Ser ou Não Ser Eis a Questão

Cerca de 90 frases e pensamentos: Ser ou Não Ser Eis a Questão

Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre
Em nosso espírito sofrer pedras e setas
Com que a Fortuna, enfurecida, nos alveja,
Ou insurgir-nos contra um mar de provações
E em luta pôr-lhes fim? Morrer.. dormir: não mais.
Dizer que rematamos com um sono a angústia
E as mil pelejas naturais-herança do homem:
Morrer para dormir... é uma consumação
Que bem merece e desejamos com fervor.
Dormir... Talvez sonhar: eis onde surge o obstáculo:
Pois quando livres do tumulto da existência,
No repouso da morte o sonho que tenhamos
Devem fazer-nos hesitar: eis a suspeita
Que impõe tão longa vida aos nossos infortúnios.
Quem sofreria os relhos e a irrisão do mundo,
O agravo do opressor, a afronta do orgulhoso,
Toda a lancinação do mal-prezado amor,
A insolência oficial, as dilações da lei,
Os doestos que dos nulos têm de suportar
O mérito paciente, quem o sofreria,
Quando alcançasse a mais perfeita quitação
Com a ponta de um punhal? Quem levaria fardos,
Gemendo e suando sob a vida fatigante,
Se o receio de alguma coisa após a morte,
–Essa região desconhecida cujas raias
Jamais viajante algum atravessou de volta –
Não nos pusesse a voar para outros, não sabidos?
O pensamento assim nos acovarda, e assim
É que se cobre a tez normal da decisão
Com o tom pálido e enfermo da melancolia;
E desde que nos prendam tais cogitações,
Empresas de alto escopo e que bem alto planam
Desviam-se de rumo e cessam até mesmo
De se chamar ação.

William Shakespeare

Ser ou não ser... Eis a questão.
Que é mais nobre para a alma: suportar os dardos e arremessos do fado sempre adverso, ou armar-se contra um mar de desventuras e dar-lhes fim tentando resistir-lhes?
Morrer... dormir... mais nada...
Imaginar que um sono põe remate aos sofrimentos do coração e aos golpes infinitos que constituem a natural herança da carne, é solução para almejar-se.
Morrer.., dormir

William Shakespeare.

William Shakespeare

Ser ou não ser, eis a questão. Qual é mais digna ação da alma; sofrer os dardos penetrantes da sorte injusta, ou opor-se a esta corrente de calamidades e dar-lhes fim com atrevida resistência? Morrer... dormir... nada mais... Morrer é dormir, sonhar talvez...
(Hamlet)

William Shakespeare

Mim é índio

eis a questão.

Um dia me perguntaram quem eu era
Respondi que mim era, quem não queria ser
Nem sei de onde tirei o tal desse porquê
e daí?

Eu sei o que a sociedade quer
Eu sei que eles querem que eu seja outro
Eu sei que muitos pais, não querem explicar seus filhos
Eu sei que muitos filhos querem desobedecer seus pais
Eu sei que as regras existem, e também sei que quebrá-las pode ser muito gratificante e estimulante, mesmo não sendo saudável, socialmente falando ou fisicamente sentindo.

Eu cansei de vestir o que você é, ou pensa que é
Eu cansei de dançar conforme seu ritmo
Eu cansei de ser identificado por números
Eu cansei de sempre ser o primeiro ou último
Eu cansei de entrar nesse seu cardápio pobre em carboidratos
Eu cansei de ter um guia não recomendado para os meus passos

Eu quero meus pés de volta
Eu quero independência de você
Liberdade de mim.
Eu quero e eu sei muito bem:

como o mim quer ser.
Como vai? Muito Prazer!

Jonathan Messias de Freitas

Não é ser ou não ser eis a questão. É sou o que sou a questão é essa.

Girassol

Eis A Questão...

Ser ou não ser...
Acho que a questão é
Crer ou não crer...

Francismar Prestes Leal

Ser ou não ser? Eis a questão.

