Saudades da minha Avö

Cerca de 3180 frases e pensamentos: Saudades da minha Avö

TRECHO DE: AS MARGARIDAS DO QUINTAL DO MEU AVÔ

Você nunca entendeu o porquê eu tacava a bola com força em você, então. Não era pra te castigar, mas para te mostrar que você é tão frágil quando uma margarida. E que dependendo da força que você tacava a bola, deixava marcas, eternas. Mesmo que a eternidade da margarida durasse um dia.

Mayara Freire

No tempo da minha avó, as mulheres procuravam um homem trabalhador, e inteligente, hoje as mulheres procuram uma BMW e varias notas de 100.

Cristian Vidal

O BOM AVÔ é aquele que pensa e agem como os netos.
Interagindo emotivamente e racionalmente como se fossem da mesma idade deles.
Mas nunca esquecer de guia-los para DEUS.

Antonio S. Sousa

Exemplo de fé, humildade e sabedoria, avó do maior homem do mundo, santa Ana iluminai-me.

Aninha Leandro.

Não confie na frase de sua avó, de sua mãe, de sua irmã de que um dia encontrará um homem que você merece. Não existe justiça no amor. O amor não é democrático, não é optar e gostar, não é promoção, não é prêmio de bom comportamento. Amor é engolir de volta os conselhos dados às amigas. Não se apaixonará pela pessoa ideal, mas por aquela que não conseguirá se separar. A convivência é apenas o fracasso da despedida. O beijo é apenas a incompetência do aceno. Amor é uma injustiça, minha filha. Uma monstruosidade. Você mentirá várias vezes que nunca amará ele de novo e sempre amará, absolutamente porque não tem nenhum controle sobre o amor.

Carpinejar

Minha avó falava que a mulher do vizinho é sempre a melhor, mas aqui na minha rua todo mundo escolheu a mulher do mesmo vizinho, uai!

Charles Canela

Não confie na frase da sua avó, de sua mãe, de sua irmã de que um dia encontrará um homem que você merece. Não existe justiça no amor.
O amor não é censo, não é matemática, não é senso de medida, não é socialismo. É o mais completo desiquilíbrio. Ama-se quem a gente odiava, quem a gente provocava, de quem a gente debochava. Exatamente o nosso avesso, o nosso contrário, a nossa negação. O amor não é democrático, não é optar e gostar, não é promoção, não é prêmio de bom comportamento.
O melhor pra você é o pior. Amor é ironia.

Carpinejar

a menina nasceu
aos olhos do avô ausente
uma mãe, duas meninas

(para Marcela Viana Franzol, minha primeira neta, nascida em 15 de abril de 2005)

Rogério Viana

Velho Estêvo chamando para a ladainha, em dia de festa,
na fazenda do meu avô paterno :
Simbora gente, que depois da reza tem dança.

Estêvo (Nunca soube se tinha sobrenome)

“AVO RAINHA”

Ao topo da serra da Borborema,
Encravada no meio de tantas belezas
Formosa está eu.

Gentil, pacata e hospitaleira.
Aberta aos que me visitam
Com orgulho a recebê-los.

Amando-os, mesmo sem os conhece-los.
Sempre sou correspondida,
Por aqueles que me visitam.

Todos se apaixonam por minhas belezas.
Amo a todos e sou amada por todos.
Que mais? Para ter orgulho de rainha.

Sou Veneza paraibana
A natureza assim me fez.
Bela hostil e hospitaleira.

Com honradez ostento a coroa
Da paz, da fraternidade e harmonia.
De rainha do Vale do Sabgy

Amo tanto o sabugy,
Do pedestal de rainha.
Sinto-me mão ou mesmo avó
Daquelas que se desgarraram
Pra terem suas próprias belezas.

