abandonada pelo amor, não deixe que esse abandono seja para sempre uma companhia."

Marla de Queiroz

Aí você solta aquele suspiro, que parece descarregar a alma.

Caio Fernando Abreu

Se uma águia fende os ares e arrebata
esse que é forma pura e que é suspiro
de terrenas delícias combinadas;
e se essa forma pura, degradando-se,
mais perfeita se eleva, pois atinge
a tortura do embate, no arremate
de uma exaustão suavíssima, tributo
com que se paga o vôo mais cortante;
se, por amor de uma ave, ei-la recusa
o pasto natural aberto aos homens,
e pela via hermética e defesa
vai demandando o cândido alimento
que a alma faminta implora até o extremo;
se esses raptos terríveis se repetem
já nos campos e já pelas noturnas
portas de pérola dúbia das boates;
e se há no beijo estéril um soluço
esquivo e refolhado, cinza em núpcias,
e tudo é triste sob o céu flamante
(que o pecado cristão, ora jungido
ao mistério pagão, mais o alanceia),
baixemos nossos olhos ao desígnio
da natureza ambígua e reticente:
ela tece, dobrando-lhe o amargor,
outra forma de amar no acerbo amor.

Carlos Drummond de Andrade

A religião é o suspiro da criatura aflita, o estado de ânimo de um mundo sem coração, porque é o espírito da situação sem espírito. A religião é o ópio do povo.

Karl Marx

Nada mais Sou..
que o reflexo das minhas atitudes, o fogo das minhas paixões, o suspiro dos meus amores, a esperança dos meus desejos, a determinação das minhas buscas, a espera das minhas angustias, as lagrimas dos meus sofrimentos, a construção dos meus sonhos, o carinho da minha família, a vitória das minhas conquistas, o orgulho de ter chegado onde cheguei e a satisfação de ser quem eu sou ;)

Daiane Pastorep

O próprio ar é um um último suspiro!

corey Taylor

Te amo pelo toque, pelo cheiro, pela palavra, pelo gesto, pelo suspiro, pelo beijo, pelo amor, te amo pela troca de sentimento, te amo pelo que somos e principalmente pelo que representamos um para o outro.

Rachel de Oliveira Morais

O que Deus faz por nós, esta alem do que podemos ver, sendo assim a cada suspiro que dou agradeço a Ele... o Dono de todas as coisas!

The Angel

Borboleta Azul e o Casulo.





Suspiro, suspiro, suspiro

Borboleta azul para onde está indo?

Não me diga isso, vai me deixar sozinho?

Borboleta azul com suas asas quebradas

Não irá ao seu destino chegar.

Pra quê tanto sofrer?

Borboleta azul, não batas estas tuas asas

Elas são fracas, não mais valem pra nada.

Borboleta azul seu choro ninguém escuta

Baixinho desse jeito? Oh que loucura.

Borboleta azul desista, pra que tentar sabendo

Que nada vai dar?

Borboleta azul teimosa, formosa e triste

Chega desse teu querer, pois nada vai acontecer.





Suspiro, suspiro, suspiro

Casulo aonde eu vou, não sei, mas eu irei.

Casulo que egoísmo o seu, deixe-me tentar

Por mais fraca e quebrada minhas asas possam estar.

Sozinho? Sim o deixarei...

Não chore casulo, juntos tivemos dias e meses

Minhas asas, dentro dê ti formei.

Pra que tanto este teu choro alto? É um som tão amargo.

Digo-lhe que sentirei saudades deste teu conforto,

Aconchego que tínhamos um com o outro.

Mas irei para não mais voltar, quero poder agora voar.

Se choro baixinho é porque ainda sinto um medinho.

Loucura seria não tentar e para sempre em meu casulo ficar.

E depois de tanta luta e teimosia em nada der

A felicidade sabe, já alcançarei, porque pelo menos eu tentei.

Niw Durães.

Pensar, Pesar...

E, novo, suspiro...
E, de novo, respiro.
Senão, quase piro.

Francismar Prestes Leal

(suspiro...) Quando sinto o perfume de ervas, fecho os olhos e sinto a umidade, vejo um flamboyant que contrasta com os verdes ...
O que isso significa? NADA, saudosismo, talvez?!
Mas e quando ouço palavras de ordem e gritos de indignação...E se folheio paginas de um livro de capa vermelha, meu coração quase pula pela boca,... Ele perde o ritmo, por um instante sinto como se parasse, mas não, ele não parou de bater! Eu apenas confundi a disritmia com o vazio.Um vazio dolorido, que é como se um verme houvesse corroído esse meu singular músculo pulsante que parece kamikaze nesta luta de convencimento como outro músculo, músculo esse que é estático e que ocupa minha caixa cefálica.
Ah ! Porque perco meu tempo escrevendo? Para que este serve se não produz pó de pirlim pim pim, para levar-me a ele?
Tudo isso que escrevo serve apenas para... NADA, nada !
Para chegar a conclusão de que direcionar meu libido a ele não serviu para nada, alias serviu sim, serviu para que fosse servil à ele, adiantou para que conseguisse provar d’água, mas não saciar minha sede. Sede de ter mais uma vez, uma não varias e incansáveis vezes seu calor, seu peso sem pejo sob meu corpo.
Por que não perdemos a cabeça?
Porque nos controlamos?
Porque seu corpo quer ser meu mas o coração não?
Porque meu corpo detecta elevado aumento desse hormônio que reflete no meu intramuscular que chamo de sublime coração?
Sublime?Sublime ou ordinário que deixa ser roído por vermes e bicado por corvos?
Ah como explicar a dor?
Nem tento explicar essa paixão que arde e fere e me faz sentir-me como madame Sade!
Seria eu pobre discípula do Marques que ensinou tirar prazer de dor?
Será que tanta dor tem me causado prazer?
Minhas lamurias não o comoverão, e ainda insisto por quê?
Falei dos meus medos,até brinquei com Dumond, me apropriei do congresso internacional do medo, me ensinaste a levantar a cabeça e tentar a lutar pelos meus ideais,me ensinou que as utopias fazem parte da vida.E que sonhar com um mundo melhor tem outro nome.Ainda me mostrou que eu “sei o que devo defender”. Nunca pensei que fosse superar a bruxa que voava sobre a vassoura,e as quimeras que enterrei, mas superei,então não será porque foi lascivo que me perderei.
Em breve outro será digno de sentir meu aroma de barregã!
E concupiscência e Luxuria não serão mais redundantes na mesma frase serão apenas a grafias complementares um d’outras acompanhadas de doces palavras que nunca foram proferidas de seus lábios por isso ainda não as conheço.

DUTRA Michelly Cristina dos Santos