Sofro num instante de mágoa e desespero
Na minha garganta tem um punho inteiro
E nem nos prazeres me vejo lisonjeiro
Caí na armadilha da vida
Me arrancaram pedaços nessas idas e vindas

Rasgos dos teus seios afiados
Amordaçados entre meus cacos

Te vi ligeiro
Passar dentre o devaneio
Cortar seus pés

Grito ao mundo inteiro
Suplico, te visto
És meu aviso, meu livre arbítrio
Escolhas que nos condenam
Sou culpada pela Repressão
E vivo num Regime Militar

Com regras e castigos
açoites e corações maciços
De pedra, de gesso
Todos com um único desejo:
SEJA ETERNAMENTE INFELIZ²

Taís F. Sacchi

SER OU NÃO SER

Ninguém poderá dizer simplesmente que ser ou não ser, eis a questão. A questão é subjectiva, mais complicada do que possa parecer.
Pode parecer e não ser, pode ser e não parecer.
O Ser foi criado do Nada, do nada que poder-se-á dizer Tudo, pois de um todo surgiram as partes de um tudo que partiu do Nada.
Nada porquê? Nada, porque nunca se descortinou nada desse Nada que ainda hoje é um enigma.
Do Tudo, porque é um todo, a parte mais completa e complexa existente como obra perfeita, desígnio de Deus.
Baseados em tudo e em nada, partimos para o Ser, uma parte do Tudo e do Nada.
E o Ser e o não Ser passaram a ser simplesmente a parte do todo, Tudo e Nada.
Ser ou não Ser, poderá ter forma e ser, poderá não Ser pela forma que não apresenta, mesmo assim continuam a fazer parte do mesmo todo.
Do Nada surgiu a vida, o Ser, e o não Ser, e tudo acaba em nada tal como tudo surgiu.
A obra perfeita da criação, tanto o Ser como o não Ser, fazem parte da origem da vida.
O Criador, único SER e não SER, apogeu da inteligência e da perfeição, irradiou a sua magniloquência em todo o universo e os contrastes apareceram.
Da noite se fez o dia, da terra brotou água, do fogo brotou a vida. Por meditação sistematizou, criou e deu origem.
SER sapiente em psicognosia, pelo SER que é e sempre o vai ser, ao fazer surgir o Ser, já o SER tinha criado em Si. E o SER que em Si tinha criado, no SER passou a Ser.
Dotado o Ser de conhecimentos, e o não Ser de propriedades que lhe dão o Ser, deu graças o Ser, por saber que o SER e não SER, existe em tudo o que possa não ser e ser.
Cansado o Ser por já nada mais poder ser, já que tudo pôde ser, abandona-se ao nada que pode fazer. E Tudo volta ao princípio, porque do Nada tudo pode acontecer.

Do nada, NADA pode nascer
Mas se do nada, TUDO vier
Tudo pode acontecer
SER ou não SER
Só TUDO pode dizer
Se tudo não puder ser
Nada lhe pode valer

Eva Oliveira

Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre suportar na mente as flechadas da trágica fortuna, ou tomar armas contra um mar de obstáculos e, enfrentando-os, vencer? Morrer — dormir, nada mais; e dizer que pelo sono se findam as dores, como os mil abalos inerentes à carne — é a conclusão que devemos buscar. Morrer — dormir; dormir, talvez sonhar — eis o problema: pois os sonhos que vierem nesse sono de morte, uma vez livres deste invólucro mortal, fazem cismar. Esse é o motivo que prolonga a desdita desta vida.
(in "Hamlet")

William Shakespeare

Contraditando o Inglês Shakespeare:

A sua mais célebre frase: "Ser ou não ser, eis a questão", ficou no passado da nossa sociedade.

Atualizando ela no século XXI, seria mais apropriado dizer:

"Ver ou não ver, esta é a verdadeira questão"

Anibal Aguilar Becerra

Disse um grande pensador: "Ser ou não ser, eis a questão"
Eu aqui complemento: O que é,é. O que não é, se engana alguém ou a si próprio cêdo ou tarde deixa de ser.

Acmilor

"Ser ou Não ser Um Idiota?
Eis a questão...

Agora saiba se você é um IDIOTA:

•Se você ria porque vê alguém rindo, lembre-se: Você não é um idiota. é um abestado.

•Se você acha que agir infantilmente todavia pensando que isso é "bonitinho", saca uma coisa: QUEM FAZ COCÔ NA FRAUDA, ACABA FEDENDO.