Noaldo Machado de Souto

Ora, se deu que chegou
(isso já fez muito tempo)
no bangué do meu avô
uma negra bonitinha
chamada Nega Fulô.
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
(Era a fala da Sinhá)
- Vai forrar a minha cama
pentear os meus cabelos
vem ajudar a tirar
a minha roupa, Fulô!
Essa Nega Fulô!
Essa negrinha Fulô!
ficou logo pra mucama
para vigiar a Sinhá
pra engomar pro Sinhô!
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
( Era a fala da Sinhá)
vem me ajudar, ó Fulô,
vem abanar o meu corpo
que eu estou suada, Fulô!
vem coçar minha coçeira,
vem me catar cafuné,
vem balançar minha rede,
vem me contar uma história,
que eu estou com sono, Fulô!
Essa Nega Fulô!
`` Era um dia uma princesa
que vivia num castelo
que possuía um vestido
com peixinhos do mar.
Entrou na perna dum pato
saiu na perna dum pinto
o Rei-Sinhô me mandou
que vos contasse mais cinco ´´
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
Vai botar para dormir
esses meninos, Fulô!
´´ Minha mãe me penteou
minha madrasta me enterrou
pelos figos da figueira
que o Sabiá beliscou``
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
( Era a fala da Sinhá
chamando a Nega Fulô)
Cadê meu frasco de cheiro
que o teu Sinhô me mandou?
Ah! Foi você que roubou!
Ah! Foi você que roubou!
O Sinhô foi ver a negra
levar couro do feitor.
A negra tirou a roupa.
O Sinhô disse: Fulô!
( A vista se escureceu
que nem a Nega Fulô)
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô? Ó Fulô?
Cadê meu lenço de rendas,
cadê meu cinto, meu broche,
cadê meu terço de ouro
que o teu Sinhô me mandou?
Ah! Foi você que roubou,
Ah! Foi você que roubou.
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
O Sinhô foi acoitar
sozinho a Nega Fulô.
A Nega tirou a saia
e tirou o cabeção,
de dentro dele pulou
nuinha a Nega Fulô.
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
Cadê, cadê teu Sinhô
que nosso Senhor me mandou?
Ah ! Foi você que roubou,
foi você, Nega Fulô?
Essa Nega Fulô!

Jorge de Lima

Fui na missa pela primeira vez na vida, e minha avó ate agora não entendeu quem é esse tal de Neufert.
Ela mandou eu levar a biblia e eu levei.

Thais Lellis

SOBRE O CHORINHO , MEU AVÔ E EU

O meu avô era um chorão.
Para quem não sabe, chorão é tocador de chorinho, esse gênero musical genuinamente brasileiro.
Herdei geneticamente de meu avô, a quem não conheci pessoalmente, um carinho especial pelo “Brasileirinho”, pelo “Assanhado”, pelas “Noites cariocas”, pelo “Carinhoso” e por tantas outras peças geniais. Aliás, até me arrisco de vez em quando e humildemente, a tocar essas músicas.
Já disserem que o nosso chorinho equivale, em riqueza musical , ao Jazz de Nova Orleans. Discordo!
É bem superior! Tanto na melodia, quanto no ritmo e na harmonia! Isso, sem contar as letras que sempre tem o toque do romantismo, da sátira e da alegria que só o brasileiro tem. Coisas que só um chorão pode entender... !
Voltando a meu avô, sei pelo meu pai, que ele foi para o interior paulista afim de fugir da polícia getulista. Lá ele ajudou espalhar , com seu regional e com seu virtuosismo, as variações-da-beleza e os improvisos-entusiasmadores de seu cavaquinho.
Passados mais de sessenta anos esse seu neto-da-resistência-cultural, também vive fugindo de outra polícia, a do comando-de-caça-aos-hereges. Mas aí eu não fico triste não!... Ao contrário, evoco o choro mais alegre de Waldir Azevedo:

O brasileiro quando é do choro
É entusiasmado quando cai no samba,
Não fica abafado e é um desacato
Quando chega no salão.

Não há quem possa resistir
Quando o chorinho brasileiro faz sentir,
Ainda mais de cavaquinho,
Com um pandeiro e um violão
Na marcação.

Para Giovani e Kauan, meus filhos...amáveis chorões.

Carlos Alberto Rodrigues Alves

Um amigos de verdade,
permanece pela vida...
cruza monte e barreiras
ate chegar ao avo...
Um amigo como vc,
é raro de se ter...
mas tive esse prazer...
por isso digo...ADORO VOCÊ!!!

Suelen Ávila

para a minha avó
minha avó é uma obra de Deus
que com a sua cançao e de todo seu coraçao louva ao Senhor
ela ama sua familia e é um exemplo de mae
nos momentos de tristeza é nos traz paz e conforto com suas palavras mansas e sabias
ela é minha avo e me orgulho disso
eu a amo de todo o meu coraçao es um presente do senhor

Débora Cristina Coelho da Rocha

O trabalho do meu avó era educação para o meu pai. HISTÓRIA
O trabalho do meu pai é a deformação da minha educação. ACTUALIDADE

educação

Um verdadeiro perdedor é alguém que por tanto medo de não ganhar, nem sequer tenta.

(Avô Hoover em Pequena Miss Sunshine)

Little Miss Sunshine