Se você acha que falar mais alto que todo mundo com seu ar de arrogância te leva á superioridade, analize primeiro que más palavras doem mais que um tapa, porém um soco te trará dispesas..."

Jessica Reis

Ser eu já sou agora viver ou não viver eis a questão, será que vale viver tendo fé apenas na esperança?

Little Sunshine

Ser ou não ser, eis a questão??? sabe qual a diferença?!
é que ser eu é mais divertido...

Scoobysenna

Ser ou nao ser .. Eis a questao.. O filosofo que citou isso foi o primeiro amante da paixao.. Pois .. Ou vc é a paixao daquela pessoa ou entao nunca serà..

RonanFabricioHetfield

Da felicidade somos reféns
Na beleza temos padrão
A dúvida é:
Ser ou não ser, eis a questão?

Pedro Henrique Wattimo

Política ou Político?

Ser ou não ser político eis a questão?
Mas o que vem a ser... Político? E o que seria... Política?
Será que a diferença é apenas no artigo?
Ou o final diferencia a semântica?

Temo a crer que poucos percebam a real diferenciação.
A política através da dialética, pensada por Platão, é ainda hoje realizada?
Questões são muitas... Respostas... Poucas postas à prática.
Mas quais seriam as conveniências das mudanças?

Devemos tentar chegar a uma conclusão, sem criar confusão;
Nas mentes dos simples que elegem seus representantes;
Crentes de poucas fés... Seguem andando cegos, guiados por maledicentes.
Sendo estes caolhos ornamentados como reis.

Ciclopes que só veem a estrada abaixo de seus próprios pés.
Ah! Maquiavel... Saudades tenho de ti. O verdadeiro Republicano.
Arruinado pelas verdades transmitidas, aos cegos que não sabiam ler.
Deturpado, transformado em maldoso professor de usurpadores.

Mas um dia há de acontecer, dos sete véus de Seth, por terra caírem.
Neste dia o mal será descoberto. Desnudando as verdades escondidas.
Ai então, veremos a face disfarçada, da verdade ocultada, pelos mentirosos de plantão.

Os homens são simples, como diz Maquiavel, e obedecem às necessidades presentes;
E completa dizendo: “quem engana sempre encontrará quem se deixe enganar”.
Pobres homens que vivem apegados as sua mazelas. Natural pode até ser;
Mas se recusar de ver as verdades expostas fora da caverna;
Preferindo olhar para as sombras mostradas pelos seus dirigentes;
É o mesmo que só querer perceber as constâncias e as regularidades inexistentes.

E seria possível alterar tais atitudes inerentes aos seres simplórios?
SIM! Digo eu. Mas tendo a concepção de Piaget, sem sermos pueril.
Somente o educador é capaz disso?
Digo NÃO! Já que os pais são detentores das verdades transmitidas aos seus rebentos.

Há muito tempo se fala no país do futuro. Sendo... Quem sabe... O Brasil.
Para tanto o pensamento do povo deve mudar, e só se transmitirmos novos valores.
No entanto, deve-se primeiro eliminarmos nossos pudores.
Parando de ser crente no futuro, tentando alterar o presente mutuo.

Percebendo que todos nós somos políticos, por tempo permanente.
E a Arte da política sendo inerente, mesmo aos que desconhecem, ignorando sê-lo.
Vamos todos de uma só voz, falarmos em política, como deve ser...
Como sonhavam os filósofos gregos, a democracia ao pé da palavra.

Sem que para tanto haja escravos, para trabalhar, enquanto outros ficam a dialogar.
Elaborando métodos de enriquecerem os cofres;
Pouco pudicos, já que na verdade não são públicos.
Seria se fossem distribuídas, aos necessitados, as riquezas lá depositadas.

Mas chega de argumentação, sei que de nada valerá, mais fácil é de eu apodrecer numa prisão.
Do que ver o mundo mudar. Se no passar temporal, nada ocorreu.
E já houve muitos outros que foram calados.
Que voz? Tenho eu? Para fazer ouvir os surdos.
Qual movimento faço? Para fazer os cegos enxergarem.

Pobre João Batista sou, gritando no deserto, comendo gafanhotos.
Sonhando um dia em batizar Jesus, crendo que ele nos arrebatará.
Levando-nos para a cidade celestial, nesta, políticos não haverá.
Será?

Lucio Sá